Site De Rocha completa 12 anos no ar

Parece que foi ontem, mas já faz 12 anos. O ano de 2009 foi bem legal, mas as duas coisas que mais gostei nele foram o show do Radiohead e a criação do blog De Rocha.

Incentivado por uma ex-namorada, comecei escrever na página virtual. Foi no dia 15 de novembro, há exatos 12 verões e um dia.

A gíria “De Rocha” nomeia este site porque nós, grande parte dos nortistas amapaenses e paraenses, a usamos quando queremos passar credibilidade sobre determinado assunto.

Na página, sempre publiquei fotografias, notícias, músicas, poesias, futebol, crônicas, contos, gifs, informes sobre fatos, eventos, pessoas públicas, bandas, arte, muita arte, e assuntos de interesse da população.

A promoção da cultura, em todas as suas vertentes, sempre foi o principal objetivo do De Rocha, além de expor meus pontos de vista, críticas leves e pesadas ou elogios amenos e exagerados aos que merecem. Foram tantos artistas, músicos, bandas, incontáveis eventos. Também publiquei textos do trampo por onde passei como assessor de comunicação. Além disso, falei muito da minha amada e preciosíssima família. E isso tudo misturando blá-blá-blá abobrístico, pois a vida sem humor é horrível.

Apesar da “internet soviética”, como diz o amigo jornalista Régis Sanches (ex-colaborador deste site), dos acusadores, fiscais e críticos, o De Rocha virou sucesso. Confesso que, quando comecei a escrever, nem imaginava que minha página virtual seria tão bem aceita. Isso aqui abriu portais, portas, janelas, gavetas e até alçapões em minha vida (risos).

Sei que rolou muito atrevimento, ironia, polêmicas, sarcasmo, verdades doloridas de se ler, alfinetadas, acidez e até bobagens de minha parte. Mas também rolou tanta homenagem, tanto amor real, tanta coisa legal. Claro que cometi alguns erros, não poderia ser de outro jeito. Mas tudo é aprendizado. Me arrependo de ter magoado algumas pessoas. De verdade!

Por aqui passaram vários colaboradores. Alguns deles nem são mais meus amigos, mas sou grato pelas contribuições. Cada um teve papel importante na formação deste espaço. Também agradeço aos parceiros que continuam por aqui. Em especial aos amigos Fernando Canto, Ronaldo Rodrigues, Jaci Rocha, Patrícia Andrade, Alcinéa Cavalcante, Luiz Jorge, Marcelo Guido e Marcelle Nunes, além do velho e saudoso Tãgaha Luz (In memoriam). Ah, os caras que fazem a manutenção do boteco: Rômulo Ramos e Laerte Diniz. Obrigado, meninas e caras.

O blog morreu há sete anos, quando foi criada esta página eletrônica (dados do antigo endereço foram migrados para cá). Passado todo esse tempo, mantenho-me como comecei: jornalista, assessor de comunicação, compulsivo por atualizações da página, cronista, crítico, ex-blogueiro e editor de um site ético sem rabo preso com ninguém (apesar de muita gente confundir o espaço dado a amigos assessores com favorecimento).

Tenho a ousadia de usar as palavras do escritor Caio Fernando Abreu: “acho que fiz tudo do jeito melhor, meio torto, talvez, mas tenho tentado da maneira mais bonita que sei”. Uma eterna luta do bem contra o mal dentro de mim, mas com 99% de vitórias da luz.

Ah, desculpem os palavrões em alguns textos, mas isso também é liberdade de expressão.

Muitas das crônicas de minha autoria foram reunidas em dois livro, um já lançado em 2020, o “Crônicas De Rocha – Sobre Bênçãos e Canalhices Diárias”; E o “Papos de Rocha e outras crônicas no meio do mundo”, que será lançado no próximo dia 22 de novembro.

Aqui a bola sempre foi minha. Você pode discordar, mas é isso o que penso e ponto. Com essa frase, agradei a maioria. Meu muito obrigado a vocês, senhores e senhoras que compõem o leitorado do De Rocha, sejam admiradores, críticos e detonadores (que de certa forma também são admiradores). Sigamos aplaudindo, criticando, discordando e incentivando as boas práticas. Valeu!

Elton Tavares

A Carta/Confissão – Crônica de Elton Tavares

Crônica de Elton Tavares

Sou cheio de esquisitices, chatices, normas próprias e carências incuráveis. Sim, demais cabeça dura, até raivoso de vez em quando. Mas há muito tempo, não imponho minhas vontades a ninguém. Tenho muitos chegados e poucos amigos (desses que a gente conta segredos). Sou um chato convicto e assumido, mas de quem muitos gostam de ter ao lado e agradeço a esses por isso. Dou trabalho, mas me disponho a tê-lo também com meus verdadeiros afetos.

Não gosto de levar susto, por isso sempre aviso do que gosto e do que não me agrada. Sou de poucas lágrimas, muitas cervejas e alguns rompantes. Falo de minhas fraquezas, faço confusão, passo raiva, A falta de razão, às vezes, me constrange. Mas há muito cansei de me desculpar. Continuo sempre em frente da minha maneira, pois vivo nos meus termos. Sempre na tentativa de não machucar ninguém.

Dizem que os opostos se atraem. Pode até ser, mas convenhamos, somente dispostos ficam juntos, de fato. Sim, esta crônica também é uma carta de amor/desamor/desabafo. Só que, diante do choque de personalidades/vidas, as nossas bobagens amorosas ficam gitinhas nesta idade. Então é isso. Peço realmente desculpas pela minha fraqueza irremediável da falta de adequação e paciência.

Ah, apesar de ser um tanto cabeça dura e irônico, bote fé que sou legal. Se tivesse rolado de fato, um romance comigo sempre rende boas gargalhadas, bons momentos e boas lembranças (más também, mas só minoria no banco de memória afetiva). Pois nada aqui é pouco; é sempre muito – tudo no meu universo. E olha, desculpa minha sinceridade. E, cá entre nós, não guardemos rancor nenhum pela nossa quase “love history”, pois é bom não acumular mais vales-karmas para a próxima vida.

Com afeto e antepaixão (e antipático), Elton Tavares.

Obs: essa carta de amor/desamor/desabafo tem sim endereço certo. Para quem me odeia, entre na fila, pois um como disse uma pessoa certa vez: “o Elton tem mais inimigos que o Batman”. Aos que amo – que sabem quem são – obrigado por estarem comigo na caminhada. Essa jornada não é fácil, mas seria ainda mais difícil sem vocês.

*Crônica publicada com a devida autorização (risos). 

Lembrança boa de hoje: Johnny Marr no Lollapalooza Brasil 2014

Foto: Elton Tavares

Todo dia bate uma saudade de ver um shonzão. No Lollapalooza Brasil 2014, o guitarrista Johnny Marr, ex-integrante do The Smiths arrebentou. Mesmo com o fato de o seu show ter sido realizado no palco Onix (longe pra caralho, quase mais de 1km do palco Skol e quase dois para o palco Interlagos). Ele tocou e cantou canções de seu projeto solo, mas levantou a massa mesmo com músicas dos Smiths.

Foto: Elton Tavares

Stop Me If You Think You’ve Heard This One Before, Bigmouth Strikes Again e How Soon Is now? (com a presença surpresa de Andy Rourke, ex-baixista do Smiths, que tocou junto com Marr ). Além disso, na apresentação de Johnny rolou som da banda Eletronic (projeto dele, Bernard Summer do New Order e Neil Tennant do Pet Shop Boys) e The Clash, com I Fought The Law. Há sete anos. Eu tava lá. Foi um showzaço!

Elton Tavares

Daqui a pouco: pequena crônica de Ronaldo Rodrigues para sexta-feira à noite

Crônica de Ronaldo Rodrigues

Daqui a pouco vou levantar desta cadeira, abrir a janela e gritar para o tráfego que corre lá embaixo, na avenida, que já raiou a liberdade no horizonte do Brasil.

Daqui a pouco vou afrouxar a gravata, arregaçar as mangas, abrir a porta com um chute e sair correndo até a rua, por todas as ruas, em busca do bar perfeito, que é exatamente o imperfeito.

Daqui a pouco vou adentrar o paraíso e o purgatório onde me aguardam as piadas mais infames e grosseiras, lado a lado com os comentários mais sagazes e coerentes.

Daqui a pouco vou gozar o direito de ir e vir aos botecos & bares & valas & esgotos & espeluncas & inferninhos.

Daqui a pouco vou usar minha liberdade condicional, com a condição de voltar para a prisão totalmente embriagado.

Daqui a pouco as borbulhas de cerveja que nascem no fundo do copo irão explodir no meu cérebro justamente no momento em que eu der a tacada mortal na bola de bilhar.

Daqui a pouco vou pegar o regime semiaberto, escancarar o regime, fugir para sempre de tudo e de todos e, na segunda-feira, me resignar e voltar para a prisão do escritório.

Daqui a pouco, bem pouco, vou acionar a lista dos meus contatos para dar início à grande rebelião. Mas só daqui a pouco.

Um ano do apagão: Nunca vi uma noite como aquela. Nunca vivemos um período como aquele

Macapá na noite de terça-feira (3/11/2020) – Foto: Aog Rocha

Crônica de Elton Tavares

Eu nunca tinha visto/vivido uma noite como aquela. Parece que todos os raios do planeta caiam somente nesta cidade equatorial, nosso lugar no mundo. A tempestade era digna de um filme apocalíptico, raios e trovões que parecia que o céu estava desabando sobre nossas cabeças, algo surreal. E tudo isso dentro de uma crise pandêmica, pois há exatamente um ano, quando ocorreu o apagão no Amapá, a Covid-19 matava dezenas de pessoas por dia em nosso estado.

Sim, na noite de 3 de novembro de 2020, dos 16 municípios amapaenses 13 deles foram afetados com um apagão de energia elétrica, causado por uma pane em um transformador (o qual a concessionária amapaense não tinha equipamento reserva) que durou mais de 20 dias. Foi uma tragédia. Uma humilhação. Uma catástrofe sem precedentes.

Imagem: Fantástico/G1 Amapá

Teve fome, agonia, tristeza. Teve letargia no socorro que nunca chegava. Teve prejuízo, revolta, resignação. Teve protestos/guerra nas redes sociais e nas ruas. Teve solidariedade, teve descrédito e pouca esperança. Teve medo. Teve pessoas assistindo a tudo sem fazer nada. Uns por egoísmo, outros por conveniência. Teve desespero!

Com o apagão, vivemos as crises sanitária e energética aterrorizantes. O Governo Federal demorou a nos ajudar, mesmo com o esforço mútuo de instituições e parlamentares locais. Foram muitos os heróis conhecidos e anônimos que ajudaram pessoas naqueles dias sombrios com distribuição de milhares de cestas básicas em comunidades e periferias nas cidades tomadas pela escuridão. O esforço dessas pessoas foi crucial para colocar comida na mesa de famílias cuja renda foi ceifada pela pandemia e falta de energia.

Imagem: Fantástico/G1 Amapá

Teve um rodízio de energia desleal. Dividida em dois turnos – de 0h às 6h e 12h às 18h ou de 6h às 12h e 18h às 0h – a retomada parcial do serviço, prevista para durar uma semana, se estendeu por quase um mês e impôs todo tipo de limitações aos amapaenses. Aliás, passamos de todos os limites naquela época tenebrosa.

A interrupção no fornecimento de energia elétrica no Amapá já se estendeu por 22 dias (oscilando entre blecautes, racionamentos e rodízios de energia), sendo que os efeitos danosos deste “apagão” foi uma tristeza difícil de contar em apenas uma crônica. Aquela loucura foi o maior e mais prolongado apagão na história do país.

Sim, foi em novembro de 2020 que o mundo acabou para muitos. Ultrapassamos a linha e o Amapá se viu dentro de um abismo escuro. O que a vida reservou pra gente, hein? O único aprendizado na dor enquanto aqueles dias se arrastaram, cheios de perdas, revolta e notícias tristes, foi sermos solidários. Pelo menos foi o que aprendi.

Um dia, após a Covid-19 ser erradicada de vez, talvez eu escreva um livro com o título: “Depois do Fim do Mundo – Uma crônica para sobreviventes”.

Apesar do melancólico e inimaginável período, seguimos iluminados pelo dom da vida. Espero que não, sinceramente, não tenhamos que viver aquilo nunca mais. Pois é triste lembrar. Uma pena que tenha sido assim!

*Revisão e edição da amiga jornalista Gilvana Santos.

Quem nos dera um adeus digno – Crônica de Elton Tavares

 

Crônica de Elton Tavares

Várias vezes, sonhei que conversava uma última vez com uma pessoa que partiu. Sim, alguns dirão que tenho muita imaginação, outros que sou ficcionista ou até mesmo assombrado (“sem sombra ao meio-dia em tempos de equinócio”, segundo o querido e Fernando Canto, rs).

Bom, o lance é imaginário mesmo. Quase sempre, imaginamos viagens no tempo para falar com pessoas queridas que se foram ou quem sabe alertá-las sobre um perigo iminente.

Não falo de viagens no tempo, provocadas por portais abertos no espaço-tempo como nos filmes “Donnie Darko” e “Efeito Borboleta”, cheios de possibilidades de mudanças e consequências.

Também não queria psicografia, entoação ou algo assim. Falo da oportunidade de uma aparição da pessoa. Do amigo ou ente querido se manifestar logo após a desencarnação. Dessa forma poderíamos dizer ou escutar qualquer coisa do tipo: ‘eu te amo, siga seu caminho, pois vou cuidar de tudo por aqui’.

Seria ótimo dizer ‘se cuide’, quando a gente não poderá mais cuidar de alguém. Ou mesmo não dizer nada, apenas abraçar e sentir, poder dizer com o próprio corpo, o quanto aquele abraço vai fazer falta. Realmente seria bom pedir e dar desculpas, dizer um até breve, sentir e ver o trem chegar e partir. Porque, quando chega a hora, a gente não sabe e é mesmo uma história que termina em meio a reticências…

Sem excessivo saudosismo e longe de ser lunático, e sem nenhum intuito de ferir o código de ‘futuro pré-determinado’ denominado Destino, o síndico de tudo isso aqui, de codinome Deus, poderia colocar mais essa cláusula no livre arbítrio: a possibilidade de se despedir. Seria ótimo. E como seria!

Não se trata de “consertar” nada, mas sim de uma última chance de diálogo, uma conversa franca, um adeus digno.

Mas a vida tem sua própria sabedoria…as crônicas também. E os sonhos, mais ainda.


*Do livro “Crônicas De Rocha – Sobre Bênçãos e Canalhices Diárias”, lançado em setembro de 2020.

Cemitério: um lugar de encontro e memória- Crônica de Fernando Canto

Crônica do sociólogo Fernando Canto

No cemitério todos estão iguais: mortinhos. Mas as pessoas que o visitam no Dia de Finados estão ali para reverenciar os mortos pelas suas qualidades, pela saudade que ficou, pelo respeito à obra que deixaram ou pelo amor que ainda paira na lembrança.

Assim o cemitério torna-se um lugar da memória porque ali cada lápide é uma imagem que enclausura um objeto de representação social ou familiar. E a presença dos parentes e amigos não só traz o significado do respeito e da fé religiosa como também o da mudança que se opera em todos os homens e mulheres diante da inflexibilidade da morte. Torna-se também lugar de oração, culto e reflexão.

Embora já não represente mais tanto mistério nem incuta mais tanto medo, o “campo santo” no centro da cidade é apenas mais um dos tantos aparatos urbanos encravados e irremovíveis que chegam a causar muitos problemas para as administrações municipais. Principalmente os de natureza ambiental, porque o chorume humano polui densamente os lençóis freáticos das suas redondezas, algo semelhante quando combustíveis como óleos ou gasolina penetram no subsolo.

É um lugar democrático: defuntos de todas as classes sociais estão enterrados nele. É um local frequentado por pessoas de todo tipo, que expressam seus sentimentos das mais diversas maneiras. Há fanáticos, por exemplo, que se atrelam a um devocionismo doentio, pois crêem que determinado defunto faz milagres e por isso pedem o que querem e inundam seu túmulo com plaquetas de agradecimento “pela graça alcançada”. Já vi homens virarem santos por obra e graça dessa morbidez que povoa a cabeça dos devotos. Vi pessoas serem homenageadas com pompas fúnebres pela ilibada conduta pessoal e profissional que tiveram, assim como já vi impropérios atirados a assassinos mortos pela polícia e a um político que a vida toda enganara eleitores e a família. Soube, inclusive, que nos anos 60 muita gente soltou foguetes no enterro de um delegado famoso por sua perversidade para com os presos.

O cemitério também é um lugar de encontro dos amigos. Ora, depois de uma rezada básica e uma vela acesa para os parentes, antigos amigos que hoje só se encontram no dia das eleições ou numa decisão do campeonato amapaense, se cumprimentam e se põem a conversar sobre conhecidos que já morreram. Então vêm à tona inesquecíveis episódios e velhas piadas sobre eles. A memória se reacende e traz de volta à vida o homem e sua conduta, mesmo que lhe reste apenas o pó dos ossos sob a lápide.

A conversa gira sobre os assuntos mais banais: desde a vizinhança de túmulos de entes queridos aos preços cobrados pelos coveiros que estão “pela hora da morte”; desde os “bons e velhos tempos” às doenças enfrentadas por eles (principalmente o diabetes) e as consultas periódicas aos médicos; desde aos planos mais mirabolantes às tentativas de convencimento a votar em certo candidato.

Em que pese a gritaria e o comércio de ambulantes que quase não deixam as pessoas passarem na frente do cemitério, a homenagem aos mortos passa a ser um acontecimento um tanto quanto banalizado pela força do capital que se instaura em qualquer lugar, seja onde for. Alguém vai sempre lucrar com isso. E como a morte rende… Não é à toa que cada vez mais aumenta o número de vendedores e de produtos diversificados nas proximidades das necrópoles. Não é à toa que o comércio abre suas portas mesmo sendo feriado.

Não quero dizer que acho isso estranho, pois tudo muda, evolui. Mas lembro com certa saudade a programação musical da extinta Rádio Educadora no dia de finados. O dia todo só tocava música clássica. Isso despertou em mim a curiosidade pelos eruditos que os padres italianos ouviam com prazer.

Cemitério é palavra que vem do grego, koimeterion, que significa “dormitório”. Como eu não quero ainda “dormir” na cidade dos pés juntos, prefiro me programar para ir até lá no dia dos finados, exercitar a memória e jogar conversa fora com os amigos.

Hoje é o Dia das Bruxas. E como diz o ditado: “eu não acredito em bruxas, mas que elas existem, existem”

O Dia das Bruxas (Halloween é o nome original na língua inglesa) é um evento tradicional e cultural, que ocorre basicamente em países anglo-saxônicos, mas com especial relevância nos Estados Unidos, Canadá, Irlanda e Reino Unido, tendo como base e origem as celebrações dos antigos povos.

Portanto, feliz Dia das Bruxas a todos os “puxa-sacos”. Feliz Dia das Bruxas aos amigos de ocasião, aos interesseiros e duas caras. Feliz Dia das Bruxas aos que não fazem nada além de sacanear os outros. Feliz Dia das Bruxas aos que são fofoqueiros, soberbos, recalcados, invejosos e metidos a merda.


Ou seja, a todos que são Bruxas vorazes do nosso cotidiano. E existem tantas bruxas e bruxos especialistas em escrotidão. Nestes casos, eu sou a favor de uma inquisição, nada santa, claro, mas do desprezo. Assim, eles (ou elas) parariam de fazer tantas crueldades para atormentar a vida da gente. Afinal, queimar (o filme de) pessoas de mau caráter é tentador, não?

Agora prestem atenção, nem toda bruxa é má. Conheço algumas boas. Não que eu cultue a “Wicca”, uma seita moderna pagã baseada em bruxaria que apareceu na Inglaterra na primeira metade do século XX, mas é que há bruxarias e bruxarias. Nem todas são fadas más. Eu mesmo conheço algumas de bom coração. Mas também umas três bem malvadas.


A verdade é que a maioria de nós é movido por crenças, dogmas e superstições diariamente. E como diz o ditado espanhol: “yo no creo en brujas, pero que las hay, las hay” (eu não acredito em bruxas, mas que elas existem, existem).

Elton Tavares

Biblioteca da Unifap realiza a campanha #LerUnifap

A Biblioteca Central da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP) está realizando uma campanha em comemoração à Semana Nacional do Livro e da Biblioteca, que ocorre no período de 23 a 29 de outubro.

A campanha tem como objetivo conhecer e dar visibilidade ao que a comunidade acadêmica está lendo atualmente, o livro favorito que marcou a jornada universitária ou o último livro que emprestou para leitura.

Por conta da pandemia da Covid-19 a campanha ocorre de forma online, como explica Mário Lima, diretor da Biblioteca Central da UNIFAP: “como estamos ainda enfrentando a pandemia e a biblioteca está com seus espaços de estudo fechados, resolvemos fazer a semana que homenageia o livro e a biblioteca de forma remota, assim todos podem interagir mostrando através da hashtag suas preferências literárias, livros que marcaram ou que estão sendo apreciados no momento”, destaca.

Para participar os interessados devem publicar uma foto do livro que faz uso na graduação ou na pós-graduação, usando a hashtag #LerUnifap. Podem participar todos os que compõem a comunidade universitária, alunos, professores e técnicos. Ao final da campanha será realizado um sorteio de 3 prêmios surpresas através do Instagram da Biblioteca Central da UNIFAP (@bcunifap).

Semana Nacional do Livro e da Biblioteca

Instituída pelo Decreto n. 84.631, de 9 de abril de 1980, o objetivo da data é incentivar a leitura e a construção do conhecimento através da difusão do livro, da informação e do acesso às diversas formas de manifestações artísticas e culturais. Além disso, a comemoração também visa divulgar a profissão [email protected] Bibliotecá[email protected] e possibilitar a atualização e o desenvolvimento desses profissionais.

Participem!

Ascom Unifap

A chegada do Banana no céu – Crônica muito porreta de João Lamarão (contribuição paid’égua de Fernando Canto)

Banana – O chato mais querido do Amapá – Foto: Chico Terra

Por João Lamarão

Um mês já havia se passado daquela noite fatídica, tempo mais do que suficiente para que os tramites burocráticos do Purgatório se processassem normalmente, contando é claro, com o jeitinho brasileiro, instrumento fundamental para que qualquer processo corra rapidamente em qualquer lugar e o Banana foi autorizado a ingressar no átrio que dá acesso a porta do Céu. O ambiente normalmente tranqüilo, nesta hora estava altamente congestionado. Filas intermináveis, parecia mais com o pronto socorro durante os finais de semana do que a ante-sala do Paraíso.

Como era de se esperar, a situação mexeu com os brios do Banana que esbravejou aos quatro cantos que aquilo era uma esculhambação geral e que até ali, não havia respeito com as almas que aguardam a redenção eterna, por isso, iria se queixar diretamente a Ele. Deus, seu amigo intimo, que já o salvara de poucas e boas, de forma que a BACOL não deixaria aquilo barato.

Antigo Bar Xodó – Fotos: arquivo de Fernando Canto

Em um cantinho apertado, tipo 3×4, pois o preço do aluguel no Céu está pela hora da morte e onde foram implantadas as modernas instalações do Xodó Celestial, várias almas disputavam uma vaga no exíguo espaço a fim de conseguirem tomar uma cerveja geladinha enquanto aguardavam a vez de serem chamados pelo assessor especial de São Pedro, um negro alto e forte, ar de bonachão, que pela sua estatura sobressaia a turba, impondo respeito ao ambiente. Era nada mais, nada menos que o Pururuca.

Numa área reservada àqueles do regime semi-aberto que podem sair e entrar no Céu a qualquer hora, ao redor de uma mesa estrategicamente colocada, Paulão, Waldir Carrera, Marlindo Serrano e Bode, jogavam conversa fora. Faziam conjecturas de como estava a vida pelas bandas daqui de baixo, se haveria ou não carnaval, se a micareta na orla seria liberada, entre outras coisas.

O saudoso Albino Marçal, dono do Xodó – Foto: arquivo de Cláudio Pinho

Pela parte interna do balcão de mármore branco italiano, entre santinhos, velas e terços postos a venda, o Albino muito p… da vida meio a confusão peculiar, reconheceu nosso amigo ao longe, perdido meio a multidão e esbravejou:

– P.Q.P., taí o motivo da minha cuíra. Acabou o nosso sossego. Vejam quem acaba de chegar prá me aporrinhar.

Todos se viraram rapidamente na direção indicada. A alegria foi geral e imediatamente uma festa foi armada para receber o novo hóspede, gerando grande confusão, todos ávidos por notícias da terra, uma vez que por aquelas bandas não tem televisão e nem pega celular. Sabedores de que o Banana era onipresente, conseguia a proeza estar em vários lugares praticamente ao mesmo tempo, teria portanto, muita informação a dar.

Passada a euforia inicial, as coisas foram acalmando, mas ao largo, um grupo de almas francesas xingava até em patuá, a falta de organização do ambiente, exigindo providencias urgentes. Ao fundo, uma voz em fluente francês tentava acalmar o agitado grupo dizendo:

Franky de Lámour – Arquivo de Fernando Canto.

Monsiers et mademoiselles, calma, calma… aqui as coisas são assim mesmo. Não se preocupem que vou ajeitar tudo pra vocês. Se há necessidade de dar um jeitinho, daremos; para isso, sou a alma certa, conheço todo mundo aqui no pedaço; tenho até autorização do Todo Poderoso para trabalhar como lobista e, mais rápido do que o pensam, vocês estarão rezando um terço com Senhor. Mas antes, preciso de um adiantamentozinho prá molhar a mão do porteiro.

Ouvindo isso e intrigado com a presença de tantos franceses, o Banana virou-se rapidamente e deu de cara com nada mais nada menos que o Franky de Lámour que tentava resolver a questão:

– Franky, que bagunça é essa, cara? Aqui não é o Céu, onde tudo é mil maravilhas?

– Não Banana! Aqui não é o Céu, aqui é Caiena.

– Valha-me Deus! Dancei.

João Lamarão – Arquivo Sônia Canto

*”Essa crônica sobre o Banana é antológica. Foi escrita pelo nosso parceiro João Lamarão, engenheiro e escritor que também já foi pra Caiena, infelizmente. Ele é o autor do livro “No tempo do Ronca,- Dicionário do falar Tucuju”. Essa é uma singela homenagem àqueles que fazem parte da vida macapaense e que partiram deixando saudades e para não esquecer o quanto ele também fez parte de nossa história. Sua simplicidade, bom-humor (às vezes mau-humor, mas sem ser grosseiro) e profundo amor por esta terra” – Fernando Canto.

**Fotos encontradas nos blogs “O Canto da Amazônia”, do Chico Terra e da Sônia Canto.

Frases, contos e histórias do Cleomar (Segunda Edição de 2021)

Tenho dito aqui – desde fevereiro de 2018 – que meu amigo Cleomar Almeida é cômico no Facebook (e na vida). Ele, que é um competente engenheiro, é também a pavulagem, gentebonisse, presepada e boçalidade em pessoa, como poucos que conheço. Um maluco divertido, inteligente, gaiato, espirituoso e de bem com a vida. Dono de célebres frases como “ajeitando, todo mundo se dá bem” e do “ei!” mais conhecido dos botecos da cidade, além de inventor do “PRI” (Plano de Recuperação da Imagem), quando você tá queimado. Quem conhece, sabe.

Assim como as anteriores, segue a Segunda Edição de 2021, cheia de disparos virtuais do nosso pávulo e hilário amigo sobre situações vividas em tempos pelo ilustre amigo. Boa leitura (e risos):

Tacacá

Semana que vem vou fazer um tacacá aqui em casa, a senha, e tem que ser gritada bem alto, pra poder entrar é “Bolsonaroémeuszovo”. Gritou, entrou, um de cada vez pra evitar “aglomeramento”.

Grade de vinho

Tenho uns amigos que durante a pandemia, começaram a beber vinho, gostaram tanto que já estão bebendo vinho de grades.

CEA & Cobrança

Quero entender como alguém consegue passar 30 meses sem pagar a conta de energia e não ser importunado, aqui em casa atrasou um mês tu já acorda com o barulho da escada da CEA no poste, “track track”. É um cabôco trepado lá em cima e o outro com o papel em baixo te cobrando, fdc.

Dinheiro no bolso

Com dinheiro no bolso, até o jeito que eu ando é diferente, “amodo” que eu desfilo.

Pobre bolsominion é burro

O cara que tem grana e é Bolsominion não me incomoda, me incomoda é ver um lascado, que mal consegue se manter, que não consegue fazer nem as compras do mês, que tem carro mas não pode ir muito longe pq vive na reserva, que tá com a porra do aluguel atrasado e sabe que não tem como pagar e que a tempos perdeu qualquer perspectiva de melhorar de vida, defendendo esse governo. Ele briga pelo Bozo como se fosse rico, pensa que é classe média e vive como pobre. Parece que tá sem rumo, só esbraveja, vive um tomamento de cu diário e ainda não se tocou que não faz parte do negócio.

Ser besta

Se tem uma coisa em que eu sou bom, fera mesmo, praticamente imbatível, é em ser besta pra os outros.

Azar nas filas

Caros amigos, quando me virem numa fila, qualquer que seja ela, banco, supermercado, padaria, fila pra pegar a hóstia na igreja… evitem entrar nela, procurem outra, mesmo que a minha fila tenha menos gente, evitem. Se a fila do lado tiver vinte pessoas e na minha só eu, evitem! A minha fila inevitavelmente vai parar, sofro do mal da fila parada, já vi acabar dinheiro do caixa eletrônico comigo na fila, já perdi show esperando na fila pra entrar. Confia em mim, entra na outra fila.

Amapacap

Preciso parar de fazer conta pensando no prêmio do Amapacap.

Custos

Pessoal aqui de casa pensa que eu sou o dono da CEA, a CEA pensa que eu sou filho do dono do Itaú, e o dono do Itaú sabe que não é meu pai.
Diacho de vida!

Calor

Aqui em Macapá, os humilhados serão assados.

Banho de Rio

Começou a dar errado quando vcs vieram com essa caboquice de vestir camisa manga comprida pra tomar banho de rio.

Liso no Feriado

Deveria ser proibido o cara ficar liso em pleno feriadão.

Pilotos

No fim das contas eu estava certo em gostar mais do Senna que do Piquet.

Vida de Gado (Bolsomínion)

Vida de Bolsominion é um negócio de doido, fdc!!

Cozimento

A pessoa que mora no Amapá e usa o chuveiro elétrico no 4, vai cantarolando pra o inferno, de boa. Povo aqui de casa não toma banho, faz um pré cozimento.

Malcriação & covid

Tá vendo o que dá a malcriação? Ontem tava fazendo cotoco para os outros, hoje tá com Covid. (Minha mulher, me contando que o Ministro da Saúde tá com Covid lá nos States).

Cantoria ruim

Ouvir a Julliete cantando é melhor do que ser surdo.

