Jornalista Seles Nafes gira a roda da vida. Feliz aniversário, amigo! – @seles_nafes

Com o Seles, em 2014.

Sempre digo que o jornalismo me trouxe muitos amigos. Alguns inimigos também, mas isso faz parte. Também costumo dizer que gosto de parabenizar neste site as pessoas por quem nutro amizade. Afinal, sou melhor com letras do que com declarações faladas. Acredito que manifestações públicas de afeto são importantes. Quem roda a roda da vida neste oitavo dia de abril é o querido Seles Nafes e lhe rendo homenagens.

Seles é um renomado jornalista paraense radicado no Amapá. É editor e dono de site, ex-âncora da TV Globo local, pai e marido dedicado é profissional competente. O manda-chuva da página eletrônica homônima a ele é um cara que respeito e nutro amizade.

Com o Seles, em 2022

Em 2016, após 18 anos de atuação no jornalismo da Rede Amazônica, o cara se despediu da empresa. Lá ele foi repórter, editor, produtor e apresentador dos jornais da emissora. Seles é paraense e mora em Macapá desde os anos 90. Para cá ele veio, viu e venceu. Na mesma década em que começou a trabalhar em jornais impressos da capital amapaense.

Seles Nafes sempre foi bacana comigo. Tive uma passagem curta pela Rede Amazônica, mas ele nunca me tratou como foca (jornalista iniciante). Ao contrário, costumava repetir que gente nova traz inovações e me deu dicas importantes na época. Por conta do gosto comum por Rock e cinema, começamos a bater papos descontraídos.

Claro que, ao longo dos anos, discordamos. Certa vez, discutimos e nos “encaralhamos” um com o outro, mas isso faz parte. Volto a dizer: gosto do cara. Como não dar valor a alguém que te apoia sem ganhar nada em troca? Reconhecimento não é uma regra geral, infelizmente.

Seles, mano velho, que teu novo ciclo seja ainda mais paid’égua. Que sigas com essa sabedoria e coragem pisando forte em busca de seus objetivos, Que tudo que couber no teu conceito de sucesso se realize. Que a Força sempre esteja contigo. Que tua vida seja longa. Saúde e sucesso sempre. Parabéns pelo teu dia, brother. Feliz aniversário!

Elton Tavares

Querido amigo, jornalista Paulo Silva gira a roda da vida. Feliz aniversário, Paulão! – @PauloSilva1955

Com o querido Paulão, há alguns anos

Sou fã de muitos jornalistas amapaenses. Um deles é Francisco de Paula Silva Santos, o popular Paulo Silva, mas que a gente gosta mesmo é de chamar de “Paulão”. O cara gira a roda da vida pela neste segundo dia de abril e lhe rendo homenagem, pois além de profissional competente, ele é um cara porreta!

Paulão é pai da Mary, Mario (esses dois primeiros também amigos meus) e Marcos, avô do João e marido da também jornalista Janete Carvalho. Resignado torcedor do Botafogo, fervoroso ypiranguista e pirata da batucada (também torço para o Ypiranga Clube e sou Piratão). Ele é um dos grandes da imprensa amapaense, não somente pelo tamanho, mas pela trajetória, postura e credibilidade.

Colunista político do Jornal Diário do Amapá, integrante da bancada do programa Luiz Melo Entrevista e um dos melhores radialistas da história do rádio amapaense, Paulão possui coerência e sensatez. O cara é rodado (no melhor sentido da palavra), já que trabalhou em todas as rádios do Amapá. Hoje, completa 69 anos. Destes, 50 dedicados ao jornalismo, nobre profissão que Paulo Silva abraçou como repórter esportivo.

Paulão sempre me tratou muito bem. Não só por ser amigo dos meus pais, mas pelo homem de bem que é. Além disso, sou fã de seu texto, das colocações inteligentes e dos pontos de vista do querido jornalista. Me orgulhei quando ele me elogiou algumas vezes na rede social Twitter e sou grato por isso.

Paulão é respeitado por jornalistas, políticos, empresários e as demais classes da sociedade amapaense. Ele é um formador de opinião consistente, imparcial, faz uma crítica séria e com senso de Justiça. Um verdadeiro exemplo de jornalista para os que atuam nesta profissão.

Livre-pensador, um exemplo de colega e um amigo que admiro e respeito, além de jornalista brilhante, hoje rendo homenagens ao Paulão. Paulo Silva passa por um momento de manutenção fora do Amapá há alguns meses, mas logo estará de volta à terrinha, atuando no que faz de melhor, o jornalismo.

Há pouco tempo, Paulo Silva “pulou uma fogueira”. Venceu uma batalha e tanto. Graças a Deus, ele segue aqui informando e alegrando nossos dias. Dou muito valor no “negão”. Parabéns, amigo Paulão. Que tenhas MUITA SAÚDE, pois com ela, no resto tu te garantes. Feliz aniversário!

Elton Tavares

*Texto republicado por conta do corre-corre diário, mas de coração. 

Publicitário Antonio Costa gira a roda da vida. Feliz aniversário, Tonho! @tonhocos

Com Tonho, o aniversariante gente boa.

Sempre digo aqui que gosto de parabenizar neste site as pessoas por quem nutro amor ou amizade. Afinal, sou melhor com letras do que com declarações faladas. Acredito que manifestações públicas de afeto são importantes. É o caso do publicitário Antonio Costa, que gira a roda da vida neste vigésimo sétimo dia de março. Além de meu primo postiço, ele é gente boa e brother. E por isso, lhe rendo homenagens!

O “Tonho” é o marido apaixonado e amoroso da minha prima Jamila Tavares. E um filho, irmão, tio e dedicado aos seus afetos. Trata-se de um cara inteligente pra caramba, religioso, amante de cachorrinhos zolhudos (casal de pets Léia e Darth), além de viajante do mundo e bicolor fervoroso.

Antônio, Jamila, Bruna e eu – Macapá – 2023

Também é o maior conhecedor da saga Star Wars, de George Lucas, da qual também sou muito fã. Além de tudo, ainda toca bateria. Poucos sabem, mas descobri logo que o vi que é um Sith disfarçado de Jedi. Mas com aquele jeitão que gostamos do lado negro da Força. Em resumo, esse bicho é culto, viajado, manja de uma porrada de coisas firmes e dou muito valor em bater papo com ele, pois é.

O cara mora em Belém (PA) e, sempre que vou lá, tento sair com ele e Jamila. Todas as vezes é um encontro regado a chopp ou vinho do bom, comida legal e papo pai d’égua. Espero que façamos isso logo, pois da última vez que fui até a capital paraense, não deu a repetir essa controada firme.

Eu, Bruna, Antônio e Jamila – Belém – 2023

Tá, tudo bem que ele é gabola às vezes. Também mete umas bicudas no meio da conversa vez ou outra, ok. E ainda diz que foi um grande baterista. Tudo beleza, mas dou demais valor nesse sacana.

De um ano pra cá, sempre que precisei do amigo/primo, ele chegou como o Gandalf ao amanhecer para salvar Aragorn (piada interna, mas Tonho sabe do que falo). Serei sempre grato, mano velho!

Grande primo e brother. Saúde e felicidades, cara!

Como dito acima, além de meu primo postiço, és um amigo querido. Além disso, somos compadres, pois tive a honra de ser um dos 250 padrinhos de casamento dele e da Jamila (tô brincando, mas pensem num casal apadrinhado). Aliás, sempre digo: foi o melhor casório que fui na vida.

Em resumo, Tonho é um cara tenaz, sagaz, de humor ácido e demais inteligente. Um sith na essência, mas jedi com seus afetos. Um cara por quem tenho apreço, admiração, consideramento e respeito (claro que tiro mó onda com a cara dele, mas isso faz parte das minhas relações de amizade).

Tonho, dou valor no senhor. Que teu novo ciclo seja ainda mais firmeza. Que sigas com sabedoria, com doses exageradas de equilíbrio e a coragem para seguir pisando forte em busca de seus objetivos. Fico feliz pelo seu ano novo particular, pois tu és porreta! Que tudo que couber no teu conceito de sucesso se realize. Que a Força esteja contigo. Saúde e sucesso, sempre. Parabéns pelo teu dia, primo. Feliz aniversário!

Elton Tavares (mas também falo/escrevo pela Bruna Cereja, pois ela também adora você, Tonho).

Poeta e jornalista, Thiago Soeiro, gira a roda da vida. Feliz aniversário, amigo poeta (@ThiagoSoeiro)

Com Pedro e Thiago, encontro no barzinho, em 2016.

Sempre digo aqui que gosto de parabenizar neste site as pessoas por quem nutro amizade. Afinal, sou melhor com letras do que com declarações faladas. Acredito que manifestações públicas de afeto são importantes. É o caso do jornalista e poeta Thiago Soeiro, que gira a roda da vida neste vigésimo sexto dia de março e lhe rendo homenagens!

Além de talentoso poeteiro e competente profissional da imprensa, Thiago é um declamador brilhante e divertido (excelente artista da poesia) e um cara muito gente boa. Soeiro é também o filho amoroso da dona Raimunda, escritor de cartas, trovador do amor, produtor da TV Equinócio (Record AP), e também atua como assessor de comunicação, blogueiro e cantor. E ainda é o marido apaixonado do Pedro Stkls.

Juntamente com Pedro Stkls, Thiago forma o sensacional Poetas Azuis, que traz uma linda poesia musicada, da qual sou fã, divulgo e acompanho. Sempre digo que essa galera ainda será descoberta pelo Brasil. Eles são nossos “queridinhos cults”.

Com o amigo Thiago Soeiro, em 2022. Felicidades, mano!

Thiago possui fino trato, inteligência, talento e muita paideguice. É um figura gentil, gente boa demais e que chega aos 36 anos feliz com sua arte. O cara já me emocionou algumas vezes durante as apresentações dos Poetas Azuis, quase estraga minha imagem de bruto (risos).

Soeiro, mano velho, que teu novo ciclo seja ainda mais paid’égua. Que sigas com essa garra, sabedoria, coragem e talento em tudo que te propões a fazer. Que a Força esteja contigo. Saúde e sucesso, sempre, amigo. Parabéns pelo teu dia, querido amigo. Feliz aniversário!

Elton Tavares

*Texto republicado por motivos de correria do trampo, mas de coração.

20 anos de stereovitrola, a melhor e mais antiga banda de rock alternativo autoral de Macapá

Matrix, Rubens, Marinho e Patrick, os caras da stereovitrola, em frente ao saudoso Liverpool Rock Bar, em 2004

A banda stereovitrola (sim, com “S” minúsculo, mas um som em caixa alta), melhor do rock autoral amapaense, completa, neste sábado (23), 20 anos de existência. O ano era 2004, antes mesmo do Liberdade ao Rock ser fundado, a stereo, na época com o propósito de fazer covers na capital onde o rock underground estava num período sombrio, começou sua trajetória.

Na época, a primeira formação era de Almir Júnior, o “Liguento” (ainda bem que ele saiu logo e as canções autorais foram feitas após a saída dele) no vocal, Ruan Patrick (guitarra), Rubens Ferro (bateria) e Marinho Pereira (baixo). Também passaram como músicos da banda: Otto e Pepeu Ramos, professor Anderson e Carlos Radion.

Os quatro discos da banda

A formação atual, e de muito tempo, é composta por Ruan Patrick (guitarra e vocais), Marinho Pereira (baixo), Rubens Ferro (bateria) e Wenderson Matrix (samplers, ligas e efeitos sintetizados).

Nessas duas décadas de trajetória, os caras gravaram quatro discos 100% autorais na carreira: “Cada Molécula é um Ser” (primeiro, em 2006), “No Espaço Líquido” (de 2009 é meu preferido),“Symptomatosys” (em 2012) e “Macacoari, Rio triste!” (lançado em 2017). Todo esse lindo trampo musical pode ser encontrado no streaming.

Ruan Patrick – Festival Se Rasgum, Belem-PA 2007

Ah, segundo o guitarrista e compositor Patrick Oliveira, a stereo lançará um quinto álbum autoral, que está em produção. Tanto o último álbum, quanto o que está no forno, tem como marca a produção, gravação e são masterizados pelo Studio Zarolho Records, do produtor Alan Flexa.

“É satisfatório chegar aos 20 anos de existência fazendo algo na música que gostamos realmente e que no decorrer do tempo foi adquirindo adeptos sonoros de todas as idades, desde nossos amigos, que viram a banda nascer de forma ‘deselegante’ e ‘desafinada’ nos shows do Liverpool, até jovens que vêm e que cantam as letras no show, interagem conosco, trocam ideias sobre influências de todas as formas e isso é muito gratificante. Nunca a stereovitrola dos primórdios poderia imaginar onde estamos e caminhamos hoje. Somos felizes de continuar levando essa Sonoridade que lembra sempre algum tipo de apego e inquietação ao mesmo tempo”, detalhou Patrick Oliveira.

São Paulo -SP 2010

Lembro bem da primeira vez que vi uma apresentação do grupo, ainda com o “liguento” nos vocais e o Anderson na guitarra base. Foi no Lago do Rock, em 2004 (movimento criado por mim, Gabriela Dias e Arley Costa) e realizado na Praça Floriano Peixoto.

Os caras são um exemplo a ser seguido por músicos mais novos, pois eles se propuseram a criar e tocar suas próprias canções. A stereo segue seu caminho há 20 anos nessa difícil estrada que é o rock autoral no extremo norte do Brasil, com uma mistura de rockquenrou de garagem, fuzz, reverb e sons sintetizados do pós-punk inglês. Eles dão vida ao alternativo macapaense.

Praça da Bandeira – 2024

Após duas décadas de viagens sonoras e dentro de nossas cabeças, fica aqui registrado nossos aplausos para a stereo. Gosto do som dos caras desde o início. Força sempre, stereovitrola!

Escreva sobre sua aldeia e você pode tornar-se universal” – Leon Tolstói

Elton Tavares

Jornalista José Menezes gira a roda da vida. Feliz aniversário, brother!

Com o aniversariante do dia.

Sempre digo que o jornalismo me trouxe muitos amigos. Alguns inimigos também, mas isso faz parte. Também costumo dizer que gosto de parabenizar neste site as pessoas por quem nutro amizade. Afinal, sou melhor com letras do que com declarações faladas. Acredito que manifestações públicas de afeto são importantes. Neste vigésimo terceiro dia de março, gira a roda da vida o amigo José Menezes. O “Zé Menê” ou “JoZeca”, é um desses grandes caras que essa profissão me fez ter consideramento e por isso lhe rendo homenagens.

JoZeca é meu colega de trabalho na Secretaria de Comunicação do Tribunal de Justiça do Amapá. Ele e o também velha guarda e igualmente brother, Ricardo Medeiros, formam uma dupla imbatível na apresentação da Judicirádio, rádio web do TJAP.

Eu, Berna, Zoseca e Mamed – Trampo e amizade.

Profissional rodado, ele foi repórter, redator e apresentador de vários telejornais locais, em diversas emissoras. Também atuou em jornais impressos e assessorias de imprensa. Em 2011, trabalhei com o Zé Menê na Comunicação do Governo do Amapá.

Menezes é talentoso e experiente profissional (com décadas de carreira), mas também um pai e avô amoroso e dedicado. Ah, e amigo dos amigos, pois é um cara prestativo e uma figuraça, de tão engraçado e espirituoso.

José Menezes e Ricardo Medeiros, a melhor dupla de apresentadores do Amapá.

Em resumo, José é um amigo batalhador, trabalhador, inteligente e mestre em tirar sarro de tudo, de todos e até dele mesmo. A gente sempre ri com o cara e do cara (até quando a nossa irmã de vida e chefona, Berna, tira o nosso couro de tanto trampo).

Ah, ele é um excelente imitador. É cômico demais quando o sacana começa a “arremedar” falas e trejeitos de amigos ou figuras públicas. A gente se diverte com o “Latrel”.

Ao longo de mais de uma década após nos conhecermos, construímos uma amizade bacana, com muito respeito e parceria. Reforço que tenho respeito e muito consideramento pelo Jozeca, pois é um mano demais paidégua!

Jozeca, tenhas acima de tudo, SAÚDE, pra gente voltar a molhar a palavra. Que teu novo ciclo seja ainda mais feliz, produtivo e iluminado. Que sigas pisando firme e de cabeça erguida em busca dos teus objetivos, sempre com esse sorrisão e alto astral contagiante, além de paciência invejável, senso de solidariedade e coragem. Que tudo que couber no teu conceito de sucesso se realize. Que a Força sempre esteja contigo. E que tua vida seja longa, repleta de momentos porretas. Você merece. Parabéns pelo seu dia. Feliz aniversário!

Elton Tavares

Jornalista e engenheiro, Elder de Abreu, gira a roda da vida. Feliz aniversário, brother!

