Conto Archive

CONVERSA FORA – Miniconto de Fernando Canto

Miniconto de Fernando Canto Todos os dias, no final da tarde, quando sentavam em frente às suas casas, os vizinhos daquele bairro jogavam conversa fora. E tanto falavam, falavam, que as palavras foram tomando conta das ruas

O CAVALO DA DOCA – Conto de Fernando Canto

Conto de Fernando Canto Dava para ver o tempo passar lá fora, tão lento que era e se afigurando como nuvem na imaginação dos homens e mulheres, dos velhos e das crianças. O sol da tarde queimava,

A SUCURI – Conto indígena de Fernando Canto

Era ainda princípio de mundo quando Ianejar já havia criado os seres que mais tarde iriam compor o conjunto de animais sobre a terra. Todos eles tinham a mesma aparência, falavam a mesma língua e não mostravam

A HORA DA DANAÇÃO – Conto porreta de Fernando Canto

Conto de Fernando Canto Depois de vencer sete eleições consecutivas para deputado estadual, o escamoso líder do Partido da Estrela Negra, Maciel Fallabuonna enfim perdeu a disputa eleitoral naquele ano, possivelmente por causa dos inúmeros escândalos de

Vinícius de Moraes e o sábado de aleluia (Conto de Régis Sanches)

De acordo com o jornalista Régis Sanches, que me contou isso nos tempos que bebíamos juntos, o saudoso Vinícius de Moraes, “poeta e diplomata, o branco mais preto do Brasil”, teria passado uma cantada malandra numa mulher

A “Invenção Sexual” do Zé Ramos – Crônica porreta de Fernando Canto

Por Fernando Canto Todo mundo percebeu aflição do Zé Ramos naquela Quarta-Feira da Murta. O Marabaixo corria pela noite com as velhas senhoras rodopiando as saias coloridas pelo salão. O Zé suava tocando a caixa que a

Contículos Alados (rápidos lampejos geniais de Fernando Canto)

TRAVESSIA 2 Para Herbert Emanuel e Joãozinho Gomes Eu via o mundo invertido quando passava na rua do poeta. Ele acenava do fundo da terra me pedindo um dracma de ouro. INSÔNIA Para Carla Nobre Sem dormir

Verônica, a submersa (conto porreta de Ronaldo Rodrigues)

  Quando Verônica chegou em casa eu era uma criança a mais numa família de noventa e oito irmãos. Naquela cidade eram comuns famílias numerosas, que envelheciam muito cedo.   Verônica, quieta, tranquila, limitava-se a permanecer no

O trombone invisível – Conto de Fernando Canto para Obdias Araújo.

Conto de Fernando Canto para o poeta Obdias Araújo. Ainda era muito cedo. O rapaz de uns vinte e cinco anos vinha no meio da rua tocando um trombone de vara, marchando alegre e sem medo de

Causo do carnaval – Sucuriju? Não tem (Por @alcinea)

O pauteiro de uma emissora de televisão chamou o cinegrafista e disse: – Vai lá no Sambódromo e filma o Sucuriju. Tô precisando dessa imagem pra jogar um flash daqui a pouco no ar. O cinegrafista pegou

Teresa (em preto e branco) – Tãgaha Soares

    E foi na batata da perna de Teresa que escrevi as minhas primeiras palavras na língua nativa.  No princípio, ela até gostou, ficou lisonjeada quando lhe disse que eu estava escrevendo um livro nela. Depois,

As Estrelas da Tarde (Conto porreta de Fernando Canto)

Conto de Fernando Canto – Quem vê uma estrela de dia será feliz, disse-me o homem de cabelos brancos com quem costumava conversar quando voltava da escola. Eu havia contado a ele que há dias vira uma

O Dia em que eu chorei diante de uma tela de Antônio Bandeira – Conto de Fernando Canto

Conto de Fernando Canto No dia em que eu chorei diante de uma tela de Antonio Bandeira, no Museu da Universidade, fiquei até com vergonha do púbico presente. Chorei, como dizem, copiosamente (Até hoje não sei porque

MEU FILHO VERSICULORUM – Fernando Canto

Por Fernando Canto Antes de casarmos minha mulher Jeanerena era uma lutadora das causas sociais mais diferentes possíveis. Ela se metia em qualquer protesto e eu a acompanhava nessa luta. Um dia ela soube que iriam cortar