Poema de agora: Ou isto ou aquilo (Cecília Meireles)


Ou isto ou aquilo (Cecília Meireles)

Ou se tem chuva e não se tem sol,
ou se tem sol e não se tem chuva!

Ou se calça a luva e não se põe o anel,
ou se põe o anel e não se calça a luva!

Quem sobe nos ares não fica no chão,
quem fica no chão não sobe nos ares.

É uma grande pena que não se possa
estar ao mesmo tempo nos dois lugares!

Ou guardo o dinheiro e não compro o doce,
ou compro o doce e gasto o dinheiro.

Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo…
e vivo escolhendo o dia inteiro!


Não sei se brinco, não sei se estudo,
se saio correndo ou fico tranqüilo.

Mas não consegui entender ainda
qual é melhor: se é isto ou aquilo.

Ou isto ou aquilo, Editora Nova Fronteira, 1990 – Rio de Janeiro, Brasil

Poema de hoje: Olha (@idanielsa)


Olha

Olha nos meus olhos
e pensa no que viu.
Olha nos meus olhos
e reflita se sentiu.

Olha nos meus olhos
e perceba a compaixão.
Somente olha nos meus olhos
porque palavras são em vão.
Escuta a tua alma
e esqueça a presunção.
E faz da tua vida
um meio de luz e elevação.

Olha nos meus olhos
e entenda por favor.
Não tenha medo de contemplar
meu melancólico e sublime amor.

Ivan Daniel Amanajás

Jovem lança livro com poemas de temática cristã

Por Thiago Soeiro

A poesia é livre de formas e conteúdo há muito tempo e vem ganhando adeptos por todos os cantos, e uma prova dessa liberdade são os temas cada vez mais livres. Marcos Vinícius Borges, 26 anos, conhecido entre os amigos e meio literário como Marvin Cross, lançou recentemente o livro “Missão Poesia”, só com poemas de temática cristã. O livro leva o mesmo nome do blog do escritor. (http://missaopoesia.blogspot.com.br/)

Ele conta que escreve desde criança, inventando histórias em quadrinhos, mas só aos 13 anos começou a levar mais a sério a escrita. “Faço diversos tipos de textos como poemas, contos, crônicas e também romances, mas prosa é meu estilo preferido” destaca o escritor que inclusive tem já um romance na temática cristã já pronto, mas ainda não publicado.

Em relação à poesia ele não escreve apenas versos cristãos, mas também gosta de retratar o ser humano em sua totalidade, “então muitas vezes isso é feito sem ser necessariamente uma abordagem espiritual”, destaca. O “Missão Poesia” é o primeiro livro de Marvin no formato impresso, ele já havia feito uma versão deste no formato digital e-book, assim também como organizou a coletânea Sete Estações Poéticas, que conta com a participação de outros poetas locais e que trás poesias de diversas temáticas, Marvin também participou da Agenda Arte Literária 2013.

Marcos conta ainda que esta muito feliz pela sua publicação sendo está a concretização de um sonho e feliz pela procura do seu livro. “O mais interessante é que muitos “não-evangélicos” tem me procurado para adquirir o meu livro e é bem como eu gostaria, ou seja, fazer arte cristã que não fosse apenas para seguidores da mesma fé que eu”, ressalta.

O escritor conta que o mercado para literatura cristã ainda é muito tímido. Os maiores títulos são estrangeiros, como O Peregrino, de John Bunyan, As Crônicas De Nárnia, de C.S. Lewis ou a série Deixados Para Trás. Isso falando de livros de ficção. Aqui no Brasil ainda há pouquíssimos autores, assim como leitores interessados.

“Poesia cristã é algo ainda mais complicado. Meus contatos com poetas evangélicos não incluem ninguém daqui do Amapá, pelo menos até agora. No entanto, vejo com otimismo como os cristãos têm estado mais abertos a diferentes leituras, que nem por isso deixam de ser espiritualmente edificantes e até uma forma interessante de entretenimento”, conta Marvin, que acredita que a receptividade tende a melhorar em pouco tempo apesar da resistência sofrida também por aqueles que não são adeptos dessa fé.

“É interessante frisar que doutrinas ou valores cristãos retratados em narrativas ou poemas podem ser inspiradores e mudar concepções, opiniões ou vidas inteiras, e eu creio exatamente nisso, sabendo que meu leitor pode ser alguém que não convive nesse meio, então penso nisso na hora de escrever também”, conclui.

A primeira edição do livro já foi toda vendida, e a segunda já está saindo os interessados podem entrar em contato com o escritor pelo e-mail [email protected]

Como ser um grande escritor, por Charles Bukowski (hoje é aniversário do “velho safado”)


Hoje (16), faz 93 anos que nasceu Charles Bukowski, o “Velho Safado”. Por isso, reposto este texto do escritor PHoda! Leiam: 

Bukowski dá a receita no poema “como ser um grande escritor” do livro O amor é um cão dos diabos:

Como ser um grande escritor, por Charles Bukowski

você tem que trepar com um grande número de mulheres
belas mulheres
e escrever uns poucos e decentes poemas de amor.

não se preocupe com a idade
e/ou com os talentos frescos e recém-chegados;

apenas beba mais cerveja
mais e mais cerveja

e vá às corridas pelo menos uma vez por
semana

e vença
se possível.

aprender a vencer é difícil –
qualquer frouxo pode ser um bom perdedor.

e não se esqueça do Brahms
e do Bach e também da sua
cerveja.

não exagere no exercício.

durma até o meio-dia.

evite cartões de crédito
ou pagar qualquer conta
no prazo.

