Como Mestre Yoda falar devemos, mas falar assim fácil não será!

Yoda, o grande mestre Jedi, é uma das figuras mais marcantes da cultura pop. Mestre Yoda foi um guerreiro extraordinário da Ordem Jedi mas, acima de tudo, um professor que marcou gerações de fãs da saga. Seus pensamentos filosóficos foram ensinamentos emblemáticos do cinema, e ensinaram muito a Luke e ao público sobre disciplina, dedicação máxima e a Força.

Yoda falava uma versão incomum do Básico. Ele usualmente colocava os verbos (principalmente verbos auxiliares) após o objeto e do sujeito (um formato objeto-sujeito-verbo).

Cheguei à conclusão que seria muito mais prático se falássemos todos como o Yoda, colocando a ideia central – o que interessa – no início da frase, e o sujeito no final. Muito mais simples seria, se todos os Humanos assim falassem. Prática esta ideia irão achar. Resistentes a esta sugestão não devem ser, uma maior compreensão dos assuntos as pessoas iriam atingir.

Exemplos de fala de Yoda:

“Quando 900 anos você tem, ter aparência boa difícil é”.

“Aliada minha é a Força. E poderosa aliada ela é.”

“Por 800 anos treinei eu jedi. A mim decidir cabe quem treinado deve ser. Um Jedi precisa um profundo compromisso ter. A mente mais séria.”

“Iniciada, a Guerra dos Clones está.”

“A tempestade está piorando, temo eu.”

“Em um estado sombrio nós nos encontramos… um pouco mais de conhecimento iluminar nosso caminho pode.”

“O medo é o caminho para o Lado Escuro. O medo leva à raiva, raiva leva ao ódio; ódio leva ao sofrimento. Eu sinto muito medo em você.”

“Gelada, esta cerveja está!”

“Comigo cabreiros eles ficaram.”

Se expressar assim legal é e como Mestre Yoda falar devemos, mas fácil não será!

Estranheza, sentem vocês? Fácil é a adaptação, achar isto vocês irão em breve. Mais divertidas as conversas se tornariam, mais cedo o assunto perceberíamos e reduzida a especulação seria, muitas discussões desnecessárias evitar-se-iam assim. Pensar nisto devem vocês, mais prático, direto e interessante seria, não concordam vocês comigo?

Que a Força esteja conosco!

Reciprocidade é tudo, acreditem!

 

Em qualquer campo social, profissional ou afetivo, a gente só dá o que recebe. Aprendi que em tudo na vida é preciso reciprocidade. Sim, parceria de mão dupla. Acho engraçadas pessoas que não fazem nada por você, mesmo que já tenham feito (mas fizestes muito também por elas), lhe cobrarem algo. Outro fato que espanta é o lance de não lhe convidarem para nada, mas quererem que você as chame para tudo.

E ainda rolam casos de nego que não paga uma menta e se faz de vítima quando te vê fazendo algo legal via redes sociais. Que porra é essa? É preciso parceria, reciprocidade, dar e ter retorno. No trabalho, por exemplo, preciso de ajuda para executar minhas atividades e pessoas competentes nas coisas que me falta competência.

No campo da amizade, família ou  relacionamento amoroso, é necessário a troca. Aprendi isso a duras penas. Mas sempre tem aquele parente ou “amigo” que acha que só você deve procurá-lo ou telefonar. Não!

É um lance até idiota, mas corriqueiro. Hoje em dia nem planejo nada. Procuro quem me procura, saio com quem me liga (e como ligam, graças a Deus) e por aí vai. Essa troca é natural e não deveria incomodar e nem ser explicada. Mas de tanta cobrança, estou aqui falando sobre o obvio.

Sou verdadeiro. Trato todos que amo bem, muito bem. Comigo as cartas estão sempre na mesa, pois não gosto de correspondência cognitiva. Portanto, a quem interessar possa, fica a dica: é preciso reciprocidade, sempre!

