Parabéns Edy Wilson!!

Eu e Edy Wilson.

Hoje (20) é aniversário do jornalista, assessor de comunicação e poeta Edy Wilson, coincidentemente é também o Dia do Poeta. Edy já não é mais um colega do trampo, é um amigo.


Competente, está na assessoria de comunicação do Estado há 15 anos. Além disso, está sempre disposto a ajudar um colega, seja para tirar dúvidas, cobrir plantões ou sugerir pautas.

O poeta é um cara de jeito simples e fala mansa, figura querido por todos nós do Núcleo de Jornalismo Institucional da Secretaria de Estado da Comunicação (Secom). Parabéns Edy, você merece!
Leiam o poema “Minha Macapá”, de autoria de Edy Wilson:
“Minha Macapá”

Macapá, a capital do meio do mundo
Cortada pela linha imaginária do Equador
Lugar onde conheci meu grande amor
Tenho por ti Macapá um respeito profundo
Macapá, cidade que nasci e vi crescer
Aqui também construi meus sonhos
Num ritmo que não me oponho
Em ver minha capital se desenvolver
Macapá, terra de gente bonita e feliz
Povo hospitaleiro e organizado
Realmente mudaste um bocado
Porém teus encantos peço bis

Macapá, lugar bom para se morar
Repleta de história e lugar bonito
Fica bem distante do infinito
Muito bom para se apaixonar
Assim é a minha bela Macapá.

Macapá, cheia de esperança,
Renovada a cada fevereiro
Não sou o último nem o primeiro
A declarar meu amor por Macapá.

Macapá, eu te amo de verdade
Mulher, homem, jovem, criança
Pessoa de qualquer idade
Não resiste a bela morena chamada Macapá.

Envelheço na cidade

                                                                Por Elton Tavares

Hoje estou “de berço”, como dizem alguns, sim, é meu aniversário, viva eu! Agora falando sério, estou atravessando um bom momento, quieto, trabalhando, namorando e muito feliz. Afinal, é isso que importa no fim das contas, né não? É legal ter consciência que as coisas estão fluindo. Não que eu tenha virado um cidadão corretíssimo, ainda sou meio porra louca, mas mudei um bocado.

Nestes 34 anos, que por sinal foram muito bem vividos, meus maiores pecados foram a luxúria e a gula. Já provei poderosos venenos e doces antídotos, muitos amores, tristezas, emoções, enfim, experiências que forjaram este ser imperfeito e satisfeito consigo mesmo. Só não gosto do trecho musical que diz: “Eu não caibo mais nas roupas que eu cabia”.

É, olhando para trás, vejo que já toquei fogo em muitos circos, mas nem um palhaço morreu queimado. Nunca fui um modelo, sempre levei a fama daquela velha má companhia, mas confesso que estou muito melhor. Eu sou um dos mocinhos, apesar de muita gente pensar o contrário. Sim, foram muitos erros cometidos por ingenuidade, egoísmo e falta de responsa, mas sou outro cara, no campo pessoal e profissional.

Como dizem os velhos titãs: “Caras como eu estão tirando o pé, andando em marcha ré, com medo de entrar na contramão” ou o saudoso Raul Seixas: “Não quero mais andar na contramão” e etecétera e tal.

Para finalizar o post, o hino oitentista “Envelheço na cidade”, da banda Ira, porque, como eu já disse uma porrada de vezes, eu gosto é de rock and roll:
Envelheço Na Cidade – Composição: Edgard Scandurra

Mais um ano que se passa
Mais um ano sem você
Já não tenho a mesma idade
Envelheço na cidade
Essa vida é jogo rápido
Para mim ou pra você
Mais um ano que se passa
Eu não sei o que fazer
Juventude se abraça
Se une pra esquecer
Um feliz aniversário
Para mim ou pra você
Feliz aniversário
Envelheço na cidade
Feliz aniversário
Envelheço na cidade
Meus amigos, minha rua
As garotas da minha rua
Não sinto, não os tenho
Mais um ano sem você
As garotas desfilando
Os rapazes a beber
Já não tenho a mesma idade
Não pertenço a ninguém
Juventude se abraça
Se une pra esquecer
Um feliz aniversário
Para mim ou pra você
Feliz aniversário
Envelheço na cidade
Feliz aniversário
Envelheço na cidade

Parabéns Graça Penafort!!

                                Por Elton Tavares
Graça Penafort, nossa querida “dona Graça”.
Hoje (26), é aniversário da jornalista Maria da Graça Penafort, a nossa querida “dona Graça”, colega de trabalho e amiga de todos na assessoria de comunicação do Estado. Dona Graça é uma figura fantástica, culta, competente e gente finíssima. A personificação da simpatia. Ah, ela é irmã do falecido Hélio Penafort, lendário jornalista amapaense.

Graça Penafort tem uma grande história na comunicação do Amapá, passou pela Rádio Educadora, onde pilotava um programa educativo para crianças e Rádio Equatorial, com um programa sobre Música Clássica.

Por conta do programa infantil, onde, inclusive, interagia com peças teatrais, começou a escrever histórias para crianças. Sua literatura despertou interesse de jornais impressos locais ela foi convidada a escrever no Jornal do Povo e Jornal Amapá Estado.

Desde 1995, Graça atua como assessora de comunicação do Estado. Até em Brasília (DF) ela já atuou na função. Eu, como colega e admirador do seu trabalho e sensibilidade, desejo muita saúde, sucesso e harmonia à dona Graça, que é realmente uma graça.