lembre-se que nenhum rabo no mundo
vale mais do que 50 pratas
(em 1977).

e se você tem a capacidade de amar
ame primeiro a si mesmo
mas esteja sempre alerta para a possibilidade de uma derrota total
mesmo que a razão para esta derrota
pareça certa ou errada

um gosto precoce da morte não é necessariamente uma cosa má.

fique longe de igrejas e bares e museus,
e como a aranha seja
paciente
o tempo é a cruz de todos
mais o
exílio
a derrota
a traição

todo este esgoto.

fique com a cerveja.

a cerveja é o sangue contínuo.

uma amante contínua.

arranje uma grande máquina de escrever
e assim como os passos que sobem e descem
do lado de fora de sua janela

bata na máquina
bata forte

faça disso um combate de pesos pesados

faça como o touro no momento do primeiro ataque

e lembre dos velhos cães
que brigavam tão bem?
Hemingway, Céline, Dostoiévski, Hamsun.

se você pensa que eles não ficaram loucos
em quartos apertados
assim como este em que agora você está

sem mulheres
sem comida
sem esperança

então você não está pronto.

beba mais cerveja.
há tempo.
e se não há
está tudo certo
também.


* Dica do amigo jornalista Kleber Soares.

Poema de agora: SOUL-venirs (@Laritang)


SOUL-venirs 

Há vida nas coisas inanimadas
A partir do momento em que adquirem significados.
Se acaso, com carinho, são tocadas,
Ganham a bênção de trazer recados.

Há vida nas coisas inanimadas
Quando remetem a histórias, memórias e espaços.
Despertam a nostalgia de datas
E relembram antiquíssimos laços.

Há vida nas coisas inanimadas
Porque as relações assim as revigoram, inconscientes.
Alianças, retratos, cartas, camisas desbotadas:
O amor dá à luz até a objetos inocentes.

Há vida nas coisas inanimadas
Porque o homem vê nelas o reflexo de seus erros.
Cada souvenir é um ano de decisões equivocadas:
A mobília é um relicário de segredos.

Lara Utzig

Poema de agora: Engrande-SER ( @Laritang )


Engrande-SER

Às vezes, por um lapso de lucidez,
Percebo o que sou dentro do universo
E noto minha infinita pequenez.
Se sou hábil para escrever algum verso,
Não é porque almejo qualquer glória.
Nessa vida onde somos nada mais que grãos de areia,
Sobreviver dia-a-dia já é uma vitória
Que queima, flamejante, tal qual centelha.
Entretanto, há algo que dignifica o homem;
Um sentimento capaz de nos transformar em gigantes,
Que dá sentido à rotina para louvarmos seu nome:
Sim, meus caros… Apenas o Amor nos faz grandes.

Lara Utzig

Poema de agora: O Dia (@idanielsa, em comemoração aos 9 anos de seu casamento)


O Dia

O dia eu não lembro
A hora imagino
O local é inesquecível
O momento é o princípio.

O que fazíamos não importava
Ao redor, desapareceu
Olhares que se encontravam
Para nunca mais se afastar.

Caminhos coincidentes
Para um mesmo fim
De um começo já inaugurado
Que pôde se concretizar.

O dia eu queria lembrar
Para poder comemorar
Mas se te tenho todos os dias
Omitirei essa agonia
E viverei intensamente
Cada dia de alegria.

Ivan Daniel amanajás

Meu comentário: parabéns ao casal pelos 13 anos de convivência e, principalmente, 9 de casamento comemorados hoje.   

Poema de agora: Don Juan da Amazônia (@Laritang)


Don Juan da Amazônia

Engravida as virgens
Conquista sem parcimônia
O Boto nas margens…

Ameaça Boiúna
Cresce mais e mais
Rasteja e inunda
Cobra grande voraz!

Criatura que corre na mata
Com os pés ao contrário
Entidade da floresta nata
Curupira, Caipora!

Sereia que (en)canta no rio
Destruindo sem mágoa
Qualquer homem perde o brio
Iara, mãe d’água!

Assombração que pede tabaco
E apita na madrugada
Quer fumo no escuro opaco
Matinta Pereira, rasga-mortalha…

Mágico amuleto
Que concede pedidos
Presente predileto:
Muiraquitã, artefato querido.

Esse tronco que sobe o rio
Padeceu por amor
Madeira levada pelo vazio
Tarumã, índio sofredor…

Pássaro raro
De plumagem vermelha
Com um canto lendário…
Uirapuru incendeia!

Naiá se afogou
Apaixonada por Jaci
Estrela que virou flor
Vitória Régia boia feliz.

A floresta traz consigo
Riquezas de tradições
A Amazônia habita ainda

O imaginário dos corações…

Lara Utzig

Poema de agora: Do1s (Lara Utzig)


Do1s

Nós
Num nó de dois corpos
Até o nós
Ser um só ser.
Laço de fita,
Menina bonita,
Até desamarrar
Desatar o nó
Do tecido
E (me) amarrar
Em teu quadril despido.
No teu mar de amar,
Par de amor:
A teu dispor
Ponho-me
Pois morrer de amor
É viver o um.
Pois viver o nós…
É ser.

Lara Utzig

Poema de agora: Eremitas urbanos (@idanielsa)


Eremitas urbanos

Quero um chão de terra
molhada por uma chuva fina
que cai e lentamente
lava meu corpo
limpa minha mente
e alimenta meu espírito.

Prefiro esquecer
que continuo vivendo
seco e faminto
por fantasias impuras
de eremitas urbanos
em suas torres de concreto.

Ivan Daniel Amanajás