O Curta inspirado em álbum do Arcade Fire

‘Scenes From The Suburbs’ é dirigido por Spike Jonze, que já havia realizado um clipe da banda.

O curta-metragem inspirado no álbum The Suburbs do Arcade Fire e dirigido por Spike Jonze está disponível para visualização online. Somente hoje e amanhã, Scenes From The Suburbs pode ser assistido gratuitamente no site MUBI. (http://mubi.com/login)

O site no qual o curta está hospedado exige que o visitante crie uma conta para assisti-lo ( é de gratis )

Com 28 minutos de duração, o curta estreou no festival de música e artes South By Southwest (SXSW) nos EUA, no início deste ano.

Spike Jonze ganhou notoriedade em 1999, ano em que foi indicado ao Oscar pela direção de seu primeiro longa-metragem, Quero Ser John Malkovich.

Inscrições para o 1º Seminário Amapaense de Audiovisual

                                              
                                             Por Alexandre Brito
Alguns interessados estão nos perguntando se é obrigatório fazer a inscrição no seminário para participar de sua vasta programação, inclusive nas mostras de filmes com a presença dos diretores. Não, não é obrigatório, porém é aconselhável.
Considerando que o evento tem como uma de suas principais e mais difíceis missões diagnosticar as características do audiovisual amapaense, a inscrição já nos fornece vários dados a respeito desse tema. Se olharmos para o formulário eletrônico de inscrição, vamos perceber que ele incorpora algumas perguntas que podem nos auxiliar a desenhar um perfil do público que demonstrou interesse em participar do evento. Isso é um dado relevante para que possamos fazer uma avaliação do mesmo e aprimorar a organização dos próximos eventos.
A efetivação da inscrição também garante que o nome do participante conste nas listas de freqüência do evento e é indispensável para a posterior emissão de certificados de participação, documento extremamente útil para compor currículos e atestar cumprimento de carga horária para universitários.
Inscrições para o Curso de Introdução ao Documentário:

Outro ponto que gostaríamos de deixar bem claro são as inscrições para o Curso de Introdução ao Documentário. Como temos poucas vagas, apenas 15, faremos uma entrevista com o total de inscritos para definir quais serão os 15 alunos selecionados. Ou seja, todos os interessados no curso devem fazer sua inscrição, mas apenas os 15 selecionados após a entrevista é que deverão pagar a taxa de R$ 30,00. Esse procedimento busca reduzir a evasão do curso e garantir um nivelamento da turma. Essa seleção será feita pela própria instrutora em local e horário a serem divulgados.

Arte

Caricatura do meu irmão, Emerson Tavares, desenhada pelo talentoso Edrucy França. Firme!

Diversão e Arte

O SESC Amapá, em parceria com o Centro Cultural Franco-Amapaense realiza a 2º mostra da Exposição Juçara, com trabalhos de Carla Marinho (AP), Cristiana Nogueira (RJ), Ghazia Brito (AP), Rosiane Olivia (AP), Jonata Lacerda (PA), José Maria (PB) e Ire Peixe (AP).

A exposição, que esteve na Galeria Antônio Munhoz Lopes do SESC/AP durante o mês de março, segue para o hall expositivo do Centro Cultural Franco-Amapaense dando continuidade ao seu objetivo primordial de divulgar a produção visual feminina do Estado. São fotografias, pinturas e desenhos que abordam temáticas variadas: identidade, violência contra a mulher, descoberta do corpo, tempo, abstração e natureza.

O grupo Juçara surgiu em 2006 por artistas mulheres preocupadas em fomentar a cultura no Estado. Uma das características de formação do grupo é permitir a livre participação de artistas em quaisquer modalidades das artes visuais, que através de suas expressividades diversificadas discutem questões estéticas, sociais, políticas e culturais.

Período: 27/05/11 a 30/08/11
Local: Centro de Cultura Franco Amapaense
Vernissage: 27/05/11 às 19h30min.
Maiores informações pelo telefone: (96) 3241- 4440/ R- 257 (Falar com Aline Pacheco – Técnica de Artes Visuais)

9ª Semana Nacional de Museus

Programação

20/05 :: 19h às 21h
Palestra: O audiovisual na preservação e difusão da memória
Local: Auditório do Museu da Imagem do Som

21/05 :: 14 às 18h
Exposição da 2ª Maratona Fotográfica com o tema “Como vejo Macapá”
Local: Praça Veiga Cabral

22/05 :: 18h Exibição de Filme
Lançamento do 2º DVD do Projeto “Histórias Daqui”
Auditório do Museu da Imagem e do Som

HOMEM- UM PECADO DE DEUS

Domingo tem teatro no auditório da União dos Negros do Amapá – UNA. Trata – se da encenação do espetáculo teatral Homem – Um Pecado de Deus, de Joni Bigoo com encenação de Cláudio Silva. Escrito para ser encenado em virtude da semana santa, o espetáculo parte em busca da concepção de um trabalho universalista propondo reflexões acerca de velhos tabus que permeiam a cabeça de céticos e cristãos do mundo inteiro. Na peça, um padre; um evangélico; um ateu; um empresário judeu; um político macumbeiro; uma freira caridosa; um bruxo visionário e pasmem, Jesus reúnem – se às escondidas para discutir o comportamento humano, os problemas do mundo e o destino do planeta.

Cada qual com suas particularidades e peculiaridades, pregando e professando o que “acham” que acreditam, o conflito de opiniões é inevitável, eis que vem a tona os mais asquerosos sentimentos humanos, na medida em que estes, se escondem atrás da fé para justificar suas imperfeições, seus erros e mesquinharias.

Jesus, que durante todo o espetáculo ouvia tudo sem ser percebido, se apresenta diante das aberrações e atrocidades cometidas em seu nome no decorrer da trama. O espetáculo não faz apologia a nenhuma das religiões existentes, nem tampouco se propõem a criar uma nova, mas aponta para uma versão globalizada, onde possamos visualizar o ser superior, criador do céu e da terra em tudo e em todos (independente do nome a qual tenhamos mais afinidade). Assim como um dos preceitos de nossa nova pesquisa de linguagem, nosso texto (leia – se: espetáculo) é apenas um pretexto para uma reflexão mais ampliada da temática em questão.

Homem – Um Pecado de Deus, marca a entrada do Ói Nóiz Aqui Traveiz em uma nova pesquisa de linguagem, fundamentada no trabalho colaborativo, na descoberta e na experimentação em todos os estágios da produção. Neste processo, o ator ganha a conotação de ator – criador, fazendo criticas e apontando sugestões no decorrer do processo criativo. Desta forma, acreditamos estar caminhando rumo a uma nova forma de pensar, produzir e consumir teatro.

FICHA TÉCNICA

Texto: Joni Bigoo

Encenação: Claudio Silva

Cenários: Agostinho Josaphat

Figurinos: Criação Colaborativa

Maquiagem: Criação Colaborativa

Iluminação: Raimundo Parrudo

Programação Visual: Joni Bigoo

Produção Executiva: Claudio Silva

Direção Geral: Ói Nóiz Aqui Traveiz

Atores – Criadores – Pesquisadores: Josias Monteiro, Sabrina Zahara, Elder de Paula, Etiene Mazze, Dan Alves, Erick Boaventura, Núbia Worrel e Geovanni Coelho.

SERVIÇO

O quê? Peça Teatral Homem – Um Pecado de Deus

Onde? Auditório da União dos Negros do Amapá – UNA

Quando? 15 de Maio de 2011

Que Horas? 20:00h

Quanto? DE GRAÇA!!!

Um gentil encontro com a arte comtemporânea na Galeria Antônio Munhoz do SESC

O projeto ArteSESC do Departamento Nacional do Serviço Social do Comércio traz ao Amapá a exposição – Uma Gentil Invenção – que estará na galeria Antônio Munhoz Lopes do SESC Araxá no período de 5 a 29 de maio.

A exposição – Uma Gentil Invenção – possui um dos principais acervos de arte contemporânea do ArteSESC reunindo trabalhos de 19 artistas da Galeria A Gentil Carioca localizada no Centro histórico do Rio de Janeiro. São fotos objetos, vídeos, esculturas, serigrafias, costumes, desenhos e fotografias somados a estímulos sensoriais, vivências, histórias coletivas e particulares: um grande laboratório de percepções com peças de Alexandre Vogler, Carlos Contente, Ducha, Ernesto Neto, Fabiano Gonper, Guga Ferraz, Jarbas Lopes, João Modé, Laura Lima, Márcio Botner e Pedro Agilson, Maria Nepomuceno, Marinho Marssares, Paulo Nenflídio, Pedro Varela, Renata Lucas, Ricardo Basbaum, Simone Michelin e Thiago.
O Projeto ArteSESC, define como ação primordial, proporcionar acesso à produções de Artes Visuais com grande valor histórico, a uma compreensão perceptual mais acurada da realidade.

A curadoria de Uma Gentil Invenção foi realizada por Márcio Botner Guilherme Vergara. Segundo Botner a exposição “não é um escritório é um conceito”. A proposta de- Uma Gentil Invenção- é criar um laboratório de múltiplas percepções ao se referir as obras como invenções, elas passam a ser abordadas como máquinas, caixas, roupas inusitadas para se vestir, até desenhos de diagramas conceituais.

Informações:
Período de Exposição: 5/5/2011 a 29/5/2011
Local: Galeria Antônio Munhoz Lopes
Horário: De segunda a sexta -feira de 8 às 12h e 14 às 18h
Obs: às sextas-feiras a exposição funcionará até às 21h
Vernissage: 5/5/2011 às 20 h
Palestra de abertura
“Um Gentil Encontro com a Arte Contemporânea”
Ministrantes: Professora Ms. Cristiana Nogueira e Professora Ms. Fátima Garcia
Local: Auditório da Escola SESC
Horário: 18 às 20h
Contatos: (96) 3241-4440 – Ramal – 257 ou 8122 6410 (falar com Aline Pacheco, Técnica de Artes Visuais SESC/AP)
Assessoria de Comunicação e Marketing – ASCOM
SESC Amapá
0xx96 – 3241-4440, ramal 235

Sem Sinal

O curta conta a estória de um grupo de adolescentes que resolvem passar um final de semana em uma casa na beira do lago, chegando ao local um dos jovens que compunham o grupo é encontrado morto, então o restante dos adolescentes se trancam dentro da casa e precisam encontrar uma maneira de escapar do assassino.

Após a exibição do curta, será aberto espaço para debate a respeito da produção, o que possibilitará a interação entre estudantes, produtores e pesquisadores ligados ao campo da comunicação social e das artes, buscando fortalecer o circuito audiovisual no Estado do Amapá.


Thainá Rodrigues
Assessoria de Comunicação e Marketing – ASCOM
SESC Amapá
0xx96 – 3241-4440, ramal 235

Projeto Macapá – Diário Tucujú

Durante fevereiro e março de 2011, a atriz e produtora Cultural, Bárbara Castro, estará realizando, no Auditório do Museu da Imagem e do Som (MIS-AP), localizado no Teatro das Bacabeiras, centro da capital amapaense, o “Projeto Macapá – Diário Tucujú”.

Serão oficinas de teatro e apresentação de performances inspiradas em mitos, lendas e histórias locais, dentro da programação de aniversário do Teatro das Bacabeiras. As aulas iniciarão amanhã (21).

A oficina, que terá ênfase na linguagem do Teatro de Rua promoverá atividades paralelas como oficina de vídeo e gravações de mini-documentários sobre crônicas da cidade, que serão reinterpretados pelos próprios alunos do curso.

Esta iniciativa integra o prêmio interações estéticas e residências artística em Pontos de Cultura, com apoio da Fundação Nacional das Artes – Funarte, da Secretaria de Cidadania Cultural e do Ministério da Cultura.

Meu coment: A Bárbara é uma artista talentosa. Saiu daqui há alguns anos e fez seu nome lá fora. Escrevi sobre ela nos primeiros meses deste blog, leiam aqui:


Aconselho aos apreciadores da arte cênica a prestigiar as oficinas.

Serviço:
Projeto Macapá – Diário Tucujú
Local: Auditório do MIS, no segundo piso do Teatro das Bacabeiras.
Data: A partir de amanhã (21), nas segundas e quartas.
Horário: 14h.
Mais informações no número: 9134-3464

Secult inicia o “Projeto Sexta Cult”, nesta sexta-feira, 21

Sambódromo de Macapá – Foto: Elton Tavares

A Secretaria de Estado da Cultura (Secult) inicia nesta sexta-feira, 21, às 18h, no Sambódromo de Macapá, o “Projeto Sexta Cult”. Durante o evento, se apresentarão grupos musicais, peça teatral e exposição de arte, entre outras atrações.


A iniciativa tem a proposta de difundir a cultura e abrir espaço para os novos artistas e nomes consagrados do setor no Amapá, além de disponibilizar aos funcionários públicos e população amapaense mais uma opção de entretenimento. A entrada será franca.

Segundo o coordenador de Cultura, Piska Martins, no evento serão comercializadas comidas típicas e bebidas, com o objetivo de angariar fundos para a continuidade do projeto. Cerca de 30 servidores da Secult estão envolvidos na ação, que será quinzenal.

De acordo com o coordenador, o Projeto contará com apresentações de várias vertentes artísticas. Ele disse ainda que, a iniciativa é um esforço conjunto da secretaria e dos artistas locais, que abriram mão do pagamento por suas participações no evento.

Atrações:

Performance de dança do grupo Graham & Cia; As Estátuas Vivas, encenadas pelo Grupo Imagem & Cia; Peça teatral Cordel do amor sem fim, da companhia Cores da Rotunda; Exposição de quadros; Show musical instrumental do Quinteto Amazon Music e apresentação de Zé Miguel e banda.

“Levaremos entretenimento de qualidade à população. Nosso secretário, Zé Miguel, cogitou que formulássemos, mesmo sem muitos recursos, um projeto que faça frente à demanda cultural no Amapá, com o intuito de estimular e fortalecer o setor e abrir um espaço para a nossa classe artística. Então resolvemos iniciar o Projeto Sexta Cult”, explicou Piska Martins.

Serviço:
Secretaria de Estado da Cultura (Secult)
Endereço: Avenida Ivaldo Veras, s/n.
Piska Martins – coordenador de desenvolvimento cultural da Secult.
Contato: 81219794.

Elton Tavares
Assessor de comunicação
Secretaria de Estado da Comunicação

Cartum em Cartaz

A exposição Cartum em Cartaz, Exposição da arte do cartum sobre a arte do cinema, do cartunista Ronaldo Rony, terá sua estreia na terça-feira (14), às 20h, no hall do Teatro das Bacabeiras. A exposição aborda o tema Cinema e faz parte do Festival Imagem-Movimento (FIM).

O cartunista Ronaldo Rony apresentará mais uma exposição de desenhos de humor.  O Festival Imagem-Movimento já está rolando, já que a programação conta com oficinas de audiovisual, palestras e mostras de cinema nos bairros da capital e no interior. A mostra contará com a participação especial do artista plástico Aog Rocha.
Meu comentário: Esta exposição promete ser um banho de arte e humor, já que conta com dois artistas conceituados e que tenho orgulho de dizer que são amigos meus. Confira a programação completa no endereço eletrônico:

Não perca mais este campeão de bilheteria!

8º Salão de Artes do SESC Amapá

O Serviço Social do Comércio abrirá, na próxima sexta-feira (1), ás 20h, na Galeria Antonio Munhoz Lopes, na sede do Sesc, zona Sul de Macapá, o” 8º Salão de Artes do SESC Amapá. Trata-se de um projeto instituído em 1996, bienal, que tem a proposta de analisar, favorecer o intercâmbio entre artistas locais e nacionais das artes visuais e a exposição de pintura, escultura, gravura, fotografia, objetos, desenhos, instalações, vídeo-arte, performances e intervenções urbanas, além do artista homenageado, que nesta 8ª edição será o amapaense Manoel Francisco Pessoa de Matos, Dekko.
A instituição preocupa-se desde a constituição da comissão de seleção, formada este ano por Carla Marinho Brito (AP), Carlosnake Martins Vera Filho (CE) e Carlos Bitu Cassundé (PE); capacitação para participantes (professores e monitores); montagem do Salão com curadoria especifica, este ano contando com Fabize Muinhos (PA) e visitações monitoradas.
O Salão de Artes trabalha com obras contemporâneas e funciona como instrumento de amadurecimento e reciclagem dos participantes e colaboração para a formação de cidadãos apreciadores, reflexivos e críticos em relação às experiências estéticas proporcionadas.
No dia 1º/outubro, serão premiadas as seguintes categorias:
1º categoria (fotografia, escultura, objeto, pintura, gravura e desenho): R$ 4mil
2º categoria (instalação, vídeo-arte, áudio-instalação, performance e intervenção urbana): R$ 3.500,00
5 Prêmios incentivo: R$1.000,00

PRÊMIOS AQUISITIVOS
Vitor Mizael Rubinatti Dias (Desenho) – SP
Dominique Allan Nunes de Souza (Vídeo-arte) – AP

