Amapá registra queda para 11,3% na taxa de desocupação anual em 2023, a menor desde 2015

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apresentou, nesta sexta-feira, 16, os dados referentes a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua Trimestral. Estimada em 11,3%, a taxa de desocupação no Amapá referente ao ano de 2023 é a menor já registrada desde 2015 e a segunda menor da história da pesquisa, iniciada em 2012.

Com a queda de 1,8 ponto percentual na taxa anual de desocupação do país (7,8%), 26 unidades da federação registraram retração nesse indicador. A população ocupada do país chegou ao maior patamar da série histórica, ao atingir 100,7 milhões de pessoas em 2023. Esse número representa um crescimento de 3,8% em comparação com o ano anterior, e o maior destaque é o Amapá, que obteve um aumento de 8,6%.

Para o vice-governador do Amapá, Teles Júnior, a pesquisa reflete os avanços governamentais em ampliar políticas de geração de emprego e renda, movimentando os setores que constroem a sociedade.

“Estamos criando um ambiente de negócios capaz de atrair e estimular investidores, pois é nosso compromisso reforçar políticas públicas que valorizem a população amapaense e sua renda. Como reflexo, a massa salarial, ou seja, todos os rendimentos pagos no mercado de trabalho, saltaram para 1,8 bilhões de reais em 2023, o maior de nossa série histórica. Em comparação, o ano de 2022 registrou 872 milhões”, ressaltou o vice-governador.

A PNAD Contínua é o principal instrumento para monitoramento da força de trabalho no país. A amostra da pesquisa por trimestre no Brasil corresponde a 211 mil domicílios pesquisados. Cerca de dois mil entrevistadores trabalham na pesquisa, em 26 estados e no Distrito Federal, integrados à rede de coleta de mais de 500 agências do IBGE.

PNAD Contínua de 2023 no Amapá

Taxa de informalidade
A taxa de informalidade do Amapá no ano de 2023 foi de 41,7%, o que representou queda em relação aos indicadores dos anos anteriores. Em 2019, o índice estava em 54,5%.

População ocupada

A população ocupada do país cresceu 3,8% frente ao ano anterior e chegou a 100,7 milhões de pessoas, o maior patamar da série da pesquisa, iniciada em 2012. Os destaques foram para os estados do Amapá, Alagoas e Goiás, que obtiveram aumento de 8,6%, 7,8% e 7,1%, respectivamente.

População desocupada

Com a queda de 1,8 pontos percentuais na taxa anual de desocupação do país (7,8%), 26 unidades da federação também registraram retração nesse indicador. O estado do Amapá registrou seu segundo menor índice histórico desde 2012, com 11,3%.

Empregados no Setor Privado com carteira de trabalho assinada
Estimados em 85 mil pessoas, o índice de trabalhadores com carteira assinada é o maior registrado na história do Amapá.

Empregados no Setor Privado sem carteira de trabalho assinada
O número de trabalhadores autônomos foi reduzido de 121 mil, em 2022, para 117 mil em 2023.

Texto: Eduardo Belfort
Foto: Maksuel Martins/GEA e Israel Cardoso/GEA
Secretaria de Estado da Comunicação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *