Cervejaria Artesanal do Amapá inova com a inauguração do My Growler Station, Beer Card e cinco novos rótulos


A cervejaria amapaense Trina inova mais uma vez e lança a primeira My Growler Station Auto-Serviço do Brasil, oferendo cerveja fresca, através de sistema informatizado de enchimento de vasilhame, e agregado a este serviço, lança no mercado mais cinco rótulos de cerveja e o Beer Card, para consumo da bebida. A intenção é oferecer um produto artesanal, aliado à tecnologia e incentivar o consumo sustentável e responsável com o uso do growler, que são vasilhames retornáveis que substituem as tradicionais garrafas de vidro. A inauguração da estação My Growler e dos novos rótulos, será dia 7 de julho, e terá a presença da cantora Lia Sophia.

A cervejaria Trina produz a bebida dentro dos padrões das escolas cervejeiras Belga, Inglesa, Americana e Alemã, da importação do malte , da fervura dos grãos , fermentação, maturação aos testes de laboratório, valorizando especiarias tradicionais da Amazônia. A cervejaria, que possui registro junto ao Ministério da Agricultura, em dezembro lançou quatro rótulos, e agora se prepara para colocar mais cinco no mercado. A produção é 100% artesanal, em microlotes, e abastece consumidores que já gostavam de artesanais, e atrai novos clientes, do Amapá e outros estados, que compram através da internet. As cervejas da Trina foram criadas e são produzidas pelo beer sommelier e mestre cervejeiro Marcelo Fiel.

Estação Growler

My Growler Station é a primeira estação do Brasil com tecnologia russa, para enchimento de Growler Auto Serviço, que oferece cerveja fresca, a custo mais em conta, onde o consumidor poderá levar e consumir o quanto e quando quiser nas torneiras de cerveja do estabelecimento. O consumo será através do Beer Card e uso de aplicativo, onde os créditos serão colocados e controla o consumo. Para ter o Beer Card o consumidor só precisa se cadastrar. “É um espaço para quem gosta de cerveja artesanal, onde o consumidor vai colocar crédito no seu cartão e se servir do rótulo que mais lhe agrada, pagando somente o que consumir e ainda contribui para um consumo sustentável”, explica Marcelo Fiel.

Sabores da Amazônia

O grande diferencial das artesanais da marca Trina é a pureza e respeito ao conceito das maiores escolas cervejeiras do mundo: Belga, Alemã, Inglesa e Americana, sem o uso de milho e arroz, e sim água, malte e lúpulos. Estes elementos compõem a formula básica, a qual são acrescentados os ingredientes que diferenciam o sabor. A Marabaixo é produzida com gengibre, casca de laranja e sementes de coentro; a base da Trina é o trigo; a Santa Piedade é uma Pilsen; e a Neguinha contém malte achocolatado. No dia 7 também serão lançados os novos sabores, Bacaba Beer, de aroma caramelizado; Búfalo do Marajó, forte, com sabor de chocolate; Ipa na Tulipa, do estilo Ipa; Pai D’Égua, de baixo teor alcoólico; e Cunani, à base de cereais.

Serviços:

Inauguração da My Growler Station
Data: 7 de julho
Hora: a partir das 20h
Endereço: Av: Tupis

Mariléia Maciel
Assessoria de Comunicação – Trina Cervejaria Artesanal

Hoje rola Quarta-Proibida no King’s Pub

Hoje (17) a partir das 18h, vai rolar Quarta-Proibida no King’s Pub. O melhor bar da cidade ofertará, até às 22h, promoção de cerveja Proibida Puro Malte (gostosa demais!) por somente R$ 5,99 a unidade. Outra oferta bacana para esta quarta-feira é o balde de cerveja Bohemia, com cinco long necks, mais seis pastéis de frango, por apenas R$ 40,00.

Se você quer tomar umas com os amigos, torcer pelo seu time, escutar música ou beliscar petiscos legais, o King’s é o bar. Aliás, o melhor lugar voltado ao entretenimento em Macapá. Com som ambiente no melhor estilo musical da Galáxia: Rock and Roll. Além dos Tira gostos, refinados e saborosos, drinks variados e excelente atendimento.

Enfim, hoje a melhor pedida é a Quarta-Proibida. Bora lá!

Serviço:

Quarta-Proibida (Hoje)
Local: King’s Pub
Localizado na Avenida Padre Júlio Maria Lombard, 1148, centro de Macapá.
Hora: a partir das 14h
Data: 17 de maio de 2017

Elton Tavares

Ana Spa oferece tratamento alternativo

Na avenida Coriolano Jucá, entre as ruas Tiradentes e São José, no centro de Macapá, encontra-se o Ana Spa, o primeiro estabelecimento dos gêneros vegano e vegetariano da Amazônia. Com essa distinção, o Ana Spa logo se tornará internacional. Terá um braço em Cayenne, capital da Guiana Francesa, numa área de dois hectares.

O Ana é dos chamados spas urbanos, locais comerciais nas grandes cidades em que pessoas podem usufruir horas dos serviços e da tranquilidade de um verdadeiro SPA, porém sem hospedagem. Tradicionalmente, os spas são estâncias balneárias ou hotéis em zona rural, onde se busca descanso e cuidados com a saúde.

Ana Lúcia Pires Cometti Dias é quem comanda o estabelecimento na capital amapaense. Ela é especialista em medicina natural pela Universidade Federal do Paraná. O local conta com um corpo de médicos e especialistas, entre eles David Mauricio Rodrigues, biomédico em acupuntura e ortomolecular, e pós graduando em estética.

Doutor David Rodrigues é baseado em Brasília. Em cada mês, ele passa uma semana em Macapá, no Ana Spa, fazendo uso, entre outras atividades, da máquina Hidrodetox, que desintoxica clientes, eliminando os excessos das impurezas provenientes de hábitos alimentares, muitos deles com consumo de comida industrializada.

No processo do doutor David Rodrigues, após a desintoxicação o paciente recebe tratamento com acupuntura e eletroacupuntura. Nessa última terapia, não tem agulhas, e todo o material utilizado é descartável. Outro profissional do Spa é o nutricionista Bruce Tederixe. A fisioterapeuta Roseani Aguiar Salgado trabalha no Ana Spa com pilates e depilação para homens e mulheres, além de tratamentos corporal e facial.

O pilates fortalece o músculo, dá correção postural, aumenta a flexibilidade, melhora a consciência corporal, dá maior controle respiratório, alivia dores crônicas e tensões e ainda melhora a circulação sanguínea.

Ana Dias explica que todas as disfunções do organismo da pessoa são identificadas através da íris dos olhos. Contudo, diz a especialista em medicina natural, mesmo com a identificação das disfunções, com a verificação da íris não dá para fazer diagnóstico na pessoa, mas por meio do procedimento se pode verificar as predisposições para doenças.

Carro chefe do spa, a Iridologia pode encaminhar o cliente à Trofoterapia, a ciência que estuda a alimentação como prevenção e tratamento de doenças. Depois, a pessoa é levada para procedimentos de Geoterapia, tratamento com argila que tem a mesma composição do ser humano. A Geoterapia é calmante e desintoxicante.

O Ana Spa ainda faz tratamentos usando a Hidroterapia com utilização da água em seus três estados básicos: líquido, sólido e gasoso. E ainda tem a Fitoterapia, o tratamento através de plantas.

O estabelecimento dirigido por Ana Lúcia Pires Cometti Dias, como que fazendo o corolário das várias terapias que aplica em seus clientes, possui o seu restaurante vegano e vegetariano como um dos braços da Trofoterapia.

Fonte: Diário do Amapá

Conheça os benefícios de ser vegetariano – Por Ana Pires

Por Ana Pires

Nos dias de hoje, ainda podemos observar que ser vegetariano é sinônimo de ser “estranho”, ao contrário do que se acredita, não é necessário fazer malabarismos para comer fora de casa. Atualmente o termo se popularizou e a cada dia aumenta o número de pessoas que decidem eliminar o consumo de carne da dieta.

Ter uma dieta vegetariana pode resultar numa vida mais longa, de acordo com um estudo publicado no periódico JAMA Internal Medicine. Segundo a pesquisa, realizada por profissionais da Universidade Adventista do Sétimo Dia de Loma Linda, nos Estados Unidos, os vegetarianos têm um risco 15% menor de morte, enquanto os ovo-lacto-vegetarianos (que têm uma dieta baseada em ovos, leite e produtos derivados destes) têm um risco de morte 9% menor que pessoas que possuem uma dieta com carnes. Já os pesco-vegetarianos (que também comem peixe) têm um risco 19% menor de morte. Por fim, os semivegetarianos (consomem menos carne que uma pessoa em dieta padrão e não ingerem carne bovina e suína, embora comam carne de frango e peixe) têm um risco 8% menor de morte em comparação com os que se alimentam de carne com mais frequência.

Ana Pires

O estudo abarcou 73.308 homens e mulheres (todos adventistas do sétimo dia, assim como a instituição), que foram recrutados entre os anos de 2002 e 2007, e foram acompanhados por um período médio de 5,79 anos. Durante esse período, 2.570 pessoas morreram.

A pesquisa também destaca que os vegetarianos tendem a possuir certas características: são casados, altamente escolarizados, mais velhos e magros. Eles se exercitam mais, não fumam nem bebem – fatores que também podem explicar essa maior longevidade.

A Universidade de Loma Linda é conhecida pelos seus estudos sobre vegetarianismo e saúde. Uma outra pesquisa realizada nessa instituição revelou que homens adventistas vegetarianos californianos vivem 9,5% mais do que os outros homens que não têm esse perfil; já as mulheres adventistas vegetarianas californianas vivem 6,1% a mais do que as outras californianas com hábitos diferentes destes.

Outros estudos

Um estudo de pesquisadores da Universidade de Oxford, que saiu no início de 2013, mostrou que o consumo de uma dieta vegetariana reduz o risco de doença cardíaca em 32%, em comparação com uma dieta baseada em carne e peixe. Essa pesquisa abarcou 45 mil pessoas no Reino Unido, sendo 34% delas vegetarianas. Os pesquisadores descobriram nesse estudo que os vegetarianos também eram menos propensos a ter índices de massa corporal elevado, como também a ter diabetes. Um estudo de 2011 publicado na revista Diabetes Care mostrou que uma dieta vegetariana está associada a uma diminuição de fatores do risco de síndrome metabólica, que é um conjunto de distúrbios que estão associados com um risco maior de diabetes e doença cardiovascular.

Dê o primeiro passo

Se você quer se tornar vegetariano, mas quer ir com calma, siga algumas dicas para se habituar à prática. Comece sem comer carne na segunda-feira e depois passe a ser um vegetariano ao longo dos dias úteis. Dê preferência aos vegetais orgânicos, que não contêm agrotóxicos nem fertilizantes nitrogenados. Além de saudável, uma dieta vegetariana é também menos danosa ao meio ambiente, já que o custo em emissões da produção de carne, assim como sua pegada hídrica são elevados em demasia.

Meu comentário: Ana Pires é especialista em Medicina Natural e é uma profissional reconhecida dentro de fora do Amapá. Ela já atuou em países da Europa. Perdi sete quilos almoçando em seu Spa, em um período de quase dois meses. Desleixado, parei de ir e engordei novamente. Estou retornando hoje e recomendo. Conheça o Ana Spa, localizado na Avenida Coriolano Jucá, entre as ruas São José e Tiradentes, Nº 267, Próximo a loja Amazonas Importados.

Ovos de Páscoa Recheados da Delícia & Cia (feitos pelas brodas @SharlotSandim e @JackeCarvalho_)- Recomendo!

Em tempos de crise financeira no Brasil, o Amapá entra no circuito do empreendedorismo criativo e aos poucos vai conquistando o mercado local. É o caso da Delícia & Cia, marca criada pelas jornalistas Jackeline Carvalho e Sharlot Sandim e a fisioterapeuta Felisa Melo, em 2015, para comercializar ovos recheados no período da Páscoa. A ideia surgiu numa conversa informal sobre os preços quase abusivos dos ovos que são vendidos nos supermercados da cidade. A partir daí, as amigas bolaram a arte, estudaram os sabores e partiram para a ação. Só naquele ano, foram mais de 300 unidades vendidas no coração do bairro do Laguinho. E agora em 2017, a Delícia & Cia volta com novos sabores e tamanhos.

Sharlot conta que os ovos tem um toque nordista e todo especial porque é feito com ingredientes regionais. “Os industrializados não tem o gosto tucuju. De cupuaçu, de maracujá, de coco, por exemplo. Aqui pensamos especialmente nos consumidores locais”.

Já para Jackeline, o preço é um fator determinante na hora de decidir presentar a família nesta Páscoa. Ela diz que as grandes empresas desconhecem a realidade de muitos centros urbanos ao vender ovos com preços inacessíveis.

“Faz ovos recheados com qualidade e preço justo é pensar no mercado consumidor que quer comprar e fraternizar a Páscoa em casa. É impensável um pai de família, que tem 3 filhos, comprar 3 ovos num preço médio de R$37,00 (250g).”

Neste ano, você pode escolher os sabores de: brigadeiro, ovomaltine, maracujá, cupuaçu, prestígio e Oreo, nos tamanhos: pequeno (150g) e médio (300g). Para fazer a encomenda, basta ligar para os números 98140-2731 e 98407-6653.

Jack Carvalho – jornalista

‘As pessoas não estão sabendo tomar suco verde’, diz especialista no AP

Por Fabiana Figueiredo

O suco verde tornou-se um aliado das dietas, com promessa de emagrecimento e ingestão de diversos nutrientes de uma só vez. A especialista em trofoterapia e dona de um restaurante em Macapá Ana Pires, de 46 anos, afirma que, com a popularização da bebida, as pessoas não estão sabendo consumi-la de forma correta. Nesta reportagem, ela ensina qual o suco verde adequado para perder peso e controlar a pressão e a glicemia.

Trofoterapia é uma área da nutrição que estuda o uso de alimentos simples e naturais que ajudam a regular as funções orgânicas de uma pessoa saudável e de doentes, ou seja, é um tratamento da saúde através da alimentação, explica Ana.

“As pessoas não estão sabendo tomar suco verde. É importante esclarecer à população, porque muitas pessoas não sabem disso, e isso é uma questão de saúde, ter os alimentos como nossos aliados para a prevenção de doenças. Nossa proposta é que as pessoas tomem suco verde, que faz bem para a saúde, e que saibam ajudar na própria patologia”, disse a especialista.

Couve

A couve tem sido usada por muitos como o ingrediente principal do suco. Segundo Ana, usada de maneira errada, ela pode ser prejudicial, principalmente para os que têm problemas na tireoide. Portanto, é importante variar nos tipos de folhas verdes.

“Nem sempre usamos couve nos sucos verdes. Porque varia muito. As pessoas se acostumaram a usar só a couve, mas podem ser usadas tantas outras folhas, como tanchagem, que é do Sul do país, mas eu crio aqui no Amapá; menta; hortelã; e cariru, que tem mais cálcio que o brócolis e o leite e é comum na nossa região”, sugeriu Ana.

O que posso trocar?

Para não ter erro na hora de produzir o suco verde, atenção às dicas da especialista. Entre as mudanças sugeridas por ela, estão: trocar o gengibre pela pêra e o pepino, que ajudam a baixar a pressão arterial de hipertensos; os diabéticos não precisam comer beterraba para consumir ferro, podem optar pela couve, maçã verde e rúcula; já os que querem emagrecer podem usar uma quantidade maior de abacaxi, que quebra as moléculas de gordura, caso não tenham nenhuma outra patologia. Os sucos devem ser servidos sem coar.

Confira as receitas de suco e quais os benefícios de cada item:

Para controlar pressão alta
150 gramas de pepino (hipotensor)
1 pêra (hipotensor)
suco de 1/4 de limão (vitamina C)
8 ramos de salsinha (vitamina C e diurético)
3 ramos de hortelã (calmante, diurético, fibra dietética e vitamina C)
6 folhas de caruru (cálcio)
Dica: pode colocar um dente de alho, que é hipotensor.

– Para controlar glicemia
suco de 1 limão (vitamina C e alcalinização do sangue)
1 maçã verde (antioxidante e ‘adoça’ o suco)
8 ramos de salsinha (vitamina C e diurético)
1 folha de couve ou 4 folhas de rúcula (fibra dietética)
2 folhas de almeirão (desintoxicante do fígado)

– Para emagrecer
300 gramas de abacaxi (quebra moléculas de gorduras e é diurético)
6 ramos de salsinha (vitamina C e diurético)
3 ramos de hortelã (calmante, diurético, fibra dietética e vitamina C)
suco de 1/2 limão (vitamina C e alcaliniza o sangue)
Nas receitas é só bater os ingredientes com água filtrada ou água de coco no liquidificador.

Fonte: G1 Amapá

‘Vatapá vegano’ ajuda a controlar o colesterol e prevenir câncer, no AP

Por Fabiana Figueiredo

Prato tradicional na mesa dos amapaenses, o vatapá tem como ingrediente principal o camarão. Mas, para quem não come alimentos de origem animal, a amapaense Ana Pires, de 46 anos, sugere o “vatapá vegano”. No lugar do camarão, ela usa o cogumelo shimeji fresco, e garante que o sabor é parecido.

“A ideia era remeter ao sabor do vatapá de camarão. Fizemos várias receitas que deram certo, mas o que mais se destacou foi o shimeji, que remete a esse sabor. Mas, ele tem que ser usado fresco, o que vem em conserva não fica parecido. Se usa o mesmo material do vatapá tradicional”, ensinou Ana.

Além do cogumelo shimeji, o camarão também pode ser substituído por azeitona ou palmito. Ana é especializada em medicina natural e acredita que as pessoas doentes podem se curar através da alimentação. Segundo ela, os benefícios do vatapá vegano são o controle do colesterol e a prevenção do câncer.

“O camarão é um alimento que aumenta muito o colesterol. Nesse vatapá, o colesterol não aumenta tanto, porque também se evita fritar. O dendê é rico em vitamina A. E, como colocamos bastante verdura, como o pimentão vermelho, se torna bastante nutritivo e os ingredientes vermelhos também ajudam na prevenção do câncer”, explicou.

Veganismo

Optando por consumir alimentos sem origem animal há 25 anos, Ana Pires é natural da aldeia indígena Kumarumã, de Oiapoque, a 590 quilômetros de Macapá. Ela sempre conviveu com a medicina e a alimentação natural e, por ser pesquisadora do assunto, voltou ao Amapá, após 15 anos de estudos em Curitiba, para difundir o veganismo, sendo dona de um restaurante e SPA.

“A carne é altamente cancerígena e, infelizmente, leite e ovos possuem uma quantidade muito grande de hormônios. Com isso, vem se debilitando a saúde do ser humano. A vantagem da alimentação vegana é que a pessoa não fica suscetível a essas doenças. O veganismo é uma opção para quem quer ter saúde, porque cuida das pessoas através da alimentação”, falou Ana.

Aprenda como preparar o “vatapá vegano”:

Rendimento: 10 pessoas
Tempo de preparo: 30 minutos
Ingredientes
300 gramas de cogumelos shimeji
1/2 garrafa pequena de azeite de dendê
1 garrafa grande de leite de coco
1 cebola média picada
4 dentes de alho picados
2 tomates em cubos
1 lata de milho
1 pimentão vermelho em cubos
1 xícara de salsinha, cebolinha e coentro picados
5 pimentas biquinho picadas
7 cogumelos champignon em tiras
6 azeitonas verdes picadas
2 colheres de azeite de oliva extra virgem
1 xícara de espinafre e manjericão ou jambu
3 xícaras de trigo
Água filtrada à vontade
Sal rosa a gosto

Fonte: G1 Amapá

MESTRE-CUCA KIDS: CRIANÇAS PODERÃO PARTICIPAR DE OFICINA DE CUPCAKES

Hoje (5/3), a partir das 18h, os pequenos estão convidados para uma Oficina de Cupcakes, onde terão a oportunidade de usar sua criatividade e imaginação ao aprender a fazer o doce.

A ação acontecerá na Loja Doçuras, no Amapá Garden Shopping. Para garantir a participação da criança, os pais devem colaborar com 1kg de alimento não perecível.

Serviço:

Oficina de Cupcakes
Data: 05. 03.2017
Hora: 18h
Local: Loja Doçuras do Amapá Garden Shopping

Assessoria de Imprensa Local do Amapá Garden Shopping
Fontes Comunicação & Coaching
Atendimento: Flávia Fontes
Contato: 98112 9431/991807395
www.fontescomunicacao.com.br

Afinal, o que é o suchá? – Por Ana Pires

O suco verde não é apenas uma moda, é um verdadeiro aliado de preparação específica para um cuidado fitoterápico, em conjunto com o chá, têm como finalidade promover a renovação do funcionamento fisiológico do aparelho digestivo, aumentando a vitalidade e a energia, melhorando a circulação, reforçando as defesas do organismo e retardando o processo de envelhecimento, cuidando do sistema nervoso, etc.

É uma bebida rica, com nutrientes que desintoxicam e revitalizam o nosso organismo.

A cultura do chá é milenar, ela foi difundida na China há mais de cinco mil anos e se proliferou para os quatro cantos do mundo, onde continua a ser, ainda hoje, muito apreciado. Porém, grande parte dos brasileiros não possuem o hábito de tomar a infusão, então uni os dois e consegui uma bebida que pode ser deliciosa, refrescante e fitoterápica.

Por fim, uma dica preciosa é sempre variar a receita, combinar ingredientes e buscar novos sabores. Experimente várias combinações de “suchás”, sempre com o auxílio de um especialista, até mesmo para não enjoar e conseguir manter uma rotina de tomá-lo. Troque as frutas, chás, acrescente água de coco em uma ou outra receita, experimente acrescentar especiarias, monte seu cardápio pessoal.

Agora aqui vai a receita de um suchá calmante, para quem quer ter uma boa noite de sono:

1 folha de couve + meia xícara de suco de maracujá, 1 ramo de capim santo + 1 punhado de salsinha e hortelã + suco de 1/2 limão + 200 ml de água. Bata todos os ingredientes no liquidificador. Beba sem coar.

Ana Pires é amapaense, e depois de estudar e se especializar em Curitiba, e organizar eventos nacionais e internacionais voltados para a medicina alternativa, voltou para o Amapá onde trabalha a medicina natural como forma

*O Ana SPA funciona de segunda à sexta, de 11h às 20h, Na Avenida Coriolano Jucá, entre as ruas São José e Tiradentes – 267. Próximo Amazanas Importados, centro de Macapá.

Hoje: docente de Farmácia lança livro sobre história química e afetiva dos alimentos

Na próxima quarta-feira, 8 de fevereiro, ocorrerá o lançamento do livro “História Química e Afetiva dos Alimentos”, da professora do curso de Farmácia da Universidade Federal do Amapá, Deyse de Souza Dantas. O evento será às 16h, no auditório da Biblioteca Central do campus Marco Zero do Equador, em Macapá.

A obra é uma parceria com o professor Robson Fernandes de Farias, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). “O livro aborda de uma forma surpreendente os alimentos, utilizando em diversos momentos a história, a química, misturando as informações com o lúdico, retratando o cotidiano alimentar da nossa sociedade”, descreve Deyse Dantas.

O livro poderá ser obtido diretamente com a editora pelo site www.editoragarcia.com.br ou com a docente no lançamento. A obra custa R$ 25.

Sobre a autora – Deyse Dantas é doutora em Biologia Funcional e Molecular na área de Bioquímica pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e integra o colegiado do curso de Farmácia. Docente do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências da Saúde (PPGCS-Unifap) e credenciada no Programa em Ciências Farmacêuticas (PPGCF-Unifap). Atua nas áreas: educação em saúde, estudos relacionados ao câncer, saúde pública em análises clínicas, farmacogenética e farmácia clínica, bem como colabora em temas que abordam estudos celulares e histopatológicos em modelos experimentais.

Serviço

Lançamento do livro “História Química e Afetiva dos Alimentos”

Dia 8 de fevereiro de 2017 (quarta-feira), às 16h, no auditório da Biblioteca Central da Universidade Federal do Amapá (Unifap), campus Marco Zero do Equador (Rod. Juscelino Kubitschek, Km 02, bairro Jardim Marco Zero, Macapá-AP). Valor da obra: R$ 25.

Assessoria Especial da Reitoria – Unifap
3312-1704 | 98138-9124

Especialista em Medicina Natural avalia seus efeitos no tratamento e prevenção de doenças

A busca por qualidade de vida aliado à perda de peso é uma persistência que cresce a cada dia no Amapá, e a prova é o número cada vez maior de pessoas de todas as idades que se tornaram adeptas de assessorias para corrida, academias, caminhadas ao ar livre, sozinho ou em grupos. Mas de acordo com especialistas, para se obter resultados satisfatórios, ter uma vida saudável e livre de doenças, é necessário colocar na rotina uma alimentação adequada, que facilita os resultados no físico e previne doenças.

“Em Macapá aumentou o número de pessoas se exercitando, em todos os lugares, isso é muito importante e dá á cidade uma nova característica, longe do perfil de lugar onde as pessoas só se reúnem em torno de mesa com comida e bebida, e passam a buscar hábitos saudáveis. Mas é importante que entre nesta rotina a boa alimentação , para manter o peso, prevenir doenças, e ter mente tranquila e espírito leve”, conceitua a especialista em Medicina Natural, Ana Pires.

Para a especialista, querer um corpo esteticamente perfeito e sem gorduras, deve andar de mãos dadas com os cuidados para prevenir doenças, e curar as que já existem no organismo. “Temos o habito de exercitar para emagrecer e manter o coração e outros órgãos ativos, mas é importante buscarmos outras formas de tratamento, principalmente o preventivo, e os alimentos são a base deste conceito, porque em geral as doença e problemas cardíacos começam com uma disfunção nutricional, é aí entram os tratamentos alternativos, como aliados”

Ela explica que quando uma pessoa sente que precisa se cuidar, procura profissionais da medicina alopata, que faz o diagnóstico e indica o tratamento, mas alimentação natural e as terapias naturais, como a iridologia, fitoterapia, geoterapia, hidroterapia, e outros, têm mostrado resultados positivos e que podem ser associados à medicina tradicional. “Estas alternativas resolvem até casos de obesidade. O tratamento começa pela desintoxicação e a pessoa perde peso em pouco tempo, sem traumas e ainda ganha novos hábitos alimentares, o que a impede de voltar a engordar”.

Ana Pires é amapaense, e depois de estudar e se especializar em Curitiba, e organizar eventos nacionais e internacionais voltados para a medicina alternativa, voltou para o Amapá após 12 anos para passar alguns dias, mas resolveu ficar para trabalhar a medicina natural como forma de salvar vidas, prevenir doenças e incentivar a alimentação saudável para equilibrar o organismo, fortalecer o corpo contra as doenças, e manter a estética. “Tudo isso pode ser obtido através de bons hábitos alimentares. Se os amapaenses se adequarem à este conceito, viveremos mais e melhor”.

Texto: Mariléia Maciel
Fotos: Sérgio Silva

*É o Ana Spa. Na Coriolano Jucá, entre São José e Tiradentes – 267. Próximo Amazanos Importados, centro de Macapá. 

Gengibre e chocolate inspiram criação de cervejas artesanais no Amapá

Por Fabiana Figueiredo

A raiz de gengibre e o chocolate inspiraram cervejas artesanais produzidas no Amapá. As bebidas foram batizadas de “Neguinha” e “Marabaixo” pelo mestre cervejeiro e sommelier de cerveja Marcelo Fiel, e são as novas apostas para a expansão da cultura da cerveja artesanal no estado.

O Amapá era o único estado que estava fora do mapa cervejeiro do Brasil. Nós não tínhamos cultura. Temos alguns movimentos com empresas que comercializam alguns rótulos nacionais e importados também. Mas não tínhamos no Amapá a produção de cervejas artesanais para comercialização”, comentou Fiel.

“Neguinha” é uma cerveja do estilo dunkel. É uma homenagem ao povo negro do Amapá e usa malte de chocolate, trigo e notas de café na composição, além de ter o maior teor alcoólico entre as bebidas produzidas pelo cervejeiro.

“O malte de chocolate equilibra o sabor na boca. Tem a ardência do teor alcoólico que é maior, mas vem o malte para equilibrar”, explicou Fiel, referindo-se à cerveja cujo estilo é tradicional de Munique, na Alemanha.

Uma homenagem a Macapá, a cerveja “Marabaixo” é do estilo witbier. Na composição foram inclusas, além do malte e água, notas de cascas de laranja, semente de coentro e a raiz de gengibre. Todos os ingredientes dão um toque suave que diferencia a cerveja da tradicional.

“A Marabaixo é uma cerveja muito refrescante. A laranja dá um sabor e um aroma cítrico na cerveja. O gengibre te dá uma refrescância na garganta, não é igual a gengibirra, que evidencia o teor alcoólico. As frutas ajudam no aroma e no sabor”, descreveu o cervejeiro.

As duas cervejas ainda estão em processo de autorização no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para comercialização e devem ser disponibilizadas no mercado em janeiro de 2017, prevê Fiel.

Cerveja artesanal

De acordo com o cervejeiro Marcelo Fiel, a cerveja artesanal é composta de ingredientes frescos, é mais saudável que a bebida comum, e descarta o uso de conservantes. O tempo de produção leva em torno de 45 dias para que as bebidas fiquem prontas para o consumo.

A empresa de Fiel é a única no estado registrada em processo de solicitação de autorização no Mapa para comercializar e distribuir as cervejas artesanais, com capacidade para produzir 30 mil litros da bebida por mês. A fábrica dele produz 4 rótulos de cerveja artesanal, nos estilos pilsen (“Santa Piedade”), weiss, dunkel (Trina) e witbier. Assim como “Marabaixo” e “Neguinha”, as vendas das cervejas devem acontecer ainda em janeiro.

Existia essa cultura de que as cervejas artesanais produzidas no Brasil não eram boas frente às importadas. Só que isso mudou. A cerveja artesanal é uma bebida frágil e, quando vem para cá, sofre influência de transporte, temperatura. Vários fatores que contribuem para ela ficar menos saborosa do que realmente ela é. Nossa vantagem é essa: vamos oferecer cervejas naturais e frescas, para quem quiser experimentar”, disse o cervejeiro.

A cultura da cerveja artesanal, de produzi-la e apreciá-la existe no estado há pouco tempo. Quem não tem autorização do Mapa e ainda assim admira a bebida, pode produzi-la de maneira amadora. Essas produções não podem ser comercializadas no mercado, são apenas para consumo próprio.

No estado atuam duas associações ligadas à produção de cervejas artesanais: a Associação Brasileira da Indústria da Cerveja no Amapá (Cerva), da qual Marcelo Fiel é presidente, e a Associação dos Cervejeiros Artesanais do Amapá (Acerva).

Para o presidente da Acerva, Andjei Remus, existem bastante curiosos na fabricação da cerveja artesanal, porém, há poucos que querem aprender a produzir. O grupo preza pela cultura da cervejaria aliada ao consumo responsável.

“Eu faço cerveja em casa, outros membros também fazem. Hoje somos cerca de 10 pessoas que produzem por aqui. É um prazer você fazer uma cerveja. Não é difícil, mas é trabalhoso. Só que é você fazendo a sua cerveja. Tem a possibilidade de você aumentar sua percepção. Tem vários estilos, o que proporciona a você criar, pôr a nossa identidade na cerveja”, falou Remus.

Fonte: G1 Amapá

Meu comentário: eu e amigos jornalistas fomos várias vezes até a casa do Marcelo Fiel e Daniela Pinheiro (esposa dele). Lá conhecemos a fábrica de cerveja artesanal. A estrutura, o processo de armazenamento e a degustação (e bote degustação nisso!!). O produto é excelente! O sabor da Trina, STª Piedade, Marabaixo e Neguinha é sensacional. Estou na torcida pelo sucesso do empreendimento. Super recomendo!

Elton Tavares

Festival gastronômico ‘Chefs na Praça’ apresenta lanches inovadores

arquivo-sebrae-chefs-na-praca-1

Por Andréa Maciel

O Sebrae, por meio do Projeto Alimentação Fora do Lar e a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) promovem o 1º Festival Gastronômico ‘Chefs na Praça’, nos dias 9 e 10 de dezembro, das 16h às 23h, na Praça Veiga Cabral.

O objetivo do evento é divulgar a gastronomia local e as inovações que o setor de lanches vem produzindo, como o ‘Maniburguer’, um dos sanduiches que serão comercializados e que possui componentes regionais, como a maniçoba. O Camarão, cupuaçu, tapioca, pato no tucupi e o jambu, também são ingredientes regionais presentes nos lanches que serão degustados no festival.

“A gastronomia tem sido um fator importante de difusão de hábitos e tradições culturais associados à alimentação. É um ramo da economia que tem impulsionado o turismo local, gerado trabalho, renda e oferecido a possibilidade das pessoas e famílias se encontrarem em eventos gastronômicos. A praça é um espaço extremamente democrático, onde o chef está mais à vontade e acessível, por isso a escolha deste local”, disse a gestora do Projeto Alimentação Fora do Lar do Sebrae, Nelma Pires.

Capacitação

No dia 30 de novembro (quarta-feira), as 15h, na sede do Sebrae em Macapá, na sala Ferreira Gomes, acontecem palestras preparatórias para participação das empresas no evento.

Empresas

Participam do 1º Festival Gastronômico ‘Chefs na Praça’, as empresas: Doutor Frango Hamburgueria Artesanal, Rustic Hamburgueria, Churros do Joe, Paletelícia, Hamburgueria Louis, Mister Ball Hamburgueria, Chef’s Food, Delícia Saudável, Doçuras Confeitaria, Cris Lanches, Kátia’s Cestas, El Mexicano.

São parceiros na realização do evento: Prefeitura Municipal de Macapá, Governo do Estado do Amapá, Casa do Sorveteiro, Atrium Arquitetura Plena, Sistema Fecomércio, Programa Café com Notícia, Banda Babilônia Kids, Seles Nafes.Com, Alcilene Cavalcante, Confraria do Meio do Mundo, Você Telecom e MKT Digital. Cada empresário participante investiu o valor de R$ 350 para participar no evento.

O Cerimonial de abertura do Festival Gastronômico ‘Chefs na Praça’ é realizado juntamente com a abertura da Cantata Natalina da Fecomércio, no dia 9 de dezembro às 19h, na Praça Veiga Cabral. A participação do público é gratuita.
arquivo-sebrae-chefs-na-praca-2
Programação

Dia: 30 de novembro – Quarta-Feira
Hora: 15h
Palestras Preparatórias para participação das empresas no evento
Local: Sebrae (Sala Ferreira Gomes)

Dia: 2 de dezembro – Sexta-Feira
Horário: 8h30
Solenidade de Lançamento do Festival Chef’s na Praça
Local: Sebrae (Sala do Conhecimento)

Dias: 9 e 10 de dezembro – Sexta-Feira e Sábado
Horário: 16h às 23h
Realização do Festival Chef’s na Praça
Local: Praça Veiga Cabral, na Rua Mário Cruz (ao lado do Teatro das Bacabeiras)

Sebrae no Amapá
Unidade de Marketing e Comunicação: (96) 3312-2832

Começa hoje o 8º Festival Amapá Sabor

14787031_10207726179648888_1024006955_o

O festival é uma realização do Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares do Estado do Amapá – SINDBAR, e têm o apoio da CNC, FECOMERCIO – AP, FBHA, GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ, PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAPÁ e SEBRAE.

A programação visa incentivar a criação de novos pratos e fomentar o turismo amapaense por meio da gastronomia local, levando em consideração o crescimento do setor alimentício no estado e o avanço do setor de bares e restaurantes.

Serão 22 Restaurantes apresentando deliciosos pratos da Gastronomia Amapaense nos dias 03, 04 e 05 de novembro, na Rua Mario Cruz (ao lado do Teatro das Bacabeiras), a partir da 18:00 hs.

Dentre eles já estão confirmados:

• Bill Burguer
• Cantinho Baiano
• Cenário Eventos
• Divina Arte
• Espaço 3
• Estaleiro
• Japan
• Macapaba
• Plutão
• Regini’s Buffet
• Sarney
• Só assados
• Sorveteria Guri
• Tchoy
• Tok Grill
• Waldyr Buffet

O valor da degustação será apenas R$ 10,00!!!!