Com o apoio da Secult/AP, por meio da Lei Aldir Blanc: hoje é dia de Bar, dia sextar em grande estilo e o artista Dinho Araujo traz O BAR até você.

Ator e poeta, Dinho Araújo traz, dentro do Ocupação Centreventos sua obra intitulada O Bar, este que outrora embalava os palcos e bares da cidade com sua narrativa poética e envolvente, enquadra-se, hoje, ao formato virtual, afim de manter o espetáculo vivo e próximo do seu público.

O Projeto “Ocupação Centreventos”, contemplado pela LEI ALDIR BLANC, através do edital 003/2020 – SECULT AMAPÁ – Carlos Lima “Seu Portuga”, traz em formato online apresentações e atividades formativas, desta destaca-se um grupo de estudos com a temática voltada a direção teatral, proposta em parceria com a Cia de Artes Tucuju, que planeou a remontagem e apresentação dos monólogos do artista que há décadas vem marcando presença na cena Cultural Amapaense. Esta semana, o projeto reestreou “O Ralho”, outro espetáculo do ator cuja produção fora remontada. E, para findarmos com chave de ouro as apresentações de Dinho, hoje tem “O Bar”.

Sinopse

O Bar é um monólogo que faz uma visita poética a este ambiente e suas mais triviais e variadas histórias, sua narrativa nos convida a um passeio por nossas próprias lembranças dos bons momentos que compartilhamos em uma mesa de bar. O personagem indaga a razão de não haver um dia específico para celebrar esse, que é o último reduto da vida boêmia – e ora, porque não tê-lo?

Tem lugar mais poético que o bar?

Ao poeta, e suas questões existenciais é quase certo que não. Ao bar, ele brinda com gratidão pelas amizades e pelos contratos inválidos e inglórios que se assinam em um guardanapo rasgado e assim declama todo seu amor a boemia.

Link da página: https://www.facebook.com/EspacoCentreventos

Ficha Técnica:

Concepção Artística, Dramaturgia e Atuação: Dinho Araújo
Direção: Jéssica Ataíde e Juliana Monteiro
Direção de Produção: Jhou Santos
Assistentes de produção: Ingrid Ranieri e Kassia Modesto
Gravação: Edgar Tiassu – Tetf lives
Fotografia: Josimar Nascimento
Parceria: Cia de Artes Tucuju
Apoio: Teatro Caixote Cultural
Produção: Oca Produções
Produção Executiva: Cortejo Produções Artísticas
Realização: Dinho Araújo/Espaço Centreventos

Ouça “Dentro D’água a Gente Não Chora”, primeiro álbum de Jhimmy Feiches – @jhimmyfeiches

A Amazônia pop revelada em uma paisagem sonora e o universo fantástico de Jhimmy Feiches chegam às plataformas digitais fazendo da música um instrumento de resistência

Na linha de frente das revelações que a Pororoca Sound traz do extremo norte do país com patrocínio da Natura Musical, o artista Jhimmy Feiches apresenta o álbum “Dentro D’água a Gente Não Chora”, que será lançado nesta sexta-feira, 30 de julho, em plataformas digitais e no site pororocasound.com.br.

Natural de Macapá, Jhimmy Feiches, além de cantor e compositor, é professor de língua inglesa. Por trás do nome artístico, revela a necessidade de criar uma personalidade extra na tentativa de separar a vida artística da rotina do jovem professor, José, numa dualidade pacífica e simultânea.

“Com o lançamento do primeiro álbum do artista, potencializamos as experiências coletivas, ao mesmo tempo em que celebramos a diversidade e a pluralidade cultural que move a cena cultural na atualidade. “Dentro D’água a Gente Não Chora”, reúne influências mundiais sem deixar de ser regional”, comemora Adriana Rodrigues, presidente da Ói Nóiz Akí e gestora administrativa da Pororoca Sound.

O cantor que também é compositor e arranjador recebe influências de muitos artistas nacionais, internacionais e referências da música produzida no Amapá, dentre elas, Patrícia Bastos que participa do álbum no feat “Pra mim”.

Na música “Dentro D’água a Gente Não Chora” que também intitula o álbum, a produção foi reforçada. Todas as faixas foram cuidadosamente projetadas, mas nesta, o trabalho ganhou maior atenção aos mínimos detalhes por ser o carro-chefe na divulgação para o mercado fonográfico, (spoiler alert!) também será a primeira desta leva a ter videoclipe pela Pororoca Sound e Natura Musical, previsto para o mês de agosto.

Este single metafórico tem função múltipla, apresenta a narrativa de origem e o imaginário Jhimmy Feiches, por outro lado, trata das ideologias de gênero, identidade e da autoafirmação, somando voz na exploração da singularidade do ser humano. Assim as músicas do álbum se tornam instrumento de resistência que subverte a retórica preconceituosa socialmente construída e reforça a presença LGBTQIA+ neste segmento cultural através de composições com linguagem acessível e carregada de conteúdo simbólico e ideológico.

Inovar sem deixar de lado as referências tradicionais, o legado que temos dessa Amazônia ameríndia, negra e cabocla, não é empreita fácil. Feiches aposta na música experimental e aguça as sensações, com o sempre lança mão de uma pitada apimentada de percussão combinada às cordas caribenhas que influenciam a música nortista.

A incubadora musical Pororoca Sound foi selecionada pelo programa Natura Musical, através do Edital 2020, ao lado de nomes como Linn da Quebrada, Bia Ferreira, Juçara Marçal, Kunumi MC, Rico Dalasam. Ao longo de 16 anos, Natura Musical já ofereceu recursos para mais de 140 projetos no âmbito nacional, como Lia de Itamaracá, Mariana Aydar, Jards Macalé e Elza Soares.

“Natura Musical sempre acreditou na força da música para mobilizar as pessoas. Para refletir esse propósito e dar espaço as diferentes vozes, a plataforma apoia artistas, bandas e projetos de fomento à cena capazes de amplificar debates como a diversidade, a sustentabilidade e o impacto positivo na sociedade”, afirma Fernanda Paiva, Head of Global Cultural Branding.

Sobre Natura Musical

Natura Musical é a plataforma de cultura da marca Natura. Desde seu lançamento, em 2005, o programa investiu cerca de R$ 174,5 milhões no patrocínio de mais de 518 projetos – entre trabalhos de grandes nomes da música brasileira, lançamento e consolidação de novos artistas e projetos de fomento à cenas e impacto social positivo. Os trabalhos artísticos renovam o repertório musical do País e são reconhecidos em listas e premiações nacionais e internacionais. Em 2020, o edital do Natura Musical selecionou 43 projetos em todo o Brasil e promoveu mais de 300 produtos e experiências musicais, entre lançamentos de álbuns, clipes, festivais digitais, oficinas e conferências. Em São Paulo, a Casa Natura Musical se tornou uma vitrine permanente da música brasileira, com uma programação contínua de lives, performances, bate-papos e conteúdos exclusivos, agora digitalmente.

Assessoria de Imprensa | POROROCA SOUND
Contatos: Paulo Rocha: 96 98412-4600, Claudio Silva: 98114-9655
[email protected]
[email protected]
www.pororocasound.com.br

Com apoio da Secult/AP: Amicro realiza Feira de Artesanato neste sábado (31), em Macapá

Após três dias em frente à Casa do Artesão, em Macapá, a Feira de Artesanato da Associação dos Artesãos e Empreendedores da Beira Rio (Amicro Beira-Rio) volta a vender produtos na Praça Veiga Cabral, no Centro da cidade, no sábado (31), das 8h às 18h. O mesmo evento também acontece na praça do bairro Jardim Felicidade, na Zona Norte da cidade, ate o dia 1 de agosto.

A Amicro Beira-Rio conta com o apoio da Secretaria de Estado da Cultura do Amapá (Secult/AP) em ambos os eventos e até o momento deu o suporte de 15 tendas e, para a exposição da praça, disponibilizará mais cinco barracas.

Artesanato amapaense

O artesanato amapaense é uma cultura heterogênea que mistura diversas etnias e estilos de vida dos povos da Amazônia. Com a confecção de produtos como colares e obras de arte, construídos com matéria-prima natural da Amazônia. Desta forma, o segmento artístico resulta em renda para muitas famílias no estado e é um dos principais pólos da economia turística estadual.

“O artesanato é a prova substancial da força da nossa cultura. Com as vendas paradas, o suporte para a categoria dos artesãos é essencial. Com o apoio, eles e toda a cadeia produtiva do setor poderão gerar emprego e renda para essa comunidade. Desde o início de nossa gestão à frente da Secult, tivemos o compromisso de apoiar todos os segmentos artísticos e culturais. Continuamos firmes nesse processo de fortalecimento“, disse o secretário de Estado da Cultura, Evandro Milhomen.

Fumcult divulga resultado preliminar das canções selecionadas no 1° Festival da Canção Macapaense

A Fundação Municipal de Cultura (Fumcult) divulgou, na quinta-feira (29), o resultado preliminar das 20 canções selecionadas no 1° Festival da Canção Macapaense (Fescam). O processo irá premiar canções inéditas, em língua portuguesa, com duração máxima de quatro minutos. O objetivo é fomentar a produção musical na capital.

De acordo com o diretor-presidente da Fumcult, Alain Cristophe Medeiros, os candidatos que tiveram suas canções inabilitadas podem entrar com recurso nesta sexta-feira (30).

‘’Com o fim da curadoria realizada com integrantes do movimento artístico da música e da literatura, que avaliaram o conteúdo das letras das músicas, estamos divulgando o resultado das canções pré-selecionadas. Na sexta receberemos os recursos. A análise inicia no sábado, dia 31 de julho’’, explica.

O resultado final com as 20 canções selecionadas será divulgado no dia 3 de agosto, na plataforma virtual da Fumcult no endereço eletrônico http://fumcult.macapa.ap.gov.br. As músicas selecionadas concorrerão às premiações de primeiro, segundo e terceiro lugar, além de Melhor Arranjo, Intérprete e Música Popular.

Fescam

O 1° Festival da Canção Macapaense será executado em três dias, com apresentações virtuais, em decorrência da pandemia da Covid-19. A transmissão ocorrerá pelas redes sociais da Prefeitura de Macapá e parceiros do projeto. As canções selecionadas serão registradas em um álbum virtual de plataformas digitais.

