Música de agora: Baby – Os Mutantes – Versão Gal Costa

Baby – Os Mutantes – Versão Gal Costa

Você precisa
Saber da piscina
Da margarina
Da Carolina
Da gasolina
Você precisa
Saber de mim
Baby, baby
Eu sei
Que é assim
Baby, baby
Eu sei
Que é assim

Você precisa
Tomar um sorvete
Na lanchonete
Andar com gente
Me ver de perto
Ouvir aquela canção
Do Roberto
Baby, baby
Há quanto tempo
Baby, baby
Há quanto tempo

Você precisa
Aprender inglês
Precisa aprender
O que eu sei
E o que eu
Não sei mais
E o que eu
Não sei mais

Não sei
Comigo
Vai tudo azul
Contigo
Vai tudo em paz
Vivemos
Na melhor cidade
Da América do Sul
Da América do Sul
Você precisa
Você precisa

Não sei
Leia
Na minha camisa
Baby, baby
I love you
Baby, baby
I love you

 

Batuque, Zouk e Marabaixo: neste domingo (25), rola Roda Bandaia no Norte das Águas

Foto: Clicia Di Miceli

Neste domingo (25), a partir das 16h, no bar e restaurante Norte das Águas, rolará mais uma edição da Roda Bandaia. A evento visa o fortalecimento de ritmos, musicalidade e cultura locais. A entrada será gratuita.A Roda de Bandaia conta com os músicos João Amorim (voz e percussão); Adelson preto (voz e percussão); Helder Melo (ContraBaixo); Fabinho Costa (violão) e Paulinho Queiroga (voz e bateria).

O público poderá participar com canto e dança. Ou tocar junto com os músicos. O espaço é para todos que curtem o marabaixo, batuque do Curiaú, zouk, carimbó, e outros ritmos da Amazônia. Tem também o varal de saias coloridas para quem quiser ficar mais bonito ainda. E ainda convidados; Saião para as açucenas, Gengibirra e cerveja gelada.

Norte das Águas

O Norte das Águas é um dos mais conceituados pontos turísticos de Macapá, que fica situado às margens do rio Amazonas, no Complexo Marlindo Serrano (Araxá). O estabelecimento serve boa comida, cervejas enevoadas e drink’s variados. Além do atendimento porreta. Tudo às margens ventiladas do Amazonas, o nosso riozão bonito.

Enfim, quem curte Batuque, Marabaixo, Zouk, Bandaia e Cacicó vai curtir. Recomendo!

Serviço:

Roda de Batuque Bandaia – Complexo do Araxá
Local: Norte das Águas, localizado no Complexo do Araxá, na zona Sul de Macapá.
Data: 25/02/2024
Hora: a partir das 16h.

Elton Tavares, com informações de João Amorim.

Música de agora: Vaca Profana – Gal Costa (canção de Caetano Veloso)

Vaca Profana – Gal Costa (canção de Caetano Veloso)

Respeito muito minhas lágrimas
Mas ainda mais minha risada
Escrevo, assim, minhas palavras
Na voz de uma mulher sagrada
Vaca profana, põe teus cornos
Pra fora e acima da manada
Vaca profana, põe teus cornos
Pra fora e acima da manada…
Ê, ê, ê, ê, ê,
Dona das divinas tetas
Derrama o leite bom na minha cara
E o leite mau na cara dos caretas

Segue a “movida madrileña”
Também te mata Barcelona
Napoli, pino, pi, pau, punks
Picassos movem-se por londres
Bahia, onipresentemente
Rio e belíssimo horizonte
Bahia, onipresentemente
Rio e belíssimo horiz…
Ê, ê, ê, ê, ê,
Vaca de divinas tetas
La leche buena toda en mi garganta
La mala leche para los “puretas”

Quero que pinte um amor Bethânia
Stevie Wonder, andaluz
Mas do que tive em tel aviv
Perto do mar, longe da cruz
Mas em composição cubista
Meu mundo thelonius monk`s blues
Mas em composição cubista
Meu mundo thelonius monk`s…
Ê, ê, ê, ê, ê,
Dona das divinas tetas
Quero teu leite todo em minha alma
Nada de leite mau para os caretas

Sou tímido e espalhafatoso
Torre traçada por Gaudi
São paulo é como o mundo todo
No mundo, um grande amor perdi
Caretas de paris e new york
Sem mágoas, estamos aí
Caretas de paris e new york
Sem mágoas estamos a…
Ê, ê, ê, ê, ê,
Vaca das divinas tetas
Teu bom só para o oco, minha falta
E o resto inunde as almas dos caretas

Mas eu também sei ser careta
De perto, ninguém é normal
Às vezes, segue em linha reta
A vida, que é “meu bem, meu mal”
No mais, as “ramblas” do planeta
“orchta de chufa, si us plau”
No mais, as “ramblas” do planeta
“orchta de chufa, si us…
Ê, ê, ê, ê, ê,
Deusa de assombrosas tetas
Gotas de leite bom na minha cara
Chuva do mesmo bom sobre os caretas…

 

Música de agora: Lifelines (Destino) – A-Ha

Lifelines (Destino) –  A-Ha

Uma vez para saber que é real

Uma vez para saber como se sente

Isso é tudo

Uma chamada

Sua voz no telefone

Um lugar
Um momento sozinho

Isso é tudo
O que você vê, o que você sabe?

Um sinal: O que eu faço?

Apenas siga direto o seu destino

E se isso machuca, e daí?

O que nós fazemos, o que você diz?

Não jogue o seu destino fora

Uma vez

Só uma vez na minha vida

Sim, uma vez
Para ver se isso acontece de novo

Um pedaço
De um céu azul claro

Uma olhada
Não vejo por que não podemos
Uma chance

De voltar ao ponto

Onde tudo começou

Uma chance
De juntar tudo quando

As coisas romperem

Apenas um sinal

Para nos fazer acreditar que é verdade

O que você vê
Para onde nós vamos?

Um sinal, como nós crescemos?

Ao deixar o seu destino mostrar

E se nós o fizermos, e dai?

O que você diz?
Como eu vou saber?

Não deixe seu destino ir embora

Não deixe seu destino ir embora

Neste sábado (24), rola Liberdade ao Rock apresenta: Carna Movie

Prepare-se para uma explosão de música e cinema na Praça da Bandeira! Neste sábado, dia 24 de fevereiro, a partir das 17 horas, junte-se a nós para uma tarde repleta de energia e vibração rock’n’roll.

Nosso CineRock está de volta e promete uma produção de tirar o fôlego, com performances eletrizantes das bandas mais quentes do momento. Prepare-se para ser envolvido pelos acordes da Banda Nova Ordem, sentir a nostalgia com a Banda Classic e mergulhar nas ondas sonoras da Banda Ocean Gate.

Este evento é uma realização do Movimento de Iniciativa Cultural Liberdade ao Rock. Juntos, vamos celebrar a liberdade e a energia do rock em uma tarde inesquecível!

Marque na sua agenda e traga seus amigos para essa festa imperdível. A entrada é gratuita e todos são bem-vindos para vivenciar essa experiência única.

Serviço:

Liberdade ao Rock apresenta: Carna Movie
Data: 24 de fevereiro de 2024
Horário: A partir das 17 horas
Local: Praça da Bandeira, Macapá
Apoio: site Blog De Rocha

Não fique de fora! Venha viver o Carna Movie com Liberdade ao Rock!

Assessoria de comunicação do Liberdade ao Rock

Música de agora: Take On Me (Aceite-me) – A-Ha

Take On Me (Aceite-me) – A-Ha

Estamos conversando à toa
Eu não sei o que dizer
Direi de qualquer maneira
Hoje é outro dia para encontrar você
Fugindo da timidez
Estarei vindo pelo seu amor, ok?

Aceite-me,
Aceite-me
Partirei
Em um ou dois dias

Tão desnecessário dizer
Sou insignificante
Mas estarei tropeçando
Aos poucos aprendendo que a vida é legal
Repita comigo
Não é melhor estar seguro do que arrependido?

Aceite-me,
Aceite-me
Partirei
Em um ou dois dias

Oh, as coisas que você diz
é a vida ou apenas para espantar minhas preocupações?
Você é tudo que tenho que lembrar
Você está se afastando
Estarei vindo pra você de qualquer maneira

Aceite-me
Aceite-me
Partirei
Em um ou dois dias.

 

4º Festival Gino Vinil – Homenagem a Gino Flex e Lula Jerônimo Te liga nessa, gabiru!

Ilustração de Ronaldo Rony

Gino Flex e Lula Jerônimo são sinônimos de encontros e alegria. Os dois já se foram? Há controvérsias, pois continuam rendendo assunto, memória e a vontade de festejar a vida. E é isso que nós, que tivemos a honra de tê-los por perto, estamos fazendo agora, com mais um festival em seus nomes, onde suas vidas são celebradas, nos mostrando que jamais estaremos separados daqueles que marcam nossas existências.

Gino Flex – Foto: arquivo pessoal

O Rei do Vinil

Apaixonado pela lua, Gino Flex vivia entre noites alucinadas e saudações ao nascer do sol, de preferência numa praia. A sua arte de fazer amigos e promover encontros gerava, continuamente, mais amigos e mais encontros. Como as rodadas de vinil que ele comandava, nos permitindo ouvir a música riscadinha dos antigos bolachões e retornar a um tempo em que tudo era mais simples, mais humano. Hoje ele festeja com Mestre Guiga, Mestre Canela, Siney Saboia, Raul Seixas, Rita Lee, Tim Maia e faz a cabeça de Bob Marley. E manda, todo dia, um abraço à imensa galera do bem.

Lula Jerônimo: Foto: Sal Lima

Do Nordeste para o Meio do Mundo

Lula Jerônimo chegou por aqui em 1987, trazendo o sotaque inconfundível de sua fala e a expressão de sua música. Compositor, cantor e intérprete de seu universo rural, misturado ao que encontrou aqui, ajudou a engrandecer a arte musical que pulsa neste canto do planeta Brasil. Apaixonado por MPB, bossa nova e cantorias, Lula Jerônimo continua sendo artista do povo, um operário da noite, agora com seu brilho chegando a vastidões bem maiores que o sertão originário, a floresta que o recebeu e o nosso rio, o maior do mundo, que nos abençoa e protege.

Bora festejar!

Essas biografias merecem, precisam ser festejadas e estamos aqui para isso. Estão todos convidados para este evento, porque é preciso manter o alto astral e a arte que alimenta e nos movimenta. Bora dá-lhe!

Atrações:

• Música ao vivo
• Som de vinil
• Performances
• Intervenções poéticas
• Exposição de cartum

Artistas:

• Alan Yared
• Barca do Iraguany
• Canícula Blues
• Carla Nobre
• Dj Duffnaldson
• DJ Flávio
• Enpretiadu
• Hayam Chandra
• Jota Mambembe
• Mano Roots
• Marcos Fernandes
• O Sósia
• Ronaldo Rony
• Sabrina Zahara
• Tio Zé
• Microfone aberto

Serviço:

4º Festival Gino Vinil – Homenagem a Gino Flex e Lula Jerônimo
Data: 13 de março de 2024
Hora: a partir das 18h
Local: Rua Francisco Azarias da Silva Neto, 3852 (Complexo Beira-Rio)
Realização: Coletivo Arte da Pleta e Amigos de Gino e Lula

Texto: Assessoria de Comunicação do Festival

Música de agora: The Sun Always Shines On Tv – (O Sol Sempre Brilha na Tv) – A-Ha

The Sun Always Shines On Tv (O Sol Sempre Brilha na Tv) – A-Ha

Toque-me
Como assim?
Acredite em mim
O sol sempre brilha na TV
Me aperte
Pertinho do seu coração
Toque-me
E dê todo seu amor para mim
Para mim

Eu procurei dentro de mim mesmo
E não encontrei nada lá
Para acalmar a pressão
Da minha mente sempre aflita
Todas as minhas forças se foram
Eu temo os olhares solitários e enlouquecidos
Que o espelho está me enviando
Estes dias

Toque-me
Como assim?
Acredite em mim
O sol sempre brilha na TV
Me aperte
Pertinho do seu coração
Toque-me
E dê todo seu amor para mim
Para mim

Por favor, não me peça para defender
Das vergonhosas baixadas
Do caminho em que estou sendo levado
Melancolicamente pelo tempo
(Toque-me)
Eu procurei dentro de mim mesmo hoje
(Dê todo o seu amor)
Pensando que devia haver alguma maneira
De manter meus problemas distantes

Toque-me
Como assim?
Acredite em mim
O sol sempre brilha na TV
Me aperte
Pertinho do seu coração
Toque-me
E dê todo seu amor para mim
Para mim

Me aperte
Pertinho do seu coração
Toque-me
E dê todo seu amor para mim, para mim

Música de agora: Maria, Maria – Elis Regina

Maria, Maria – Composição de Milton Nascimento e interpretação de Elis Regina

Maria, Maria
É um dom, uma certa magia,
Uma força que nos alerta
Uma mulher que merece viver e amar
Como outra qualquer do planeta
Maria, Maria
É o som, é a cor, é o suor
É a dose mais forte e lenta
De uma gente que ri quando deve chorar
E não vive, apenas aguenta
Lêre,lare,lêre,lare.lêre,larê

Mas é preciso ter força
É preciso ter raça
É preciso ter gana sempre
Quem traz no corpo uma marca

Maria, Maria
Mistura a dor e a alegria
Mas é preciso ter manha
É preciso ter graça
É preciso ter sonho sempre
Quem traz na pele essa marca
Possui a estranha mania
De ter fé na vida

 

Música de agora: Bwana – Rita Lee

Bwana – Rita Lee

Bwana Bwana
Me chama que eu vou
Sou tua mulher robô
Teleguiada pela paixonite…

Que não tem cura
Que não tem culpa
Pela volúpia
Volúpia!…

Bwana Bwana
Teu desejo é uma ordem
Te satisfazer
É o meu prazer…

Que não tem jeito
O meu defeito
É não saber parar
Volúpia!…

Adeus sarjeta
Bwana me salvou
Não quero gorjeta
Faço tudo por amor
Ah! Ah! Ah!
Adeus sarjeta
Bwana me salvou
Não quero gorjeta
Faço tudo por
Faço tudo
Faço tudo por amor…

Ah! Ah! Ah!
Uh! Uh! Uh!
Ah! Ah! Uh!
Ah! Ah! Uh!…(2x)

Bwana Bwana
Não sei cozinhar
Mas sou carinhosa
E tenho talento
Prá boemia
Corre sangria
Nas minhas veias
Volúpia!…

Adeus sarjeta
Bwana me salvou
Não quero gorjeta
Faço tudo por amor
Ah! Ah! Ah!
Adeus sarjeta
Bwana me salvou
Não quero gorjeta
Faço tudo por amor..

Ah! Ah! Ah! Adeus!
Bwana me salvou
Não quero gorjeta
Faço tudo por
Faço tudo
Faço tudo por amor
Ah! Ah! Au!…

Música de agora: Hino Dos Malucos – Rita Lee

Hino Dos Malucos – Rita Lee

Nós, os malucos, vamos lutar
Pra nesse estado continuar
Nunca sensatos nem condizentes
Mas parecemos supercontentes
Nossos neurônios são esquisitos
Por isso estamos sempre aflitos
Vamos incertos
Pelo caminho
Nos comportando estranhos no ninho
Quando a solução se encontra, um maluco é do contra
Mas se vai por lado errado, um maluco vai do lado

Malucos, a nossa vida é dar bandeira
ligando a luz da cabeceira,se a água pinga na torneira
Malucos, a nossa luta é abstrata
já que afundamos a fragata,
mas temos medo de barata

Nós, os malucos, temos um lema
Tudo na vida é um problema
Mas nunca tente nos acalmar
Pois um maluco pode surtar
Os nossos planos são absurdos
Tipo gritar no ouvido dos surdos
Mas todo mundo que é genial
Nunca é descrito como normal
Quando o papo se esgota,
um maluco é poliglota
Mas se todo mundo grita,
um maluco se irrita

Malucos, somos iguais a diferença
e todos temos uma crença:
seguir a lei jamais compensa
Malucos, somos a mola desse mundo,
mas nunca iremos muito a fundo
nesse dilema tão profundo

Malucos, a nossa vida é dar bandeira,
ligando a luz da cabeceira,se a água pinga na torneira
Malucos, a nossa luta é abstrata,
já que afundamos a fragata,
mas temos medo de barata

Música de agora: Alô! Alô Marciano! – Rita Lee

Alô! Alô Marciano! – Rita Lee

Alô, alô, marciano
Aqui quem fala é da Terra
Pra variar, estamos em guerra
Você não imagina a loucura
O ser humano tá na maior fissura, porque
Tá cada vez mais down the high society

Down, down, down
The high society
Down, down, down
The high society
Down, down, down
The high society
Down, down, down

Alô, alô, marciano
A crise tá virando zona
Cada um por si
Todo mundo na lona
E lá se foi a mordomia
Tem muito rei aí pedindo alforria, porque
Tá cada vez mais down the high society

Down, down, down
The high society
Down, down, down
The high society
Down, down, down
The high society
Down, down, down

Alô, alô, marciano
A coisa tá ficando russa
Muita patrulha, muita bagunça
O muro começou a pichar
Tem sempre um aiatolá pra atola, alá
Tá cada vez mais down the high society

Down, down, down
The high society
Down, down, down
The high society
Down, down, down
The high society
Down, down, down

Alô, alô, marciano
Aqui quem fala é da Terra
Pra variar, estamos em guerra
Você não imagina a loucura
O ser humano tá na maior fissura, porque
Tá cada vez mais down the high society

Down, down, down
The high society
Down, down, down
The high society

Ui, gente fina é outra coisa, entende?
Down, down, down, down
High society
Down, down, down, down, down
High society

Hoje não se fazem mais countries como antigamente, não é?
High society, high society, high society, high society
Down, down, down
High society
Down, down, down, down down
High society

Ai, que chique é o jazz, meu Deus
Down, down, down
High society
Down, down, down
Ah, Deus

Música de agora: Meu Caro Amigo – Chico Buarque

Meu Caro Amigo – Chico Buarque

Meu caro amigo me perdoe, por favor
Se eu não lhe faço uma visita
Mas como agora apareceu um portador
Mando notícias nessa fita
Aqui na terra ‘tão jogando futebol
Tem muito samba, muito choro e rock’n’ roll
Uns dias chove, noutros dias bate sol
Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta
Muita mutreta pra levar a situação
Que a gente vai levando de teimoso e de pirraça
E a gente vai tomando, que também, sem a cachaça
Ninguém segura esse rojão

Meu caro amigo eu não pretendo provocar
Nem atiçar suas saudades
Mas acontece que não posso me furtar
A lhe contar as novidades
Aqui na terra ‘tão jogando futebol
Tem muito samba, muito choro e rock’n’ roll
Uns dias chove, noutros dias bate sol
Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta
É pirueta pra cavar o ganha-pão
Que a gente vai cavando só de birra, só de sarro
E a gente vai fumando que, também, sem um cigarro
Ninguém segura esse rojão

Meu caro amigo eu quis até telefonar
Mas a tarifa não tem graça
Eu ando aflito pra fazer você ficar
A par de tudo que se passa
Aqui na terra ‘tão jogando futebol
Tem muito samba, muito choro e rock’n’ roll
Uns dias chove, noutros dias bate sol
Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta
Muita careta pra engolir a transação
E a gente tá engolindo cada sapo no caminho
E a gente vai se amando que, também, sem um carinho
Ninguém segura esse rojão

Meu caro amigo eu bem queria lhe escrever
Mas o correio andou arisco
Se me permitem, vou tentar lhe remeter
Notícias frescas nesse disco
Aqui na terra ‘tão jogando futebol
Tem muito samba, muito choro e rock’n’ roll
Uns dias chove, noutros dias bate sol
Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta
A Marieta manda um beijo para os seus
Um beijo na família, na Cecília e nas crianças
O Francis aproveita pra também mandar lembranças
A todo pessoal
Adeus

Música de agora: Capitão De Indústria – Os Paralamas do Sucesso

Capitão De Indústria – Os Paralamas do Sucesso

Eu às vezes fico a pensar
Em outra vida ou lugar
Estou cansado demais
Eu não tenho tempo de ter
O tempo livre de ser
De nada ter que fazer
É quando eu me encontro perdido
Nas coisas que eu criei
E eu não sei

Eu não vejo além da fumaça
O amor e as coisas livres, coloridas
Nada poluídas
Ah, Eu acordo prá trabalhar
Eu durmo prá trabalhar
Eu corro prá trabalhar

Eu não tenho tempo de ter
O tempo livre de ser
De nada ter que fazer
Eu não vejo além da fumaça
Que passa e polui o ar
Eu nada sei
Eu nao vejo além disso tudo
O amor e as coisas livres, coloridas
Nada poluídas

Eu acordo prá trabalhar
Eu durmo prá trabalhar
Eu corro prá trabalhar
Eu não tenho tempo de ter
O tempo livre de ser
De nada ter que fazer
É quando eu me encontro perdido
Nas coisas que eu criei
E eu não sei
Eu não vejo além da fumaça
O amor e as coisas livres, coloridas
Nada poluídas
Ah, Eu acordo prá trabalhar
Eu durmo prá trabalhar
Eu corro prá trabalhar