Hoje é o Dia Mundial da Terra (data para reflexão sobre o nosso lar no Universo)

Hoje é o Dia Mundial da Terra. A data foi criada em 1970, pelo senador norte-americano Gaylord Nelson que resolveu realizar um protesto contra a poluição da Terra, depois de verificar as consequências do desastre petrolífero de Santa Barbara, na Califórnia, ocorrido em 1969.

Desde então, no dia 22 de abril, milhões de cidadãos em todo o mundo manifestam o seu compromisso na preservação do ambiente e da sustentabilidade da Terra. Neste dia de cariz educativo escrevem-se frases e poemas sobre a importância do planeta Terra nas escolas, entre outras atividades.

É possível juntar-se a atividades existentes, criar eventos próprios, doar dinheiro, ou tomar simples atos como plantar uma árvore ou separar o lixo, por exemplo. Para o ano de 2017, o tema das atividades é “Instrução ambiental e climática” (Environmental and Climate Literacy).

O Dia Mundial da Terra conta já com mais de mil milhões de atos realizados em prol do ambiente ao longo da história. É o maior dia do ano para o planeta Terra, desejando que todos os habitantes do mundo realizem algum ato que o proteja. Este ato será uma espécie de semente para regar durante o resto do ano.

Nesta data são debatidos temas como aumento da temperatura global da Terra; extinção de espécies animais; aumento do nível dos oceanos; escassez de água potável; maior número de catástrofes naturais, como tempestades, secas e ondas de calor.

Há muitos anos, quando eu era ignorante sobre a importância do assunto, jogava lixo nas florestas, no Rio Amazonas ou em qualquer lugar inapropriado. É essencial que tenhamos sensibilidade, educação e consciência sobre a preservação do nosso lar no Universo. O mundo está morrendo, aos poucos, mas está. E a fragilidade do nosso planeta precisa ser explicada para podermos adiar a extinção dele e, consequentemente, a nossa.

Senhor cure a nossa vida, para que possamos proteger o mundo e não o depredemos, semeando beleza e não poluição e destruição” – Papa Francisco.

Elton Tavares
Fonte: Calendar 

O Bar é uma Antena Social (crônica porreta de Fernando Canto)

Por Fernando Canto
Antigo Bar do Abreu, na Avenida Fab

Cansados estamos de saber que o bar é um espaço democrático, principalmente se é popular, aberto. No entanto é o lugar onde as ideologias emergem até com fundamentalismo. É um mundo em que os fatos ali ocorridos e as histórias contadas também são objetos de exposição de valores, de ocultação de defeitos e de promoção e marketing pessoal, demandados pelas incertezas do futuro, pelo processo político e pelas contingências da história. Logicamente tam

Bar Lennon – Macapá anos 80 – Foto cedida por Edgar Rodrigues

bém é um espaço de festa e de lazer; local onde as emoções se eriçam e se cruzam, onde notícias quentinhas esclarecem novos conhecimentos; amores secretos são aprofundados ou descobertos e por isso geram descontroles emocionais e físicos entre pessoas que até então nunca podíamos pensar tão valentes ou covardes. No bar as emoções se revelam em paradoxos inusitados.

 
Talvez por isso, e nesta crônica despretensiosa, eu possa entrar no mundo do bar para dizer o quanto ele é, também, um gueto disfarçado, às vezes uma roda violenta de preconceitos, que envolve quase todos os integrantes dessas assembleias ocasionais. O bar, antes de ser um balcão onde as pessoas ficam em pé ou sentadas em bancos altos consumindo bebidas alcoólicas, é também uma unidade de medida de pressão, segundo o Aurélio. O interesse pelo bar tem um condicionamento sociológico que vai além da mera vontade de tomar uma cerveja gelada, ou de querer ficar só por alguns momentos, ou mesmo se envolver em assuntos antagônicos aos problemas sentidos para não ter que cair na real. 
bardupedro
O primeiro bar de Macapá – Foto: Elton Tavares

Cada qual sabe a casca que tem para aguentar o que ronda cada cabeça pensante e a sua sentença sarcástica, pois inúmeros são os que ali vão para somente consumir o inconsumível, ou seja, a paz que o outro carrega. Os chatos, de certa forma dão vida ao bar.

A família dos chatos é grande, tradicional, seus membros estão em todas as partes; muitos são perdulários e só demonstram humildade quando perdem tudo no jogo ou quando têm suas contas confiscadas por ordem judicial. Mas esses são os que conseguiram se ascender na escala social à custa do dinheiro público. Mesmo depois que são soltos da cadeia continuam chatos e arrogantes. Existem os chatos desmemoriados: aqueles que contam as mesmas piadas, mas sempre se esquecem dos finais, assim mesmo só eles riem da sua própria graça. Os chatos pedintes são os mais comuns. Revelam-se humílimos, franciscanos ao extremo e matam a mãe para acertar em cheio no alvo da comiser

Bar Xodó – bebi muito aí.

ação alheia. Ao contrário desses existem os chatos barulhentos, que no jogo de futebol, na televisão, gritam tanto que cospem no copo de todo mundo num raio de três metros. E haja perdigoto na cerveja dos torcedores contrários. É claro que se podem identificar muitos desses elementos e até classificá-los, o que para tanto peço ajuda dos companheiros que não se autorrotulam nesse metier. Quem sabe não façamos um tratado sobre esse bloco afamado e muito peculiar, cujos elementos também são conhecidos cientificamente como insetos anopluros da família dos pediculídeos, os famosos Phthirius pubis (L.), que vivem no mundo inteiro sugando as pessoas.

P1000605
Bar Norte das Àguas

Desde muito tempo frequento bares e neles tenho encontrado pessoas de todos os tipos: políticos, beberrões inveterados, jogadores de futebol, profissionais liberais, padres, estudantes, gente de preferências sexuais diversificadas, funcionários públicos, poetas, jornalistas então… No bar há excelentes contadores de piadas e cantadores da noite com suas alegres vaida

Eu, Fernando Bedran e Fernando Canto – Mestres em boemia produtiva (papo bom demais)

des. Mas também há os professores de Deus, que do alto de suas sapiências enojam, mas recebem os olhares irônicos dos mais humildes que acham que eles “só querem ser o que a folhinha não marca”.


O bar pode dar condições para o diagnóstico de uma sociedade. É uma antena extremamente poderosa e propícia para captar preferências individuais e coletivas. Pode ver! Pelo meu lado, faço minhas observações e bebo. E vice-versa. Malograda alguma companhia, só penso no ditado do Paulinho Piloto: “passarinho que acompanha morcego dorme de cabeça pra baixo”. 
 
(Do livro “Adoradores do Sol”, de Fernando Canto. Scortecci, S. Paulo, 2010).

25 anos do lançamento do disco Raimundos (1994 foi um grande ano mesmo) – Por Marcelo Guido

tumblr_ne6ow6gFmV1t4wifqo1_1280

Hoje, 2 de abril, completam exatos 25 anos do lançamento do disco Raimundos (1994). Raimundos foi o disco de estreia do da banda homônima (que fez estrondoso sucesso), lançado em 1994 pelo selo Banguela Records, criado pela banda paulista Titãs em parceria com Carlos Eduardo Miranda.

Apesar do clipe da música “Nega Jurema” ser de produção precária, a pedidos do público, ele participou da escolha da audiência na MTV, para representar o Brasil nos Estados Unidos, que concorreu nada mais, nada menos, com o videoclipe “Territory”, da banda mineira de thrash metal Sepultura (que saiu vencedora).

Para celebrar esse clássico álbum do Rock Nacional, republico o texto do amigo Marcelo Guido.

DiscoNac_Raimundos

Discos que formaram meu caráter (Parte 2) – Raimundos (1994)

Então amiguinhos, estamos aqui de novo para falar de mais uma bela “bolacha”, que com certeza fez muita gente, assim como eu, também botar a cabeça pra balançar, poguear e pirar conforme a música.

O disco em questão trata-se de “Raimundos”, primeiro álbum da banda homônima (qualquer semelhança com Ramones não é mera coincidência) que veio do Distrito Federal dar uma nova cara para o Rock Brazuca, no começo dos já longínquos anos 90.

O momento histórico da música brasileira não era lá aquela maravilha, diga-se de passagem, sertanejo e um tal de “new pagode” tomavam conta de todas as paradas musicais naquela época, realmente era um verdadeiro cenário de terror para os fãs do velho e bom rock and roll.raimundos-1

As bandas nacionais sobreviventes dos anos 80 já se encontravam naquele esquema de “vamos fazer um disco conceitual, e sair em turnê para tocar o que a gente já gravou”, patético. (Menção honrosa para os excelentes “Descobrimento do Brasil de 93 da Legião Urbana e “Titanomaquia” dos Titãs, também do mesmo ano”).

Nesse sombrio cenário vê que aparece do cerrado, quatro moleques que falam palavrão a torto e a direito, trazendo uma energia que faltava para aquele angu enjoativo que se tornou a música brasileira.

imagesProduzido pelo Carlos Miranda e lançado pelo selo “Banguela” dos Titãs, “Raimundos” chegou fácil a 150 mil copias. Além disso, o álbum foi inovador por mostrar para nós o “forrócore”, a mistura do forró tradicional com o hardcore, coisa nunca tentada antes.

Meu primeiro contato com o disco foi através de meu grande amigo, Adriano Bago (que hoje também é um Guarani Kaiowa), que em um esquema “brodagem” me presenteou com uma fita gravada onde se encontrava a balada de duplo sentindo “Selim”.

Quando ouvi aquilo pela primeira vez, pensei: “Que porra é essa???”. Tratava-se de algo inovador, os versos da canção que diziam “Eu queria ser o banquinho da bicicleta pra ficar bem no meio das pernas…” era tão novo que me fazia lembrar que ser o caderninho da menina já estava muito ultrapassado. Aquilo sim era Rock, ou melhor, aquilo eu queria ouvir.

Recheado de palavrões, chegou de dois pés e colocou os caras no cenário nacional que era muito difícil na época, já que não tinha ninguém dançando de shortinho coreografias pré-ensaiadas.

O disco mostrou de cara que a banda tinha muito a dizer, o que se tornaria fato no decorrer da década, “Puteiro em João Pessoa” abre o disco contando logo história de uma transa adolescente (virou quadrinho nas mãos do Angeli), vai para “Palhas do Coqueiro”,”MM`S”, que tem a participação do João Gordo, “Nega Jurema” que vem descendo a ladeira trazendo uma sacola de Maria “Tonteira”, enfim, um discaço.

Antes de tudo, é importante falar que o disco remodelou o cenário musical e influenciou praticamente todas as bandas que se formaram depois na década de 90. Considero “Raimundos “como obra fundamental porque a molecada mandou à merda todos os conceitos reinantes na época, com suas guitarras barulhentas pra caralho (será que posso usar esse termo no site do Elton?), letras sujas e bateria passado por cima de tudo com muito orgulho. Foda-se a surdez (opa de novo).

“Puteiro em João Pessoa, MM`S, Be-a-bá”, “Marujo”, “Selim”, realmente entraram no gosto da garotada que estava na rua nos anos 90.“Raimundos” nos mostrou também, que não era mais legal parecermos ingleses como nos anos 80, que legal mesmo era chamar o Zenilton pra tocar….“Por isso que o Raimundos nunca vai se acabar”.

* Marcelo Guido, é Punk, Pai da Lanna e Bento, Jornalista, Professor e Marido da Bia.

O PROBLEMA QUE QUASE TODO MUNDO TEM COM A MÃE – Por Mariana Distéfano Ribeiro

Participar de uma terapia em grupo, do tipo constelação familiar, renascimento, ou qualquer outra coisa dessas terapias holísticas naturais e não convencionais, é uma experiência que muda a vida de uma pessoa. Acho que porque são terapias que não tratam a mente ou o corpo físico, mas sim, o espírito, o corpo etéreo.

Na terapia de constelação familiar, quase todo mundo tem problemas com a mãe. Alguns são mais tranquilos e outros mais graves, mas é quase todo mundo mesmo. A título de exemplificação: geralmente em um grupo de umas vinte pessoas apenas umas duas não têm embaraços profundos com suas mães. Desses dois, um tem um nozinho de boa, que se cura com uma palavra de perdão ou gratidão. O outro, que é raro, não tem qualquer problema com a mãe.

Às vezes é um imbróglio tão profundo que a pessoa precisa de muita terapia para alcançar a cura. As mães têm um poder espantoso sobre os filhos. Acredito que seja alguma coisa mais profunda do que nossas mentes industriadas possam compreender. É algo que somente a consciência e o espírito conseguem dissecar.

As pessoas têm que parar de endeusar o instituto da maternidade. Existem pessoas ruins no mundo, não existem? Psicopatas sociais, gente manipuladora, mentirosa, invejosa, preconceituosa, dissimulada, sugadora de energia do próximo, gente nociva mesmo. Essas pessoas são seres humanos como qualquer outro e, assim sendo, também se reproduzem e se tornam mães e pais.

Aliás, já assistiu Mindhunter? Aquele seriado da Netflix em que dois investigadores e pesquisadores do FBI entrevistam vários assassinos em série na década de 70, sendo a maioria deles psicopatas. Tem um episódio em que o personagem principal, que o investigador pesquisador, fala: “é sempre a mãe”. Enfim, é muito bom, recomendo.

Voltando ao rumo da prosa, eu falo aqui apenas da mãe porque é estatístico, os terapeutas sempre falam: a mãe geralmente é a figura principal no subconsciente do filho, o pai, por consequência, geralmente é secundário. E, sendo assim, nem vou discutir a figura materna sob o aspecto feminista, porque essa discussão pertence a outras searas – a sociológica, a política, a comportamental, etc.

Uma pessoa má, nociva, que engravida e se torna mãe, vai se transformar numa pessoa boa só porque pariu uma criança? Não né, gente. A maternidade não deve e nem pode ser sinônimo de perdão dos pecados, lavagem da alma e transmutação em ser imaculado. Parece que criticar uma mãe é um tabu, e criticar uma criança também parece ser.

Algumas mães escangalham de tal maneira a vida de um filho que muitas vezes é muito difícil para a pessoa recuperar o poder e o controle sobre sua vida. Mas, ainda assim, em alguns casos, com alguma autorreflexão, meditação e, principalmente, comprometimento, é bem possível sim conseguir curar-se sozinho.

Os terapeutas também falam que se você tem algum problema com sua mãe ou seu pai é melhor resolver logo. Porque as coisas da vida acabam sempre ficando meio atropeladas enquanto não nutrirmos gratidão, amor, perdão e respeito pelos nossos genitores. Afinal, foram eles que nos deram a vida, somos cinquenta por cento um e cinquenta por cento o outro. Mas isso também não quer dizer que você tenha que viver grudado no rabo da saia da sua mãe, né… Aliás, os terapeutas também falam que, geralmente, é melhor viver longe mesmo.

A gratidão é um dos sentimentos mais poderosos que existe. Falo da gratidão pura, sem expectativa nem contrapartida. Depois que a gente nutre gratidão o amor vem naturalmente e sempre substitui o ódio, o rancor e dá lugar ao perdão.

Então amig@, se existe alguma coisa que te incomoda com relação a seus pais, ou seus filhos, ou seus irmãos, ou a qualquer pessoa, é bom parar, refletir, meditar e fazer brotar a gratidão de dentro para fora, naturalmente e sem forçar a barra. Mesmo que demore alguns vários anos, um dia vai acontecer e aquele sentimento ruim que sempre fez parte de você vai sumir e você vai sentir um alívio imenso.

Vai por mim. O que você tem a perder ao desenvolver perdão e gratidão? Orgulho talvez? Ah, mas esse já não vale muita coisa mesmo. Larga mão, se desprenda e deixa fluir.

*Além de feminista com orgulho, Mariana Distéfano Ribeiro é bacharel em Direito, servidora do Ministério Público do Amapá e adora tudo e todos que carreguem consigo o brilho de uma vibe positiva.

Nas redes sociais do Amapá: “Não, mais firme logo”: com bordão, jovem faz sucesso em comerciais na web

Bruno Cézar de Souza Brito conta que empatia por mensagem positiva foi maior que preconceito

Por Rodrigo Indinho

Após sofrer preconceito por sua forma de agir, falar e se vestir, o jovem amapaense Bruno Cézar de Souza Brito, ou “Bruninho RD”, de 20 anos, está fazendo sucesso nas redes sociais invadindo o competitivo mercado da publicidade, com um bordão muito popular no Amapá: “Não, mais firme logo!!!”.

De origem humilde, Bruninho mora junto com os pais, a avó e outros familiares no Bairro Açaí, na zona norte de Macapá. O estudante do ensino médio conta que a ideia do primeiro vídeo veio através da intenção de fazer um convite de forma diferente para um evento em uma casa de shows. Ele diz que tomou um susto com a proporção que o registro obteve. Veja vídeo:

“Gravei esse vídeo na sexta-feira, quando acordei, no sábado, meu celular estava cheio de notificações e vi que tinha viralizado e estava sendo o maior sucesso. As pessoas marcavam amigos, parentes, namorada e todo mundo, então decidi continuar fazendo vídeos. ‘Não mais firme logo’ quer dizer legal, bacana, massa, da hora, com certeza e várias outras coisas”, comentou Bruninho.

Os vídeos de Bruninho com o famoso bordão já foram vistos por milhares de pessoas e o rapaz se tornou sucesso na web. O jovem já gravou diversos comerciais e virou garoto-propaganda de várias empresas. Com o sucesso, vieram também as críticas, e o pior, o preconceito.

Bruno Cézar de Souza Brito, o “Bruninho RD”: sucesso com bordão que tem mensagem positiva Fotos: Rodrigo Indinho

“Gravei um comercial para uma famosa casa noturna de Macapá, e um rapaz comentou que não iria mas frequentar o local porque como eu tinha gravado a chamada só participaria da festa gente de baixo nível, assim como eu. Aquilo me doeu muito e pensei em desistir”, lembra.

“Mas as pessoas me abraçaram, foram solidárias na web, os ingressos esgotaram e a festa bombou. Minha agenda aumentou e decidi nem ligar para esses comentários maldosos e seguir minha vida alegrando as pessoas com meus vídeos”, acrescentou.

Mensagem virou arte de camisetas, bonés e brindes

Atualmente, Bruno é agenciado por uma empresa de marketing e gravou mais de 12 comerciais em apenas cinco dias. Ele conta o que espera para seu futuro.

“A vida não é fácil, então pretendo me formar em educação física e continuar trabalhando para poder ajudar minha avó e minha família. Queria também deixa um recado para as pessoas, para que elas não julguem os outros sem saber da história ou conhecer melhor. Todos nós temos sentimentos.

Ei, o Rock não para, só muda de lugar. Não, mais firme logo”, finalizou Bruninho.

O bordão chegou a países da Europa e América do Sul, onde pessoas gravaram vídeos e divulgaram. O sucesso fez com que camisas, bonés, copos e outros produtos fossem comercializados.

Jovem diz que pessoas não podem julgar pela aparência

Para encontrar o artista, as pessoas podem entrar em contato pelo (96) 98119-4089 ou acessar a página dele no Facebook. Lá, ele se apresenta como “Bruninho rock doido mais firme logo”.

Fonte: SelesNafes.Com

Quem suporta o porte? – Por Patrícia Andrade

No restaurante da rua de trás de casa, o marido da dona conversava com um cliente. O assunto, a liberação do porte de arma ao cidadão comum.

Os dois são a favor. Mas só para o cidadão de bem. Aquele que já tiver assaltado, não pode. O que tiver ameaçado alguém de morte também não pode. Ah, o cara que matou alguém, esse é que não pode, mesmo! Mas quem fizer treinamento, pode. O que bate na mulher, pode? Nenhum dos dois sabe.

Durante a conversa, foram citando nomes de pessoas do círculo comum de amizade e – triste constatação – nenhuma das pessoas citadas pode ter o porte de arma; Fulano porque é muito nervoso, Sicrano porque quando bebe fica violento demais e o Beltrano – ih, esse é brigão mesmo – se ele tivesse uma arma, já tinha matado o vizinho, a sogra, o lixeiro e aquele cachorrinho que não para de latir.

Nem eles mesmos poderiam ter o porte, já que são torcedores fanáticos (um do Vasco e o outro do Flamengo) e correm o risco de atirar um no outro por ocasião de uma pelada qualquer – inclusive a vizinha da esquina, que anda dando umas olhadelas insinuantes para ambos.

Aí, eu me pergunto: quem suporta o porte?

Patrícia Andrade – Poetisa, militante cultural e amante da paz (e da vida)

A falta que o Projeto Botequim faz nas terças-feiras de Macapá – Republicado por motivos de terça-feira

Foto: Amapá da Minha Terra

Hoje é terça-feira e por mais de 20 anos, nas terças, o macapaense tinha uma opção cultural: o Projeto Botequim. Realizado de 1994 a 2016 pelo Serviço Social do Comercio (SESC – AP), por mais de 20 anos a iniciativa fez a alegria dos amantes da música na capital amapaense.

Dos anos 90 até a primeira metade da década seguinte, o projeto rolou no Sesc Araxá e posteriormente, o Botequim migrou para o Sesc centro. Há uns dois anos, nós, notívagos de Macapá que adoramos boas canções, arte e cultura, ficamos órfãos dessa opção, extinta pela atual administração do Sesc.

Conversei com músicos, frequentadores e servidores do Sesc, eles disseram que o Projeto não dava prejuízo e nem lucro. Então por qual motivo o Serviço “SOCIAL” do Comércio acaba com um bem tão importante para o comerciário e para a sociedade como um todo como o Projeto Botequim? Perguntei a eles e responderam:

“O Sesc promove exposições, festivais, saraus sobre tema populares às nossas múltiplas culturas, realidades e sociedades. Na área musical realiza eventos para levar ao público instrumentos e ritmos que traduzem um universo rico e genuíno. No Estado do Amapá, gerou o Projeto Botequim, que ofertou por mais de 20 anos oportunidades aos artistas locais um palco para expor sua arte e a população à oportunidade gratuita de apreciação da melhor produção cultural musical tucuju.

Em 2017, infelizmente, o Botequim ainda não teve continuidade, visto que aguarda aprovação do Departamento Nacional com o custeio e apoio financeiro para subsidiar o referido projeto. O Regional Sesc Amapá continua com o compromisso na difusão da cultura, principalmente na modalidade de música, através dos demais projetos: Sesc Canta, Sonora Brasil, Sesc Partituras, Aldeia de Artes Sesc, Amazônia das Artes e Saraus para as todas as tribos (Em 2019 idem!).  

O regional Sesc Amapá, principal agente a querer o retorno do projeto, segue trabalhando para voltar a celebrar a cultura amapaense por meio de tão bonito e importante projeto”.

Bom, é verdade que o Sesc segue no trabalho cultural descrito aí em cima, mas será que precisava mesmo extinguir o Projeto Botequim? Será que um espaço tão importante para jovens talentos amapaenses, com uma nova programação realizada semanalmente, precisava deixar de acontecer? Tinha que cortar na carne logo essa iniciativa essencial para a inclusão de novos músicos, que agora não possuem um evento tão necessário. Ali sempre foi sucesso de público e crítica. Sim, pois o Botequim vivia lotado.

Era sempre assim, de 20h à meia-noite das terças-feiras, sabíamos para onde  ir. A gente amava o Projeto!