Sempre digo que o jornalismo me trouxe muitos amigos. Alguns inimigos também, mas isso faz parte. Também costumo dizer gosto de parabenizar neste site as pessoas por quem nutro amizade. Afinal, sou melhor com letras do que com declarações faladas. Acredito que manifestações públicas de afeto são importantes. Neste vigésimo segundo dia de março, gira a roda da vida o amigo Elder de Abreu. Um desses grandes caras que essa profissão me fez ter consideramento e por isso lhe rendo homenagens.

Elder é jornalista e engenheiro, pai dedicado, irmão da Arica e da Érica, assessor de comunicação, revisor detalhista, amante de futebol e Rock and Roll, flamenguista em tempo integral e grande sacana. Muito mais que um colega de profissão, um brother querido.

Trabalhei com Elder de Abreu em 2010 e voltei a trampar com o cara em 2012. Trata-se excelente repórter, com passagens por várias redações de jornais e vasta experiência em assessoria de imprensa. Um cara que sabe escrever como poucos. Enfim, um ótimo profissional.

Ele possui uma malandragem caricata, apesar do Sal insistir que ele é prego (mas o Sal também gosta muito do Abreu), sacadas diferenciadas e paideguice peculiar. Elder é um cara porreta, inteligente, espirituoso e gente fina, apesar do seu péssimo gosto para compadres (risos). Bom mesmo é quando encontro o sacana pra tomar umas. Dono de um papo sempre da melhor qualidade, o cara alegra rodadas de birita.

O cara também me deu uma moral e foi na noite de autógrafos do meu livro, em 2020, quando a pandemia deu uma trégua. Fiquei feliz por ele ter ido. Muito feliz mesmo!

Em resumo, Elder de Abreu é um homem de bem, um jornalista foda, um cara de caráter e um amigo queridão. Tomar umas cervas com ele é certeza de leveza, diversão e risos. Este texto é somente pra registrar o apreço que tenho por ele.

Abreu (ou “Costa de Jeju”, como Sal o chama), mano velho, que teu novo ciclo seja ainda mais paid’égua. Que sigas com essa garra, sabedoria, coragem e talento em tudo que te propões a fazer. Que a Força esteja contigo. Saúde e sucesso, sempre, amigo. Parabéns pelo teu dia, querido amigo. Feliz aniversário!

Elton Tavares

Silvio Neto gira a roda da vida. Feliz aniversário, amigo!

Eu, Elton Tavares e Silvio Neto, em 2010.

Sempre digo que o jornalismo me deu muitos amigos. Sim, trouxe inimigos também, mas pra estes eu não ligo. Também digo/escrevo que gosto de parabenizar neste site as pessoas por quem nutro amizade. Afinal, sou melhor com letras do que com declarações faladas. Acredito que manifestações públicas de afeto são importantes. É o caso do Silvio Neto, que neste décimo quinto dia de março, gira a roda da vida e lhe rendo homenagens.

Silvio é terapeuta, bancário, jornalista (que pilota o blog “A Vida é Foda”), professor universitário, pai de um lindo casal, marido da Lulih Rojanski, membro da Maçonaria, músico, punk do sertão, compositor, intelectual underground, pirata dos bares e melhor intérprete de Raul Seixas que já vi cantar, Silvio Neto. O brother chega aos 47. Mas tá em melhor condições que eu, que tenho a mesma idade (risos).

Com Silvio Neto, em 2014

Ele é um amigo querido. O admiro pela sua inteligência, paideguice e visão diferenciada do mundo. Aliás, quando o bicho pega, ele sempre brinca: “A vida é foda, mas é a vida”. Apesar de mais novo que eu, o cara foi meu professor no curso de jornalismo, onde começou nossa amizade.

Além de velho brother dos tempos de faculdade e dos bares, ele é um apoiador deste escritor/jornalista, pois me deu moral no lançamento do meu primeiro livro (e possui as obras de crônicas que já lancei). Fiquei feliz em vê-lo lá entre as dezenas de amigos naquele momento especial. Agradeço novamente.

Sinto saudades dos bons papos com Silvio, regados a cervejas e boa música, sempre na companhia do Aog Rocha e Alexandre Brito, no Bar do Francês. O aniversariante é um paraibano arretado que escolheu o Amapá para viver. Um figura culto, sorridente e de bom trato, enfim, gente fina!

Eu e Silvio, em 2023

Eu e Silvio Neto quase nunca nos encontramos, temos visões diferentes de uma porrada de coisas, mas nossa relação é de recíproca brodagem e respeito. Quando nos encontramos é sempre uma festa. Se tomarmos umas então, é Rock and Roll!

Silvio, mano velho, que teu novo ciclo seja ainda mais paid’égua. Que sigas com essa garra, sabedoria, coragem e talento em tudo que te propões a fazer. Que a Força esteja contigo. Saúde e sucesso, sempre, amigo. Parabéns pelo teu dia, punk do sertão. Feliz aniversário!

Elton Tavares

Publicitário, editor de vídeo e designer gráfico César Cardoso gira a roda da vida. Feliz aniversário, amigo! –@cesarcrd

Sempre digo que o jornalismo me deu muitos amigos. Sim, trouxe inimigos também, mas pra estes eu não ligo. Também digo/escrevo que gosto de parabenizar neste site as pessoas por quem nutro amizade. Afinal, sou melhor com letras do que com declarações faladas. Acredito que manifestações públicas de afeto são importantes. É o caso do César Cardoso, um brother porreta que gira a roda da vida décimo segundo dia de março e por isso lhe rendo homenagens.

Conheci o cara em 2022, quando trabalhamos por pouco tempo juntos, mas um período suficiente para eu nutrir amizade e consideramento pelo figura. E acredito que esse sentimento é recíproco.

César é publicitário, designer gráfico, assessor de comunicação na área de marketing do Ministério Público do Amapá (MP-AP), meu ex-colega de trampo e um amigo querido. O brother já trampou no Rio de Janeiro e passou por várias agências no Amapá. Em resumo, um profissional experiente e senhor do seu ofício. Além de um homem safo e gente boa.

Sempre encontro com o César no trabalho, durante as coberturas jornalísticas. Queria que fosse mais nos bares, pra gente molhar a palavra, mas isso aconteceu somente uma vez, por enquanto.

César é um baita profissional. Batalhador, trabalhador e talentoso. Ele também é o marido apaixonado pela também publicitária Anne Siqueira e pai de uma gata. Além de fã de quadrinhos, séries, cinema e música firmeza, como todo bom nerd.

Cardoso é um cara tranquilo, inteligentão observador, trabalhador, talentoso, considerado, perspicaz, antenado e inventivo. O figura que é tão competente quanto gente boa. Dou valor ao sacana.

Em resumo, Cardoso é tranquilo, muito inteligente, esforçado e gente fina. E este texto de felicitações é para deixar registrado meu apreço e amizade por ele.

César, mano velho, que teu novo ciclo seja ainda mais feliz, produtivo e iluminado. Que sigas pisando firme e de cabeça erguida em busca dos teus objetivos. Que tudo que couber no teu conceito de sucesso se realize. Que a Força sempre esteja contigo. Parabéns pelo teu dia e feliz aniversário!

Elton Tavares

Hoje é o Dia do Bibliotecário – Meus parabéns aos profissionais!!

Hoje é o Dia do Bibliotecário. A celebração da data é em razão do nascimento do escritor e poeta Manuel Bastos Tigre, primeiro bibliotecário concursado do Brasil. O dia foi instituído pelo Decreto nº 84.631, de 12 de abril de 1980, por isso é comemorado em todo o território nacional em 12 de março.

De acordo com o conceito, o bibliotecário é o profissional formado em biblioteconomia e que trabalha para o progresso cultural do país. Ele faz o gerenciamento das bibliotecas, o que compreende uma série de tarefas, dentre as quais a catalogação e indexação de obras, manutenção de sistemas informáticos, apenas para citar alguns.

Portanto, hoje rendo homenagens a todos os bibliotecários do Amapá e do Brasil em nome da minha bibliotecária preferida (que desenvolve um grande trabalho na Embrapa/AP) e minha muito querida amiga Adelina Belém, nossa estimada “Adê”.

Profissional experiente na área, Adelina já foi bibliotecária da Escola Santa Bartolomea, Sesc/AP, faculdades Fama e Seama. Além de extremamente competente e culta, ela é um doce de pessoa e uma amiga muito querida. Parabéns pelo seu dia, Adê!

Manoel Tigre – Foto encontrada no site “Migalhas”

Manoel Tigre

Manoel Tigre prestou concurso para ingressar no Museu Nacional do Rio de Janeiro como bibliotecário e assim se classificou em primeiro lugar com o estudo sobre a Classificação Decimal. Transferido, em 1945, para a Biblioteca Nacional, onde ficou até 1947, assumiu depois a direção da Biblioteca Central da Universidade do Brasil, na qual trabalhou, mesmo depois de aposentado, ao lado do Reitor da instituição, Professor Pedro Calmon de Sá.

*Datas curiosas

Só uma coisinha, essa sessão de Datas Curiosas deste site incomoda alguns, que chegaram a reclamar de tais registros. Ainda bem que todo dia é dia de alguma profissão ou atividade. Desse jeito dá pra elogiar os familiares e amigos. Acreditem, tem gente que não gosta. Mas são somente os amarguinhos que encontramos pela vida.

Fonte: Wikipédia
Elton Tavares

Luta pela igualdade de gênero: juíza amapaense, que atua no Judiciário paraense, palestra sobre mulheres nos espaços de poder

Na última sexta-feira, 8 de março e Dia Internacional da Mulher, a juíza do Tribunal de Justiça do Pará (TJPA), Tainá Monteiro Colares da Costa, que é amapaense, palestrou na sede da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Pará (OAB/PA), no município de Rondon, onde a magistrada atua. Na oportunidade, ela discorreu sobre a luta pela igualdade de gênero e a importância de mulheres ocuparem espaços de poder.

Na ocasião, a magistrada fez uma abordagem sobre os desafios das mulheres e contextualizou a história das desigualdades de gêneros, com enfoque para a pouca representatividade nos espaços de poder, e os principais desafios que devem ser transpostos, fundamentais para a mudança de paradigmas.

A juíza agradeceu o convite e a oportunidade de conversar sobre o tema com outras profissionais operadoras do Direito no município do Sul do Pará. Tainá reforçou que isso abrilhanta sua trajetória profissional.

Durante a palestra, Tainá da Costa enfatizou que a mulher possui condições iguais aos homens para ocupar posições de destaque na sociedade brasileira, seja no Poder Judiciário, ou em qualquer área de atuação profissional. A magistrada também explicou que as mulheres são capazes de influenciar e transformar sociedade. Ela fundamentou sua explanação com dados do judiciário e fatos históricos.

A juíza pontuou que o debate é essencial para promover a reflexão e para que a sociedade entenda que as mulheres podem sim desempenhar qualquer função, com a mesma eficiência que os homens. A palestrante destacou que, apesar da luta pela igualdade de gênero ter iniciado no século XVIII, o preconceito ainda existe. E que a luta pela equidade é contínua.

“Quando saiu a lista de aprovados do concurso para a magistratura do TJPA, quando ingressei na função, lembro que havia uma proporção quase igualitária entre homens e mulheres. Era de se esperar, as provas são pautadas em critérios objetivos. Contudo, esse cenário não se repete quando olhamos para a cúpula da Administração Judiciária, onde a possibilidade de transformação e influência é mais ampla. Os dados estatísticos mostram, inclusive, que homens progridem na carreira em maior quantidade e mais rápido do que as mulheres”, detalhou Tainá da Costa.

“A verdade é que a desigualdade que nos aflige ao assumirmos um cargo de visibilidade pública, perpassa por vários fatores, como a progressão é limitada pelas mesmas práticas e comportamentos enraizados, até mesmo inconscientes, que restringem a autonomia e liberdade das mulheres na sociedade”, reforçou a juíza.

O material usado na palestra pode ser acessado aqui: https://gamma.app/public/Bate-papo-sobre-a-importancia-da-mulher-nos-espacos-do-Poder-Judi-vqmydmppbbotos1

Mais sobre a juíza Tainá da Costa

Com 35 anos de idade, destes oito de magistratura, Tainá da Costa é amapaense nascida em Macapá, filha do professor, poeta e escritor Carlos Nilson Costa e da servidora pública Regina Costa. Também filha de coração do secretário-geral do Tribunal de Justiça Estadual do Amapá (TJAP), Veridiano Colares. Ela é formada em Direito pelo Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP/AP).

Tainá foi estagiária e servidora do TJAP, onde ingressou para o quadro do Judiciário amapaense aos 21 anos, aprovada nos cargos de cargos de Técnico Judiciário e Analista Judiciário do Poder Judiciário , em 2009. Aos 27 anos, passou no concurso público para juíza de Direito do TJPA e foi trabalhar no município de Itaituba (PA).

“Já passei por tantos lugares, angariei tanta coisa, aprendi e desaprendi outras. Aqui eu ganhei muitas cicatrizes e conheci outros bálsamos, mas amo a mulher que sou a partir dessa história, com todas as minhas tatuagens de dor e alegra”, relatou a jovem e competente juíza amapaense.

Fica aí o exemplo não somente de uma magistrada que luta pela igualdade de gênero na sociedade, mas de uma jovem juíza amapaense, que influencia positivamente outras mulheres e nos dá orgulho por ocupar um espaço de poder em outro estado com competência e seriedade. Seu compromisso com a justiça e sua dedicação à causa das mulheres são verdadeiras fontes de inspiração, e sua trajetória é um lembrete poderoso de que o talento e a determinação não têm fronteiras. Que ela  continue a fazer a diferença no mundo.

Elton Tavares

Jornalista Dulcivânia Freitas gira a roda da vida. Feliz aniversário, querida Dulci!! – @DulcivaniaF

Com a Dulci

Sempre digo aqui que gosto de parabenizar neste site as pessoas por quem nutro amor ou amizade. Afinal, sou melhor com letras do que com declarações faladas. Acredito que manifestações públicas de afeto são importantes. É o caso de Dulcivânia Freitas, uma querida que gira a roda da vida neste sexto dia de março. Ela chega aos 52 marços com jovialidade e alto astral de 30, mas com a aparência de 40 e poucos. Uma mulher com caráter incontestável e gente fina demais. Por isso lhe rendo homenagens.

A “Dulci” veio de Guarabira (PB), passou por Belém (PA) e, para nossa sorte, ancorou em terras tucujus. Com credibilidade e carisma junto à imprensa, é senhora do seu ofício. No Amapá, aliás, desenvolve um brilhante trabalho há anos. Além de competente assessora e analista de Comunicação da Embrapa/AP, ela é uma jornalista querida por todos na imprensa amapaense. E nós, seus amigos (que não são poucos), amamos essa mulher.

Dulci também é a mãe dedicada e amorosa do “pequeno lord”, esposa apaixonada do também gente boa, Ricardo (infelizmente, só tomei cerveja com ele uma vez na vida). Além disso, é a louca das selfies (ela consegue fazer mais fotos que eu), fã de boa música, extrovertida, carinhosa, muito inteligente, sagaz, simpática, palhaça, prestativa e divertida.

Dulci e sua família

Quem não gosta da Dulci é dodói da cabeça ou possui algum desvio de caráter. Se conheces alguém assim, desconfie desta pessoa. A admiro. Sempre admirei. Não somente pela excelente profissional que é, mas pela pessoa íntegra e de caráter incontestável que essa mulher possui.

Além de toda a sua paideguice resumida neste texto, Dulci ainda é apoiadora da cultura, literatura e, sobretudo, dos amigos. Ela me deu moral no lançamento do meu segundo livro (e possui as duas coletâneas de crônicas que já lancei). Fiquei feliz em vê-la lá entre as dezenas de queridos naquela noite. Agradeço novamente.

Com a gente, jornalistas amigos dela, a moça compartilha experiências profissionais e de vida. Aprendo com a Dulci e também dou muita risada dela, pois a querida também é cômica. Enfim, este texto é um registro do carinho, respeito, amizade e amor que nutro por Dulcivânia Freitas.

Dulci, querida amiga, que teu novo ciclo seja ainda mais porreta. Que sigas com essa sabedoria e coragem. Que tudo que couber no teu conceito de sucesso se realize. Que a Força sempre esteja contigo. Saúde e sucesso sempre. Parabéns pelo teu dia, broda. Feliz aniversário!

Elton Tavares

*Texto adaptado e republicado por conta da correria, mas de coração.

Lee Amil gira a roda da vida. Feliz aniversário, amigo! – @LeeAmil

Com o Lee (na onda e no trampo)

Sempre digo que o jornalismo me deu muitos amigos. Sim, trouxe inimigos também, mas pra estes eu não ligo. Também digo/escrevo que gosto de parabenizar neste site as pessoas por quem nutro amizade. Afinal, sou melhor com letras do que com declarações faladas. Acredito que manifestações públicas de afeto são importantes. É o caso do Lee Amil, um brother porreta que gira a roda da vida neste quinto dia de março e por isso lhe rendo homenagens.

Nem sei quando conheci o cara, mas já faz um tempo e a gente sempre se encontra no trabalho, durante as coberturas jornalísticas ou nos bares e dou valor nesse maluco.