Padre manicão

Quanto ao Padre Festeiro, ele não saindo com a minha mulher tá tudo tranquilo, capaz até de eu ir junto.

Sem de vergonha

Coisa que eu não tenho e que definitivamente não me faz falta é vergonha na cara, credo!!

Coisas do Norte

Fala que é do norte, mas não sabe a diferença entre o camarão catado e o escolhido.

 

É, eu gosto! – Crônica de Elton Tavares (com ilustrações de Ronaldo Rony)

Eu gosto de fotografar, de beber com os amigos e de ser jornalista (talvez, um dia, um bom). Gosto de estar com minha família, do meu trabalho e de Rock And Roll. Eu gosto de café, mas só durante o trabalho, enquanto escrevo. Gosto de sorvete de tapioca, de cerveja gelada e da comida que minha mãe faz. Também gosto de comer besteira (o que me engorda e depois dá um arrependimentozinho).

Gosto de sorrisos e de gente educada. Eu gosto de gente engraçada. Gosto de bater papo com os amigos sobre música, política e rir das loucuras que a religião (todas elas) promove. Eu gosto de chuva e de frio. Gosto de futebol. Gosto dos golaços e da vibração da torcida.

Gosto de ir ao cinema, de ler livros e de jogar videogame. Gosto de rever amigos, mas somente os de verdade e de gente maluca. E gosto de Macapá, minha cidade.

Eu gosto de ser estranho, desconfiado, briguento e muitas vezes intransigente.

Sim, confesso que gosto.

Gosto de viajar, de pirar e alegrar. Gosto de dizer o que sinto. Às vezes, também gosto de provocar. Mesmo que tudo isso seja um estranho gostar.

Gosto de encontros casuais, de trilhas sonoras e de dar parabéns. Gosto de ver o Flamengo ganhar, meu irmão chegar e ver quem amo sorrir. Também gosto de Samba e do Carnaval. Gosto de ouvir o velho Chico Buarque cantar – ah, como eu gosto!

Eu gosto de explicar, empolgar, apostar, sonhar, amar, de fazer valer e de botar pra quebrar. Ah, eu gosto de tanta coisa legal e outras nem tão legais. Difícil de enumerar.

Eu gosto de ler textos bem escritos, de gols de fora da área, de riffs de guitarra bem tocados, de humor negro e do respeito dos que me cercam.

Gosto de me trancar no quarto e pensar sobre a vida. Gosto quando escrevo algo que alguém gosta. Gosto mais ainda quando dizem que gostaram.

Eu gosto também de escrever algo meio sem sentido para a maioria como este texto. Eu gosto mesmo é de ser feliz de verdade, não somente pensar em ser assim. Gosto de acreditar. Como aqui exemplifico, gosto de devanear, de exprimir, de demonstrar e extravasar.

Pois é, são coisas que gosto de gostar. É isso.

Elton Tavares

*Texto do livro “Crônicas De Rocha – Sobre Bençãos e Canalhices Diárias”, de minha autoria, lançado em setembro de 2020.

José Falcão gira a roda da vida. Feliz aniversário, amigo!

Sempre digo aqui que gosto de parabenizar neste site as pessoas por quem nutro amor ou amizade. Afinal, sou melhor com letras do que com declarações faladas. Acredito que manifestações públicas de afeto são importantes. Neste vigésimo terceiro dia de outubro, o amigo José Falcão gira a roda da vida e lhe rendo homenagens, pois trata-se de um baita cara paid’égua!

Pai dedicado de quatro filhos, homem trabalhador e justo, parceiro e piloto do cotidiano dos corres da vida. Um cara porreta, bem-humorado e tranquilo.

Convivi com esse figura por mais de dois anos e ele me ajudou muito em várias missões. Claro que temos uma relação mútua de parceria. Apesar de já ter quase me matado (risos), quando sofremos um acidente de trânsito no início de 2020, ele é realmente um cara porreta!

Em resumo, o Zé é o cara que resolve as coisas enquanto estou focado nos meus afazeres profissionais. Dou valor no brother. Já foram muitas aventuras, perrengues e presepadas junto a esse maluco. Até hoje, mesmo de longe, ele sempre dá uma força e sou grato por isso.

Zé, mano velho, que teu dia seja lindão. Que teu novo ciclo seja ainda mais feliz, produtivo e iluminado. Que sigas pisando firme e de cabeça erguida em busca dos teus objetivos, sempre com esse bom humor e coragem. Que tudo que couber no teu conceito de sucesso se realize. Que a Força sempre esteja contigo. E que tua vida seja longa, repleta de momentos porretas. