A VERDADE SOBRE O CALENDÁRIO MAIA (crônica de Ronaldo Rodrigues)


Este é um ano especial. É o momento de passar a régua e pedir a conta da bebedeira. É hora de a onça beber água poluída. É hora de se saber com quantos paus se faz uma canoa furada. De se fazer o balanço final do planeta e ver quem vai cair primeiro, o ovo ou a galinha.

O fim do mundo é um evento anunciado desde que o mundo é mundo. Desde que a serpente virou Cupido e fez Eva comer a maçã e Adão comer Eva. Esse acontecimento inaugurou o fim, foi o pontapé inicial de uma partida de futebol que já extrapolou o tempo regulamentar. Agora a humanidade está na marca do pênalti e os batedores estão a postos. Resta saber quem vai ficar no gol.

Segundo a Bíblia, o fim do mundo já ocorreu, através de um aguaceiro sem precedentes, o famoso dilúvio. Mas, em sua infinita sabedoria, Deus fez com que Noé escapasse para perpetuar a espécie. E as pessoas que não quiseram embarcar na arca ficaram, literalmente, a ver navios.

Anunciado o fim do mundo para a virada do ano 999 para o ano 1000, a humanidade de então ficou na espera, deixou de trabalhar, entrou num período de férias coletivas, aguardando o fim. Frustrando as previsões das Mães Dinahs da época, o lance não rolou. Paciência. A galera voltou ao trabalho, esperando novas oportunidades.

A chegada do ano 2000 seria o fim. Também furaram as previsões dos jogadores de búzios, as cartomantes e os Nostradamus de plantão do Fantástico, o Show da (dú)Vida. Agora é o tal Calendário Maia que assinalou a data do fim do mundo para o dia 21 de dezembro de 2012 e está causando a maior confusão, rendendo discussões nas redes sociais e argumentos para filmes e minisséries.

Entre as muitas controvérsias que o tema inspira, resolvi dar a minha contribuição e esclarecer de uma vez por todas, tim-tim por tim-tim, o mistério do Calendário Maia. A verdade é esta:

O cantor Tim Maia, chegando ao outro lado da vida, encontrou uma monotonia tremenda. Para movimentar a pasmaceira do paraíso, o nosso talentoso gordinho não perdeu tempo e armou essa pegadinha para deixar a galera doida. Aproveitando um cochilo do Todo (Todo é a maneira carinhosa com que me refiro ao Todo-Poderoso), entrou no gabinete celestial e mexeu nos papéis do velho. Inverteu a ordem dos fatos, revirou os grandes enigmas, misturou os mitos. Fez uma confusão dos diabos (com o perdão da palavra), inventou esse calendário e o colocou entre as ruínas do império maia. 


O resultado é isso que estamos vivendo agora: expectativa e dúvida sobre o Calendário Maia, sobre a possibilidade de o planeta levar o farelo.

Portanto, como acabei de mostrar, o Calendário Maia tem, sim, autenticidade, mas como uma brincadeira, uma armação. Trata-se do Calendário do Tim Maia, tão louco quanto ele, que está se divertindo lá nas alturas.

Ronaldo Rodrigues

  • Avatar

    Pow legal. eu sabia que o esse monstro da nossa música, pq ele sabia fazer música, e sabia aprontar como aprontou com o Faustão, axo até que le vai fazer mais lá por cima…eheheheh

  • Avatar

    Se Tim Maia estivesse entre nós, provavelmente a TIM (operadora de celular) ganharia muito em propaganda, tipo ligações gratuitas do “Leme ao Pontal” mas que o FIM esta próximo tá muito dificil de se acreditar…Vai saber! O importante é continuar a levarmos nossas vida mais a sério antes que o fim chegue pra gente.(Alex Kapuleto)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *