Feliz Natal, queridos leitores!

Como já disse aqui, por várias vezes, não sou lá muito religioso. O Natal é uma festa cristã. Particularmente, prefiro as profanas, como o carnaval. Porém, numa época dessas, em que todos estão extremamente legais, desejam tudo de melhor para todos e o velho blá, blá, blá, vale a pena festejar o aniversário de Jesus Cristo, pois o cara fez uma presença e tanto para a humanidade.

Brincadeiras a parte, desejo que o espírito de Natal ilumine a minha família e amigos, além dos familiares de todos que gosto (o natal não me torna hipócrita, pois não desejo o mal dos desafetos, mas também dar votos de fim de ano é uma mentira cínica). E também para os cidadãos que praticam o bem e aos desamparados.

Agradeço a Deus pela minha saúde e a saúde dos que me são caros. Pela minha família, por trabalhar na área que escolhi e ser recompensado por isso, pelos verdadeiros amigos (que sei bem quem são) e pela ótima vida que tenho. É, não tenho pedidos, mas somente agradecimentos neste natal.

Que Deus (ou seja lá qual o nome do manda chuva do Universo) abençoe a todos que amo. Enfim, que ELE continue a nos proteger, guiar e iluminar.

Que nesta data não falte música boa, comida gostosa, abraços, risadas e principalmente pessoas queridas, mas que também seja de reflexão sobre a mensagem de Cristo.

Desejo a vocês, queridos leitores deste site, amigos, familiares e críticos, AMOR, ESPERANÇA, RENOVAÇÃO, PAZ, UNIÃO, FRATERNIDADE, SOLIDARIEDADE e FÉ. Feliz Natal para todos. Obrigado pela atenção.

Bendita seja a data que une todo mundo em uma conspiração de amor” (Hamilton Wright Mabi).

Elton Tavares

O princípio da continuidade no serviço público e o umbigo – Por @maiarapires

cartoons_82_de-quem-e-o-mandato-1

Por Maiara Pires

Em época de transição de mandato, o que não faltam são orientações dos órgãos de controle como o Tribunal de Contas, sobre os procedimentos administrativos de um gestor público. Os conselheiros dos TCEs tentam de várias formas colocar na cabeça dos novos mandatários os princípios constitucionais da administração pública, entre eles, o da Continuidade do Serviço Público. Tudo para não prejudicar o atendimento à população.

Mas, tá pra nascer um indivíduo que não seja do mesmo partido ou aliado, ‘pegar o bonde andando’ e continuar o percurso do roteiro inicial… Nunca no Brasil que ele faz isso. Quando este um não para o serviço, ele ‘reformula’ a ação e só muda de nome pra ficar com a ‘cara dele’. E haja auditoria nas licitações e contratos com fornecedores até conseguir romper com todos eles pra colocar os “seus”.

Agora, quando o cidadão é do mesmo partido ou da mesma base aliada, o que não deve faltar na mesa de trabalho e em casa é óleo de peroba pra passar na senhora sua cara de pau, pra dizer pra deus e o mundo que tudo está legal e que “vamos continuar com o que está dando certo”.

Onde é que está o problema em continuar com um serviço que está dando resultado para a população? Já sei. O problema está em reconhecer o bom trabalho realizado em alguma área. Perguntar não ofende: qual foi a parte que Vossa Excelência não entendeu que SERVIÇO PÚBLICO significa SERVIR O PÚBLICO ou SERVIR A POPULAÇÃO e, que, o (a) senhor (a) foi eleito (a) pra prestar um bom serviço para o contribuinte? Hein?!

Mandato eletivo não é disputa de ego não. A função de Vossa Excelência é executar ações que melhorem a qualidade de vida em sociedade, não é deixar um legado para o (a) senhor (a) deixar o seu nome escrito nos anais da vida pública. Porque, infelizmente, é isso que o que a maioria dos mandatários faz. Eles querem ser ovacionados. Ao invés de servir, eles querem ser servidos. E o jogo de vaidade vai ganhando corpo no “eu fiz isso”, “eu fiz aquilo”. Deixa só eu lhe lembrar de uma coisinha: não faz mais do que obrigação.

Não faça nada buscando reconhecimento de ninguém. Trabalhe com a sua consciência tranquila e em paz, que é mais negócio. Faça o que tem que ser feito sem se importar com o adversário porque é ao povo que o (a) senhor (a) deve satisfação. E se o povo não reconhecer o seu trabalho, fica triste não. É melhor estar em paz do que estar certo. Não se bata.

De Rocha completa sete anos no ar

14956494_1376201392432888_9085369111929143051_n

Parece que foi ontem, mas já faz sete anos. O ano de 2009 foi bem legal, mas as duas coisas que mais gostei nele foram o show do Radiohead e a criação do blog De Rocha.

Incentivado por uma ex-namorada (por sinal muito gente boa, como a maioria das minhas ex-namoradas), comecei escrever na página virtual. Foi no dia 15 de novembro, há exatos sete verões.

derocha

A gíria “De Rocha” nomeia este blog porque nós, grande parte dos nortistas amapaenses e paraenses, a usamos quando queremos passar credibilidade sobre determinado assunto.

Na página, sempre publiquei fotografias, notícias, músicas, poesias, futebol, crônicas, contos, gifs, informes sobre fatos, eventos, pessoas públicas, bandas, arte, muita arte, e assuntos de interesse da população.

download-4

A promoção da cultura, em todas as suas vertentes, sempre foi o principal objetivo do De Rocha, além de expor meus pontos de vista, críticas leves e pesadas ou elogios amenos e exagerados aos que merecem. Foram tantos artistas, músicos, bandas, incontáveis eventos. Também publiquei textos do trampo por onde passei na carreira de assessor de comunicação. Além disso, falei muito da minha amada e preciosíssima família. E isso tudo misturando blá-blá-blá abobrístico, pois a vida sem humor é horrível.

Apesar da “internet soviética”, como diz o amigo jornalista Régis Sanches (ex-colaborador deste site), dos acusadores, fiscais e críticos, o De Rocha virou sucesso. Confesso que, quando comecei a escrever, nem imaginava que minha página virtual seria tão bem aceita. Isso aqui abriu portais, portas, janelas, gavetas e até alçapões em minha vida (risos).

64065_399554346790292_1931528564_n-1

Sei que rolou muito atrevimento, ironia, polêmicas, sarcasmo, verdades doloridas de se ler, alfinetadas, acidez e até idiotice de minha parte. Mas também rolou tanta homenagem, tanto amor real, tanta coisa legal. Claro que cometi alguns erros, não poderia ser de outro jeito. Mas tudo é aprendizado. Me arrependo de ter magoado algumas pessoas. De verdade!

Nestes sete anos, somados blog e site, fiz novas amizades, expandi meus conhecimentos e incentivei amigos a criarem seus próprios blogs (mesmo que alguns não admitam).

45055_396298300449230_418692870_n

Por aqui passaram vários colaboradores. Alguns deles nem são mais meus amigos, mas sou grato pelas contribuições. Cada um teve papel importante na formação deste espaço. Também agradeço aos parceiros que continuam por aqui. Em especial aos amigos Fernando Canto, Ronaldo Rodrigues, Patrícia Andrade, Mariléia Maciel, Gilvana Santos, Hellen Cortezolli, Marcelle Nunes e Rita Torrinha, além do velho e saudoso Tãgaha Luz (In memoriam). Obrigado, meninas e caras.

homer-de-rocha

O blog morreu há dois anos, quando foi criada esta página eletrônica (dados do antigo endereço foram migrados para cá). Passado todo esse tempo, mantenho-me como comecei: jornalista, assessor de comunicação, compulsivo por atualizações da página, cronista, crítico, ex-blogueiro e editor de um site ético e sem rabo preso com ninguém (apesar de muita gente confundir o espaço dado a amigos assessores com favorecimento).

Tenho a ousadia de usar as palavras do escritor Caio Fernando Abreu: “Acho que fiz tudo do jeito melhor, meio torto, talvez, mas tenho tentado da maneira mais bonita que sei”. Uma eterna luta do bem contra o mal dentro de mim, mas com 99% de vitórias da luz.

1469978_569765733076462_126715382_n-1

Ah, desculpem os palavrões em alguns textos, mas isso também é liberdade de expressão.

Em analogia à data, li que a palavra “sete”, o número cabalístico, em hebraico é a mesma para “jurar” (garantir). Portanto, garanto que seguiremos no caminho das sete virtudes: Fé, Esperança, Caridade, Prudência (às vezes não muita), Justiça, Força e Temperança.

eublogchicoterra-4

Aqui a bola sempre foi minha. Você pode discordar, mas é isso o que penso e ponto. Com essa frase, agradei muito mais do que provoquei repulsa. Meu muito obrigado a vocês, senhores e senhoras que compõem o leitorado do De Rocha, sejam admiradores, críticos e detonadores (que de certa forma também são admiradores). Sigamos aplaudindo, criticando, discordando e incentivando as boas práticas. Valeu pra caralho!

Elton Tavares

De amor e tanto faz – Por @Cortezolli

the_theory_of_everything

Numa noite dessas, carente de um tipo específico de entretenimento, achei no meu HD o filme A Teoria de Tudo, ou se preferir em inglês The Theory of Everything. Como não pretendo fazer resenha do filme, vou me ater ao fato de ter assistido e chorado copiosamente…

Você já deve ter ouvido falar de Steve Hawking, da Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) que o acometeu nos tempos de faculdade e que isso não o impediu de ser quem é e, principalmente em Buracos de minhoca ou Wormhole. Ah, não? Não tem nenhuma referência sobre o assunto? Eis uma breve explicação, Hawking é um físico teórico, cosmólogo britânico e um dos mais consagrados cientistas da atualidade, Buracos de minhoca são atalhos hipotéticos pelo espaço-tempo, conhecidos como pontes de Eistein-Rosen, grosseiramente falando, seria um meio de viajar no tempo.

De volta ao meu universo particular, lembrei do filme apenas para sublinhar que apesar de ser um drama-romântico, nos alfineta em dois pontos:

1- Amar vai além de querer ficar com alguém para o resto de nossas “nada-mole” vidas;

2- Existe um propósito na vida para todo mundo, que supera a linha tênue de “crescei e multiplicai-vos”.

0david-eustace-824

Assim, se as coisas não saíram como você esperava, não se desespere, podia ser diferente, mas não necessariamente, melhor. Então, relaxa! Tá difícil ficar sozinho e feliz, calma isso passa, é como tempestades de olhos castanhos ou temporais que não duram para sempre.

É óbvio que não disponho de respostas prontinhas, redondinhas, mastigáveis, afinal, Nietzsche em Além do Bem e do Mal, descreve o filósofo como “um homem que vive, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente com coisas extraordinárias, que fica surpreso com suas próprias ideias como se viessem de fora, do alto e debaixo, como por uma espécie de acontecimentos e de raios de trovão que só ele pode sofrer…”, e eu não fujo a regra, apensar de não ser filósofa por formação, mas me atrevo a dizer que somos todos filósofos porque fil é amor pelo saber, investigar o mundo real no âmbito das relações entre teoria e prática de concepções e pensamentos.

947307_562058303847205_1469405132_n

Deste modo, sentir solidão é gostoso né?! Se ainda não é, um dia será. Porque sozinhos nos conhecemos melhor, nos levamos para passear ou ficamos jogados na cama, nos alimentamos com o que tiver na dispensa, podemos fazer nada e tudo bem. Damos-nos mais atenção, respeitamos nossos limites ou rompemos nossas próprias barreiras, vestimos o que for confortável e tanto faz.

Somos esse montinho de retalhos e que ficamos bonitos em conformidade com a decoração, e já notou a palavra decoração? De coração para outra oportunidade!

Hellen Cortezolli

Belchior e a Música das Esferas – Por Fernando Canto

tumblr_mvaz4evkow1ruoobwo1_540

Texto de Fernando Canto

“Deixando a profundidade de lado” eu sempre fui fã desse cara cearense que hoje faz 70 anos. Assisti pela primeira vez a um show dele no Projeto Pixinguinha, no Centro de Convenções João de Azevedo Picanço, em 1984. Ele cantou seus sucessos “Como Nossos Pais” e “belchior-1As Paralelas” ao lado de Zizi Possi, outra cantora que também admiro muito. O que me chamou atenção no seu visual eram as meias coloridas, a cabeleira e o vasto bigode, que parecia ter vindo de uma nave da Tropicália. Aliás, a “roupa colorida” era tida como elemento constituinte da corporalidade do ethos tropicalista.

Passaram-se alguns anos, ainda na mesma década, ele tocou no final de um festival universitário da canção no ginásio de esportes Avertino Ramos. Cantava no palco. Eu estava lá na arquibancada. Um sujeito que estava do meu lado gritava para ele, pedindo atenção. De repente jogou uma lata de cerveja na direção do palco que atingiu o cantor. Antes dos seguranças chegarem para expulsá-lo perguntei-lhe por que fizera aquila5a6b0b1824bd50a209f5708516ded39o. O cara chorava e dizia: – Eu sou fã dele, queria apenas que ele me ouvisse. Queria que ele tocasse “A Palo Seco” ou “Rapaz Latino Americano” e, mas ele não me ouviu. E gritava: – Desculpa, desculpa. Eu não queria fazer isso…, enquanto era arrastado para fora. Logo a seguir o cantor ilustrava o ambiente reverberador do ginásio com a música solicitada pelo fã compulsivo – quase um psicopata – e cruel:

Eu sou apenas um rapaz latino-americano/ sem dinheiro no banco/ sem parentes importantes/e vindo do interior/ POR FAVOR NÃO SAQUE A ARMA/ NO SALOON, EU SOU APENAS O CANTOR. / MAS DEPOIS DE CANTAR/ VOCÊ AINDA QUISER ME ATIRAR/ MATE-ME LOGO, À TARDE, ÀS TRÊS/ Que à noite eu tenho um compromisso e não posso faltar/ Por causa de vocês”.c240f72ed0b5c5438f4166a239f710d5

Depois do seu episódico desaparecimento há quase três anos, quando especulações sobre sua vida emergiram de forma negativa, só podemos perguntar “Onde está Wally? ”, no meio dessa multidão insensível. Onde está Belchior? O cara que sabia sobre a descoberta pitagórica da Música das Esferas, da harmonia dos planetas no cosmo, tanto que fez questão de usar trecho do poema “Via Láctea” do parnasiano Olavo Bilac (“Ouvir estrelas? Ora direis, Certo”). O cara-cabeça do “Pessoal do Ceará” que compunha com Fagner e revolucionou a MPB.

Sete décadas. Cabalísticamente sete para um cara que tinha “25 (2+belchior-disco5=7) anos de sonho e de sangue/ E de América do Sul”. Que trazia sua identificação nordestina presa ao dorso do seu cavalo que eram as embarcações pesqueiras de velas do Mucuripe, canção dele e de Fagner. Esse mesmo cara que transitava entre o sonho e a realidade de uma forma surpreendente, pois essa trajetória não tem suas âncoras presas ao real, tal como pensamos. Ele que escreveu “Se você vier me perguntar por onde andei/ No tempo que você sonhava”, e sua realidade respondia: “De olhos abertos lhe direi/ Amigo eu me desesperava” (A palo seco); ele que falava num sonho que “viver é melhor que sonhar” e respondia no mesmo verso sua realidade que “Viver é melhor que sonhar” (Como nossos pais). Todo indica um paradoxo, em que o dono do discurso parece estar perturbado e que quer fazer saber que “sons, palavras são navalhas”.

tumblr_mf6oh5hrae1rna1reNão sei por onde anda esse rapaz de 70 anos. Queria vê-lo agora aqui, em um palco montado na praia de Iracema, desafiando o tradicional, para me encantar com o seu diferenciado e inédito canto nordestino, mostrando novamente ao Brasil o resultado positivo de seu desafio, que se constituiu em fazer algo mais significante para a beleza da música popular brasileira. E sem o preconceito regional que carregava.

O artista mirava seu próprio devir, pois “era alegre como um rio […] MAS VEIO O TEMPO NEGRO E, À FORÇA, FEZ COMIGO/ O MAL QUE A FORÇA SEMPRE FAZ. / Não sou feliz, mas não sou mudo:/ Hoje eu canto muito mais” (Galos, noites e quintais). A ele me refiro pelo seu percurso de anunciador de um discurso nostálgico, que louvo por dizer assim, coisas que ficaram na memória: “GENTE DE MINHA RUA/ COMO EU AbelchiorNDEI DISTANTE/ QUANDO EU DESAPARECI/ Ela arranjou um amante/ Minha normalista linda/ Ainda sou estudante/ Da vida que eu quero dar…” (Tudo outra vez).

Não sei por ande anda esse rapaz de 70 anos, “Mas parece que foi ontem/ Minha mocidade/ Com diploma de sofrer/ De outra Universidade…”. Parabéns, Belchior, estou ouvindo mais uma vez a tua música das esferas. Não faria igual ao jovem fã do ginásio de esportes de Macapá. Eu te jogaria flores e não uma lata de cerveja, pois cerveja a gente bebe com prazer só para escutar teu som inesquecível.

Sobre as Olimpíadas do Rio de Janeiro – (texto porreta do Arilson Freires)

olimpiadas-rio-2016-camila-coelho

Nunca houve uma Olimpíada como a do Rio. Falo do lugar, mas sobretudo da essência. É certo que Aterro do Flamengo, Corcovado, Pão de Açúcar, Barra da Tijuca, Baía de Guanabara, Copacabana são páreo duro pro soft power em nível máximo do brasileiro. Mesmo com toda a impertinência delirante da torcida, feliz e/ou infelizmente, para o bem e para o mal.

abertura-olimpiadas-maracana-rio-2016-ivan-07

Somos assim. Mas que torcida é essa? Adriana Calcanhoto já tinha cantado que cariocas são bacanas. Juntando com o restante do povo brasileiro nas arquibancadas, misturados aos gringos de todos os cantos do planeta, é impossível definir.

vol_torcida_selecao_brasil_gabrielfricke_15

A Olimpíada do Rio se tornará inesquecível como nenhuma outra em todos os sentidos, mas principalmente para o brasileiro. Nunca fomos tão fãs ou entendemos e discutimos tanto sobre vela, taekwondo, tiro esportivo, canoagem, ginástica, judô…ah, e futebol.

torcida-650x433

Parabéns, cariocas do mundo inteiro. Parabéns o mundo inteiro reunido na cidade carioca. Nunca mais haverá uma Olimpíada como a do Rio.

Arilson Freires – Jornalista, repórter da Rede Globo e chefe de jornalismo da TV Amapá.

Paulo Francis sabia das coisas…(sobre ofendidos com a verdade no jornalismo)

francis

“Dizem que ofendo as pessoas. É um erro. Trato as pessoas como adultos. Critico-as. É tão incomum isso na nossa imprensa que as pessoas acham que é ofensa. Crítica não é raiva. É crítica, às vezes é estúpida. O leitor que julgue. Acho que quem ofende os outros é o jornalismo em cima do muro, que não quer contestar coisa alguma. Meu tom às vezes é sarcástico. Pode ser desagradável. Mas é, insisto, uma forma de respeito, ou, até, se quiserem, a irritação do amante rejeitado”Paulo Francis (1930 – 1997).

Sobre a salvação da minha alma (crônica genial de Rubem Alves)

parabola

As coisas que tenho dito sobre Deus fizeram com que muitos dos meus leitores ficassem temerosos sobre o futuro de minha alma, no outro mundo. Acham que vou para o inferno. Eles pensam que, se a gente não pensar certo, Deus castiga. No inferno estão os pecadores que roubaram, fornicaram e mataram, e aqueles que ousaram pensar suas próprias idéias. Pensar certo, na cabeça deles, é pensar do jeito como pensam os padres e os pastores. Para tranquilizá-los vou me explicar.

Sobre a Bíblia. Eu a estudei muito e a amo. Para mim ela é um poema cujas palavras me confortam e me fazem mais sábio. Mas é preciso fazer uma distinção entre as palavras do poema, escritas, e aquilo que as pessoas pensam, ao lê-lo. Toda leitura é uma interpretação, isto é, os pensamentos das pessoas que a lêem. Todo sermão é pensamento de um homem e não pensamento de Deus. A interpretação é diferente do poema. Cada igreja, cada congregação, cada seita se organiza em torno de uma interpretação particular, palavra de homem. Mas cada uma delas tem a ilusão de que a sua interpretação é a Palavra de Deus. Sendo a Palavra de Deus, é única verdadeira. É muita presunção pensar que somente a minha seita interpreta certo e todas as outras interpretam errado. O que eu escrevo é a minha interpretação, tão problemática quanto qualquer outra. É preciso não se esquecer da sábia afirmação do apóstolo Paulo: Nós não sabemos direito as coisas; o que vemos são reflexos trêmulos e obscuros num espelho mal polido. É preciso não confundir os reflexos no espelho com o rosto verdadeiro que ninguém jamais viu. De Deus, a única coisa absolutamente certa que conhecemos é o amor (1 Cor. 13).022

O que é a fé? É também uma questão de interpretação. Pessoas há que pensam que fé é um recurso mágico que garante que Deus vai nos atender. Para elas um Deus que não atende pedidos é um Deus muito fraco. Elas desejam garantias. Na minha interpretação fé é uma relação de confiança com Deus: é flutuar num mar de amor, como se flutua na água. Quem é que ama mais o pai? Aquele que é fiel ao pai porque ele lhe dá os presentes pedidos, ou aquele que ama o pai, mesmo que ele não lhe dê presentes? A gente ama o pai é pelos presentes, bênçãos, que ele dá, ou por ele mesmo? Amo a Deus mesmo que não me dê presentes.

Acho que Cristo enche todos os espaços do universo. Lutero falava da ubiquidade do corpo de Cristo e dizia que ele está presente até na menor folha, muito embora nas folhas o nome dele não esteja escrito. Quem ama uma folha ama Cristo. Quem tedownload (1)m amor respira Cristo, mesmo que não fale o nome dele. Tiago diz que os demônios sabem tudo sobre Deus e, no entanto, são demônios. Os reformadores falavam no Christo absconditus – isso é, o Cristo escondido, invisível, sem nome, em toda a Criação. Quem ama, mesmo que não cite as Escrituras e nem saiba o nome de Cristo, está nele. Cristo não pode ser engarrafado em nomes religiosos. Isso seria heresia, negar a sua onipresença.

As Escrituras Sagradas são um livro enorme. Muitos dizem que as Escrituras inteiras são inspiradas. Se realmente acreditam nisso, então todos os textos têm de ser objeto do nosso amor, são “palavras de Deus“. Noto, entretanto, que eles se comportam como se alguns textos fossem mais inspirados do que outros. Fazem silêncio sobre muitos textos. Por exemplo, nunca ouvi sermão católico ou evangélico sobre “Amada minha, em tua língua há mel e leite. Teus seios são como duas crias gêmeas de gazela…“ (Cânticos 4:11, 5); “Anda, come teu pão com alegria e bebe contente o teu vinho… Goza a vida com a mulher que amas todos os dias da tua vida…“ (Ecl. 9:7 e 9). Por que o silêncio? Acho que, secretamente, eles acreditam que uns textos são mais palavra de Deus do que outros…

E quanto ao destino de minha alma, não se preocupem. Foi Jesus mesmo que disse aos fariseus, religiosos que viviam citando as Escrituras e tentando converter os outros, que as meretrizes entrariam no Reino dos Céus antes deles. E notem: Jesus não disse: meretrizes arrependidas. Entram as meretrizes mesmo. Depois delas, então, entram os fariseus hipócritas e tudo o mais que Deus criou. Deus criou tudo, não é? Se ele criou tudo, vocês acham que ele ia entregar ao Diabo aquilo que saiu das suas mãos?

size_590_Rubem-Alves.jpg
O genial Rubem Alves

Rubem Alves

*Crônica extraída do livro A grande arte de ser feliz.

Meu comentário: Quem convive comigo sabe, não sou religioso. Mas acredito na força de codinome Deus, que, em minha opinião, rege tudo isso aqui. Sinto a presença Dele o tempo todo, sobretudo no amor e carinho da minha família e amigos. Afinal, ELE é amor, porra! O resto é papo de quem manipula e enriquece em nome Dele.

De repente… quarenta! – Texto de Clícia Di Micelli, lido durante a festa do seu aniversário, no último sábado, 20

Há exatamente uma semana, minha amiga Clícia di Micelli completou 40 anos. Durante sua festa de aniversário, ela leu um texto lindão que resume não somente sua vida, mas toda uma geração. Editei e exclui particularidades da broda e deixei o texto para todos que, como eu, fizeram ou farão 40 anos este ano. Leiam e se emocionem:

“Obrigada pela presença de todos. Não escolhi um tema pra minha festa, escolhi um título:De repente… quarenta!

Atravessei 4 décadas conhecendo centenas de pessoas, mas a gente só se dedica àqueles que o nosso coração elege. Tirando a relação familiar que aprendemos a conviver e amar desde que nascemos, os amigos que fazemos ao longo da vida são todos aqueles que o nosso coração se apaixona. Nasci em 76. Entre meados de 70 e o início desse novo século é o perí
odo que compreende a minha existência, e são os símbolos desse tempo histórico que fiz questão de trazer pra essa comemoração de hoje.

Não é festa Ploc, festa Retrô, festa Anos 80; tão pouco Baile da Saudade. Nada disso. É a festa de quem viveu um bocado de coisa nesse período e de repente… quarenta! Imagino que, se existissem imagens da nossa infância e adolescência, sempre apareceríamos dando gargalhadas, dividindo segredos e sendo felizes. tumblr_mr4qpgm6JF1qzissjo1_1280Quarenta anos se passaram e todas essas referências estão aqui. Não tenho como esquecer que ocupava minhas tardes vendo os desenhos Hanna Barbera (Manda Chuva, Os Herculoides, Wally Gator, Jonny Quest, Tartaruga Touchê, Coêlho Ricochete e tantos outros); Que eu sonhava em voar no balão com a turma do Balão Mágico; Que eu daria meu mundo pra assistir o show dos Menudos; Que as tardes de sábado eram animadas pelo Chacrinha e que, aos domingos, o Beto Carreiro aparecia chibante no intervalo dos Trapalhões.

Brunzwick-Geraldo_oQue Os Goonees foi o primeiro filme que assisti no cinema, pra ser mais precisa, no Cine Veneza e que a minha heroína era a Mulher Maravilha… Também que eu dormia mais tarde nas noites de Armação Ilimitada; E que eu ficava angustiada quando a turma da Caverna do Dragão desistia de voltar pra casa, mesmo diante do portal, porque um deles ficou pra trás; É claro que juntei moedas no cofrinho da Caixa Econômica Federal; Lembro bem, que ir na carreta da Cobal era chato; bom mesmo era acompanhar a mamãe as compras no Brunzwik lá tinha um parquinho pra gente brincar; Que eu joguei moeda para o Poraquê da Lobras, em Belém; Que eu pulei carnaval nos bailes infantis do Esporte Clube Macapá, do Lions Clube, do Círculo e da APA.paquitas primeira geração

Cresci e pude desfrutar das temporadas noturnas do Círculo Militar, comandadas pela Banda Placa Luminosa; Não posso negar: fui criança aprendendo a escrever errado no universo “X” da Xuxa. Sonhar em ser Paquita era o óbvio, mas um dia chegou a fase em que sonhar com os Paquitos era bem mais interessante. É claro que eu rebobinei fita K7 com caneta BIC; Que eu sofria com o desencontro amoroso da Duda e Lucas / Malu Mader e Taumaturgo Ferreira na novela Top Model, casal que tinha como trilha a lindíssima música “Oceano”, do Djavan.

São muito vivas as lembranças negativas que os Planos econômicos dos governos Sarney e Collor causaram às famílias brasileiras. Várias vezes fui guardar lugar na fila pra mamãe entrar na Romana em busca de leite e outros produtos básicos, que tinham sumido das prateleiras dos mercados. Era tempo dos preços congelados do Plano Cruzado, que evoluiu pra Cruzado Novo e outras desastrosas tentativas de salvar a economia do Brasil. Vi o papai amargar a falência. Os pequenos comerciantes não sobreviveram e sucumbiram diante de um país que vivia sob uma economia desgovernada.

tumblr_lm27e1NFdu1qkgabpo1_500Assisti ao “Caçador de Marajá” desafiar o povo a sair às ruas de verde amarelo, e nós, o povo, fomos de preto. Fui pra rua no “Fora Collor”, sou geração cara-pintada! Vibrei muito vendo a Magic Paula e a Hortência desestruturarem as adversárias com as cestas de 3 pontos; Também jorrei lágrimas de amor assistindo Ghost – do outro lado da vida. Cristiane F… drogada e prostituída, debate obrigatório nas feiras de ciência das escolas secundaristas; É claro que eu tinha as fotos do John Lennon, Fernanda Abreu, Engenheiros do Hawai, Marina Lima e Heróis da Resistência na porta do meu guarda-roupa.

images (2)Eles dividiam espaço com os adesivos das marcas K e K, Company e Redley; Eu tirava minhas dúvidas mais intimas, devorando a revista Capricho; Eu sonhava em assistir a um show de rock nacional no Circo Voador; Carnaval de rua?

Desfilei quando ainda era da Av. FAB, pela Maracatu da Favela, é claro! Vi o Território Federal do Amapá se transformar em Estado; pelas rádios, Tvs e murmurinhos acompanhei o desenvolvimento e o fortalecimento da música amapaense, quando os artistas que se apresentavam nos bares de Macapá – Amadeu Cavalcante, Zé Miguel, Osmar Jr e Val Milhomem – partiram para o trabalho autoral, lançando hits e lotando, emanos 90 blog (1) noites de espetáculo, o então recém inaugurado Teatro das Bacabeiras; Comemorei minha aprovação na Unifap, em 95, com a musiquinha do Pinduca, acho que essa não sai de moda. É cafona, enche o saco, mas é bacana e tem que rolar. Entreguei fita VHS na locadora sem rebobinar e paguei taxa extra por isso; Segui o trio elétrico do Marco Monteiro no efêmero e marcante carnaval de Mosqueiro; Já tive o grande prazer de ver o Chico Buarque de Holanda caminhando sem camisa nas areias do Leblon; Já desfilei no templo do carnaval, a Marquês de Sapucaí. Pra uma boa foliã, isso é muita coisa.

Pororoca_foto_M_RCIA_DO_CARMOTive a honra de compartilhar horas de conversa com a gentil, elegante e imortal Tia Chiquinha; E vi de perto o encontro do rio Amazonas com o Oceano Atlântico, e pude presenciar o fenômeno da pororoca antes da foz do Araguari se transformar em pasto.

E a vida segue… Continuamos vivendo estórias e construindo a história! História sem mitos nem falsos heróis. História de verdade, com cenário de verdade e gente de verdade. E é com toda essa memória afetiva que planejei essa festa pra gente. Queridos amigos, sei que me alonguei, mas senti vontade de fazer isso e me permiti. Inclusive, quero dizer a todos que escrever tudo isso me fez muito bem e hoje entro na casa dos 40 mais leve e mais feliz.tumblr_lfykbyT8th1qggaj4o1_400

O tempo é generoso… E, a propósito, respondendo à pergunta da Mafalda, digo a ela que nascemos com muita antecedência pra gente acumular histórias e relembrá-las na festa de comemorações dos nossos 40 anos. Portanto, um brinde à vida e à generosidade do tempo. Tim-tim!”.

*A querida aniversariante ainda falou sobre sua família e amigos, mas preferi publicar somente essa linda viagem no tempo. Do nosso tempo. Tomara que a gente viva, ela, eu e todos que amo dessa geração, pelo menos mais 40 anos. Valeu, Clícia!

Quando a paixão é violenta, cuide-se! – Por @genifrota

amor-e-paixao-coracao-partido

Por Geni Frota

Por certo que já se apaixonou muitas vezes… Algumas perdidamente e por um longo tempo, algumas intensamente mas por pouco tempo.

Por certo que muitas dessas paixões foram muito válidas e lhe acrescentaram muitos aprendizados sobre o que quer ou o que não quer mais para você.

Mais certo ainda é que, quando nos apaixonamos, ficamos mais belos, mais felizes, mais dispostos. Fazemos declarações de amor, fazemos sacrifícios, fazemos tudo para vivermos intensamente o que estamos sentindo…

Pois é… Somos capazes de fazer tudo isso por outra pessoa. Muitas delas que acabamos de conhecer e que ainda nem provaram que tem a mesma valoração moral que nós para conduzir uma relação.

Ao que me leva a pergunta que move este artigo: é capaz de tamanho empenho, dedicação, doação e paixão por você mesmo?

Toda a força e intensidade que é capaz de dedicar a alguém, consegue canalizá-la para cuidar de você?

Esse equilíbrio entre doar-se aos outros e doar-se a si deveria ser buscado continuamente. Aquilo que sou capaz de fazer pelo outro também devo ser capaz de fazer por mim… O presente dado, o tempo dedicado, o afeto oferecido, o esforço despendido… Todo ele deveria estar constantemente sendo exercitado em prol de quem é capaz de dedicar aos outros.

Quando se é capaz de gostar de si mesmo, fica-se mais forte quando a paixão não dá certo. Fica-se mais capaz de suportar a dor de perder alguém que já não está mais vibrando na mesma frequência que você.

É por isso que as pessoas sofrem tanto por amor: porque não conseguem dedicar-se a cuidar de si do tanto que dedicaram ao outro e acabam cobrando “a fatura” do que investiu.

Lamentavelmente, esse tipo de investimento é a fundo perdido… Não há devolução. Mas poderá, neste momento, aproveitar para perguntar-se: por que não consigo amar a mim mesmo do tanto de amor que dediquei a outra pessoa?

Nossa forma de amar é definida pela relação com nossos pais. Mais ou menos intensamente, mais ou menos comprometidamente, mais ou menos dependente, nosso jeito de amar sempre se prestará a suprir nossas necessidades afetivas. Quanto maiores as necessidades, mais fazemos e mais esperamos do outro.

Além da necessidade de “curar” possíveis carências afetivas que se apresentaram ao longo da vida, é necessário investir no fortalecimento da auto estima. E para fortalecer a auto estima é preciso investir em auto conhecimento, tornar-se consciente das possibilidades e limitações, colocar-se em primeiro lugar (e sei que isso é difícil com a cultura de “coitadismo” e pseudo humildade que temos).

Para lhe ajudar a entender, colocar-se em primeiro lugar é parecido com aquele procedimento que o comissário de bordo lhe orienta no avião: coloque a máscara primeiro em você… Sabe o motivo disso? Porque, para salvar os outros, é preciso, primeiro, conseguir salvar a si mesmo.

Boa vida!

* Geni Frota é Consultora e Coach de Vida

A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER(*) – (Fernando Canto)


1. Se leio, conheço. Se conheço mais é porque leio sempre.
2. Ler é descobrir, interpretar e ampliar a visão das coisas.
3. Ler é conhecer, conhecer é ler.
4. O ato de ler revela o mundo e dá novo sentido à vida.
5. Ler é ter acesso ao conhecimento do mundo.
6. A ação de ler é como a de alimentar-se. Corpo e alma precisam de nutrientes.
7. Quem quer participar ou criticar precisa ler.
8. Ler é lazer, é prazer, é necessidade.
9. Quem lê interpreta seu próprio tempo.
10. Toda cidadã ou cidadão participante é aquele que lê.
11. Cidadã ou cidadão que lê sabe de seus direitos.
12. Criança que lê sonha mais, pensa maior, tem mais imaginação.
13. Ler não cansa, faz sonhar.
14. A leitura é um ato necessário. Quem lê vive melhor e sabe mais.
15. Quem quer progredir lê mais.
16. Quem lê erra menos.
17. Ler é libertar-se.
18. Quem lê participa da emoção de quem escreve.


O PRINCÍPIO DA LIBERDADE ESTÁ EM DEMOCRATIZAR O ACESSO AO ATO DE LER.
(Fernando Canto)

(*) Texto publicado no informativo da Biblioteca Elcy Lacerda, s.d.

Mahatma Gahdhi disse

foto
Mahatma Gahdhi

“O que destrói a humanidade: A Política, sem princípios; o Prazer, sem compromisso; a Riqueza, sem trabalho; a Sabedoria, sem caráter; os negócios, sem moral; a Ciência, sem humanidade; a Oração, sem caridade.”
Mahatma Gahdhi (1869-1948)

Fonte: Espaço Aberto.