Hoje rola Roda de Batuque na orla de Macapá

Neste domingo (14), a partir das 17h, no Norte das Águas, será realizada a Roda de Batuque. Idealizado pelo Grupo Bandaia de Batuque e Marabaixo e com direção musical de João Amorim, o evento visa o fortalecimento de ritmos, musicalidade e cultura locais. Os encontros sempre foram são sucesso de público e crítica. A entrada será gratuita.

Então, hoje às margens do Rio Amazonas, tem essa ótima oportunidade para quem é de dança e quem curte Batuque, Marabaixo, Zouk, Bandaiae Cacicó.

“Venha dançar com a gente nesta grande festa popular, com muita gengibirra, saião, toalha, cores e muita gente bonita e feliz. Marabaixo, zulk, Bandaia e Cacicó vão botar o povo pra dançar”, destacou o músico e organizador, João Amorim.

Serviço:

Roda de Batuque no Norte das Águas – Complexo do Araxá
Local: Norte das Águas, localizado no Complexo do Araxá.
Data: 14/01/2018
Hora: a partir das 17h.

Elton Tavares

‘Levada’ do Piratão quer reunir mais de 8 mil pessoas na orla de Macapá

Por Jorge Abreu

A orla de Macapá vai ganhar as cores amarelo e azul neste domingo (14). Será o primeiro ensaio aberto ao público da escola de samba Piratas da Batucada. A “levada” vai percorrer a orla de Macapá e espera reunir mais de 8 mil pessoas.

A concentração está marcada para 16h, no complexo do Araxá. O término do percurso será na quadra do “Piratão”. Um trio vai acompanhar o público e a escola deve levar interpretes oficiais, bateria, casal de mestre-sala e porta-bandeira, passistas e

De acordo com o presidente da Piratas da Batucada, Marcelo ‘Zona Sul’, o evento antecipa a festa em homenagem aos 10 anos do samba-enredo da escola de samba carioca Beija-Flor de Nilópolis que homenageou o Amapá.

Percurso será na rola de Macapá até a Caverna do Pirata (Foto: Divulgação)

“Ano passado, organizamos o primeiro ensaio em cima da hora, o público superou nossas expectativas com cerca de 8 mil pessoas. Ao todo, fizemos seis levadas na orla. Agora, queremos um número maior de brincantes”, disse, entusiasmado.

Serviço:

Levada Zona Sul da escola Piratas da Batucada
Data: 14 de janeiro (domingo)
Hora: 16h (concentração)
Local: Complexo do Araxá

Fonte: G1 Amapá

SACI MANDA AVISAR QUE TEM CARNAVAL, SIM SENHOR!

O Bloco Saci Pererê completou no último dia 10, 46 anos de criação. Para comemorar esses anos de muita irreverência, alegria e amizade, a diretoria do bloco programou o retorno das famosas “Domingueiras do Saci”, já para hoje (14), a partir das 14h, na lendária esquina do Bar Xodó com o Lennon (General Rondon com Iracema Carvão Nunes – Centro). O local sempre foi ponto de concentração dos Sacis, independente de ser época de carnaval, ou não.

Com o retorno das domingueiras vem junto também o tradicional “arrastão” pelas ruas do Centro de Macapá. “Vamos tentar”, brincou Peixinho, um dos fundadores do bloco. Aproveitando o retorno do carnaval do Pererê, os “Sacis” reinauguram o famoso “Bar Xodó”, que volta a ser o local de concentração das Domingueiras do Saci.

Então tá combinado: Domingo tem carnaval do Saci Pererê, a partir das 14h, no Bar Xodó.

Haverá venda de abadá, ao preço de R$ 20,00.

Tica Lemos
Assessoria de comunicação

Espetáculo Novo Amapá volta ao palco do Teatro das Bacabeiras

Por Adryany Magalhães

Pelo sétimo ano o espetáculo Novo Amapá volta ao palco para relembrar um dos maiores naufrágios da Amazônia. A peça será encenada no dia 6 de janeiro as 20h, no Teatro das Bacabeiras.

O espetáculo teatral é o olhar artístico sobre o maior naufrágio fluvial da história brasileira. O acidente ocorreu no dia 6 de janeiro de 1981 no Rio Cajarí (proximidades da fronteira entre o Estado do Amapá e Pará) quando o barco Novo Amapá naufragou deixando cerca de 600 vítimas.

A montagem é baseada no texto “Triste Janeiro” do jovem ator e dramaturgo Joca Monteiro que através de poemas homenageia todos os envolvidos naquele acontecimento. A direção fica por conta de Marina Beckman. Paulo Rocha assume a direção de arte.

Além da poesia, o trabalho tem influencias do teatro físico, conta ainda com inserção de vídeos e é construída por meio de diversos processos de experimentações artísticas coletivas.

Na peça o público é conduzido a viajar nos sonhos e encantos da infância, onde o “puc puc puc” dos barquinhos dão ao homem o prazer da libertação e as águas tornam-se a porta para descobertas e anseios de “palmo a palmo” conquistar mundo. Na luta por este sonho, o homem se torna coisa, carga, engrenagem de um sistema mecânico que o explora de todas as formas e nos acontecimentos mais corriqueiros.

Apesar de condicionado à exploração, o homem não perde a sua essência humana, sofre os amores e as perdas, mas não submerge a esperança por dias melhores.

Serviço

Espetáculo Novo Amapá
20h no Teatro das Bacabeiras
Dia 6 de Janeiro de 2018
Ingresso: R$ 10,00

Contato: Adryany Magalhães
Ascom Cia. SuperNova – 991445442

Com ‘King Kong’ de 11 metros, circo estreia temporada em Macapá

‘King Kong’ promete transformar cada sessão em um turbilhão de emoções (Foto: Circo Khronos/Divulgação)

O ano de 2018 começa com muita diversão em Macapá com a chegada do circo ‘Khronos’. Para uma temporada especial e inédita na cidade, o picadeiro receberá atrações tradicionais misturadas com tecnologia. O espetáculo estreia na sexta-feira (5), a partir das 20h, no estacionamento de um shopping na Zona Sul da capital.

Segundo o diretor-geral do circo, Edilson Ribeiro, a atração deve permanecer na capital durante o mês de janeiro, com sessões diárias e horários para atender todos os públicos. Os ingressos variam entre R$ 15 e R$ 40.

Fundado em Goiás, e com apenas 8 anos, o circo já percorreu várias cidades de diferentes estados, como Bahia, Tocantins, Pará e Brasília. Essa é a primeira vez que a trupe goiana vem para o Amapá.

Cada sessão tem duração de 1 hora e 30 minutos. A magia do mundo circense será apresentada através de balé aéreo, shows de malabares, palhaços, dança, mágicos e números de risco, como o clássico “globo da morte” e o “trono”.

No espetáculo também não faltará tecnologia: um dos números será o “Homem Lazer”, que faz um show pirotécnico com som e luz; o “King Kong”, um gorila mecânico com 11 metros de altura; além da participação de bonecos mecânicos que imitam dinossauros.

“Nossa principal atração é o ‘King Kong’, que tem uma participação bem teatral, que vai de encontro com os dinossauros, outros personagens amados e temidos pelo público. É um tanto assustador, assim como emocionante”, contou Ribeiro.

Nos dias de semana, o valor é de R$ 30 (inteira) e R$15 (meia). Aos fins de semana e feriados, custa R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia). Os estudantes e crianças pagam meia. Na semana, as sessões serão apenas às 20h30. Aos sábados, domingos e feriados, as sessões são às 16h, 18h e 20h30.

Serviço:

Circo ‘Khronos’ em Macapá
Estreia: dia 5 de janeiro (sexta-feira)
Período: durante todo o mês de janeiro
Horários: 20h30 (de segunda à sexta-feira); 16h, 18h e 20h30 (fins de semana e feriados)
Local: Estacionamento do Amapá Garden Shopping (Rodovia JK)
Ingressos: R$ 15 e R$ 30* (de segunda à sexta-feira); R$ 40 e R$ 20* (fins de semana e feriados)
*meia-entrada

Fonte: G1 Amapá

Curupira Vampiro promove ‘open bar’ para celebrar a chegada de 2018

A produtora Curupira Vampiro retornou as atividades em grande estilo em 2017, com o show de Pabllo Vittar, atual fenômeno da música pop. Para celebrar ainda mais e somar ao portfólio de sucesso, a produtora realizará, no dia 31 de dezembro, na Sede dos Magistrados, mais um grande evento open bar, para brindar a chegada de 2018.

Conhecida pelos bons serviços oferecido no ‘open bar’ que realiza, para o novo ano não poderia ser diferente. “A gente preza por um serviço de qualidade, porque sabemos que faz a diferença para o clientes, logo, faz sentido também como produtora oferecer o melhor open bar da cidade. Queremos ver todos se divertindo, dançando e cantando. E é que daremos as boas-vindas a 2018, e em grande estilo, junto com nosso público”, comenta o CEO da produtora, Thalis Rudah.

O cantor Jhimmy Feiches, considerado uma das maiores revelações musicais amapaense, abre a noite da virada, e as produtoras paraenses, “MeAchuta” e “Noize”, além do Dj residente, Luih Grangeiro, seguem animando a primeira festa da produtora de 2018.

A intenção dessa festa, de acordo com a produtora, é comemorar a volta da Curupira Vampiro, que celebra oito anos de realização de festas que renderam ao grupo credibilidade que também assinassem outras coproduções e, aliado a isto, reunir amigos e o melhor público para começar 2018 com o pé direito.

Contatos para entrevista:
Júnior Nery (96) 98127-1559
Jornalista (DRT 343-AP)
D1 Comunicação

Júnior Nery
Jornalista (DRT 343-AP)
+55 (96) 98127-1559
E-mail: [email protected]
Twitter: @jr_nery / Facebook/jrneryoficial

I Tambores do Quilombo celebra riqueza afro do Amapá

Por Andreza Teixeira, da Agência Amapá

A população afrodescendente do Amapá celebra as riquezas de sua cultura e o fomento da economia informal com o I Tambores do Quilombo que acontece durante dois dias em Macapá, 26 e 27 de dezembro, na Avenida Mário Cruz, no Centro. A iniciativa inclui a apresentação de 59 grupos de comunidades tradicionais amapaenses e reúne desfile afro, batalhas de hip-hop e apresentações de danças como marabaixo, batuque e sairê. O público pode, ainda, conhecer ritos de matriz africana e de candomblé.

O evento é organizado por uma comissão de representantes dos segmentos incluídos na programação e tem o apoio do Governo do Amapá, que investiu R$ 330 mil, através da Secretaria de Estado da Cultura (Secult). Deste montante, 60% é destinado ao pagamento dos cachês aos grupos envolvidos.

A chefe de gabinete da Secult, Oriene Sussuarana, explica que o I Tambores do Quilombo surgiu a partir de um anseio da sociedade civil e foi elaborado de forma participativa, envolvendo todas as comunidades que são, em sua maioria, quilombolas. “Com isso, o Governo do Amapá valoriza a população afrodescendente e demonstra respeito à diversidade religiosa”, ressaltou.

Uma das organizadoras, Patrícia Costa, reitera que o evento tem a proposta de reunir as comunidades tradicionais. “São dois dias de evento para rufar os tambores em Macapá”, enfatizou.

Valorização cultural

A programação desta terça-feira, 26, iniciou com a apresentação de ritos de matriz africana, para desejar êxito ao evento. Um dos participantes foi o pai de santo Marcos Ribeiro, que é babalorixá de candomblé. Ele afirmou que a ação estimula a valorização das religiões de origem africana e ajuda a diminuir o preconceito. “Esta é uma oportunidade que nos permite mostrar nossa tradição e nossa forma de trabalho. E, com certeza, contribui para desconstruir a imagem negativa que algumas pessoas têm sobre esta religião”, avaliou.

Após os ritos, o público pôde assistir às apresentações de batuque, marabaixo e sairê. A cantora e dançarina Alice Reis, 11 anos, é da Vila de Mazagão Velho, no município de Mazagão e representou o grupo Raízes do Marabaixo Infantil, que inclui participantes de 2 a 15 anos de idade. Alice faz parte de uma família de marabaixeiros e conta que o amor pela dança iniciou quando ela dava os primeiros passos.

A menina não conteve a emoção ao se apresentar no I Tambores do Quilombo. “Quando eu estava no palco, a sensação que eu tive em ver as crianças do meu grupo dançando foi muito boa. Estávamos tentando nos apresentar em Macapá há um ano e meio. É muito emocionante trazer um pouco da nossa cultura para cá”, confessou.

O autônomo José Araújo, 64 anos, assistiu às apresentações acompanhado da neta Stefani, de 4 anos. Para ele, eventos como estes são importantes para celebrar a diversidade e valorizar as tradições do povo amapaense. “Trouxe minha neta para que ela conheça um pouco mais sobre nossa cultura”, disse.

O I Tambores do Quilombo segue nesta quarta-feira, 27, com desfile afro, apresentações de danças e batalhas de hip-hop. Além de fortalecer e difundir a cultura afro, o evento fortalece a geração de emprego e renda ao atrair dezenas de empreendedores, fomentando a economia informal.

*Fotos: André Rodrigues

Dark: o passado é determinado pelo futuro? – Por @giandanton

Por Gian Danton

Dark, a primeira produção alemã da Netflix, é uma das melhores histórias que já vi sobre viagens no tempo.

Ela parte de uma premissa que lembra muito Strange Things: o desaparecimento de um garoto em uma cidadezinha do interior e as investigações para encontrá-lo. O caso parece estar relacionado a outro desaparecimento que ocorreu no mesmo lugar, 33 anos antes.

Mas Dark é muito, muito mais adulto e, principalmente, muito mais profundo e igualmente mais complexo (e também muito mais difícil de entender). Há dezenas de personagens e, em alguns casos, suas versões de períodos diferentes em narrativas que muitas vezes correm paralelas, nos anos de 1953, 1986 e 2019. Isso certamente afastará os leitores mais desatentos. Não é difícil perder-se nesse emaranhado de presente, passado e futuro. E pode ser mais difícil ainda compreender as implicações científicas e filosóficas da história.

Durante muito tempo a Alemanha foi o berço de alguns dos mais importantes filósofos da humanidade, de Kant a Schopenhauer, em um processo que culminou em Nietzsche. Durante muitos anos dizia-se que só se podia filosofar em alemão. Da mesma forma, pode-se dizer que uma série como Dark só poderia surgir na Alemanha. É do caldeirão cultural, filosófico e histórico alemão que se forma essa estranha história que parte do princípio de que o futuro é capaz de transformar o passado. Mais do que isso: parte da premissa de que o futuro determina o passado, uma curiosa inversão do determinismo social e histórico.

Estruturada na forma de quebra-cabeça, em que o expectador vai aos poucos ligando as peças dessa estranha estrutura, é também uma série que faz pensar, inclusive sobre sua premissa básica: somos mesmo prisioneiros de um destino?

Fonte: blog do Ivan Carlo.

Hoje rola Roda de Batuque na orla de Macapá

Neste domingo (17), a partir das 20h, no Bar do Nêgo, será realizada a Roda de Batuque. Idealizado pelo Grupo Bandaia de Batuque e Marabaixo e com direção musical de João Amorim, o evento visa o fortalecimento de ritmos, musicalidade e cultura locais. Os encontros sempre foram são sucesso de público e crítica. Hoje será o retorno deste projeto. A entrada será gratuita.

Então, hoje às margens do Rio Amazonas, tem essa ótima oportunidade para quem é de dança e quem curte Batuque, Marabaixo, Zouk, Bandaiae Cacicó.

“Estou orgulhoso voltarmos a realizar a Roda de Batuque. E no Bar do Nego, onde tudo começou. Vários artistas já confirmaram presença. Venha dançar com a gente nesta grande festa popular, com muita gengibirra, saião, toalha, cores e muita gente bonita e feliz. Marabaixo, zulk, Bandaia e Cacicó vão botar o povo pra dançar a noite inteira”, destacou João Amorim.

Serviço:

Roda de Batuque no Bar do Nêgo
Local: Bar do Nêgo, localizado no Complexo Beira Rio, orla de Macapá, na Avenida Beira Rio (segundo quiosque de quem vem da Praça do Coco, em frente ao Macapá Hotel).
Data: 17/12/2017
Hora: a partir das 20h.

Elton Tavares

15 e 16 de dezembro tem Amapá Jazz Festival no Complexo do Araxá

Neste final de semana o Amapá Jazz Festival chega em sua 9ª edição, e as margens do rio Amazonas, continuam a ser o cenário do maior encontro de instrumentistas da região Norte. Finéias Nelluty, músico, criador e produtor do evento convidou para o palco grandes músicos do Amapá, e o público poderá ainda prestigiar exposições de instrumentos e artes plásticas. O Festival tem o apoio da Prefeitura Municipal de Macapá (PMM) e será nos dias 15 e 16 de dezembro, a partir das 20h, no Norte das Águas, localizado no Complexo do Araxá.

Nesta edição, os músicos convidados são o mestre Nonato Leal, que será o homenageado deste ano, Israel Cardoso, Heberson Fernandes, no dia 15, sexta-feira. E no sábado, 16, sobem no palco os músicos Israel Nascimento, Mareco’s Land e Manoblues Band. Todos com um histórico de excelência, experiência e respeito do público, que selecionaram um repertório de grandes sucessos autorais, regionais, nacionais e internacionais. Como atração, estará disponível também a exposição Instrumentarte, do músico Ceará da Cuíca, e o Coletivo da Galeria de Artes Samaúma.

Ao dar os primeiros passos para realizar o Amapá Jazz Festival, Finéias Nelluty, multi-instrumentista amapaense, colocava em prática o sonho de popularizar a música instrumental e fazer com que uma grande plateia se juntasse ao seu redor em um espaço público. O local escolhido foi a beira do rio Amazonas, no final do verão, aproveitando a paisagem que se forma na orla, quando o Complexo do Araxá se torna um grande palco aberto onde o fundo é o rio, e o som é de instrumentos e da natureza.

Através do Festival o Amapá já recebeu artistas como Artur Maia e Ney Conceição, e atrações internacionais como saxofonista moçambicano Ivan Mazuze e o guianense Jean Marceline, compositor e arranjador. Do Amapá, já se apresentaram no Festival músicos como Venilton Leal, Alan Gomes e Amazon Music, entre outros, que foram prestigiados pelo público, e ajudaram a formar as novas plateias que se encantaram com o gênero durante o evento.

“O Amapá está definitivamente inserido no roteiro musical brasileiro, e agradecemos muito ao público, que já espera pelo Festival de Jazz. Mesmo com todas as dificuldades, fazemos por sabermos a importância desse evento para o Amapá, e para quem mora aqui, com poucas opções para este estilo musical. O Amapá ganhou projeção nacional e causou um impacto positivo e diferenciado, porque nenhum estado da região norte promove um evento como este, às margens do maio rio do mundo”, disse Finéias Nelluty.

