Escritor Obdias Araújo lança livro Versículos de Salomão em Macapá, no dia 8 de dezembro

O escritor e poeta (além de músico e maestro) amapaense, que reside em Belém (PA), Obdias Araújo, lançará, às 19h do 8 de dezembro de 2017, na Biblioteca Pública Elcy Lacerda, o primeiro livro de uma trilogia dedica à sua esposa, Telma Salomão, em Macapá.

Sob o título “Versículos de Salomão” conforme relata o escritor Paulo Tarso Barros na ‘orelha’ do livro, a obra é composta de “poemas curtos e de uma linguagem direta e contemporânea, por vezes irônica, que conduzem o leitor para o imaginário de um poeta integrado ao seu tempo, que fala de amor e de saudade. Cultiva o humor, trazendo da vida quotidiana os elementos que constroem o seu tecido poético com cores, sons e ritmos. Obdias é um escritor que gosta de viver intensamente, conta piadas de todos os gêneros, com nítida preferência para os temas eróticos. Entretanto, com perspicácia, é capaz de filtrar para a literatura tudo aquilo que pode ser aproveitado na poética”.

Filho dos pioneiros Zacarias Alves de Araújo e Odália Vieira de Araújo, Obdias, nascido em Macapá no dia 22 de fevereiro de 1957 é o autor de Apologia (1984) e Praça Pinga Poesia & Mágoa – Diário Íntimo de um Vagabundo Lírico (1987) que tiveram grande sucesso de crítica e de vendas. Trombonista e flautista, ele se autodenomina “amante da boemia e da noite” e desde os anos 1980 ele participa ativamente dos movimentos literários do Amapá e mantém intercâmbio com poetas e trovadores de outros estados.

Obdias Araújo também é membro das associações paraense e amapaense de escritores e da União Brasileira de Trovadores, De acordo com o autor, os outros dois livros da trilogia, “Alnazar Fi Alnujum” (Para ler olhando as estrelas), com prefácio do pastor da Assembleia de Deus e escritor Othon Miranda de Alencar, e “Amar se Escreve Amando” serão lançados no primeiro e no segundo semestre de 2018, respectivamente.

Serviço:

Lançamento do livro Versículos de Salomão, do escritor Obdias Araújo.
Local: Biblioteca Pública Elcy Lacerda.
Hora: 19h.
Data: 08/12/2017.
Contatos com Obdias Araújo podem ser feitos pelos telefone: (91) 98198-4242; (96) 981187444 e (96) 981187405 (todos whatsapp).

Clube de Cinema Especial: Mostra Ver-o-Filme apresenta seleção de produções paraenses

Antes de iniciar a maratona de exibições de filmes inscritos por realizadores de todo o país em sua 14ª edição, o Festival Imagem-Movimento promove, pelo quarto ano consecutivo, uma sessão especial do Clube de Cinema.

Este ano, na mostra de esquenta do Festival, o público amapaense poderá assistir a obras audiovisuais paraenses convidadas pela curadoria. Com sugestivo nome de Mostra Ver-o-Filme, uma referência direta ao Estado de origem das obras que serão exibidas, a mostra acontecerá no próximo dia 25/11, no Espaço Caos- Arte e Cultura, com entrada franca e será composta por 5 curtas-metragens da cena paraense de audiovisual dos últimos anos.

Além dos filmes, cuja ficha técnica pode ser consultada abaixo, o evento contará com o lançamento oficial da programação do Festival e com um pocket show da banda “Pinducos”, cujo repertório privilegia ritmos marcadamente paraenses como o carimbó.

Confira os filmes em exibição:

LADO B – O ROCK PARAENSE DOS ANOS 80
Direção: Janine Valente
Ano: 2015
Duração: 29’49”
Origem: Belém (PA)
Classificação: 12 anos
Sinopse: A cena musical vivida atualmente trás consigo a herança do primeiro “boom” do rock independente vivida na cidade de Belém do Pará entre as décadas de 80 e 90, sendo precursora de um grande movimento que continua a influenciar o rock produzido na cidade atualmente. Lado B – O Rock paraense dos anos 80 vem resgatar memórias e histórias de bandas e pessoas que vivenciaram essa época.

NO MOVIMENTO DA FÉ
Direção: Fernando Segtowick
Ano: 2013
Duração: 18’
Origem: Belém (PA)
Classificação: Livre
Sinopse: Segundo domingo de Outubro, a procissão em homenagem a Nossa Senhora de Nazaré reúne mais de dois milhões de pessoas nas ruas de Belém do Pará. Entre milhares de voluntários, estão três homens: um Guarda de Nazaré, um Soldado do exército e um integrante da Cruz Vermelha. Com muito sacrifício, fé e dedicação, eles se preparam para realizar a maior festa religiosa do mundo.

NOITE SUJA
Direção: Allyster Fagundes
Ano: 2017
Duração: 37’
Origem: Belém (PA)
Classificação: 16 anos
Sinopse: Com olhar sobre o movimento drag queen paraense “Noite Suja”, o documentário conta como nasceu o projeto homônimo, quem são seus idealizadores e como esse tornou-se o cenário para o surgimento de uma nova geração de drag queens em Belém. Ao mesmo tempo, o trabalho busca retratar o discurso político dos personagens, sua relação com a sexualidade, questões de gênero e a forma como transitam entre o feminino e o masculino.

HACKER
Direção: Rafael B. Silva
Ano: 2017
Duração: 13’02”
Origem: Belém (PA)
Classificação: 16 anos
Sinopse: Bruno é um vlogger polêmico que se envolve em um perigoso escândalo político ao revelar na internet provas recebidas através de uma pessoa desconhecida. Sem saber quem enviou as provas e no tamanho do perigo que corre, Bruno terá que descobrir uma forma de se salvar antes que o encontrem. Em pleno dia de jogo de Copa do Mundo, ele terá que jogar pela própria vida.

A BATALHA DE SÃO BRÁZ
Direção: Adrianna Oliveira
Ano: 2015
Duração: 26’
Origem: Belém (PA)
Classificação: 14 anos
Sinopse: Durante o dia, o mercado de São Brás, no bairro do mesmo nome, em Belém do Pará, é uma feira de gêneros alimentícios, artesanato e diferentes produtos no entorno de um prédio histórico que data do início do século XX. Mas, durante os sábados à noite, o lugar se transforma ao reunir jovens de diferentes bairros da cidade em torno de um único objetivo: saber quem é o melhor MC da noite. Sob o grito de “tem que ser sagaz, tem que ser sagaz, pra rimar na batalha de São Bráz”, esses jovens se reúnem em uma das manifestações mais fortes da cultura hip hop: a batalha de rap.

SERVIÇO:
Mostra Ver-o-Filme
Dia: 25/11
Hora: 19h
Local: Espaço Caos – Arte e Cultura (Rua Leopoldo Machado, nº 4004, esquina com Av. Goitacazes. Bairro Beirol)
Atrações: curtas paraenses, lançamento da programação oficial do 14º FIM, apresentação musical com a banda Pinducos.
Classificação: 16 anos
Entrada Franca

Fonte: FIM

Confira as vagas de emprego do Sine Macapá para 23 de novembro

O Sistema Nacional de Empregos no Amapá (Sine/AP) oferece vagas de empregos para Macapá. O número de vagas está disponível de acordo com as empresas cadastradas no Sine e são para todos os níveis de escolaridade e experiência.

Os interessados podem procurar o Sine/AP, localizado n Rua General Rondon, nº 2350, na praça Floriano Peixoto. Em toda a rede Super Fácil tem guichês do Sine e neles é possível obter informações sobre vagas em Macapá e Santana. Outras informações e oferta de vagas são pelo número (96) 4009-9702.

Para se cadastrar e atualizar os dados, o trabalhador deverá apresentar Carteira de Trabalho, RG, CPF e comprovante de residência (atualizado).

Veja as vagas disponíveis de acordo com as solicitações das empresas:

Analista de PCP (planejamento e controle de produção) – 1 vaga
Coordenador de operação – 1 vaga
Gerente de relações de contas (gerente de contas corporativas) – 2 vagas
Técnico multifuncional – 5 vagas
Supervisor de vendas – 3 vagas
Tatuador – 1 vaga

Fonte: G1 Amapá

Mosaico da Amazônia Oriental promove encontro com comunicadores do Amapá – Por @Ale_Lameira

O Projeto de Educomunicação do Mosaico de Áreas Protegidas da Amazônia Oriental realizará no dia 24 de novembro, às 14h, no auditório da Federação do Comércio do Amapá (Fecomércio), o Encontro com Comunicadores do Amapá: Conhecendo as Áreas Protegidas. O objetivo é debater sobre a importância das áreas protegidas como indutoras do desenvolvimento regional. O evento é gratuito e voltado para profissionais de redação e assessoria, professores e estudantes de Jornalismo, trabalhadores da comunicação, e demais interessados na temática.

No primeiro painel será abordado o tema “Conhecendo as áreas protegidas e o Mosaico”. O assunto será tratado pela Gestora Ambiental do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, Cassandra Oliveira, que fará uma breve explicação sobre o Projeto de Educomunicação do Mosaico. Em seguida o cientista ambiental Marcos Roberto Pinheiro apresentará o estudo sobre a importância do Mosaico da Amazônia Oriental.

Dando continuidade, no segundo painel, intitulado “Os Desafios da Comunicação sobre o Meio Ambiente”, a jornalista e radialista da Empresa Brasil de Comunicação – EBC, Mara Régia Di Perna, falará sobre “A rádio e o jornalismo ambiental na Amazônia.” Em seguida, a diretora da Agência de Notícias do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade-AGBio, Márcia Muchagata, abordará “As unidades de conservação da natureza federais na mídia”. E finalizando, o editor de fotografia da Amazônia Real explanará o tema “Fotografia documental de impactos ao meio ambiente”.

O Mosaico da Amazônia Oriental foi reconhecido pelo Ministério do Meio Ambiente no dia 3 de janeiro de 2013, por meio da Portaria de n° 4. Sua área abrange seis unidades de conservação e três Terras Indígenas, que somam cerca de 12.397.347 ha. Para o cenário nacional, este reconhecimento representou um avanço no conceito de mosaicos, pois depois de 16 portarias de reconhecimentos emitidas pelo MMA, o Mosaico da Amazônia Oriental foi o primeiro que incluiu de forma explícita a gestão integrada entre unidades de conservação e terras indígenas, oferecendo vagas para representantes dessas áreas protegidas.

O Projeto de Educomunicação conta com o apoio Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA), o qual se propõe a desenvolver programas de educomunicação que possuem em comum a promoção ao protagonismo juvenil e a horizontalidade da comunicação, buscando transmitir os objetivos das áreas protegidas como indutoras do desenvolvimento regional e difundir os conceitos de gestão integrada e dos mosaicos de áreas protegidas junto ao público alvo. Educomunicação é um termo que aparece na Estratégia de Comunicação em Unidades de Conservação (ENCEA) que nomeia um conjunto de práticas aplicadas à gestão ambiental que considera a importância da comunicação na leitura e representação da realidade, estimula a participação e auxilia nos processos de gestão e mobilização social.

PROGRAMAÇÃO:

14h00 – Credenciamento
14h30 – Abertura do encontro:
Cassandra Oliveira / ICMBio PARNA Montanhas do Tumucumaque
Marcos Pinheiro / Cientista Ambiental
14h45 – PAINEL “CONHECENDO AS ÁREAS PROTEGIDAS E O MOSAICO”
– Cassandra Oliveira (ICMBio): Apresentação do Projeto de Educomunicação do Mosaico.
– Marcos Roberto Pinheiro (Cientista Ambiental): Apresentação do estudo sobre a importância do Mosaico da Amazônia Oriental.
– Debates por meio de inscrições (20’).
15h45 – PAINEL “OS DESAFIOS DA COMUNICAÇÃO SOBRE O MEIO AMBIENTE”
– Mara Régia Di Perna (Empresa Brasil de Comunicação – EBC): A rádio e o jornalismo ambiental na Amazônia.
– Márcia Muchagata (ASCOM/ICMBio): As unidades de conservação da natureza federais na mídia.
– Alberto Cesar Araújo (Agência Amazônia Real): Fotografia documental de impactos ao meio ambiente.
– Debates por meio de inscrições (20’).

Alessandra Lameira
Assessoria de Comunicação do Mosaico da Amazônia Oriental

Poetas Azuis leva poesia musical para Festa Literária de Marechal Deodoro

Conhecidos pelo trabalho que une música e poesia, o grupo amapaense Poetas Azuis, apresenta nesta quinta-feira, 23, o Recital dos Abraços, na 8ª edição da Festa Literária de Marechal Deodoro – FLIMAR, que acontece no período de 22 a 25 de novembro, na cidade de Marechal Deodoro, em Alagoas.

A apresentação será destaque da noite de sarau da Festa Literária. Dentre o repertório o grupo leva seus sucessos e também poemas inéditos para a interação com público. Prometendo um show animado e cheio de humor, como já é marca registrada do grupo.

Para o poeta Pedro Stkls, o convite para levar o Recital dos Abraços, a uma Festa Literária como a FLIMAR, é um reconhecimento ao trabalho dos azuis. “Levar a poesia falada as pessoas e popularizar o nosso trabalho musical feito no Amapá, sempre foram nossos objetivos, por isso este convite é uma grande alegria para o grupo”, destaca Pedro

Flimar já tem tradição no estado de Alagoas, uma Festa com oito anos e que já teve em seus palcos grandes nomes da literatura nacional. Este ano ganhou novas dimensões e nova curadoria, mas sempre buscando valorizar e incentivar a leitura e os debates.

Assessoria de comunicação dos Poetas Azuis

Madeireiros pedem intervenção do MP-AP para que Estado cumpra TAC da Flota

A ocupação irregular da Floresta Estadual do Amapá (Flota) e a letargia no cumprimento do Termo de Compromisso de Ajuste e Conduta Ambiental (TAC) preocupa madeireiros, que procuraram o Ministério Público do Amapá (MP-AP) para informar a situação e pedir interferência na questão. A reunião foi provocada pela Cooperativa dos Madeireiros que pedem uma intervenção urgente para que centenas de trabalhadores não fiquem desempregados até o final de dezembro. A promotora de Justiça de Meio Ambiente, Ivana Cei, chamou os representantes dos órgãos envolvidos para que assumissem compromissos.

A reunião ocorreu na última semana com a presença do secretário de Meio Ambiente (Sema), Marcelo Creão, representantes do Instituto de Meio Ambiente e Ordenamento Territorial do Amapá (IMAP), Berttholdo Dewes, Pablo de Castro e Jurandir Dias; do Instituto de Florestas do Amapá (IEF), Marcos Tenório; promotores de Justiça Ivana Cei e da Promotoria de Porto Grande, Wueber Penafort, e da Cooperativa, José Ribamar, Akio Abreu e Jean Rafael. A reunião foi decisiva para que os trabalhos de levantamento dos imóveis da Flota iniciem e para que o setor econômico não seja afetado.

TAC da Flota

O TAC da Flota foi assinado em outubro deste ano, após denúncias de ocupação irregular que foram comprovadas pelo MP-AP, para conter as ocupações ilegais e grilagem e reduzir conflitos agrários. As apurações confirmaram o registro como áreas particulares de 1.124 parcelas no interior da Flota, um aumento de 496% de cadastros em 2015 e de 182% em 2016, comparados com anos anteriores. De acordo com o TAC, 36% da Flota encontra-se cadastrada como propriedade particular, o que corresponde a um total de mais de 800 mil hectares.

Flota e as responsabilidades

A Flota foi criada através de Lei estadual em 2006, para uso sustentável de recursos naturais, e abrange os municípios de Oiapoque, Amapá, Calçoene, Pracuuba, Tartarugalzinho, Porto Grande, Ferreira Gomes, Mazagão, Pedra Branca e Serra do Navio. O TAC determina que o Estado apresente relatório que identifique as ocupações legítimas e ilegítimas na Flota e sua adequação ao Plano de Manejo; que suspenda ou cancele as anuências, licenças, autorizações e concessões aprovadas de forma irregular; e façam o levantamento e cadastro acompanhados do MP-AP, entre outras determinações e recomendações.

Os madeireiros pedem que os técnicos do Estado iniciem o levantamento com urgência, para que os que trabalham legalmente possam continuar as atividades, evitando que cerca de 600 trabalhadores sejam demitidos. “As atividades estão paralisadas, e os técnicos não iniciam os trabalhos por questões burocráticas e financeiras do Estado, que não tem como pagar diárias e viabilizar as diligências. Nós queremos que eles comecem, estamos legalizados, ou serão muitas perdas até dezembro, e temos que trabalhar até janeiro, porque a próxima safra é só em agosto. Estamos nos dispondo a ajudar”, disse o madeireiro José Ribamar.

A promotora Ivana Cei recebeu oito projetos dos madeireiros que são estratégicos e estão em fase adiantada de análise, e demandou que seja feita uma ação conjunta de imediato para resolver a situação. Em comum acordo ficou definido que o IEF, IMAP e Sema façam o plano de trabalho para que sejam providenciados o pagamento de diárias para início das atividades de campo, que iniciará por Porto Grande, Ferreira Gomes e Tartarugalzinho. À cooperativa cabe entregar na Promotoria de Porto Grande a relação de cooperados e caminhões e ceder o combustível para a diligência.

“Fomos provocados e estamos fazendo a nossa parte, para que o TAC seja cumprido integralmente e o efeito econômico das demissões em massa sejam minimizados. São muitos pais de famílias que podem ficar meses desempregados e empresas falidas por causa da falta de estrutura do estado para viabilizar o levantamento acordado. Nossa intenção é proteger a Flota, impedir ocupações ilegais e garantir o trabalho para os que estão regularizados”, disse a promotora Ivana Cei.

Serviço:

Marileia Maciel
Assessoria de Comunicação do MP-AP
Contato: (96) 3198-1616
Email: asscom@mpap.mp.br

Após ação do MP-AP, Banco do Brasil deve voltar a oferecer serviços em Calçoene

Após Ação Civil Pública ajuizada pelo Ministério Público do Amapá (MP-AP), por meio da Promotoria de Justiça da Comarca de Calçoene, em desfavor do Banco do Brasil S/A, a Justiça determinou antecipação de tutela para que, no prazo de seis meses o referido banco providencie a prestação de serviço de depósito, pagamento e saque de dinheiro dentro do município. A decisão foi proferida pela juíza Délia Silva Ramos, através do Processo Nº 0000582-28.2017.8.03.0007.

