Oficina de Roteiros para HQ´s


O Coletivo AP Quadrinhos continua com o seu processo de formação dos seus membros e comunidade. Nesta quinta (30) e sexta-feira (31) de agosto, no auditório do Museu da Imagem e do Som do Amapá (MIS/AP), será ministrada uma oficina de roteiro para história em quadrinhos com o roteirista Gian Danton. O encontro ainda contará com exibição do documentário ” o Roteirista”.


Trailer do documentário: 


Serviço:  Oficina de Roteiros para HQ´sPalestrante: Ivan CarloLocal: MIS, localizado no 2º piso do Teatro das Bacabeiras.Data: 30 e 31 de agosto de 2012. Hora: 18:30h. Entrada: Franca! Fonte: http://marypaes.blogspot.com.br/

Escritora amapaense Alcinéa Cavalcante lança obra “Paisagem Antiga”, na Bienal Internacional do Livro, em São Paulo


A jornalista e escritora amapaense, Alcinéa Cavalcante, lança hoje (17), das 14h às 16h, na Bienal Internacional do Livro,  o livro “Paisagem Antiga” .

Informações: 

Editado pelo Grupo Editorial Scortecci, com prefácio de Paulo Tarso Barros (presidente da Associação Amapaense de Escritores), o livro tem cem páginas  e é dividido em duas partes: poemas e crônicas. A ilustração da capa, que retrata a minha rua nos anos 70,  foi feita pela desenhista amapaense Ana Maria Vidal Barbosa.O lançamento será no estande da Editora Scortecci e Rede Brasileira de Escritoras (Rebra).

O prefácio de Paisagem Antiga

O que dizer dos textos de Alcinéa – os poéticos e os que, não sendo necessariamente poesias, mas crônicas, ou “cronipoemas”, estão recheados de cores (a primazia do azul infinito), sabores, ternuras, estrelas, flores, pássaros, borboletas, amores e até camaleão – ou seria iguana?

Leio tudo, como se dizia antigamente, de um fôlego, e percebo que os poemas e os “cronipoemas” estão com as palavras exatas, sem aqueles esquadrões de adjetivos.

Parece que sua mão de poeta e mente treinada nos textos claros, objetivos e sintéticos do jornalismo, ao juntar a alquimia verbal que o seu estilo poético inato tão bem o demonstra, surgem imagens plenas de ternura, sensibilidade e aquela saudade e nostalgia dos tempos da infância que ficou cristalizada na memória poética – que tem o dom de captar o sentido do belo como se plantasse em um jardim flores multicoloridas que desabrochariam ao nascer do sol e continuariam a embelezar a noite, o orvalho e as estrelas – principalmente as azuis da sua Via Láctea setentrional.

Alcinéa Cavalcante teve o privilégio de desenvolver seu próprio estilo, de uma leveza admirável, cheio de nuances, de frases sintéticas que atingem a essência da poesia lírica. São versos que fluem no texto como a leve e cálida brisa equatorial que nos afaga nas noites de poesia, a impulsionar suavemente os seres angelicais tão presentes na sua vida e obra.

Não é só um jogo de palavras quando ela confessa: “Vivo do ato de escrever”. E escrevendo registra seus sentimentos de forma a nos seduzir, a nos convidar a percorrer, de mãos dadas, pelos poemas que escolheu para consolidar seu lugar de destaque na poesia brasileira contemporânea.

A bela e comovente crônica que revisita a memória sagrada da professora Delzuite Cavalcante, sua mãe, a traz de volta, a coloca mais uma vez no plano existencial e familiar como se ela estivesse em viagem, ou mesmo dando aulas ou fazendo um café na cozinha para servir à família numa manhã morna e calma da Macapá territorial. É um texto construído com sentimento, da sua história de vida, mas que atinge a dimensão universal do amor filial, do infinito amor que tece os sustentáculos da nossa existência e nos torna mais fraternos.

Paulo Tarso Barros

SESC abre inscrições para o Projeto SESCanta 2012


Com o objetivo de valorizar os cantores e compositores da terra, o SESC Amapá está abrindo as inscrições para o Projeto SESCanta 2012, que tem por objetivo a valorização de compositores, músicos, intérpretes e grupos musicais amapaenses. Pretendem-se estimular a criatividade artística, e fazer com que todos os segmentos ligados à arte participem do evento, com destaque principal as atividades musicais. A amostra atinge, além dos grandes nomes da música amapaense, um grande número de novos compositores, músicos, cantores e grupos, criando oportunidades para que estes mostrem suas produções. 

Com essa realização, o SESC Amapá oportuniza a comunidade em geral o acesso a um rico e diversificado panorama de formas e estilos musicais que poderão ser percebidos nos dias de apresentação da Mostra. Poderão se inscrever músicos, cantores, compositores, intérpretes e grupos musicais de todo o Estado do Amapá, onde cada candidato deverá obrigatoriamente apresentar três músicas de autoria própria e de livre tendência, inclusive instrumental, sendo que uma das canções deverá ser original e inédita.

Regulamento e ficha de inscrição no site: www.sescamapa.com.br

Ascom/Sesc

Festa de São Joaquim, no Curiaú, começa nesta quinta-feira


Acontece nesta quinta-feira, 9, na comunidade quilombola do Curiaú, a abertura das festividades em louvor a São Joaquim. A festa tradicional se estende até o dia 18 de agosto. O evento tem apoio do governo do Estado, através das secretarias de Políticas para Afrodescendentes (Seafro), de Turismo (Setur), Indústria e Comércio (Seicom), Comunicação (Secom) e Cultura (Secult). A comunidade recebeu, via Secult, R$ 12 mil para o festejo do padroeiro da comunidade.

A abertura está marcada para às 12h de quinta-feira, na maloca da Tia Chiquinha. Durante nove dias, São Joaquim será festejado com ladainhas, folias, batuque e levantamento do mastro. É uma das mais importantes festas tradicionais da comunidade do Curiaú.

“O governo cumpre, mais uma vez, seu papel de apoiar a realização das festas tradicionais. Com a festa de São Joaquim e com a comunidade do Curiaú não poderia ser diferente”, argumenta a secretária da Seafro, Neucirene Almeida de Oliveira.

Confira a programação completa:

Quinta-feira: 9/08/2012 – Abertura Oficial
– Local: Maloca da Tia Chiquinha – Início: 12h

De 10 a 13/08/2012 – Novena
– Local: Igreja de São Joaquim – 20h

Terça-feira: 14/08/2012
– Novena – Local: Igreja de São Joaquim – 20h
– Batuque – Local: Sede São Joaquim – 22h

16/08/2012 – Novena
– Local: Igreja de São Joaquim – 20h

Sexta-feira: 17/08/2012
– Novena – Local: Igreja de São Joaquim – 20h
– Batuque – Local: Sede São Joaquim – 22h

Sábado: 18/08/2012
– Missa – Local: Igreja de São Joaquim – 16h
– Procissão – 17h
– Ladainha/Folia – Local: Igreja de São Joaquim – 18h
– Baile Dançante – Local: Sede São Joaquim – 22h

Gabriel Penha/Seafro

Galeria Alcy Araújo será inaugurada nesta sexta-feira, na Biblioteca Elcy Lacerda


Será inaugurada nesta sexta-feira, 3, às 18h, na Biblioteca Pública Elcy Lacerda, a Galeria Alcy Araújo. Um espaço dedicado a exposições, lançamentos de livros e encontros literários num cantinho especial, cujo nome homenageia um dos mais conhecidos e respeitados poetas que escolheu o Amapá para viver. Na Galeria ficarão expostos manuscritos, cinzeiro, livros, fotos, escrivaninha, a primeira máquina datilográfica do poeta, caneta, entre outros objetos pessoais de Alcy Araújo.

O acervo foi doado à Biblioteca pelos filhos do escritor, tendo à frente a jornalista e também escritora Alcinéa Cavalcante, que acompanha diretamente os trabalhos de estruturação da Galeria desde a reinauguração da Elcy Lacerda, em abril deste ano.

A solenidade contará com a presença de escritores, estudantes, autoridades locais, família e amigos de Alcy Araújo. A Biblioteca Estadual Elcy Lacerda é um órgão vinculado à Secretaria de Estado da Cultura (Secult).

Conheça a trajetória profissional e de vida de Alcy Araújo:


Alcy Araújo Cavalcante, paraense da Vila de Peixe-Boi, município de Igarapé-Açu, nasceu no dia 

7 de janeiro de 1924. Na capital paraense estudou na Escola de Aprendizes Artífices, tornandose marceneiro, mas sua vocação era mesmo para as letras e, a partir de 1941, trabalhou nos jornais Folha do Norte, O Liberal, Imparcial e O Estado do Pará. Chegou a Macapá em 1953 e logo ingressou no serviço público como redator do Gabinete do governador Janary Nunes.

Foi chefe de Gabinete do governador Amílcar Pereira, diretor da Imprensa Oficial, oficial de Gabinete, chefe de Expediente da Secretaria Geral do Governo, trabalhou como assessor administrativo na Câmara Municipal e foi diretor da Rádio Difusora.

Trabalhou em muitos jornais, revistas e rádio, sempre esteve envolvido com atividades culturais e intelectuais do Amapá, principalmente a literatura, adotou vários pseudônimos para publicar artigos na imprensa, visando driblar a vigilância dos governantes militares. 

Foi casado com a professora Delzuíte Maria Cavalcante, sua primeira esposa, com quem teve os filhos: Alcione Maria, Alcinéa Maria, Alcy Araújo Filho e Alcilene Maria. Com a segunda esposa, Maridalva Rodrigues dos Santos, teve cinco filhas: Astrid Maria, Aline Maria, Aldine Maria, Adriane Maria e Alice Maria.


Obras publicadas: 

Autogeografia (1965), Poemas do Homem do Cais (1983). Participou, em 1988, da Coletânea Amapaense. Em 1997, Alcinéa Cavalcante, em parceria com a Associação Amapaense de Escritores (Apes), publicou mais uma obra poética: Jardim Clonal. Por iniciativa de Alcinéa, seus poemas são constantemente publicados em antologias, como a Coletânea Contista do Meio do Mundo (2010). Deixou várias obras inéditas em prosa e verso. Alcy Araújo faleceu no dia 22 de abril de 1989.

Nas palavras de Hélio Pennafort, “Alcy foi um competente boêmio, sagaz jornalista, um incomparável versejador e um carnavalesco de escola, honrado com a malemolência do seu gingado o codinome ‘Nenê da Pedreira’, que trouxe de Belém. Titio Alcy foi um dos mais macapaenses de todos os paraenses que ajudaram a desenvolver e animar a cidade“.

Rita Torrinha/Secult

Fim de Tarde no Museu apresenta nesta quinta-feira a cantora Lady Púrpura e a poetisa Bárbara Castro

Mais uma programação especial foi organizada para esta quinta-feira, 2, no projeto “Fim de Tarde no Museu”, na Praça do Pequeno Empreendedor Popular do Museu Sacaca. A atração ficará por conta de Lady Púrpura, uma cantora eclética, com voz profunda e sensual que transita por todos os ritmos musicais nas noites amapaenses.

Entre uma canção e outra haverá apresentação da atriz e poetisa Bárbara Castro, que é das bandas de cá, mas desenvolve sua trajetória profissional no Rio de Janeiro. De férias em Macapá, a artista vai brindar o público com uma bela performance.

As apresentações artístico-culturais do Museu Sacaca, elaboradas pela Coordenação de Eventos Culturais, estão voltadas ao público visitante de todas as idades. O principal objetivo é valorizar e difundir a produção artística e cultural do Amapá enquanto patrimônio do seu povo, possibilitando conhecer a música, a poesia e a gastronomia regional e interagindo com os artistas e produtores culturais.

O projeto “Fim de Tarde no Museu” acontece todas às quintas-feiras, das 17h30 às 22h, na Praça da Alimentação do Pequeno Empreendedor Popular, onde a poesia e a música amapaense se encontram para o deleite dos visitantes.

Angela Andrade & Graça Viana Jucá/Iepa

A importância do ato de ler (*)


Se leio, conheço. Se conheço mais é porque leio sempre.
Ler é descobrir, interpretar e ampliar a visão das coisas.
Ler é conhecer, conhecer é ler.
O ato de ler revela o mundo e dá novo sentido à vida.
Ler é ter acesso ao conhecimento do mundo.
A ação de ler é como a de alimentar-se. Corpo e alma precisam de nutrientes.
Quem quer participar ou criticar precisa ler.
Ler é lazer, é prazer, é necessidade.
Quem lê interpreta seu próprio tempo.
Toda cidadã ou cidadão participante é aquele que lê.
Cidadã ou cidadão que lê sabe de seus direitos.
Criança que lê sonha mais, pensa maior, tem mais imaginação.
Ler não cansa, faz sonhar.
A leitura é um ato necessário. Quem lê vive melhor e sabe mais.
Quem quer progredir lê mais.
Quem lê erra menos.
Ler é libertar-se.
Quem lê participa da emoção de quem escreve.

O PRINCÍPIO DA LIBERDADE ESTÁ EM DEMOCRATIZAR O ACESSO AO ATO DE LER.

(Fernando Canto)

(*) Texto publicado no informativo da Biblioteca Elcy Lacerda, s.d.

Espaço de Arte Catita Clube abre as portas hoje

– É verdade que o catita clube vai abrir sexta?
– É pô, vai rolar maior onda lá.
– Qual é o papo?
– Dona Maria construiu uma casa na década 70, que era embrionada com a primeira oficina de táximetro da Macapá
– Essa ai da foto é?
– Isso, nessa epóca o poeirão era um descampado e o açude do zezinho ainda era meio que uma fazenda..
– sim.. .E quem é dona maria já?
– A mãe do Ronaldo e do ricardo, pô, do skate. tá ligado não?
– Mais ou menos…lá que rolava umas festas nos anos 90 nera?
– Aham, Little big e cia, altos piseiro rolava, e a galera que vinha de santana pra andar de skate aqui em Macapá, dormia lá tb.. era maior limpeza.
– Pode crê.
– Depois virou negócio de umes, une, sei lá, coisa de estudante politico..
– Sim…e qual é desse catita club e esse negócio da sexta?
– Esses porra tão é doido lá, tá tudo pintado, e uns quadros, tipo galeria, disque vai rolar umas bandas também. Terá stereovitrola tirando ums sons novos e a primeira apresentação do sósia.
– O sósia?
– É, a banda do zézinho.
– Zézinho do açude?
– Não pô, zézinho do zerão.
– Vixe, lá vem meu ônibus, quanto é pra entrar lá?
– É de grátis. falou.
– Maior limpeza. valeu.

                                                                      Galera do Catita Club 

Serviço: 

No Espaço de Arte Catita Clube rolarão exposições e venda de material artístico. 
Endereço: Av. Fab 2385, bairro Santa Rita. 
Data: 20/07/2012.
Horário: 20h.