1º de abril: hoje é o Dia da Mentira

Conforme a mitologia nórdica, o 1º de abril é o Dia consagrado ao deus Loki, dos truques e das brincadeiras, culto que teria posteriormente gerado o Dia da Mentira. Também li que o motivo é que: “Em 1564, depois da adoção do calendário gregoriano, o rei Carlos IX de França determinou que o ano novo seria comemorado no dia 1 de janeiro. Alguns franceses resistiram à mudança e continuaram a seguir o calendário antigo, pelo qual o ano iniciaria em 1 de abril. Gozadores passaram então a ridicularizá-los, a enviar presentes esquisitos e convites para festas que não existiam. Essas brincadeiras ficaram conhecidas como plaisanteries”. Bom, dizem que é isso, mas pode ser mentira.

No Brasil, o primeiro de abril começou a ser difundido em Minas Gerais, onde circulou A Mentira, um periódico de vida efêmera, lançado em 1º de abril de 1828, com a notícia do falecimento de Dom Pedro, desmentida no dia seguinte. A Mentira saiu pela última vez em 14 de setembro de 1849, convocando todos os credores para um acerto de contas no dia 1º de abril do ano seguinte, dando como referência um local inexistente.

Todos mentimos, muito ou pouco, pois faz parte do convívio social. E não somente hoje, mas o ano todo, a vida toda. Existem mentiras e mentiras. Pode ser uma simples desculpa para não ir a uma festa ou faltar ao trabalho. O problema é quem mente o tempo todo e que possui uma máscara para cada situação. Conheço alguns assim. Outros acham que sou assim, uma mentira. Logo eu, um cara tão verdadeiro. Mentira?

Gente que mente para aparecer, para parecer mais competente ou mais inteligente. Nego que conta lorotas para se firmar dentro de um grupo ou puxar o saco de alguém que ele imagina que pode lhe beneficiar de alguma forma.

Apesar de trabalhar com comunicação institucional há 14 anos, o que muitos confundem com mentir e puxar-saco, não sou dado a essas práticas. Prefiro trampar com afinco, respeito e franqueza. Quem me conhece sabe: isso NÃO é mentira.

Sinto muito pelos mentirosos compulsivos, mais ainda pelos que mentem por grana, pois já perderam sua essência, respeito de colegas e suas almas. Gosto das brincadeiras e da ironia que envolvem o primeiro dia de abril, mas pensem em suas mentiras cotidianas. Elas fazem mal somente a você ou prejudicam muita gente?

Conheço várias pessoas que são uma grande mentira. Gente que tenta parecer algo que não é e que nunca será. Pessoinhas que vivem a vida dos outros, sempre contando causos que ouviram e tentam fazer com que acreditem que elas vivenciaram tais fatos.

Uma mentira dá uma volta inteira ao mundo antes mesmo de a verdade ter oportunidade de se vestir”, disse Winston Churchill.

Tô pensando em largar o jornalismo, assessoria de comunicação, edição de site, deletar o De Rocha, parar de beber, talvez ser mais “eclético”, ser “fitness” (talvez começar a correr) e ir pra essas festas “legais” que os amigos tanto insistem em me convidar. Talvez faça Arquitetura, Administração ou Direito, quem sabe. Chega de ser um jornalista boêmio e rocker. Cansei.

E você, já contou sua mentirinha de hoje? Enfim, um ótimo dia e um abril feliz pra todos nós. Se possível, com poucas e inofensivas mentiras.

Elton Tavares

60 anos do Golpe Militar: ‘Temos ódio e nojo à ditadura’ discurso histórico que promulgou a Constituição do Brasil)

“Um povo que não conhece a sua história está condenado a repeti-la”, disse Edmund Burke.

Hoje, 31 de março, é o dia em que a a Ditadura Militar (que alguns chamam de “revolução”) que se implantou no Brasil, em 1964 e se estenderia por duas décadas. Após 60 anos é preciso lembrar muitos, que insistem em esquecer e exaltar o Estado de Exceção. Portanto, republico o texto abaixo:

“Temos ódio e nojo à ditadura”: discurso histórico que promulgou a Constituição do Brasil

Por Paula Adamo Idoeta

“Hoje, 5 de outubro de 1988, no que tange à Constituição, a nação mudou”, dizia sob aplausos Ulysses Guimarães, presidente da Assembleia Nacional Constituinte, em uma sessão solene e histórica do Congresso quando se promulgou a Carta que rege o Brasil atualmente.

O discurso de Ulysses passaria a ser considerado um dos mais marcantes da história recente brasileira, com uma forte defesa da Constituição que acabava de nascer e um forte rechaço da ditadura da qual o país se despedia.

“A ideia era de que se inaugurava uma nova época do Brasil, deixando o velho para trás. Era um momento de muita expectativa, sobretudo popular – as propostas da população à Assembleia Constituinte haviam chegado às milhares”, explica Francisco Carlos Teixeira da Silva, professor de História da UFRJ e que foi próximo de Ulysses Guimarães, a quem ajudou na redação de um dos artigos constitucionais.

“Foi sem dúvida um discurso histórico, embora Ulysses não tenha elaborado uma visão crítica adequada da Constituição”, agrega o historiador Daniel Aarão Reis, autor de diversos livros sobre história recente do país.

A BBC News Brasil analisa alguns dos pontos mais importantes do discurso, seu contexto histórico e a relação com o conturbado momento político atual do país.

‘Traidor da Constituição é traidor da pátria’

A partir de 15h50 daquele 5 de outubro de 1988, os brasileiros passavam a ter uma nova Constituição, com novos direitos, depois de cerca de um ano e meio de discussões sobre o texto na Assembleia Constituinte.

“Declaro promulgada. O documento da liberdade, da dignidade, da democracia, da justiça social do Brasil. Que Deus nos ajude para que isso se cumpra!”, disse Ulysses pouco antes de os constituintes – que a partir de então passariam a exercer função de congressistas – jurarem “manter, defender, cumprir a Constituição, observar as leis, promover o bem geral do povo brasileiro, sustentar a união, a integridade e a independência do Brasil”.

Em seu discurso, Ulysses advertiu que a recém-promulgada Carta não era “perfeita”.

Quanto a ela, discordar, sim. Divergir, sim. Descumprir, jamais. Afrontá-la, nunca”, declarou o presidente da assembleia. “Traidor da Constituição é traidor da pátria. (…) Temos ódio à ditadura. Ódio e nojo. Amaldiçoamos a tirania onde quer que ela desgrace homens e nações. Principalmente na América Latina.

‘Representativo e oxigenado sopro de gente’

Ulysses prossegue elogiando a participação dos brasileiros na elaboração da Carta, citando “122 emendas populares, algumas com mais de 1 milhão de assinaturas, que foram apresentadas, publicadas, distribuídas, relatadas e votadas no longo caminho das subcomissões até a reta final”.

“Há, portanto, representativo e oxigenado sopro de gente, de rua, de praça, de favela, de fábrica, de trabalhadores, de cozinheiras, de menores carentes, de índios, de posseiros, de empresários, de estudantes, de aposentados, de servidores civis e militares, atestando a contemporaneidade e autenticidade social do texto que ora passa a vigorar.”

Para Teixeira da Silva, a esperança daquele momento estava intimamente ligada ao envolvimento da população com a formulação do texto e com as garantias de direitos que a “Constituição cidadã” passava a determinar.

“A ideia de direitos inalienáveis é muito importante na Constituição”, diz ele. “A Lei Maria da Penha, a união civil homossexual, a liberdade plena de imprensa são coisas que jamais poderiam ser pensadas na ditadura.”

Aarão Reis reitera a ideia de que “havia uma atmosfera de otimismo que permeava o país”. “Muitos chamam a década de 1980 de perdida, mas foi um período de muitas vitórias, conquista de liberdade e conquista de participação, com a própria Constituição, que nunca tínhamos tido na história republicana”, diz o historiador.

‘A pretexto de salvá-la, a tiranizam’

No discurso, Ulysses fazia um alerta aos políticos e legisladores brasileiros, para que honrem suas obrigações e rejeitem a corrupção, sob o perigo de esta empurrar o país ao autoritarismo.

“A vida pública brasileira será também fiscalizada pelos cidadãos. Do presidente da República ao prefeito, do senador ao vereador. A moral é o cerne da pátria. A corrupção é o cupim da República. República suja pela corrupção impune tomba nas mãos de demagogos que, a pretexto de salvá-la, a tiranizam”, disse.

“Não roubar, não deixar roubar, por na cadeia quem roube, eis o primeiro mandamento da moral pública. Não é a Constituição perfeita. (…) Mas será útil, pioneira, desbravadora, será a luz ainda que de lamparina na noite dos desgraçados.”

É interessante notar que, logo depois (da promulgação), Ulysses Guimarães foi derrotado nas eleições de 1989. Isso ilumina um pouco o processo da época, quando se formou o chamado ‘Centrão’ (bloco de partidos que mais tarde seriam acusados de fisiologismo), que ajudou a eleger uma figura que nada tinha a ver com a Constituição de 1988 (em referência a Fernando Collor).

Fonte: BBC Brasil

*Para não esquecermos a Ditadura no Brasil e nunca mais deixar isso se repetir. Bolsonaro queria dar o segundo Golpe Militar, mas perdeu, aquele imbecil (assim como seus eleitores).

Hoje é o Dia do Revisor (meu agradecimento aos amigos que melhoram meus textos)

Hoje é o Dia do Revisor e Dia do Diagramador. Pesquisei bastante, mas não encontrei o motivo da data ser comemorada em 28 de março no Brasil. Porém, gostei de saber que existe um dia dedicado a esse fundamental profissional que lê textos à procura de possíveis deslizes do autor, atuando como fiscal da língua. É ele que atenta à ortografia, à sintaxe, à pontuação e à coerência, apontando o que deve ser ajustado aos padrões gramaticais. Um dos pioneiros na profissão de revisor foi o escritor brasileiro Machado de Assis.

Segundo o Decreto-Lei nº 972, de 17 de outubro de 1969, que regulamenta a profissão de jornalista, uma das funções que pode desempenhar é a de revisor. Ele é um profissional paciente, atento e que domina o português (ou seja lá a língua/idioma escrito ao qual corrige falhas textuais de outras pessoas). Sem curso superior específico, a função de revisor é normalmente desempenhada por quem é formado em Comunicação Social ou Letras, podendo trabalhar em uma redação de jornal ou revista, editoras de livros e em empresas de tradução.

“Define-se a revisão de texto como as interferências no texto visando à sua melhoria. Essas mudanças podem atingir palavras, frases ou parágrafos e ocorrem por cortes, inclusões, inversões ou deslocamentos. A pessoa encarregada dessa tarefa é chamada de revisor de textos, cujo papel é verificar, com o editor da matéria, orientador ou coautores, se há erros de ortografia, se a matéria está corretamente direcionada aos fatos citados, entre outros. Tratando-se de um processo de autorrevisão, as mudanças são feitas pelo próprio autor sem a ajuda de colega ou do revisor” – Wikipédia.

Apesar dos corretores ortográficos instalados em computadores, o revisor é essencial para qualquer redação jornalística. É ele que lê e relê os textos à procura de palavras e frases escritas de maneira inadequada.

Tenho muitos amigos que são excelentes revisores. Eles são a rede de proteção dos equilibristas redatores.

Mas hoje agradeço de todo o coração os meus revisores favoritos, que me ajudam na correção de textos do trabalho e para este site. São eles: Marcelle Nunes, Aloísio Menescal, Bruna Cereja e Bernadeth Farias. Também sou grato às amigas Rita Torrinha, Patrícia Andrade, entre outros que já deram essa força, além do saudoso Tãgaha Luz (in memorian), o meu principal revisor por muitos anos, mestre de redação e amigo pra sempre.

Obrigado a todos vocês por melhorarem o meu texto, muitas vezes cheio de erros de digitação, concordância ou simplesmente deixá-lo mais “suave”. Grato mesmo. Valeu, queridos!

Elton Tavares

* Fontes: Calendar Brasil, Wikipédia e O Dia da História.

Hoje é o Dia do blogueiro (já fui blogueiro, hoje edito este site, mas “viva nós!”)

Hoje, 20 de março, é o Dia do Blogueiro. A data foi escolhida em 2004, pela Blogueira CarmenC do blog No Armário da Ca (a página eletrônica não existe mais), isso num tempo em que levar um blog como profissão ainda era um ofício tido como brincadeira (apesar de muitos pensarem assim ainda hoje). A escolha foi baseada na mudança de estação, como uma sugestão para que a ideia sobrevivesse com o tempo.

Quando perguntam qual a minha profissão, digo que sou jornalista, assessor de comunicação, editor deste site e escritor. E acredito mesmo ser um bom profissional. Mas fui blogueiro por anos.

Nesta página, que antes foi um blog por cinco anos, gosto de divulgar cinema, teatro, poesia, atrações musicais, arte, enfim, cultura e todas as suas vertentes. Além de informações relevantes para a sociedade onde vivo, no caso minha Macapá e meu Estado. Ou seja, serei um eterno blogueiro.

O importante é que os nós – jornalistas profissionais, editores de sites e blogueiros – agilizamos a velocidade da notícia e a divulgação da cultura. Claro que é preciso ter responsabilidade e checar sempre a veracidade da fonte, pois não faltam disseminadores de boatos e mentiras, no afã de agradar o chefe ou dar a notícia em primeira mão.

Adoro escrever sobre tudo. Aqui dou o meu pitaco, afinal, a bola é minha, mas sempre com responsa. Ser blogueiro é partilhar experiências, divulgar, elogiar, criticar e emitir opinião, dar e receber conhecimento ou até mesmo bobagens legais.

Certa vez, escutei de um colega jornalista: “no meu ponto de vista, blogueiro é uma pessoa que quer ser famosa”. Não se trata disso, esse abestado nem sabe escrever direito…

O De Rocha é um espaço para opinião, divulgação de eventos, fomentação de cultura e entretenimento. E, se possível, de uso comercial também. Aliás, sou compulsivo em atualizar minha página. Não à toa, hoje também é o Dia do Contador de Histórias. Apropriado!

Portanto, quando gostarem de algum texto ou acharem uma merda, concordarem ou discordarem, comentem, curtam, compartilhem! É isso que dá gás para escrevermos.

Meu muito obrigado aos três mil e tantos leitores que todos os dias acessam este site. Valeu, mesmo!

Ah, um feliz Dia do Blogueiro aos que sabem a luta que é manter uma página atualizada. Parabéns aos meus colaboradores, companheiros que ajudam o De Rocha com poemas, fotos, revisões, causos e etcétera. Obrigado e viva nós!

Elton Tavares

*Só uma coisinha, essa sessão “Datas Curiosas” deste site incomoda alguns, que chegaram a reclamar de tais registros. Ainda bem que todo dia é dia de alguma profissão, atividade ou brincadeira. Acreditem, tem gente que não gosta. Mas são somente os amarguinhos que encontramos pela vida.

 

Hoje é Dia de São José. Viva o santo padroeiro do Amapá!

Hoje é o Dia de São José de Nazaré, esposo de Maria, pai de Jesus Cristo e padroeiro do Amapá. Por conta da profissão do santo, hoje também é Dia do Carpinteiro e Dia do Marceneiro. São José, que também é padroeiro dos trabalhadores e padroeiro da Bélgica.

Amo o Amapá e Macapá. Nasci e me criei aqui. Por isso, peço a “São Jusa” que interceda para resolver os problemas do nosso povo. São tantas mazelas para uma capital tão pequena.

São José não protege somente a nós, amapaenses, mas todos que para cá vem viver e contribuir para a melhoria de nossa terra. Pena que, como santo, ele não pune os que só sugam, saqueiam e ainda desdenham deste nosso lugar no mundo.

O feriado

Desde a criação de Macapá, São José sempre foi o padroeiro da capital amapaense, mas uma Lei Estadual de 2012 oficializou o santo padroeiro do Amapá, o que fez do dia 19 de março feriado em todo o Estado.

São José é o santo que nunca cansou de ficar de pé na Pedra do Guindaste, de frente para o Amazonas, sempre “vigiando” a nossa capital, contra maldades exteriores.

Enfim, não sou muito religioso, mas respeito a crença de todos. Como diz a canção: “Ô São José da Beira Mar, protegei meu Macapá…”.

Viva o santo carpinteiro, valei-me meu São José!

Elton Tavares

Há 26 anos, morreu o genial Tim Maia #TimMaia

Hoje faz 26 anos que Sebastião Rodrigues Maia, o talentoso músico, cantor e compositor, produtor musical e pai do Soul nacional, Tim Maia, subiu. Em 15 de março de 1998, a voz rouca e poderosa do artista calou-se. Ele tinha 55 anos de idade e a causa da morte foi um colapso do organismo causado por infecção generalizada, decorrente das doses cavalares de drogas e álcool que ele consumiu ao longo da vida.

Tim foi uma força da natureza, descrita no livro “Vale Tudo – O Som e a Fúria de Tim Maia”, do jornalista e amigo do cantor, Nelson Motta. Li a obra há 11 anos e fiquei fascinado. A publicação serviu de base para o filme exibido nos cinemas brasileiros em 2014.

Ah, o Tim Maia era louco? Sim, era. Um genial doido varrido. Viveu do jeito que quis e nunca se preocupou em ser exemplo. Sou fã de gente assim. Canções como “Azul da Cor do Mar” e “Primavera”, entre tantas outras músicas maravilhosas, são a prova do que foi o cantor e compositor.

A obra de Tim fala de alegria e amor. O artista não seguiu as regras, foi debochado, esquentado, brigão, malandro, egoísta, porra louca (como não rolar uma identificação?), entre outros tantos rótulos que nada são perto do tamanho do talento e do que o cara representou para a música brasileira.

Não fumo, não bebo e não cheiro. Só minto um pouco” – Tim Maia.

Elton Tavares

Hoje é o Dia Nacional da Poesia

Hoje é o Dia Nacional da Poesia. A data é comemorada em 14 de março por ser o dia do nascimento de Castro Alves, em 1847. Poeta do romantismo, ele foi um dos maiores nomes da poesia brasileira.

A palavra “poesia” tem origem grega e significa “criação”. É definida como a arte de escrever em versos, com o poder de modificar a realidade, segundo a percepção do artista.

Antigamente, os poemas eram cantados acompanhados pela lira, um instrumento musical muito comum na Grécia antiga. Por isso, diz-se que a poesia pertence ao gênero lírico. Hoje, os poemas podem ser divididos em quatro gêneros: épico, didático, dramático e lírico.

Sou fã de poesia e poetas. Adoro Ferreira Gullar, Cecília Meireles, Manuel Bandeira, Mário de Andrade, Mário Quintana, Carlos Drummond de Andrade, entre outros tantos poetas brasileiros, mas gosto mesmo é dos poeteiros amigos. Sim, os que admiro tanto quanto estes nomes aí de cima.

O poeta autor/trovador escreve textos do gênero que compõe uma das sete artes tradicionais, a Poesia. A inspiração, sensibilidade e criatividade deste tipo de artista retrata qualquer situação e a interpretação depende da imaginação dele próprio, assim como do leitor.

Admiro os poetas, sejam cultos, que usam refinados recursos de linguagem ou ignorantes, que versam sem precisar de muita escolaridade. Eles movimentam o pensamento e tocam corações. Não é a toa que as pessoas têm sido tocadas pela poesia há séculos. E nem interessa se o escrito fala de sensatez ou loucura. Tanto faz. O que importa é a criatividade, a arte de imprimir emoções em textos ou declamações.

Não tenho o nobre dom de poetizar, sou plateia. Mas apesar de não existir poesia em mim, uso a tal “licença poética”, para discorrer sobre meus devaneios e pontos de vista.

Hoje, minhas homenagens são para os poetas que são meus amigos. São eles: Fernando Canto, Alcinéa Cavalcante, Pat Andrade, Luiz Jorge Ferreira, Paulo Tarso Barros, Bernadeth Farias, Carla Nobre, Andréia Lopes, Ronaldo Rodrigues, Pedro Stkls, Thiago Soeiro, Lara Utzig, Bruno Muniz, Marven Junius Franklin, Leacide Moura, Ricardo Iraguany, Maria Ester, Kássia Modesto, Tiago Quingosta, Mary Paes, entre outros que tenho a sorte de ter a amizade ou parceria. Muito obrigado!

Também saúdo todos os movimentos que fazem Poesia no Amapá, que realizam encontros em praças, bares, residências, etc. Enfim, saraus para todos os gostos. Portanto, meus parabéns aos poetas, artistas que inventivos que fascinam o público que aprecia a nobre arte poética.

Viva a poesia!

Elton Tavares

Hoje é o Dia do Bibliotecário – Meus parabéns aos profissionais!!

Hoje é o Dia do Bibliotecário. A celebração da data é em razão do nascimento do escritor e poeta Manuel Bastos Tigre, primeiro bibliotecário concursado do Brasil. O dia foi instituído pelo Decreto nº 84.631, de 12 de abril de 1980, por isso é comemorado em todo o território nacional em 12 de março.

De acordo com o conceito, o bibliotecário é o profissional formado em biblioteconomia e que trabalha para o progresso cultural do país. Ele faz o gerenciamento das bibliotecas, o que compreende uma série de tarefas, dentre as quais a catalogação e indexação de obras, manutenção de sistemas informáticos, apenas para citar alguns.

Portanto, hoje rendo homenagens a todos os bibliotecários do Amapá e do Brasil em nome da minha bibliotecária preferida (que desenvolve um grande trabalho na Embrapa/AP) e minha muito querida amiga Adelina Belém, nossa estimada “Adê”.

Profissional experiente na área, Adelina já foi bibliotecária da Escola Santa Bartolomea, Sesc/AP, faculdades Fama e Seama. Além de extremamente competente e culta, ela é um doce de pessoa e uma amiga muito querida. Parabéns pelo seu dia, Adê!

Manoel Tigre – Foto encontrada no site “Migalhas”

Manoel Tigre

Manoel Tigre prestou concurso para ingressar no Museu Nacional do Rio de Janeiro como bibliotecário e assim se classificou em primeiro lugar com o estudo sobre a Classificação Decimal. Transferido, em 1945, para a Biblioteca Nacional, onde ficou até 1947, assumiu depois a direção da Biblioteca Central da Universidade do Brasil, na qual trabalhou, mesmo depois de aposentado, ao lado do Reitor da instituição, Professor Pedro Calmon de Sá.

*Datas curiosas

Só uma coisinha, essa sessão de Datas Curiosas deste site incomoda alguns, que chegaram a reclamar de tais registros. Ainda bem que todo dia é dia de alguma profissão ou atividade. Desse jeito dá pra elogiar os familiares e amigos. Acreditem, tem gente que não gosta. Mas são somente os amarguinhos que encontramos pela vida.

Fonte: Wikipédia
Elton Tavares

Hoje é o Dia do Guitarrista (minha crônica sobre a data e homenagem aos Guitar Heroes)

Hoje, 10 de março, é o Dia do Guitarrista, aquele cara ou menina que nos emociona com solos, riffs e acordes do instrumento mais legal do Rock and Roll. Músicos que nos alegram os ouvidos, coração, alma e mente. Não encontrei a origem da data, mas tá valendo!

A guitarra é o instrumento mais popular e influente na história da música e, é claro, do rock´n roll. O conceito diz: “guitarrista é um músico que toca guitarra. Sejam elas acústicas ou elétricas, solo, em orquestras ou com bandas, em uma variedade de gêneros. Mas a gente gosta mesmo é dos roqueiros doidos, né não?

Tenho uma inveja branca de quem toca, compõe ou canta. Quem faz música é foda! É, são pessoas que fazem a trilha sonora da vida, sejam nas madrugadas em bares enfumaçados, teatros, boates ou palcos ao ar livre que precisam ser festejadas.

Eu poderia falar do espetacular John Frusciante, o performático Slash, Angus Young e sua dancinha muito foda, dos lendários Jimmy Page, Carlos Santana, Stanley Jordan, Body Guy,Robert Cray, David Guilmour, Pepeu Gomes, Bruin May, Eric Clapton, B.B. King e suas Lucis, Eddie Van Halen ou Jimi Hendrix, o “Pelé da Guitarra”, ou até de Robert Johnson, que, segundo a lenda, vendeu a alma para o diabo para ser um guitarrista extraordinário, entre tantos outros guitar heroes históricos, mas prefiro homenagear os bateras amigos. Portanto, meus parabéns músicos:

O Régis, o “Beck” ou “Anjo Galahell”, um dos melhores guitarristas que vi tocar; Alexandre Avelar (o Cabelo); Ruan Patrick (stereo); Ronilson Mendes (Manoblues); Wendril Ferreira da Psychocandy (ex Godzilla); Adriano Joacy; Irlan Guido; Ozy Rodrigues; Geison Castro; Wedson Castro; Sandro Malk; Finéias Nelluty; Fabinho; Alan Gomes; Israelzinho; Zé Miguel; Edivan Santos (Ito); Ricardo Pereira; “Zezinho”, “O Sósia”; Rulan Leão, entre outros. Enfim (acho que esqueci alguns), todos os meus queridos amigos que tocam o sublime instrumento. “Parabéns!

Ziggy tocava guitarra…”.

Elton Tavares

Assista ao vídeo 100 Riffs (A Brief History of Rock N’ Roll) :

Hoje é o Dia Internacional da Mulher – Minha crônica/homenagem

Eu, meu irmão Emerson e nossa mãe, Maria Lúcia.

Hoje (8) é o Dia Internacional da Mulher. Nesta sexta-feira, rendo homenagens à minha mãe , Maria Lúcia (rainha e mulher mais importante na vida), avó Peró (in memoriam), namorada, Bruna Cereja, cunhada, sobrinha, algumas tias e primas, colegas de trabalho e muitas amigas queridas.

Eu não seria ninguém sem a insistência, amor e zelo das mulheres. Sobretudo da minha mãe, a amorosa e batalhadora Lúcia, o maior exemplo de amor e luta por direitos feministas que conheço (como diz o Veríssimo: “as mães são a comunicação direta com Deus”). A nossa “Lucinha” é uma mulher espetacular e admirável. Ela personifica os amores que tem e realmente faz valer seus dias por cada um de nós. Ela é meu anjo da guarda, minha conselheira e benzedeira, inteligente e sábia. Além de melhor cozinheira do mundo. Ela sempre foi e sempre será minha melhor amiga.

Com minha saudosa avô Peró.

Agradeço pelos anos de dedicação da vó Peró e tia Maria (as duas são uma espécie de mãe para mim). Com titia, são 47 anos e meio de cuidados e amor para comigo. Maria sempre foi um dos faróis (assim como mamãe e vovó) na tempestade que sou, sempre foi umas das luzes do meu caminho.

Já vovó, que virou saudades em março de 2021, foi uma mulher admirável. Somos gratos pela longa e feliz vida que ela teve e do quanto desfrutamos de seus ensinamentos e companhia incrível, sensacional, maravilhosa, entre outros tantos sinônimos do que a Peró foi e é para nós, sua/nossa família.

Com minha Maria, minha tia preferida.

Ah, a Maitê Ferreira Tavares, a pequena grande mulher-amor-da-minha-vida. Minha sobrinha de nove anos é uma bênção. Uma mistura de bom humor, gaiatice, doçura, inocência (claro), desconfiança (quando não manja das pessoas e lugares), inteligência, sapequice e ternura. Já disse e repito: ela é amada e reflete isso – com aquela luz que só o amor sabe dar.

Minha gratidão pela amizade de tantas mulheres que é difícil nomeá-las aqui. Se assim o fizesse, cometeria algumas injustiças. Mas minhas amigas (que são mais numerosas que amigos) sabem quem são.

Eu, minha namorada Bruna Cereja e nossa princesa Maitê.

Sou grato ainda àquelas que foram minhas amigas e por conta das curvas na estrada da vida, deixaram de ser, mas que tiveram papéis fundamentais em algum momento desta caminhada.

Deixo aqui também registrado meu amor e gratidão à Bruna Cereja, a publicitária mais competente e genial que conheço. E minha companheira de vida, amiga e parceira de todas as horas. Gratidão e amor definem.

Com Bruna Cereja, a mulher que manda em mim, o meu amor.

As mulheres são símbolo de força. São lutadoras por natureza, pois a sociedade machista às força a sempre provarem ser melhores que os homens. E são. Por tudo isso e muito mais, que não cabe em um texto e um só dia do ano, agradeço às mulheres por seus papéis fundamentais.

“Ah, as mulheres!!! Mulheres!!! Sem vocês seríamos apenas um espermatozoide vagando a esmo; como um barco bêbado rumo ao infinito imprevisível” – Régis Sanches (jornalista).

A origem da data

A data foi marcada por uma greve em uma fábrica de tecidos em New York, no dia 8 de março de 1857. As operárias protestaram e só queriam melhores condições de trabalho. Como acontece até hoje, a manifestação foi reprimida violência. Mas lá foi mais desumano que o “habitual”. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Ao todo, 130 tecelãs morreram carbonizadas. Triste, fatídico e histórico.

Só em 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o “Dia Internacional da Mulher”, por conta da barbárie de 1857 e em homenagem as vítimas. Como tudo para os seres humanos do sexo feminino é difícil, somente em 1975, a data foi oficializada pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Enfim, agradeço a todas vocês, mulheres da minha vida, por tudo. Muito obrigado e meus parabéns pela data!

Elton Tavares

Hoje é o Dia Internacional do Maçom (meus parabéns à Ordem e sobre a ligação da Maçonaria com minha família)

Hoje é o Dia Internacional do Maçom. A data é celebrada em 22 de fevereiro por conta do aniversário do primeiro presidente dos Estados Unidos, George Washington. Ilustre Irmão Maçom e principal artífice da independência dos EUA. Inclusive, ao assumir o mandato, em 1789, prestou seu juramento constitucional sobre a Bíblia da Loja Maçônica na qual era Venerável Mestre.

O conceito de Maçom diz: “homens de bons propósitos, perseguindo, incansavelmente, a perfeição. Homens preocupados em ser, em transcender, num preito à espiritualidade e à crença no que é bom e justo. Pregam o dever e o trabalho. Dedicam especial atenção à manutenção da família, ao bem-estar da sociedade, à defesa da Pátria e o culto ao Grande Arquiteto do Universo”.

Maçonaria é uma sociedade discreta e, por essa característica, entende-se que se trata de ação reservada e que interessa exclusivamente àqueles que dela participam. Seus membros cultivam o aclassismo, humanidade, os princípios da liberdade, democracia, igualdade e fraternidade. Além do aperfeiçoamento intelectual, sendo assim uma associação iniciática, filosófica, progressista e filantrópica.

Maçonaria no Amapá e meu avô maçom

A Maçonaria existe no Amapá desde 1947, quando foi fundada a Loja Maçônica Duque de Caxias, localizada na Avenida Cloriolano Jucá, Nº 451, no Centro de Macapá. Hoje existem 24 lojas maçônicas no Amapá. Destas, 13 são da Grande Loja do Amapá e 12 da Grande Loja Oriente do Brasil. Além da capital, os municípios de Mazagão, Porto Grande, Santana e Laranjal do Jari possuem uma loja cada.

Meu avô paterno, João Espíndola Tavares, foi maçom. Aliás, foi um homem dedicado à Maçonaria. Vou contar um pouco dessa história:

Em 1968, após ser observado pela sociedade maçônica de Macapá, João Espíndola (meu avô) foi convidado a ingressar na Loja Maçônica Duque de Caxias, onde foi iniciado como Maçom. Logo se destacou dentro da Ordem por conta de seu espírito iluminado. Foi um dos maiores incentivadores de ações filantrópicas maçônicas no Amapá.

João foi agraciado, em 1981, após ocupar 22 cargos maçônicos, com o Grau 33 e o título de “Grande Inspetor Litúrgico”. Ele sedimentou seus conhecimentos sobre literatura mundial lendo de tudo.

Vô João transitou por todos os cargos da Ordem. As cadeiras que ocupou foram sua ascendência à graduação máxima da instituição. Foi Vigilante, 2ª Mestre de Cerimônias, Venerável Mestre, 1º Experto Tesoureiro, Delegado do Grão Mestre para o 11ª Distrito Maçônico e presidente das Lojas dos Graus Filosóficos. Também foi um dos participantes do Círculo Esotérico da comunhão dos membros.

Meu avô é o primeiro da esquerda. Nessa foto, com outros maçons, entre eles o senhor Araguarino Mont’Alverne (segundo da direita para a esquerda), avô de amigos meus.

Ele também integrou o grupo de humanistas da instituição, que objetivava a assistência social e humanitária, oferecendo atendimento médico gratuito ao público. A entidade filantrópica também ministrava aulas preparatórias para candidatos ao exame de admissão ao Curso Ginasial, que hoje conhecemos como Ensino Médio.

Quando ele morreu, em 1996, em nota, a Maçonaria divulgou: “Durante sua estada entre nós, sempre foi ativo colaborador e possuidor de um elevado amor fraterno”.

Homenagem ao vovô, em Mazagão

Há 12 anos a Loja Maçônica do município de Mazagão, Francisco Torquato de Araújo, comemorou 20 anos de fundação. No evento, a instituição homenageou seus fundadores, entre eles o patriarca da minha família paterna, João Espíndola Tavares.

Meu tio e querido amigo, Pedro Aurélio Penha Tavares, é o único maçom da minha família. Ele também foi Venerável Mestre da Loja Duque de Caxias. Meu avô, lá nas estrelas, deve ter muito orgulho de seu filho, que seguiu seu caminho Maçônico.

Tio Pedro, na época de venerável da Loja Duque de Caxias

Não sei se um dia terei perfil para ser um membro da nobre instituição, mas seria uma honra. Lembro de crescer com um certo fascínio sobre a Maçonaria por conta do meu avô. Além do vô João e tio Pedro, parabenizo todos os meus amigos maçons. Congratulações pela data!

*OBS: apesar de muitos maçons serem eleitores do ex-presidente inapto do Brasil, acredito que não podemos associar a maçonaria a ele, como muitos fazem. Como sabemos, toda generalização é errada. Todo candidato a um cargo público tem o direito a frequentar as mais rodas em busca de afinar o diálogo com seus eleitores Com Bolsonaro foi a mesma coisa. Assim como nem todo maçon é fascista (como os eleitores de Jair), nem todo evangélico vota naquele demônio (boto fé nisso, com o perdão do trocadilho).  Afinal, nem todo conservador é doido e seguimos na esperança do caminho para a iluminação.

Fale de sua aldeia e estará falando do mundo” – Leon Tolstoi.

Elton Tavares

Hoje é Dia do Repórter (meus parabéns aos colegas)

Hoje é o Dia do Repórter, celebrado no Brasil em todo 16 de fevereiro. A data homenageia o profissional que faz de tudo para elaborar matérias com ética, celeridade e responsabilidade. Essas qualidades são tão essenciais a esse cargo exercido por profissionais da comunicação que têm a função de investigação, pesquisa, entrevista e produção das notícias, sejam para a TV, impressos, rádio ou internet.

Trata-se de uma emocionante profissão; sempre em busca da melhor fala, de novidades ou de novos dados, repórteres estão sempre na investigação de algo para reportar.

Todo repórter é jornalista, mas nem todo jornalista é repórter. Este peculiar tipo de comunicador cobre a pauta de sua editoria. Existem os que atuam em política, esportes, educação, cidades, mundo, economia, cultura, entre outros, além dos repórteres fotográficos.

E quando o repórter é foca? Nossa, coitados dos novatos, pois as gafes são inevitáveis.

O bom repórter apura (ouve os dois lados) e noticia o fato ou ação. Essa coleta de dados nem sempre é fácil; na verdade, dependendo do assunto, é bastante trabalhosa. Mais que uma profissão, é uma missão!

Não atuo como profissional da imprensa aberta e sim como assessor de comunicação. Dentro dessa nobre atividade, respeito quem faz assessoria sem bajulação e tento apurar os fatos da melhor forma, o que também me faz um repórter.

Aliás, este site atende à necessidade que sinto de não escrever somente textos institucionais, mas também escritos que fogem a qualquer regra, com todos os neologismos e achismos que me dão na telha.

Já tive boas experiências com webjornalismo e impressos, mas acredito que TV e rádio são trampos para os jedis – por conta da correria (que é foda, mas vicia) – pois, além de talento, é preciso muito improviso. Admiro os colegas (muitos deles amigos) que viram bicho atrás de matérias diferentes, complexas ou polêmicas.

Enfim, nossas homenagens e parabéns aos repórteres – estes brilhantes profissionais que reportam e nos trazem as notícias do dia-a-dia.  Aos sérios e responsáveis, meus parabéns!

Elton Tavares

Hoje é o Dia da Amizade (crônica de agradecimento aos meus incríveis amigos) #diadaamizade

Hoje (14), sei lá porque, é o “Dia da Amizade”. Sempre escrevo aqui sobre datas curiosas e sua origem, mas mesmo sem saber o motivo, vos digo: todo dia é dia da amizade. Quem consegue conquistar minha amizade sabe que é algo que cultivo, se for recíproco, claro.

Segundo pesquisa, “o Dia Internacional da Amizade”, inicialmente foi adotado em Buenos Aires na Argentina, através de um decreto. A data aos poucos passou a ser comemorada em diversas partes do mundo, e atualmente, quase todos os países acabam festejando esta data especial“.

Bom, os amigos são a família que escolhi, o meu povo, os meus amados (e às vezes odiados). Afinal, as brigas fazem parte da coisa. Por causa dos amigos, já me meti em brigas, fofocas, me endividei, bati e apanhei. Não me arrependo de nada, eles fizeram por mim também. É na hora que o bicho pega que vemos quem é quem. Ah, uma verdade absoluta sobre mim é: NUNCA SACANEIO OS MEUS AMIGOS.

Li em algum lugar que “Amigo é aquele que o coração escolhe”. Em outro, que “não fazemos amigos, os reconhecemos”. Em outros casos, uso a frase de Paulo Sant’Ana: “tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos”. É, gosto demais de uma galera que considero pra caralho! Uma coisa é certa, a amizade é um bem precioso. E como é!

Tenho amigos de infância, amigos doidos varridos, amigos velhos, amigos jovens, tenho amigos pra caralho (só assim pra vencer uma porrada de inimigos que possuo). Difícil é nomear todos, mas lhes rendo homenagens aqui neste site sempre que trocam de idade. Sobretudo, enfatizo a minha família (mamãe, irmão, namorada, alguns tios e alguns primos), eles sempre foram e sempre serão os meus melhores amigos.

Sempre que precisei muito dos meus verdadeiros amigos, fui atendido ou socorrido. Afinal, sempre brinco (e falo sério) quando digo que tenho mais inimigos que o Batman. Sou grato à todos. Ah, que fique registrado: amo vocês, comparsas.

Por tudo isso, hoje agradeço a Deus pelos meus verdadeiros amigos (que são muitos, de todas as classes sociais, ideologias políticas, héteros, gays, raças e crenças). Vocês que fazem parte da minha vida e a tornam muito mais feliz e feliz pra cacete! Sei que me aturar não é fácil.

A amizade é uma predisposição recíproca que torna dois seres igualmente ciosos da felicidade um do outro” – Platão.

Elton Tavares

Hoje é o Dia do Publicitário (meus parabéns aos profissionais criativos)

Hoje é o Dia do Publicitário. O profissional que traça estratégias para alcançar seu público-alvo no intuito de convencê-los a comprar um produto ou ideia. Sempre unindo arte, informação e muita criatividade.

O Dia do Publicitário no Brasil é comemorado no dia 01 de fevereiro em referência ao Decreto de Lei nº 57.690, de 1º de fevereiro de 1966, que por sua vez regulamenta o Decreto de Lei nº 4.680, de 18 de junho de 1965, que normaliza o exercício da profissão de publicitário e de agenciador de propaganda no país.

Amanda Diniz e Carol Chaves, minhas competentes amigas e colegas de trampo na Secom/TJAP – Foto: Serginho Silva

Estes figuras são persuasivos, inovadores e inventivos. Admiro a elaboração de campanhas publicitárias, principalmente as que possuem doses de sagacidade e humor.

A criatividade é responsável, entre outras coisas, pelas invenções. Uma pessoa nasce criativa ou trabalha e desenvolve sua criatividade ao longo do tempo? Para mim, as duas coisas são possíveis. Os inventores praticam, aperfeiçoam e criam. No meu caso, já inventei histórias (contos) e termos (neologismo). É o meu jeito de tentar ser criativo.

Admiro pessoas criativas. Elas possuem autoconfiança; alta capacidade de associação; percepção; capacidade intuitiva; muita imaginação; capacidade crítica; curiosidade; foco; entusiasmo; e tenacidade.

Portanto, meus parabéns a todos os publicitários do Amapá. Em especial aos amigos Walter Junior, Ronaldo Rodrigues, Bruno Jerônimo, Renata Sampaio, Beliza Alfaia, Yasmin Brito, Marly Mafalda, Chico Cavalcante, Clayse Silva, Elielza Cardoso, Sandra Borges, Ricardo Toledo, Alessandro Moutinho, Giuliana Sanguinete, Jair Júnior, Marcelo Corrêa, Ewerton França, Thomé Azevedo, Nagib Júnior, César Cardoso, Amanda Diniz, Carol Chaves, Marcelo Serrão, Zezinho, Cíntia Souza, Franck Belini e Antônio Costa.

Bruna Cereja, a melhor do Amapá e minha publicitária preferida.

Ah, é claro, em especial, minha publicitária preferida e a mais competente que conheço, Bruna Cereja. Ah, tenho a sorte dela ser minha namorada, mas quem me conhece sabe: sempre a admirei como profissional brilhante que ela é e também sempre recomendei seu trampo. Parabéns, amor. Sucesso sempre!

Enfim, congratulações a todos que militam neste nobre ofício. Meus parabéns aos publicitários e suas mentes brilhantes. Vocês são admiráveis!

Elton Tavares