O MP/AP ingressou com a ação em agosto deste ano em defesa dos direitos dos consumidores, uma vez que a instituição financeira está sem oferecer serviços básicos desde dezembro de 2016.

Pelo fato de o Banco do Brasil não contar com um posto de atendimento na cidade e ter encerrado a parceria com seus correspondentes autorizados, os servidores públicos, que necessitam dos serviços financeiros, são obrigados a se deslocar até o município de Amapá, a 70 quilômetros de Calçoene, ocasionando custos de viagens que são prejudiciais aos clientes da instituição.

“A doutrina considera o serviço bancário como essencial, de interesse coletivo, que aproxima a sua responsabilização à do Estado, em especial o atendimento ao público, por atender as necessidades prementes da sociedade. No caso, relata-se o abuso do poder econômico pela falta de prestação de serviço essencial consistente de atendimento presencial da população. A falta desses serviços bancários regulares onera demasiadamente tanto o cliente como os tomadores de serviço esporádicos”, destacou a juíza Délia Silva Ramos.

Em meio às evidências de não cumprimento de serviços de direito da população à prestação de serviço bancário de atendimento ao público, e também no perigo de dano coletivo, através do desequilíbrio da ordem econômica e financeira, foi deferido o pedido de tutela antecipada, sob possibilidade de aplicação de multa diária no valor de R$ 10.000,00 no caso de não regulamentação dos serviços dentro do município de Calçoene.

A promotora de Justiça Christie Damasceno Girão, à frente da Promotoria de Justiça de Calçoene, destaca a importância da decisão: “a decisão judicial é favorável à população lesada pela interrupção dos serviços oferecidos pelo Banco do Brasil, aguardamos uma resposta positiva por parte do Banco, uma vez que sua atividade comercial visa essencialmente a obtenção de lucro e não pode transferir aos consumidores os custos com deslocamento a outro município. Não há excessos em se buscar que a entidade financeira cumpra a sua função”.

SERVIÇO:

Rafaela Bittencourt
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá
Contato: (96) 3198-1616/(96) Email: asscom@mpap.mp.br

Sesc Partituras apresenta em Macapá a primeira Mostra Sesc de Música Erudita

O Sistema Fecomércio, por meio do Sesc Amapá, promove em Macapá a I Mostra Sesc de Música Erudita. O evento faz parte do projeto Concertos Sesc Partituras e acontecerá nesta quarta (22) no auditório da Escola Sesc, às 19h, com músicas de importantes compositores brasileiros e entrada gratuita.

A mostra acontecerá em comemoração ao dia do Músico, dia 22 de novembro, e em Macapá contará com as participações de Bruno George, Nonato Leal, Vera Vigário, William Cardoso e Orquestra de Violões Nonato Leal.

Sobre o Sesc Partituras:

O Sesc Partituras é uma biblioteca digital sem fins lucrativos, que visa preservar e difundir músicas brasileiras. A série de concertos é gratuita e acontece em Macapá, além de mais de 26 capitais brasileiras, proporcionando o contato com dezenas de compositores presentes no acervo do site Sesc Partituras (www.sesc.com.br/SescPartituras).

Serviço:

Coordenadoria de Cultura
Fone: (96) 3241-4440 (Ramal – 239)
Coordenadoria de Comunicação e Marketing
Email: ascom@sescamapa.com.br
Fone: (96) 3241-4440 (Ramal – 235)

Presidente do BNDES chega ao Amapá para apresentar linhas de crédito e apoio do Banco


Acontecerá na próxima sexta-feira, 24, a abertura do evento “Vamos Desenvolver o Amapá?, uma articulação do senador Davi Alcolumbre (Democratas-AP) em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) com o objetivo de reunir toda a sociedade produtora, comerciante e industrial do Estado.

Todos os setores da economia estarão presentes para ouvir e interagir com o presidente do BNDES, Paulo Rabello Castro, diretores e seus técnicos, que disponibilizarão a todo empresariado e gestores municipais os instrumentos de fomento nacional e apoio do banco.

A segunda parte do encontro será dedicada aos gestores dos executivos municipais e seus respectivos secretários da Fazenda/Planejamento para conhecimento das formas de atuação do banco, assim como fornecer todas as informações necessárias para o atendimento pleno dos pré-requisitos necessários ao acesso dos recursos e instrumentos de apoio do BNDES; mais particularmente, em primeira mão, ao Programa de Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos (PMAT), destinado a apoiar projetos de investimentos de até 20 milhões de reais voltados à melhoria da eficiência, qualidade e transparência da gestão pública, visando a modernização das administrações tributária, financeira, gerencial e patrimonial dos municípios.