Na esquerda com Lee e Kallebe. Na direita com Lee e Miguel.

Lee é um baita profissional. Batalhador, trabalhador e talentoso, é fotógrafo (institucional e publicitário), fotojornalista da equipe do mandato do senador Randolfe Rodrigues, designer, cinegrafista, videomaker e editor de imagens (ufa, é que o moleque atua em várias frentes). Também é um dos sócios, junto com o irmão dele e também meu brother Kallebe, da Amil Films, empresa que trabalha os vídeos mais fodas que a gente assiste nas redes sociais e TV. Não à toa, eles trabalham sempre com a Agência Cereja Marketing, que prima pela qualidade.

Apesar de competente e talentoso, acredito que Lee é ainda melhor nos papéis de neto do seu Raimundo, filho da Marilene, irmão do Kallebe, Israel e mais alguns que não sei os nomes e pai do Miguel (sou fã do moleque estiloso lá no Insta). Sim, Amil é amoroso com sua família, que é como todos deveriam ser.

Bruna, eu e Lee.

Além de tudo dito/escrito acima, Lee é amigo dos amigos. Parceiro mesmo. É assim comigo e é assim com a Bruna, minha namorada e publicitária com quem ele e o irmão trampam de vez em sempre.

É porreta tomar umas com o figura, sempre espirituoso, engraçado e malandro. E já faz tempo que não fazemos isso junto (bora resolver essa parada, Amil). Ah, ele é vascaíno sofredor convicto. Como a maioria dos cruzmaltinos, acha bonito isso (risos).

Saúde, sucesso e felicidades, Lee Amil!

Em resumo, Lee é um cara tranquilo, trabalhador, inteligente, esforçado, competente e muito gente fina.

Amil, mano velho, que teu novo ciclo seja ainda mais paid’égua. Que sigas com sabedoria e coragem. Que tudo que couber no teu conceito de sucesso se realize. Que a Força sempre esteja contigo. Saúde e sucesso sempre. Parabéns pelo teu dia, Lee. Feliz aniversário!

Elton Tavares

Poeta Pat Andrade lança livro na 4ª Conferência Nacional de Cultura

Espaço de debates sobre o Plano Nacional de Cultura (PNC), a 4ª Conferência Nacional de Cultura (4ª CNC) irá promover o lançamento de livros dentro da programação do evento. As atividades, com a participação de delegados, convidados e público em geral, serão realizadas nos dias 5, 6 e 7 de março, no Palco Multicultural, na área interna do Centro de Convenções Ulysses Guimarães. Entre os autores, a poeta paraense radicada no Amapá, poeta Pat Andrade, que lançará na quarta-feira (6), seu livro “Entre a Flor e a Navalha”.

A chefe de Divisão de Economia do Livro da Secretaria de Formação, Livro e Leitura (Sefli) do Ministério da Cultura (MinC), Maria Carolina Machado, explica a iniciativa: Cerca de 80 autores e autoras apresentarão suas obras e estabelecerão contato direto e contínuo com o público. Os títulos abarcam grande diversidade, passando por obras ficcionais e não-ficcionais, de poesias a estudos sobre políticas públicas. Todas as pessoas inscritas, que confirmaram presença, participarão desse evento.

Realização

A 4ª CNC é realizada pelo MinC e pelo Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC), e correalizada pela Organização de Estados Ibero-Americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura no Brasil (OEI). Além disso, conta com apoio da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso Brasil).

O Festival da Cultura, que também integra a programação, é apresentado e patrocinado pelo Banco do Brasil, como realização do MinC e do CNPC, correalização da OEI e apoio da Flacso Brasil.

Confira as atividades:

05/03 (terça-feira)

das 15h às 15h50
Mestre Wertemberg Nunes – Poemus
Benedito José Pereira – Teatro em Sala de Aula
Jussara Prates – Educação Democrática: O Impacto dos Projetos Escolares
Cláudia Leitão – Criatividade e Emancipação nas Comunidades-Rede: Contribuições para uma Economia Criativa Brasileira

das 16h às 16h50
Paulinho Rícoli – O Marciano ET
Fernando Inácio da Silva – Cordel – As Aventuras do Negrão, o Poder da Adoção
Geraldo Vitor da Silva Filho – Selenita´s
Priscila Guidio Bachiega – Entre Haters e Memes: Como o Bullying Virtual Afeta a Sociedade
Daniel Munduruku – Meu Vô Apolinário – Um Mergulho no Rio da (Minha) Memória

das 17h às 17h50
Eva Potiguara – Abyayala Membyra Nenhe’gara
Jester Luiz Furtado – Joaquim, Negra Sim!
Marcos Antonio Trocoli (Ümanto) – Marchinha de Carnaval – 125 Anos – Vol. 1
Mateus Paulo de Lima – … Tempo de Pietra

das 18h às 18h50
Osny Zaniboni Neto – Ima(r)gens
Maria Graciema A. de Andrade – Carta-folheto do I Congresso Brasileiro de Literatura de Cordel

das 19h às 19h50
Lucivone Rodrigues dos Santos Dourado – O Ponto Dourado do Diamante
Juvenal Francisco Dourado Filho – A Fonte das Lágrimas de um Poeta
Reynaldo Domingos Ferreira – As Raparigas da Rua de Baixo
Bernardo Novais da Mata Machado – Política Cultural: Fundamentos
Tony Gigliotti Bezerra – A Emergência do Sistema Nacional de Cultura