Serviços:

Amapá Jazz Festival
Data: 15 e 16 de dezembro
Hora: A partir de 20h
Entrada Franca

Mariléia Maciel
Assessoria de Comunicação

Carol Carvalho retorna aos palcos com especial em homenagem a Cartola

O show ‘O Mundo é um Moinho’ apresentará grandes sucesso do sambista carioca

Amante do samba e chorinho, a cantora Carol Carvalho, retorna aos palcos com o especial ‘O Mundo é um Moinho’, homenagem ao sambista carioca Cartola. No repertório sucessos como ‘O Sol nascerá’, ‘As rosas não falam’, ‘Preciso me encontrar’, ‘Cordas de Aço’, dentre outras. O show acontece neste sábado, 09, no Vitruviano Gastrobar, a partir das 22h.

Carol dividirá o palco também com duas participações especiais. Jussara Lima, 9 anos e Kiara Rosa, 7 anos. As duas crianças são filhas de sambistas da escola Piratas Estilizados, da qual Carol já foi intérprete. “As duas são crias do samba, e o artista quando já nasce artista é sempre pra emocionar, e é isso que elas farão no palco”, destaca Carol.

O público pode esperar um show de samba com versões inéditas. “O repertorio foi escolhido com muito carinho e cuidado e tudo isso ganhará versões cheias da minha personalidade”, ressalta a cantora.

A banda que acompanha Carol é composta por: Beto 7 Cordas (Violão 7 Cordas), Gabriel Pinheiro (Cavaco), Cesar (Percussão), Guinho (Percussão), Lolito do Bandolim (Bandolim), Ruan (Flauta Transversal) e Diego Cearense (Direção Musical).

Carol Carvalho, é paraense, mas amapaense de coração, é formada em fonoaudiologia, e sempre teve na música a sua outra grande paixão, alimentada dentro de casa através do incentivo do pai, o também cantor Dom Eladio. Iniciou cantando em igrejas em Belém e tem quatro CDs católicos gravados. Em Macapá, atuou como intérprete das escolas de samba Piratas Estilizados, Piratas da Batucada e Maracatu da Favela. Sua última apresentação foi o especial “Buarque-se, Gilberte-se e Caetane-se”, em 2015.

Serviço:

Show ‘O Mundo é Um Moinho – Especial Carvalho canta Cartola
Data: 9 de dezembro
Hora: 22h
Local: Vitruviano Gastrobar (Avenida Machado de Assis, nº 333, bairro Central)
Ingressos individuais: R$ 30
Informações: (96) 99144-0192 e 98140-4980

Thiago Soeiro
Assessoria de comunicação

Fim da temporada 2017: MP-AP e PMM promovem Luau de Natal na Samaúma nesta sexta, 8

Em clima de confraternização, o Ministério Público do Amapá (MP-AP), em parceria com a Prefeitura Municipal de Macapá (PMM), realiza nesta sexta-feira (8), o Luau de Natal na Samaúma. A exemplo das três edições anteriores, iniciadas em setembro, iniciará às 17h30, na Praça Samaúma, onde fica localizado o prédio da Procuradoria-Geral do Amapá, no Araxá, na zona sul da capital amapaense. O evento visa a aproximação da instituição com a sociedade e a promoção de cultura e lazer com segurança.

O Luau na Samaúma integra a proposta de entretenimento de qualidade e ocupação cultural dos espaços de uso coletivo com segurança total, do MP-AP, que se adequa ao projeto da PMM, “Macapá eu cuido de você”, proporcionando lazer, cultura e entretenimento para a população.

A festa contará apresentação da Banda da Guarda Municipal; teatro infantil, apresentação da peça É Natal; performance do Coral do MP-AP, que promete emocionar o público com canções natalinas e show de música instrumental com a Orquestra Bahamas.

A noite contará também com uma variedade de empreendedores do ramo gastronômico; exposições de quadros da Galeria ArteAmazon; mostra do Clube do Fusca; comercialização de artesanato, livros e discos de vinil. A festa terá ainda o acender das luzes de natal na Samaumeira, árvore icônica e símbolo do MP-AP, que fica na Praça Samaúma.

O público que virá ao evento poderá usar o estacionamento da sede campestre da Maçonaria, em frente à Praça Samaúma, além do entorno do local, para estacionar seus automóveis.

O Luau de Natal marca o final da primeira temporada de luais organizados entre o MP-AP e a PMM. O evento já é sucesso de público e crítica, prestigiados por milhares de pessoas, em sua maioria famílias inteiras. O procurador-geral de Justiça do MP-AP, Márcio Alves, convida as famílias macapaenses para a noite multicultural de celebração à vida.

“Estamos felizes por ter criado mais uma opção de lazer e cultura para as famílias amapaenses. O Luau de Natal encerra a primeira temporada, que por conta do período chuvoso que se aproxima, voltará em agosto de 2018. Todos estão convidados a participar com seus familiares desta linda confraternização”, frisou o PGJ.

SERVIÇO:

Elton Tavares
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: [email protected]

Última edição do Luau Samaúma de 2017 será em clima de Natal

A última edição de 2017 do Luau Samaúma já tem data e programação definida. O evento acontecerá em clima de Natal, nesta sexta-feira, 8, a partir das 17h, ao som da banda da Guarda Municipal, da Prefeitura de Macapá, que é parceira do projeto, realizado pelo Ministério Público do Amapá (MP/AP), em conjunto com o Instituto Municipal de Turismo (Macapatur). O evento acontecerá na Praça da Samaúma, onde fica o prédio da Procuradoria-Geral do Amapá, no Araxá.

O Luau Samaúma é considerado um dos eventos mais importantes do calendário cultural de Macapá e, para encerra essa primeira temporada, a organização planejou uma noite especial. A programação inclui cantata natalina, feita pelo coral do MP/AP e teatro infantil, com a apresentação da peça É Natal.

De acordo com o MP/AP, um dos pontos altos desta última edição será o momento do acender das luzes de natal, que darão à samaumeira mais brilho e imponência à árvore a qual doa o nome para a praça. Além disso, música, gastronomia, intervenções artísticas, show pirotécnico, sebo de livros e exposições de artesanato, carros e de obras de arte são atrações constantes do evento, o qual deve atrair público recorde nesta última edição, segundo expectativa dos organizadores.

A concepção do Luau Samaúma, segundo a Prefeitura de Macapá, visa a ocupação de logradouros públicos, garantindo e preservando esses espaços, além de oferecer à comunidade o acesso direto à cultura e entretenimento. O evento encerrará suas atividades este ano em função do início do período das chuvas, mas retorna em agosto e se estenderá novamente até dezembro de 2018.

Júnior Nery
Assessor de comunicação/PMM
Contato: 98127-1559

2ª Guerra de Balões d’água será no Parque do Forte em Macapá

2ª Guerra de Balões no Parque do Forte está marcada para acontecer a partir das 16h (Foto: Gabriel Dias/Arquivo G1)

Por Carlos Alberto Jr

Para alivar o calor deste fim de ano e reunir amigos, um grupo que se conheceu nas redes sociais, está organizando a 2ª Guerra de Balões com Água, no Parque do Forte, praça localizada ao lado da Fortaleza de São José, em Macapá. O evento acontece no domingo (10), a partir das 16h.

A brincadeira não tem restrição de idade. Para participar do evento, basta pagar uma taxa de R$ 2 por participante. A organização não estimou público, mas baseada na primeira edição do evento, a organização espera que mais de 100 pessoas participem da brincadeira.

Ainda de acordo com os organizadores, os participantes serão separados em 9 times e cada componente terá que vestir uma roupa da cor que corresponde a equipe em que participa.

Nessa “guerra”, além dos balões, os participantes podem usar pistolas de água e a equipe vencedora será premiada.

Fonte: G1 Amapá