Poema de agora: Artimanhas – Pat Andrade

Casal de poetas Marcelo Abreu e Pat Andrade – Foto: arquivo Pat Andrade

ARTIMANHAS

eu adivinho teus olhos
por trás dos livros
e escrevo mil poemas
sobre eles

ensaio sorrisos
por trás da máscara
e invento causos
pra te fazer sorrir também

misturo as cores da tarde
com as estrelas da madrugada
capto sutilezas
antes que a eterna
nostalgia nos alcance

quebro a ampulheta
arranco os ponteiros do relógio
quero parar o tempo
mesmo sabendo
ser impossível

congelo o momento
para guardar na fotografia
te distraio com flores raras
e anuncio discretamente
o meu amor

Pat Andrade

Poema de agora: O primeiro amor na Amazônia – Pat Andrade

Ilustração de Ronaldo Rony

O PRIMEIRO AMOR NA AMAZÔNIA

quero te contar
que Eliana chorou
quando viu o barco
enfeitado de luz
cortar o rio
deixando o porto

a quilha cortando
laços e promessas

cheia de espanto descobriu
que a maré faz dançar
a lua e as estrelas
enquanto embala a saudade
pendurada no punho da rede

seu coração batia oco
no casco do barco
quase despedaçando
a cada onda mais forte

na beira do rio
(agora distante) ficaram
seus olhares mais longos
e seus gestos mais doces
para o moço pescador

durante a viagem
aprendeu com as águas
como dói renunciar
ao primeiro amor

Pat Andrade

Poesia de agora: Bye, bye, Belém – Pat Andrade (em homenagem aos 406 anos da capital paraense) #Belém406anos

Bye, bye, Belém

Meus passos de novo…
Não mais Cidade Velha.
Não mais Bengui.
Não mais Bar do Parque.
Não mais Feira do Açaí.
Mesmo assim,
Do velho cartão postal,
Belém acena e me sorri.

Patrícia Andrade

Poema de agora: DILIGÊNCIA NOTURNA – Pat Andrade

DILIGÊNCIA NOTURNA

nas noites sem sono

tento tecer poemas
feitos de alvoradas
de mesas de bar
de palavras embriagadas
de madrugadas desfeitas

tento tecer poemas
de olhares distantes
de toques ausentes
de bocas sedentas
de amores imaginários

tento tecer poemas
de mãos quentes
de beijos doces
de leitos perfeitos
de finais felizes

tento tecer poemas

Pat Andrade

Poesia de agora: Uma Noite Me Namora – Pat Andrade

UMA NOITE ME NAMORA

entristeci no fim do dia…
mas brindei tantas vezes
com a noite
que ganhei a alegria
que precisava
pra bailar com a madrugada.
me enchi de desejo,
fiz amor com o amanhecer
e sonhei arco-íris
a tarde inteira,
à espera de outra noite
pra me cortejar…

Pat Andrade

Poesia de agora: O Beijo do Boto – Pat Andrade – (Do livro “O avesso do verso, poemas de mim”)

A lenda do Boto – Pintura de Jorge Riva de La Cruz

O BEIJO DO BOTO

quando esse rio me atravessa
a Iara canta pro boto dançar comigo
a lua nasce pra iluminar a festa
com seu brilho antigo

na madrugada, miríades de estrelas
confundem meus olhos cansados
no embalo da rede adormeço
muitos sonhos encantados

o sol não demora a levantar
onipresença por todo o rio
a memória doce da noite
se resume a um beijo frio

Pat Andrade


*Do livro “O avesso do verso, poemas de mim”, da escritora Pat Andrade.

Prefácio do livro “O avesso do verso, poemas de mim”, da escritora Pat Andrade, que será lançado nesta quarta-feira – Por Ronaldo Rodrigues – Escritor

Momento de celebrar a poesia

Nos tempos atuais, lançar um livro, abrir uma exposição, montar uma peça, fazer um filme e realizar tantas outras manifestações artísticas é uma vitória do nosso espírito revolucionário, de resistência ao mundo de trevas que estão tentando instalar.

Pat Andrade lança hoje seu livro “O avesso do verso – Poemas de mim“. Fui convidado para escrever o prefácio e, me sentindo extremamente honrado, fiz o possível para estar à altura da obra. Vamos a ele e, logo mais, compareçam ao lançamento para celebrar com a poeta e seus muitos admiradores a força e a suavidade de sua poesia.

PREFÁCIO

O estilo é estilete algumas vezes e, outras vezes, pluma. Ronaldo Rodrigues – Escritor

Estender palavras no varal da página em branco: desafio e resignação. Sabe lá a que sortilégio os poetas estão sujeitos. Talvez apenas a vontade de dizer algo, algo que não quer e não pode calar. A palavra pode se diluir no tráfego intenso das cidades humanas, mas, de repente, pode muito bem se esgueirar pela parede do labirinto e ganhar a liberdade. E resgatar um olhar em direção ao nascer do sol para emoldurá-lo, arrebatá-lo ou invertê-lo, trazendo novos significados ou reafirmando seu revolucionário encanto.

Pat Andrade não abriu mão de se aventurar pela escorregadia e íngreme selva das palavras. Nem se omitiu ao contato da tempestade para trazer de lá a aurora. Nas palavras da poeta, o cotidiano se reveste de dimensões épicas, feitas de retalhos de gestos prosaicos e olhares sutis.

Com o radar fincado no presente, sua poesia olha para o passado vivo e traz de lá o futuro. Quando lança seus livros alternativos, rebeldes, outsiders, dá as mãos à poesia marginal dos anos 1970 (a geração mimeógrafo) e desenvolve um diálogo com as estrelas do infinito, envolvida em engajamento, deleite, relaxamento e compromisso. Ah, sim! Sem esquecer a ironia e a suavidade.

Tudo o que cabe no coração, na mente e no espaço sideral de uma lauda vem à tona e se (re)afirma inquieto, corajoso, urgente e necessário. Os seres que poesificam a vida pedem passagem, com o verso diverso, controverso e divertido de Pat Andrade nos conduzindo. Brindemos! Mais uma taça de ambrosia, no templo deste tempo. Taça de curare e cura, onde a gente se embriaga e transborda.

Fiquem com a poeta, aceitem o convite. O Avesso do Verso – Poemas de mim. Pra vocês.

Escritora Pat Andrade lança o livro “O avesso do verso, poemas de mim” nesta quarta-feira, em Macapá

Nesta quarta-feira (22), a partir das 17h, será lançado o livro “O avesso do verso, poemas de mim” em uma livraria de Macapá. A publicação, de autoria da escritora Pat Andrade, reúne poemas diversos, que falam de amor, arte, sociedade e cotidiano.

Sobre o livro

O livro traz poemas cuidadosamente selecionados para contemplar o subtítulo “poemas de mim”. Calmarias e tempestades permeiam suas páginas. Amores e desencantos se apresentam de maneira intimista. Alegrias, tristezas e resiliência se desenham entre os versos. É fácil identificar-se com a poesia nele contida.

A poeta arriscou-se um pouco mais e ilustrou alguns de seus poemas, colocando no traço a mesma delicadeza de sua pena.

O escritor, cartunista e publicitário Ronaldo Rodrigues fez o prefácio. A OCA Produções é a agência responsável pelo projeto contemplado pela Lei Aldir Blanc.

O avesso do verso vem pra festejar e brindar a vida da escritora na poesia.

Sobre a autora

Pat Andrade é uma escritora / artista plástica / produtora cultural da Amazônia, que vive em Macapá, no Meio do Mundo.

Há pelo menos 14 anos, divulga seus poemas em livrinhos que ela mesma produz. São mais de 30 publicações – das quais seis são virtuais, produzidas em tempos de maior reclusão na pandemia. Também tem poemas publicados em várias coletâneas e em revistas digitais.

Colaboradora assídua do Site De Rocha! e membro do coletivo Urucum, Pat se considera uma militante da Literatura: quando possível, visita escolas, universidades e participa de eventos literários e culturais, os mais diversos. A poesia é sua arma / escudo / refúgio / conforto / sustento.

Serviço:

Lançamento do Livro “O avesso do verso, poemas de mim”, da escritora Pat Andrade
Dia: 22 de dezembro de 2021 (quarta-feira)
Local: Livraria Public, no Villa Nova Shopping – 1º piso, Av. Presidente Vargas, 341 – Centro de Macapá.
Hora: 17h
Projeto apoiado pela SECULT/AP, através do EDITAL nº 003/2020-SECULT – CARLOS LIMA “SEU PORTUGA”. Seleção de Projetos Artísticos e Culturais, com recursos provenientes da Lei Aldir Blanc – Lei Federal nº 14.017 de 29 de junho de 2020.
Entrada franca
TODOS OS PROTOCOLOS DE SEGURANÇA DEVEM SER SEGUIDOS: USO DE MÁSCARA, DISTANCIAMENTO SOCIAL E HIGIENIZAÇÃO COM ÁLCOOL

Assessoria de comunicação

Poema de agora: Flor de Metal – Romano e Pat Andrade

FLOR DE METAL

tua beleza pinta na retina
o sabor do amor
tão forte é a dor de se carregar
sua alma no pote d’água

existe uma longínqua caminhada
até a aprovação
o mundo precisa de voz
e uma linda canção

mas para ouvir canções
é preciso ter coração de escutar
encurtar as distâncias
entre o sentir e o olhar
é preciso compreender as auroras
e colecionar luares

eu os trago desenhados
na palma da mão esquerda
deixo a direita livre
pra tocar suavemente
a flor da tua alma

Romano e Pat Andrade

Poema de agora: Recompensa – Pat Andrade

RECOMPENSA

o dia seguinte
se pendura no ponteiro
como se fosse
se atirar do precipício

de dentro do quarto
ouço o outono
chegando
silenciosamente

o sol desaba no poente
no mesmo instante
em que a cigana
lê a minha mão

para ver estrelas
subo as escadas
como se fossem
montanhas

antes da alvorada
alguém me tira
pra dançar pelas galáxias
desleixada
perco as sandálias
no espaço

minha recompensa
é perceber que toda a poesia
foi feita pra bordar
de alegria e amor
os meus dias tristes

Pat Andrade

Como vai a vida? – Crônica de Pat Andrade

Crônica de Pat Andrade

Já tem um tempo que eu vendo meus livrinhos empapuçados de poesia. Uns são ilustrados por mim mesma, com desenhos autorais ou colagens; outros têm ilustrações retiradas da internet. Também já fiz livros e cartões manuscritos – uma loucura, porque essa façanha me ajudou a desenvolver uma doença degenerativa e sem cura: a síndrome do túnel do carpo, que eu não vou descrever aqui porque não tenho paciência e nem palavras para tanto. Basta que saibam que me causa dores terríveis do lado interno do antebraço e por vezes paralisa o movimento do meu dedo médio, o que dificulta muito o uso da pena, que me é tão caro. Mas deixemos isso de lado e passemos ao que interessa – ou não.

Nas minhas incursões pelas ruas da cidade, rumo aos cafés, bares, restaurantes e afins, onde tento – renitente – vender poesia, encontro muita gente conhecida e muitos perguntam como estão as coisas, como vai a vida e outras amenidades. Deixei de responder com a verdade, pois considero uma crueldade com quem está desfrutando a vida de modo tão aprazível – bebendo, tomando um café com delícias, comendo uma chapa mista etc – dizer como vai a vida. Imagine você se eu dissesse “não vai nada bem, pois temos centenas de milhares de pessoas morrendo de fome ou catando lixo pra sobreviver” ou “não vai bem, porque centenas de mulheres tem sido assassinadas, estupradas, violentadas física e psicologicamente” e “não vai bem, porque crianças são molestadas todos os dias por gente da própria família”. Eu também poderia dizer que a vida não anda tão boa por causa do desemprego que afeta milhões de famílias Brasil afora ou por causa da pandemia, que ceifou milhares de vidas; por causa da destruição da Amazônia e suas populações nativas. Posso responder que não acho que a vida vai bem quando se descobre que pessoas que julgávamos amigas são na verdade um monte de víboras sedentas de poder.

Enfim… São muitas as razões pra achar que a vida não vai bem, mesmo. Mas não tenho coragem; não tenho esse direito; penso nos olhares perplexos que virão ao encontro do meu, e nos comentários tipo “como assim? tu estás exagerando” entre outras frases feitas que sairão de pronto dos meus interlocutores.

Então, aos que não enxergam nada, aos que se recusam a enxergar ou aos que não se importam, sigo contando a mentirinha diária e inocente – que todos acreditam piamente – de que a vida vai muito bem, obrigada.

Pat Andrade e a literatura durante a pandemia: poesias que encantam o público

A discussão sobre a importância que a arte exerce em momentos de crise cresceu significativamente durante o período de isolamento social. Apesar disso, pouco se fala sobre a escassez de espaços que os artistas possuem para expor seus trabalhos. Alguns tiveram que se adaptar a esse novo período e adequar suas produções ao contexto atual em que vivemos — e a internet é o meio que a classe encontrou para fazer essa divulgação artística.

Essa também foi a maneira que Patrícia Andrade Vieira, ou somente Pat Andrade, encontrou para difundir seus poemas com o restante da comunidade. Pat é artista plástica e escritora. Aos 50 anos de idade, Andrade se autodenomina como uma artista sobrevivente, que encontrou nas redes sociais uma maneira de compartilhar as suas poesias autorais.

Pat Andrade é artista plástica e escritora. Foto/Imagem: Pat Andrade.

Escritora desde os 15 anos, a artista já coleciona mais de 30 livrinhos lançados, com poesias que falam sobre sentimentos e fatos do cotidiano. Seu primeiro trabalho foi realizado em 2001, em uma intervenção cultural do Grupo Urucum, do qual faz parte até hoje — algumas caixinhas de fósforo recheadas de poesia.

Segundo Pat, a literatura passou a ser importante em sua vida ainda na adolescência: “Aos 15 anos ganhei um diário com poemas do Vinícius de Morais, e ali passei a registrar minhas primeiras linhas poéticas. Era uma coisa de adolescente; muitas coisas eu descartei por achar tolas; outras vieram comigo, para a poesia que trago em mim. Hoje a poesia me move, me ampara, me guia, me dá voz para falar do que me oprime, daquilo que me angustia, daquilo que me faz feliz”, comenta.

Escritora desde os 15 anos, Pat já coleciona mais de 30 livrinhos lançados. Foto/Imagem: Pat Andrade.

Sobre o processo de escrita, a escritora conta que nunca escolhe um tema para escrever. “Creio que a poesia escolhe o momento de se apresentar a mim. E pode vir a qualquer hora, em qualquer lugar”, relata.

O período de quarentena também refletiu na escrita da artista, que teve de trocar as ruas da cidade pelo mundo virtual e passou a compartilhar pequenos livros de poesia em suas redes sociais. “O início do isolamento foi terrível. Minha poesia colhe inspiração no cotidiano e nele se derrama; quando esse cotidiano se viu limitado, me assustei um pouco e minha poesia se recolheu também. Mas, por ser uma força viva e pulsante em mim, acabou funcionando também como válvula de escape”, conta Pat.

Segundo a artista, o seu maior incentivo é saber que suas poesias são apreciadas e consumidas como produto cultural. Isso a inspira a continuar escrevendo e compartilhando seu trabalho. “As pessoas compram meus livrinhos há pelo menos 14 anos. Esse é um grande incentivo para seguir escrevendo. Conheci um rapaz que tatuou um poema meu na própria pele. Isso é um incentivo e tanto”, conta Pat.

Pat compartilha seu trabalho no facebook e possui livros publicados em formato pdf. Além disso, sua obra já foi alvo de estudos, sendo discutida e estudada em algumas instituições públicas e privadas. Seu último lançamento, Sobre Vivência, é o seu sexto livro publicado durante a pandemia e aborda temas do cotidiano, marca registrada da escritora.

Confira alguns poemas escritos pela artista:

MUITAS EM MIM

minha linha
do horizonte
me divide,
me recorta,
me retalha.
não em duas,
mas em várias…
além dela,
sou menina,
sou mulher;
sou Anna
Karenina,
sou a Virgem
de Nazaré.
sou Matinta,
sou Iara;
sou floresta
e sou mata.
sou Maria Bonita
e Madre Teresa;
sou tempestade
e correnteza.

(Pat Andrade)

LUTA

a vida é uma guerra
é preciso lutar por tudo
pelo sim
pelo não
luto pelo amor
pelo vinho
e pelo pão
luto sem trégua
e se for preciso
quebro uma
ou outra regra

(Pat Andrade)

FÊNIX

sou fênix
em cada amanhecer
uso restos de cinzas
para pichar poemas
num muro imaginário
transformo em tinta
a fuligem que adeja no ar
apago as falsas cores
do pseudo-mundo
esfrego minhas verdades
na cara de quem
apenas me suporta
e continuo a arder
pelas madrugadas

(Pat Andrade)

Colaboração de texto: Izabele Pereira e Marcela Souza (Bolsistas de Extensão do Escritório Modelo/ Rádio e TV UNIFAP, 2021)

Poema de agora: Ouvir Timbres e Temperos no domingo – Pat Andrade

Ouvir Timbres e Temperos no domingo

o sol invade o dia
o domingo veio…

a casa se enche
de sons e cheiros,
timbres e tambores
sabores e temperos,

o caldo de peixe
e a pimenta de cheiro,
o arrepio na pele
passeia no corpo inteiro

Ouvir Timbres e Temperos é de arrepiar!
Um disco lindo e inspirador!
Parabéns a todos vocês! Vibro junto!
Sucesso!!!

Pat Andrade