Serviço:

Data:24/11 (Sexta-feira)
Hora: 09h00
Local: Auditório do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial -Senac/Ap
Endereço: Av. Henrique Galucio, n 1999
Contato: Raphaela Carrera (96) 99117-9242

Raphaela Carrera
Assessora Parlamentar
Senador Davi Alcolumbre (Democratas-AP)
96-99117-9242

Cantora amapaense homenageia sambista Cartola com show ‘O mundo é um moinho’

Por Rita Torrinha

A cantora amapaense Carol Carvalho prepara para o dia 9 de dezembro uma homenagem a um dos grandes nomes do samba brasileiro, o mestre Cartola. “O Mundo é Um Moinho”, uma das composições mais famosas do cantor, dá nome ao show, que será realizado num bar no Centro de Macapá.

O repertório musical contará com sucessos como “O sol nascerá”, “As rosas não falam”; “Preciso me encontrar” e “Cordas de aço”, dentre outras. Carol se define como essencialmente sambista.

“É o ritmo que está no meu DNA. É impossível pensar em samba sem Cartola. Suas músicas embalaram todos os momentos da minha vida. Para mim, pensar em samba é pensar nele”, comenta a cantora.

Para o show, Carol convidou duas vozes para dividirem o palco com ela, Jussara Lima e Kiara Rosa, de 8 e 7 anos respectivamente. As duas crianças são filhas de sambistas da escola Piratas Estilizados, da qual Carol já foi intérprete.

“Quis dar à coletânea do Cartola voz da nossa nova geração, que mesmo não sendo da época delas, conhecem, mesmo nos dias de hoje, a obra deixada por seu legado. Jussara e Kiara nasceram em casa de sambistas, por isso as convidei. A participação delas será linda”, conta.

Carol Carvalho

Tem por formação acadêmica em fonoaudiologia, mas a música é outra grande paixão, alimentada dentro de casa através do incentivo do pai, o também cantor Dom Eladio. Iniciou cantando em igrejas em Belém e tem quatro CDs católicos gravados. Em Macapá, atuou como intérprete das escolas de samba Piratas Estilizados, Piratas da Batucada e Maracatu da Favela. Sua última apresentação foi o especial “Buarque-se, Gilberte-se e Caetane-se”, em 2015.

Cartola

Batizado Angenor de Oliveira, Cartola nasceu em 1908. Foi para a escola de samba Mangueira aos 11 anos, desde então passou a participar das festas de rua tocando cavaquinho. Ao longo da vida, além de músico, trabalhou em tipografias, foi pedreiro, vigias e lavador de carros. Já consagrado, abriu com a mulher, Dona Zica, o restaurante Zicartola, que se tornou uma referência na história do samba.

O apelido Cartola veio do chapéu de coco que ele usava na época em que era pedreiro, para evitar que o cimento caísse sobre sua cabeça. Cartola morreu de câncer, em 1980. Um dos fundadores da Verde e Rosa, é considerado por diversos críticos como o maior sambista da história brasileira.

Serviço:

Show ‘O Mundo é Um Moinho – Especial Carvalho canta Cartola
Data: 9 de dezembro
Hora: 22h
Local: Vitruviano Gastrobar (Avenida Machado de Assis, nº 333, bairro Central)
Ingressos individuais: R$ 30
Informações: (96) 99144-0192 e 98140-4980

Fonte: G1 Amapá

CAOP-IJE faz balanço do projeto Paz na Escola aos parceiros

A coordenadora-geral do Centro de Apoio Operacional da Infância, Juventude e Educação (CAOP-IJE), procuradora de Justiça Judith Teles, apresentou um balanço das ações desenvolvidas pelo projeto “Paz na Escola” ao procurador-geral de Justiça do Ministério Público do Amapá, Márcio Augusto Alves, e aos parceiros. A avaliação apresentada na manhã desta terça-feira (21), na Procuradoria-Geral de Justiça, para os representantes da Secretaria de Estado da Educação (SEED), Polícia Militar, Defensoria Pública do Estado (Defenap) e Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) demonstrou bons resultados das atividades realizadas na rede pública de ensino de Macapá, desde 2012.

Judith Teles falou que o projeto surgiu a partir de discussões do Ministério Público brasileiro, em 2012, através da Comissão Permanente de Educação (COPEDUC), integrante do Grupo Nacional de Direitos Humanos do Conselho Nacional de Procuradores-Gerais (GNDH/CNPG), onde se levantou a necessidade de formulação de uma estratégia para contribuir com a prevenção da violência nas escolas. Ao retornar, a representante do MP-AP convidou potenciais parceiros para elaboração e execução do projeto “Paz na Escola”.

Uma apresentação das ações, resultados com dados estatísticos, sugestões e desafios para 2018 foi feita pelo pedagogo Fábio Dias, do CAOP-IJE, com participação das servidoras Cláudia Tito e Alzira Nogueira. Houve a contextualização das ações articuladas do “Paz na Escola” com a Campanha “Conte até 10”, desenvolvida pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), em 2013, e da ação “MP mais Perto”, em 2014, que envolveram 524 estudantes, 67 professores e 40 integrantes da comunidade, membros e servidores do MP-AP. Em 2015, foi adotada a metodologia de Justiça Restaurativa, formalizada pelo Termo de Cooperação Técnica nº 013/2015-MP/AP, com o Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP), Governo do Estado (GEA), Secretaria de Estado da Educação (SEED), Prefeitura de Macapá (PMM), dentre outros, para implantação de Núcleos de Práticas Restaurativas nas escolas da rede pública estadual e municipal de ensino. Ao todo, 13 parceiros assinaram o documento para desenvolvimento de atividades em 48 escolas cadastradas.

Como resultados do “Paz na Escola” foram realizadas, inicialmente, inúmeras reuniões de sensibilização e, nos anos de 2016 e 2017, ocorreram os cursos de formação de facilitadores, atingindo 2.273 profissionais da educação, bem como foram implantados 16 Núcleos de Práticas Restaurativas nos estabelecimentos de ensino público.

As instituições representadas manifestaram pela continuidade da parceria e informaram que todas as ações do executivo que apresentam esse objetivo comum deverão convergir para o programa “Educação para a Paz”. “Queremos muito o Ministério Público junto conosco nessas ações”, ressaltou a representante da SEED, Dina Melo Guedes.

“O nosso sentimento é de dever cumprido fazendo a entrega desse trabalho para que, a partir de agora, sejam adotadas novas estratégias pelos nossos parceiros. Não podemos interferir na gestão da Educação e esta deverá adotar suas próprias medidas, sempre com o apoio técnico da nossa equipe do CAOP-IJE do Ministério Público”, manifestou Judith Teles.

SERVIÇO:

Gilvana Santos
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá
Contato: (96) 3198-1616/(96) Email: asscom@mpap.mp.br

Público prestigia exposição de telas na abertura do Encontro dos Tambores


Na primeira noite de programação do Encontro dos Tambores, ocorrida na segunda-feira, 20, o público prestigiou a exposição de telas de arte de negros e negras da cultura do município de Macapá. A exposição estará disponível no Centro de Cultura Negra do Amapá até 29 deste mês, das 18h à 1h.

De acordo com o diretor-presidente do Instituto Municipal de Promoção da Igualdade Racial, Maykom Magalhães, o objetivo da atividade é resgatar e valorizar a cultura negra do estado. “A exposição não é destinada somente para os negros, e sim para todas as pessoas de todas as cores e raças, estudantes, acadêmicos e toda a população macapaense, com o intuito de conhecer e repassar essa cultura, pois só assim combateremos o alto índice de pessoas racistas que não conhecem o poder, a rica cultura que o nosso povo amapaense tem e que é a maioria e que precisa ser mais valorizada”.

O servidor público Samuel Silva, que mora apenas há um ano em Macapá, aproveitou o feriado para prestigiar o evento. “Morava no interior de Goiás e há um ano estou morando aqui. Hoje vim conhecer a programação e estou gostando muito das pinturas das telas e das demais atividades. O Amapá tem uma cultura muito rica, vocês estão de parabéns”.

Cliver Campos
Assessor de comunicação/Improir
Contato: 98126-0880

MP-AP recebe capacitação do Corpo de Bombeiros para evitar princípios de incêndio

Em capacitação organizada pelo Gabinete Militar do Ministério Público do Amapá (MP-AP), realizada nesta terça-feira (21), na sede da Procuradoria-Geral de Justiça, o Corpo de Bombeiros Militar do Estado (CBM/AP) promoveu o treinamento de agentes de portaria e profissionais de segurança da instituição com foco na prevenção de princípios de incêndio.

Segundo o Aspirante Dias, que ministrou o curso, essa foi a primeira instrução realizada pelo CBM/AP no órgão ministerial. “Essa capacitação para os funcionários é de fundamental importância para debelar o princípio do incêndio, evitando, dessa forma, que possa se alastrar por toda a edificação. Quando se trata de vidas, nós temos que trabalhar com a máxima segurança possível”, reforçou.

O Capitão Elleres, chefe da Divisão de Segurança do MP, acrescentou que “mesmo não sendo a área de atuação do servidor, é necessário que todos sejam capazes de compreender a real atuação do órgão e que estejam aptos a atuar em situações de emergência”.

Nesse primeiro momento, os agentes de portaria receberam aulas teóricas e práticas de como manusear equipamentos de combate a incêndio como mangueiro e extintores. Em outra etapa, o curso será extensivo aos servidores e membros do MP, que passarão por treinamento, inclusive, com simulação de evacuação predial em caso de sinistro.

Bruno Pereira, um dos agentes de portaria em capacitação, avaliou que o treinamento ministrado pelo Corpo de Bombeiros é de suma importância para os funcionários absorverem instruções práticas e teóricas para agir corretamente em caso de incêndio. “Espero sair dessa palestra preparado para evitar esse momento de pânico e acidente que pode vir a ocorrer”.

É importante salientar que temos quatro registros esse ano de princípios de incêndio em prédios do Ministério Público, e, por isso, é muito importante essa capacitação dos funcionários, para que o servidor atue com mais eficácia”, finalizou o comandante do Gabinete Militar do MP-AP, Coronel Jackson.

Serviço:

Anita Flexa
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: asscom@mpap.mp.br

MPF processa mineradora responsável pelo desmoronamento de porto em Santana (AP)

O Ministério Público Federal no Amapá (MPF/AP) quer a condenação da empresa Zamin Amapá Mineração S/A por danos patrimoniais e morais resultantes do desmoronamento do porto de embarque e desembarque de minério, em Santana, a 17km da capital Macapá. A empresa, à época denominada Anglo Ferrous Amapá Mineração Ltda, é acusada pelo MPF/AP de ignorar normas de segurança e engenharia, o que resultou no acidente que comprometeu a qualidade do meio ambiente, vidas humanas e a socioeconomia do Estado.

Na ação, o órgão pede, de imediato, o bloqueio judicial de até R$ 100 milhões a fim de garantir a recuperação do meio ambiente degradado. Outro pedido refere-se ao pagamento de indenização vitalícia, em valor não inferior a um salário mínimo mensal, aos dependentes dos seis funcionários que morreram no acidente. O órgão também quer que a Justiça obrigue a Zamin Amapá Mineração S/A a fornecer tratamento psicológico e psiquiátrico, de forma imediata, adequada e efetiva aos familiares das vítimas.

O MPF também quer que a empresa realize ato público de reconhecimento de responsabilidade. Na oportunidade, deve ser inaugurado memorial das vítimas em ato cívico com a presença de familiares e autoridades. A intenção é reverenciar publicamente os falecidos e registrar a necessidade de adotar normas técnicas de segurança ambiental e do trabalho por ocasião de atividades econômicas.

Para o MPF, a Zamin assumiu o risco do acidente quando não realizou estudos sobre a capacidade de suporte do solo do terminal portuário construído na década de 50. Na madrugada de 28 de março de 2013, quando ocorreu o desmoronamento, havia, aproximadamente, 20 mil toneladas de minério de ferro estocadas na área próxima ao leito do rio Amazonas. Além dos seis funcionários, a estrutura do porto, equipamentos, veículos e minério de ferro submergiram nas águas.

O terminal portuário arrastado pela força da maré provocou grande maresia por toda a margem do Rio Amazonas, no perímetro urbano de Santana. Embarcações e as estruturas do Porto do Açaí e do Porto do Grego foram afetadas com gravidade. Pequenas embarcações atracadas nos trapiches vizinhos, inclusive na Ilha de Santana, sofreram danos materiais.

Laudo do Instituto de Meio Ambiente e Ordenamento Territorial (Imap) apontou que as causas do desmoronamento estão relacionadas diretamente às atividades da mineradora. No documento, o Imap relata que, além da fadiga estrutura, houve uso intensivo do porto. Em cinco anos, a empresa exportou mais da metade de tudo o que a Icomi exportou em quase meio século.

Perícia requisitada pela Justiça do Rio de Janeiro concluiu que a carga de minério estava estocada fora dos pátios licenciados para estocagem. O embarque era feito por caminhões basculantes, sem o auxílio do maquinário adequado, que estava em manutenção.

Impacto na economia – O desastre impactou extremamente na economia de todo o Estado, em especial dos municípios de Santana e Pedra Branca do Amapari. As atividades minerárias foram paralisadas e mais de três mil funcionários, demitidos. Com isso, a arrecadação de tributos despencou. Por ano, o Estado recebia R$ 16 milhões de impostos arrecadados pela atividade de exploração de minério pela empresa Anglo.

Pequenas e médias empresas foram atingidas de imediato. “A economia local foi duramente penalizada, tanto pela perda de sua mais expressiva atividade econômica – mineração, quanto pela retração tributária e das atividades econômicas periféricas atreladas à mineração”, frisa o MPF/AP.

Por esses motivos, o MPF pede no processo a responsabilização da Zamin Amapá Mineração S/A por dano moral coletivo. A título de indenização, o órgão quer que a empresa seja condenada ao recolhimento de, no mínimo, R$ 80 milhões ao Fundo Nacional do Meio Ambiente. O valor pode vir a ser utilizado para reparar a área onde houve o impacto.

Número da ação para consulta processual: 10008915520174013100

Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal no Amapá
(96) 3213 7895
prap-ascom@mpf.mp.br