06/03 (quarta-feira)

das 09h às 09h50
Yussef Campos – Palanque e Patíbulo: o Patrimônio Cultural na Assembleia Nacional Constituinte e + 3 títulos
João Almir Mendes de Sousa – Cordel Piauí de Belos Sol e Ladeiras
Eunice Tomé – O Oceano em Mim
Patrícia Andrade Vieira – Entre a Flor e a Navalha

das 10h às 10h50
Saulo Barreto – Marx: Estado, Direito e Ideologia
Maiza Pereira Jacques – Salamancas, Mitos e Lendas
Haroldo de Vasconcelos Bentes – Teorias e Práticas: Trilhas Formativas em Educação Profissional e Tecnológica (EPT)

das 11h às 11h50
Lucimar Barros Costa – Guardados da Memória e do Coração

das 12h às 12h50
Edilberto Alves de Abrantes – Quem Apaga os Lampiões

das 15h às 15h50
Bruna Motta – Várias Faces da Mesma Solidão
Carlile Max Dominique Cérilia – Alvorecer do Exílio

das 16h às 16h50
Pitter Lucena – Despertar em Clausura – O Renascer em Meio às Limitações da Vida
Moisés Santos Reis Amaral – Maria Preta, Escravismo no Sertão Baiano
Bárbara Araldi Tortato – Trilogia do Descabido

das 17h às 17h50
Jakeline Sol – A Dor do Silêncio e as Vozes dos Abusadores
Renato Paulo Carvalho Silva – Espera Feliz: O Circo de Marionetes Bem-Me-Quer e suas Andanças…

das 18h às 18h50
Raine Silva Medeiros Furtado – O Livro de Eva
Janio Gouveia Andrade – O Cárcere Religioso, os Dilemas Existenciais de um Judeu
Francisco de Assis Rocha Carvalho Júnior – A Princesa do Vale do Canindé: Narrativas de Santa Rosa do Piauí
Daniely Peinado dos Santos – Cia Vitória Régia 40 anos: Tempos de Teatro
Emílio Carlos Ribeiro Tapioca – Breviários de um Poeta de Ofício e Devoção

das 19h às 19h50
Arnaldo Ricardo do Nascimento – Cartilha como Solicitar Publicações Especiais em Braille e Libras para Formação de Acervo Especial para Usuários: Biblioteca Prof. Luis Palhano Loiola, da Faec
Luane Araujo – Vozes das Autoras do Teatro contemporâneo – França e Brasil – Perspectivas Feministas e Visões Políticas no Fim dos anos 2010
Gilvan Ribeiro – Malês: a Revolta dos Escravizados na Bahia e seu Legado
Antonio Albino Canelas Rubim – Políticas Culturais. Diálogos Possíveis
Mariana Resegue – Cultura em Evidência: Aprendizados para Fortalecer Políticas Culturais no Brasil

07/03 (quinta-feira)
das 10h às 10h50*
Gleycielli Nonato Guató – Vila Pequena: Causos, Contos e Lorotas
Obá Kaiesi Adekunle Aderonmu – A Identidade Tirada de Nós
Manoela Serra – O Diário Bipolar 2

das 11h às 11h50
Marleide Lins de Albuquerque – Antologia Poética Brasil – Moçambique +1
João Mancha – Caderno Resumo da Conferência: Apresentação do Evento e Propostas (1ª Conferência Livre Nacional do Rock)
Patrícia Marys – O Chão que Pisamos: Reimaginando os Territórios da Mediação Cultural
Daniel Machado – Candieiro
Onã Silva – Coleção de Cordéis, Série Notáveis em Cordel
Crisóstomo Pinto Ñgala – Por que a Escola ainda Existe?

das 12h às 12h50
Queiroz, Marijara Souza e Cunha, Érika Matheus – Catálogo da exposição Corpos que Resistem
Valdete Sousa – Memória: Relatos do Teatro de Rondônia

das 15h às 15h50
Júlio Emílio Braz – Pretinha, Eu?
Helder Ramos – Desconstruindo Frases Prontas
José Carlos da Silva – Opressão e Dignidade
José Carlos Franco de Lima – Etnografia Vivencial: um Recurso para Ativistas, Profissionais e Pesquisadores que Atuam em Ações para a Transformação Social

das 16h às 16h50
Rafael Fernandes de Souza – De Capa, Máscara e Boné!
Virgínia Ferreira – Chumbo
Tuca Moraes – Cadernos Vermelhos – Vol. 1 e 2: Edição Ensaio Aberto / Teatro dos Trabalhadores
Guilherme Varella – Direito à Folia: o Direito ao Carnaval e a Política Pública do Carnaval de Rua na Cidade de São Paulo

das 17h às 17h50
Cristiane Sobral – Caixa Preta
Edymara Diniz Costa – O Ensino do Teatro nos Quilombos: Memórias e Identidades Kalunga em Cena
Maria do Socorro Alves de Sobral – Minha História, Minha Gente: Valorização Cultural, Histórica e Geográfica
Juliani Borchardt da Silva – Benzedores de São Miguel das Missões, RS: a Construção de suas Identidades a Partir de Memórias e Tradições
Cynthia Magno Panca – Mulher Caiçara do Mar à Poesia
Morgana Ribeiro dos Santos – Literatura de Cordel em Perspectiva

das 18h às 18h50
Mauricio da Silva – Cartas a Teodora: Confluências para uma Arteducomunicação Decolonial
Duclerc João da Silva – Diacuí Flor dos Campos 70 anos
Vitor da Trindade – O Ogan Alabê, Sacerdote e Músico

das 19h às 19h50
Aline Gomes Rossi Moraes – Coleção Amazônia Paraense
Fábio Abreu dos Passos – Corpos (In)Visíveis
Tiarajú Pablo D’Andrea – A formação das Sujeitas e dos Sujeitos Periféricos: Cultura e Política na Periferia de São Paulo
Jose Cleiton de Souza Carvalho – Menino da Mata
Lawrence Fontes de Oliveira Lima – Aquila Impetum

Ascom da 4ª CNC