Arandu: atriz de Macapá teve o espetáculo prorrogado no Rio por conta do grande sucesso de publico

Sucesso de público, o espetáculo “Arandu – Lendas Amazônicas” prorroga as apresentações no CCBB até o dia 20. Dirigido pelo diretor e autor carioca Adilson Dias, a montagem mergulha no universo das lendas amazônicas, onde o índio é o personagem principal. No palco, uma índia vivida pela macapaense Lucia Morais conta histórias da grande floresta em uma viagem imaginária pela nossa ancestralidade indígena. A atriz se inspirou na própria infância ribeirinha e nas histórias contadas por sua avó para compor a personagem.

Os espectadores podem assistir a quatro histórias: Lenda do Dia e da Noite, que fala de uma tribo que vivia em agonia por que não havia noite, só havia dia; Lenda da Vitória Régia, a história da guerreira Naiá; A Lenda da Fruta Amarela, que conta a história de um novo fruto que aparece na floresta; e A Lenda do Açaí, sobre a crise de alimentos que assolava uma tribo indígena. A ideia é transpor o público, através de um passeio poético, para as lendas amazônicas de um Brasil que traz na narrativa oral o veículo de perpetuação da cultura (40min). Rec. a partir de 10 anos.

Fonte: Veja.

  • A LENDA DO AÇAÍ – com detalhes originais

    Há muito tempo, na grande Taba Mairí, onde hoje se encontra a cidade de Belém, os Tupinambás se tornaram tão numerosos que os alimentos ficaram escassos, fato que preocupava enormemente o cacique Itaki, que tomou uma cruel decisão: para diminuir a população ele resolveu que a partir daquele dia todos os recém-nascidos seriam sacrificados. Sua filha Iaçá estava grávida e deu à luz a uma linda menina, que também teve de ser sacrificada. Iaçá chorou dias seguidos, ela pediu a Tupã que mostrasse ao seu pai uma outra maneira de salvar seu povo da fome. Numa certa noite de lua, Iaçá ouviu um choro de criança. foi até a mata e viu uma menina ao pé de uma fina palmeira. O espanto não a impediu de correr e abraçar sua filha, que desaparece em seguida. Iaçá, inconsolável, chorou até desfalecer.
    No dia seguinte seu corpo foi encontrado abraçado ao tronco daquela estranha palmeira que estava carregada de pequenos frutos escuros, como os olhos de Iaçá. O cacique Itaki mandou que apanhassem os frutos, o qual amassaram e obtiveram um suco que agradou a todos.
    O fruto da palmeira de folhas e cachos tristonhos, arriados, foi batizado de ïwasa’i que em tupi significa fruta que chora.
    Com aquele novo e rico alimento, a taba Mairí renasceu e, a assim, o fruto se espalhou pela foz amazônica alimentando outros milhares de índios e ribeirinhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *