Bom, bom, não está, mas tá bom!

                                    Por Elton Tavares
A Seleção Brasileira estreou ontem (15) na Copa 2010, contra a Coréia do Norte, com um resultado magro. Na primeira etapa, vimos um futebolzinho fuleira, uma bola quadrada e tals. Mas o importante é que o Brasil saiu na frente, jogou melhorzinho (nada empolgante), ganhou os três pontos e é líder do seu grupo.

O destaque foi o atacante Robinho, que não marcou gol, mas jogou muito e deu até passe para o meia Elano marcar o segundo. O Káká não jogou porra nenhuma, o Felipe Melo só constatou que é um merda e o Maicon fez o que esperávamos dele. No próximo domingo (20) tem mais.

Alguns, mais otimistas, dizem que o resultado foi bom, que foi só a estréia e Copa do Mundo é assim mesmo. Outros, críticos como eu, acharam a apresentação da Seleção de Dunga frustrante, mas o Robinho jogou bem. Já não posso dizer o mesmo do Luís Fabiano. Enfim, ta valendo.

Pensem bem, poderia ser pior, a Espanha perdeu para o time suíço, a primeira zebra do mundial da África do Sul (risos). Como diz o bordão de uma comediante brasileira: “Bom, bom, não tá, mas tá bom.” Vamos Brasil!

É hoje!

                                                              Por Elton Tavares
Nossa Seleção estréia hoje (15), ás 15h30, na Copa do Mundo 2010, realizada na África do Sul. O primeiro confronto é contra a desconhecida e misteriosa Coréia do Norte, país de regime fechado e regras duras do ditador Kim Jong-il. Falando nele, os coreanos disseram que a vitória em cima do Brasil será em homenagem a Kim Jong-il. Como dizemos por aqui: Tááá jabá!

Outra coisa boa de hoje é que, este espaço completa seis meses de existência, quero comemorar o aniversário do blog com uma vitória “De Rocha” em cima dos coreanos. Tomara que o Brasil dê uma “porrada seca” neles, pois os figuras de olhos puxados disseram não temer a única Seleção pentacampeã do mundo.

Eu confio no resultado positivo, mas quem for religioso que se pegue com seus santos, orixás, simpatias e afins. Tenho certeza da vitória, mas uma fezinha nunca é demais. Agradeço os mais de 6.400 acessos, obrigado mesmo. Vamos Brasil!

Emoções e patriotismo aflorado, é Copa do Mundo!

                                                                Por Elton Tavares
As seis Copas da minha vida: 86,90,94,98,2002 e 2006.
Eu amo futebol, principalmente essa época, tempos de Copa do Mundo. A euforia toma conta da população, gente que nem gosta de futebol adora os mundiais de futebol. Pensando no que escrever sobre o assunto, resolvi falar das copas de minha vida. Ao todo, foram 8 mundiais, de 1978 á 2010 (já que nasci em 1976), mas falarei somente da Copa de 1986 para cá, pois minhas lembranças só alcançam até meados de 1983.
Apesar de achar o Dunga um FDP, acredito no time dele. A Seleção Brasileira estréia no campeonato amanhã (15), contra a Coréia do Norte, a partida é válida pela Copa do Mundo 2010, realizada na África do Sul. O texto é extenso, mas agradará aqueles que gostam de futebol. Leiam sobre as copas da minha vida:
México 1986
Na época da Copa de 86, realizada no México, eu tinha 10 anos e já gostava de futebol. Aquela foi a competição do Maradona, o ídolo argentino ganhou o torneio sozinho, o time era Maradona e mais 10, simples assim. Lembro quando perdemos para a seleção francesa, liderada pelo craque Michel Platini. O meu ídolo Zico (e de toda a molecada da época) perdeu um pênalti naquele jogo.
Penalidade essa comemorada exageradamente. Vou explicar, eu e minha família estávamos na casa dos meus avós paternos e meu tio, Itacimar Simões (que hoje mora no céu) ficou uma bandeira do Brasil bem em cima de um cano de água da casa. Resultado, perdemos a Copa e ele e meu pai (que também já se foi) tivera que ir atrás de um encanador.
Uma cena que me marcou foi o choro do jornalista da Rede Globo, Fernando Vanucci, ao final da partida em que o Brasil foi eliminado nos pênaltis; Vanucci declamou uma mensagem de um torcedor brasileiro à seleção, narrando a tal poesia, não conseguiu conter as lágrimas.
Itália 1990
A Copa de 1990, na Itália, foi a Copa em que ganhei grana apostando na Argentina. Calma, vou explicar. Eu ganhei o bolão na casa do meu tio. Cheguei perto do início do jogo, todos os palpites possíveis a favor do Brasil já tinham sido dados, eu disse: ” Coloca 1×0 para a Argentina”, secante e profético.
Com um passe de Maradona, Caniggia fez o gol que nos tirou daquele torneio. Nesta mesma partida, o lateral Branco saiu dizendo que havia pedido água ao massagista da equipe adversária e, depois de beber, tinha ficado zonzo. Estranhou que a água dada a ele não fosse do mesmo frasco entregue a Maradona. Ficou preocupado e comunicou ao bandeirinha. Depois, na volta para a concentração, dormiu no ônibus e continuou sonolento no dia seguinte. A história, que parecia uma desculpa pelo fracasso da Seleção em campo, acabou sendo comprovada pela imprensa argentina.
USA 1994
A copa do Romário, o baixinho arrebentou demais, Bebeto inventou a comemoração do embalo do bêbê e Tafarell, goleiro frio, de poucas palavras e poucos sorrisos, fechou o gol. Aquela foi a melhor Copa da minha vida, eu tinha 18 anos, foi tudo muito lindo. Assisti aos jogos na companhia de meu primo Gleuber e meu saudoso tio Ita (aquele do cano de 86).
Meu saudoso pai, Zé Penha, disse que o título foi sem graça, uma seleção retranqueira e tals. Concordo, mas o Romário deu show e me fez tomar incalculáveis litros de cerveja. Aquela foi a Copa.
França 1998
A Copa de 98, realizada na França, foi literalmente dos franceses. Aquele mundial era uma tragédia anunciada, já que o Romário foi cortado por conta de uma contusão. Mas o Baixinho deu a palavra de que estaria recuperado ao fim da primeira fase e eu botava fé nele, mas a comissão técnica não.
Chegamos a final contra os donos da casa, a partida marcou os torcedores. Um tal de Zidane, então desconhecido da maioria dos brasileiros, passou por cima da nossa seleção. Muitos discutem a possibilidade do Brasil ter “vendido” a final desta Copa. Poucos sabem o que realmente aconteceu na madrugada anterior ao jogo desta final, que resultou em um “bug ug” no Ronaldo Fenômeno, ainda um mistério para todos nós.
Japão e Coréia do Sul 2002
A copa de 2002 foi realizada em dois países, no Japão e Coréia do Sul. O zagueiro Roque Júnior calou a minha boca, eu critiquei muito o negão, mas ele defendeu com louvor. Com França e Argentina eliminadas na primeira fase e Itália fora (roubada contra a Coréia do Sul), pegamos a Alemanha na final, aí o Ronaldo lá na frente e o Marcos lá trás, arrebentaram.
Todo mundo chegou voando na copa de 2002. Até hoje, não sei se o Ronaldinho Gaúcho queria cruzar ou marcar aquele gol contra a Inglaterra, mas foi paidégua.
Uma particularidade daquela Copa foi o horário dos jogos, tivemos que beber de manhã e, ás vezes, amanhecer bebendo para ver os jogos.
Alemanha 2006
Não tenho muito o que falar sobre 2006. Apesar de um time de estrelas, a Copa foi palha para nós, quase não passamos por Gana e perdemos para a França, de novo, em um jogo que o Henry comeu a bola. A Itália venceu da França, com um futebol retranqueiro, o tal moderno, que fecha atrás e sai no contra ataque (modelo adotado pelo Dunga para 2010).
Tomara que a Copa de 2010 seja nossa, vamos Brasil!

Araken, o Showman!

                                                       Por Elton Tavares 
Araken, sucesso da Copa de 1986.
Tomado pelo espírito da Copa do Mundo, lembrei da de 1986, realizada no Mexico (falarei das copas em um texto sobre os mundiais que vi). Na época, a molecada (e os adultos) viraram fãs do personagem Araken, o Showman! O Araken aparecia em vinhetas, antes do início e nos intervalos dos jogos transmitidos pela Rede Globo.

A irreverência do publicitário José Antonio de Barros Freire, o Barrinhos, que interpretava o personagem caiu na graça do povo e roubou a cena daquela Copa. Araken encarnava o torcedor brasileiro, que não perde a esperança e leva tudo na sacanagem. Hoje, aos 54 anos, Barrinhos é documentarista e mora no interior de São Paulo. Ele trabalha com produção de vídeos de responsabilidade social e programas para televisão.

O Araken satirizava os adversários e fazia sucesso com a mulherada, era o malandro feinho que sempre se dava bem. Ele também criticava a seleção como todo torcedor. Aparecia nas situações mais engraçadas, sempre na pele de um ferrenho torcedor, vestindo a camisa verde-amarela.

Araken deixou saudades em mim e (acredito) em toda a geração que acompanhou aquela Copa do Mundo. A musiquinha que ela cantava era mais ou menos assim: “Nessa Copa do Mundo não tem ninguém, vai dar Brasil meu bem, com Araken, o showman”. Êta nostalgia. Vamos Brasil!

Eu tenho medo do Felipe Melo

                                            Por Elton Tavares
Felipe Melo, o volante psicótico
A seleção de Dunga está muito longe do que o Brasil poderia mandar para o mundial de futebol. Se não bastasse o futebolzinho feio (o qual o treinador chama de moderno e que ganhou tudo), ainda temos um jogador chamado Felipe Melo. Eu pensei que nada seria pior do que, mais uma vez, Gilberto Silva, mas Felipe Melo é doido de pedra, um verdadeiro cagão.

O cabeça de área, eleito o pior jogador do Campeonato Italiano 2009/2010, sofre surtos psicóticos durante os jogos. O cara adora um cartão amarelo, difícil é quando ele não toma um. Se não bastasse a selvageria que desperta inveja até em Lúcio ou qualquer argentino, ele pecou muito ontem, errou o primeiro passe aos 23 segundos e não parou mais. Um jogador assim pode botar tudo a perder, até o Luiz Fabiano está menos marginal.

Outro ponto negativo é que, o time de Dunga tem seu principal craque, Káká, bichado e jogou contra Tanzânia e Zimbábue, que porra é essa? Mesmo que sejam os melhores times da Tanzânia e Zimbábue de todos os tempos, isso não é adversário, não dá para avaliar o time, a Seleção Brasileira não deveria jogar contra essas seleções medíocres.

Se não bastasse todos estes problemas, ainda vem o Galvão Bueno, conhecido locutor seca pimenteira, que matou Airton Senna, fez a Dayane dos Santos errar nas Olimpíadas, quebrou os joelhos do Ronaldo Fenômeno e etc. (ele tem muitos feitos em seu currículo de secador) dizer, aos 42 minutos do segundo tempo:

“O Gomes deixou o seu recado, o Júlio Cezar é o melhor goleiro do mundo, mas eu estou aqui para fazer as minhas defesas”. Logo em seguida, Gomes leva um gol, puta merda! Égua-moleque-tu-é-doido-do-secador!! Vou assistir a Copa em qualquer outro canal, menos na Globo.

Não sou expert em futebol, só aprecio o esporte, tomara que eu esteja errado, tomara que este timinho (mas eu gosto do Robinho, Júlio Cesar e outros) arrebente. Lembro que falei muita merda do Roque Jr em 2002 e o cara arrebentou, mas do Felipe Melo, eu tenho medo.

Não deu, mas eu sou MENGÃO!

                                                       Por Elton Tavares
Vou falar uma coisa para vocês, o Flamengo é uma religião. Uma daquelas coisas que não se explicam. Perdemos a vaga hoje, mas o time jogou bem. Antes que os Vascaínos se ergam e façam comentários infames, devo lembrá-los que fomos desclassificados na LIBERTADORES e por um timaço.

Não fomos eliminados da Copa do Brasil, muito menos pelo Vitória. Quem  ainda pode tripudiar são os são paulinos, mas eu vou secar até o fim. Corintianos então, esses tem que ficar na deles mesmo.

Tudo bem, não deu, Mas eu sou Mengão na vitória ou derrota. Vou torcer pelo rubro-negro no Brasileirão. Vamos Flamengo!


Vamos Flamengo!!

                        Vamos nos pegar com o grande JC, até eu, que não sou religioso, vou rezar (e torcer) para o Mengo passar pelo time chileno.

Salve queridos leitores. Todos vocês sabem que eu sou um fervoroso torcedor do Flamengo. Ok, está muito difícil para o Mengão vencer hoje (20) o Universidade do Chile. Mesmo com poucas chances, EU ACREDITO!
Os mais “sensatos e realistas” já deram o Mengão como eliminado, morto na competição.Bom, partindo da premissa que futebol NÃO tem lógica, vou torcer acreditando que o rubro negro jogará para ganhar pela diferença que precisa, que são dois gols, pelo menos um deles será do Vágner Love, bota fé? Eu boto (risos).
O confronto será em Santiago (CHI), falando no São Tiago, ele é amigo do São Judas Tadeu, quem sabe não rola uma bacanagem entre as santidades? A partir de 4 a 3 também avançaremos. VAMOS FLAMENGO!!

O Dunga é previsível

                                                                                              Por Elton Tavares

O técnico da Seleção Brasileira de Futebol, Carlos Caetano Bledorn Verri, o popular “Dunga”, anunciou hoje (11) a lista de convocados para a Copa do Mundo África do Sul, que será realizada em julho deste ano. Como torcedor, foi frustrante. Tudo bem que os argumentos do treinador são bons, os jogadores são os mesmos que venceram a Copa das Confederações e Copa América, além de bater os rivais Argentina, depois de anos, e Uruguai (deste último, não ganhávamos há 30 anos).

O Adriano foi merecidamente limado (e olhem que sou um flamenguista fervoroso). Mas onde está o Paulo Henrique Ganso? Ele é simplesmente o melhor meio campo do Brasil em 2010. Cadê o André Santos? Que joga, de longe, muito mais que o Michel Bastos e Gilberto na lateral esquerda. O Júlio Batista, Kleberson e Juan jogam bem, mas não para ir a uma Copa. Por fim, porque diabos Gilberto Silva e Josué? Pura panelinha do Dunga.

O Dunga disse que o Neymar e Ganso, os dois melhores futebolistas em atividade no Brasil, “são jogadores para o futuro”. Questionado na coletiva de imprensa, quando um repórter disse que “ainda bem que ele não foi o técnico em 1958 (o futebol causa este tipo de comentário atemporal), por se fosse, não teria levado o Pelé, na época, com 17 anos.

Dunga mandou muito bem na resposta. Disse ele: “Você está falando do Pelé, não de um jogador comum, está falando de um mito”. Concordo com a resposta, mas não com o fato dele não levar o Ganso, aquele moleque é criativo, só menos que o Kaká. Ganso é mais bola que Elano, Kleberson e uns 10 Josués.

Como bom patriota e apreciador de futebol, torcerei pelo meu país, tomara que este grupo, que ainda não é o definitivo, me faça morder a língua. Em 2002, eu era um dos que metia o pau no Roque Junior, mas o zagueiro arrebentou e calou a minha boca. Este é o melhor time? Não, poderia ser melhor, sim!

Enfim, todos temos nossa própria seleção, todos queremos fulano ou sicrano, mas é para este time que iremos torcer. É por esta equipe que iremos sofrer, gritar, beber (muito), chorar ou sorrir (tomara que sorrisos sejam a maioria desta pequena lista de atos e sensações). Apesar deste técnico previsível, acredito que temos grandes chances. Vamos Brasil!


Vamos Flamengo!

 O Flamengo enfrentará hoje (5), no Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP), o Corinthians. O confronto será a segunda partida válida pelas oitavas de final da Taça Libertadores da América. No primeiro jogo, realizado na última quarta-feira (28), no Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ), o Mengão venceu por 1×0 e jogará hoje pelo empate. A exemplo do que aconteceu no Maraca, o time da casa, no caso o Corinthians, contará com a força de sua torcida. Será difícil e emocionante, mas eu sou mais Mengão. Vamos Flamengo!

Para os secadores

Foi muita água!!
Caros secadores, o olho gordo de vocês não adiantou de nada. Tudo bem que não foi exibido um grande futebol por nenhuma das duas equipes, mas o Mengão ganhou o clássico de ontem (28) com mérito. A chuva atrapalhou muito, tanto o Flamengo, quanto o Corinthians. Afirmo, sem paixão alguma, que o pênalti, convertido pelo Adriano Imperador, foi corretamente marcado pelo árbitro.

Foi legal assistir, hoje (29), o programa Globo Esporte, na emissora homônima, uma matéria sobre o clássico. A reportagem descreveu o tamanho das torcidas de Flamengo e Corinthians, inclusive, no Amapá.

O importante é que o Mengão conseguiu sair na frente na disputa pela vaga, espero que no próximo confronto, na próxima quarta-feira (5), vocês sequem, torçam contra e joguem todas as picicas que conhecerem, está provado que não adianta.

O Flamengo se valeu do jogo em casa (Maracanã), mas em São Paulo (SP) será outro jogo duro. Claro que o Timão pode reverter a vantagem do Mengão, que venceu pelo placar de 1×0 (e jogará pelo empate na próxima partida). Afinal, o Corinthians tem time, camisa e torcida para isto.

Devemos respeitar grandes equipes como a do Corinthians, quem dera fosse o Vasco, nosso velho freguês, a vaga estaria garantida. Continuarei na torcida pelo mais querido do Brasil. Vamos Flamengo!

Clássico dos gigantes

Ao todo, cerca de 50 milhões de brasileiros torcerão hoje (28) para o Flamengo ou Corinthians. A partida será válida pelas oitavas de final da Libertadores da América, torneio mais importante do nosso continente.

O “clássico de gigantes” (chamado assim por conta do fato dos dois clubes possuírem as maiores torcidas do Brasil) será realizado no Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ). O jogo de volta acontecerá na próxima quarta-feira (5), em São Paulo (SP).

A partida envolve muita paixão, quem gosta de futebol sabe do que falo. Para abrilhantar o confronto, participarão do jogo os futebolistas Ronaldo Fenômeno e Adriano Imperador, ambos consagrados. Tudo bem que eles estão em baixa, mas podem decidir, nunca duvide de um craque.

Muitos amapaenses (como eu) ainda acreditam no Mengão, que anda em baixa, mas, como todos sabemos, clássico é clássico. Vamos Flamengo!


Homenagem aos goleiros

                                                                                                  Por Elton Tavares

Meu pai, Zé Penha, foi um grande goleiro.
Como eu já disse aqui, por diversas vezes, adoro futebol. Hoje (26) é o Dia do Goleiro, a posição maldita do esporte bretão (chamado assim por ter sido inventado na Grã-Bretanha). Meu saudoso pai, José Penha Tavares, era goleiro. Posso afirmar, sem paixão (talvez com um pouquinho dela), que ele foi muito bom.

Papai agarrou pelos times amapaenses (quando o futebol aqui era amador e melhor) do São José e Ypiranga Clube. Também foi amigo de um monte de conhecidos boleiros locais.

Quando eu era moleque, o acompanhei em centenas de peladas, torcia e sofria quando ele levava gols, principalmente quando falhava. Eu aprendi a admirar goleiros com ele. Lembro bem de expressões como: “Olha essa ponte!”, “Que defesa!” ou algo assim, bons tempos aqueles.

Eu bem que tentei jogar em todas as posições, inclusive o gol (sempre era o último a ser escolhido), mas nunca consegui me destacar pela bola. Não sei se as crianças de hoje ainda escolhem o pior dos meninos (ou meninas) para agarrar, aquilo é crueldade infantil (risos), afirmo com conhecimento de causa.

O futebol mudou, está muito mais dinâmico, até os arqueiros (como alguns se referem aos goleiros) mudaram. O Brasil possui alguns dos melhores do mundo como Doni (Roma-ITA), Gomes (Tottenham-ENG) e Júlio César (Internazionale-ITA). Este último, cria do Flamengo (ou vocês acham que eu não ressaltaria isto?).

Quando digo que a posição é maldita, falo de uma série de injustiças que vi goleiros sofrerem ao longo dos meus 33 anos, mas uma é mais marcante, a crucificação do arqueiro Barbosa, da seleção de 1950. Há alguns meses, assisti um documentário sobre a derrota para o Uruguai na final daquele mundial. Aquele homem foi estigmatizado até o fim de sua vida.

Mês passado, em uma entrevista, o Zico (não preciso dizer que é né?) declarou que o Barbosa, no fim da vida, disse a ele: “Desculpe, mas gostei de ver você perder aquele pênalti em 1986, pelo menos me esqueceram um pouquinho”. Imaginem como o velho goleiro sofria pela falha de 1950? É a maldição do goleiro.

Este post é uma homenagem aos goleiros profissionais e peladeiros, que se machucam em saltos destemidos, chutes meteóricos e divididas violentas. Em especial ao meu pai, meu goleiro preferido, e ao Bruno, goleiro do Mengão, que também é um grande defensor. Ah, vocês sabem que gosto de música, então aí vai:

Letra da musica Goleiro (Eu Vou Lhe Avisar) – Gal Costa

“Eu vou lhe avisar

Goleiro não pode falhar

Não pode ficar com fome

Na hora de jogar

Senão, um frango aqui, um frango ali,

Um frango acolá



Já vai tarde mais um articulador respeitado

Com a autoridade baleada,

O peso do destino

Na mira da lei, na marca do penalty

O fim de um charm,

Discreto e nublado

Trivial

Alguém esqueceu a bola de cristal


Que delícia de malícia a espera da guerra

ele sonha com o paraíso

E tenta a sorte nos números,

Pensando nela

Disposto a tudo, bate cabeça,

Bate tambor

Numa trama milionária e perigosa

Ele quer o Jardim do Édem

Trivial

Novamente esqueceram a bola de cristal

Eu vou lhe avisar

Goleiro não pode falhar

Não pode ficar com fome

Na hora de jogar

Senão, um frango aqui, um frango ali,

Um frango acolá”