PRÊMIOS INCENTIVOS
Pamela Pimentel dos Reis (Desenho) – ES
Diego de Sousa Santos (Desenho) – CE
Ghazia Iona Brito da Silva (Objeto) – AP
Ronne Franklim Carvalho Dias (Desenho) – AP
Bárbara Jussara de Azevedo Pinheiro (vídeo-arte) – SP
A lista completa, inclusive dos artistas que terão obras expostas está no site: www.sescamapa.com.br

O período do 8º Salão de Artes é de 1º de outubro a 1º de novembro de 2010.
Possíveis entrevistas contato com Aline Pacheco (técnica de artes visuais do SESC) 8122.6410 ou 3241.4440/ramal 257. A curadora está à disposição para falar sobre o Salão de artes, bem como o artista homenageado.
Juliana Coutinho – Ascom/ Sesc – AP

A diversidade de Rosa Moutinho, a nova artista amapaense

Texto de Renato Flecha, publicado no “Correio do Amapá” – Edição de 12.09.2010

Com o passar dos anos, a arte no Amapá vem ganhando destaque. Partindo desta premissa, visitei, na sexta-feira, (3), no Monumento do Marco Zero do Equador, a exposição de arte “Diversidades”, da artista plástica Rosa de Fátima Campbell Moutinho. Confesso que fui à mostra de maneira despretensiosa, a convite de um amigo. Apesar de não ser um grande conhecedor do assunto, me surpreendi com a qualidade das 63 obras ali expostas. Por meio delas, a artista declarou seu amor à sua terra natal, o município de Mazagão.

Na mostra, que foi realizada pela produtora Sônia Canto, no período de 3 a 9 de setembro, a nova artista amapaense encantou centenas de visitantes com a beleza e sutileza de suas peças. As pinturas e colagens possuem referências geográficas, contemplação à natureza, costumes e cotidiano nortista, tudo retratado de forma madura. Em suas telas, Rosa expressa sentimentos e características marcantes da nossa cultura e da Amazônia como um todo. As obras possuem um exuberante realismo, que reproduz madeira, mármore, paisagens e objetos com perfeição. As peças são únicas, não há nenhuma igual à outra.

Rosa Moutinho possui uma história artística meteórica e emocionante. Pedagoga aposentada de suas atividades na Universidade Federal do Pará (UFPA), a artista escolheu a pintura como terapia ocupacional. Em uma viagem de férias, feita à cidade de São Paulo (SP), em novembro de 2009, visitou uma exposição e ficou fascinada por arte.

Ao observar tamanho interesse pelas obras, um professor de Arte se ofereceu para ensinar-lhe técnicas de pintura. De acordo com a artista, em somente dois dias de aula, ela pintou cinco telas e não parou mais. Em apenas oito meses de carreira, a artista produziu mais de 100 peças, que expôs em três amostras: no Rio de Janeiro (RJ), em Belém (PA) e em Macapá, esta na semana passada. Por causa da boa repercussão, a artista já recebeu propostas para expor suas telas fora do Brasil.

Conforme a artista, suas influências são amapaenses e paraenses. O material utilizado por ela é o papel machê, em 80% das obras e com texturas diferentes. As peças são requintadas, pois são ornamentadas com pedras preciosas do Brasil, como Ônix, Ágata e Cordolina. Além de fios encerados, espelhos, placas de madeira e inox. Muitas peças foram vendidas nestas exposições, o apoio da família, amigos e ótima aceitação do público incentivaram a artista na nova e promissora carreira. Rosa possui uma vastidão de sentimentos e imaginação para suas criações.

Enganam-se aqueles que pensam que são as mãos da artista que produzem as obras ou que sua técnica e imaginação são o bastante para tal. Seus instintos e experimentações fizeram da exposição uma síntese dos padrões estéticos de uma artista apaixonada pela natureza. O resultado da busca pela auto-expressão e uma feliz propensão para o surpreendente. Na verdade, por conta da sensibilidade, as obras são produzidas pelo coração de Rosa Moutinho.

“Não faço arte apenas pintando, uso colagens e texturas. Fiquei feliz com um senhor que comprou algumas de minhas obras, que disse: ‘Com este talento, o que você está fazendo aqui?’. Este tipo de entusiasmo me dá forças e me inspira para continuar produzindo minhas telas e peças”, assinalou Rosa Moutinho.