Piratas da Batucada

                                                                                                    Por Elton Tavares

Piratas da Batucada, a maior campeã do Carnaval Amaense
Hoje falarei um pouco da Escola de Samba Piratas da Batucada. Assim como o Flamengo, uma grande paixão. Muitos acham uma grande contradição um cara que, o ano todo, houve rock ou MPB, cair na folia em fevereiro. Para estes, basta dizer que o Carnaval é a maior festa popular do Brasil e eu adoro o nosso. Saio no “Piratão” desde 1991, na época os desfiles eram realizados na Avenida Fab, no centro de Macapá.

Nossos maiores rivais são o Boêmios do Laguinho e a Maracatú da Favela, agremiações que respeito muito, pela história que possuem. O problema é quando vencemos e temos que ouvir o tradicional “chorôrô” dos outros, que insistem em dizer que o carnaval é fraudado (risos), como assim? Quase todo ano? Nunca foi provado.

Como bom morador do bairro do Trem, sou Piratão e Emissários da Cegonha (escola de pouca expressão no carnaval local), torço pelo Ypiranga Clube e simpatizo com o Trem Desportivo Clube. Ao longo dos anos, desfilar na escola se tornou uma adorável necessidade.

A agremiação é a maior campeã do Carnaval Amapaense, venceu 15 vezes, a última, no ano passado. Os anos dos títulos foram: 1987, 1988, 1989, 1990, 1991, 1993, 1994, 1997, 1998, 2000, 2001, 2002, 2004, 2006 e 2009.

O nome da escola foi criado, em 1962, pelo saudoso poeta amapaense Jeconias Alves de Araújo. O batismo teria sido uma alusão ao rótulo da garrafa do Run Montilla, na época, muito apreciada pelo mesmo.

Conheci Jeconias ainda moleque, na casa dos meus avós, João Espíndola Tavares e Perolina Tavares, ele era amigo de minha família. Por volta de 1973 a criação da Escola foi concretizada, Jecó, como era chamado, compôs os primeiros sambas do Piratão. Outros fundadores foram Walber Damasceno Duarte, Antonio Pinheiro e o artista plástico Raimundo Braga de Almeida, o “R.Peixe”.

Quase todos os anos, desfilamos ao amanhecer do dia, é uma sensação única. Quando o puxador grita, aos portões de entrada da Avenida do Samba, “Alô Zona Sul, chegou a hora!”, é uma sensação sem igual.

O Carnaval 2010 vem aí, vencendo ou ganhando, o que pouco importa. Com o enredo “Vencendo a Marola, no Mercado da Vida e na Avenida, a Competência Deita e Rola”, estarei entre os numerosos piratas, como um fiel folião a esta agremiação.