Governo não informou ao Ministério da Saúde no AP que material coletado dos casos suspeitos não foi enviado para exames – ÉGUA-MOLEQUE-TU-É-DOIDO!

Por Alcinéa Cavalcante

A Superintendência do Ministério da Saúde no Amapá não foi informada que o governo do estado estava tendo dificuldades para enviar ao Instituto Evandro Chagas, em Belém, o material coletado dos casos suspeitos para exames. Foi o que disse ao blog agora à noite o superintendente do MS no Amapá, Roberto Bauer.

Ele explicou que todas as tratativas de transporte desse material foram feitas pela Vigilância Estadual diretamente com a Secretaria Nacional de Vigilância.

Bauer disse que em momento algum foi procurado por Dorinaldo Malafaia, diretor da Vigilância Estadual, para tratar do assunto. “Nada me foi repassado sobre essa dificuldade, inclusive na segunda-feira a noite participei de reunião no Palácio com o governador, prefeitos, secretário de saúde, Malafaia, e a impressão que passaram é que estava havendo perfeita sintonia entre a Secretaria Nacional e a Vigilância Estadual”, disse.

Ele enfatizou que ficou surpreso quando na noite desta terça-feira ficou sabendo que o material coletado ainda estava em Macapá. E disse que se tivesse sido informado a coisa não chegaria a tal ponto, pois entraria imediatamente em contato com a Secretaria Nacional para que o problema fosse resolvido.

Esta noite mesmo ele já começou a tomar providências. Conversou com o procurador da República que tomou a iniciativa de telefonar para o Secretário Nacional de Vigilância e Saúde, Wanderson Kleber, para relatar o fato e pedir providências.

Roberto Bauer disse também que ontem o Ministério da Saúde repassou R$ 1,7 milhão ao Estado do Amapá. Verba destinada ao custeio das ações de saúde relacionadas ao enfrentamento da circulação do COVID-19. A Portaria foi publicada no Diário Oficial da União de segunda-feira.

Fonte: Alcinéa

Frases, contos e histórias do Cleomar (Parte VIII)

Tenho dito aqui, desde fevereiro de 2018, que meu amigo Cleomar Almeida é cômico no Facebook (e na vida). Ele, que é um competente engenheiro, é também a pavulagem, gentebonisse, presepada e boçalidade em pessoa, como poucos que conheço. Um maluco divertido, inteligente, gaiato, espirituoso e de bem com a vida. Dono de célebres frases como “ajeitando, todo mundo se dá bem” e do “ei!” mais conhecido dos botecos da cidade, além de inventor do “PRI” (Plano de Recuperação da Imagem), quando você tá queimado. Quem conhece, sabe.

Na mesma linha da PRIMEIRA, SEGUNDA, TERCEIRA, QUARTA, QUINTA, SEXTA e SÉTIMA edições sobre seus papos no Facebook, mais uma vez selecionei alguns de seus relatos hilários na referida rede social. Saquem o sétimo capítulo dos disparos virtuais do nosso pávulo e hilário amigo. Boa leitura (e risos):

Papa

Se o Papa que é Santo perde o controle, avalie eu, que sou meio doido!

Governo Bozo

Esses bichos não gostam de professor, de estudante, não gostam de índio, de preto, não gostam de árvore, de funcionário público, não gostam de mulher, de viado nem pensar, não gostam de empregada doméstica. De onde saíram esses filhos de putas, que só sabem não gostar?

Não dá

Alguém avisa a moçada aí que não dá pra ser nazista, índio, negro e latino americano ao mesmo tempo.

BBB

Vendo o Piong levando esporro em rede nacional, lembrei de meu amigo Cayo Mira, que ainda ontem me dizia – “Negão, a birita antes de te matar, ela te humilha, te faz passar vergonha!!!”

Parasita

Se eu tivesse votado no cara, e o ministro dele viesse me chamar de parasita, eu ia ficar muito puto. Fica putinho não, tu não podes nem reclamar.

Samba e beleza

Sobre o Show do Diogo Nogueira, apesar de muita gente achar que somos muito parecidos, devo admitir, ele canta melhor que eu.

Prejuízo

Os eletrodomésticos aqui de casa parece que adivinham quando meu pagamento vai sair.

Vírus transfronteiriço

Eu morrendo de medo do Corona Vírus, afinal já chegou na França, logo alí, passando o Oiapoque.

Panemagem

Povo falando da abstinência no carnaval e aí eu te pergunto, na real, quantos carnavais faz que tu não comes ninguém? Preocupação desnecessária!

Blefo

Agora a pouco fui buscar minha filha no shopping e vi dois caras quase brigando por causa de uma vaga daquelas de beira de rua. Se tu não tens dinheiro pra pagar nem o estacionamento praga, o que diabos tu vais fazer no shopping? Tá liso, faz que nem eu, fica em casa miséria!!!!

Corona Vírus e Olimpíadas

Minha mulher vendo a reportagem sobre o Corona Vírus e o adiamento das Olimpíadas:
– Eu é que não iria pra essa Olimpíada.
– Ei bonita, não iria não, tu não vais, com ou sem Corona Vírus! ??

Bolsonaristas

Bicho, se tu és Bolsonarista, nem perde teu tempo mandando solicitação de amizade, aqui só terás aporrinhação.

Velocidade no diagnóstico do boato

O primeiro caso de Corona Vírus demorou quase dez dias pra ser diagnosticado em São Paulo, aqui em Macapá em duas horas a gente já confirmou. “A gente semos foda!”

Ronaldinho Gaúcho

Toda vez que você se sentir meio abestado, lembra do Ronaldinho, que usou um passaporte falso pra entrar no Paraguai.

De uma mina abandonada, uma Lagoa Azul no Amapá

bd09b3de11b10ea011deb6a698ff2001

A Amazônia é conhecida pelos rios, igarapés e cachoeiras. Mas, a maioria das pessoas nem imaginam que aqui existam lagoas de águas azul turquesa. A 208 quilômetros de Macapá, capital do Amapá, fica a Lagoa Azul, um paraíso que nasceu de uma mina abandonada. O lugar fica próximo à Vila Serra do Navio, cidade criada na década de 1950 para abrigar os trabalhadores de uma empresa de mineração.

A lagoa azul e o passado da história da Serra do Navio estão entrelaçados. De acordo com a prefeitura da cidade, a cor marcante da lagoa, em tom azul anil, acontece por conta dos minérios da região especialmente o carbonato de manganês. O lugar era uma mineração. Hoje é possível chegar até lá através de trilhas ou de carro. A região é cercada por uma floresta tropical.13219739_1168769669842729_1887967679_n

O geólogo responsável pela perfuração da lagoa o Dr. Luiz Fabiano Laranjeira disse que é um mito a ideia de que a água é contaminada e imprópria para banho. De acordo com o geólogo, o que é encontrado na lagoa é grande concentração de sulfato e cloro, o que explica a coloração de águas que oscilam entre azul um turquesa e verde-água, o que nos dá a sensação de termos uma piscina natural tratada o tempo todo.

A lagoa possui aproximadamente 18 metros de profundidade e não possui nem peixes, nem outros seres comuns em lagoas. Novamente o geólogo explica: “o cloro torna o ph da água ácido. Isso não permite desenvolvimento de matéria orgânica, mas não as torna impróprias para banho”.

Quem aconselha a visita é Milena Sarge, praticante de stand up paddle. Ela utiliza a lagoa para praticar o esporte. “Eu adoro a lagoa azul. Acho paradisíaco, sei que ela é fruto de exploração mas a natureza foi moldando. E lá é um ambiente tão agradável, transmite paz”, disse Milena.

Company Town

images-26-220x194

A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a empresa Indústria e Comércio de Minério (Icomi) resolveu construir uma cidade que pudesse abrigar seus empregados.

De acordo com dados do Instituto do Patrimônio Historico e Artistico Nacional (Iphan) a empresa começou um projeto ambicioso de implantação – nos moldes de muitas vilas que surgiram na Inglaterra durante a Revolução Industrial – de uma Company Town. Tratava-se de uma cidade dirigida e controlada por uma empresa, cuja economia era ligada a uma só atividade empresarial.

icomi1

Com pouco mais de 3,7 mil habitantes, a cidade foi projetada pelo arquiteto brasileiro Oswaldo Arthur Bratke para abrigar os trabalhadores da Icomi. Bratke escolheu, pessoalmente, o lugar de implantação – a Serra do Navio – em uma região localizada entre os rios Araguari e Amapari. Ele também programou áreas de expansão futura da vila, projetando-as integradas ao traçado e ao sistema viário. Concebeu o projeto para uma cidade completa e autossuficiente, uma experiência precursora na Amazônia.

manganes

Minério

As primeiras informações sobre a existência de manganês na Serra surgiram antes de Getúlio Vargas criar, em 1943, o Território Federal do Amapá. Em 1945 amostras colhidas pelo garimpeiro Mário Cruz responderam definitivamente as questões sobre a possibilidade de mineração. As amostras continham alto teor de manganês.

Vencendo uma concorrência que incluiu mineradoras estrangeiras, a Icomi assinou o contrato de exploração mineral em 1947. Em 1951, confirmou a existência de quantidade superior a 10 milhões de toneladas de minério. As obras e os trabalhos da mineradora continuaram uma política de ocupação da cidade.

A experiência em Serra do Navio atraiu brasileiros de todos os estados, que se instalaram no Amapá. Entretanto, a reserva de minério se esgotou antes do previsto e a Icomi deixou a região no final da década de 1990. Em maio de 1992, a vila passou a ser sede do município de Serra do Navio.

Meu comentário: conheci a Lagoa Azul em 2016, quando passei perto do local. Eu estava a trabalho pela Justiça Eleitoral, onde atuava como assessor de comunicação. Fiquei deslumbrado com a beleza do lugar e fiz somente esse registro (foto acima) retratada pelo motorista Evandro Nobre.

Fonte: Portal Amazônia

*Republicado por conta de hoje ser o Dia do Turismo Ecológico. 

No MEC, a bagunça “imprecionante” impera em meio ao deboche

Essas lambanças do MEC em relação ao Enem/Sisu revelam, nua e cruamente, a bagunça que se tornou a gerência do setor de ensino do governo federal sob a era deste governo desastroso – e por que não malévolo – de Jair Bolsonaro.

Não bastasse a confusão na correção de provas do Enem, que resultou em decisão da Justiça Federal de São Paulo, suspendendo a divulgação da lista do Sisu, temos ainda outra doideira: o acesso de estudantes à dita relação que não poderia ser divulgada.

Enquanto isso, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, segue na mesma toada: o do deboche, do respeito, das agressões gratuitas e das performances ridiculamente imprecionantes.

Não à toa, a Comissão de Ética da Presidência da República aplicou a pena de advertência a Weintraub, por ter comparado os ex-presidente Lula e Dilma à cocaína encontrada em avião da FAB que integrava a comitiva de Bolsonaro durante viagem a Osaka, no Japão, no ano passado.

Em seu voto, acolhido à unanimidade pela Comissão, o relator, Erick Vidigal, diz que o ministro da Educação não pode ser “uma autoridade impulsiva, destemperada, que ofende quem quer que critique ou questione o seu trabalho, seja cidadão ou autoridade“.

Para Vidigal, Weintraub usa a “visibilidade que o cargo público lhe dá para ampliar a divisão existente atualmente na sociedade brasileira, incitar o ódio, a agressividade, a desarmonia, em total afronta ao que dispõe o preâmbulo da Constituição Federal e o CCAAF”.

Acrescenta Vidigal: “O Brasil precisa de união, de transparência, de solidariedade, enfim, precisa de uma liderança que o retire da quadra atual, caracterizada pelo ódio nas redes sociais, pela falta de educação generalizada, pelas fake news e pela utilização da máquina pública para a elaboração de dossiês mentirosos com o intuito de ofender a reputação das pessoas ou mesmo de prejudicá-las com demissões descabidas ou com a exposição pública.

Toma-te!

Ou então, repetindo Weintraub, imprecionante!

Fonte: Espaço Aberto

Galerias da Av. Cora de Carvalho são obstruídas novamente por garrafas PET e lixo – Égua-moleque-tu-é-doido!

Uma cena chamou a atenção da equipe de drenagem da Secretaria Municipal de Obras na Avenida Cora de Carvalho, bairro Central de Macapá. Ao abrir a antiga galeria de vazão de águas pluviais, a imagem foi de um mar de lixo, mais precisamente de garrafas PET. A prefeitura está fazendo a instalação de uma galeria auxiliar no local para melhor vazão das águas pluviais e, em 2019, fez uma ação de limpeza na galeria existente, de onde foram retiradas cerca de 200 toneladas de lixo, que estavam obstruindo a passagem da água.

Em outubro de 2019, a prefeitura iniciou o trabalho de instalação de uma galeria auxiliar para o sistema de drenagem da Av. Cora de Carvalho. Os trabalhos iniciaram com o desassoreamento do canal da Mendonça Júnior e a instalação de tubos de 1000 mm na Av. Odilardo Silva, passando pela Rua Padre Júlio Maria Lombard até a Av. Cora de Carvalho. Serão colocados 840 tubos com capacidade de 1000 mm.

“Estamos trabalhando em uma obra extensa e complicada, instalando uma galeria extra dupla para melhorar a vazão da água das chuvas, que tem ocasionado anos de transtornos aos moradores da Av. Cora de Carvalho. Mas quando nos deparamos com imagens como as de hoje, nos entristecem, pois a prefeitura gasta muito, se empenha e não ver a principal colaboração, que é a da população, que é simplesmente não despejar lixo de forma inadequada”, relata o secretário de Obras de Macapá, David Covre.

De acordo com o engenheiro Rivo Barbosa, da Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura Urbana (Semob), cerca de 6 km de redes de drenagem interligadas convergem para a galeria da Avenida Cora de Carvalho, exigindo da mesma uma grande capacidade de vazão. Com a obstrução por lixo e esgoto despejado de forma irregular, a galeria acaba sofrendo, tendo como consequência o acúmulo de águas das chuvas.

Na tarde da última segunda-feira, 27, a prefeitura iniciou uma nova ação de limpeza da galeria existente, para que possa dar andamento à obra de instalação da galeria auxiliar.

Aline Brito
Assessora de comunicação/Semob
Contato: (96) 998803-9633

Comentários nas mesas de Bar (no período que antecede as alianças políticas e o lançamento de possíveis candidatos)

No bar a gente resolve os problemas do mundo todo em algumas horas, regados a muita cerveja e teorias mirabolantes. A filosofia de boteco é ampla, mas nestes tempos de campanha política, o pessoal questiona, critica, engrandece, crê, descrê etc. Sim, não só no boteco, mas nas tocas, nas ruas, nos becos, escritórios, gabinetes etc. Mas bom mesmo é no botequim.

Entre uma conversa e outra sobre todo tipo de candidato, várias opiniões são emitidas nas mesas. Entre os muitos comentários impublicáveis sobre o dia-a-dia destes tempos estão:

“Aquele limpeza!”; “Mais puxa-saco logo”; “Me rouba logo!”; “Tudo mentira, que eu sei!”; “Tá escrevendo e falando merda”; “Depois de velho, se expõe ao ridículo”; “Tááááá, pra caralho!”; “Logo tu, surucucu”; “Me admira de ti”; “Até tu, rapá?”. “Fulano é traíra” e por aí vai (risos).

Ou como disse a poeta Patrícia Andrade: “isso sem falar nos caras que viram candidatos, mesmo… às vezes amigos da gente, achando que vão mudar o mundo… Chega lá, o mundo acaba mudando os caras. Ô, tristeza!“. Verdade, Pat.

Como sou do grupo sem grupo algum, dou risada e mais escuto do que falo. Realmente, me divirto. Pois convenhamos, esse período é hilário e acho muito porreta ouvir as estratégias, “engenharia política”, planos malucos, alianças inusitadas, probabilidades impensáveis dos cientistas políticos bêbados e profetas embriagados.

Elton Tavares

É proibido peidar dentro do Empório do Índio, diz aviso no balcão

Peido é ruim. Incomoda tanto o flatulento, quanto sua vítima. Mas no Empório do Índio, pasmem, é proibido peidar na parte interna do estabelecimento. O Jorge Ney, popularmente como o “Índio”, proprietário do bar é conhecido por comentários diretos e francos. Foi taxativo no aviso “Proibido Peidar”.

Portanto, se você resolver tomar umas no balcão do Empório, é melhor conter a flatulência. Quem quiser se aliviar tem que sair e peidar. Nem mesmo os sócios remidos do Bar como Cleomar, Cuca, Kleber, Gilvana e outros amigos, tem permissão para bufar no recinto. Afinal, tá lá, escrito.

13055459_10204625334072165_1530300721802197964_n
Eu e o amigo Jorge Ney, o “Índio”, no Empório (do lado de fora, claro).

Dou razão ao Índio, afinal, a temperatura de um peido quando é criado é de 37º. Se o metano é fruto de uma carne com chicória então, sai de perto que se pegar no olho, cega. A proibição é justa, pois tem gasoso que parece descer abraçado na merda, de tão potente. Se silencioso então, é um ataque surpresa muito covarde.

emp-c3-b3rio

Sobre o Empório do Índio

O Empório do Índio é um espaço democrático que abriga todas as tribos e pensamentos. A Cerveja é sempre gelada, tem tira-gosto de charque e outros petiscos. Localizado no bairro Santa Rita, próximo ao Fórum de Macapá, o bar possui um ótimo atendimento e preço justo. Mas peidar lá dentro não pode não.

Elton Tavares

Hoje é o Dia Nacional do Astronauta – “Good luck, Mr. Gorsky!”

Hoje é o Dia Nacional do Astronauta. No Brasil, a data é celebrada em 9 de janeiro em homenagem à Missão Centenário, realizada pela Agência Espacial Brasileira (AEB), no ano de 2006, responsável pela viagem de Marcos Pontes (hoje ministro de Ciência e Tecnologia) para a Estação Espacial Internacional (ISS), consagrando-se como o primeiro astronauta brasileiro a ir ao espaço. Ele foi ao espaço em 30 de março de 2006, após cerca de oito anos em treinamento, divididos entre a Agência Espacial Norte-Americana (Nasa) e a Agência Espacial Russa (Roscosmos). O astronauta executou oito experimentos científicos de universidades e institutos de pesquisa, cujos resultados iniciais foram apresentados em seminário, em novembro do mesmo ano.

Essa comemoração é de origem americana, pois em 9 de janeiro de 1793, o francês Jean-Pierre Blanchard realizou o primeiro voo de balão da América do Norte. Desde então, a data é considerada um marco na conquista do espaço sideral.

Os primeiros astronautas foram os verdadeiros bandeirantes do espaço, pois enfrentaram situações desconhecidas, voaram em naves pequenas, desconfortáveis e utilizando trajes espaciais muito frágeis.

A importância do astronauta se deve ao fato de que ele executa a parte final de importantes missões espaciais, de todo um projeto de pesquisa elaborado pelos cientistas.

A profissão de astronauta tem como pioneiro o russo Yuri Gagarin, primeiro homem a orbitar a Terra, em 1961. Os primeiros astronautas a pisarem em solo lunar foram os americanos: Neil Armstrong e Edwin Aldrin, no dia 20 de julho de 1969. Hoje, o número de pessoas que teve o privilégio ir ao espaço soma pouco mais de 400. O avanço do turismo espacial, no entanto, tem aberto novos horizontes para o acesso ao cosmo.

Em grego, a palavra “astronauta” significa “marinheiro das estrelas”. Conseguir ser astronauta não é missão fácil; as probabilidades são de sete para cada três mil. A reunião dos pré-requisitos exige muitos anos de perseverança, esforço e dedicação. Ao final, são selecionados aqueles que possuem personalidade adequada, profundos conhecimentos e recomendações de destaque na área de sua especialização. A profissão de astronauta requer horas de árduo trabalho. A oportunidade de conseguir fazer um só voo espacial é remota, às vezes nenhuma, durante toda a carreira.

Fonte: Emília Eiko

Como o Marcos Pontes se especializou, foi ao espaço e depois deu baixa da Agência Nacional para fazer fortuna com palestras, não tenho mais nada a dizer sobre ele. Mas volto a republicar uma crônica engraçada sobre um astronauta gringo:

“Good luck, Mr. Gorsky!”

O falecido astronauta Neil Armstrong, primeiro homem a pisar na Lua e herói americano é protagonista de outra história bacana.

No dia 20 de julho de 1969, Neil Armstrong, comandante do módulo Lunar Apolo 11, ao pisar na lua disse as palavras: “Este é um pequeno passo para o ser humano, mas um salto gigantesco para a humanidade”.

Estas palavras foram transmitidas para a terra e ouvidas por milhares de pessoas. Justamente antes de voltar à nave, Armstrong fez um comentário enigmático: “Boa sorte, Sr. Gorsky.”

Muita gente na NASA pensou que foi um comentário sobre algum astronauta soviético. No entanto, depois de checado, verificaram que não havia nenhum Gorsky no programa espacial russo ou americano. Através dos anos, muita gente perguntou-lhe sobre o significado daquela frase sobre Gorsky, e ele sempre respondia com um sorriso.

Em 5 de julho de 1995, Armstrong se encontrava na Baia de Tampa, respondendo perguntas depois de uma conferência, quando um repórter lembrou-lhe sobre a frase que ele havia pronunciado 26 anos atrás.

Desta vez, finalmente Armstrong aceitou responder. O Sr. Gorsky havia morrido e agora Armstrong sentia que podia esclarecer a dúvida.

É o seguinte.  Em 1938, ainda criança, em uma pequena cidade do meio oeste americano, Neil estava jogando baseball com um amigo no pátio da sua casa. A bola voou longe e foi parar no jardim ao lado, perto de uma janela da casa vizinha. Seus vizinhos eram a senhora e o senhor Gorsky. Quando Neil agachou-se para pegar a bola, escutou que a senhora Gorsky gritava para o senhor Gorsky:

“O quê? Sexo anal? Você quer sexo anal? Sabe quando você vai comer a minha bunda? Só no dia que o homem caminhar na lua!”.

Por isto, o astronauta Armstrong mandou o recado direto da lua: “Boa sorte, Sr. Gorsky!”

*A Nasa desmente. Por isso o lance é só um causo, mas hilário. Republiquei por conta do Dia do Astronauta, celebrado hoje.

CORNUCÓPIA DE DESEJOS – Conto muito porreta de Fernando Canto

Conto de Fernando Canto

Por querer expressar meu pensamento sobre as coisas em meu idioma, às vezes arrebato o próprio coração em sofridas angustiosidades e dissentimentos infaláveis. Por isso monologo no granito e lavo em água este contraste, esta antagonia de imprescindível falação que ponho em tua trompa de eustáquio para te martelar suavemente a dentro.

É o caso do amor ensolarado que sinto agora, neste mirífico momento. Um assunto ressoante, uma prosa-cornucópia (onde a abundância reina) a refratar-se sem a culpa do inexpressável parlar.

Não vejo como não ensopar-me de enluação neste conto de candura quase irrevelável, posto que o meu amor possa entender-me ou espumar-se para sempre para o inevitável espanto que a declaração enseja. Paresque um salto com vara numa olimpíada de abismos.

Assim eu declaro: a cobra norato, o boitatá e as luzes do fogo-fátuo se expiram na noite cadente. Oh, teus olhos não! Teus olhos ternuram a medida do dia, solfejam histórias e cantam paisagens inescrutáveis para os sonostortos dos mortais. Eu sou o arauto deste cenário-testamento a castigar retumbantemente o couro dos tambores; eu anuncio a sublime compreensão do “amooor” que ecoa em gargalhadas sobre as ondas do Amazonas, aqui na Beira-rio, sob um céu azul intensificado de lilás quando anoitece. Eu declaro ainda: a pedra em sua bruta forma tem dentro de si os elementos primordiais que suprem tua sede de amar. Ora, Balance a pedra e sinta o gutigúti da sua oferenda. Lapide-a, pois ela provém da terra, e então perceberá o calor do fogo da paixão libertadora e o ar morno que movimentará o sangue pelas entranhas.

Num átimo, um áugure qualquer (que são muitos e banais) lerá tua sorte: dirá augúrios, claro. Um áuspice (que estão cada vez mais raros) dirá tua sina no raro voo dos louva-deuses. E te auspiciará de boas-novas e de valores inequívocos.

Ora, dizendo isso afirmo que sou aquele que nem sabe discursar suas dores, inda que saiba do futuro, pois habito o limiar do tempo. Eu sou a timidez em prosa e verso, aluno de poesia, mas prenhe de pecados, porque ingiro virtudes nos bares da noite e não sei segredar projetos inexequíveis. Não sei, juro pueril e ludicamente (mas com toda a sinceridade de uma parlenda) pela fé da mucura, torno a jurar pela fé do guará, torno a repetir pela fé do jabuti, que não sei mentir ao sabor do vento dos ventiladores que me sopram fumaça de charutos cubanos.

Descobri que sei de ti mais do sabes da pedra em teu caminho. Sou teu (adi)vinho incontestável, ad-mirador de tua trajetória. Por isso do alto da minha velada arrogância sei que tu também me amas.

Mas é de ti que quero o conteúdo dessa bilha onde Ianejar – aquele heroi dos índios waiãpi – e seus pareceiros se abrigaram do fogo ardente e do dilúvio. É por ti que generalizo a farsa da criação sem pesadelos cosmogônicos. Eu me agonizo em mistérios. Eu eternizo o meu olhar nessa paixão. E me enleio como as borboletas que viajam ao paraíso pelo buraco sem-fundo do fim da terra.

Por isso eu sei que te amo.

Por isso vago ainda em fluidos imemoriais sempre presentes, antes do esquecimento das vitórias que juntos comemoramos.

Por isso a ternura há de ser o mais farto elemento da imensa cornucópia de desejos que realizamos juntos.

Falso arquiteto é indiciado após fazer vítimas no AP; em um dos casos ele recebeu R$ 50 mil – Égua-moleque-tu-é-doido!!

Print de conversa entre vítima e suspeito onde Marinho se apresenta como arquiteto — Foto: Alexandra Uchôa/Arquivo pessoal

Um falso arquiteto de Macapá foi indiciado pela Polícia Civil do Amapá em dois inquéritos, pelo crime de estelionato. De acordo com a investigação, Izael da Silva Marinho se apresentava como profissional formado, recebia adiantado e sumia antes de entregar o serviço. A defesa nega prática criminosa.

Além de ser suspeito em duas investigações, Marinho também foi indiciado em outros dois inquéritos concluídos pela 1ª Delegacia de Polícia Civil (DP) de Macapá. O trabalho foi encaminhado ao Ministério Público (MP) estadual, para que seja feita denúncia à Justiça.

Vítimas relatam prejuízos de até R$ 50 mil. É o caso da autônoma Alexandra Uchôa, de 34 anos. Ela contou que pagou a quantia sonhando com a construção da casa própria em um loteamento da capital, porém, continua vivendo de aluguel com as duas filhas.

“Paguei para ele R$ 50 mil, mas o prejuízo é muito maior porque ainda estou pagando aluguel, tive que pagar mudança, instalação de central de ar e outras coisas. Quero que se faça justiça e que eu tenha o ressarcimento do meu dinheiro corrigido”, disse Alexandra.

A autônoma registrou boletim de ocorrência na 1ª Delegacia de Polícia (DP) em novembro, meses após contratar o serviço. Segundo a vítima, o Marinho prestou depoimento, junto com advogado, e teria alegado que não tinha começado as obras devido ao atraso na entrega de materiais.

Marinho também é investigado pela 9ª DP. O delegado Nixon Kennedy detalhou que o suspeito não tem registro no Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU) do Amapá e mentia ao dizer que era proprietário de uma empresa de construção civil.

“A forma de agir é sempre muito semelhante. Ele se dizia arquiteto, com isso ele conversava com a vítima e mostrava conhecimento na área, o que parece até que ele tem. E sempre formalizava contrato com o contratante. Em todos os casos as vítimas antecipavam o valor, ele iniciava e depois abandonava. E agora ele se colocou em local incerto”, explicou Nixon.

Em outro print, Marinho fala que vai terminar os projetos arquitetônicos — Foto: Rita Torrinha/Arquivo Pessoal

Segundo o advogado Antônio Marcelo Marinho, que faz a defesa do suspeito, o caso se trata de uma relação comercial e uma possível quebra de contrato, não existindo o estelionato. Ainda de acordo com o defensor, os próprios contratantes pediram que as obras fossem paralisadas.

O advogado também afirma que em nenhum momento o suspeito se apresentou como arquiteto.

Aas vítimas dos dois inquéritos em andamento e, no entanto, contam o contrário. Em “prints” encaminhados por elas, em um aplicativo de mensagens instantâneas, as conversas demonstram que ele se dizia ser arquiteto e que ele mesmo assinava os projetos de arquitetura.

A segunda vítima é a jornalista Rita Torrinha, de 40 anos. Junto com o marido, ela pagou R$ 10 mil reais para a construção de duas suítes na casa da família. Depois de muito adiar o início da obra, Marinho fez apenas uma escavação do terreno antes de sumir, segundo ela.

A vítima, que é colega de profissão de Marinho, não desconfiou que ele praticaria o golpe. Ela pede justiça e alerta para que outras pessoas tenham atenção nesse tipo de caso.

“Quero reaver o dinheiro que perdi, mas principalmente, quero que ele pague por esse crime e que meu exemplo sirva para que outras pessoas fiquem mais atentas e denunciem. Sou jornalista, tenho como premissa investigar as coisas antes de agir, mas não desconfiei da pessoa que trabalhava ao meu lado”, relatou Rita.

Fonte: G1 Amapá

Como será quando eu morrer – Crônica de Elton Tavares

13-the-death

Às vezes me pego pensando: quando eu morrer vão lembrar de mim por quanto tempo? De que forma recordarão este jornalista? Vira e mexe penso que, após quatro décadas de vida intensa, desviver pode estar próximo de acontecer.

13154morte

Será que vão contar piadas sobre situações inusitadas ou presepadas que cometi? Sei não, talvez a família e os amigos mais próximos até sofram, mas logo esquecerão deste gordo, feio, chato e brigão. Quem sabe será melhor desta forma, assim não terá muito mimimi…É que nunca fui dado a dramas.

morte

Não sei se vou bater na porta de Deus ou do diabo (Não que eu tenha cultuado forças maléficas ou feito o mal a quem não procurou, mas ninguém sabe os critérios de avaliação da força que rege tudo isso aqui), se é que eles existem. Nada de exame de consciência, pois daria negativo.

fila-da-reencarnacao

Não sei se a passagem pra outra vida é a entrada na fila da reencarnação para outra existência, dimensão, planeta ou realidade paralela.

12301710_916971898355842_2394745096422163522_n

Não que eu esteja com pressa, mas penso mesmo no desencarne. Nada de finitude. É como dizem, todo mundo quer ir para o céu, mas ninguém quer morrer. Mas se rolar, minha estada por aqui valeu a pena. E como Valeu!

enterro_gordo_02

E o caixão? Vão ter que pegar um guarda-roupa, tirar portas e gavetas pra caber este gordo. Só lembro do Sal, que uma vez me disse: “Porrudo, se tu morrer antes de mim, apesar de sermos brothers, não vou pegar na alça do teu caixão. É que não sou chegado a serviço pesado” (risos).

cad2-ilu

Não sei onde e como acontecerá. Apenas suspeito. Acho que o cabo da matrix será puxado de repente, como um raio, um piscar de olhos. Tomara que assim seja. Esse negócio doido de morrer, que sabemos que vai acontecer, mas sempre nos surpreende é muita onda.

10268656_796178203755878_6529586721803936335_n

Mas de volta ao tema principal, como será após eu subir no telhado. Falo dos meus familiares, amigos. Espero que sintam a saudade gostosa que tenho do meu pai, aquela sem nenhum ressentimento.

Tenho certeza que daria uma passada pelo Purgatório, afinal, já magoei um monte de gente e dei porrada noutro tanto. Isso quando mais jovem, mas pecados são pecados. Não tem jeito.

marker20_thumb_thumb

Quero que na lápide seja escrito: “Godão, ardoroso partidário da causa hedonista, botou pra quebrar. Amou os seus, combateu os inimigos de forma limpa, viveu como quis e se divertiu a valer. Com um histórico imenso de confusões, vítima da sua própria sinceridade”.

fatso

Aliás, desafetos é o que não me faltam. Talvez role até uma festa deles para comemorar meu embarque para Caiena. Quando eu morrer, se valer a pena, alguém pode escrever, eu autorizo. Mas se falar mal, volto, e minha mizura vai cobrir de porrada o autor da crítica.

quandoeumorrer

Dizem que quando a gente morre passa um filme. O meu será um mix de romance, drama, aventura, humor e comédia. Enfim, quando chegar a hora, como disse o mestre Nelson cavaquinho: “quando eu morrer, os meus amigos vão dizer que eu tinha um bom coração. Alguns até hão de chorar e querer me homenagear, mas depois que o tempo passar, sei que ninguém vai se lembrar”. É por aí mesmo. Por isso vivo o agora. Digo a quem amo que os amo e honro os meus com declarações de amor viscerais. Pois é assim que deve ser. Mas afinal, como será quando eu morrer?

Elton Tavares

 

30 anos da queda do Muro de Berlim, o monumento à estupidez

tumblr_mo3rcuddt11stvygto1_500
Há 58 anos, a República Democrática Alemã (Alemanha Oriental) construiu o Muro de Berlim, no período pós Segunda Guerra Mundial, quando a Alemanha foi ocupada por os russos à Leste e franceses, ingleses e americanos à Oeste.

A muralha separava a Berlim Ocidental da Alemanha Oriental, incluindo Berlim Oriental. Hoje (9) fazem 30 anos que o muro da vergonha foi derrubado.

muro-de-berlim-queda

A muralha tinha 156 km de extensão, 302 torres de observação, 127 redes metálicas eletrificadas com alarme e 255 pistas de corrida para ferozes cães de guarda. Ele simbolizava a chamada “cortina de ferro” entre a Europa Ocidental e o Bloco de Leste do continente europeu. Era uma barreira quase intransponível.

tumblr_n1mevhp2oo1qcis7co1_400

A barreira física simbolizava a divisão do mundo em duas partes: os países capitalistas encabeçados pelos Estados Unidos da América (EUA) e o outro composto pela República Democrática Alemã (RDA) e os países socialistas simpatizantes do regime soviético. A época foi marcada pela oposição entre Estados Unidos e União Soviética no período conhecido como Guerra Fria.

Foram 29 anos de suspensão do direito de ir e vir dos alemães em seu próprio país. Quanta Democracia não?

14311812-1

Há cinco anos, oito mil balões iluminados cobriram 15 quilômetros, dos 155 Km, onde existia o Muro. O objetivo foi mostrar para os alemães mais jovens e para os turistas onde ficava a muralha passados 29 anos, na época, e como a cidade era dividida.

Em 2014, os balões foram soltos ao som de ‘Ode à Alegria’, a última parte da nona sinfonia de Beethoven, para iluminar os céus de Berlim. É o mesmo horário que iniciou a derrubada da muralha, há 30 anos. A queda do Muro de Berlim marcou a reunificação alemã e o fim da Guerra Fria.

12208505_1217069038320047_79275131971104108_n

Eu tinha 13 anos e lembro bem daquelas imagens que vi na TV. A população destruindo o monumento à estupidez. Uma frase, escrita no paredão, previu queda do muro em um futuro mais distante: “No próximo século, tocarei o teu coração“. Lindo e triste.

zz53b3a74d

Ainda existem muitos tipos de intolerância e absurdos no mundo, mas Muro de Berlim sei foi. Pena que ainda existem imbecis como Trump, presidente do EUA e sua vontade de construir o muro contra mexicanos. Tomara que a humanidade avance contra “ismos” e “fobias”, pois muitos não assumem, mas possuem muros dentro de suas cabeças e corações.

Fica a lição e nossa torcida esperançosa para que coisas deste tipo nunca mais ocorram.

Elton Tavares

Cry Me a River – Por Arthur Muhlenberg (sobre a classificação do Flamengo)

A semifinal da Libertadores que consagrou o Flamengo como time que joga o melhor futebol do Brasil, apesar da discordância de simpatizantes do PSL, começou de uma forma totalmente inesperada. Ao contrário do que fizeram no jogo de ida no Uruguai do Norte, os imortais tricolores (risinhos abafados) partiram pra cima do Flamengo, tentando imprensar o time maior através da marcação cerrada lá no nosso campo de defesa. Já disseram que o plágio é a expressão mais sincera do elogio. Foi bonitinho eles tentando nos imitar, mas não adiantou porra nenhuma.

Depois de meia hora dessa marcação insana, os maluco já estavam pregadões, com palmos de língua pra fora, torcendo pelo amor de Deus pro 1º tempo acabar antes que um deles caísse duro no gramado. Mas eles não se deram bem, numa hora lá em que faltou fôlego pra dividirem uma bola no meio o Bruno Henrique puxou aquele contra-ataque rápido e violento, Gabigol recebeu na área e mandou o sapato, o goleiro deu mole e Bruno Henrique jogou no barbante, 1×0. Que fase espetacular do Bruno Henrique, suas arrancadas são impressionantes, o cara nasceu no planeta Bolt. E ainda sabe fazer gol.

Time rubro-negro ser classificou para a final da Copa Libertadores, onde enfrentará o River Plate, da Argentina, em novembro (Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)

Obtida a vantagem mínima no placar dissipou-se na mesma hora toda a tensão que vinha sendo acumulada ao longo de dias pelos rubro-negros. Tensão que não era pouca, gerada nem tanto pelo grau de dificuldade do desafio esportivo a ser travado em campo, mas principalmente pela solenidade e transcendência do momento histórico. A torcida do Flamengo tem sensibilidade pra dar e vender.

Nenhum torcedor do Flamengo é obrigado a respeitar o Imortal do Pampas (risos comedidos), mas todos tem obrigação de fazer as devidas reverencias ao hiato de 38 anos entre as aparições do Flamengo em finais de Libertadores. O momento exigia sim, um mínimo de contrição por parte dos barulhentos flamengos. Mas com o gol do Bruno Henrique a tensão, junto com a compostura, desapareceu imediatamente. Virou festa.

No intervalo os bares do estádio voltaram a encher e tava todo mundo bem calminho, apreensão entre nós não havia. Até quem assistia ao jogo em casa pela TV aproveitou pra ir ao banheiro tranquilo ou estourar um Caramuru 3 tiros em direção ao vizinho secador. Era muito evidente que o Imortal (risos de claque de programa humorístico) tava mortinho. Só faltava enterrar.

Foto: Mídia Bahia

Já o 2º tempo foi diferente. O Flamengo, provavelmente incentivado pelas furiosas catilinárias do Mister no vestiário, entrou com fogo no rabo e em 30 segundos Gabriel já tinha feito um golaço de canhota pra consignar 2 x 0. Que marcou o início do passeio e também o fim definitivo da verve renightiana.

Nessa hora deu pra ver direitinho os gremistas mais precavidos começado a abandonar o Maracanã. Segundo Lupicínio, eles vão a pé onde o Grêmio estiver. Dava até pra imaginar os infelizes se antecipando pra acompanhar com passo arrastado o Imortal (é ironia, gente) na sua longa caminhada rumo à casa do caralho. Vão ter bastante tempo pra chorar esse defunto.

E esses tricolores fizeram muito bem em dar linha na pipa mais cedo. Em menos de 10 minutos Gabriel fez seu 2º gol, um pênalti daqueles tão evidentes que Daronco, Vuaden et caterva jamais dariam, mas que o juiz argentino apitou com total convicção e sem nem olhar pro monitor do VAR. O que até então parecia ser apenas um passeio meio chato pro Grêmio se transformou rapidamente na versão tijucana do Massacre da Serra Elétrica.

Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

O Flamengo oprimia, não dava espaços, não deixava os gaúchos sequer tocarem na bola. O Imortal (epíteto compartilhado com meu ovo) estava sendo triturado sem a menor cerimônia. A arquibancada apinhada de gente bem vestida, elegante e sincera era um mar vermelho e preto onde um Leviatã indomável emergia, resfolegava e rugia num frêmito hipnótico e assustador. Não se pode culpar os gremistas por se amedrontarem, quando os bares do Maraca fazem promoção vendendo 2 cervejas a 10 real o flamenguista médio fica meio perigoso mesmo e não é bom ficar de bob por perto.

Visivelmente abalados, os gremistas não queriam mais nada com o jogo, arregaram completamente. O domínio do Flamengo era tão humilhante que a gauchada não tinha disposição nem pra apelar ao violento e desleal jogo de fronteira que usualmente se pratica nas coxilhas que ficam pra lá do Mampituba. Baldando assim todas as minhas esperanças no aparecimento das cenas lamentáveis que conferem um charme vândalo à Libertadores.

Inermes, doidos pra voltar invisíveis pra dentro da barriga da mamãe o quanto antes, os grêmio acabaram deixando o Flamengo escolher como terminar aquele duelo tão desigual. E o Flamengo, sem um pingo de empatia ou sombra de misericórdia, optou por esculachar os farroupilhas. Em campo, a disparidade de intensidade entre as equipes era tão evidente que era possível até corta-la com uma faca.

Foto: Olé

Na beira do gramado, contrastando com a expressão glútea que nublava as feições do outrora verboso Renight, Jorge Jesus, que é igual à mãe do Prince na When Doves Cry (she’s never satisfied) gesticulava apoplético, visivelmente muito puto com a timidez do placar parcial de 3 x 0. Tomado pela ira, o estratego luso de longas cãs conclamava o Flamengo a partir pra cima e não fazer prisioneiros com tamanha ênfase que até eu me levantei da poltrona e fui me colocar no segundo pau a espera de um rebote.

Talvez por puro medo do português os nossos beques foram lá na frente fazer graça e se deram bem. O quarto e o quinto gol saíram em rápida sucessão. Sem desmerecer os dotes ofensivos dos nossos zagueiros, deu a impressão de que o amigo Paulo Vitor nos ajudou um pouquinho nessa festa da uva fora de época.

Foto: O Lance

Só não entendi muito bem por que o Flamengo não aproveitou melhor o momento mão de alface do goleiro deles e chutou mais vezes de fora da área. Se fosse no gol, entrava. Depois os marmanjos não sabem por que tão toda hora sendo comidos no esporro por Jesus. Ora, meus amigos, é evidente que levam esporro porque cometem esses erros infantis. No fundo isso é bom, mostra que o Flamengo pode melhorar, ainda não chegou ao seu apogeu.

Foto: Mídia Bahia

Com 5×0 no placar já não fazia mais tanta diferença um gol a mais ou menos, o Imortal (teu cu) estava aniquilado por pelo menos umas 3 encarnações. O time do Flamengo, tenho certeza que os jogadores vão negar isso até a morte, tirou um pouco o pé pra não estragar o velório. Com exceção do fominha Jorge Jesus, não tinha mais ninguém no Maracanã com fissura de gol. A turba rubro-negra, que não é olho-grande, estava plenamente saciada.

E tinha os mais justos motivos pra essa saciedade. Nos dois jogos pela semi da Libertadores o Flamengo tinha feito 10 gols no Grêmio. 10 gols! 10 gols! 10 gols! Meia dúzia deles valeram e outros 4 foram anulados, surrupiados, subtraídos, metidos ou afanados por vocês sabem quem. Mas quando o seu time faz 10 gols em 2 jogos e volta à final da Libertadores depois de quase duas gerações ausente o torcedor não quer guerra com ninguém. Muito menos com o adversário que já tá todo caquerado. Deu até pena deles (mentira deslavada).

As partidas que o Flamengo jogou contra a gauchada (ambas as duas) são um belo cartão de visita pra chegar na final da Libertadores, seja lá em que capital da Ursal ela venha a ser jogada, com muita moral. É por causa desses 10 gols que Marcelo Gallardo está até agora perplexo, catatônico em frente à TV e ninguém mais dorme no Monumental. Ficamos honrados com a admiração, o treinador argentino nem devia se envergonhar por isso. Em Liverpool, que é tão nosso freguês quanto o River, ninguém tá conseguindo dormir também.

Hasta la victoria siempre!

Mengão Sempre

Fonte: República Paz e Amor

Meu céu – Crônica bem humorada sobre o paraíso de cada um (o deste jornalista, no caso)

Há meses escrevi uma crônica sobre como seria o meu “Inferno”. Hoje vou falar/escrever um pouco de como seria o meu céu. Não sei baterei na porta do céu como Bob Dylan. Nem se vou achar o lugar igualzinho ao paraíso, como sugeriu o The Cure, mas estou atrás da “Stairway To Heaven” do Led Zeppelin. Só não vale ter “Tears In Heaven”, do Eric Clapton. Mas vamos lá:

Meu céu é em algum lugar além do arco-íris, bem lá no alto. Bom, lá, ao chegar ao meu recanto celestial, eu falaria logo com ELE, sim, Deus ou seja lá qual for o nome dele (God; Dieu; Gott; Adat; Godt; Alah; Dova; Dios; Toos; Shin; Hakk; Amon; Morgan Freeman ou simplesmente “papai do céu”) e minha hora já estaria marcada.

Ah, não seria qualquer deusinho caça-níquéis (ou dízimos) não. Seria o Deus de Spinoza, que como disse Einstein: “se revela por si mesmo na harmonia de tudo o que existe, e não no Deus que se interessa pela sorte e pelas ações dos homens”.

Após este importante papo com o manda chuva do paraíso (tá, quem manda chuva mesmo é o seu assessor, São Pedro, mas eu quis dizer mesmo é do chefão celestial), daria um rolé e encontraria todos os meus amores que já viraram saudade. Ah, como seria sensacional esse reencontro!

Bom, meu céu é todo refrigerado e chove. Chove muito, mas nunca inunda as vielas do paraíso e nem desabriga ninguém por lá. Ah, abaixo dele chove canivetes nos filhos da puta (que não são poucos) que encontrei durante a jornada pré-celestial. Óquei, pode soar meio lunático, mas é o meu céu, porra!

No meu céu não tem papo furado, como no capítulo 22, versículo 15, do livro de Apocalipse. Lá entrarão impuros sim ou seria uma baita hipocrisia EU estar neste céu. No meu céu não toca brega, pagode e sertanejo sem parar, afinal, isso é coisa do inferno. Ah, no meu céu não entra corrupto, pastor explorador, padre pedófilo ou escroques de toda ordem, esses tão lá no meu inferno e eu ainda teria o direito de cobri-los de porrada!

Heaven – Foto: Elton Tavares

No meu céu as pessoas se respeitam, não tentam a todo o momento tirar vantagens do outro. No meu céu, serviços prestados são pagos na hora, chefes são justos e não rola fofoca. Lá não tem puxa-sacos, apadrinhados ou seres infetéticos desse naipe que a gente, infernalmente, convive na terra diariamente.

No meu céu tem churrasco, pizza, sanduba, entre outras comidas deliciosas e que nunca, nunca mesmo, nos engordam (pois é infernal o preconceito fitness). Lá também não sentimos ressaca. No meu céu tem show de rock o tempo todo, com todos os monstros sagrados que já embarcaram no rabo do foguete e a gente curte pela eternidade.

Lá no meu plano celestial não existe a patrulha do politicamente correto, nem gente falsa, invejosa, amarga, e, muito menos, incompetentes. Se tá no céu, se garante, pô!

Não imagino o céu como um grande gramado onde todo mundo usa branco, ou um local anuviado onde anjos tocam trombetas e harpas. Não, o céu, se é que ele existe (pois já que o inferno é aqui, o céu também é) trata-se de um local aprazível para cada visão ímpar de paraíso, de acordo com nossas percepções e escolhas. Bom, chega de ficar com a cabeça nas nuvens. Um excelente final de semana para todos nós!

Foto: Elton Tavares

Eu acho que há muitos céus, um céu para cada um. O meu céu não é igual ao seu. Porque céu é o lugar de reencontro com as coisas que a gente ama e o tempo nos roubou. No céu está guardado tudo aquilo que a memória amou…” – escritor Rubem Alves (que já foi para o céu).

Elton Tavares (que graças à Deus, tem uma sorte dos diabos).