Alunos do SESI Amapá embarcam para etapa regional de Torneio de Robótica


Dez alunos do Ensino Fundamental e uma estudante do Ensino Médio da escola do Serviço Social da Indústria (SESI) Amapá vão participar da etapa regional do Torneio de Robótica FLL (First Lego League). A disputa acontece nos dias 30 de novembro e 1º de dezembro, em Manaus. O tema desta temporada é “Into Orbit” – experiências no espaço. Os jovens estão acompanhados pelos professores da instituição, Danilo Ramalho e Edgar Isacksson.

Maior torneio de robótica do mundo, o FLL tem como um dos objetivos desafiar os competidores a criar soluções inovadoras que possam ajudar a tornar o mundo um lugar melhor para se viver. Seguindo o tema desta temporada, os times devem elaborar um projeto científico que auxilie os astronautas durante as viagens espaciais.

Na competição, a equipe Marco Zero Robotics foi desafiada a competir com robôs de mesa em missões espaciais e apresentar projeto de pesquisa que solucione um dos problemas encontrados por astronautas durante sua estada no espaço. A solução que será demonstrada pela equipe do SESI é um planetário invertido que por meio da realidade virtual passará para o astronauta imagens de momentos bons que ele já viveu, a fim de que isso consiga minimizar o problema de solidão e do afastamento da terra, provocando nele, sensações de felicidade.

Além do projeto de pesquisa, outro critério que conta pontos no FLL é o core values – a capacidade dos competidores de trabalhar em equipe e ajudar o próximo. “Para mim, este é o critério mais importante do torneio. Como os times são formados por alunos de todas as idades, fiz muito mais amigos na escola e passei a ter contato com muito mais gente”, declarou o estudante Eduardo Diatel, 14 anos. “Antes eu tinha uma visão muito minha sobre as coisas. A preparação para um torneio de robótica me fez enxergar o mundo de uma forma diferente”, concluiu.

“Acredito que o torneio é um grande incentivo para os adolescentes serem pessoas melhores. Ali, eles podem mostrar que a mudança deve partir de cada um, e sugerir ideias capazes de mudar o mundo. É um investimento diário para que os alunos pensem fora da caixa. O incentivo da escola contribui para a formação de profissionais e cidadãos arrojados”, afirmou o professor Edgar Isacksson.

O professor Danilo Ramalho destaca que a classificação para a etapa regional do FLL é resultado de um trabalho que começou em sala de aula e representa um crescimento pessoal. “Por meio do dia a dia da escola, com as aulas de robótica e oficinas extracurriculares, os alunos começam a entender aonde podem chegar. A participação no torneio é um aprendizado muito importante e o SESI trabalha para proporcionar experiências que façam a diferença na vida dos alunos”, comentou.

Assessoria de comunicação do SESI Amapá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *