Carnaval 2020: foliões aguardam ansiosos o Desfile das Escolas de Samba em Macapá

A típica frase “O ano só começa depois do carnaval” traduz bem o grau de expectativa para essa festa que atrai olhares de diferentes idades. Aquele grito: “É carnaval”, silenciado por quatro anos, já pode ser ouvido em diversos cantos da capital amapaense. O resgate da folia reflete no sorriso de quem curte o carnaval.

A poucos dias do tão esperado espetáculo, brilho, plumas, paetês, uma miscelânea de cores, contos e olhares toma conta da pequena Macapá, que esbanja e expressa as particularidades de nossa construção cultural. Nesse evento, percebe-se como que em um mosaico, o rosto de índios, escravos, brancos e caboclos, uma mistura que dá ao brincante o tom e a alegria que o faz “brilhar” no cenário da folia.

“É no carnaval que expressamos nossa cultura sem perder nossa identidade. Sou apaixonada pela festa e quando a prefeitura anunciou o resgate do desfile oficial fiquei muito feliz, e já estou preparada para desfilar em três escolas”, diz a professora Raucy Paixão. E em meio a beleza dos sons, confetes e serpentinas, que sempre fazem parte dessa celebração, os brincantes se preparam para o espetáculo de arte e sensibilidade que as agremiações prometem nos próximos dias.

“Aqui em casa todo mundo ama o carnaval. A gente vive essa folia. Estou participando de todos os eventos que acontecem na cidade, mas a expectativa maior mesmo é para o desfile das escolas, nos dias 21 e 22, no meio do mundo” ressalta a publicitária Claudia Gomes. “Em 2014, último ano que teve carnaval em Macapá, eu saí na minha escola do coração, Piratas da Batucada. Depois disso só acompanhei a festa de outros estados, exibida pela TV”, fala a técnica em enfermagem Lucia Maia.

“Eu amo o carnaval, nasci no mês de fevereiro e festejo meu aniversario durante o mês todo com muito samba e diversão. Esse resgate da festa foi um presente para o povo amapaense e sei que, além de mim, centenas de foliões irão prestigiar a festa”, finaliza Lucia.

Confira a ordem dos desfiles:

21/2 – Sexta-feira: primeira noite

Grupo de Acesso:

1ª Escola: A. R. E. S Império do Povo – 22h às 23h20

2ª Escola: G. R. E. S. Emissários da Cegonha – 23h35 à 0h55

Grupo Especial:

3ª Escola: A. R. I. S. Solidariedade – 1h10 às 2h30

4ªEscola: G. R. E. S. Piratas Estilizados – 2h45 às 4h05

5ª Escola: U. S. Boêmios do Laguinho – 4h20 às 5h40

22/2 – Sábado: segunda noite

Grupo de Acesso:

1ª Escola: A. C. E. S. Cidade de Macapá – 22h às 23h20

2ª Escola: E. S. M. I. Império da zona Norte – 23h35 à 0h55

Grupo Especial:

3ª Escola: G. R. C. A. S Unidos do Buritizal – 1h10 às 2h30

4ª Escola: G. R. E. S. Maracatu da Favela – 2h45 às 4h05

5ª Escola: A. R. C. Piratas da Batucada – 4h20 às 5h40

Investimento

A realização do desfile é da Prefeitura de Macapá, Liesap e iniciativa privada, com apoio do senador Davi Alcolumbre. O evento conta também com recurso de emenda parlamentar do deputado federal Vinícius Gurgel. A festa conta ainda com apoio do Governo do Estado.

Mônica Silva
Assessora de comunicação/PMM

Carnaval na Medida Certa: Campanha de conscientização da Promotoria de Meio Ambiente em parceria com PMM está no ar

A Promotoria de Justiça do Meio Ambiente e Conflitos Agrários disponibiliza a partir desta terça-feira, 18, o material publicitário da Campanha Carnaval na Medida Certa, de conscientização para combater abusos e infrações contra o meio ambiente, direitos humanos, violência, direção perigosa, assédio, e para que os foliões se previnam tomando água, usando banheiros públicos e preservativos. A campanha está em sua terceira edição, e em 2020, em parceria com a Prefeitura Municipal de Macapá (PMM) e com o apoio de órgãos e setores públicos ligados à fiscalização, licenciamento e segurança, saúde e promotores de eventos.

A campanha foi instituída pela Promotoria devido os altos índices de crime de poluição sonora e descarte incorreto de resíduos no período carnavalesco, o que acarretava em denúncias, problemas entre vizinhos e com promotores de eventos, e espaços e arredores de realização de festas com lixeiras localizadas. Com relação ao ano anterior, em 2018, a redução de denúncias, com informações do Centro Integrado de Segurança (Ciodes) foi de cerca de 50%, e no segundo ano de campanha foi alcançado, o mesmo percentual, o que comprova que a campanha de conscientização e educação alcançou os objetivos.

Em conseqüência do retorno positivo e envolvimento de instituições parceiras, desde 2019 a campanha Carnaval na Medida Certa foi ampliada e às mensagens de educação para preservação do meio ambiente, respeito ao volume de som e descarte de lixo, foram incorporadas os incentivos para a redução de acidentes de trânsito, abuso de álcool, assédios, violência, respeito aos direitos das crianças e adolescentes, e cuidados com a saúde. Com o retorno dos desfiles das escolas de samba foi necessário uma parceria mais alinhada com a PMM, responsável por gestões de segurança, fiscalização, licenciamento.

Na última semana foi realizada uma reunião com gestores e técnicos da PMM e Governo do Estado, Polícia Militar, Batalhão Ambiental, Corpo de Bombeiros, Conselho Tutelar, promotores e organizadores de eventos carnavalescos, e demais envolvidos, onde foram explicados o papel de cada ente no carnaval, direitos, deveres, serviços disponibilizados, infrações e punições.

“Queremos garantir o direito de todos, de quem brinca o carnaval, dos que preferem ficar descansando, em retiro, e do meio ambiente. O cidadão precisa saber seus limites e onde inicia os direitos do próximo e ter respeito pela cidade. Não é porque é carnaval que está liberado jogar lixo em qualquer lugar, ingerir álcool sem limitação, causar acidentes, fazer de banheiro, ruas e calçadas. Pessoas, coordenadores de eventos, responsáveis por escolas de samba e blocos precisam estar conscientes de seu papel de cidadão. A campanha é para chamar atenção de todos e esperamos que mais uma vez os resultados positivos sejam alcançados”, finalizou o promotor de Meio Ambiente, Marcelo Moreira.

Serviço:

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá
Gerente de Comunicação – Tanha Silva
Núcleo de Imprensa
Coordenação: Gilvana Santos
Texto: Marileia Maciel – Assessora Técnica
Contato: (96) 3198-1616

Pavilhão de Piratas Estilizados é apresentado por casais experientes e apaixonados pelo carnaval

Foto Márcia do Carmo

Com a grande responsabilidade de conduzir o símbolo mais emblemático e sagrado de uma agremiação carnavalesca, os casais de Mestres Salas e Portas Bandeiras de Piratas Estilizados conduzem com muita responsabilidade, técnica e paixão o pavilhão da escola mais querida do carnaval amapaense. Paulinha Ramos e Rogério Junior formam o 1º casal, cujo desempenho é um dos pontos técnicos avaliado durante o desfile, e Andriny Videira e Lucas Rodrigues, ostentam o segundo pavilhão.

“Os pontos técnicos são os quesitos que serão avaliados pelos jurados e servem de sustentação e de base para contagem do tempo, a fim de dar andamento à escola e ritmo da evolução. Mestre sala e porta bandeira, assim como comissão de frente são quesitos importantes para a determinar o tempo de desfile e servem como sustentação para a evolução da escola na avenida”, destacou o carnavalesco Estilizado, Heraldo Almeida.

Dentro do enredo “Xô Preconceito, Queremos Respeito”, que será desenvolvido pela escola, no desfile de sexta-feira (21), o 1º casal fara sua evolução logo primeiro ato, Das Lutas, com Paulinha Ramos representando a nobreza da corte feminina portuguesa e suas influências no Brasil Império, enquanto que Rogério Junior virá simbolizando os primeiros habitantes do país, os índios.

Não menos importante, o 2º casal de MS & PB de Piratas Estilizados, Lucas e Andriny, que há 4 anos conduzem com muito orgulho e paixão o pavilhão da escola do Laguinho, desfilarão abrindo o 2º ato, Das Conquistas, usando fantasias em homenagem ao movimento LGBTQ+, determinando o ritmo do quesito evolução na parte final da apresentação na avenida do samba.

Foto: Aydano Fonseca

1º Casal – Paulinha e Junior

Anna Paula do Rosário Ramos é filha de fundadores da escola e brincante desde a época de bloco, desfilando, ainda criança, pelas alas e, posteriormente, pela comissão de frente até chegar ao posto máximo de primeira Porta Bandeira de Piratas Estilizados. Assumiu o posto, no ano de 2004, durante o mandato do presidente Edmir Leal, fazendo par com o mestre sala, Alírio da Silva Ferreira, seu primo, também filho de fundadores. Nos anos de 2005 e 2006, não houve desfile, retornando em 2007 onde permaneceu até 2009, sendo consagrados como casal Nota 10.

O carioca Rogério Junior é um Mestre Sala estreante no carnaval tucuju, mas não menos experiente. Começou aos 8 anos, na ala de mestre sala e porta bandeira mirim da Grande Rio, permanecendo até o ano de 2005, e depois foi para a Mocidade Independente de Padre Miguel, ambas do grupo especial do carnaval do Rio de Janeiro-RJ. Após desfilar em outras agremiações do seu Estado, Junior participou de desfiles das escolas de samba de Além Paraíba-MG e Vitória-ES. Atualmente, é o primeiro mestre sala na União de Jacarepaguá, que desfila no Grupo Especial da Intendente Magalhães, administrado pela Liga Independente das Escolas de Samba do Brasil (Liesb).

Foto: Aydano Fonseca

2º Casal – Andriny e Lucas

Andriny Videira, começou sua carreira fazendo uma participação no 3° Encontro de Casais de Mestre Sala e Porta Bandeira no Meio do Mundo, representando a escola de samba Império da Zona Norte, em 2016, fazendo par com Lucas Rodrigues.

No mesmo ano, foi convidada por ele para formarem o segundo casal de Piratas Estilizados, a convite do então presidente Roberyo Leite.

Lucas Rodrigues, segundo mestre sala de Piratas Estilizados, iniciou sua carreira como MS na escola de samba Império da Zona Norte, no ano de 2014. Em 2015, desfilou pelo Solidariedade, também como mestre sala. Lucas buscou capacitação, tendo participado de três encontros de casais em Macapá e um em Belém.

No ano de 2016, entrou para a ala de passistas do Estilizados, e no mesmo ano foi convidado a assumir o posto de segundo mestre sala. Aceitou, e junto com Andriny Videira começaram essa linda história de amor pela mais querida do carnaval amapaense.

Gilvana Santos – jornalista
Comunicação Piratas Estilizados

O MENDIGO E O ARCO-ÍRIS – Crônica de Wagner Gomes

Por Wagner Gomes

Manhã de carnaval, antiga Praia do Aturiá, Bar remanescente da sua Orla, sem denominação. Forte tempestade. O barulho dos trovões. A faísca dos raios. O aguaceiro é geral. As ondas do mar com toda sua fúria provocam medo. Inundam o recinto. Encontro-me só. Os amigos não apareceram. Como na música de Paulo Diniz: “pensaram que eu tivesse falido”… Peço o meu segundo uísque. Aproxima-se um cidadão maltrapilho, um mendigo. Pede para sentar. Digo que sim. Puxa conversa. A tempestade vai embora e surge um lindo arco-íris. Então, passo a contemplar a beleza dessa manifestação da natureza.

– É o símbolo que o criador escolheu para sua aliança com os homens: disse o mendigo, fitando o arco-íris. Acrescentando: está na Bíblia, no Gênesis: “E Deus disse: “Eis o sinal da aliança que Eu faço convosco e com todos os seres vivos que vos cercam, por todas as gerações futuras”. Ponho o meu arco nas nuvens, para que ele seja o sinal da aliança entre Mim e a Terra. Quando eu tiver coberto o céu de nuvens por cima da terra, o meu arco aparecerá nas nuvens, e Me lembrarei da aliança que fiz convosco e com todo ser vivo de toda espécie” (Gn 9, 12-15). Então, ofereci ao companheiro mendigo uma dose de uísque para que pudéssemos brindar o surgimento da aliança divina.

– É um guerreiro que paira intangível na atmosfera para confirmar a sua vitória sobre a tempestade, finalizou, se referindo ao fenômeno tecido com as sete cores primitivas. Sem dizer o seu nome, se despediu, deixando em minhas mãos uma página de uma revista, toda enrolada, com o texto que a seguir compartilho com os senhores:

“Quanto tempo perdido, quanta dor afligida, quanta lágrima caída, quanto sonho sonhado, quanta vida passada, quanta infelicidade parida, quanta culpa por nada, nesta vil caminhada, serpenteada por companheiros que apregoam de tudo, mas não te acompanham em nada, de tal arte a vida perder o tom, à existência a razão, os enamorados a esperança e a fantasia o encanto, por tudo, em função do nada, pincelado num auto-retrato meu/teu/nosso, alcunhado pela verve da cronista como auto-boicote, em que “(…) nossos olhos e corações, de tão aflitos, só enxergam e sentem angústias, tristezas e decepções… De modo a só valorizarmos o que de menor valor existe em nossas vidas, o que vai nos deixando amargos e frios… Ao ponto de, às vezes, questionarmos o que de mais belo existe dentro de nós, como a família e os amigos e, por outra nos fazendo, até mesmo, achar errado ser romântico, sensível, generoso, zeloso, amável… Apaixonado, daí não se compreender, porque outras pessoas, a quem permitimos fazer parte de nossas vidas, dizem sentir-se sufocadas, incomodadas, por serem alvo de nossa dedicação!

Como pode? É, mas pode… A palavra que estas pessoas não encontram para definir o que sentem, talvez, seja “culpa”. Culpa por saber que não merecem tanto amor… Por não gostar de si mesmas ao ponto de presentear-se com amor de alguém… Por estas e outras, é que deixamos de contemplar um lindo pôr-do-sol, a alegria do sorriso de um filho, de um sorriso ou de uma criança que nem conhecemos e que passa por nós instintivamente, nos mostrando aquelas “covinhas” que iluminam o dia de qualquer um.

De ganhar um carinho que só pai e mãe sabem dar, de passar um tempinho a mais ouvindo aquelas histórias que, já ouvimos um monte de vezes, mas que vó e vô contam como ninguém. De receber um beijo, um afago, um olhar de alguém que, de verdade, está apaixonado por você, e o melhor: gosta exatamente como você é… E que no fundo também te interessa, mas que inconscientemente você afasta… De aceitar a ajuda e conselhos dos amigos de verdade… Por quê? Será que temos sempre que nos sentir atraídos por quem não nos quer? Será que fizemos algum pacto com a infelicidade? Por que teimamos em querer quem não nos faz feliz? Pode até se ter um dia, mas nossa vida é hoje, o agora! Portanto, abandone e esqueça tudo que te impede de viver bem, e que, portanto, não tem valor.

Permita-se assistir o sol se pôr, aos colos de pais e mães, às doces palavras de nossas avós, dormir e acordar com alguém que de verdade adore seus beijos, carinhos e demonstrações de afeto e que valoriza e retribui isso… A descobrir quem são nossos poucos e verdadeiros amigos, àqueles em que podemos confiar… E viver nosso presente, como realmente merecemos… Felizes!”

Em tempo:

Ao perguntar ao garçom se aquela “figura” que estava comigo era frequentadora do ambiente, obtive como resposta: – “o senhor estava só, com dois copos de uísque na mão. Não tinha mais ninguém”. Calei-me.

P.S. O autor do texto também não estava identificado.

*Wagner Gomes é renomado advogado do Amapá, radialista, militante cultural e amigo deste editor. 

Carnaval 2020: empreendedores terão a chance de faturar durante o Desfile das Escolas de Samba

Com o anúncio da realização do Desfile das Escolas de Samba, que será realizado na Rua Victa Mota Dias, no bairro Jardim Marco Zero, empreendedores de Macapá terão a oportunidade de faturar no carnaval. A passagem das agremiações carnavalescas será nos dias 21 e 22 de fevereiro, e a expectativa é a geração de renda aos trabalhadores informais.

Para a participação no evento, foi feita a publicação de um edital com período de 3 a 6 de fevereiro. Os empreendedores tiveram que se adequar às exigências do edital, tais como modelos de padronização, não sendo permitido o uso de carrinhos pelos permissionários e proibição do uso de aparelhos sonoros nas tendas, entre outros. Mais de 100 trabalhadores participaram do sorteio e 50 deles foram selecionados.

De acordo com a secretária municipal de Desenvolvimento Econômico, Lidiane Cardoso, os trabalhadores ficarão na chamada Feira do Empreendedor, situada no estacionamento do Estádio Zerão. Eles terão a oportunidade de comercializar alimentos, bebidas, artesanato, entre outros. “A intenção é deixar o folião e a população em um ambiente propício. Além disso, oportunizar a geração de renda aos empreendedores de maneira organizada”, diz.

Além da organização, a Semdec fará uma pesquisa para avaliar o impacto do período carnavalesco na geração de emprego e renda da população. A intenção é fazer um levantamento do impacto na cadeia produtiva durante o carnaval. “Essa pesquisa servirá para o planejamento futuro. De maneira ordenada, teremos um diagnóstico mais preciso de como atuar e fomentar o empreendedorismo dos autônomos. Avaliaremos os investimentos e o retorno”, afirma.

Paralelamente, durante o evento, terá a atuação da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitacional (Semduh), que ficará responsável pelo trabalho de fiscalização quanto à ocupação indevida de áreas não autorizadas. A preocupação é evitar a ocupação indevida do solo, principalmente nos setores de acesso aos camarotes e arquibancadas.

“A ideia é promover o ordenamento de toda a área para não oferecer qualquer risco à população. Os empreendedores que fizeram o cadastro terão o seu espaço específico, e os que ficaram de fora terão que que se adequar. Caso contrário, poderão ser retirados”, informa o titular da Semduh, Luiz Otávio Figueiredo.

Jonhwene Silva
Assessor de comunicação/PMM

Pesquisa revela que carnaval amapaense pode gerar mais de 200 novos postos de trabalho temporário

O Carnaval Amapaense, considerado um dos mais expressivos da Região Norte, já começa a movimentar diversos setores da economia local, como as vendas de varejo, hotéis e bares. De acordo com o levantamento realizado pelo o Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Comércio do Amapá (IPDC), estima-se que nesse período o Estado oferte aproximadamente mais 200 novos postos de trabalho, considerando os segmentos voltados para o carnaval, principalmente, os de bares e restaurantes.

O IPDC leva em conta que nessa época os consumidores irão investir em serviços como bares, hospedagem, fantasias e ambulantes – que vendem desde a bebida e comida, até acessórios para os foliões.

No comércio varejista, a projeção do IPDC é de alta de 21% para as vendas em fevereiro. Segmentos que são impactados diretamente pelo consumo durante o carnaval, como vestuário, armarinho e decorações, a expectativa é que o faturamento chegue até 40%.

O diretor técnico do IPDC, Erik Rocha, reforçou que nesse período os principais segmentos que irão movimentar a economia do estado são bares e restaurantes. “A previsão é que estes dois setores respondam pela geração de empregos temporários que são gerados durante a festa, e precisam de reforço para atender a grande quantidade de consumidores”, comentou.

Neste sentido, quase metade dos entrevistados revelaram que percebem um aumento significativo no fluxo dos consumidores durante o período carnavalesco e 20% acredita que o feriado afeta de forma positiva o resultado das vendas. A ampliação do horário de atendimento e o aumento do fluxo de turistas também foram citados como pontos positivos do carnaval.

A coleta de dados ocorreu entre os dias 06 e 10 de fevereiro de 2020. As entrevistas foram realizadas em 64 estabelecimentos comerciais, dos quais 40 do segmento de lojas e armarinhos e 24 do segmento de hospedagem (hotéis, pousadas e similares).

Assessoria de comunicação da Fecomércio/AP

UM DIA DE ELLEN PAULA – (relato verídico de Carnaval – Por Fernando Canto)

Ellen Paula

Claro que não é a mesma coisa. Mas já me senti a própria miss da Expofeira deste ano que viu seu direito de ganhar o concurso ser usurpado (propositadamente ou não). Tudo por causa de um suposto erro de contagem do júri.

No meu caso a situação aconteceu nos fins de 1985, quando fui convidado para participar de um festival de samba-enredo da Associação Recreativa Piratas da Batucada, na sede do Trem Desportivo Clube. O tema era “O sonho de um rei”, e o regulamento dava margem para mudar o título, desde que o samba se encaixasse no que os carnavalescos da escola queriam.

Como na época eu pertencia à ala de compositores dos Piratas Estilizados, que era do segundo grupo, resolvi participar. Então convidei o Neck para defender a música “O Rei da Brincadeira”, para a qual fiz os arranjos e acompanhei no cavaquinho. Aconteceu, porém, que o Jeconias Alves de Araújo também estava inscrito no festival, mas não havia encontrado quem interpretasse seu samba. Pediu-me para cuidar disso. Cuidei. Ensaiamos os dois sambas na sede dos escoteiros do Laguinho com uma turma de batuqueiros dos Piratinhas.

No dia anunciado para realizar a escolha do melhor samba – um, sábado – havia seis inscritos. O primeiro a ser cantado, por sorteio, foi o do Jeconias, denominado “Sonho de um Rei”, cantado pelo Neck e acompanhado por mim no cavaco. Os intérpretes do samba seguinte – “O sonho de um pirata”, de Leonardo Trindade – não apareceram.

O próximo foi o meu samba, que o Neck interpretou magnífica e profissionalmente, sendo bastante aplaudido. A quanta composição, intitulada “O sonho de um rei no carnaval”, de Alcy Araújo, também não concorreu. Mas as duas seguintes, “Sonho de um rei fantasiado de pirata”, de Venilton Leal, e “Sonho em forma de samba”, de Zoth e Antoney Lima eram muito boas e também foram bastante aplaudidas pela galera do Piratão.

Fernando Canto e o saudoso Jeconias Araújo

Após uma longa e nervosa espera – um sofrimento para quem participa de festivais – finalmente o presidente do júri anunciou o resultado, favorável ao Jeconias Araújo, que por sinal era compositor dos Piratas da Batucada desde a sua fundação. Jeconias recebeu o cheque no valor de dois mil cruzados novos, contente da vida, enquanto eu e o nosso intérprete nos perguntávamos onde foi que erramos. Mais tarde, tomando uma gelada no badalado bar Balaio, na Praça Nossa Senhora da Conceição, o Jeconias, que depois viria se tornar um grande amigo meu, me esnobou balançando o cheque na minha frente. E nem agradeceu o favor.

Como essas coisas aconteciam nos festivais não liguei muito. Na segunda-feira o Manoel Torres, que fora secretário do júri do festival e pertencia à diretoria da escola, chamou-me na reprografia da Secretaria de Planejamento do Governo do Território, repartição que trabalhávamos. Ele queria me mostrar que o festival tinha sido feito com lisura e honestidade. Para tanto me deu uma planilha com os resultados.

Na ocasião eu estava acompanhado do Rui Lima, que como eu também era técnico da SEPLAN. De posse da planilha o Rui somou rapidamente os resultados com olhos de economista e detectou que o mesmo estava alterado. Em vez de 59 pontos o samba de Jeconias aparecia com 69: 10 pontos a mais. O meu samba havia alcançado 65,5 pontos, portanto eu ganhara o festival.

Não devolvi a cópia da planilha. Guardo-a até hoje. Fui atrás dos meus direitos e os consegui: o samba foi gravado (pelo Neck) e cantado na Avenida Fab no Carnaval de 1966.

O ruim disso foi que o Jeconias não recebeu o dinheiro do prêmio e por isso nunca mais fez samba para a sua escola. Por outro lado, no ano seguinte fui convidado pelo Monteiro para fazer o samba que homenagearia o Biroba, espécie de ícone do bairro do Trem. Então o samba ajudou o Piratão a ser campeão pela primeira vez, na FAB. Coisas do carnaval.

Prova do erro: planilha da pontuação

Compreendi a intenção do Manoel Torres, que não foi ingênuo, mas honesto; a de Jeconias, um vencedor que não levou o prêmio; e agora a da jovem miss Ellen Paula, que como eu fez seu trabalho, mas que por causa de um erro (intencional ou não) se viu impedida de comemorar a vitória. Mesmo assim eu acredito que sempre há um tempo para corrigir injustiças.

*Publicado no jornal “A Gazeta” de domingo, 13.12.2009

Prefeitura de Macapá lança aplicativo de Carnaval para celular

Para facilitar a vida dos foliões e turistas, a Prefeitura de Macapá lançou o aplicativo “Carnaval Macapá 2020”, na última sexta-feira, 14. Na plataforma, os usuários poderão ter acesso aos sambas de enredo das 10 escolas, agenda com a programação onde ocorrerão os eventos, mapas, Disk Denúncia, horários de atendimentos das UBS, serviços oferecidos pelo Município e muito mais. O aplicativo está disponível para celulares, com sistemas operacionais Android e iOS, e pode ser baixado gratuitamente.

De acordo com a secretária de Comunicação de Macapá, Ilziane Launé, a novidade foi desenvolvida com o objetivo de proporcionar mais facilidade dos foliões às informações do Carnaval 2020, além de possuir serviços de utilidade pública e até campanhas educativas, como “Carnaval na Medida Certa”, que está sendo desenvolvida com a Promotoria Ambiental.

Secretária de Comunicação de Macapá, Ilziane Launé – Foto: Márcia do Carmo

“Na aba de Serviços, a ferramenta traz informações como números de utilidade pública e disponibiliza os telefones oficias para denúncias. Estão inclusos os contatos da Policia Militar, Corpo de Bombeiros, Samu, Conselho Tutelar, os números para denúncias de poluição sonora e descarte irregular de lixo”, informou a secretária.

Para ajudar na localização dos polos, o aplicativo usa o Google Maps para orientar o folião. Todos os pontos oficiais estão marcados no mapa. Para saber a rota até um local específico, o “Carnaval Macapá 2020” direciona para outro app que oferece o serviço. Também é possível checar a lista com todos os polos carnavalescos e saber um pouco mais sobre eles e a pessoa que dá nome ao espaço.

De acordo com o secretário de Gabinete da Prefeitura de Macapá e coordenador geral do carnaval, Sérgio Lemos, a ferramenta permite que o usuário faça, com um click, contato direto com as autoridades policias. “O aplicativo traz inúmeras inovações, principalmente para a segurança da população em geral, onde qualquer pessoa, com apenas um click, pode entrar em contato com as autoridades especificas, tanto para polícia, bombeiros, Samu. Essa é mais uma forma que a prefeitura oferece para a segurança durante o período do carnaval”, explicou.

Inovação

Ainda segundo o coordenador-geral do carnaval, essa é a primeira vez que o evento ganha uma ferramenta digital para a programação carnavalesca. Na interface do aplicativo, o usuário poderá ainda ouvir o samba de cada escola, saber a programação específica da sua agremiação, locais de comercialização de ingressos, fantasias e muito mais.

Já no ícone de Blocos, o internauta poderá saber o histórico geral, o bairro, os fundadores, entre outras curiosidades. Por meio do aplicativo, o usuário também poderá acompanhar a transmissão ao vivo do Desfile das Escolas de Samba e a apuração.

Programação

Na aba Programação, a prefeitura disponibilizou a agenda de todos os eventos carnavalescos. Também está disponível um mapa da localização onde acontecerá cada comemoração e a campanha “Na Medida Certa”, promovida pelo Ministério Público do Amapá.

Amelline Borges
Assessora de comunicação/PMM

Carnaval com músicas amapaenses: Grupos AfroBrasil e Raízes do Bolão são os arstitas âncoras do Carnacult deste domingo, 16

Neste domingo (16), vai rolar a quarta edição do Carnacult. O projeto tem um artista que capitanea a folia tucuju em cada encontro. O primeiro foi puxado pelo cantor João Amorim, segundo pelo idealizador da iniciativa, o músico e produtor Fineias Nelluty e o último pelo músico Paulinho Bastos. Desta vez, os artistas âncoras serão os Grupos AfroBrasil e Raízes do Bolão.

A iniciativa visa reforçar a cultura tucuju aliada à quadra carnavalesca. Para tanto, músicos amapaenses se reunirão para tocar somente músicas locais em domingueiras carnavalescas. O evento ocorrerá durante todos os domingos do mês de fevereiro de 2020. HOJE (16), com início às 17h, o Carnacult rola em frente à Casa do Artesão.

Fineias Nelluty, idealizador do CarnaCult, é o diretor musical do evento. Segundo o artista, “o intuito é fazer um carnaval com as nossas músicas, evidenciando a nossa cultura tradicional dos tambores”.

O projeto foi abraçado pela Associação dos Músicos e Compositores do Amapá (Amcap), bem como pelo titular da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), Evandro Milhomen. além da parceria com o Banzeiro brilho de fogo.

Segundo o secretário Evandro Milhomem, o projeto promove entretenimento, lazer e cultura, incentivando a inclusão social e a geração de renda do mercado informal.

Neste domingo, o evento contará também com shows de Val Milhomem, Osmar Jr, Grupo Guá, Patrícia Bastos, Enrico Di Miceli, Brenda Melo e Mayara Braga.

“O carnacult deste domingo será embalado pelo swing autêntico do Curiaú, com os grupos Grupos AfroBrasil e Raízes do Bolão. Vamos lá meu povo curtir o carnaval da cultura amapaense. Prestigie!”, convida Fineias Nelluty.
Serviço:

CarnaCult
Data: 16/02/2020
Hora: a partir das 17h
Local: em frente à Casa do Artesão, em Macapá.
Entrada: gratuita.
Realização: Fineias Nelluty, com o apoio da Secult e Amcap.

Elton Tavares

Carnaval 2020: animação, alegria e organização marcam último dia do Desfile dos Blocos tradicionais no “Circuito FAB Folia”

Sábado, 15, último dia do desfile dos blocos tradicionais da capital no “Circuito FAB Folia”, teve muita animação dos foliões, que, em todo percurso, deram uma verdadeira demonstração de alegria e animação. O evento, promovido pela Liga Independente dos Blocos Carnavalescos do Amapá (Liba) e Prefeitura de Macapá, ficou marcado pela organização e rendeu elogios dos participantes.

No último dia dos desfiles dos blocos, o “Habeas Copus”, pontualmente, abriu a passagem no circuito com muita animação e alegria. Logo em seguida passaram o “Rolará”, “Kubalança”, “Pau Grande”, “Cabralzinho”, “Bafo da Onça”, “Mancha Negra”, “Pica-Pau” e “Filhos da Mãe Luzia”. Todos regados a muita descontração. Não houve registro de qualquer confusão durante a passagem pelo corredor da folia e a organização estima que mais de 7 mil pessoas estiveram presentes.

Nos intervalos, o público que compareceu em massa dançava ao som da cantora Dani Li e da Banda Moara. Nem mesmo a chuva fina foi capaz de afastar os foliões que cantavam e dançavam. Famílias inteiras estiveram na festa. Andreza Pelaes Furtado, mãe da pequena Ágata Furtado de apenas 1 ano, aprovou a organização. “Está muito bem organizado e aproveitei para trazer a minha filha. Deu pra ela passear livremente e dançou um pouquinho”, disse a estudante.

O acadêmico André Teixeira afirmou que veio apenas para assistir à passagem dos blocos e elogiou todos. “Estavam todos muito animados e isso dava para ver no rosto deles [foliões]. Foi uma bonita festa e consegui com meus amigos nos divertir de maneira tranquila e saudável que é mais importante”, disse.

O prefeito de Macapá, Clécio Luís, que desfilou no bloco “Filhos da Mãe Luzia”, aprovou todos os dias do evento no circuito e aproveitou ainda para convidar a população para o ensaio técnico das escolas de samba que irá ocorrer neste domingo, 16. “Conseguimos aquecer a economia local de uma maneira surpreendente. Nestes três dias centenas de pessoas passaram por aqui, os empreendedores populares conseguiram faturar sua renda. Em pesquisa comprovada, no carnaval, a cada 1 real investido, voltam três em forma de impostos. Então, deu muito certo! Agora, hoje domingo, vai ter o ensaio técnico das escolas de samba, que será um momento importante após estes anos sem o carnaval das agremiações. Todos estão convidados”, ressaltou.

Investimentos

“Circuito FAB Folia” contou com o apoio da Prefeitura de Macapá, do senador Davi Alcolumbre, Governo do Estado e emenda parlamentar do deputado federal Vinícius Gurgel.

Jonhwene Silva
Assessor de comunicação/PMM
Fotos: Gabriel Flores

Bloco criado no Curiaú vai levar para o carnaval a mistura de batuques do quilombo do Amapá

Por Por Caio Coutinho, Jéssica Rabelo e Jorge Júnior

O bloco carnavalesco Kulembé agita os fins de semana na Maloca da Tia Chiquinha, localizada no Curiáu, área quilombola de Macapá, com os ensaios da bateria. O grupo musical reúne os ritmos de batuque, marabaixo e axé, e sairá nas ruas do quilombo no dia 1º de março.

Composto por caixas de marabaixo, repique de vara, caixa guerreira e surdo, o bloco foi criado em 2019 e já levou mais de 400 pessoas às ruas da comunidade. Os instrumentos são confeccionados por Pedro Bolão, que fala da importância de incentivar as crianças a seguirem os mesmo passos.

Pedro Bolão, músico que confecciona os instrumentos musicais — Foto: Rede Amazônica/Reprodução

“Esse é um legado que a gente aprende de pai e mãe, então nós temos que passar para as crianças aquilo que a gente mais gosta de fazer, que é fazer instrumento, tocar tambor e participar desse carnaval maravilhoso, que é diferente e realizado na comunidade do Curiaú”, falou.

O ritmo denominado maraxé (resultado de marabaixo e axé) é o que embalará o carnaval do bloco Kulembé, nome que faz referência aos trajes utilizados pelos negros nas roças. O organizador Adelson Pinto ressalta que reunir os instrumentos reforça a origem africana de todo ritmo de tambor.

Adelson Printo, cantor e coordenador do Kumbelé — Foto: Rede Amzônica/Reprodução

“O marabaixo veio da África, dos negros, dos escravos e o axé veio da Bahia, hoje transformado em ritmos bacanas, mas não deixa de ser o batuque. O carimbó é do Pará, mas tem madeira, tem couro e percussivo no meio”, descreveu.

E reunindo os ritmos e os quilombolas, o grupo mantém as tradições herdadas pelos antepassados, aliando aos festejos da época de carnaval.

Fonte: G1 Amapá

Carnaval 2020: Piratas da Batucada levará para pista a “Terra do Nunca”, planejada e confeccionada por profissionais da Economia Criativa

Aclamada pela comunidade como rei do carnaval, Piratas da Batucada fará seu 31º desfile com um enredo que permite voar, navegar, sonhar, recordar e voltar a ser criança, como armas para combater males do mundo atual. “Viagem à Terra do Nunca”, o tema escolhido, é um convite para o espectador fechar os olhos, entrar nas páginas dos livros e viajar na imaginação. O cenário é do clássico infantil Peter Pan, e a palavra “nunca” está presente durante todo o desfile para despertar o desejo de um mundo melhor.

Um enredo mágico para um carnaval de rua que adormecia no Amapá, e que, para se tornar realidade, foi necessária a formação de um verdadeiro e respeitado esquadrão, valorizando profissionais e com o apoio incondicional da comunidade Zona Sul. A concepção do enredo é do carnavalesco carioca Alexandre Louzada, profissional requisitado e que em 2017 foi campeão quatro vezes em grandes escolas do Rio de Janeiro.

O desfile se divide em quatro setores (“Nunca Deixar”, “Nunca Existir”, “Nunca Faltar” e “Nunca Acabar”), cada um composto por alas, alegorias e pontos técnicos. A escola desfilará com aproximadamente 1 mil integrantes, três casais de mestre-sala e porta-bandeira, três carros, um tripé, nove alas comerciais, cada uma com 60 componentes, ala das baianas, bateria com 150 integrantes e vinte destaques. O samba de enredo é de Rogério Silva, Bruno Sena e Adilan Bismark, e seus intérpretes oficiais são Ademar Carneiro e Fábio Moreno.

O primeiro setor, “Nunca Deixar”, propõe que os prazeres da vida nunca deixem de ser aproveitados, e a criança que existe dentro de cada pessoa nunca morra. Neste setor, desfilarão a comissão de frente, que irá trazer como elemento cenográfico um tripé, 1º casal de mestre-sala e porta-bandeira, baianas e o carro abre-alas. O segundo setor, “Nunca Existir”, sugere que a maldade e a guerra não mais existam, e para desenvolver a ideia, Piratão apresentará a bateria, 2º casal de mestre-sala e porta-bandeira e três alas.

Setor três, “Nunca Faltar”, falará da recriação de um mundo, e que nele nunca falte ar, água, e alimentos, e entra com uma alegoria e três alas. O último setor, “Nunca Acabar”, afirma que a “Terra do Nunca” existe, e que é no desfile de Piratas da Batucada, e que este, pela magia da apresentação neste carnaval, por permitir que se sonhe, não deve acabar. Encerrando o desfile, a agremiação apresentará uma alegoria e três alas. Nestes dois últimos setores, destaques de chão se preparam para dar show de samba e originalidade.

Potencial profissional é valorizado no Piratão

O presidente da Piratas da Batucada, Marcelo Zona Sul, afirma que o desfile terá muitas surpresas que irão surpreender o público e não decepcionará a comunidade, e, para isso, precisou fazer investimentos, como a contratação de Alexandre Louzada, para que o título de campeão seja mais uma vez comemorado. O conselheiro e membro da comissão de carnaval, Izauro Santos, fala do investimento em pontos técnicos, a exemplo do 1º casal de mestre-sala e porta-bandeira, Geandra e Bosco, que as roupas estão sendo confeccionadas fora do estado.

“Eles representam o amor incondicional. Bosco vem de pirata da nossa ‘Terra do Nunca’, e é o principal personagem do desfile. Ele, como todo pirata, quer conquistar seus tesouros, inclusive, o principal, que é a porta-bandeira, e irá conseguir e protegê-la, assim como a bandeira e os tesouros, que estarão representados na indumentária”, explica Izauro. O estilista responsável pela roupa do casal é o renomado Rodolfo Gomes.

Piratas da Batucada também investe nos profissionais da casa, e os contratados atuam em ritmo pesado no barracão e ateliê. No total, a escola está pagando 25 trabalhadores do ateliê, 16 no barracão, quatro terceirizados e mais profissionais de apoio, como cozinheiras, vigilantes, seguranças e bombeiro civil. A folha de pagamento gira em torno de R$ 70 mil, e ainda garante o salário de músicos, mestres de bateria, diretor musical e auxiliares.

“Recurso público tem que fomentar a economia local e gerar renda para famílias. Hoje, o carnaval do Piratão é muito profissional, e esta profissionalização começa pela valorização dos trabalhadores”, afirma Marcelo Zona Sul.

Investimento

A realização do desfile é da Prefeitura de Macapá, Liesap e iniciativa privada, com apoio do senador Davi Alcolumbre. O evento conta também com recurso de emenda parlamentar do deputado federal Vinícius Gurgel. A festa conta ainda com apoio do governo do Estado.

Secretaria de Comunicação de Macapá
Fotos: Max Renê

Carnaval 2020: confira os blocos que fecharão a programação do “Circuito FAB Folia”

Neste sábado, 15, ocorrerá o fechamento dos desfiles de blocos, no “Circuito FAB Folia”. A festa iniciará a partir das 17h, na Praça do Barão, e seguirá até as 2h. O circuito, que já teve dois dias de muita festa, já arrastou mais de 6 mil pessoas nos dois dias de evento, que ocorreram na quinta-feira, 13, e na noite desta sexta-feira, 14. Além dos blocos, a festa contará com os shows da Banda Moara e Dani Li.

Confira os blocos que estarão no corredor do “Circuito FAB Folia” deste sábado (15/02 – FAB & Folia/LIBA):

Sábado (15/02 – FAB & Folia Liba)

1° Habeas Copus

2° Rolará

3° Kubalança

4° Pau Grande

5° Cabralzinho

6° Bafo da Onça

7° Mancha Negra

8° Pica-Pau

9° Mãe Luzia

Investimento

O “Circuito FAB Folia” está sendo realizado com o apoio da Prefeitura de Macapá, do senador Davi Alcolumbre, Governo do Estado e emenda parlamentar do deputado federal Vinícius Gurgel.

Aline Brito
Assessora de comunicação/PMM
Contato: (96) 98803-9633

Carnaval 2020: segunda noite do “Circuito FAB Folia” terá Adail Júnior e Letícia Auolly

Nesta sexta-feira, 14, o “Circuito FAB Folia” continua a partir das 17h, na Praça do Barão, e segue até às 2h. Pelo circuito, nos três dias de folia, passarão mais de 30 blocos tradicionais. Além dos blocos, o público poderá agitar ao som do veterano, o “micareteiro” Adail Jr. e a diva Letícia Auolly.

O “Circuito FAB Folia” é um resgate do carnaval na principal avenida da cidade, que tem total apoio da Prefeitura de Macapá, Liga Independente dos Blocos do Amapá (Liba), Associação dos Blocos Carnavalescos do Amapá (Abloca), Centro Folia e Beira Rio Folia.

Blocos que se apresentarão nesta sexta-feira (14/02 – Abloca):

1- Caldeirão da Favela

2- Melô Banhou

3- Auê

4- Paunela

5- Tia Fé

6- Caldeirão

7- Tonga da Milonga

8-Beijo

9- Urubuzada

10- Pororoca

Investimento

O “Circuito FAB Folia” está sendo realizado com o apoio da Prefeitura de Macapá, do senador Davi Alcolumbre, Governo do Estado e emenda parlamentar do deputado federal Vinícius Gurgel.

Mônica Silva
Assessora de comunicação/PMM