Confira abaixo as canções pré-selecionadas:

· Pororoca – Sabrina Ferreira Polezze (Sabrina Zaraha)

· Nega Jolie – Amadeu Leopoldo de Sá Cavalcante Neto (Amadeu Cavalcante)

· Retrato de Abril – José Helder de Sousa Brandão / Zé Miguel (Helder Brandão)

· Macunaíma – Raimundo Nonato Nunes da Soledade / Wilson Cardoso / Marcelinho do Cavaco / Jefferson Mexicano (Nonato Soledade)

· Canícula – Ronilson Mendes de Sousa (Ronilson Mendes)

· No Pé do Tambor – Zaqueu de Oliveira Santos (Zaqueu Santos)

· Nega do Curiaú – Márcia Lucélia Silva Torres (Lucélia Torres)

· Jardineiro Cantor – Benedito Oscar Santos da Silva (Harinama Sukhi Das)

· Ave Poema – Aroldo Pedrosa Araújo (Aroldo Pedrosa)

· Sina (l) dos Tempos – Caroline Pereira Trindade (Carol)

· Uirapuru– Rafael Senra Coelho (Rafael Senra)

· Amazônia Meu País – Benedito Clei dos Santos Barbosa (Cley Lunna)

· Mobília – Ingrid Lara de Araújo Utzig / Marcelo Garbine (Banda Desiderare)

· Estradas Festivaleiras – Raimundo Nonato da MG Chermont Júnior (Chermont Jr.)

· Meu Raio de Sol – Ana Letícia Malema Sfair de Andrade (Letícia Sfair)

· Oração – João Carlos Silva Amorim (João Amorim)

· Um Açaí Para Arrematar – Aurilene Batista Balieiro (Lene Balieiro)

· Heranças – Jamersom Carneiro de Melo (Jota Mambembe)

· O Que Há Por Vir – João Guilherme Sousa Guedes (Guilherme Guedes)

· Tambor Que Contagia – Delson dos Anjos Moreira (Delson Moreira)

Aline Paiva
Fundação Municipal de Cultura

TJAP e SEBRAE-AP inauguram CEJUSC Empresarial

O Tribunal de Justiça do Estado do Amapá (TJAP) e o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Amapá (Sebrae) inauguraram, na manhã desta sexta-feira (30), o CEJUSC Empresarial (Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania do SEBRAE). O novo CEJUSC amplia o atendimento de conciliações extrajudiciais com foco no público empresarial. O CEJUSC é uma estrutura equiparada a uma unidade judiciária com a missão de promover a política de valorização da autocomposição, com ênfase na solução de conflitos por meio da negociação e conciliação. No Sebrae, o público-alvo são: Microempresa (ME), Empresa de Pequeno Porte (EPP) e Microempreendedor Individual (MEI).

O presidente do TJAP, desembargador Rommel Araujo, comentou que a própria concepção do que é a justiça e do papel que ela desempenha mudou ao longo dos anos. “O Poder Judiciário deixou de ser um campo de litígio na sala de audiência, onde muitas vezes a eloquência vencia o melhor direito”, ponderou. “Naqueles tempos, muitas vezes protelar os processos era às vezes a melhor solução, o que trazia às partes a insegurança, incerteza e instabilidade que não construía nenhuma relação, fosse comercial, familiar ou civil em geral”, complementou.

“Mas vimos uma mudança de paradigma, no qual a conciliação passou a ser fundamental, com as parte uma em frente à outra, com conflitos deixando de existir ou, pelo menos, sendo amenizados”, relatou o desembargador. “Mas o Poder Judiciário foi além da simples conciliação do litígio processual, pois percebeu que poderia até evitar que o litígio chegasse ao juízo. Surgia aí a conciliação pré-processual”, acrescentou.

“Hoje, vivemos um momento de profunda instabilidade emocional, por conta da covid-19, do isolamento social, das dificuldades do lado dos empresários que não tinham condições de manter todos os empregados e dos consumidores que não tiveram condições de pagar suas contas”, ponderou o magistrado. “Nesse momento de angústia e dor, vivida pelos senhores e por toda a sociedade, já estamos vendo uma luz de esperança por meio de uma vacinação em massa que pode fazer com que essa rotina perversa deixe de existir”, comemorou o desembargador Rommel Araújo.

“O CEJUSC veio para somar com o SEBRAE para permitir que esse aperto de mão ultrapasse essa fotografia e que essas duas peças que compõem este retrato venham representar o encaixe entre a paz social e o equilíbrio entre todos nós”, concluiu o desembargador-presidente Rommel Araújo.

O presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae, Iraçu Colares, observou que esta inauguração é apenas o início de uma cooperação que se ampliará ainda mais. Antecipando um dos itens em novo Termo de Cooperação, a ser assinado em breve, agradeceu o anúncio, por parte do desembargador-presidente Rommel Araújo, de que “os espaços físicos e infraestrutura de Internet da Justiça estadual em todo o interior – o TJAP está presente em 14 municípios do Amapá – estariam à disposição do SEBRAE-AP, especialmente onde este não tiver estrutura própria, para fazer parcerias de colaboração mútua sempre que for para prestar serviços à sociedade”.

Segundo o diretor superintendente do Sebrae no Amapá, Waldeir Garcia Ribeiro, receber esta inauguração o deixa triplamente lisonjeado. “Falo na qualidade de membro do SEBRAE, pois para nós é um fato histórico; na qualidade de advogado, pois sabemos o quanto é importante termos uma justiça célere; e na qualidade de empresário, pois sei o quanto uma resposta rápida da justiça pode significar a sobrevida ou a falência de uma empresa”, registrou.

Defendendo que alguns conflitos podem muitas ser resolvidos em uma conciliação, Waldeir Ribeiro propôs que os conselheiros, “já que somos compostos por 15 instituições”, sejam multiplicadores do que é o CEJUSC e como utilizá-lo junto aos membros de suas associações.

Serviço:

Texto: Aloísio Menescal
Assessoria de Comunicação Social do Tribunal de Justiça do Amapá
Central de Atendimento ao Público do TJAP: (96) 3312.3800

Atropelamento sem socorro às vítimas: MP-AP oferta denúncia contra acusado de homicídio em Santana

Na última terça-feira (27), o Ministério Público do Amapá (MP-AP), por meio da 2ª Promotoria de Justiça Criminal e Tribunal do Júri de Santana, ofertou, à Vara do Tribunal do Júri daquele município, denúncia contra José Alberto Monteiro Maciel Júnior, de 32 anos, pelo crime de homicídio. Ele é acusado de atropelar duas pessoas e matar a uma delas, de somente 17 anos, no dia 14 de julho, no centro da referida cidade.

O documento é assinado pelo promotor de Justiça Rodrigo Celestino, titular da 2ª Promotoria de Justiça Criminal e Tribunal do Júri de Santana. A Ação Penal é embasada no Auto de Prisão em Flagrante nº 3238/2021-1ª DPS. O acusado foi preso no dia do ocorrido e recolhido no Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (IAPEN).

Entenda o caso

No dia 14 de julho, às 21h30, no município de Santana, o acusado conduzia veículo automotor, sob a influência de álcool e assim assumindo o risco do evento morte, quando bateu em uma bicicleta, onde trafegavam as vítimas. A mulher foi a óbito na hora do atropelamento e o homem, seu companheiro, foi levado ao hospital de Santana, gravemente ferido, onde segue internado.

Logo após o ocorrido, o acusado evadiu-se do local sem prestar socorro às vítimas. Ao ser realizado o teste do etilômetro, constatou- se que o denunciado apresentava concentração de álcool no organismo acima do limite permitido por lei. Em seu interrogatório, o denunciado fez uso de seu direito de permanecer em silêncio. O atropelamento foi gravado por câmeras de monitoramento.

Na denúncia, o MP-AP destaca cinco tipos de crime em desfavor do denunciado: homicídio; tentativa de homicídio; não prestação de socorro às vítimas; direção de automóvel com capacidade psicomotora alterada por consumo de bebida alcoólica e trafegar em velocidade incompatível com a segurança.

“Em razão da comprovação da irresponsabilidade do acusado, diante da constatação de que o mesmo estava em alta velocidade e bêbado quando provocou o atropelamento, trabalharemos para dar uma resposta à comunidade e aos familiares das vítimas o sentimento de que a Justiça foi feita”, frisou o promotor de Justiça Rodrigo Celestino.

Serviço:

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá
Gerente de Comunicação – Tanha Silva
Núcleo de Imprensa
Texto: Elton Tavares
Contato: (96)3198-1616
E-mail: [email protected]

Workshop de práticas circenses com JC Barbosa (amapaense aluno da Escola Nacional de Circo)

O artista amapaense JC Barbosa que no ano de 2019 foi selecionado para estudar Artes Circenses na Escola Nacional de Circo (Funarte/Rio de Janeiro) com a parceria de produção da Cortejo produções Artísticas estará realizando um Workshop em Macapá voltado para as práticas circenses. A atividade formativa acontecerá no período de 03 a 06 de agosto de 2021, das 16h às 18h30 na Praça do Barão – localizada no centro da cidade, seguindo todas as medidas de segurança e higiene por parte da equipe e participantes.

O objetivo é que com a metodologia que será abordada o/a participante saia com uma noção básica dos princípios técnicos de segurança relacionados ás praticas circenses em: Preparação Física, Flexibilidade, Tecido aéreo e Lira. Para participar do workshop é cobrado o investimento de R$ 75,00 reais, com o intuito de custear as despesas da oficina. Ao final do evento os/as participantes serão certificados.

As inscrições estarão abertas no período de 22 de julho à 01 de agosto. Os interessados deverão entrar em contato com o artista através dos seguintes meios: telefone celular – (21) 98197-5668 ou e-mail: [email protected]

Breve currículo:

JC Barbosa artista circense, ator, produtor, fotógrafo, palhaço e educador da arte do circo, iniciou no ano 2013 o curso de circo no Projeto Criança Esperança em Macapá pelo grupo OI NÓS AQUI, desde então participou de oficinas e cursos de preparação e formação circense. Estudou dança de 2015 a 2017 na Escola Petit Dance, onde passou a atuar como bailarino durante dois anos e meio. Desenvolveu suas habilidades técnicas e artísticas no universo circense de forma empírica participando de projetos e oficinas ligadas as artes do circo. Em 2019 teve sua primeira oportunidade de representar o Estado do Amapá no Curso Técnico da arte do circo na Escola Nacional de Circo no Rio de Janeiro. Em 2020 participou do Ballet Manguinhos, um dos maiores Projetos Sociais da zona norte do RJ, como professor de Circo, atualmente atua como Educador circense, Performer, Produtor e Palhaço.

Realização: JC Barbosa e Cortejo Produções

Assessoria de comunicação

Plano de saúde é condenado a pagar R$ 8.000,00 entre ressarcimento e danos morais por cobrança ilícita de “taxa de disponibilidade” de médica obstetra

A 5ª Vara do Juizado Especial Cível da Zona Norte de Macapá, que tem como titular o juiz Marconi Pimenta, condena Operadora de plano de saúde a pagar R$ 8.000,00 a cliente entre ressarcimento por “taxa de disponibilidade” e danos morais. De acordo com os autos, processo nº 0041839-46.2020.8.03.0001, os clientes foram cobrados, por médica obstetra credenciada, uma taxa para que esta estivesse disponível no momento do parto e não precisassem contar com plantonistas.

De acordo com os autos, os autores alegam que, em plena pandemia da covid-19 e levando em consideração as condições precárias da rede hospitalar de Macapá, ao descobrirem que seriam pais decidiram se deslocar até a cidade de Fortaleza-CE para que garantir melhor assistência durante toda a gestação (pré-natal, parto e pós-parto). Já na capital cearense, deram início ao pré-natal com médica obstetra em questão – todas as consultas cobertas pelo plano de saúde Unimed Belém.

Após estabelecida a relação de confiança entre médico e paciente, a obstetra que acompanhava a autora disse, segundo os autos, que para realizar o parto, seria cobrada a “taxa de disponibilidade” no valor de R$ 6.000,00 (seis mil reais), sem prejuízo da utilização do plano de saúde. De acordo com os autores, mesmo após várias tentativas de contato com o Plano de Saúde e diversas conversas com a obstetra, a referida taxa apenas foi reduzida para R$ 5.000,00 (cinco mil reais), mas teve incluída a contratação de uma enfermeira obstétrica no valor de R$ 1.750,00 (mil setecentos e cinquenta reais).

De acordo com a decisão do magistrado, vê-se de um lado uma grávida e seu esposo em busca de um profissional indicado pelo plano de saúde para acompanhar o pré-natal e a realização do parto do seu primeiro filho, e na outra ponta, temos a médica credenciada que, em negociação paralela, oferece ao casal a garantia da realização pessoal do parto mediante o pagamento da chamada taxa de disponibilidade. “É importante ressaltar que relação secundária estabelecida entre a médica e os autores ocorreu no âmbito de uma relação originária entre a operadora do plano de saúde e os consumidores (…) apesar da médica ser uma profissional liberal, ao se credenciar ao plano de saúde, age como preposto deste, de modo que a reclamada responde pelos atos da obstetra”, observa o magistrado na decisão.

“À luz de todo o sistema protetivo do Código de Defesa do Consumidor, salta aos olhos a abusividade dessa cobrança pelos médicos credenciados junto à reclamada”, diz a decisão. O juiz observa ainda que o ato abusivo contra a cliente do plano e paciente da médica, em estado de gravidez “poderia até representar uma forma de violência psicológica, dadas as circunstâncias, pois, muito tem se falado em violência obstétrica”.

“Salvo melhor juízo, nos parece evidente que a gestante, ao escolher determinado profissional credenciado para realizar seu pré-natal, tem em mente que ele é quem a acompanhará no parto (…) é ilícita a cobrança porque, mesmo que alertada a gestante na primeira consulta do pré-natal, causa surpresa à consumidora que paga por plano de saúde com previsão de cobertura obstétrica, violando o Princípio da Boa-Fé Objetiva”, ressalta o juiz Marconi Pimenta nas argumentações de sua sentença.

Em relação aos valores pagos à equipe de enfermagem, a decisão não considerou necessário falar em ressarcimento, uma vez que foi utilizada a estrutura oferecida e disponibilizada pelo plano de saúde, não havendo necessidade da contratação de outra equipe.

Assim, o juízo da 5ª Vara do Juizado Especial Cível da Zona Norte de Macapá julgou os pedidos parcialmente procedentes e condenou a Unimed Belém ressarcir R$ 5.000,00 da “taxa de disponibilidade” ilicitamente cobrada aos autores da ação e mais R$ 3.000,00 a título de indenização por danos morais.

Texto: Aloísio Menescal
Assessoria de Comunicação Social do Tribunal de Justiça do Amapá
Central de Atendimento ao Público do TJAP: (96) 3312.3800

Continua a vacinação contra Covid-19 de pessoas entre 18 e 25 anos e profissionais da educação nesta sexta (30) em Macapá

A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) prossegue com as ações de vacinação contra a Covid-19 nesta sexta-feira (30) em Macapá. Os públicos atendidos são pessoas entre 18 e 25 anos com agendamento, profissionais de Educação remanescentes e aptos para a 2ª dose de Astrazeneca, Pfizer e CoronaVac.

· 1ª dose (D1) – 18 a 25 anos agendados

Pessoas com idade de 18 a 25 anos que estão agendados podem receber a 1ª dose da vacina nesta sexta-feira. A orientação é que este grupo chegue nos pontos de imunização com 30 minutos de antecedência do horário marcado.

Das 8h às 13h:

UBSs Cidade Nova, Pedrinhas, Marabaixo, Raimundo Hozanan, Rosa Moita, Novo Horizonte, Fazendinha, Coração, Álvaro Corrêa, Pacoval, Brasil Novo e Anfiteatro da Universidade Federal do Amapá (Unifap).

Das 9h às 15h:

Pontos de drive-thru da Praça Floriano Peixoto, Praça do Estádio Zerão, Marabaixo, Rodovia do Curiaú e quadra da Igreja Jesus de Nazaré

É necessário apresentar os originais e cópias de um documento oficial com foto, comprovante de residência, carteira de vacinação e o comprovante de agendamento.

· 1ª dose (D1) – remanescentes da Educação

Continua a nova chamada para profissionais da Educação que ainda não se vacinaram contra a Covid-19. O atendimento ocorre das 8h às 13h, nos pontos da Universidade do Estado do Amapá (UEAP) e no Instituto Federal do Amapá (Ifap).

São considerados profissionais da área os professores, merendeiros, porteiros, diretores e outros.

Para receber o imunizante é necessário apresentar originais e cópias de um documento oficial com foto, comprovante de residência, carteira de vacinação e carteira de trabalho ou último contracheque.

· 2ª dose (D2) de Astrazeneca e Coronavac

A D2 das vacinas Astrazeneca e CoronaVac estão disponíveis das 9h às 15h nos pontos de drive-thru da Praça Floriano Peixoto, Estacionamento do Estádio Zerão, Marabaixo, Rodovia do Curiaú e na quadra da Igreja Jesus de Nazaré.

Para completar o esquema vacinal, o cidadão deve estar no período de recebimento da 2ª dose, indicado no cartão de vacina.

É preciso apresentar originais e cópias de documento oficial com foto, comprovante de residência e carteira de vacinação com indicação da D1.

· 2ª dose (D2) de Pfizer

A D2 da Pfizer é destinada aos que estão no período de recebimento indicado no cartão de vacinação. A ação acontece na Unidade Básica de Saúde Leozildo Fontoura, Universidade do Estado do Amapá (UEAP) e no Instituto Federal do Amapá (IFAP), das 8h às 13h.

É preciso apresentar originais e cópias de documento oficial com foto, comprovante de residência e carteira de vacinação com indicação da 1ª dose.

· 2ª dose (D2) para grávidas e puérperas

O encerramento do esquema vacinal deste público acontece das 8h às 13h, na Unidade Básica de Saúde Leozildo Barreto Fontoura, Universidade Estadual do Amapá (UEAP) e Instituto Federal do Amapá (IFAP).

Para receber a vacina é preciso apresentar originais e cópias de documento oficial com foto, comprovante de residência e carteira de vacinação com indicação da 1ª dose.

A Semsa segue orientação de nota técnica sobre intercambialidade de vacinas enviada pelo Ministério da Saúde e atende grávidas e puérperas que tomaram a D1 de Astrazeneca e Pfizer e que estão no período de recebimento da D2.

Secretaria Municipal de Comunicação Social

Polícia Federal indicia três funcionários da LMTE por “apagão” no Amapá

6.nov.2020 – Moradores protestam ateando fogo em entulho em rua de Macapá, no quarto dia de apagão na cidade Imagem: GABRIEL PENHA/PHOTOPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

A Polícia Federal (PF) concluiu as investigações sobre a interrupção no fornecimento de energia em 13 dos 16 municípios do estado, ocorrida em novembro de 2020. O inquérito policial instaurado para apurar responsabilidades foi encerrado e enviado ao Ministério Público Federal para que avalie oferecimento ou não de denúncia.

Três diretores da empresa LMTE (Linhas de Macapá Transmissora de Energia) foram indiciados pelo crime previsto no artigo 265 do Código Penal Brasileiro: Atentar contra a segurança ou o funcionamento de serviço de água, luz, força ou calor, ou qualquer outro de utilidade pública. Se condenados, podem cumprir reclusão de um a cinco anos, além do pagamento de multa.

O indiciamento se deu em razão de a empresa ter sido omissa na manutenção do gerador reserva. Este apresentou defeito e ficou inativo por um ano e sem passar por reparo pela LMTE. Constatou-se que, entre o fim de 2019 e a data do fato, foram feitas várias programações para reparo no gerador em questão, mas em nenhuma delas houve de fato correção do problema.

Foto: https://bsbnoticias.com.br/

Dinâmica

No dia 3 de novembro de 2020, um incêndio no primeiro gerador causou o “apagão”. O fogo se desencadeou em uma peça conhecida como “bucha” e inativou o gerador 1 da principal subestação de energia do estado, localizada em Macapá.

O laudo realizado por peritos da Polícia Federal na peça, que foi enviada a Santa Catarina para uma empresa especializada nesse tipo de equipamento, não foi capaz de elucidar a causa do incêndio: se foi erro humano, sobrecarga, causa natural (raio, por exemplo) ou mesmo um ato criminoso.

Quando o gerador um se incendiou, automaticamente o segundo deveria entrar em funcionamento para trabalhar em conjunto com o terceiro. Ocorre, como já citado, que o segundo gerador, por omissão da LMTE, estava danificado há cerca de um ano.

Assim, apenas o terceiro gerador de energia ficou com toda a carga e terminou superaquecendo. Fato que gerou a interrupção de energia nos 13 municípios amapaenses.

Comunicação Social da Polícia Federal no Amapá
Instagram: @policiafederalamapa
[email protected] www.pf.gov.br
(96) 3213-7500

Gabinete Militar do MP-AP reúne agentes de segurança institucional para tratar sobre o novo Sistema de Proteção Social dos Militares

O Gabinete Militar do Ministério Público do Amapá (MP-AP), com o apoio da Administração Superior do MP-AP, promoveu, nesta quarta-feira (27), no auditório Procuradoria-Geral de Justiça – Promotor Haroldo Franco, a palestra sobre o Sistema de Proteção Social dos Militares. A ação foi realizada por meio da equipe que faz parte da Comissão de Elaboração do Projeto de Lei do Sistema de Proteção Social dos Militares (SPSM) e teve como público alvo os agentes militares que prestam serviços na instituição.

O Sistema de Proteção Social dos Militares foi instituído pela Lei nº 13.954/19 em atenção à Emenda Constitucional nº 103/2919, que trata diretamente sobre questões legais para a inatividade militar. O Gabinete Militar do MP-AP foi a primeira unidade visitada, e, na oportunidade, foram esclarecidas sobre as novas regras previdenciárias que entrarão em vigor a partir de 1° de janeiro de 2022.

O presidente da comissão, Tenente Coronel Lielson da Costa Junior, a convite da chefia do Gabinete Militar do MP-AP, coronel Joércio dos Santos, a realização do evento foi estendida para que os militares possam compreender o conjunto integrado de direitos, serviços e ações de remuneração que poderão se consolidar como Sistema de Proteção Social previstos na lei.

Mais sobre o Gabinete Militar do MP

Além de ser responsável pela segurança de prédios, de membros e servidores do MP-AP, o Gabinete Militar também trabalha no apoio em operações do órgão ministerial e, ainda, em ações de âmbito Estadual e Municipal, como por exemplo a Operação Integração Covid-19, de fiscalização da Polícia Militar para garantir o cumprimento das medidas de prevenção.

Serviço:

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá
Gerente de Comunicação – Tanha Silva
Núcleo de Imprensa
Texto: Halanna Sanches
E-mail: assco[email protected]

Zona Rural de Santana é beneficiada pelo CRAS Volante e pré-aprovados no Programa Alimento na Mesa, na região, entregam suas documentações

A Secretaria Municipal de Assistência Social e Cidadania (SEMASC) esteve nas comunidades Piaçacá e Igarapé do Lago com a intenção de levar benefícios sociais para a população e receber documentos e recursos relacionados ao Programa Alimento na Mesa.

A equipe da SEMASC levou para as comunidades uma impressora e todo material necessário para concluir as documentações dos pré-aprovados no auxílio alimentação. “Em algumas dessas localidades, não há meios de fazer cópias dos documentos, então além de trazer a nossa equipe completa, também trouxemos os materiais necessário para o maior conforto da população”, afirmou a Secretária Municipal de Assistência Social, Priscilla Azevedo.

O CRAS Volante também esteve junto à equipe do Alimento na Mesa e, ao todo, nas duas localidades, a equipe distribuiu 125 cestas básicas além de fazer 60 Atendimentos do Bolsa Família.

A documentação entregue pelos pré-aprovados no benefício social, será analisada pelos técnicos da Prefeitura de Santana, confirmando, dessa forma, se as informações repassadas na inscrição online são verdadeiras. Somente após todas as análises, a Prefeitura disponibilizará a lista final de aprovados.

A documentação para moradores da zona urbana deverá ser entregue conforme seu bairro, no Centro do Idoso ou na SEMASC até o dia 31 de julho, das 08h às 17h.

Os recursos para o Programa foram possibilitados com emendas garantidas pelo deputado federal Luiz Carlos (R$ 4 milhões) e pelo senador Randolfe Rodrigues (R$ 1,2 milhão), garantindo um auxílio financeiro de R$ 800,00 que serão pagos em 3 parcelas.

Comunicação – Prefeitura de Santana

Memória da Justiça Amapaense: conheça a história do juiz Severino e seu pajem em viagem à província do Maranhão, em 1859

Com o objetivo de honrar a Memória da Justiça Amapaense e preservar a história e identidade do Judiciário por meio dos museus, em 2019, o Tribunal de Justiça do Amapá iniciou seu projeto de resgate memorial. Com o avanço das pesquisas, novas histórias e figuras históricas do judiciário amapaense vão aparecendo, como o caso do juiz Severino Carvalho, seu pajem e suas vidas na Comarca de Macapá no passado. Segundo o Michel Ferraz, museólogo do TJAP, a história foi descoberta durante a construção de uma tabela com o nome dos magistrados, servidores, promotores, advogados, dentre outras figuras que atuaram nas comarcas que atualmente fazem parte da jurisdição amapaense.

“Essa tabela certamente ajudará nas próximas pesquisas. Ao expandimos as pesquisas para jornais maranhenses nos deparamos com esse magistrado. Anotamos seu nome, pesquisamos um pouco mais e encontramos este fato interessante.”, conta o museólogo.

Juiz Severino Alves de Carvalho Junior, seu pajem e a viagem ao Maranhão

O magistrado atuava na recém-criada Comarca de Macapá no ano de 1859. Sua judicatura foi curta no território e jornais da época a noticiaram como pautada nos padrões desejados de legalidade, imparcialidade e probidade. Além da sua conduta jurídica, os jornais registraram também uma viagem à província do Maranhão que culminou com a prisão do seu pajem, exigindo que o magistrado impetrasse habeas corpus em seu favor.

Antes de morar em Macapá o Dr. Severino Carvalho atuou como Promotor Público na Comarca de Vassouras, na província do Rio e a proximidade com o governo imperial pode ter facilitado sua ascensão profissional. Foi nomeado Juiz de Direito de Macapá em 03 de janeiro 1859 e retornou poucas vezes a sua terra.

Com a titularidade da Comarca de Macapá, estando mais perto, seguiu viagem para a então vila de Brejo. Entre fevereiro e março de 1860 esteve com os familiares, reviu conhecidos e participou de banquetes. Entretanto, também entrou em contato direto com as questões e as intrigas políticas que envolvia sua família e aliados. A figura central era seu pai, o comendador Severino Alves de Carvalho.

Nos registros constam que “O Dr., segundo o uso do sul, trouxe um pajem (seu escravo de nome Raimundo) que o acompanhara trajando com decência, como é de costume entre pessoas distintas”. Em uma dessas diligências foi parado na rua e interrogado por um dos integrantes do “grupinho mata vigário”.

É narrado que “Estes queriam saber do pajem narrativas de fatos que supostamente o servo teria ouvido na casa do irmão do juiz Severino. Acuado, Raimundo respondeu que nada tinha ouvido, que nada sabia, e que ainda sabendo, não tinha por costume contar o que se passava na casa dos seus senhores”, o interrogante então prendeu o pajem na cadeia. Ao narrar os fatos, o jornal assevera que o juiz “em defesa do seu servo, impetra habeas corpus e Raimundo foi posto em liberdade no outro dia, depois de ter que carregar na cabeça ‘o barril em que se encerram as porcarias da cadeia’”.

No registro da ocorrência o subdelegado Torquatinho informou que prisão se dava “por causa andar o escravo como fôrro, e fazendo immoralidades”. Michel Ferraz comenta: “Andar como “fôrro” seria usar sapatos e roupas dignas? Fazer “immoralidades” seria dar respostas ou andar de cabeça erguida? Neste caso ficaremos sem respostas. Todavia, o que se observa é que o subdelegado Torquatinho preferiu atacar a família Alves de Carvalho humilhando o pajem Raimundo”, contou.

Ainda segundo Michel Ferraz, a história do ocorrido com o Juiz de Direito de Macapá é importante para mostrar como a questão racial estava presente no cotidiano e o escravizado, sempre vulnerável, por vezes era alvo de vinganças direcionadas aos seus senhores. “Entre outras questões passíveis de análise, o caso também exemplifica o período em que a força policial se sobrepunha, pungentemente, à força jurídica”, conta o museólogo.

As pesquisas sobre a memória da justiça amapaense vêm sendo realizadas pelos servidores do TJAP Marcelo Jaques de Oliveira (historiador) e Michel Duarte Ferraz (museólogo) e em breve estarão disponíveis no Museu Virtual do TJAP (em fase de planejamento).

Serviço:

Assessoria de Comunicação Social Tribunal de Justiça do Amapá
Colaboração: Michel Ferraz
Central de Atendimento ao Público do TJAP: (96) 3312.3800

UBS Rubim Aronovitch retoma atendimentos de rotina em Macapá

A partir de segunda-feira (2), a Unidade Básica de Saúde (UBS) Rubim Aronovitch, localizada no bairro Santa Inês, deixa de ser porta de entrada de casos de Covid-19 e volta a realizar atendimentos de Atenção Básica de segunda a sexta, das 8h às 18h.

A unidade passou a atender casos sintomáticos de Covid-19 em abril deste ano, como uma estratégia de ampliação da rede de assistência na pandemia. Desde então, mais de 20 mil atendimentos foram realizados, chegando a 250 por dia.

Nas últimas semanas, o fluxo diário reduziu para até 70 atendimentos em média, o que significa menos de 3 pessoas por hora, já que a UBS tem funcionamento ininterrupto.

“Quando a UBS Rubim passou a receber sintomáticos, a Unidade Covid Santa Inês se concentrou em casos graves da doença, isso salvou a vida de muitos macapaenses que aguardavam leitos em grandes hospitais. Agora os dados mostram que estamos em estabilização no município, é uma vitória”, ressalta Dr. Furlan.

Rede ativa

O município continua com a UBS Lélio Silva e Marcelo Cândia como porta de entrada de casos sintomáticos de Covid-19, com atendimento 24 horas e realização de testes mediante atendimento médico. A Unidade Covid Santa Inês também mantém os casos graves encaminhados pelas outras unidades.

De volta

A UBS retoma as atividades oferecendo um novo espaço às mães que estão em processo de aleitamento, o Cantinho de Amamentação. Também estão disponíveis atendimentos com a equipe da Estratégia Saúde da Família (ESF), consultas de rotina para clínica geral, ginecologia, nutrição, odontologia, acompanhamento de pré-natal, vacinação, suplementação de Vitamina A e farmácia.

A secretária municipal de Saúde, Karlene Lamberg, explica esse processo. “Durante o enfrentamento da pandemia, a unidade foi adaptada para melhor atender a população. Com a redução no número de casos na capital, a UBS volta a oferecer atendimentos de atenção primária”, disse.

A unidade fica localizada na Avenida 6 de Setembro, 212, no bairro Santa Inês. Os agendamentos para as consultas são disponibilizados pelo telefone (96) 98813-3853.

Secretaria Municipal de Saúde