Samba no Mercado Central nesta sexta-feira, 14


O Movimento Cultural Perfil do Samba e a Associação dos Amigos do Mercado Central tem a honra de convidar Vossa Senhoria e família para participar do Projeto SAMBA NO MERCADO CENTRAL, que reúne um bom papo, o resgate das raízes através do Samba e Marabaixo, a valorização do Patrimônio Histórico e Cultural Amapaense e incentiva a iniciativa privada, que se realizará nesta sexta-feira, dia 14/09/2012, a partir das 19horas.

Atrações:
GRUPO GENTE DA GENTE
GRUPO PERFIL DO SAMBA
Grupo de Marabaixo:
MARABAIXO DA DICA CONGÓ

Fonte: http://www.correaneto.com.br/site/

Primeiro “Sarau do Largo dos Inocentes”


A Confraria Tucuju, através de seu Ponto de Cultura incentivado pelo Ministério da Cultura, dá inicio nesta quinta-feira (06 de setembro) a edição 2012 do Projeto “Sarau do Largo dos Inocentes” que tem por objetivo transformar o Largo, centro histórico de nossa capital, local onde iniciou a Vila de São José de Macapá, num espaço de convergência de manifestações culturais, valorizando assim nossa história e nossa cultura. Além de Proporcionar à comunidade de Macapá a oportunidade de assistir e participar de espetáculos musicais, exposições de artes plásticas, artesanato, literatura, folclore e fotografia, assim como de adquirir produtos culturais oriundos de artistas locais.

Este primeiro evento, dentro de sua formatação, traz ao público 15 (quinze) barracas com exposições e comercialização de nossas manifestações culturais, homenagem a Poeta Carla Nobre, show musical de abertura com Willian Cardoso & Banda Rio- com participação de Oneide Bastos, Celine Guedes e Ingrid Sato, encerrando com o show musical “Canta Brasil” com Brenda Melo e grande final.

É a Confraria Tucuju, com a competente gestão da Dra. Telma Duarte, cumprindo a missão de “preservar o folclore, incentivar a arte e fazer história”.

ASCOM- CONFRARIA TUCUJU

Casa Fora do Eixo Amapá recebe a Comissão Nacional de Incentivo à Cultura


De 03 a 05 de setembro, Macapá sediará a 201ª reunião da Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC) do Ministério da Cultura (MinC), formada por técnicos do Ministério da Cultura (MinC) que irão avaliar projetos que pleiteiam autorização para captação de recursos com apoio na Lei Rouanet (nº 8313/91). Além disso, a comitiva visitará equipamentos culturais na capital que tiveram projetos contemplados em programas e editais via Lei Rouanet e, dentre eles está a Casa Fora do Eixo Amapá. 

A Casa FdE Amapá é um espaço de fruição, residência artística, escritório e hospedagem solidária, responsável por receber constantemente agentes culturais de todo o país interessados em trocar experiências e conhecimento. Entre suas metas consta promover o intercâmbio de conhecimentos em todos os estados que abrigam pontos da rede Circuito Fora do Eixo. 

Em 2011, aprovou o projeto para a realização da 4º Edição do Festival Quebramar. Este ano, a Casa Fora do Eixo Amapá já aprovou quatro projetos: 5ª Edição do Festival Quebramar, a realização da I Edição da Semana do Audiovisual (SEDA) e a gravação do primeiro CD da banda amapaense Mini Box Lunar, além de aprovações em  inúmeros editais da Ministério da Cultura. 

Segundo um dos gestores da Casa Fora do Eixo Amazônia, Otto Ramos, essa é uma oportunidade que produtores e agentes culturais do estado terão para o fortalecer e potencializar a política de editais no Amapá. 

“É importante a comitiva da CNIC visualizar que possuímos produtores que estão se qualificando e, para o produtor, uma oportunidade de estreitar as relações com a comissão”, enfatizou Ramos. E completou. “Todos os viventes e moradores da Casa Fora do Eixo Amapá estão contentes com a inserção do local no roteiro de visitas, isso estimula cada vez mais nosso trabalho. A Casa  torna-se um canal de aproximação da equipe da CNIC com os produtores parceiros da nossa Casa”, finalizou. 

A visita acontece nesta quarta-feira, 5, na Casa Fora do Eixo Amapá, a partir das 9h.

Serviço: 

Visita da Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC) do Ministério da Cultura (MinC)
Local: Casa Fora do Eixo Amapá (Avenida Henrique Galúcio, 829 – Centro)
Data: 05/09/2012
Horário: a partir das 9h
Para mais informações: http://www.secult.ap.gov.br/
— 
Assessoria de Comunicação
(96) 8127-8495/ 3225-1281
@karenpimenta_
skype: karenpalafita

Casa Fora do Eixo Amazônia/ Casa Fora do Eixo Amapá

Domingo na Casa



Casa Fora do Eixo Amapá realiza no dia 2 de setembro mais uma edição do Domingo na Casa, dessa vez com a participação do cantor Ruben e a banda Dub Storms da Guiana Francesa. 


A programação inicia às 16h com discotecagem do DJ Thalles Silva e quem decide o valor dos ingressos é o público por meio da campanha “Quanto vale o Show?”, onde o público paga o valor que achar justo na saída.

Fim do Disgosto


O Catita Clube e a Zombie Produças, realizam neste sábado, 1 de setembro, às 19h o evento ”Fim do Disgosto” – pra começar setembro exorcizando as mazelas do mês 8. Vai rolar o ensaio aberto das bandas Mental Caos, Carnal Reamais e Anonymous Hate. Ingresso somente 5 contos, revertidos em consumo. 

Serviço: 

Fim do Disgosto – pra começar setembro exorcizando as mazelas do mês 8.
Local: Espaço de Arte Catita Clube. 
Endereço: Av. Fab 2385, bairro Santa Rita. 
Data: 01/09/2012.
Horário: 19h.

Hoje, o Coletivo Palafita realiza 2º edição do Cabaré Fora do Eixo


O grupo cultural Coletivo Palafita realiza nesta sexta-feira (31), às 19h, na Casa Fora do Eixo, a segunda edição do Cabaré Fora do Eixo. O evento contará com a participação de parceiros das diversas frentes que compõem o Circuito Fora do Eixo, venda de produtos artísticos e bebidas.

Artes cênicas, Literatura e muita Música para todos! E o mais legal é que o público é quem decide o valor do ingresso no evento, a final, a gente, também quer saber “Quanto Vale o Show?”. E quem vai responder isso é você, que pode opinar sobre o evento, as apresentações artísticas e contribuir com um valor a ser pago na saída do Cabaré. (Simples assim: o público paga o valor que achar justo na saída.)

Programação:

MÚSICA: bandas Ekinócio Band e Sansara Maya. ARTES CÊNICAS: peças “A Língua Solta do Palhaço Joca” (Grupo Eureca) e “CART’S” (Cia. Supernova). LITERATURA:“Poemas (A)gosto” (Fora do Eixo Letras / Grupo Respingo). ARTES INTEGRADAS:“Patativa, Um Verbo Poético” (Cia. Tucuju).

Serviço: 

Cabaré Fora do Eixo 
Atrações: Aapresentações de Teatro, Poesia e Música.
Local: Casa Fora do Eixo, localizada na Avenida Henrique Galúcio, Nº 820, centro de Macapá.
Hora: a partir das 19h.
Entrada: você que decide, pois será paga na saída do evento.

Companhia do DF apresenta o espetáculo infantil “Os Meninos Verdes”, de Cora Coralina


Através da manipulação de bonecos, a companhia brasiliense Voar Teatro de Bonecos vai encantar o público infantil com o espetáculo recheado de fantasias “Os Meninos Verdes”, montagem adaptada do livro homônimo de Cora Coralina – uma fábula que conta a história de duendes sapecas, que surgem no jardim da vó Cora. O espetáculo será nos dias 1º e 2 de setembro, no Teatro das Bacabeiras. No dia 31, o grupo ministrará uma oficina de manipulação de bonecos, no Teatro Porão do Sesc Araxá, das 19h às 22h.

O projeto de circulação nacional consiste em levar o espetáculo para completar o circuito nacional com apresentações nos únicos estados ainda não atingidos pelo grupo: Amapá, Acre, Amazonas, Bahia, Piauí e Sergipe. Este espetáculo é da autora goiana Cora Coralina, com adaptação de Marco Augusto, diretor da Cia. Voar, e trata das dificuldades em lidar com as diferenças. É direcionado ao público infantil, mas de abrangência a toda a família. A peça foi agraciada pelo Fundo de Apoio à Cultura, edital 2011 para execução em 2012.

Na história, Os Meninos Verdes conquistam o afeto da poetisa, vó Cora, através de suas brincadeiras, estripulias, do exercício da imaginação e da pureza. Tudo com simplicidade, assim como no livro, onde a autora usou ternura para narrar meninices, brincadeiras e sonhos, provocando a identificação não somente nas crianças, mas também nos adultos.

A Companhia Voar Teatro de Bonecos teve sua fundação em 2003, possuindo oito anos de trabalhos ininterruptos com um vasto histórico de apresentações em sua cidade de origem, Brasília (DF) e por vinte estados do país, em diversos festivais de teatro, sempre selecionado através de inscrições e/ou editais e também participação por convites, além de ter conquistado várias premiações.

Em Macapá, o espetáculo conta com a produção do Coletivo de Artistas Amazourbanidade e apoio do governo do Estado, por intermédio da Secretaria de Estado da Cultura, Sesc Amapá, Movimento Cultural Desclassificáveis, Rede Amazônia de Artes, Restaurante Norte das Águas, Academia Amapaense de Circo, Museu da Imagem e do Som (MIS).

Confira a programação:

Espetáculo: “Os Meninos Verdes”

Dias:

31 de agosto – Das 19h às 22h / Oficina de Manipulação de Bonecos, no Teatro Porão do Sesc Araxá

1º de setembro (sábado) – Seções às 10h e às 14h – no Teatro das Bacabeiras.

2 de setembro (domingo) – Seção às 14h – no Teatro das Bacabeiras

Ingresso: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia)

Rita Torrinha/Secult

Hoje, espetáculo “Anatomia Frozen” entra em cartaz no Teatro das Bacabeiras


Sucesso de crítica e de público, os amapaenses terão a oportunidade de conhecer o espetáculo “Anatomia Frozen”, obra de Bryony Lavery, adaptada para o teatro pela premiada Companhia Razões Inversas, de São Paulo. A montagem está em turnê pelas capitais do Norte e Centro-Oeste do Brasil e se apresentará no Teatro das Bacabeiras nos dias 28 e 29 de agosto, às 19h30. A produção local é do Coletivo Amazourbanidade. A bilheteria será 50% destinada a alunos de escolas públicas, gratuitamente; os outros 50% têm o valor de R$ 15 (inteira) e R$ 7,50 (meia).

“Anatomia Frozen” é um drama perturbador sobre a violência contra a criança. Os artistas Andreazza e Marcello se revezam em personagens entrelaçados, no encontro de um pedófilo com sua psiquiatra e a mãe de uma vítima, recheado de tensão.

Em 2010, por meio do Prêmio Myriam Muniz, o espetáculo percorreu todas as capitais do Nordeste, reforçando o debate e promovendo o diálogo artístico acerca do tema da pedofilia e violência contra a criança. O sucesso dessa experiência levou a ampliar o projeto, por meio do Prêmio Procultura, às capitais das regiões Norte e Centro-Oeste, incluindo o Distrito Federal.

No período de 11 de agosto a 24 de setembro de 2012, além das apresentações do espetáculo em cada capital, serão realizados debates com a presença de profissionais da área social e médica, promovendo também o intercâmbio artístico com grupos de teatro locais, propondo o debate sobre o cientificismo na arte e seus desdobramentos sociais.

“Anatomia frozen”

Em 2009, a atriz e produtora Rachel Ripani apresentou à Companhia Razões Inversas o texto “Frozen”, de Bryony Lavery, com sua tradução. O interesse pela forte temática do texto levou a Companhia a reunir a mesma equipe do premiado “Agreste”, o diretor Márcio Aurélio e os atores Joca Andreazza e Paulo Marcello, para a criação do espetáculo “Anatomia Frozen”, em coprodução com a Raquel Ripani Produções.

O espetáculo estreou em 11/06/2009 dentro do projeto Vitrine Cultural e cumpriu temporada regular em São Paulo, obtendo o reconhecimento da crítica especializada e o sucesso de público. Recebeu o Prêmio Funarte – Myriam Muniz de Teatro, circulando por todas as capitais do Nordeste, e os Prêmios APCA de melhor diretor e CPT de melhor elenco, além da indicação para o Prêmio Shell de melhor diretor.

Sinopse

“Anatomia Frozen” apresenta três narrativas que se entrelaçam: uma psiquiatra americana que escreve uma tese sobre assassinatos em série, um pedófilo e assassino em série condenado à prisão perpétua na Inglaterra e a mãe de uma de suas vítimas, a garotinha Nina, que desapareceu aos dez anos de idade. Esses três personagens que se encontram congelados em seus estados emocionais são dissecados pela encenação em um ambiente asséptico, cirúrgico, no qual podemos observar a anatomia da violência e da psicopatia social.

Razões Inversas

Criada em 1990 pelo premiado diretor Márcio Aurélio e pela primeira turma de formandos do curso de Artes Cênicas da Unicamp, a Companhia Razões Inversas obteve o reconhecimento da qualidade de seus trabalho pela crítica, prêmios e do público que acompanha suas criações como as premiadas “Agreste”, “Senhorita Else”, “A Bilha Quebrada”, “A Arte da Comédia”, entre tantos espetáculos apresentados no Brasil e no exterior.

Em 2012, a Companhia Razões Inversas completa vinte e dois anos de existência mantendo como principal característica uma metodologia de trabalho voltada para o constante processo de formação técnica e intelectual dos intérpretes e demais artistas, criando um ambiente de pesquisa e posicionamento ativo do ator, investigador das possibilidades de eficiência e qualidade de expressão cênica.

Com informações da Assessoria de Imprensa de Razões Inversas

Rita Torrinha/Secult

Oficina de Roteiros para HQ´s


O Coletivo AP Quadrinhos continua com o seu processo de formação dos seus membros e comunidade. Nesta quinta (30) e sexta-feira (31) de agosto, no auditório do Museu da Imagem e do Som do Amapá (MIS/AP), será ministrada uma oficina de roteiro para história em quadrinhos com o roteirista Gian Danton. O encontro ainda contará com exibição do documentário ” o Roteirista”.


Trailer do documentário: 


Serviço:  Oficina de Roteiros para HQ´sPalestrante: Ivan CarloLocal: MIS, localizado no 2º piso do Teatro das Bacabeiras.Data: 30 e 31 de agosto de 2012. Hora: 18:30h. Entrada: Franca! Fonte: http://marypaes.blogspot.com.br/

Escritora amapaense Alcinéa Cavalcante lança obra “Paisagem Antiga”, na Bienal Internacional do Livro, em São Paulo


A jornalista e escritora amapaense, Alcinéa Cavalcante, lança hoje (17), das 14h às 16h, na Bienal Internacional do Livro,  o livro “Paisagem Antiga” .

Informações: 

Editado pelo Grupo Editorial Scortecci, com prefácio de Paulo Tarso Barros (presidente da Associação Amapaense de Escritores), o livro tem cem páginas  e é dividido em duas partes: poemas e crônicas. A ilustração da capa, que retrata a minha rua nos anos 70,  foi feita pela desenhista amapaense Ana Maria Vidal Barbosa.O lançamento será no estande da Editora Scortecci e Rede Brasileira de Escritoras (Rebra).

O prefácio de Paisagem Antiga

O que dizer dos textos de Alcinéa – os poéticos e os que, não sendo necessariamente poesias, mas crônicas, ou “cronipoemas”, estão recheados de cores (a primazia do azul infinito), sabores, ternuras, estrelas, flores, pássaros, borboletas, amores e até camaleão – ou seria iguana?

Leio tudo, como se dizia antigamente, de um fôlego, e percebo que os poemas e os “cronipoemas” estão com as palavras exatas, sem aqueles esquadrões de adjetivos.

Parece que sua mão de poeta e mente treinada nos textos claros, objetivos e sintéticos do jornalismo, ao juntar a alquimia verbal que o seu estilo poético inato tão bem o demonstra, surgem imagens plenas de ternura, sensibilidade e aquela saudade e nostalgia dos tempos da infância que ficou cristalizada na memória poética – que tem o dom de captar o sentido do belo como se plantasse em um jardim flores multicoloridas que desabrochariam ao nascer do sol e continuariam a embelezar a noite, o orvalho e as estrelas – principalmente as azuis da sua Via Láctea setentrional.

Alcinéa Cavalcante teve o privilégio de desenvolver seu próprio estilo, de uma leveza admirável, cheio de nuances, de frases sintéticas que atingem a essência da poesia lírica. São versos que fluem no texto como a leve e cálida brisa equatorial que nos afaga nas noites de poesia, a impulsionar suavemente os seres angelicais tão presentes na sua vida e obra.

Não é só um jogo de palavras quando ela confessa: “Vivo do ato de escrever”. E escrevendo registra seus sentimentos de forma a nos seduzir, a nos convidar a percorrer, de mãos dadas, pelos poemas que escolheu para consolidar seu lugar de destaque na poesia brasileira contemporânea.

A bela e comovente crônica que revisita a memória sagrada da professora Delzuite Cavalcante, sua mãe, a traz de volta, a coloca mais uma vez no plano existencial e familiar como se ela estivesse em viagem, ou mesmo dando aulas ou fazendo um café na cozinha para servir à família numa manhã morna e calma da Macapá territorial. É um texto construído com sentimento, da sua história de vida, mas que atinge a dimensão universal do amor filial, do infinito amor que tece os sustentáculos da nossa existência e nos torna mais fraternos.

Paulo Tarso Barros

SESC abre inscrições para o Projeto SESCanta 2012


Com o objetivo de valorizar os cantores e compositores da terra, o SESC Amapá está abrindo as inscrições para o Projeto SESCanta 2012, que tem por objetivo a valorização de compositores, músicos, intérpretes e grupos musicais amapaenses. Pretendem-se estimular a criatividade artística, e fazer com que todos os segmentos ligados à arte participem do evento, com destaque principal as atividades musicais. A amostra atinge, além dos grandes nomes da música amapaense, um grande número de novos compositores, músicos, cantores e grupos, criando oportunidades para que estes mostrem suas produções. 

Com essa realização, o SESC Amapá oportuniza a comunidade em geral o acesso a um rico e diversificado panorama de formas e estilos musicais que poderão ser percebidos nos dias de apresentação da Mostra. Poderão se inscrever músicos, cantores, compositores, intérpretes e grupos musicais de todo o Estado do Amapá, onde cada candidato deverá obrigatoriamente apresentar três músicas de autoria própria e de livre tendência, inclusive instrumental, sendo que uma das canções deverá ser original e inédita.

Regulamento e ficha de inscrição no site: www.sescamapa.com.br

Ascom/Sesc