Elton Tavares

Sobre domingos de quando eu era moleque

Quando eu era moleque, nas manhãs de domingo, acordava com a MPB rolando no toca-discos de vinil, meu pai já tomando uma e minha mãe cozinhava (isso quando não íamos comer fora). O cheiro porreta da broca já exalava na casa. Meu irmão ainda tava na parte de cima do beliche, desmaiado. Eu o acordava pra começarmos a brincar, azucrinar e dominar o mundo. Papai, sempre carinhoso, nos abraçava e cheirava. Mamãe, também amorosa, mas mais comedida, dava um beijo em cada um dos moleques. Uma vida vivida no amor. É assim até hoje, mas sem o velho Zé Penha. Que saudades!

“Dedique-se a conhecer seus pais. É impossível prever quando eles terão ido embora, de vez” – Trecho do poema “Filtro Solar”.

Elton Tavares

Bingo em prol da saúde do jornalista Edson Cardozo – @edsoncardozo_ap

Eu e Edson Cardozo. Além de excelente jornalista, um amigo querido.

Amigos e familiares do jornalista, Edson Cardozo, promoverão hoje (17), a partir das 10h, no Clube dos Subtenentes e Sargentos da Polícia Militar do Amapá (CSS -PM/AP), um bingo em prol da saúde do jornalista. A iniciativa visa arrecadar fundos para o tratamento de saúde do nosso querido amigo. A cartela do sorteio, que contará com vários prêmios, custa somente R$ 5,00.

A iniciativa é do Sindicato dos Jornalistas do Amapá (Sindjor/AP), familiares e amigos de Edson. Aliás, Cardozo é meu amigo. Conheci o cara no curso de jornalismo da Faculdade Seama, onde nos graduamos. Depois, quando eu era foca (iniciante), tive contato com o cara na Redação da TV Amapá. Ele é um baita cara porreta!

Senhor do seu ofício, Edson é um cara PHoda. Profissional respeitado e querido pela imprensa amapaense, pois já atuou como produtor de TV, assessor de comunicação, editor e revisor. Ele não ajudou somente a mim, mas muitos que tiveram a honra de dividir uma redação com Cardozo.

Prêmios: 

A amizade que nutrimos por Edson Cardozo nos une neste momento em que o amigo enfrenta o câncer. Se Deus quiser, logo, logo, ele fica legal. Contamos com o apoio de todos. Lembre-se que boas ações trazem paz ao coração e produzem sonhos felizes.

 

Serviço:

Valor da cartela: R$ 5,00
Data: 17/02/2019
Hora: das 10h às 18h
Local: Clube dos Sargentos e Subtenentes da PM (CSS), na Rodovia JK (ao lado da sede do Sinsepeap)
Locais de venda: Sorveteria Jesus de Nazaré, KIT Fotos, Palácio dos Esportes, Academia Oxigênio (Marabaixo I), Secom e SETE.

Elton Tavares

Hoje é Dia do Repórter (meus parabéns aos colegas)

Hoje é o Dia do Repórter, celebrado no Brasil em todo 16 de fevereiro, a data homenageia o profissional que faz de tudo para elaborar matérias com ética, celeridade e responsabilidade. Essas qualidades são tão essenciais quanto a Esse cargo exercido por profissionais da comunicação tem a função de investigação, pesquisar, entrevistar e produção das notícias, sejam para a TV, impresso, rádio ou internet.

Trata-se de uma corrida e emocionante profissão, sempre em busca da melhor fala, de novidades ou de novos dados repórteres estão sempre investigando.

Todo repórter é jornalista, mas nem todo jornalista é repórter. Este peculiar tipo de comunicador cobre a pauta de sua editoria. Existem os Que atuam em política, esportes, educação, cidades, mundo, economia, cultura, entre outros, além dos repórteres fotográficos.

E quando o repórter é foca? Nossa, coitados dos novatos, pois as gafes são inevitáveis.

O bom repórter apura (ouve os dois lados) e noticia o fato ou ação. Essa coleta de dados nem sempre é fácil, na verdade, dependendo do assunto, é bastante trabalhosa. Mais que uma profissão, é uma missão!

Não atuo como profissional da imprensa aberta e sim como assessor de comunicação. Dentro dessa nobre atividade, respeito quem faz assessoria sem bajulação e tento apurar os fatos da melhor forma, o que também me faz um repórter.

Aliás, este site atende a necessidade que sinto de não escrever somente textos institucionais, mas também escritos que fogem a qualquer regra, com todos os neologismos e achismos que der na telha.

Já tive boas experiências com webjornalismo e impresso, mas acredito que TV e Rádio são trampos para os jedis, por conta da correria (que é foda, mas vicia). Pois, além de talento, é preciso muito improviso. Admiro os colegas (muitos deles amigos) que viram bicho atrás de matérias diferentes, complexas ou polêmicas.

Enfim, nossas homenagens e parabéns aos repórteres, estes brilhantes profissionais que nos trazem as notícias do dia-a-dia. Aos sérios e responsáveis, meus parabéns!

Elton Tavares

Hoje é o Dia da Amizade (meu texto em agradecimento aos meus incríveis amigos)

Hoje (14), sei lá porque, é o “Dia da Amizade”. Sempre escrevo aqui sobre datas curiosas e sua origem, mas mesmo sem saber o motivo, vos digo: todo dia é dia da amizade. Quem consegue conquistar minha amizade sabe que é algo que cultivo, se for recíproco, claro.

Amigos são a família que escolhi, o meu povo, os meus amados (e às vezes odiados). Afinal, as brigas fazem parte da coisa. Por causa dos amigos, já me meti em brigas, fofocas, me endividei, bati e apanhei. Não me arrependo de nada, eles fizeram por mim também. É na hora que o bicho pega que vemos quem é quem.

Li em algum lugar que “Amigo é aquele que o coração escolhe” em outro que “não fazemos amigos, os reconhecemos”. Em outros casos, uso a frase de Paulo Sant’Ana: “tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos”. É, gosto demais de uma galera que considero pra caralho! Pode ser, mas uma coisa é certa, a amizade é um bem precioso. E como é!

Tenho amigos de infância, amigos doidos varridos, amigos velhos, amigos jovens, tenho amigos pra caralho (só assim pra vencer uma porrada de inimigos que possuo). Difícil é nomear todos, mas lhes rendo homenagens aqui neste site sempre que trocam de idade. Sobretudo, enfatizo a minha família (mamãe e irmão). Eles sempre foram e sempre serão os meus melhores amigos. A ruiva também é minha amiga de todas as horas, além de meu amor.

Sempre que precisei muito dos meus verdadeiros amigos, fui atendido ou socorrido. Sou grato à todos. Ah, que fique registrado: amo vocês, comparsas.

Por tudo isso, hoje agradeço a Deus pelos meus verdadeiros amigos (que são muitos, de todas as classes sociais, ideologias políticas, héteros, gays, raças e crenças). Vocês que fazem parte da minha vida e a tornam muito mais feliz. E feliz pra cacete! Sei que me aturar não é fácil.

A amizade é uma predisposição recíproca que torna dois seres igualmente ciosos da felicidade um do outro” – Platão.

Elton Tavares

Em dias de chuva

Choveu essa madrugada em Macapá. Acho que vai chover novamente. O sol está entocado, iluminando somente o suficiente, graças a Deus! Amo dias chuvosos! Em dias de chuva dá vontade de ficar na cama até mais tarde. Ou o dia todo, né não?

Dia bonito pra mim é dia chuvoso. Noite idem. Gosto por não suar e bebo cerveja sem problema, pois o frio me agrada profundamente. Em dias de chuva dou valor até no trânsito (deve ser por não dirigir).

12647048_1049379145115116_8470544029292535065_n

Em dias de chuva, como hoje, lembro quando morávamos em pequena casa de madeira, cheia de goteiras. As poucas panelas eram espalhadas pela casa, para armazenar a água do pinga-pinga. É, no dia cinzento de hoje vejo como melhoramos de vida, pois temos que desligar o ar-condicionado e fazer o esforço para levantar da cama.

Quando era moleque, em dias de chuva, jogávamos futebol debaixo de temporal e dávamos muito valor naquela parada. Também lembro do meu velho e saudoso pai, que nos ensinava a ensaboar os vidros do carro para que não embaçassem. É, a chuva me traz mil memórias, a maioria muito boas.

2319_cronica01_dest

Gosto do som da chuva, do barulho dos pingos no telhado. Os dias chuvosos me trazem uma paz imensa. A chuva anuncia: finalmente o inverno chegou.

Ah, não gosto de usar guarda-chuva, gosto do respingo, do frescor, de me molhar. Aliás, nunca gostei de “chove não molha” e sempre avisei: “pode tirar o cavalo da chuva”.

É isso!

Elton Tavares

Eu não ligo…

Geralmente me incomodo se uma roupa aperta, pois sou gordão e o mundo de hoje cobra cada vez mais corpos malhados e gente na moda. Duas coisas que não tenho, a boniteza corporal e nem vontade de acompanhar moda alguma. Mas no fundo, no fundo, não ligo. Mesmo. Se ligasse realmente, tinha emagrecido e andava todo na pinta, como a maioria dos quarentões chatos.

Outra coisa é papo de música…Eu realmente não ligo para o que toca na rádio e nem se fulano gosta de sertanejo, beltrano gosta de axé, cicrano gosta de pagode ou zé mané curte funk, toada e afins. Eu só não escuto, não frequento locais ondem tocam essas merdas e nem julgo quem gosta. Ah, também não ligo se a pessoa não gosta do meu gostar.

Carrego vários rótulos nas minhas costas largas. Alguns com razão de ser, mas muitos nada a ver. Mas realmente eu não ligo.

Não ligo para o que acham que sou ou que faço. Sei dos meus atos e quem é minha pessoa. O resto é doidice de quem pira por qualquer motivo.

Minha consciência segue tranquila, pois sempre fui literal quanto ao meu comportamento e honestidade para com todos.

Não preciso provar nada para quem sabe quem eu sou. Muito menos para quem não sabe, pois estes não me importam.

Se você liga e não é feliz por conta dos outros, você é uma pessoa totalmente desligada de si mesmo, o que pode custar caro, já que é certo dizer que o caminho da paz interior passa obrigatoriamente pelo autoconhecimento.

Não que eu ligue. Não ligo. Não mais. É isso.

Elton Tavares

Meus parabéns, Macapá! (homenagem à minha cidade e seus 261 anos)

Foto: Floriano Lima

Hoje nossa cidade completa 261 anos, repleta de belas histórias e alguns fatos tristes. Macapá, cheia de riqueza natural e tantas curiosidades, a cidade do “Meio do Mundo”. A única capital brasileira cortada pela linha do Equador e às margens do rio Amazonas. São aproximadamente 500 mil habitantes distribuídos em 59 bairros.

Minha família é pioneira na cidade. Aqui nasci e me criei. É onde trabalho e vivo bem, graças a Deus. Aqui escrevo, literalmente (como vocês têm acompanhado), minha história. Sou grato por todas as oportunidades que me foram dadas nesta terra abençoada.

O nome Macapá é de origem tupi, como uma variação de “macapaba”e quer dizer lugar de muitas bacabas, uma palmeira nativa da região, a bacabeira. Antes de ter o nome de Macapá, o primeiro nome concedido oficialmente às terras da cidade foi Adelantado de Nueva Andaluzia, em 1544, por Carlos V de Espanha, numa concessão a Francisco de Orellana, navegador espanhol que esteve na região.

Macapá tem gente que amo, gente que me respeita, que me tem apreço. Este é o meu lugar, minha terra amada. Gosto de viajar, mas amo sempre voltar pra cá. Minha cidade alimenta minha produção jornalística/contista/cronista. Tento mostrar o lado bom de nossa cidade. Sua Cultura em todas as vertentes. E vos digo: apenas comecei!

Sei que a capital do Amapá possui muitos problemas sociais, políticos, estruturais, mas graças a Deus, as coisas mudam para melhor. Somos um povo acolhedor, as pessoas que vieram de outros lugares sabem disso, por mais que muitos digam que não estão felizes por isto ou aquilo, mas quase ninguém vai embora.

Foto: Floriano Lima

Torço para que muitos se orgulhem, como eu, de ser macapaense.  O som do batuque do meu coração toca a caixa de Marabaixo em minha alma. Amo ser da “esquina do rio mais belo com linha do equador”. Estamos no meio do planeta e este é o nosso lugar no mundo.

Oh, São José da Beira-Mar proteger meu Macapá”.Parabéns, jovem cidade, pelos teus 261 anos. Viva Macapá!

“Fale de sua aldeia e estará falando do mundo” – Leon Tolstói.

Elton Tavares

Hoje é dia de Maria Lúcia. Feliz aniversário, mãe!

A orientadora educacional e professora aposentada, Maria Lúcia Neves Vale, completa 65 anos de vida neste domingo. Eu e meu irmão, Emerson Tavares, temos a honra e muuuuuita sorte de sermos seus filhos, pois a amamos e somos correspondidos desde o início desta jornada (no meu caso, há 42 anos). A “Lucinha” é a filha mais dedicada da vovó Cacilda, avó coruja da pequena Maitê e esposa do Enilton.

Mamãe é íntegra, honesta, inteligente, batalhadora, e decente. Também é a melhor cozinheira do mundo (da Galáxia é a vó Peró), minha conselheira, benzedeira e melhor amiga. Uma espécie de Deus particular, que sempre me protege, orienta, ajuda, cuida e, se for preciso, briga por mim.

É impossível contabilizar os benefícios que recebemos de nossos pais, particularmente na infância. Mamãe sempre fez das tripas coração para que tivéssemos um ambiente seguro de amor, que foi a base de nossa educação e dos valores que aprendemos com ela.

Deus deve ter dito: “Godão, tu vais ser um nó-cego se depender somente do teu livre arbítrio, mas vou te dar uma força, vou te enviar dois anjos da guarda para segurar tua onda nessa vida”. E assim, nasci filho de Maria Lúcia e irmão de Emerson Tavares.

Lucinha sempre abre frestas de claridade e ilumina meus, às vezes, escuros caminhos. Ela ama dançar e viajar. Eu admiro sua vontade invencível de viver. Aliás, a vida tem desdobramentos imprevisíveis, mas usa a força do bem a seu (nosso) favor.

Da mamãe herdamos atitude, força e firmeza. Eu e Emerson talvez não fossemos caras corretos, trabalhadores e todo o resto de coisas legais que nos tornamos se não fosse por conta dela. Temos um forte laço de amor, que só se reforça ao passar dos anos.

Mamãe, parabéns pelo teu dia. Que sua vida seja longa, com muita saúde, festas para dançar, divertidas rodas de amigos, e viagens inesquecíveis. A gente te ama demais. Obrigado por tudo e feliz aniversário!

Elton Tavares e Emerson Tavares (pois como irmão mais velho, posso falar pelo Merson)

Parabéns ao amigo Veridiano Colares, que será o chefe de Gabinete na próxima gestão do TJAP

Quem lê este site, sabe: gosto de parabenizar amigo pela passagem de seus respectivos aniversários ou conquistas. Pois bem, o desembargador João Guilherme Lages, presidente eleito do Tribunal de Justiça (TJAP) para o biênio 2019/2021, reuniu sua equipe de trabalho para apresentar cada componente da próxima gestão do Judiciário amapaense.

“O TJAP existe para fazer a jurisdição funcionar bem. Nesse sentido ressalto que o juiz é peça principal e para onde devem convergir todos os nossos esforços, no sentido de proporcionar condições para que a magistratura preste a melhor entrega possível à população. Para isso precisamos de juízes e servidores motivados e valorizados”, expressou o desembargador João Lages.

O novo presidente do Tjap escolheu o magistrado Paulo Madeira como juiz auxiliar da presidência; o servidor do Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE-AP), Alessandro Rilsoney para a Diretoria Geral; o Departamento Financeiro será comandado por Gláucio Bezerra e o chefe de gabinete será Veridiano Colares.

“Veridiano Colares é um profissional da mais alta envergadura, com habilidade e trato na relação com servidores, magistrados e com as instituições”, disse o futuro presidente.

Veridiano Colares agradeceu, sobretudo, à acolhida dos colegas após quatro anos exercendo suas funções fora da sede do Judiciário. “Retorno reiterando que o TJAP é a melhor Casa para se trabalhar porque aqui somos respeitadores, colaborativos e produtivos”, declarou. Veridiano também ressaltou ser um profissional que valoriza o respeito à hierarquia como filtro para tomar decisões.

Durante os quatro anos que passei na assessoria de comunicação do TRE-AP, trabalhei com o Alessandro Rilsoney, que é um cara competente e gente boa. Mas fiquei realmente feliz com a escolha do nome de Veridiano Colares, pois entre os chefes que tive, ele foi um dos melhores.

Veridiano Colares

Sobre Veridiano Colares

Veridiano Ferreira Colares, amapaense, formado em Ciências Contábeis, ingressou no ano de 1992 no Tribunal de Justiça do Amapá, por meio de concurso público para o cargo de Técnico Judiciário. Eu o conheço antes disso, pois ele é um velho amigo.

Veridiano Colares é competente e gente fina. Um profissional comprometido e dedicado. Além da aptidão técnica, é bem relacionado com magistrados e servidores. Essa relação de respeito e reconhecimento fizeram com que ele ocupasse vários cargos de relevância dentro do Poder Judiciário a Direção-Geral do TJAP por seis anos consecutivos (em três gestões) e diretor-geral do TRE-AP, no biênio 2015/2017, quando foi meu chefe. Atualmente exerce suas atividades na Escola Judicial do Amapá.

Equipe do TRE-AP na volta de uma viagem ao Vale do Jari (AP), em 2015. Na foto estão o coronel Adamor, o motorista “Kéké”, desembargador Carlos Tork (presidente do Tribunal à época), Veridiano Colares e eu.

Desejo sucesso à todos do Tjap na nova gestão, principalmente aos amigos Veridiano e Bernadeth Farias (diretora da Assessoria de Comunicação). Que Deus abençoe vocês!

Fonte: Diário do Amapá

Feliz aniversário, Berna! (@BernadethFarias)

A jornalista, diretora de comunicação do Tribunal de Justiça do Amapá, poeta, mãe amorosa do Joab, filha dedicada, esposa apaixonada pelo Job e muito querida amiga deste editor, Bernadeth Farias, gira a roda da vida hoje.

A “Berna”, como todos a chamamos, é uma pessoa linda. Uma mulher bonita, muito inteligente e extremante competente e responsável. Sobretudo, um ser humano do bem.

Exemplo de profissional de comunicação, Bernadeth é exigente, competente e perfeccionista. A querida se garante como produtora, apresentadora, excelente repórter, redatora, radialista, cerimonialista, fotógrafa e está entre os melhores assessores de imprensa do Amapá.

Ela é “PHODA”, assim mesmo, com PH, silabicamente e em caixa alta. Antenada, perspicaz e sabidona, manja demais desse nosso trampo. Não à toa, conduz uma equipe competente há anos. Grupo esse moldado de acordo com seu alto padrão de qualidade. Admiro isso.

Nas horas vagas, Berna é cozinheira, cinéfila, leitora compulsiva, humorista do Twitter, viajante, maior devoradora de camarão no bafo e pipoca, além de campeã intergaláctica no consumo de água mineral em bares de Macapá.

Além disso tudo, ela é minha conselheira, confidente, parceira e irmã de vida. Vez ou outra ela puxa a minha orelha. E vocês acham que fico chateado? Não, nunca. Todos os ralhos que a Bernadeth me deu até hoje foram para a o meu bem. Sou grato à Berna por tanta coisa que é difícil listar aqui, mas ela sabe que eu a amo muito!

Querida amiga, parabéns pelo teu dia. Que tu sigas sempre iluminada por Deus. Tu és uma daquelas pessoas que o jornalismo me deu, que saiu do profissional e adentrou o coração deste gordo. Que teu novo ciclo seja ainda melhor e que tudo que caiba em seu conceito de vida plena se concretize. Feliz aniversário!

Elton Tavares

Hoje é o Dia da Saudade (e bote saudades nisso!)

Hoje, 30 de janeiro, é “comemorado” o Dia da Saudade. Não encontrei o porquê de hoje ser destinado à falta de alguém ou um lugar. Só sei que todo dia é dia de sentir saudade. O conceito diz: “Saudade: Substantivo feminino – Lembrança nostálgica e, ao mesmo tempo, suave, de pessoas ou coisas distantes ou extintas, acompanhada do desejo de tornar a vê-las ou possuí-las; nostalgia”.

De origem latina, saudade é uma transformação da palavra solidão, que na língua escreve-se “solitatem”. Com o passar dos anos, assim como outras palavras se transformam de acordo com as variações da pronúncia, solitatem passou a ser solidade, depois soldade e, finalmente, saudade. Palavra que só existe na língua portuguesa.

eu-e-papai2Bom, eu sou um cara saudoso de tanta coisa. Sinto saudades absurdas do meu pai. Grande saudade do meu avô paterno, de alguns parentes e amigos que partiram para outra vida (ou plano, como quiserem) como meu tio Itacimar (Ita).

Tenho saudade diárias do meu irmão, que reside em Belém (PA) e amigos que moram longe. Também sinto falta de todos aqueles que marcaram minha história positivamente e hoje em dia não fazem mais parte da minha vida.

O escritor Charles Baudelaire disse: “Aos olhos da saudade, como o mundo é pequeno”.

Quem dera ser tãeueav_so simples. Já o poeta Paulo Leminski frisou “Haja hoje para tanto ontem”. Só que o Raul Seixas, o mais maluco dos compositores, foi mais enfático ainda ao dizer: “A saudade é um parafuso que, quando a rosca cai só entra se for torcendo, porque batendo não vai,mas quando enferruja dentro, nem distorcendo não sai”. Perfeito!

Sinto saudade da minha infância, da falta de responsabilidade e dos dengos da minha avó Peró. Saudade dos tempos do Colégio Amapaense, das memoráveis festas de rock, amanhecidas, dos bons tempos com ex amigos, da velha equipe de comunicação e até das boas brigas. É, a gente botava pra quebrar!

Sinto saudades do jornalista e amigo querido Tãgaha Luz, que nos deixou e seguiu para a redação celestial. Que saudades desse cara!

Deus, graças a ele, sobrevivi aos anos 90. Era tudo tão surreal, tão perfeito, tão legal, doce ilusão. Saudades daqueles anos vividos intensamente! Sinto saudades até de ter saudades de alguns que foram tão importantes e agora não passam de mais um rosto na multidão.

Sinto saudades de tanta coisa. Mas, como tudo na vida, há saudades justificáveis.

Também sinto saudades da época que era inocente, que não era tão duro, tão egoísta, tão cético e cínico. A saudade é alimentada pelas ternas lembranças guardadas na memória e no coração. E é tanta coisa que nem dá pra listar aqui. Isso acontece todos os dias e não somente hoje.

Li em algum lugar que, se sentimos saudades, é porque valeu a pena. Vida que segue. E graças a Deus, segue feliz, mesmo com minhas saudades. É isso!

Elton Tavares

Amar é o lance!

Escuto sempre que a vida é simples e somos nós que complicamos. O lance é viver sem frescura, fazer o bem, fazer o certo, cercar-se de gente que realmente importa. O lance é ter vergonha na cara, sem muita conversa ou muito explicar, se fazer feliz.

O lance é ser autêntico, verdadeiro, bom e amoroso. Também respeitado, aguerrido e combativo se preciso. O lance é ser bem humorado, espirituoso e até irônico, se necessário.

O lance é identificar amigos que não só pedem, mas também se dão. O lance é fazer o que gostamos, seja no bar o ou na igreja, tanto faz.

O lance é honrar a família, não toda, só os que lhe aquecem no frio e apoiam quando dá merda. O lance é respeitar os colegas, seja de trabalho, de copo e pessoas em geral.

O lance é puxar a fila, trazer novidade, não ser só mais um. O lance é sentir saudade sem se prender a algo que nunca mais será da mesma forma e seguir em frente.

O lance é usar palavras duras, mas também elogiar e até pedir desculpas. O lance é, se preciso, assumir e confessar erros, bater e apanhar, mas jamais deixar de amar aos seus e a si mesmo. Esse sim é o grande lance!

Elton Tavares