Juninho Pernambucano: O Reizinho – Por Marcelo Guido

Por Marcelo Guido

A magia da bola, os campos gramados riscados a cal, as marcas fatais a idolatria merecida; o futebol fabrica e mostra os abençoados com o dom divino de tratar bem a pelota. E foi assim que Antônio Augusto Ribeiro Reis Junior veio para o mundo.

Tendo seus pés magistralmente moldados, como se fossem fabricados com o único objetivo de extasiar multidões e fazer sorrir os admiradores do bom futebol.

Honrou as camisas do Sport, Lyon, Al- Gharafa, New York Red Bulls, mas fez do Vasco da Gama seu Reino.

Cerebral, comandava como poucos a nau vascaína, com passes precisos e uma pontaria que parecia calibrada à mão. Juninho fazia a bola viajar para os fundos das redes com um capricho singular.

Três passagens por São Januário o imortalizaram na colina. A torcida – sua mais fiel corte – canta seu nome ainda hoje. Monumental como deve ser lembrado. Três estreias com gols marcantes: 1995 contra o Santos, 2011 contra o Corinthians (esse no seu primeiro toque na bola) e 2013 contra o Fluminense. Sem modéstia, vi os três.

A vontade sempre mostrada em campo, eram as suas credenciais, ao convocar seu exército para luta, batendo no peito como um verdadeiro rei, para conquistar a virada histórica em pleno Parque Antártica, ou calar um estádio Hermano inteiro em 1998, abrindo caminho para a conquista da América. Mandar com dedo em riste a torcida tricolor sair do lugar conquistado por direito pela torcida vascaína. Juninho não vestia à toa a camisa da Cruz de Malta. Ele a encarnava como segunda pele.

Por desmandos de dirigentes, saiu como campeão brasileiro e foi conquistar a França. Oito títulos nacionais em oito anos com a camisa olímpica. Tornando-se ídolo imortal também por lá.

De volta ao Brasil, para sua raiz. Ser Vasco o fez, em um mundo milionário, jogar por salário mínimo (só o amor explica certas coisas). Bicampeão Brasileiro, Campeão da Libertadores, Campeão Copa Mercosul, Campeão do Torneio Rio – São Paulo, Campeão Carioca. Quando as pernas não aguentaram mais o ritmo, Juninho preferiu sair a macular sua história.

Para ele, jogar era para vencer e não iludir quem sempre lhe quis bem.

Conquistou o Nordeste e o Pernambucano com o Sport também, levantou troféus com todas as camisas que vestiu: 33 canecos no total. Foram 202 gols em 839 jogos. Considerado o maior cobrador de faltas do futebol mundial.

Juninho era a elegância extrema dentro das quatro linhas, era a inteligência a serviço do espetáculo. E acima de tudo, o suor e a garra podiam ser sempre sentidos pela torcida.

Sem medo de ser leviano, um dos maiores jogadores que pude ver jogar. Ao se despedir do futebol, soube da saída de alguém que nasceu para vestir a camisa do Vasco.

Mais que um jogador de futebol, um ser pensante que nunca se privou de dar sua opinião. Ao se despedir da seleção, disse que espaço deveria ser dado aos novos talentos e que o ego deveria ser deixado de lado. Peitou o próprio Eurico Miranda para ser respeitado no Vasco. Saiu da rede Globo por não concordar com a maneira como a emissora via os clubes de futebol – sempre para favorecimento de alguns clubes, em detrimento de outros.

Um ponto de vista sempre coeso pelas causas humanitárias, duro e preciso contra o nazismo crescente e latente em todos os lugares, faz dele com certeza um ser humano ímpar.

Mais do que tudo, um símbolo de resistência, coisa que o futebol moderno não consegue ver em seus craques.

Juninho fez da Cruz de Malta seu coração e, como um verdadeiro Rei, honrou-a como muito poucos fizeram. Talvez ele tenha saído para ser exemplo, mas voltou por amor e seu lugar está garantido no coração de todo vascaíno.

Vida longa ao Rei e que sua memória nunca seja esquecida. Pelas bênçãos de São Januário, saiba que a colina sempre será sua morada.

O novato – Conto de Luiz Jorge Ferreira

Conto de Luiz Jorge Ferreira

Eu notei que a bola que Edson Sampaio chutou sem querer nele deixou uma marca colorida no seu braço.

Quando terminou o jogo, fomos à quadra de bocha onde fica o bar do clube, como de costume, tomar umas cervejas e jogar conversa fora. Ele tomou banho e foi logo embora. Como era o primeiro domingo dele no meio do nosso grupo, Diniz, Catarino, Rodrigo e Robertão, atribuíram esta pressa à falta de entrosamento com o resto dos meninos.

Nos outros domingos foi mais ou menos igual. Jogava bem. Jogava bem no meio do campo, distribuía a bola, não reclamava de voltar para ajudar a defesa e quando o sol esquentava muito, cansado, mas não suado, pedia substituição. Entravam os que habitualmente chegavam atrasados. David, Thales, Cristiano, Junior, Jadson e Léo.

A única coisa estranha era quando ele interrompia o jogo para dar conselhos sobre o uso de brinco, pulseiras, piercing e outros apetrechos usados por nossos jogadores durante a partida. Queria evitar ferimentos. Pensei.

De outra feita, Pedro e José chutaram dois rebotes que pegaram nas suas costas. Ficou um pouco tonto. Sentado na quadra. Dododo correu para apanhar o spray analgésico. Suspendeu sua camiseta e foi quando eu vi de novo a repetição das marcas coloridas. Eram como se no local a pele houvesse sumido e um estranho tampão luminoso ocupasse o seu lugar. Parecia o centro de um olho de peixe, colorido e furta-cor. Podia parecer como uma tatuagem, mas aos meus olhos acostumados a feridas, cicatrizes, abrasões, queimaduras e outras mil formas de perda de pele. Não era.

Era como se ele carregasse sob a pele muitas lampadazinhas fosforescentes de cores diferentes em um mesmo local. Observei que o jato spray do analgésico como que evaporou quando caiu sobre a região brilhante. Carneirinho e Gardenal o carregaram para fora da quadra. O jogo continuou.

Naquele mesmo dia, assim que ele deixou o banheiro, eu entrei. Mesmo sem acender a luz eu notei um brilho próximo ao ralo. Parecia que tinham jogado mercúrio, algo líquido que escorreu deixando um rastro luminoso. Derramei bastante água. Até mesmo urinei sobre a mancha. Fui para a mesa com o resto da turma e esqueci. Soube, então, que meu filho havia apanhado as chaves do meu carro e fora levá-lo de carona. Aguardei que meu filho retornasse e fomos embora. Perguntei se ele, o novato, estava bem. Junior disse-me que quando o levou ele estava arfante e pouco falou.

Atribuí ao sol muito forte, sob o qual jogamos, sem substituição nenhuma.

Ele quis ficar próximo ao Mercado Municipal, onde o Tamanduateí cruza o Tietê, sobre aquela ponte. Olhei para o Junior, intrigado. Por certo morava por ali.

Desse domingo em diante, nunca mais veio jogar. Ficamos preocupados, mas agora, já seis meses transcorridos, o fato foi esquecido. Nunca descobri quem o convidou para jogar conosco. Vai ver que apareceu por lá à toa e o convidaram para completar o time.

Atirei fora o frasco de analgésico spray.

Desde aquele domingo, tenho lavado o carro muitas vezes, mas permanece forte um cheiro de amônia.

*Do livro de Contos Antena de Arame – Rumo Editorial – Segunda Edição – 2018 – São Paulo.

Deputado Paulo Lemos assume luta em prol dos ostomizados no Amapá

O deputado Paulo Lemos esteve reunido com as representantes da Associação dos Ostomizados do Amapá, para expor a situação complicada pela qual estão passando. Segundo a presidente da entidade, professora Rosillete Maria Paes do Carmo, elementos básicos como “kits de colostomia” e assistência psicológica, por exemplo, têm sido negligenciados a estas pessoas, as quais lutam para garantir uma vida com dignidade e menos sofrimento.

De acordo com a Portaria do Ministério da Saúde (Nº 400/2009-MS), o poder público é obrigado a fornecer estes acessórios e adjuvantes aos Ostomozados, para que possam ter o mínimo de qualidade de vida. A professora expõe que o “kit” fornecido pelo Estado contém apenas uma dezena de bolsas de coleta de colostomia, ‘de má qualidade’, e não possui os adjuvantes, como pomadas para evitar dermatites, por exemplo, fugindo ao que estabelece o MS.

“Conheço pessoas que trocaram dez vezes a bolsa no mesmo dia, sendo que, um assessório como este, teria que durar no mínimo três dias. Nós não podemos ficar sem bolsas, pois nossa condição intestinal é involuntária, por isso, regra a nossa vida e, em algumas situações, nos causam constrangimento, se não forem bem afixadas, o que é comum acontecer quando não há qualidade do produto”, explicou.

Rosillete reitera que muitos pacientes usam luvas de procedimento e garrafas pet como alternativa na falta de bolsas, porque há irregularidade na entrega dos kits. “Nem sempre tem”, ressalta. Outra situação exposta pela Associação diz respeito à adaptação de banheiros em locais públicos que atenda às necessidades dos Ostomizados. “Pois os ‘normais’ não são adequados para esvaziar as bolsas e, em muitos casos, podemos até nos sujar”, reitera.

Sensibilizado, Lemos abraçou a causa e se propôs a intermediar uma reunião da Associação com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). Além disso, vai elaborar um Projeto de Lei que irá instituir, no âmbito estadual, banheiros adequados aos Ostomizados e, pela Ouvidoria da Assembleia, levar o assunto ao conhecimento do Legislativo, bem como promover reuniões com o Ministério Público e Tribunal de Justiça para promoção da cidadania e garantir os direitos desses pacientes.

“As pessoas e a imprensa precisam conhecer a situação que vocês estão passando. Nosso mandato está à disposição dessa bandeira. Vamos ajudar a amenizar esse sofrimento pelo qual essas pessoas estão passando”, diz o deputado.

Ostomizada/Estomizadas

Ostomizado ou estomizado é aquela que precisou passar por uma intervenção cirúrgica para fazer no corpo uma abertura ou caminho alternativo de comunicação com o meio exterior, para a saída de fezes ou urina, e/ou, também, auxiliar na respiração ou na alimentação de pacientes. Essa abertura chama-se estoma.

Serviço:

D1 COMUNICAÇÃO – produção de conteúdo digital
Júnior Nery | Adryany Magalhães
(Ascom/Paulo Lemos – PSOL)
Contatos: (96) 98127-1559 e 99144-5442*

FAF divulga tabela e regulamento do Campeonato sub-17

A Federação Amapaense de Futebol (FAF) divulgou nesta terça-feira, 21, a tabela de jogos e o regulamento do Campeonato de Futebol sub-17 desse ano.

O primeiro jogo da temporada começa às 18h na quinta-feira, 30/01, com confronto entre Santos e Oratório. Em seguida, jogam Trem e São Paulo, com partida marcada para iniciar as 20h. As duas partidas acontecem no Estádio Zerão.

O campeonato reúne sete clubes profissionais que jogarão, ao todo, 24 partidas. As classificatórias e quartas de final acontecerão nos campos do Trem, Santos e Augusto Antunes (em Santana). As semifinais e a final retornam ao Estádio Zerão na ultima semana de fevereiro.

Copa do Brasil

O Amapá tem uma vaga garantida na Copa do Brasil sub-17 e o representante será definido nos próximos dias, como explica Manoel Figueira, diretor do Departamento Técnico da FAF: ” A Federação já fez uma consulta à CBF sobre o time indicado, se houver tempo, por concordância de tabelas, de enviar o campeão do sub-17 desse ano, este será enviado, se o tempo não for hábil pra isso, um time será indicado e o vencedor desse ano no Amapá tem vaga garantida na Copa do Brasil do ano que vem”.

Acesse o regulamento e a tabela do Campeonato sub-17 desse ano:

http://www.fafamapa.com.br/wp-content/uploads/2020/01/TABELA-CAMPEONATO-SUB-17_2020_7-EQUIPES.pdf

http://www.fafamapa.com.br/wp-content/uploads/2020/01/REGULAMENTO-SUB-17_2020_EQUIPES.pdf

Marcelle Nunes
Assessoria de comunicação da FAF

Adriano, o Imperador do Povo – Por Marcelo Guido

Por Marcelo Guido

De menino da Vila Cruzeiro, subúrbio do Rio – onde qualquer garoto sonha em um dia ser craque -, abandonar a miséria, extasiar multidões em um Maracanã lotado. Realidade para poucos.

Os Deuses da bola deveriam estar em êxtase quando, no dia 17 de fevereiro de 1982, concederam todo o talento do mundo para Adriano Leite Ribeiro, o Didico.

Alto, forte, rápido deixava em prantos defesas adversárias, a bola sua amiga, era tratada com todo respeito merecido. Ao “matar” caprichosamente a pelota e partir em direção ao gol, era quase a certeza absoluta de alegria para seu povo.

Vestiu as camisas do São Paulo, Corinthians, Parma-ITA, Fiorentina-ITA, Internazionale de Milão-ITA, Roma-ITA, Atlético Paranaense, Miami United-EUA, mas honrou e jogou com o coração mesmo no Flamengo. Ali começou e foi feliz. Didico era o ser rubro negro em vestes totais.

Cria da base, lançado aos profissionais com 18 anos, Adriano não escondia de ninguém seu amor pelo Mengão, a objetividade máxima em procurar balançar as redes o colocou logo no coração da torcida, e a nação rubro negra já sabia que dentro de campo havia um representante seu – suor, garra e vontade não iriam faltar.

Trocado por Vampeta, foi descobrir o Velho Continente. Jogou o que muitos não jogaram a vida inteira. Suas credenciais foram mostradas e ele se tornou Imperador. Em cinco temporadas na terra da bota, vestindo azul e negro, Adriano não ficou um ano sem levantar uma taça; colocou seu nome na história do esquadrão de Giuseppe Meazza.

Formou o Quadrado Mágico na seleção. Muitos acreditavam estar vivenciando o surgimento do sucessor natural do Fenômeno. Calou um time inteiro de Hermanos quando, em uma final de Copa América, acertou um tiraço de esquerda e, aos 48 do segundo tempo, livrou-nos da derrota que já era certa; ali ele foi o craque de todas as torcidas.

Volta para o Brasil, para os braços de sua gente. Para muitos, acabado para o futebol. O menino da Vila Cruzeiro parecia triste; os ares de Milão já não o faziam feliz, muito relacionado ao falecimento de seu Pai, que antes de tudo era seu escudo. Uma boa passagem pelo Tricolor Paulista, 28 jogos, 17 gols.

Mas ele não era paulista; o Morumbi tem seu charme, mas não é o maior do mundo. Reencontrou seu brio perto dos seus, vestiu pela segunda vez o manto rubro-negro e comandou o seu Flamengo rumo ao título nacional, depois de 17 anos; uma campanha de superação, não só do time, mas dele. Didico estava vivo, em riste, calando críticos, sorrindo e sendo campeão.

Volta para Itália, passagem curtíssima pela Roma. Cai nos braços da Fiel Corintiana; o Imperador estava na democracia; outro título nacional, gol importante. A última vitória do time que se sagraria campeão em um zero a zero contra o Palmeiras, uma semana depois.

Entre várias tentativas de voltar ao ápice, todos sabiam que havia lenha para queimar, mas algo já incomodava o menino. Talvez os campos já não lhe enchessem mais os olhos, talvez as glórias já tivessem sido conquistadas; o desafio diário de estar sempre entre os melhores já não lhe caía bem.

O cansaço da rotina já tinha dado as caras para ele e o futebol se despediu de um dos maiores centroavantes que já honraram uma camisa dez.

Foram 207 gols em 429 jogos, por muitos pavilhões e pela seleção brasileira; dezoito títulos profissionais – ninguém que gosta de futebol pode dizer que não foi um vencedor nato.

A volta para seu reduto – ninguém escolhe sua manjedoura, sentimo-nos bem onde somos acolhidos. Talvez Milão tenha seu glamour, com seu vinho, suas belas ruas e mulheres, mas não tem o calor da Vila Cruzeiro.

Onde o Imperador é o simples Didico, situação que enche a boca de seus críticos, e os anos passam e vemos o reflexo da felicidade no seu rosto. Adriano é a prova que podemos viver nossos sonhos e que podemos transformar com talento nossa realidade sem esquecer de quem somos, de onde viemos e para onde podemos voltar com tranquilidade.

Largar o mundo rico do futebol, pela simplicidade da favela não é para qualquer um; é preciso coragem para ser quem você é de verdade. Seja com distribuição de presentes para menores carentes, levando uma lanchonete nunca vista por muitos moradores para dentro da comunidade ou simplesmente andando descalço, sem camisa como seus pares, Didico mostra que sempre foi ele mesmo.

O dinheiro, sucesso mais que merecido por quem batalhou de forma honesta para isso, deu a ele a oportunidade de mudar seu contexto sobre onde viver, mas não lhe tirou o desejo de, em sua essência, procurar a sua felicidade.

Sobre quem achou errada a sua escolha, esse problema não é do Adriano, nem do Imperador muito menos do Didico, esse problema é de Deus; pois então, Ele que perdoe essas pessoas ruins.

Salve Didico, seja você. Realmente é preciso muita coragem para ser feliz.

*Marcelo Guido é Jornalista. Pai da Lanna Guido e do Bento Guido. Maridão da Bia.

Sete clubes disputarão o Campeonato de Futebol sub-17 desse ano

Com o encerramento das inscrições para Campeonato de Futebol na categoria sub-17, promovido pela Federação Amapaense de Futebol (FAF), se definiu que a disputa pelo título de campeão reunirá sete clubes profissionais do Amapá esse ano.

Trem, Santos, São Paulo, Ypiranga, Santana, Macapá e Oratório são os clubes inscritos para o campeonato que tem previsão para iniciar no próximo dia 27/01, com abertura realizada no Estádio Zerão. Os locais dos demais jogos ainda serão definidos.

Manoel Figueira, diretor do Departamento Técnico da FAF, explicou que na sexta-feira, 17, serão divulgados primeiramente a tabela de jogos e o regulamento do campeonato. “Por enquanto estamos trabalhando com o início de jogos previsto para o dia 27, mas essa data será confirmada após regularização de todos os jogadores no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF”, concluiu.

Marcelle Nunes
Assessoria de comunicação da FAF

Sócrates, o “Dr. Democracia”: mais que futebol, um exemplo

Por Marcelo Guido

Sem dúvida alguma, um dos melhores jogadores brasileiros de todos os tempos. Cerebral, comandava como poucos o meio campo. Desfilou seu talento ostentando as camisas do Botafogo de Ribeirão Preto, Flamengo e Santos, mas entregou seu corpo e sua alma para o Corinthians.

Majestoso que era, o Doutor conseguia ser em campo um verdadeiro cirurgião, rasgando a pele das defesas adversárias com passes que, de tão precisos, só poderiam partir de um médico. A perfeição em campo era sua marca.

Destacou-se pelo seu primordial passe de calcanhar, algo que nem os melhores marcadores poderiam imaginar sair daquele corpo esguio, magro – que em nada lembrava um atleta de ponta. Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira era a classe do futebol em estado absoluto, um ser deveras abençoado e tocado pelos deuses da bola para ser o melhor.

Nascido em Belém do Pará no ano de 1954, apareceu para o mundo do futebol trajando as cores do Tricolor de Ribeirão. Sua prioridade, na época, era o curso de medicina – que não foi deixado de lado – e com muita luta e persistência foi um dos primeiros (e raros, até hoje) a adentrar um campo de futebol profissional com diploma de nível superior na parede. Ser diferente era uma de suas características.

Cortejado por vários clubes, foi levado para o Parque São Jorge pelo lendário Vicente Mateus e no dia 20 de agosto de 1978 vestiu-se de alvinegro pela primeira vez para enfrentar o Santos, seu velho e querido clube de infância.

Com a alcunha de ser o jogador mais caro do Brasil na época, mostrou para 120 mil privilegiados torcedores todas as suas credenciais de jogador único, diferenciado. A palavra craque lhe cairia como uma luva.

Levantou sua primeira taça no ano seguinte, fez dupla inesquecível com Palhinha e foi para seleção. Tinha o objetivo pessoal de jogar um mundial. Frustrado por ficar de fora da copa de 1978, abandonou hábitos peculiares como cerveja e cigarro e se fez atleta pelas mãos de Telê Santana.

O ano de 1982 viu um futebol bem jogado, de enriquecer os olhos de quem gosta de ver a bola rolar; era o maestro de um time aguerrido e sem modéstia, o Capitão de uma senhora seleção Brasileira que sucumbiu em pleno Sarriá para a Itália de Paulo Rossi. O futebol industrial e burocrático venceu o futebol espetáculo. Coisas do jogo.

Figura pública, controverso nunca se esquivou a falar o que pensava, comemorou seus 317 tentos muitas das vezes com o punho em riste tal qual um pantera negra. Em tempos sombrios no Brasil, foi pilar da democracia corintiana, movimento que colocava equidade nas decisões tomadas pelo time.

Como brasileiro nato, combateu a ditadura de peito aberto; suas ideologias sempre estiveram do seu lado. Conseguiu como poucos, com seu carisma, chamar atenção para os anos de chumbo viventes na época. Sua promessa de não sair do Brasil caso a emenda Dante de Oliveira (que permitiria ao povo votar) passasse, foi um dos pontos altos no comício das Diretas Já.

Antes de ser um excelente jogador, Sócrates foi símbolo de luta e ativismo político, em um momento conturbado na história do Brasil.

Sócrates virou verso e melodia: “Com destino e elegância dançarino pensador. Sócio da filosofia da cerveja e do suor. Ao tocar de calcanhar o nosso fraco a nossa dor. Viu um lance no vazio herói civilizador, o Doutor!” pelas mãos de José Miguel Wisnik.

Virou livro nas linhas traçadas por Tom Cardoso. Virou campo de Futebol feito pelo Movimento Sem-Terra (MST). Virou sonho e orgulho de toda a nação corintiana e brasileira. Eleito pelo diário Inglês The Gardian, um dos seis esportistas mais inteligentes da história (único brasileiro), levando em conta a sua atuação, que extrapolou os campos.

Sim, teve outros títulos; o Bicampeonato Paulista 82/83 pelo Timão e o Carioca de 86 pelo Flamengo passagem pela Fiorentina e pelo Santos. Voltando em 1989 para o berço e se despedindo pelo Botafogo de Ribeirão.

Um ser que deixou um legado dentro e fora de campo. Um pensador que se fez ideia, viveu seu ideal, sua luta por uma sociedade mais justa, menos desigual; um país sem fome, sem miséria, sem homofobia, foi aquilo que sempre sonhou e propagou.

Hoje enquanto craques são mais celebridades comerciais, fazendo propaganda de relógio ou carros, caras como o Magrão fazem falta. Em um Brasil que aos poucos vai caindo no abismo abissal da ignorância e atraso novamente, sua voz faria diferença.

Sócrates teve tempo de cumprir sua última profecia: só morreria com toda a Fiel corintiana banhada em alegria. Partiu no dia 4 de Dezembro de 2011 – no mesmo dia em que o Corinthians foi campeão Brasileiro.

*Marcelo Guido é Jornalista. Pai da Lanna Guido e do Bento Guido e maridão da Bia.

Poema de agora: O Elogio do Pé – (Fernando Canto para Ubiratan do Espírito Santo, o “Bira”, craque do futebol amapaense)

Bira – Foto: Camisa 33 ( no Facebook)

O ELOGIO DO PÉ

I
Ainda que a mão guie
O rápido correr do atleta
O pé equilibra a perseguição da pelota e seu couro
Tal como o ouro em seu brilho
Desperta e arrisca o assombro à cobiça
No fado de explodir a bola
Num voo atômico em direção à rede.

II
O atleta – certeiro – atinge o alvo duas vezes
Pé e cabeça se harmonizam nesse objetivo
E mais vezes, mais os olhos se guiam à rede – incansável,
Mistura de inseto, soldado, animal de testa larga
Arranca cem vezes o grito da torcida enlouquecida.

III
É azul, preto e branco, vermelho
O gosto da loucura ecoante
De rugidos da selva, de cantares da alvorada
E de sangue guerreiro de norte a sul do Brasil:
É Bira de Nueva Andaluzia, paraoara,
Dos pampas, das alterosas,
Do espiritu sancto do gol, das vitórias domingueiras
Das tardes ensolaradas, crepúsculos festivos
Da tela não-pintada de Michelangelo
(Alegoria de Deus que entrega a bola a Adão
No leve tocar de dedos)
Como um contrato entre as partes no Éden tupiniquim.

Foto: Camisa 33

IV
É Bira, príncipe da arte de chutar no gol
Viajante contumaz do oco da bola
Onde moram os querubins do futebol

V
No contato da chuteira e a bola
Centelhas rompem imperceptíveis aos olhos da torcida
Mas ali, na trajetória da pelota ensandecida
Girando em curva ou reta
Corre o chute mágico do atleta uBIRAtan
Que trave alguma, vento algum, goleiro algum,
É capaz de parar ante o fundo da rede, o seu destino.

Foto: site Memória do Inter

VI
É certo que o tempo, implacável como o goleador
Também abre ruas no rosto em movimento
Ventos empoeirados surgem abruptos dos logradouros
Como quem logra a vida em ciclos imemoriais.

VII
Onde se vê de novo o voo rasante dos quero-queros
Sobre verde do gramado?
Talvez no espelho da lembrança
Porque a fama, efêmera e fugaz
Faz da vida o templo da memória, onde se clama
O que ficou para trás
Onde os cantares se repetem em rituais
Para abençoar a glória dos que vencem
Em tempos que escrevemos nosso esquecimento.

Foto: site Memória do Inter

VII
A voz grossa dos que torcem e glorificam
Deixam grandes silêncios na alma
Cobram-se cobranças, cobram-se castigos
A falta, a mão, o pênalti
E o gol, que para sempre é objetivo
Resta, então, a festa da massa em labaredas
Em gritos, confetes e bandeiras
(ou o desterro infausto em outros horizontes)
VIII
Entretanto o pé-de-ouro arrisca
Em balés de pés-de-lã/ pés-de-moleque
Pés-de-pato sob as gotas de um pé-d’água na neblina
Nas estações mais aziagas das paisagens-penitências

E realiza seu trabalho de cerzir o tempo e as camisas coloridas

Foto: site Arquibancada Colorada

IX
Ora, a inveja é um olhar sinistro
Que se movimenta sobre a dádiva
Ofertada aos talentosos
É um ovo só
Saído das entranhas da serpente,
Para reduzir a alma que alimenta com seu ranço

X
Ora, o futebol não se limita a homens
Em seus campos de lama e de gramas aparadas
Há um árbitro, há rivais que se trajam de esperança
Oponentes opulentos em nervos eriçados
Quando a bola cintilante gruda ao pé do craque
E ele mergulha nas funduras do seu rio
Onde cardumes geram suas eternidades
E esperam uma coreografia não ensaiada
Para, enfim, soltar a voz contida em milênios de partida

Foto: O Canto da Amazônia

XI
Ah, a pira dos deuses parece penetrar em águas abissais
De onde irrompe o grito final do campeão

XII
Quem não viu não mais verá. Nem ouvirá
O clamor dos ribeirinhos do Amazonas, o eco da baía de Guajará
O som ferrífero da serra do Curral e o brado dos gaúchos do Guaíba.
Quem não viu não sentirá
A poesia refletida na potência do olhar, da mira
Da luz mágica do Bira e seu bólido de vidro e luz
Transformando-se em espelho pela última vez.

XIII
E nós aqui tal degredados em nossa própria aldeia
Apenas com as imagens do passado e nosso orgulho
Fomos os pés, os pés do Bira
Quando o chute governava a bola
E a noite vigorava um brinde
A mais um campeonato ganho na história
Pelos pés do nosso ídolo
De sonho e de memória.

Fernando Canto

 

* Poema para Ubiratan do Espírito Santo, o “Bira”, craque maior do futebol amapaense

Ézio, o Super Herói Tricolor – Por Marcelo Guido

Por Marcelo Guido

O futebol é mágico! E jogo é fantástico! Transforma seres em mitos e dá a eles a alcunha de herói. Assim foi com Ézio Moraes Leal Filho.

Nos tempos áureos, nos anos 90 (só quem viveu sabe), o futebol era menos técnica e mais vontade; e nisso, o Super Ézio era rei.

Fez do Maracanã seu palco, da torcida tricolor sua corte. Se lhe faltava destreza com a bola, nunca lhe faltou disposição. Revelado pelo Glorioso Bangu de Castor, honrou a camisa da lusa e do Galo, mas foi nas laranjeiras que encontrou sua morada. O coração tricolor bateu forte várias vezes em virtude dele.

Foram quatro anos; de 1991 a 1995, 237 jogos e 119 gols – o que o coloca no décimo lugar na lista de artilheiros tricolor – uma taça Guanabara em 1991 e um Estadual em 1995. Se os números aparentemente são escassos, lembraremos o período.

Ézio foi ídolo de uma torcida carente, sua vontade em campo lhe proporcionava feitos de craque. E isso era ser tricolor naquela época. Esse era o futebol.

Ézio era antes de tudo o rosto do Fluminense. Era dele que a torcida tão sofrida podia esperar algo. Era nele que eram depositadas as fichas. Ézio era o tricolor.

Fazer 12 gols no maior rival, ser o terceiro maior artilheiro do FlaxFlu e a procura incessante pelo gol os faziam acreditar que sim, algo bom era possível. Longe de ser um fenômeno – mas era o que bastava.

Entre contratos assinados em branco e a vontade de permanecer no clube em fase difícil, em um período sem Unimed, onde as melhores lembranças já iam longe com a Máquina Tricolor de Dom Romeo e Branco, ou do Casal 20, Washington e Assis, Ézio se fez tricolor.

Imortalizado pelo mestre Januário de Oliveira, fez suas glórias maiores no Maracanã. Corria para geral ao comemorar seus tentos. Majestoso, o manto verde, branco e grená lhe caia como smoking e cartola para noite de gala.

Tinha garra, sorte às vezes e faro de gol. Goleador nato. Fazia gols porque sabia que era disso que o povo gostava.

Ficam as histórias e o agradecimento de pessoas que aprenderam a amar o Fluminense em um período de nove anos sem títulos. Nove: o número da camisa que tanto honrou. No dia nove de novembro de 2011 perdeu – talvez a partida mais importante. A luta travada contra o câncer havia terminado.

O Super Herói saiu da vida para a cadeira cativa em todo coração tricolor. Mas, eterno que foi em campo e, como nas histórias em quadrinhos, o bem sempre vence o mal, Ézio se fez imortal na história tricolor.

Marcelo Guido é jornalista.

Estão abertas inscrições para o Campeonato Amapaense de Futebol sub-17

A Federação Amapaense de Futebol (FAF) abriu nesta segunda-feira, 06, as inscrições para os clubes interessados em participar do Campeonato Amapaense de Futebol na categoria sub-17.

As inscrições devem ser realizadas até o dia 15 de janeiro, exclusivamente através do e-mail [email protected] , por meio de um documento assinado pelo presidente do clube interessado. Somente clubes profissionais em pleno gozo de seus direitos estatutários podem participar da disputa. Para compor os times, os jogadores devem ter de 14 a 17 anos.

Segundo o calendário divulgado pela FAF, o campeonato começa dia 20 de janeiro, em Macapá. Tabela e locais de jogos serão divulgados posteriormente.

Marcelle Nunes
Comunicação FAF

O Craque Dener – Por Marcelo Guido

Por Marcelo Guido

Dos campos de terra, ao palco celeste. Os Deuses do futebol conspiram sempre nos terrões localizados nas várzeas, “campos” onde grama é algo raro, surgem talentos natos. Em um desses veio para o mundo da bola o genial Dener.

Negro, baixo, magro como muitos de seus pares, tinha o dom de comandar a pelota como poucos. Esguio, liso como peixe ensaboado, deixava para trás seus adversários, que ficavam a mercê de seu talento como míseros “Joões” sem pai nem mãe.

Dribles desconcertantes foram sua marca maior, tal qual Umbabarauma , o ponta de lança africano de Benjor. Dener era o arquétipo máximo do bom jogador.

Honrou em sua curta passagem pela vida três dos maiores pavilhões do futebol. Portuguesa, Grêmio e Vasco. Deixou boquiaberto o grande Maradona. Don Diego teve sua reestreia no futebol portenho ofuscada pelo desempenho maior do camisa 10 de São Januário.

Foram realmente poucos títulos, a Copinha de 91 pela Lusa, o Gauchão de 93 pelo Tricolor e a Taça Guanabara de 94 pelo Gigante. Mais sua contribuição foi eterna para o espetáculo. Até hoje quem entende um pouco de futebol, não importando a identificação clubística , coloca o garoto do Canindé entre os melhores que já pisaram em um campo de futebol.

Pepe, eterno canhão da Vila, rendeu-se ao Gênio comparando ao incomparável Rei do futebol :“ foi o mais próximo que chegamos de um novo Pelé”. Pegar a bola em uma linha central, sair driblando em zigue-zague com o objetivo máximo de levar a criança para dormir no fundo das redes adversarias era sua constante dentro de campo.

Dener era o suprassumo da coerência futebolística, para ele um drible bonito era sim, mais bonito que um gol. Ele era o espetáculo.

Calou críticos, que ousaram dizer que o campeonato gaúcho era muito pesado para ele, levou o Maracanã ao delírio em um inesquecível Vasco x Fluminense, onde a torcida Vascaína bradou em alto e bom som, “E cafuné , o Dener é a mistura do Garrincha com Pelé”, fez o gol mais bonito já feito no solo sagrado do Canindé , contra a Inter de Limeira, virou musica na voz de Luiz Melodia, “ se vocês querem um conselho vou dar, deixem o menino driblar” e literatura nas mãos de Luciano Ubirajara Nassar autor de “ Dener , o Deus do Drible”.

Sua vida passou como ele passava pelos beques , seu drible mais desconcertante foi com certeza na miséria e sua carreira foi rápida como um raio. Dener Augusto de Sousa deixou órfãos os amantes do bom futebol no dia 19 de abril de 1994, em um fatídico acidente automobilístico na lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro.

Talvez o próprio Deus, boquiaberto com tanto talento daquele menino negro, resolveu escala-lo para seu time celeste para o jogo de domingo.

Ficou a história de um dos que, em pouco tempo, provou ser um dos melhores no mundo da bola.

Dener, Deus e Drible, os “D” em caixa alta, atitude mais que correta.

* Marcelo Guido é Jornalista, Pai da Lanna Guido e do Bento Guido. Maridão da Bia.

O velho, a loja e o Vasco – Por Marcelo Guido

A temporada futebolística de 2019 acabou para a maioria dos clubes e para o Vasco não foi diferente. Dentro das quatro linhas, um time limitado, um técnico vencedor e uma torcida que abraçou o time de forma poucas vezes vista no Brasil.

Longe de ter o que se comemorar de fato, mas passamos longe do desespero. O “pofexô” Luxemburgo cumpriu o que prometeu ao assumir o clube na zona de rebaixamento, entre os últimos na colocação da tabela.

Primeiro saímos da zona da confusão, rumamos ao meio da tabela e sim, conseguimos algo a mais no fim das contas. O Vasco não brigou para se manter na primeira divisão, o Vasco se manteve e não foi mais longe dentro do que podia, por erros seus mesmo. Pontos perdidos quando pareciam ganhos, erros grosseiros que mostraram a todos os que entendem de futebol, as limitações do elenco.

Bom, como já frisado, 2019 se foi para o Vasco; apenas a Taça Guanabara e o abraço secular da torcida que mais que dobrou o número de sócios torcedores para ser lembrado – esse sim motivo de grande orgulho. E 2020 nos parece ser mais real a partir de agora, nos últimos dias, horas; a probabilidade da entrada de um patrocinador controverso, mas com um cofre abarrotado de dinheiro fez com o que a torcida ficasse de orelha em pé. Se realmente a loja e seu dono aportariam em São Januário, como prováveis redentores do clube. Uma espécie de nova era.

Valores já são especulados, giram cifras astronômicas até onde sabemos. O Velho do Dinheiro, personagem que mais parece ter saído de um circo do que ser um empresário de respeito, olha para o Vasco e vê uma oportunidade de melhorar a própria imagem.

Oras, que outra torcida fez o que fez a do Vasco, no Brasil? Eu respondo: nenhuma. Qual outro clube de caráter popular, que sempre brigou pelos seus, que teve resposta histórica, que peitou mandatários e foi excluído de federação por apoiar seus atletas, que peitou gigante da comunicação? Respondo mais uma vez: nenhum.

Isso não passa despercebido aos olhos desse tipo de gente – que nada tem HAVAN, opa, haver com a história do Vasco. Sempre fomos mais povo que elite, mais clube do que time. O Vasco fez sua raiz popular e não é patrocínio que vai acabar com essa bela história. O futebol se fez negócio, e pra isso precisa de receita, não se monta elenco sem dinheiro.

A paixão nesse caso não alimenta. Somos escravos de cotas de TV que a cada ano são menores. Vimos o maior rival organizar as contas, atrair investidores e depois de 38 anos, ter um ano realmente perfeito. Vemos o time do Palmeiras montar cada vez mais um elenco maior e milionário a cada ano. E não tenha dúvidas: quem não fizer o mesmo, vai ficar para trás.

Não somos o “Massa Bruta”, que depois da Red Bull, será apenas uma bela lembrança da fenomenal camisa carijó. O Bragantino disputará a primeira divisão já com outro nome. Uma pena. Não sabemos ainda o que vai acontecer, mas como proprietários do clube, iremos ficar de olho. Não seremos o Corinthians a sorrir com aqueles dólares trazidos pelo gângster iraniano bancado por russos em 2005.

O Vasco, clube que se orgulha de sempre estar do lado certo da história, terá que escolher: ou adequa-se a uma nova realidade, ou continuará à margem dos futuros grandes feitos.

Infelizmente.

Marcelo Guido é vascaíno.

Nesta quarta-feira, jogo entre Mangueirão e Amapá define disputa na final do Intermunicipal

Acontece nesta quarta-feira, 04, o jogo de volta entre Mangueirão e a Liga de Amapá. Os dois times disputam a vaga na final do Campeonato de Futebol Intermunicipal, promovido pela Federação Amapaense de Futebol (FAF). A partida inicia às 16:00 horas no Estádio Augusto Antunes, em Santana.

O jogo de ida entre os clubes aconteceu no dia 28/11, no Estádio Aluízio Videira, em Amapá. A partida terminou no 0 x 0, e por isso, a vaga da final depende da vitória de uma das equipes nesta quarta-feira.

Preparação

A Liga de Calçoene já está na final, classificada em disputa do dia 16/11, quando eliminou Santana em um jogo em casa.

“Estamos treinando incansavelmente para a final. Com o time unido e sob às ordens do técnico Judá, vamos em busca desse hepta campeonato” disse Jean Freitas, presidente do time classificado.

Transmissão

A partida em Santana será transmitida pela FAF TV, através do site MyCujoo. O link do jogo pode acessado através do endereço https://mycujoo.tv/video/fafap?id=ck3q7tlnqddh70ge24d79heu4&src=CPT_EL e ficará disponível na plataforma na íntegra e com os destaques do melhores momentos.

Assessoria de comunicação

Flamengo Libertador – Por @Urublog (Textaço sobre o Flamengo no topo da América)

Foto: República Paz e Amor

Por Arthur Muhlenberg

Uma coisa precisa estar bem clara logo de saída para evitar qualquer mal entendido. Nós nunca mais seremos os mesmos. E digo nós com toda a abrangência e amplitude que o pronome comporta. Depois da tarde mágica no Monumental de Lima a vida de todos nós, rubro-negros e anti-rubro-negros, foi profundamente modificada.

A correlação de forças mudou, a balança da justiça pendeu mais um pouco para o nosso lado e o Flamengo deu mais um passo firme e decidido para se tornar uma potência dominante do futebol mundial. Tem muita gente no Brasil que não vai concordar, o que é a melhor parte de da história toda. Estamos cagando pra eles. A tão temida hegemonia rubro-negra que vai acabar com a competitividade do futebol brasileiro chegou. Quem zuou, zuou. Quem não zuou não zoa mais. Acabou a palhaçada.

Esta nova Era Flamengo, tempos de aço e dominação, foi oficialmente inaugurada ontem em Lima — quando o time todo, medalhas no peito, ergueu a cobiçada Libertadores, fulminando uma inhaca de 38 anos e liberando quatro gerações de rubro-negros de uma sina maldita. O Flamengo, reeditando com talento, casca grossa e uma sorte do caralho as grandes conquistas históricas dos seus predecessores, rompeu os pesados grilhões que o prendiam e atrasavam. O Flamengo estava livre. O Flamengo estava liberto. O Flamengo liberto é senhor da América.

Todos os esquecíveis e amargos 38 anos de espera na fila imensa foram se condensando a medida em que a multidão mulamba, de avião, de barco, carro, trem e motocicleta foi pacificamente invadindo e dominando a capital peruana. Muito antes da bola rolar já era tudo nosso. Quando o jogo começou, toda revolta, tristeza e recalque estocados em 38 anos se comprimiam perto da saída, para serem despejados, exorcizados e esquecidos durante os 90 minutos.

Mas, independente da fé, quem é flamenguista sabe que quando dois ou mais se reúnem em nome do Flamengo o perrengue está entre eles. E foi exatamente assim que se desenrolou o drama rubro-negro no gramado limeño. Um roteiro emocionante, cheio de suspense, viradas, peripécias e plot points. Enquanto a bola rolava uma voz soava sem parar nos fundos da minha cabeça. Era a voz do Galvão Bueno dizendo “teste pra cardíaco”, “teste pra cardíaco”, “teste pra cardíaco”.

Até os 14 minutos do primeiro tempo o jogo foi só lazer. O Flamengo serelepe de sempre, o River aparentemente acuado, mas encurtando espaços, com um jogo extremamente físico, duro e meio desleal, ou seja, absolutamente em conformidade com a regra não escrita da Libertadores. Quem não quer contato físico que jogue vôlei. Tudo corria dentro da normalidade até que correu o primeiro sangue. E foi nosso, com Rodrigo Caio se dando mal num quebra-coco com um riverense qualquer.

Medicado, sangue estancado, Rodrigo Caio voltou ao gramado e daí pra frente só deu River. Os caras foram chegando, apertando, tocando muito rápido a bola, marcando alto e não deixando o Flamengo nem dominar direito as bolas. Nossos jogadores estavam sempre cercados por dois argentinos, dificultando o passe e nos afastando da grande área. Arrascaeta tava descendo até a lateral pra tentar armar jogadas.

O gol deles nasceu num vacilo clássico, um deixa que eu deixo de pelada. A bola não interceptada pelos nossos defensores caiu no pé do cara bom deles, que mandou o sapato no contrapé do Diego Alves e abriu o placar. 1×0 pros alemão com nosso time levando porrada e sufoco. Mais Flamengo, impossível. O River nem tentou disfarçar, depois do gol fez como o time da padaria, se reagrupou em bolo e defendeu em massa.

Mas como é um time bom, levava perigo nos contra ataques supervelozes e nuns chutes de meia-distância perigosíssimos daquele Palácios. Verdadeiras pedradas que do nada iam em direção ao nosso gol. Nessas horas, em que a Nação em desespero roía as unhas e fazia contas apressadas dos investimentos naquela Libertadores, nós não percebíamos, mas a sorte do caralho indispensável aos campeões já operava a nosso favor.

No primeiro tempo os nossos craques não conseguiam driblar sem que um argentino se atirasse sobre eles e parasse o jogo. O River dava uma aula de futebol argentino resultadista. Jesus, de colete, parecia calmo e controlado. Só impressão, é que ele prestava atenção na aula do River. No vestiário o papo deve ter sido forte, porque o time, como sói acontecer, voltou com outro desenho dentro de campo.

Mais solto, aparecendo com mais perigo no ataque, mas sem a contundência necessária pra furar o bloqueio gallina, o Flamengo começou a cavar a vala que engoliria o bicho-papão das Américas. Que jogava tranquilão, e tinha motivos. O 1×0 muquirana no placar, com nossos talentos individuais manietados em uma marcação extremamente rigorosa e bem executada, era obviamente uma goleada para eles. O River mostrou muita disciplina tática se defendendo e extrema letalidade quando atacou. Mas esse jogo deles tem um custo físico alto, com o tempo passando a marcação foi se afrouxando, o Flamengo foi chegando.

Mas chegar não é suficiente, você não pode dizer que foi a um determinado lugar só porque chegou na porta. É preciso entrar. E às vezes não querem que você entre, a porta então deve ser arrombada. Não tem outro jeito, nunca teve e nunca terá. É nessas horas que a camisa é içada por mãos invisíveis. A invicta torcida do Flamengo percebe a sua deixa e entra em campo.

Os cantos flamengos ecoavam no Monumental, criando uma atmosfera sufocante e assustadora para quem não é fechado com o certo. 40 milhões de Monumentais espalhados pelo mundo emanavam ondas de energia que iam sendo absorvidas em campo pelos nossos. Quando em um sistema há energia em excesso pode ocorrer que um ou outro componente não aguente a carga e pife. Foi o que aconteceu com Gerson. Jesus então coloca Diego. A substituição chega a assustar aos mais sensíveis, que não percebiam que não era Diego que Jesus colocava em campo e sim a invencível camisa 10 da Gávea. Sem a qual o Flamengo jamais venceu um grande título. Sinais. Forte sinais.

Foto: República Paz e Amor

Aos poucos, a técnica, que é mato entre nossos craques, foi sendo substituída pela raça, ofício de fé da Nação. Era o ingrediente que faltava para por aquela porta abaixo. Chegamos perto do gol em linda jogada aos 30 minutos. E em outra mais aos 36. A partir dos 43 minutos do segundo tempo o Flamengo arrombou as portas do River, rompeu aquelas correntes e libertou seu povo para despejar em apenas dois minutos toda a tensão acumulada em 38 anos.

Até nas frugais artes culinárias mulambas dois minutos é um espaço de tempo muito curto, não dá nem pra fazer um Miojo al dente. Mas o Flamengo só precisou de dois míseros minutos pra matar, depenar, esfolar, temperar e assar a gallina riverplatense na final de Libertadores mais maluca de todos os tempos. Os fatos ocorridos naquele quadrilátero relvado entre os minutos 43 e 46 do segundo tempo resumiram de forma Exorbitante e operística tudo que o futebol possui de mais intenso, belo e animal.

A esta altura o Flamengo jogava como quem não tinha mais nada a perder. A Libertadores estava deitada com a cabeça no colo de Marcelo Gallardo, que lhe fazia cafuné. O Flamengo era fera ferida, no corpo, na alma e no coração. Animal arisco, no gol de empate os talentos de Arrascaeta, Bruno Henrique e Gabigol se combinaram em perfeita sincronia para iludir os hermanos.

Quando a bola balançou a rede foi como uma explosão atômica, que foi se irradiando de Lima para o mundo, colocando a nação em transe extático. Um gol comemorado com muita alegria com muito extravasamento, mas com a certeza tranquila de que iriamos jogar uma prorrogação de 30 minutos e continuar lutando pelo título. Só que não, o Flamengo nem deixou a gente comemorar direito o gol de empate.

O Flamengo não estava disposto a jogar prorrogações. O Flamengo dentro de campo queria ganhar a Libertadores tanto quanto o Flamengo do lado de fora queria. Só que com mais pressa. E Diego, do interior da mística camisa 10 arrumou um balão, um balão mágico, superfantástico, daqueles que fazem o mundo bem mais divertido e que muita gente chama de lançamento.

O balão, ou lançamento, como queiram, chegou em Gabigol, que disputou a jogada com os dois beques que tinham sido um pé no nosso saco durante 88 minutos. Disputou e ganhou, com uma leve ajuda do barbudinho Pinola. Gabigol, investido de todos os poderes do mundo livre, mete a canhota na bola com tamanha convicção, tamanha verdade, tamanha certeza de que a nossa hora tinha chegado que nem esperou ela bater na rede para começar a tirar a camisa e correr pro abraço com o eterno.

Notem que Gabriel não tirou a camisa pra comemorar o gol, Gabriel ao tirar o Manto Sagrado estava, na verdade, se desarmando para se apresentar com a humildade devida aos pés do Olimpo rubro-negro e pedir permissão para subir. Permissão dada no mesmo instante pelos 40 milhões de guardiões de nosso panteão. O Flamengo voltava ao topo do mundo e Gabigol puxava a fila dos heróis de 2019 aos quais foi concedido o privilegio da imortalidade.

Mesmo promovido a semideus Gabriel não perdeu a oportunidade de continuar fazendo boas ações. Arrumou uma expulsão das mais necessárias ao dar uma expressiva balangada nos documentos em direção ao nojento banco do River e à sua hinchada mais nojenta ainda. E ainda deu um último olé num prego que deixou o desubicado governador no vácuo. Gabigol é matador, artilheiro da América e humilha mesmo. É pra isso que nós vemos futebol, pra ver os adversários serem ridicularizados. Pra ver eles se cumprimentado ao fim dos jogos nós assistiríamos tênis.

As nossas vidas mudaram, mas nossos objetivos continuam os mesmos. Honrar o Flamengo e esfregar na cara dos secadores toda o nosso orgulho de vencedor. Como será essa era flamenga de aço e dominação ainda não sabemos. A única certeza é que se já tava ruim pra eles, agora vai ficar muito pior. Nós, os vencedores, os dominadores, os opressores, estamos oficialmente autorizados a sermos insuportáveis. Talvez nem seja difícil para a maioria de nós.

Flamengo ergue a taça de campeão da Libertadores — Foto: Reuters

A América está mais uma vez a nossos pés. O Flamengo está de volta ao lugar de onde nunca deveria ter saído. Missão cumprida com êxito. E esta é apenas a segunda Libertadores que conquistamos. Nós ainda nem começamos. Eu poderia me estender muito mais sobre a significância dessa primeira conquista da nova Era Flamengo. Mas o Flamengo não deixa, nem quando está de folga, nem comemorando a Libertadores conquistada no sábado, esse time para de ganhar tudo. Já tem um Heptacampeonato do Brasil fazendo o maior esporro na nossa porta e bagunçando o nosso domingo. Vamos ter que dar alguma atenção a ele. Afinal, as peladinhas que nos faltam podem ser um ótimo treino pra pegar o freguesão Liverpool em Doha.

Mengão Sempre

Fonte: República Paz e Amor