E assim como o Botequim, as boas práticas de Macapá parecem ter um prazo de validade. Os bares com o modelo violão e voz já são escassos nestes tempos.

Espero realmente que o Sesc volte com o Projeto Botequim nas terças -feiras e que o órgão volte a ser um agente de democratização do acesso à cultura semanal. Não se trata somente de entretenimento e diversão com educação, mas a promoção de cultura com qualidade como sempre foi e não deveria acabado.

Eu sempre divulgava e ia ao Sesc nas noites de terça desde 1994. Fica a nossa crítica e apelo para que o Projeto Botequim seja retomado o quanto antes. E fim de papo.

Elton Tavares

*Texto de 2017. Republicado por hoje ser terça-feira.

A APROPRIAÇÃO SOCIAL DAS CORES – Por Fernando Canto

Por Fernando Canto – Sociólogo

Não é de agora que as cores determinam gostos, tendências e paixões. Muito menos ideologias políticas. Quando existiam. A simples pigmentação que os nossos olhos vêem na natureza, o que para os físicos designa uma luz ou a radiação de certo comprimento de onda, pode se transformar num insulto ou até mesmo em objeto de cobrança do dia-a-dia.

No contexto social há uma apropriação simbólica veemente das cores. Apropriação essa que ultrapassa a coerência, mormente em períodos de campanhas eleitorais, quando se exacerba o desfraldar das bandeiras e se acirram apaixonadamente os interesses em busca de vitórias políticas. Cores que se identificam com a personalidade de indivíduos nem sempre se adequam à personalidade do grupo, o qual invariavelmente dita as normas para se caracterizar. Apesar de impalpável a cor transfixa-se em objeto, e como tal tem o profundo poder de mexer no psicológico das pessoas e de transformá-las em reprodutoras do seu significado. Torna-se, então, símbolo identitário de uma causa, sinal de algo que se instaura, signo expressivo sob a luz. E por estar em toda parte constitui-se inequivocadamente símbolo, capaz de suscitar movimento expresso em cada alma que busca razões de estar neste universo.

Não é à toa que as cores de uma paisagem falam uma linguagem capaz de ser entendida pelos poetas e artistas, os quais pressentem a presença de entidades e gênios e sabem o significado do mundo visto por eles. As cores representam uma espécie de milagre permanente de energia. E mais além encantam os olhos de cientistas por se apresentarem como enigma a ser decifrado. Desde a criação alegórica do mundo quando Deus disse “faça-se a luz” as cores explodiram no cosmo para dar ao homem que viria razões para pensar no seu processo de criação e fazer nascer a cultura, em oposição à natureza.

As sete cores que enxergamos no espectro solar: vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil e violeta são apenas produtos de visão arbitrária, considerando que o olho humano é capaz de distinguir cerca de 700 tonalidades de cores diferentes. Todas elas estão carregadas de valores simbólicos que dificilmente alguém pode apartar. O vermelho, por exemplo, cor quente, associada ao planeta marte (deus da guerra), também tem relação mística com metal (ferro), com pedra preciosa (rubi ou sardônica) e com um dia da semana (terça-feira). Também é considerada a cor do fogo e do sangue. É a cor do amor, do orgulho, da violência, da virilidade masculina e da divindade. Por vezes representa o sol, que enquanto fogo celeste, é mais vermelho que amarelo. São aspectos da apropriação que o homem realizou desde os primórdios nas suas lutas para marcar seu território e conquistar outros. Assim cores são bandeiras e estas têm cores representativas de uma ideia ou de uma ação, que no decorrer dos tempos mudam de significado.

Lembro aqui que a cor representativa de um grupo, de um partido ou de uma causa pode incutir medo ou reações mais absurdas de servilismo ou de conduta desvairada em seus seguidores. Quem não se recorda de um período recente da vida local em que o tradicional Colégio Amapaense foi pintado de um amarelo tão feio que causava dor na retina de qualquer cidadão? Ou de quando as escolas públicas, em época não muito distante, eram de um azul escuro tão forte que tinha até nome e provocava raiva? Um certo movimento abarcou logo – democraticamente – o arco-íris todo.

Creio que por um lado essa apropriação demonstra os progressos e as mutações do homem na sociedade. O homem que vence suas paixões e desejos e eleva sua consciência procurando novos rumos em direção à luz. Por outro lado, porém, esse mesmo homem, ao empatar a luz com sua mesquinhez e loucura, ou mesmo ao se impor como dono de certa cor, decerto tornará o mundo mais obscuro e mais triste.

Refeições em Família – Crônica porreta de Fernando Canto

  1. mtmacarrao63

Crônica de Fernando Canto

A gente fica meio besta ao tentar compreender a rapidez das mudanças comportamentais que ocorrem com a família da gente e dos amigos, por conta da forma como cada uma encara os fatos. Mas longe de mim tentar impor costumes não mais existentes ou querer mudar o rumo de coisas que necessariamente acontecem devido ao horário de trabalho, academia, escola e outros afazeres individuais. Comportamento novo, modo de vida, forma ligth de viver, liberdade total, seja o que for são conceitos que abrem caminhos diferentes e esboçam desenhos de um novo quadro de qualidade de vida por conta de valores individuais que prevalecem sobre os valores grupais.

cronica-vsp-0Só um dia destes me dei conta que almoçava só, sem companhia, sem conversa. O horário de trabalho era incompatível com o horário e a fome de todos os outros integrantes da casa. Meio chateado reclamei, mesmo sabendo que o quadro iria se repetir, porque a família nuclear hoje está tendendo mais para uma instituição fissurada, onde fatores espontâneos ou provocados liberam outras energias e a atomizam. A esses fatores dá-se o nome de estabili36946_53034-controlar-o-computador-pelo-celular-150x150dade na modernidade, na qual o dinheiro pode comprar toda uma parafernália eletrônica, quer queira quer não, nas melhores famílias, promovem até certo ponto essa atomização e a individualidade compulsória de seus membros. Apesar de todos os esforços dos pais (Conversei com vários deles.), à medida que a família cresce, dentro de cada casa, cada quarto de filho ou filha, com seus devedês, televisor, computador, games e internet, torna-se “território proibido” para os pais. Vira núcleo de acesso apenas para a empregada fazer limpeza e para os amigos(as) ou namorados(as). É uma suíte de um hotel confortável e reduto do(a) guerreiro(a).

1 a 1 a a a a vo jantarLembro quando almoçar com a família tinha horário marcado. O pai, e/ou a mãe, chegavam do trabalho, obrigavam todos a lavarem as mãos, faziam sua prece de agradecimento e só depois que o chefe se servia é que outros podiam comer. Até hoje as mães dão os melhores pedaços da galinha aos filhos. Só mais tarde é que fui descobrir porque elas “gostam” tanto do pescoço, do sobre e das asas. Depois do almoço a sesta do chefe era sagrada. Havia de descansar para voltar ao trabalho da tarde, em busca do sustento da família.

fam.tv_.50sCom o advento da televisão, as famílias que conseguiam comprar um aparelho se reuniam ao redor daquela luz azulada, na sala cheia de parentes e vizinhos, após o jantar espremido entre e o banho e a hora da novela. Esse encanto só se repetiria com a aquisição de um televisor a cores. Certa vez a luz apagou, foi embora e foi geral. Um silêncio total chegou com a escuridão na sala, até que alguém perguntou onde havia uma caixa de fósforos para acender uma vela. Ninguém mais sabia conversar, a não ser sobre a ansiedade da chegada da energia e com impropérios normais à companhia de eletricidade. Mas lembro que lá fora a lua macapaense, patrimônio dos olhos, brilhava, brilhava, e um satélite cruzava o céu do equador sobre a cidade às escuras.meteorwatch

O mundo gira no espaço, e nós como os satélites ao redor dele, às vezes brilhantes, às vezes precisando de conserto, mas sempre transmitindo mensagens e informações seguras aos filhos, tentando preservar alguns valores familiares. Quando a família está “brocada” e decide que não quer jantar, pede uma pizza gigante para comer diante da telinha do big brother, regada à maionese e ketchup. Depois vem a “facada”: – Empresta a chave e uma grana aí, velho! Mas isso não é nenhuma novidade. Só nova forma de repetir o que a maioria de nós já fez. O tempora! O mores!

O amor que nasce na chuteira (Valeu, Brasil!) – Por Jaci Rocha

Na torcida são milhões de treinadores, cada um já escalou a seleção…

São donas de casa, médicos, engenheiros, garis, de esquina, advogadas, lojistas, juízes. Gente da economia pública e privada, gente que não quer saber de economia ou política, outros que querem muito. Os que gostam e os que não gostam do país do Futebol. A rua mais movimentada do país pára na hora do jogo. A 25 de Março, em dia de copa, parece com uma das ruas de terra batida do menor bairro de nossa pequena capital, Macapá.

A hora do jogo é um instante mágico. Há um silêncio e uma fé que paira pelo ar, uma mística que envolve o sentimento profundo de ser brasileiro e de estar no aprendizado do que é ser Brasil, já que até aqui, a gente demorou a perceber que não haviam nos ensinado o certo sobre o que é ser um país. Se tudo o mais sobre ser brasileiro ainda é descoberta, certo é que a gente sabe bem o que é ser uma Nação quando aquela bola rola no campo: É um silêncio e uma fé que paira pelo ar, uma mística que envolve o sentimento profundo de ser brasileiro…

“O verde e o amarelo são as cores que a gente pinta no coração”.

A camisa verde e amarela vira febre nacional. No avesso de outras Nações, que usam o aspecto simbólico de suas bandeiras cotidianamente, desde acessórios de cozinha a artigos da moda, nós, aprendemos a usar a amarelinha para ouvir: “Gooolllll…éé…é do Brasil”. Nessa hora, poucos de nós se destacam por outra vestimenta. É uma profusão de verde,amarelo,azul e branco, as lindas cores que demonstram nossas múltiplas formas de riqueza, entre elas, a grande mania de Marias e Josés, a ‘de ter fé na vida’. Quem não entende esse sentimento, talvez entenda pouco do tanto que a gente tem para aprender sobre amor com o futebol.

“O toque de bola é nossa escola, nossa maior tradição…”

E como é bom poder dizer: “Nossa tradição”. É que, às vezes, ainda não sabemos como lidar com nossa profunda e complexa multiculturalidade e reconhecer que temos muitas tradições dentro desse ser simbólico que é ser ‘brasileiro’. Mas a gente sabe que quando toca a bola, é de Brasil para Brasil, par a par, em um mesmo objetivo. E como nos falta ter objetivo.Ah! O futebol…

Aos que não celebram a Copa do Mundo e nossa expectativa de ser Rei no Futebol, deixo o meu recado: A gente celebra o futebol. Se alegra com o Carnaval. Reverencia o divino enquanto dança Marabaixo. E a gente torce. E como torce! Para que, ao invés de não celebrar o futebol, a gente se apaixone tanto pelo país, a ponto de transformar esse cotidiano, de olhar e imaginar que, assim como o Hexa, temos também o objetivo de promover um país melhor para as Marias e Josés que, de quatro em quatro anos, sentam à frente da televisão e escalam a seleção, com a esperança verde e amarela tintilando nas entranhas.

É, a gente gosta de Futebol. E queremos sim despertar para ser mais do que isso. Como já disse a velha canção da propaganda : “ O Brasil é um país menino, só ta começando. Diante das Nações que têm milênios nós só temos…500 anos…bota esse menino na escola, cuida da saúde do menino e o menino vai mudar a sua história, vai conquistar esse mundo, vai ser um lindo menino”.

Enquanto isso, a gente amarra mesmo ‘o amor na chuteira’ e espera o HEXA, daqui a quatro anos. É que, como todo menino, o nosso menino também quer ser o primeiro, o Brasil é o país – REI – do Futebol. E afinal, com a licença poética de terminar cantando, aí vamos…“Todo menino é um Rei, Eu também já fui Rei…mas quá, despertei”.

Viva o país do Futebol, que jogou demais e saiu de campo com a marca do talento.

Jaci Rocha

De Super-Homem a Asterix, minhas HQ favoritas – Crônica porreta de Fernando Canto

Crônica de Fernando Canto

Quando leio uma revista em quadrinhos hoje é natural que as lembranças povoem repentinamente na minha cabeça, tão importantes o foram como instrumento de aprendizado, num tempo em que não havia grandes obras para serem lidas, a não ser na Biblioteca Pública, um lugar obscuro e quase inacessível para alunos adolescentes como eu que não tinham a orientação dos professores para essa atividade. Na época tudo parecia se resumir no aprendizado de sala de aula.

Lembro que as portas dos cines Macapá e João XXIII ficavam cheias de jovens com revistas debaixo do braço nas tardes e noites de domingo. Estavam ali para trocarem suas revistas já lidas, por outras não lidas, ou preferencialmente por novas. Era uma prática saudável num tempo sem televisão quando a cultura visual estava mais direcionada para o cinema, com seus filmes e seriados, e para os quadrinhos. Era tempo do Território Federal governado por militares. Todos viviam sob uma ditadura severa que se estendia aos seus prepostos: diretores, professores e inspetores das escolas. Os quadrinhos nem sempre eram vistos como instrumentos educativos. Frequentemente os pais eram chamados pelos mestres quando um aluno era flagrado com alguma revista “imprópria”, tipo quadrinhos eróticos. O resultado era uma suspensão na escola e em casa sempre uma repreensão ou surra de galho de cuia no moleque aluado.

Romantismo ou saudosismo, a leitura dos quadrinhos possibilitava viajar com os heróis na luta contra o mal e dava para imaginar que um dia derrotaríamos o inspetor, o professor e o diretor que nos controlavam e eram nossos “inimigos mortais”, nessa ordem.

Batman e Robin, Super-homem, Zorro, Jim das Selvas, Tarzan, Congo Bill, Tex, Búfalo Bill, Príncipe Valente e tantos outros, descortinavam novos horizontes naquela garotada ávida por conhecimento e que esperava dias melhores para as suas vidas. As revistas traziam propaganda de pé de página, anúncios de cursos por correspondência, como o de madureza ginasial (um tipo de curso supletivo), o de detetive profissional, de rádio e eletrônica, etc. É inesquecível o anúncio de um tipo de brilhantina: “Dura lex sed lex, no cabelo só gumex – fixa e dá brilho aos cabelos”.

Mas a gente lia de tudo, inclusive as histórias dos personagens de Walt Disney e de Maurício de Souza, que chegavam recentemente naquele restrito mercado que se resumia nas livrarias Zola, de Francisco (…) e Martins, de (…) Martins, onde também se podia comprar livrinhos de literatura de cordel, como as aventuras de Pedro Malazarte e de Bocage, entre outros.

Anos depois, já na Universidade, pude defrontar com personagens mais sofisticados dos HQ, como os famosos (…) japoneses, os coloridos e novos super-heróis, tais como o Hulk, o Surfista Prateado e o Quarteto Fantástico. Nessa ocasião conheci as aventuras de Asterix, o Gaulês, dos franceses Gosciny e Uderzo. Pirei. Fiz coleção, mandei encadernar e releio sempre. Os personagens dessas histórias são os habitantes de uma aldeia que detém o poder de uma poção mágica usada para derrotar os romanos em situações e aventuras muito loucas.

Há alguns anos ganhei de um filho um presentão: uma edição comemorativa dos 80 anos do velho Uderzo, com histórias desenhadas por famosos artistas das HQ da Europa, nas quais seus personagens encarnam os heróis Asterix e Obelix e sua aldeia irredutível na Gália de 50 anos A.C. Um primor de desenhos de discípulos agradecidos.

Agora só me resta reler o livro comemorativo e esperar que “o céu não caia na minha cabeça”, como dizem os personagens dessas belas e engraçadas histórias.

17 anos do gol do Petkovic (minha crônica sobre um dos momentos mais felizes da vida de todos os flamenguistas)

10177972_10152217444379541_8421161337263129735_n

Em 27 de maio de 2001, há exatos 17 anos, um gol inesquecível. Eu estava no antigo apartamento do Adriano e Silvana, meus primopet_tri_v2s. Assistíamos a final do Campeonato Carioca de Futebol daquele ano, juntamente com o amigo Aílton. Aquele dia tem um valor especial na vida dos milhões de flamenguistas no mundo.

O Vasco tinha ganhado o primeiro jogo por 2×1, o Flamengo precisaria vencer por dois gols de diferença para leva o título da competição.

Edílson abriu o placar pro nosso time e Juninho Paulista empatou pro Vasco. Acabou o primeiro tempo. Na segunda etapa da partida, o “Capetinha” meteu mais um. Mas o Mengão ainda estava em desvantagem, pois precisava vencer pela diferença de dois gols.petkovic-flamengo-comemora-titulo-450-071209

A torcida do Vasco já comemorava nas arquibancadas. Já eram 43 minutos do segundo tempo. Aí Edílson sofreu falta na intermediária, só que o gol de Hélton não tava tão perto. Petkovic arrumou a bola, deu três passos para trás e respirou fundo.

Bateu forte, colocado e com a precisão cirúrgica que lhe era peculiar. A batida foi perfeita. A bola pchamada_petkovic_60egou efeito e saiu do alcance do goleiro Helton. Aliás, o goleiro bem que tentou, saltou alto e se esticou todo, mas a defesa não foi possível. Nem dois goleiros ali embaixo daquela trave evitariam o gol quase sobrenatural. Foi lá onde “a coruja dorme”, no canto superior esquerdo da rede. Naquele momento, vibrei, quase choro, ri e me senti o cara mais feliz do mundo. Coisa de quem ama o futebol, sobretudo, o Flamengo.

Épico e eternamente na memória e coração dos torcedores dos rubro-negros, 3 a 1, porra! Era o tricampeonato carioca ao Rubro-Ne1520044_x240gro. A gente correu pra Praça Zagury, agora Beira-Rio, bebemos logo pelos três títulos consecutivos. Naquela noite, vi um amigo virar a casaca, tirou a camisa vascaína e vestiu o manto sagrado Rubro-Negro. Ele, o Frank Bitencourt, disse que tinha cansado de sofrer. Até hoje é possível vê-lo em algum bar durante as transmissões dos jogos do Flamengo.OgAAABMQI6L-r-54uHph3Y6iMVW-BZchGbJrjteZx-CQ5HeEzbQhvfD42MAPy69bid-d2B_Uf1aMsnB95r1mNMU6O1cAm1T1UAyP1XHDZ1Eq5sjsJoZxufjFdQFX

Há alguns anos, Petkovic foi convidado pelo Globo Esporte para bater a falta novamente, do mesmo local. Adivinhem? O sérvio colocou a bola do mesmo jeito, no mesmo lugar. Ah, gringo foda da porra! Não à toa, é um dos maiores ídolos da era atual do Flamengo. Uma lenda viva, já que se tornou o jogador estrangeiro mais decisivo da história do clube e talvez até do futebol nacional.

golpetkovic_oglobo62Desde então, já se passaram 17 anos. Assim como a vida, o futebol é feito de ciclos. Mas é sempre bom lembrar dos momentos felizes e foi o que ocorreu.

“Nóis” é Mengão até depois de morrer e hoje ele é líder do Brasileirão 2018!

Ao Petkovic, autor daquela obra-prima que ficará marcada para sempre na minha memória e coração, nossos milhões de obrigados!

Elton Tavares

OS VELHOS E “O VELHO”, DE RUI GUILHERME – Crônica de Fernando Canto

Por Fernando Canto

O livro “O Velho” (Scortecci. S. Paulo, 2009), de Rui Guilherme, traz à tona um problema que atinge alguns milhões de brasileiros, com suas mazelas pessoais e o drama do abandono, no conto que dá título à obra.

O autor toca num ponto crucial ao falar das doenças da velhice e dos episódios de saudade que o principal personagem sofre no contexto ficcional, desenvolvido em flash back. Aliás, o verbo lembrar, recorrente no texto, demonstra sempre situações de relações sociais “do tempo do velho”, como os divertimentos e lazeres e formas meio puritanas de falar: um certo estado de pureza, mormente quando a paixão retraída fazia do velho “um menino com um coração de poeta”, diz o autor.

A trágica situação psicológica vivida pelo personagem, como veremos adiante, remete à situação de que o mundo está envelhecendo rapidamente devido a diversos fatores. Dados do IBGE (PNAD:2003) demonstraram que a população brasileira, a partir de 60 anos ou mais representava 9,6% da população total. As projeções demográficas para 2020 sugerem que o Brasil terá 32 milhões de idosos, ou seja, 15% de seu contingente. Com isso, atualmente se desenvolvem inúmeros processos que fazem da velhice um quadro estonteante.

A mídia, por exemplo, lança o estereótipo de que o idoso é um sujeito emancipado e com o espírito jovem. Daí o cuidado com o corpo se torna a principal preocupação dos indivíduos, que por isso vão buscar uma “aparência mais aceitável”. Assim, se concebe a ideia de que a velhice não é mais uma condição física, biológica e psicológica, mas uma questão de escolha, coisa que pode ser evitada a todo custo.

Para Santos, Moreira e Moreira (Unisuam:2008) a nova relação com o corpo propicia uma nova significação com o envelhecimento e, consequentemente, com a longevidade. Há, segundo esses autores, um intenso movimento de “retorno à jovialidade”, que assume um papel central nessa nova identificação para o idoso. Esses “jovens velhos” ganham perante a sociedade uma nova representação que difere explicitamente daquela elaborada em décadas anteriores.

Não é o caso do personagem do conto de Rui Guilherme que, aborrecido com o mundo, joga os exames geriátricos no lixo e quebra o cartão do plano de saúde. A realidade, hoje, é que os consultórios médicos do mundo inteiro estão repletos de idosos que procuram não só a medicina terapêutica, mas também soluções estéticas. É crescente o número de idosos que se submetem às cirurgias plásticas guindados pela mídia. Ela reforça o comportamento dos idosos ao relacionar beleza, juventude e vigor. E o capitalismo tomou essa parcela da população como um forte mercado consumidor, cuja demanda por produtos estéticos, sexuais e por novas maneiras de prolongar a vida é cada vez maior.

O velho, simples em seus hábitos, convivia com fantasmas. Desprezava os sonhos míticos da humanidade tais como a imortalidade e a eterna juventude, ao passo que os idosos atuais vivem num período em que a expectativa de vida cresceu e que a longevidade está relacionada a condições de vida saudáveis, como as práticas de esporte, alimentação saudável, e de novas formas de lazer e entretenimento.

“O Velho”, de Rui Guilherme, talvez retrate uma faixa de pessoas que certamente abandonaram suas famílias, em vez de serem abandonadas por ela. É a história de um aposentado que queria a morte, pois achava que não valia mais a pena viver. É uma história do ponto de vista psicológico um tanto cruel, centrada num episódio fisiológico, traumático para o velho, que pode acontecer com qualquer um. Fato real, mas trágico. Daí a sacada do autor para enfatizar o aspecto mnemônico do personagem e com isso chamar a atenção para o tema da velhice.

Quase coloquial devido às falas e diálogos dos personagens, o texto é permeado por uma narrativa densa e rebuscada, mas que se comunica com o leitor e o leva a procurar saber o desfecho do drama. Os outros contos, tangentes à vida e aos sonhos do autor, também refletem/refratam as (des)memórias do cotidiano e as (i)realidades (im)possíveis. Leia. Faz bem. Você vai gostar.