Amapá está com estrutura preparada para receber vacinas da Pfizer

O Brasil recebeu esta semana 1 milhão de doses de vacinas fabricadas pela farmacêutica americana Pfizer que, em parceria com a empresa alemã BioNTech. A vacina já possui registro definitivo na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) desde fevereiro deste ano.

O Amapá vai receber uma cota desse primeiro lote que chegou ao Brasil na noite de quinta feira 29, e a previsão do Ministério da Saúde (MS) é que a divisão seja proporcional e igualitária entre os 26 estados e o Distrito Federal. O MS ainda não informou quando a cota do Amapá será encaminhada, nem a quantidade de doses.

O Governo do Amapá garante a segurança do transporte e armazenamento das doses.

Acondicionamento especial

A Superintendência de Vigilância e Saúde (SVS) e os órgãos de segurança já elaboraram um esquema de transporte e armazenamento especial, pois os imunizantes precisam ser armazenados em temperaturas entre -90ºC a -60ºC, por até 6 meses com os frascos fechados.

Alternativamente os frascos fechados podem ser armazenados e transportados entre -25°C a -15°C por um período único de até 2 semanas e podem retornar a -90°C a -60°C. Uma vez retirada do congelador a vacina fechada pode ser armazenada por até 5 dias entre 2°C e 8°C. Dentro do prazo de validade de 5 dias entre 2°C a 8°C, até 12 horas podem ser usadas para o transporte. Antes do uso, a vacina fechada pode ser armazenada por até 2 horas a temperatura até 30°C. O fabricante ainda alerta que uma vez descongelada a vacina não deve ser congelada novamente.

O Estado conta com toda estrutura necessária para manutenção das vacinas no período necessário dentro da Unidade de Imunobiológicos da SVS, freezers científicos com capacidade de alcançar temperaturas inferiores a -86ºC já estão reservados para receber o imunizante.

“Estamos preparados para receber esses imunizantes. Essa nova leva de vacinas vai vir em boa hora e vamos avançar no nosso objetivo que é vacinar toda a população”, declarou Dorinaldo Malafaia, superintendente da SVS.

Sobre a vacina Pfizer

O imunizante usa a tecnologia do RNA (ácido ribonucleico, uma macromolécula essencial para várias funções biológicas), como mensageiro sintético, este auxilia o organismo do indivíduo a gerar anticorpos contra o vírus, segundo o fabricante este método tem uma rápida capacidade de produção em massa do vírus.

A Pfizer já realizou estudos com as vacinas, atestou uma eficácia de em torno 95%, com esquema de duas doses, em um intervalo maior ou igual a 21 dias entre as doses.

De acordo com o fabricante, pessoas acima de 16 anos podem tomar a vacina. Ainda é recomendado orientação médica, antes de tomar o imunizante, caso a pessoa se enquadre em um desses critérios:

Tenha apresentado uma reação alérgica grave ou problemas respiratórios após ter tomado outras vacinas;
Se já desmaiou após a aplicação de qualquer injeção;
Se no momento apresenta doença aguda ou infecção grave, com febre alta;
Se tiver problemas de hemorragia e coagulação ou utilizar medicação para prevenir formação de coágulos sanguíneos;
Se tem um sistema imunológico enfraquecido, ou é imunossuprimido, seja por doença ou por uso de medicamento ou;
Se está grávida ou amamentando.
O fabricante alerta que o imunizante contém açúcar, portanto deve ser usado com cautela por diabéticos.

Alguns efeitos secundários foram registrados com o uso da Pfizer, entretanto não é apresentado em todas as pessoas e caso haja uma reação adversa grave, é necessário buscar atendimento em uma Unidade Básica de Saúde (UBS).

Nathanael Zahlouth e Marcelo Guido
Ascom SVS
Fotos: Arquivo GEA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *