Hoje rola a apresentação do espetáculo “O banquete de Platão”, na Ueap

Nesta quarta-feira (3), a partir das 19h, no Auditório Central da Universidade Estadual do Amapá (Ueap), os alunos do primeiro semestre do curso de Filosofia da Ueap apresentarão o espetáculo “O banquete de Platão”. a entrada é GRATUITA.

Os acadêmicos ensaiam a peça teatral, baseada no livro “ O Banquete de Platão” (que fala dos sete discursos sobre amor) desde fevereiro deste ano. A adaptação leva em conta as três expressões do amor no grego antigo: Eros, Philia e Ágape estabelecendo conexões com as diferentes formas atuais de amar.

SINOPSE:

A turma LFL 19.1 está fazendo a releitura da obra, as interpretações filosóficas, a adaptação do texto para os dias atuais e para fazer o questionamento do conceito, “Por que Amor?” a partir dos discursos do banquete de Platão.

O Banquete, também conhecido como Simpósio, é um diálogo platônico escrito por volta de 380 a.C.. Constitui-se basicamente de uma série de discursos sobre a natureza e as qualidades do amor. O Banquete é um dos dois diálogos de Platão em que o tema principal é o amor.

A dedicação dos acadêmicos e professores do curso de filosofia da Ueap é algo que chama a atenção, desde a escolha do tema para a peça teatral, como também, o período dos estudos, a organização do evento, até a divulgação. Todo esse trabalho foi feito durante seis meses com muita dedicação.

Segundo o Prof. Dr. Janilson Barbosa, que é diretor da peça teatral, é o resultado do trabalho de aprendizagem da filosofia Antiga em que os acadêmicos foram convidados a interpretar e adaptá-lo na contemporaneidade. O Prof. afirma ainda que, a adaptação leva em conta as três expressões do amor no grego antigo: Eros, Philia e Ágape estabelecendo conexões com as diferentes formas atuais de amar.

Serviço:

“O banquete de Platão”
Data: 03 de Julho de 2019
Local: Auditório Central da Ueap (Campus I Avenida Presidente Vargas, Centro de Macapá)
Hora: 19h
Entrada Franca

Elton Tavares, com informações da Ueap.

Inscrições para Especialização em Estudos Teatrais Contemporâneos começam nesta quarta-feira

A Universidade Federal do Amapá (Unifap) lançou o edital para formação da primeira turma do curso de Especialização em Estudos Teatrais Contemporâneos. São 30 vagas para ingresso no segundo semestre de 2019, sendo que 4 são destinadas a pretos, partos, quilombolas ou indígenas, 3 a pessoas com deficiência e 1 vaga para a pessoas trans (travestis ou transexuais).

As inscrições são gratuitas e serão realizadas somente pela internet, a partir desta segunda-feira, 24, e irão até o dia 03 de agosto deste ano. O processo seletivo tem três fases:

– A primeira é a inscrição contendo documentos pessoais, intenção de pesquisa de acordo com as linhas de pesquisas e interesses/eixos de pesquisas dos(as) docentes e do curso, memorial descritivo, currículo lattes atualizado do(a) candidato(a). Esta fase é de caráter eliminatório;

– A segunda etapa se configura como análise de proposta de intenção de pesquisa e análise do memorial descritivo, ambos de caráter eliminatório e classificatório;

– O último estágio é a entrevista com base no Currículo Lattes atualizado, no Memorial Descritivo e na Proposta de Intenção de Pesquisa que também tem caráter classificatório.

Para ser aprovado, o candidato deve obter nota igual ou superior a sete (7,0) na Etapa 2. O resultado final e à lista de classificação serão divulgados no dia 03 de setembro de 2019.

O curso

Na modalidade presencial, o curso tem por objetivo formar especialistas para atuarem na área da pesquisa das práticas teatrais levando em consideração a investigação das linguagens e das poéticas contemporâneas e sua repercussão regional bem como no Brasil. As linhas de pesquisa são: processos contemporâneos no ensino de teatro; processos de criação e expressão cênica contemporâneos; história das artes do espetáculo, dramaturgia e contemporaneidade.

A Especialização terá carga horária total de 400h, distribuídas em período de 18 meses, contemplando atividades teóricas e práticas, individuais e/ou em grupo além do desenvolvimento do trabalho de conclusão de curso (TCC). As aulas presenciais estão previstas para o segundo semestre de 2019 e acontecerão às sextas-feiras no período noturno e aos sábados, compreendendo os períodos da manhã e tarde.

Mais informações no site do Departamento do Processos Seletivos e Concursos: https://depsec.unifap.br/

Assessoria de comunicação da Unifap

Segundo Secult, Museu Joaquim Caetano reabrirá em setembro

Museu Joaquim Caetano deve ser reaberto até setembro deste ano — Foto: Ugor Feio/G1

Por Ugor Feio

A Secretaria de Estado da Cultura (Secult) confirmou nesta segunda-feira (1°) que o Museu Joaquim Caetano, em Macapá, deve ser reaberto até setembro. Fechado há quase 5 anos, o local já passou por duas reformas, em 2016 e 2017, mas após as melhorias outros problemas foram identificados.

Segundo o titular da Secult, Evandro Milhomen, o museu foi fechado por conta dos constantes alagamentos, causados por problemas estruturais no telhado e na rede hidráulica. Ele explica que, desta vez, o projeto de reformas foi concluído e está prestes a passar por licitação.

Infiltrações podem ser vistas no teto do Museu Joaquim Caetano — Foto: Ugor Feio/G1

“Tivemos uma revitalização em 2016 e não foi concluído o processo, sendo retomado em 2017. Mesmo assim tem alguns problemas graves que não foram identificados na época e que podem por acervo em risco. Vamos reformar também a parte elétrica, para fazer instalação das novas centrais de ar”, explicou.

De acordo com o secretário, o telhado do prédio acumulava muita água, especialmente no período de fortes chuvas, e as calhas instaladas não eram suficientes para dar vazão ao grande volume e acabavam empoçando e invadindo o teto do museu.

Evandro Milhomen, titular da Secretaria de Cultura — Foto: Ugor Feio/G1

“O problema do telhado causava os alagamentos por cima e o problema hidráulico por baixo. Novas instalações serão feitas para redirecionar essa água para as linhas pluviais. Em 60 dias entregamos o museu para a sociedade, mas queremos fazer tudo dentro das normas”, reiterou.

Devido aos reparos, o prédio ficou fechado todo esse tempo. Turistas que visitam a região reclamam que, apesar da riqueza patrimonial, o centro histórico da cidade não é explorado como deveria, comprometendo o turismo.

O historiador, professor e integrante da equipe de pesquisa do museu, José Farias, conta que após os alagamentos algumas peças precisaram ser retiradas da exposição e guardadas no acervo.

Ele detalha que o prédio é o terceiro mais antigo da capital, atrás apenas da Igreja de São José e a Fortaleza de São José.

Historiador do museu mostra bandeira da França encontrada no município do Amapá — Foto: Ugor Feio/G1

“Este edifício é repleto de história, quando os colonizadores chegavam a novas terras, a primeira coisa que faziam era instalar uma igreja e depois as fortificações. Após isso, eles construíram esse prédio onde funcionava a sede da intendência, na época do Império, que futuramente viria a ser a prefeitura da cidade, mas já sediou até mesmo uma delegacia”, diz.

O professor descreve também que a exposição atual conta com simulações de como era a vida dos ribeirinhos.

Da época da fundação da cidade, estão à mostra um filtro de água feito de pedra vulcânica, datado de 1895, com material encontrado na Fortaleza de São José, além de urnas funerárias encontradas em escavações por todo o estado e uma bandeira francesa encontrada no período de conflito territorial.

Urnas funerárias e vasos de cerâmica encontrados durante escavações integram exposição que aguarda reabertura — Foto: Ugor Feio/G1

Além disso o acervo conta ainda com as doações dos familiares de personalidades históricas, que forneceram itens como o uniforme militar de Francisco Veiga Cabral, o “Cabralzinho”, documentos históricos que contam a história do Amapá, assim como uma grande doação de obras de arte e mobiliário feita pela família Sarney.

Histórico do Museu Joaquim Caetano

Material arqueológico encontrado durante uma das primeiras escavações na Fortaleza de São José — Foto: Ugor Feio/G1

O loca foi fundado no século 19 e o nome dado é um tributo ao médico e diplomata gaúcho que escreveu a obra “L’Oyapoc et L’Amazone” (1861), usada na elaboração da defesa apresentada por Barão do Rio Branco, ao definir os direitos do Brasil na questão de limites com a França em 1900.

No acervo encontram-se urnas funerárias dos povos indígenas Maracá e Cunani, encontradas nas escavações arqueológicas; objetos pessoais do primeiro governador do Amapá, Janary Gentil Nunes e também de Francisco Veiga Cabral, que ganhou destaque na luta pela defesa da fronteira.

Fonte: G1 Amapá

Encontro discute o protagonismo feminino na arte da ‘palhaçaria’ no AP

Por Ugor Feio

Para discutir e fortalecer a presença feminina na arte da “palhaçaria”, Macapá recebe o “2º Encontro de Palhaças do Amapá”. Será de 1º a 7 de julho, com espetáculos, oficinas e mesas redondas, distribuídos em dois espaços da capital.

Da Cia de Teatro Trecos Inmundo, a coordenadora do evento, Antoniele Xavier, acredita que o tema é de grande importância para o fortalecimento da arte e da representação feminina nos espetáculos de comédia. Ela é atriz e dá vida à palhaça “Tonton” há 14 anos.

Mulheres na arte da palhaçaria participam do ‘2º Encontro de Palhaças do Amapá’ — Foto: Cia de Teatro Trecos Inmundo/Divulgação

“O encontro surgiu do desejo de mostrar a cara dessas mulheres palhaças que produzem comédia. É difícil da gente se reunir espontaneamente. Por isso a importância desse evento, para que a gente se conheça e troque experiências e muitas risadas”, contou.

A programação começa na segunda (1°), com a oficina “Palhaçaria e Afeto”, ministrada por Aneliza Paiva, de Londrina, no Paraná. As aulas são direcionadas a palhaços que distribuem alegria para pacientes de hospitais, chamados “Plantão Sorriso”.

Aneliza Paiva, de Londrina, vai ministrar oficina e apresentar o espetáculo “Ao Ponto” — Foto: facebook/Reprodução

Na quinta-feira (4), acontece a apresentação do espetáculo “Ao Ponto”, também com Aneliza, no Centro de Artes e Esportes Unificados (CEU das Artes), no bairro Infraero 2, na Zona Norte. A peça é um “solo” que conta a trajetória gastronômica de Frida, uma palhaça que é neta e bisneta de cozinheiros e que vai cozinhar um risoto para o público.

A mesa redonda “Comicidade Feminina” ocorre na sexta-feira (5), também no “Espaço Garden in Cena”. A roda de conversa abrirá espaço para fala das atrizes Andréa Flores, palhaça Bilazinha; Alice Araújo, palhaça Perualda; e Núbia Oliveira, a palhaça Bibica, conhecida em Macapá pela personagem Caluda, da peça “Bar caboclo”. Elas contarão sua história de vida e discutirão os desafios das mulheres na profissão.

Atriz Andréa Flores, que interpreta a palhaça Bilazinha, será uma das atrações convidadas da programação — Foto: Cia de Teatro Trecos Inmundo/Divulgação

No sábado (6), a programação volta ao CEU das Artes com a oficina “Onçar a Palhaça”, que ocorre até domingo (7) com a paraense Andréa Flores, que também está à frente do espetáculo “Rala Palhaço”.

A oficina é resultado de doze anos de atuação e pesquisas em “Feminismos e Singularidades Amazônidas”, voltada para as artistas que desejem começar o percurso artístico em comicidade. A peça será um “solo de palhaçaria feminista” que aborda o cotidiano da mulher, relacionamento amoroso e como lidar com essas informações sem perder o riso.

A série de atividades será encerrada com o cabaré das palhaças, no domingo (7), quando acorre o encontro com as 10 palhaças envolvida na iniciativa, além de convidadas e o público em geral. Todas as atividades tem o preço de “colaboração espontânea”, onde o interessado pode contribuir com quanto puder.

Antoniele Xavier é a palha Tonton — Foto: Facebook/Reprodução

Antoniele conta que o evento será realizado com recursos próprios e com a ajuda da Cia de Artes Kabuky, do projeto social “Toca do Saci”, no bairro Pacoval, e conta também com apoio do grupo “Imagem e Cia” e “Cia de Artes Tucuju”.

Programação do 2º Encontro de Palhaças do Amapá: 

Oficina “Palhaçaria e Afeto”, com Aneliza Paiva
Data: de segunda-feira (1°) a quarta-feira (3)
Hora: 15h às 17h
Local: Espaço Garden in Cena, no Amapá Garden Shopping

Oficina “Onçar a Palhaça”, com Adréa Flores
Data: sábado (6) e domingo (7)
Hora: 9h às 12h (sábado) e das 14h às 18h (domingo)
Local: Espaço Garden in Cena, no Amapá Garden Shopping

Mesa Redonda “Comicidade Feminina”
Data: sexta-feira (5)
Hora: 14h às 18h
Local: Espaçao Garden in Cena, no Amapá Garden Shopping

Espetáculo “Ao Ponto”, com Aneliza Paiva, PR
Data: quinta-feira (4)
Hora: 19h
Local: CEU das Artes, na Avenida carlos Lins Cortez, bairro Infraero 2, Zona Norte de Macapá

Espetáculo “Rala Palhaço!”, com Andréa Flores, PA
Data: sábado (6)
Hora: 19h
Local: CEU das Artes, na Avenida carlos Lins Cortez, bairro Infraero 2, Zona Norte de Macapá

Cabaré das Palhaças
Data: domingo (7)
Hora: 19h30
Local: CEU das Artes, na Avenida carlos Lins Cortez, bairro Infraero 2, Zona Norte de Macapá

Serviço:

2º Encontro de Palhaças do Amapá
Período: 1º a 7 de julho
Local: Amapá Garden Shopping (Zona Sul) e CEU das Artes (Zona Norte)
Entrada: pague quanto puder

Fonte: G1 Amapá

Unifap lança Especialização em Estudos Teatrais Contemporâneos – As inscrições são gratuitas irão até o dia 03 de agosto

A Universidade Federal do Amapá (Unifap) lançou o edital para formação da primeira turma do curso de Especialização em Estudos Teatrais Contemporâneos. São 30 vagas para ingresso no segundo semestre de 2019, sendo que 4 são destinadas a pretos, partos, quilombolas ou indígenas, 3 a pessoas com deficiência e 1 vaga para a pessoas trans (travestis ou transexuais).

As inscrições são gratuitas e realizadas somente pela internet. Elas iniciaram no último dia  24 de junho e irão até o dia 03 de agosto deste ano. O processo seletivo tem três fases:

– A primeira é a inscrição contendo documentos pessoais, intenção de pesquisa de acordo com as linhas de pesquisas e interesses/eixos de pesquisas dos(as) docentes e do curso, memorial descritivo, currículo lattes atualizado do(a) candidato(a). Esta fase é de caráter eliminatório;

– A segunda etapa se configura como análise de proposta de intenção de pesquisa e análise do memorial descritivo, ambos de caráter eliminatório e classificatório;

– O último estágio é a entrevista com base no Currículo Lattes atualizado, no Memorial Descritivo e na Proposta de Intenção de Pesquisa que também tem caráter classificatório.

Para ser aprovado, o candidato deve obter nota igual ou superior a sete (7,0) na Etapa 2. O resultado final e à lista de classificação serão divulgados no dia 03 de setembro de 2019.

O curso

Na modalidade presencial, o curso tem por objetivo formar especialistas para atuarem na área da pesquisa das práticas teatrais levando em consideração a investigação das linguagens e das poéticas contemporâneas e sua repercussão regional bem como no Brasil. As linhas de pesquisa são: processos contemporâneos no ensino de teatro; processos de criação e expressão cênica contemporâneos; história das artes do espetáculo, dramaturgia e contemporaneidade.

A Especialização terá carga horária total de 400h, distribuídas em período de 18 meses, contemplando atividades teóricas e práticas, individuais e/ou em grupo além do desenvolvimento do trabalho de conclusão de curso (TCC). As aulas presenciais estão previstas para o segundo semestre de 2019 e acontecerão às sextas-feiras no período noturno e aos sábados, compreendendo os períodos da manhã e tarde.

Mais informações no site do Departamento do Processos Seletivos e Concursos: https://depsec.unifap.br/

Assessoria de comunicação

Hoje rola a apresentação do espetáculo “Antes que o céu desabe”, na Unifap

Nesta segunda-feira (1º), a partir das 19h30, no auditório do projeto de extensão “Universidade da Maturidade” (Umap), da Universidade Federal do Amapá (Unifap), A Turma de 2016 do Curso de Teatro da Unifap, apresentará o espetáculo “Antes que o céu desabe”.

A peça será o penúltimo espetáculo na graduação pela disciplina Prática de Montagem I, ministrada pelo professor Raphael Brito, no encerramento da VIII Mostra de Experimentos do Curso de Teatro da Unifap.

SINOPSE:

Artistas em formação insistem em montar um espetáculo como se não houvesse o amanhã. Em uma viagem sem volta, se deparam silenciados em um sistema de golpes, perdas, revoltas e tensões nunca antes questionadas. Com enfrentamento e resistência, ecoam o último grito antes que o céu desabe.

Serviço:

Espetáculo “Antes que o céu desabe”,
Data: 01 de Julho
Local: Auditório da Umap, na Unifap.
Hora: 19h30
Entrada Franca

Unifap planeja ações culturais para o segundo semestre de 2019

O Reitor da Unifap, Prof. Dr. Júlio Sá, se reuniu no último dia 27 com a comissão que irá fomentar várias ações culturais no 2º semestre. Estiveram presentes: Prof. Dr. João Batista, Profa. Doutorando Mariana Gonçalves, Dr. Fernando Canto, Prof. Dr. Rostan Martins, Prof. Dr. Aldenor Benjamin, Prof. Dr. Romualdo Palhano, Sr. Anderson Barretos e o discente Willian Cruz. Os presentes apresentaram ao Prof. Júlio as ações que a comissão está planejando e que serão deflagradas a partir de agosto.

Vale destacar algumas:

1-Realização de eventos culturais homenageando as matrizes culturais brasileira;
2-Cortejo com bonecos e encenações/intervenções teatrais, plásticas e de danças;
3-Feira cultural e agrícola, com exposição de produções/experimentações artísticas, livros, gastronomias regionais e artesanatos;
4-Festival Universitário da Canção;
5-Seminários e encontro buscando interagir com as Populações Tradicionais da Amazônia Brasileira;
6-Ações na área de esporte, entre outras.

Também será criado um boletim informativo mensal para divulgar as ações desenvolvidas pela Unifap, bem como a implantação de comissões setoriais de cultura, nos Municípios de Santana, Oiapoque e Mazagão, buscando estender/deflagrar tais atividades para os outros campi da UNIFAP.

Assessoria de comunicação da Unifap – Texto: Secretaria da Proeac

Hoje rola show Jazz and Soul, no Norte das Águas

Hoje (29), a partir das 21h, no Bar e Restaurante Norte das Águas (no complexo do Araxá), acontecerá o show Jazz and Soul.  Na mesma levada de seus Shows “Deu Jazz” e “Soul Pop”, Ariel Moura entra de cabeça no projeto de popularizar o Jazz, ao mesmo tempo que consolida sua carreira fazendo parcerias com cantores e cantoras de outras regiões e países, como agora quando faz a ponte com a região da Guianas, tendo ao palco a cantora Régine Lapassion e o pianista e produtor musical Denis Lapassion. Serão duas nações unidas pela tradição musical Soul Jazzista, em uma apresentação diferenciada para os apreciadores de repertório refinado e empolgante.

O Jazz atravessou gerações, chegou em todos os continentes e influenciou a música de artistas em diversos países. A força rítmica negra e o improviso dão a dramaticidade que captura a alma de quem é apaixonado por sofisticação musical. Na cultura Jazzista também tem espaço para mulheres, pois a ideia é estar junto e festejar com canto, dança e entusiasmo, porque para o bom e velho Jazz, a celebração é mais do que só música. É elevação do corpo e do espírito embaladas por notas instrumentais e vozes que se imortalizam pela extrema qualidade e entrega artística.

E para oportunizar uma noite memorável, o público amapaense poderá testemunhar um momento que juntará a sensibilidade musical feminina à força rítmica do Jazz e do Soul. Assim será o Show Jazz and Soul: O encontro da cantora amapaense Ariel Moura, que estará apresentando suas canções autorais, com a martiniquense Régine Lapassion. Momento que contará ainda com a participação especialíssima do pianista guianense Denis Lapassion .

Serviço:

Evento: SHOW JAZZ AND SOUL
Local: Bar e Restaurante Norte das Água (Complexo do Araxá)
Horário: A partir de 21 horas
Data: 29 de junho de 2019
Mesa: R$ 100,00 (antecipado)
Individual: R$ 30,00
Informações e Vendas:
(96) 99193-8466 (whatsapp)
(96) 98109-5560 (whatsapp)

Assessoria de comunicação

Hoje rola espetáculo teatral Lugar da Chuva no Amapá Garden Shopping

O espetáculo LUGAR DA CHUVA é uma viagem afetiva e poética pela Amazônia amapaense, fruto de uma residência artística na cidade de Macapá e seus arredores.

A dramaturgia cartográfica, que organiza o texto por ilhas, navega por diversos locais na foz do Rio Amazonas, reinventando cenicamente as sensações e reflexões que atravessam os corpos durante o seu percurso entre a cidade e a floresta, entre o mato e concreto, entre o rio e a rua.

As apresentações no Espaço Garden In Cena comemoram 1 ano de existência do espetáculo LUGAR DA CHUVA. Além disso, também são um “esquenta” para as apresentações no FIT – Festival Internacional de Teatro de São José do Rio Preto-SP em Julho, ocasião em que o Frêmito Teatro vai representar o Amapá e a Amazônia num dos maiores e mais importantes festivais de teatro do Brasil.

A peça é fruto das experiências vividas durante um laboratório criativo realizado na capital amapaense, no final de 2017, quando o grupo paulistano Agrupamento Cynétiko viajou até a cidade para uma residência artística em intercâmbio com o Frêmito Teatro.

Na ocasião, os coletivos percorreram lugares significativos para a pesquisa sobre territorialidade na Amazônia Amapaense.

O atravessamento mútuo entre os artistas e os locais visitados nutriram a construção das cenas, entremeando-se reflexões sobre um Amapá atual, urbano e globalizado, em suas complexas relações com a Natureza, ancestralidades e tradições.

FICHA TÉCNICA:

Realização: Frêmito Teatro (AP) e Agrupamento Cynétiko (SP)
Com: Raphael Brito e Wellington Dias
Concepção e Direção: Otávio Oscar
Dramaturgismo: Ave Terrena Alves
Direção de Arte: Daniele Desierrê
Videoarte: Luciana Ramin
Fotos: Nu Abe
Produção: Wellington Dias
Apoio: Cia Cangapé, Espaço Garden In Cena e Amapá Garden Shopping

SERVIÇO:

Espetáculo teatral Lugar da Chuva
Datas: 28 e 29 de Junho de 2019
Horário: 20h
Local: Espaço Garden In Cena | Amapá Garden Shopping | Macapá-AP
Duração: 70 minutos
Ingressos: Pague Quanto Puder
Bilheteria: No local, 30min antes de cada apresentação | Somente dinheiro
Classificação etária: 12 anos
Telefone de contato: 96 98107-1972
E-mail: [email protected]

Fonte: Frêmito

Feira de artesanato expõe produtos confeccionados pelo grupo de idosos Arte e Vida

Uma feira totalmente voltada para a exposição e comercialização de produtos confeccionados por idosos. Isso é realidade em Macapá e só é possível graças às atividades do grupo da terceira idade Arte e Vida. Nesta sexta-feira, 28, foram colocados para venda os artesanatos produzidos no primeiro semestre de 2019.

São bonecas de pano, chaveiro, peso de porta, guardanapo pintado, cesto, além de trabalhos feitos com feltro, TNT e EVA, tudo produzido com muita dedicação. Além da feira, é possível ter acesso ao artesanato feito pelo grupo na Secretaria Municipal de Assistência Social e do Trabalho (Semast), local onde se reúne para aulas todas as segundas e quartas-feiras.

A Prefeitura de Macapá incentiva a atividade por meio de suporte técnico e disponibilidade de profissionais que prestam serviços de instruções ao grupo, de acordo com Ruth Castelo Branco, instrutora de Artes. “Essa atividade é para mostrar os trabalhos que fizeram durante o semestre. Isso é uma autoestima, porque hoje em dia tem muito idoso parado, que não faz nada e não sabe os caminhos”, enfatiza.

Sávio Almeida
Assessor de comunicação/Semast

Se vivo, Raul Seixas faria 10.074 anos hoje! – Por Silvio Neto

Por Silvio Neto

Decifre as entrelinhas dos hieróglifos das pirâmides do Egito, do calendário Maia, das Itacoatiaras de Ingá. Leia os símbolos sagrados de Umbanda, as centúrias de Nostradamus e o Tarot de Crowley… Não importa qual seja o mistério, todos serão unânimes em lhe revelar: Existe um cometa errante; uma estrela bailarina que vaga no abismo do espaço sem fim flamejando um rock e um grito! Em sua jornada, ele só passa pelo nosso planeta a cada dez mil anos. É quando ele renasce e encarna como um Moleque Maravilhoso, trazendo ao mundo à sua volta mudanças profundas no seu pensar e no seu comportamento.

images

Sua derradeira passagem por aqui durou apenas 44 anos. Mas foi suficiente para que um país inteiro de dimensões continentais se tornasse menos careta. Há exatos 74 anos, quando ele chegou por aqui em mais uma de suas passagens, esse intrépido cometa trouxe em seu rastro a bomba atômica, em 1945, fechando um ciclo da Terra conhecido como velho Aeon e trazendo à luz o Novo Aeon materializado em forma de música. Era o dia 28 de junho. Aquele, foi o dia em que a Terra parou. Mas antes disso, ele usou de seus artifícios alquímicos e conseguiu juntar as águas do rio São Francisco e do rio Mississipi, criando a fusão perfeita do rock’n’roll de Elvis Presley com o baião de Luiz Gonzaga e como um novo Macunaíma desvairado gritou em cima do palco do III Festival Internacional da Canção (1971) “Let me sing, let me sing (my rock’n’roll)”!

images

Seu nome é o contrário do luaR pois ele é um cometa iluminado. Em sua metamorfose ambulante pela Terra, se fez de maluco para revelar sua genialidade; brincou de cowboy para mostrar que preferia ser um fora-da-lei; acumulou riquezas e glórias por um tempo para mostrar que o ouro é para o tolo.

Esse ano, em agosto, já terão se passado 30 anos de sua última visita aqui no nosso planeta. Ainda assim, seu rastro é tão presente, tão vivo, que é como se ele ainda estivesse por aqui, cruzando o nosso céu. E assim como as estrelas que vemos são muitas vezes apenas o reflexo de milhões de anos-luz de corpos celestes que ainda nos impressionam a visão, o cometa Raul Seixas, brilhará na mente e no coração de milhares de fãs por muitos e muitos anos até, quem sabe, sua próxima passagem há dez mil anos…

Meu comentário: grande Raulzito. Um artista sensacional que inspirou e inspira muitos de nós, fãs. Tanto pelo fascínio da linha tênue entre a feliz loucura da autenticidade, quanto pela sinceridade à bruta, sempre poetizada em um rock and roll dos bons. Viva Raul! (Elton Tavares)

Oficina Rítmica e de Artesanato em Fazendinha acontece em dois dias para preparação de moradores para o Cortejo de Verão

O projeto cultural Banzeiro do Brilho-de-Fogo inicia nesta quinta-feira, 27, a Oficina Rítmica e de Artesanato no distrito de Fazendinha, para incentivar a participação de moradores no Cortejo de Verão, que integra a programação de férias da Prefeitura de Macapá (PMM), apoiadora da iniciativa musical. As aulas serão ministradas por instrutores do projeto, as inscrições são gratuitas, e qualquer pessoa pode participar, independente de idade ou gênero.

As oficinas fazem parte das atividades do Banzeiro, e são realizadas ao longo do ano em pontos diferentes da cidade, para que mais pessoas se envolvam no projeto fundamentado na inclusão cultural e social, e na valorização das tradições locais. Os instrutores ensinam as técnicas para uso das caixas de marabaixo, que são tambores utilizados nos desfiles, e treinam os sentidos para o ritmo musical e cadência. A oficina de artesanato ensinará a confeccionar adereços.

“As oficinas no distrito de Fazendinha, balneário praiano onde a PMM realiza a maioria da programação de verão, antecedem o Cortejo do Banzeiro propositalmente, é um convite para que os moradores façam parte da nossa apresentação. Desde o início do projeto somos convidados a participar, e os batuqueiros e açucenas na maioria são da capital, mas nosso interesse é que a comunidade faça parte, se apresente para seus vizinhos e familiares, e conheçam mais sobre nossa cultura musical”, disse Adelson Preto, coordenador do projeto Banzeiro.

A escola Caetano Tomás foi escolhida para abrigar a oficina, que será de 15:30 às 17:30, 27 e 28 de junho. O coordenador afirma que durante estes dois dias, os participantes irão se encantar com iniciação musical e confecção de adereços, e no dia 7 de julho, quando o Banzeiro do Brilho-de-fogo passar com o Cortejo de Verão alegrando os veranistas, haverá representantes do distrito com o tambor na mão ou vestida de açucena.

Projeto Banzeiro

O projeto Banzeiro do Brilho-de-fogo iniciou em 2014, por iniciativa de artistas, músicos, promotores e incentivadores de cultura amapaense, para fazer com que mais pessoas se aproximassem e conhecessem a cultura tradicional do Amapá, os sons do batuque e marabaixo, as músicas que falam dos costumes e das povo. As oficinas são realizadas em pontos diferentes, para que mais pessoas sejam alcançadas, e os ensaios antecedem os cortejos, que são três por ano mais as participações especiais em eventos culturais.

Mariléia Maciel
Assessoria de Comunicação

Tatamirô Grupo de Poesia se apresenta na programação da Mostra Tapiri

A Mostra Tapiri 2019 teve início na última terça-feira (25), com a participação de performances teatrais e apresentações musicais. Hoje a noite é de poesia com com a participação do grupo Tatamirô (AP).

Tatamirô apresenta recital “Palavr(arma)dura”

O Recital “Palavr(arma)dura” tem como foco a linguagem poética em suas múltiplas interações verbivocovisuais*. “Palavr(arma)dura” incorpora outras sonoridades (ruídos, distorções, sobreposição de vozes, poemas autorais e de outros poetas brasileiros e estrangeiros), criando texturas poéticas denominadas poemas sonoros.

A ficha técnica conta com: pesquisa multimídia, vocalização, percussão digital e sintetizadores – Herbert Emanuel; direção, vocalização, percussão digital e sintetizadores – Adriana Abreu; didgeridoo e morchang – Thamires Werneck; iluminação e concepção de figurino – Paulo Rocha; costureira – Ilce Rocha; e sonoplastia – Ezequias Corrêa.

Tatamirô Grupo de Poesia (AP)

É um grupo amapaense de declamação de textos poéticos, sejam eles escritos na forma de verso ou prosa, em suas múltiplas manifestações verbovocovisuais. Criado em 2008, atualmente tem um entreposto coração em São João Del Rei (MG), e nasceu do desejo de dizer poesia às pessoas, de colocar a voz a serviço da poesia, de dizer as coisas do mundo de forma diferente, além de fomentar várias ações e atividades em proveito da leitura, da literatura, principalmente, e das demais artes.

Mostra Tapiri 2019

A programação da Mostra Tapiri 2019 segue até o dia 01/07 . O evento é aberto ao público e não é cobrado entrada, apenas uma contribuição espontânea, como forma de apoiar os artistas, tendo em vista a mobilização dos grupos locais se propôs a apresentam suas produções de forma gratuita. Além das apresentações o Fórum Popular de Mulheres comercializa comidinhas e bebidinhas durante os dias de programação.

Fonte: Agenda Porto Velho

Peça Teatral Jornada Bufa faz apresentações as quartas-feiras de Junho

Os grupos de teatro amapaense Cortejo Produções Artísticas e o Frêmito Teatro estão juntos na empreitada cênica de montagem do espetáculo Jornada Bufa desde março de 2018. E neste mês de junho, toda quarta-feira, às 19h30, o grupo realiza apresentações gratuitas no Teatro Marco Zero no bairro Perpetuo Socorro.

As experimentações para elaboração da personagem BUFA iniciaram em laboratórios de rua no centro comercial de Macapá, onde foram surgindo falas, repetições de movimentos corporais, vozes e diálogos com transeuntes que serviram de inspiração para a criação do texto, das cenas e objetos que acompanham o dia a dia da personagem título. A partir daí o ator e o diretor iniciaram ensaios em sala fechada para assim aprofundar a pesquisa corporal, vocal, o jogo e o relacionamento da personagem BUFA.

Para Wellington Dias “Jornada Bufa é um convite a olharmos para o que nos incomoda em nós mesmos e na relação com os outros. É ao mesmo tempo uma peça manifesto um teatro do corpo e da voz ressonante, do jogo cênico com liberdade e controle”. Explica.

O trabalho participou do III Festival Curta Teatro, realizado em abril/2018 pela Ói Nóiz Akí e CAPTTA no Teatro das Bacabeiras e foi ganhador do prêmio de Melhor Direção Teatral, além de ter sido indicado aos prêmios de Melhor Ator e Melhor Dramaturgia.

Sinopse – Bufa é um catador de lixo que vive na companhia de resíduos e do lixo do cotidiano alheio. Tratado pela sociedade como homem e bicho, diariamente se equilibra em uma sobrevivência árdua, prazerosa e missionária. O que era pra ser um dia comum na vida desse andarilho torna-se uma experiência intrigante e transcendental. Bufa cai em um buraco de rua que o leva muito além do fundo de qualquer realidade possível. Ele é transportado para o fundo de sua própria consciência, para o âmago do planeta Terra, um lugar onde ele pode observar todas as pessoas para além de suas aparências, por dentro e por fora.

Serviço:

Jornada Bufa
Todas as quartas feiras de junho (19, 26)
às 19h30
Teatro Marco Zero (localizado na Rua Oscar Santos, 397, no bairro Perpétuo Socorro)
Entrada: pague o quanto puder.

Texto: Thiago Soeiro
Fotos: Josimar Nascimento