Avanços nas relações da sociedade civil amapaense e da Guiana Francesa na área da cultura

A Uaçá Produções e o Movimento Cultural Desclassificáveis, com a intermediação da Associação Amapaense de Folclore e Cultura Popular-AAFCP, neste mês de janeiro, consolidaram relações transfronteiriças de extrema importância para o desenvolvimento da cultura do Amapá. Trata-se de uma parceria com a Oyapock Reseau Action – ORACT, que possibilitou que os facilitadores e oficineiros Paulo Alfaia e Alex de Jesus, passem 30 dias realizando vivências teatrais, oficinas de percussão e construção de instrumentos musicais – Batukelata, para crianças e adolescentes, além de intercâmbios para aprimoramentos e futuras novas parcerias, nas cidades de Oiapoque, Saint-Georges, Caiena, Kourou e Camopi. As atividades no lado brasileiro estão ocorrendo na sede da Uaçá Produções, em Vila Vitória do Oiapoque, com a produção local realizada pela professora Marion Gueye e conta também com a parceria da Associação de Moradores.

As oficinas de Batukelata iniciadas, no último dia 20, nas escolas de Saint-Georges e Trois Palêtuviers têm como objetivos a valorização da expressão artística; a introdução da noção de ritmos para a prática da percussão; a contribuição para a sensibilização ecológica através do aproveitamento de materiais recicláveis para a confecção dos instrumentos musicais. E ainda, promover a descoberta de novos talentos para a prática musical e para a produção de espetáculos.

As vivências são voltadas para pessoas adultas interessadas na experimentação de técnicas de expressão artística, de pesquisa em estéticas e processos de criação cênica, desenvolvidas por diferentes abordagens de profissionais da cena teatral brasileira e internacional, como o teatrólogo e dramaturgo Elie Stephenson. É uma oportunidade de treinamento de técnicas teatrais baseadas na expressividade do corpo do ator como criador absoluto de sua arte; de fortalecimento do fazer artístico; uma possibilidade de formação de plateia; e de formação intelectual e de reflexão sobre os modos de utilizar o teatro como suporte no processo ensino – aprendizagem.

Texto: Iran Lima- Coordenador Geral da Associação Amapaense de folclore e Marcelo de Sá Gomes – Coordenador de Turismo e Meio ambiente da Associação Amapaense de folclore e cultura popular.
Fotos: Associação Amapaense de folclore e cultura popular

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *