Cantata Natalina comunitária da Ueap prepara apresentação no Teatro das Bacabeiras

coral
Por Diego Diniz, da Agência Amapá

O Teatro das Bacabeiras se prepara para receber, na noite do dia 11 de dezembro, os dois corais (adulto e infantil) da Universidade do Estado do Amapá (Ueap). A programação, organizada pela Ueap em parceria com o Instituto Accorde Brasil e a Escola Modelo Guanabara, será às 19h, com entrada gratuita e aberta ao público. Já no dia 9 de dezembro, às 20h, a Cantata Natalina fará sua pré-estreia no hall de entrada do campus I da universidade, que fica na Avenida Presidente Vargas.

O tema escolhido para esse ano foi “O retorno do Messias – a profecia”. Os coralistas vão cantar o milagre da previsão dos profetas hebreus sobre o nascimento de um novo Messias que, segundo a antiga tradição, nasceria na pequena cidade de Belém e revolucionaria o mundo com gestos transformadores de amor e paz. No repertório, foram selecionados grandes clássicos da época natalina como a música tradicional hebraica Shalom e Aleluia, de Wolfgang Amadeus Mozart.

Projeto social

O coro infantil da Ueap é parte do projeto Meu Canto Conta, de autoria da maestrina e professora de canto Arnely Schulz, e foi um dos vencedores do edital de fomento a projetos de extensão da universidade. A ideia surgiu como forma de dar uma iniciação cultural aos jovens do ensino público e, paralelamente, acatar a Lei 11.769, que prevê a obrigatoriedade do ensino da música na educação básica.

Utilizando-se da mesma metodologia, a maestrina aplicou a ideia do Meu Canto Conta aos adultos e, desde então, vem oferecendo a qualquer interessado, de qualquer idade, a chance de ingressar numa oficina de canto e se integrar ao grupo. “Todo início de ano nós abrimos uma oficina de canto aqui na Ueap e qualquer pessoa pode se inscrever nela”, explica Arnely.

Por fazerem parte de um projeto amplamente aberto ao público, os 110 integrantes dos corais da Ueap não necessariamente pertencem ao quadro de funcionários da instituição. Na realidade, a maioria dos integrantes que se apresentarão no teatro foram selecionados na comunidade e em grande parte são donas de casa, universitários e crianças.

Em 2009, trabalhando no Distrito Federal, o projeto da maestrina, que é amapaense, ficou bastante reconhecido e a autora premiada com a medalha de Cidadã Honorária Brasiliense. No mesmo ano, de volta a Macapá, o coral foi homenageado em sessão solene da Câmara de Vereadores. No ano de 2010, um livro sobre o projeto foi lançado no Museu Nacional de Literatura de Praga, na República Tcheca, onde a maestrina juntamente com cinco solistas do coral puderam se apresentar.

A partir de então, o Meu Canto Conta ganhou ares mais cosmopolitas, tornando-se um modelo possível de ser aplicado em qualquer classe, de qualquer lugar. “O coral é um investimento inteligente do dinheiro público, pois é um projeto de baixo custo cujo retorno se dá em várias setores”, assegura Arnely. “A proposta pedagógica através da música traz benefícios de saúde, intelectuais e emocionais, tira a criança do risco das ruas e a leva para um ambiente onde ela vai iniciar sua formação artística e moral”.

O coral infantil é composto por 70 membros, a maior parte estudantes do sistema público, sendo 60 estudantes da Escola Estadual Modelo Guanabara e outros dez escolhidos na comunidade. Já o coral de adultos é composto por 40 pessoas. “Tinha gente que não sabia cantar uma nota sequer quando chegou aqui”, lembrou a maestrina. “E agora o povo vai poder ver o resultado dessa transformação lá no teatro”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *