A viagem poética/literária de Bruno Muniz – Capítulo IV

A Lei Áurea foi sancionada em 1888, ou seja há 36 anos. Ela se casou dois anos antes, ou seja, em 1886, somando os 14 de idade com os 2 de casamento, chegamos a 52.

– Qual mês a senhora faz aniversário?
– Janeiro.
– A senhora tem 52 anos.

Expliquei a ela como cheguei a essa conclusão e ela se calou, emocionada. Anotou rapidamente a idade num caderninho que tirou de uma sacola de plástico e me agradeceu com um longo abraço. Perguntei quanto era a laranja, ela disse que era de brinde. Pedi uma informação qualquer e dei 100 contos, dizendo que era pelo informe. Ela sorriu agradecida e eu parti feliz.

A estrada de terra era em sua maior parte, fofa e vermelha, com alguns raros percursos de pedregulhos e ladeada vez ou outra por cercas de madeira e arame. Muitos pássaros e pequenos animais silvestres ornam a paisagem que vez ou outra me assombra, ora pela distância, ora pela beleza. Um pouco mais à frente, os pés ameaçam motim. Sento pra descansar. Ao redor, árvores de belas copas; “bendito é o doce de vossos frutos”. Aos grilos, meu cochilo. Após alguns minutos volto a caminhar. Paro mais duas vezes pra beber água e comer algumas frutas silvestres: maçãs, pitangas, framboesas, amoras, acerolas, cajus e cajás.

Ao final da tarde, decido procurar um bom lugar pro descanso. Por mais que macios, os sapatos modernos ainda não eram munidos de rodas. Resolvi acampar próximo à estrada pro acaso de alguém por ali passar e resolver trocar alguns dedos de prosa, que não seria nada poética pois a insalubridade dos versos deste poeta já era de causar pena até a trovador de rima, e das mais chochas. Desde a saída da vila, só tinha me deparado com um ser humano: a cinquentenária senhorinha das laranjas. Não que eu estivesse sentindo falta, era mero estranhamento.

Bruno Muniz

Compartilhe isso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*