Dia Nacional das Artes

                                                       Por Elton Tavares
Hoje (12) é o Dia Nacional das Artes. Parabenizo todos os escritores, músicos, artesãos, poetas, dançarinos, documentaristas, fotógrafos, atores e artistas plásticos que conheço. Sei que os nobres ofícios não são reconhecidos como deveria, mas vocês continuam fazendo arte, em todos os seus campos e vertentes. Muito legal, mesmo.
Arte é a expressão de um povo, temos alguns campos artísticos fortalecidos, como o Marabaixo e nossa música. Ainda precisamos de mais apoio na Literatura, Teatro, Cinema e Artes Plásticas, mas a riqueza artística do Amapá aflora a cada dia.
Já temos Museu de Imagem e Som (MIS), Clube dos Poetas, bandas de rock saindo para tocar em outras cidades do Brasil, representantes na arte cênica nacional e nossa “Música Popular Amapaense” (MPA) vence festivais há tempos, um movimento sólido, enfim, feitos extraordinários para um Estado afastado de todo o resto do País.
Falando em Museu, meses atrás, fui ao Museu Joaquim Caetano da Silva, no centro de Macapá, e vi o local vazio, uma pena. O Museu está cheio de história amapaense e não é visitado. Para vocês sacarem a diferença, em 2009, fui ao Museu de Arte de São Paulo, tinha fila para entrar. Isso é consciência, a cultura que falta para o nosso povo.
Tudo bem, quando a população tiver consciência da importância da Arte para a sua própria história, as amostras, exposições, saraus ou qualquer manifestação artística e cultural, será prestigiada como se deve. Ou seja, haverá uma valorização dos talentos locais.
Certamente, a forma artística que mais me fascina é a música, tanto que uso a poesia alheia para complementar vários escritos deste blog. Meu Amapá é repleto de gente talentosa, basta lapidá-los e proporcionar condições de trabalho, simples assim. Parabéns a todos os artistas do país, em particular, do Amapá.
Este post é uma homenagem a alguns amigos: as atrizes Bárbara Altamira e Janisse Carvalho, a poetisa e fotógrafa Camila Karina, o fotógrafo Alexandre Brito, escritor e compositor Fernando Canto, o violonista Sebastião Mont’Alverne, cantora Rebecca Braga, o tatuador Edricy França, o artista plástico Aog Rocha, os desenhistas Daniel Nec e Ronaldo Roni, as bandas stereovitrola, Godzilla, Amazon Music e Vila Vintém. É para vocês, forte abraço!

Dose dupla de teatro no SESC Araxá

Por Juliana Coutinho – SESC/AP – Serviço Social do Comércio
Dois relevantes projetos das artes cênicas do País estarão com espetáculos no SESC Araxá nos próximos dias: SESC Amazônia das Artes apresenta o espetáculo circense “Palita no Trapézio” (infantil), do Maranhão e o Projeto Palco Giratório traz o espetáculo Catarinense “Mi Munequita”.
Palita no Trapézio, dia 05/08, às 15h30 no Salão de eventos do SESC. Entrada franca.
Mi Munequita, dias 06 e 07/08, às 20h, no Salão de eventos do SESC. Ingresso R$3,00.
No dia 07/08, a partir das 19h, teremos Sarau, no espaço Bambuzal (SESC Araxá), com Recitais, noite de autógrafos e vendas de livros, musical, exposições visuais, cinema e intervenção .
Abaixo informações sobre os espetáculos:
PALITA NO TRAPÉZIO – PROJETO SESC AMAZÔNIA DAS ARTES
É um espetáculo que busca, na investigação do potencial cômico do trapézio e da técnica de acrobacia, a comicidade da palhaça. Partindo da irreverência e dos erros próprios do palhaço, a perfeição e o risco, elementos característicos da acrobacia no trapézio, darão lugar para as ações ineficazes da palhaça, suas tentativas frustradas, seus medos e sua alegria.
Formada por um coletivo de artistas profissionais, entre atores, diretores, cantores, arte-educadores, acrobatas, palhaços e pesquisadores de teatro a Cia. Chegança Produções culturais surge em 2007 dentro de um projeto muito maior, a ONG Circo de Cidadania Palco e Picadeiro, entidade sócio cultural que desenvolve um trabalho de circo-social voltado para jovens em situação de risco, visando o protagonismo juvenil e a cidadania.
Em 2009 o projeto “Palita no Trapézio” foi contemplado pela bolsa FUNARTE de criação de números circenses e se transformou num belíssimo espetáculo de circo/teatro adaptável para qualquer tipo de espaço. Ainda em 2009 a Cia. Estréia no palco o espetáculo musical da obra de Dias Gomes “Roque Santeiro”.
Atualmente a Cia. Chegança desenvolve o Laboratório de pesquisa em teatro de rua, um espaço de estudo teórico e prático sobre o teatro de rua, suas técnicas, estética e história.
Serviço: Palita no trapézio – MA
Local: salão de eventos SESC Araxá
Dia: 05 de agosto
Hora: 15h30
Entrada franca
Censura livre
MI MUNEQUITA – PROJETO PALCO GIRATÓRIO
Entre o drama e a comédia, o espetáculo Mi Muñequita conta a história de uma adolescente que usa sua boneca preferida, La Huerfanita, para enfrentar e se libertar da violência gerada pela própria família. A menina, chamada na peça de La Nena, vive com seus parentes desajustados, La Madre, uma mulher frustrada, El Padre, um homem ausente e El Tio, um senhor rancoroso, em um perverso jogo de adultos que inclui traumas e vinganças.
O enredo apresenta situações grotescas e também muito engraçadas, onde seus personagens cantam e dançam seus risos, dores e amores, no ritmo de um humor quase negro. Com narrativa moderna, a peça conta ainda com El Presentador, o mestre de cerimônias que nos conduz no espetáculo.
O texto original, de Gabriel Calderón, faz enorme sucesso no Uruguai, em cartaz há quatro anos, onde ganhou e foi indicado a vários prêmios por texto, direção e atuação. Esta é a primeira vez que a obra é adaptada para a língua portuguesa.
Na versão tupiniquim, traduzida por Esteban Campanela e com direção de Renato Turnes, Mi Muñequita ganha novas cenas e improvisos. O tom melodramático, tão comum na estética latina, é o ponto forte desta obra tragicômica. “Optamos também por manter os nomes das personagens em espanhol, que são na verdade arquetípicos, como o pai e a mãe, assim como a trilha sonora, para reforçar o clima latino. Mas inserimos muita coisa, que acabou tornando a adaptação ainda mais engraçada”, afirma Turnes, experiente ator, que pela primeira vez assina a direção de um espetáculo profissional.
O resultado desta montagem é um show de variedades bizarro, freak-show doméstico, que mescla inspirações no repertório das TVs sensacionalistas, no mundo cão, no circo e no teatro do melodrama. A TV, o sensacionalismo, assim como a interferência direta do público em um drama privado, influenciaram muito a estrutura da peça.
A peça é repleta de memórias sensoriais latinas, como Almodóvar, as músicas românticas dos anos 70, do figurino desta década, do filme Cria Cuervos de Carlos Saura, entre outras referências da infância tanto do diretor como do elenco.
Mi Muñequita é uma obra teatral que faz rir e faz chorar, ou chorar de rir. Com seu excesso de sentimentos desesperados, tragédia e comédia se tornam estilos dramáticos inseparáveis e indistinguíveis.
A montagem deste espetáculo produzido pela Ponte Cultural foi viabilizada através do Prêmio Municipal de Incentivo à Cultura da Fundação Franklin Cascaes, em 2008 e integrou o projeto de itinerância do SESC/SC de 2009, o EmCena Catarina. Ainda no final de 2009 o espetáculo foi um dos ganhadores do Edital Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura para nova circulação pelo estado, que começou no mês de março de 2010 por Joinville e São Francisco do Sul. A partir de abril de 2010, Mi Muñequita começa a sua turnê pelo Brasil através do Palco Giratório, o projeto de itinerância nacional do SESC.
Serviço: Mi Muñequita – SC

Local: salão de eventos do SESC Araxá
Dias: 06 e 07 de agosto
Hora: 20h
Valor R$ 3,00
Censura 16 anos
OFICINA DRAMATIZAÇÃO DO CORPO
Dramaturgia do Corpo: diálogos entre a dança e o teatro na formação do ator e da cena.
Ementa: Existem muitas metodologias possíveis para o desenvolvimento das qualidades do ator e da construção da cena. Para cada escolha estilística corresponde um procedimento artístico específico, e vice-versa. Neste workshop, a dança contemporânea é o mote para trabalhar a “presença cênica” do ator, pautada em exercícios que visam oferecer um maior conhecimento do próprio corpo e do corpo do outro.
Também é a base para a construção criativa de cenas, que tem no ator (na sua presença psicofísica) o principal eixo do fazer teatral. Nesse contexto, o corpo é gerador de significados próprios, que se situam numa zona limítrofe, entre o gesto figurativo e o movimento abstrato.
Carga horária: 8 h/dia da oficina: 08/08/2010 Horário: 09h às 13h e das 15h às 19h, Idade mínima: 18 anos.
Local: Teatro Porão SESC Araxá / Valor da Inscrição: R$5,00. Local da inscrição: Central de Atendimentos SESC Araxá. Apenas 20 vagas.

MIS debate sobre documentários

                                    Por Elton Tavares
O Museu da Imagem e do Som (MIS/AP) realizará amanhã (10), ás 18h, na sala Charles Chaplin, do Sesc Araxá, uma reunião do Clube de Cinema do Amapá. O tema do encontro será “Documentários”. O objetivo do evento é debater e formular diretrizes do setor audiovisual amapaense.
Resumindo:
Dia: A reunião é amanhã (sábado 10/07).
Local Sesc Araxá.
Horário: 18h.
Tema: Documentários.

Festival de cinema e vídeo rural

O audiovisual tem conquistado um espaço interessante nos mais diversos setores de atuação. Cada vez mais segmentos entendem sua relevância e eficiência quando o assunto é fazer circular informação. Hoje recebi, em nome do FIM – Festival de Imagem-Movimento, a divulgação do II Festival Nacional de Cinema e Vídeo rural de Piratuba que acontecerá entre 22 e 25 de setembro deste ano que, por sinal, tá passando rápido, hein?

E olhem, esse festival tem um formato bastante interessante. Serão premiadas as categorias:

Melhor Filme de Ficção: R$ 3.000,00;

Melhor Documentário: R$ 3.000,00;

Melhor Reportagem de TV: R$ 3.000,00;

Melhor Produção Amadora: R$3.000,00;

Além dessas categorias, que achei bem inteligentes, acessíveis, principalmente as duas últimas, a organização do evento ainda vai colocar bala na agulha dos trabalhos que tiverem:

Melhor Fotografia: R$ 3.000,00;

Melhor Trilha Sonora: R$ 3.000,00;

Produção que mais contribui com a Melhoria da Vida no Campo: R$ 3.000,00;

Produção mais engajada com a Questão Ambinetal: R$ 3.000,00;

Produção mais engajada por Uma Causa Social: R$ 3.000,00;

E, só pra arrematar, o festival ainda traz o concurso fotográfico com o tema: “O cotidiano na Vida do Campo”. As imagens podem ser inscritas na categoria cor ou PB, com premiação para os três primeiros lugares em cada uma delas: R$ 1.000,00, R$ 700,00, R$ 500,00, respectivamente.
Como forma de aprimorar o nível técnico dos trabalho, o festival ofertará oficinais gratuitas para agricultores, profissionais e estudantes do meio audiovisual. As inscrições são na faixa até o dia 16 de agosto de 2010. Vai lá no site: www.festivaldecinemapiratuba.com. Boa sorte a todos!

Parabéns MIS

Imagem premiada – Foto de Maksuel Martins
O Museu da Imagem e do Som do Amapá (MIS), com sede no Teatro das Bacabeiras, divulgou o vencedor de um concurso de fotografia, categoria “amador”. A imagem vencedora, intitulada “Desenho de Deus” é, de acordo com o MIS, uma composição limpa e equilibrada. Mais informações na página da instituição, que contribui com o aprimoramento nas áreas da imagem e do som. Leia: http://museudaimagemedosom.blogspot.com/
O vencedor do concurso foi Maksuel Martins, professor de fotografia, que foi aluno de duas das oficinas promovidas pelo MIS, Iluminação e Fotografia, dentro do projeto Teia Cultural da Secretaria Estadual de Cultura do Amapá (Secult).

Reunião do MIS

Ontem (6) rolou reunião no Museu da Imagem e Som. Quer saber o que aconteceu? O encontro de preparação para o Fórum Audiovisual da Amazônia Legal (FAAL), realizado na sala do MIS, fixada no Teatro das Bacabeiras, debateu sobre diretrizes para expandir a organização, por parte da galera que curte o audiovisual no Amapá, para que o cenário se fortifique, resulte em produções independentes de qualidade e valorize os talentos locais.

O FAAL deverá acontecer em Belém, PA, no período de 09 a 11 de Julho quando serão discutidos assuntos de interesse dessa galera acima citada, divididos em cinco eixos. Leia a matéria completa na página do MIS, no endereço eletrônico: http://museudaimagemedosom.blogspot.com/

Show Voz

A cantora amapaense, Rebecca Braga é dona de uma linda voz, presença de palco e carisma. Possui repertório qualificado e está no circuito amapaense há quase duas décadas. Além de ser uma grande amiga minha, na verdade, somos compadres, pois tenho a honra de ser padrinho da Sofis.

Mas meus elogios não são por causa de nossa velha amizade e sim por seu talento. Ah, a Bel (como a chamo carinhosamente) comandou a Drop’s Heroína nos anos 90. A banda tinha uma proposta diferente, com uma agressividade teenage.

A Drops lutou contra o preconceito, já que era uma banda formada apenas por mulheres, nada convencional no Amapá. Fizeram música e história, inspiraram outras meninas e escreveram uma página do nosso rock.

Rebecca flertou com a Música Popular Amapaense (MPA), compôs com Naldo Maranhão, trabalhou com muitos músicos consagrados do Amapá. Tornou-se uma incentivadora de movimentos artísticos de Macapá.

Volta e meia, ela dar o ar da graça em barzinhos da capital amapaense, sempre com talento e profissionalismo. Tenho certeza que o show será muito legal. Eu vou, vumbora?

Lançamento do Clube de Cinema do Amapá

O Museu da Imagem e do Som (MIS) realizará hoje (15), ás 18h, na Sala Charles Chaplin, no SESC Araxá, o coquetel de lançamento do Clube de Cinema do Amapá.

O cineclube será construído em parceria com o Serviço Social do Comércio (SESC/AP). A ação tem o objetivo de fortalecer o audiovisual amapaense.

Durante o evento serão exibidos os filmes “Meu tempo menino” (20 minutos), “Menino urubu” (15 minutos) e “A garota (5 minutos)”.

Todos os amantes do audiovisual estão convidados, prestigie!

Serviço:

Data 15.05 (hoje)

Local: Sesc Araxá Sala Charles Chaplin)

Hora: 18h.
Fonte: Jornalista Alexandre Brito.

Aniversário do Bono Vox

Hoje (10) é o aniversário de Paul David Hewson, popularmente conhecido como Bono Vox. O cantor irlandês, líder da banda U2, é uma das figuras mais carismáticas do mundo. Bono completa hoje (10) 50 anos. O artista divide seu tempo entre shows e ações humanitárias, ele é ativista pelos direitos humanos. Em 2005, por suas atitudes humanistas, foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz. Também se tornou um símbolo na luta contra a pobreza no continente africano. Filho de um pai católico e uma mãe protestante, Bono cresceu com uma forte fé religiosa, mas sem nenhuma doutrina fixa.

Em 1975, Larry Mullen Jr. (baterista do U2) colocou na escola Mount Temple um anúncio procurando por pessoas interessadas a formar uma banda. Apareceram Dave Evans (The Edge), Dick Evans, Adam Clayton e Bono. Inicialmente ninguém queria cantar. Havia um baixista, um baterista e três guitarristas. Mas como precisavam de um vocalista e Bono nunca podia transportar a sua guitarra para os ensaios, ficou responsável pelos vocais. Seu pseudônimo “Bono” – é uma adaptação de Bona Vox, uma marca de aparelho auditivo que em Latim traduz-se como “boa voz”.

Para muitos, Bono Vox é o maior Ícone do rock mundial. O U2 tocou duas vezes no Brasil, em 1998 e 2006. Tenho uma inveja branca dos meus amigos que foram aos dois shows (Anderson, Patrick e André). Não fui por pura falta de planejamento, mas ainda verei um show do U2. Não sou muito de encher a bola de celebridades, mas Bono Vox é, com toda certeza, uma exceção. Parabéns ao grande cara que ele é, um verdadeiro exemplo de como usar a fama.

Fonte: Wikipédia.

Aprenda a escrever com a luz

                                                                                           Por Alexandre Brito

Fotos: Aog Rocha.
Aprender a escrever, no sentido amplo do termo, não é lá uma tarefa fácil. Taí uma coisa que não tem receita, não é mesmo? Mas parece que o êxito nesse desafio envolve mais transpiração do que inspiração. Quem conseguir juntar àquela a esta, está feito.

Uma das poucas regras que podem receber esse nome quando se trata de escrita é aquela repetida como bordão por teachers de cursinhos pré-vestibulares e pré-concursos Brasil a fora: só escreve bem quem lê. Mas aí fico pensando em caras como Patativa do Assaré que, mesmo sem ler os clássicos nem os malditos, escrevem muito. Aí chego a conclusão que, pra escrever bem, é necessário uma sensibilidade maturada por uma percepção cuidadosa e isso pode acontecer pela via da educação formal ou por aquelas situações que se aprende vivendo…

E escrever não envolve apenas letras que formam palavras, que formam frases, que formam orações, que formam parágrafos. É possível escrever com a luz e essa escrita, por mais que não pareça, exige tanto estudo quanto a sua amiga verbal.

Esse preâmbulo todo é para colocar as senhoras e os senhores a par de um curso que vai lhes ensinar um pouco dessa misteriosa arte de escrever com a luz: a fotografia.

Perguntado sobre suas expectativas em relação ao curso, Aog diz:

“Quero dividir um pouco do que a gente sabe com os alunos que se inscreverem (…) espero também que as pessoas assimilem o conteúdo que irá ser ministrado (…) que envolverá a estrutura da câmera fotográfica, planos, ângulos, luz natural, artificial”.

Resumindo a história:

Curso de Fotografia Básica

Período: 12 a 16 de abril

Local: Laboratório de Fotografia da Faculdade Seama

Horário: 14:30 às 17:30

Investimento: R$ 80,00

Inscrições: Central de Atendimento ao Aluno da Seama.

SESC celebra o Dia Internacional do Teatro

                                                        Por Juliana Coutinho – ASCOM/SESC/AP

No próximo sábado (27), o Serviço Social do Comércio (SESC/AP) celebrará o Dia Internacional do Teatro. O evento será no Restaurante SESC Centro, às 12h, com performances para os comerciários, oportunizando o convívio com ações culturais que são realizadas pela instituição, em parceria com artistas amapaenses.

O SESC Amapá vem desenvolvendo há anos uma série de ações teatrais, a exemplo de projetos como PALCO GIRATÓRIO, que há 13 anos vem contemplando a sociedade amapaense e artistas com belíssimas produções, oficinas, palestras, intercâmbio entre grupos;

DRAMATURGIA LEITURAS EM CENA, um investimento voltado à produção e análise da dramaturgia nacional e internacional;

PROJETO VAMOS COMER TEATRO, onde o Teatro Porão do SESC Araxá, abriga anualmente, seis novas produções locais, atraindo alunos de escolas públicas e privadas, bem como faculdades;

ESPECTADOR CÊNICO DO FUTURO, um projeto que se destina a formação de novos espectadores, focalizando os alunos da Escola SESC, ALDEIA SESC POVOS DA FLORESTA, projeto que agrega além do teatro e da dança, artes plásticas, literatura, cinema, música, folclore entre outras;

SESC FEST DANCE, projeto que discute e focaliza a dança na sua maior expressão; SESC AMAZÔNIA DAS ARTES, um projeto que entra para o seu terceiro ano de existência, contemplando os valores culturais através do teatro, da dança, das artes plásticas e da música.

Esse projeto hoje para os estados que compõe a Amazônia Legal, dentre eles, o Amapá, é um grande investimento para tornar possível e real a circulação de produtos culturais entre os estados da região Norte, Mato Grosso, no Centro-Oeste e Maranhão e Piauí, no Meio-Norte, região do Nordeste.

Por todos esses investimentos, o SESC Amapá irá registrar o Dia Internacional do Teatro (27 de março), com o encontro de grupos e artistas no SESC Centro.

PROGRAMAÇÃO:

Ø Performance circense com Sandro Brito;

Ø Grupo Imagem e Cia. (estátuas vivas);

Ø Grupo Ruart, através da atriz Cecília Lobo;

Ø Álvaro Braga;

Ø Paulo Alfaia e o Grupo Desclassificáveis;

Ø Performance da peça Pluft o fantasminha, em cartaz no Teatro Porão dentro do projeto VAMOS COMER TEATRO;

Ø Performance da peça A onça e o Bode; (estagiários da cultura do SESC);

Ø Alcemyr Araujo e o Grupo Teatro do Riso;

Ø Performances com alunos do Curso de Teatro da Escola Cândido Portinari.

Serviço: Comemoração ao Dia do Teatro

Local: Restaurante do Comerciário – SESC Centro

Dia: 27 de Março (Sábado)

Hora: a partir das 12h




Nilson Chaves se apresenta em Macapá

O cantor e compositor paraense Nilson Chaves, se apresentará hoje (5), a partir das 21h, na Casa de Cultura Pura Raiz. O evento será promovido pela Bacabeira Produções, dos produtores culturais Clícia Di Miceli e Claudiomar Silva. A mesa custará R$ 50,00.

Nilson Chaves é um dos mais importantes artistas da Amazônia. O show contará com apresentações de convidados, como Joãozinho Gomes, Ana Martel e Enrico Di Miceli.

FestCine Amazônia Itinerante em Macapá

                                                                                                          Por Igor Reale

O primeiro roteiro itinerante levará cinema e vídeo ambiental para capitais da região Amazônica.
A cidade de Manaus (AM) será a primeira capital da região Norte a receber o Fest Cineamazônia Itinerante 2010. A exibição será no próximo dia 9 de março. Em cada estado, uma produção local abrirá o festival. Segundo o curador Jurandir Costa, “é uma forma de aproximar os realizadores da Amazônia com os organizadores do festival.
Ainda neste mês de março, o festival estará presente no dia 11 em Boa Vista (RR), Macapá (AP) no dia 13, Belém (PA) no dia 15, Palmas (TO) no dia 17, e em Rio Branco (AC) no dia 19. Nesta etapa itinerante são exibidos filmes e vídeos participantes do festival realizado em Porto Velho.
O Fest Cineamazônia estará exibindo ainda as três produções que mostram os bastidores do festival em diferentes etapas da itinerância de 2008. O vídeo Uma Só América é um registro da etapa itinerante realizada na America do Sul; O Circo do Cinema é um documentário da etapa rondoniense no olhar do palhaço Bob; O Cinema no Meio do Mundo registra o Festival em outros continentes. “As capitais que receberam o Festival em 2008 estarão agora, se vendo na tela do cinema”, destacou Costa.
O Festival tem o patrocínio da Petrobras, Ministério da Cultura através da Lei Rouanet, Eletrobras e Correios, conta com o apoio cultural da Santo Antonio Energia, Prefeitura de Porto Velho, Semed e Fundação Iaripuna, Governo de Rondônia – Secel, e apoio da Bancada Federal de Rondônia, senadora Fátima Cleide, senador Valdir Raupp, deputado federal Eduardo Valverde e deputada federal Marinha Raupp.
Em Macapá:

Horário: 13 de março, de 15:00 a 18:00

Local: Salão de Atos da Faculdade Seama

Rua: Av. Nações Unidas 1201 – Jesus de Nazaré

(Fonte: Chico Terra)