Free As A Bird !

John Lennon sabia das coisas

Free As A Bird – Livre Como Um Pássaro

John Lennon

Free As A Bird – Livre Como Um Pássaro

Free As A Bird,- Livre como um pássaro,

It’s the next best thing to be free as a bird.- É a próxima melhor coisa para ser livre como um pássaro.

Home, home and dry.- Em casa, em casa e seco.

Like a homing bird I fly, as a bird on wings.- Como um beija-flor eu voo, como um pássaro sobre asas.

Whatever happened to the life that we once knew – O que quer que tenha acontecido com a vida que nós uma vez conhecemos

Can we really live without each other – Nós realmente podemos viver um sem o outro?

Where did we lose the touch – Onde nós perdemos o contato?

That seemed to mean so much – Isso pareceu significar tanto

It always made me feel so – Isso sempre me fez sentir tão

Free as a bird,- Livre como um pássaro,

It’s the next best thing to be free as a bird. – É a próxima melhor coisa para ser livre como um pássaro.

Home, home and dry – Em casa, em casa e seco

Like a homing bird I fly, as bird on wingsWhatever happened to the life that we once knew – Como um beija-flor eu voo, como um pássaro sobre asas

Always made me feel soooo – O que quer que tenha acontecido com a vida que nós uma vez conhecemos

Sempre me fez sentir tãooo

Free – Livre



Free as a bird – Livre como um pássaro

It’s the next best thing to be – É a próxima melhor coisa para ser

Free as a bird – Livre como um pássaro

Free as a bird – Livre como um pássaro

Free as a bird.- Livre como um pássaro.

Sexta !!

Não é gripe suína, pois boy Jesa é meu “brodi”.
Eu tô com uma gripe lascada, mas hoje (30) é sexta e eu vou beber. Mesmo que a infermidade seja a tal suína (risos). Deveria ser uma norma divina, nenhum boêmio deveria adoecer no final de semana, ou, pelo menos, na sexta-feira.

Sei que é irresponsabilidade e displicência comigo mesmo, mas realmente não me vacinei contra a H1N1 (que isso não sirva de exemplo, claro). Entretanto, mesmo não sendo religioso, levo muita largura (como dizemos no Amapá para um sujeito de muita sorte) e não será desta vez que o velho “Boy Jesa” me deixará na mão. Tenho certeza que ele dará mais esta força.

Este post não é relevante, muito menos brilhante, como diz uma amiga minha: “Achei o texto morno”, mas é só para começar a sexta. Portanto, vamos tomar umas hoje, depois do expediente, claro (risos).

I’m Happy !!

                                                                                                Por Elton Tavares

Enfim, choveu na minha horta!
Eu estou felizão! Após três meses, consegui um trampo (que parece muito legal) na minha área. Passei dois anos no Portal Amazônia, veículo onde aprendi muito, muito mesmo. Até capacitação de webjornalismo eu fiz na central da Rede Amazônica, em Manaus (AM). Mas infelizmente, aquele ciclo terminou.

Jornalista por formação (apesar deles, os caras do tal STF), passei estes três meses espalhando currículos por Macapá, sempre escutando frases como: ”Legal, entraremos em contato”, “Gostei do seu currículo” e “Você escreve bem, aguarde nosso retorno” e nada.

Situaçãozinha nojenta é estar desempregado, não desejo isso a ninguém (tá bom, talvez deseje a um ou dois). A auto estima baixa, você começa a se achar um incompetente, triste.

Como as coisas sempre melhoram, hoje (27), comecei a trabalhar. Estou mais feliz que “pinto na merda”, como dizem alguns. Talvez, o blog não tenha mais atualizações diárias, pois deixei de ter muito tempo, trabalharei dois expedientes, graças a Deus!

Eu por mim mesmo

Muitos “eus” (risos)

Recebi um pedido anônimo para postar este texto, que escrevi para o perfil do meu antigo Orkut, intitulado “Eu por mim mesmo”. Gostei da sugestão! Ressalto aqui que sempre dou a cara para bater, quem quiser mandar uma mensagem, seja crítica ou elogio, se identifique. A resposta ao anônimo é EU SOU FELIZ, mesmo sem algumas “conquistas”, tão importantes para o fulano ou (provavelmente) fulana (risos). Aí vai o texto:

Sou um cara odiado por muitos e amado pela maioria, parece que estou contando vantagem, mas é a verdade. Atualmente tentando ser um bom jornalista. Eu amo muito meu irmão, mãe, avós, algumas tias, alguns primos e um grande número de amigos. Adoro a diversidade de pessoas que conheço e convivo, os corretos e incorretos.

Não gosto de regras. Posso mudar de humor de uma hora para outra. Minha educação sempre depende da sua, tento ser quase sempre legal, mas às vezes sou agressivo, nunca aprendi a absorver hostilidade e ficar quieto, acreditem, não pisem nos meus calos e nem façam mal a pessoas que amo, isso pode desencadear acessos de raiva.

Sou um falso “porra-louca”, na maioria das vezes mantenho o controle sobre meus excessos. Faço grandes amigos e dou bons conselhos (só não consigo usá-los em benefício próprio). Sou generoso, rancoroso, leal, inteligente, argumentativo e franco, muito franco, às vezes nervoso e tenso.

Muito teimoso, vingativo, responsável, irresponsável, justo, criativo e enérgico. Odeio estar só, porém, em alguns momentos sou um tanto “anti-social”. Ciumento, possessivo, trabalhador, severo, seletivo, prático e muito exigente. Costumo ser severo, prático e muito exigente, freqüentemente tímido, divertido e EXTREMAMENTE impaciente.As vezes egoísta, pavio curto, apesar disso, muito querido.

Eu adoro ser eu, sou AUTÊNTICO, feito de sentimentos, emoções, pensamentos e críticas, não tem cópia, dono de uma personalidade forte. As pessoas falam que sou legal, gente boa, interessante e eu prefiro acreditar nelas. Sinto saudades dos que “partiram no rabo do cometa” (papai,Ita,Vô e alguns amigos).

Amo rock and roll, samba e MPB, detesto pagode, brega e todos esses outros estilos “POPULARES” medíocres e execráveis, não que eu tenha preconceito musical, (risos), eu tenho é conceito mesmo (quem lê este texto, imagina logo: “Que cara chato!” A verdade é esta mesmo, não ligo para o que pensam a meu respeito já faz uns anos).

Sei que esse papo de música é complicado, tem muita gente legal que adora porcarias por não ter tido acesso aos filmes, lugares, livros e experiências, afinal, o meio forja o indivíduo. Sempre sou eu mesmo, sem máscaras, sem aquele papo de mudar na presença da família ou rodas distintas de amigos. Uma pessoa com manias e brincadeiras, alegrias e com eventuais tristezas, erros e acertos, boêmio, biriteiro, farrista, arrogante e astuto.

Alguns me acham esquentado em demasia, mas podem apostar, não entro em discussões sem alguma razão plausível. Odeio hipocrisia, aquele papo de fazer capa, dar uma de foda e, no final das contas, serem apenas mais alguns patetas, com o velho papo furado. Idiotas bancando pessoas safas e descoladas.

Enfim, eu sou cheio de defeitos, mencionei alguns aqui para não dizerem que não avisei. Já expulsei pessoas que amava de minha vida, já me arrependi por isso, entretanto, chamei pessoas próximas de “amigo” e descobri que não eram. Bani um bando de filhos da puta do meu convívio, até mesmo parentes.

Perdoar os erros dos outros não é tão difícil, o problema é quando elas continuam insistindo em erros idiotas e coisa fica insuportável. Não procuro confusão, mas não corro dela, nunca. Agradeço meus amigos por gostarem da minha pessoa com as imperfeições e luas que me são peculiares.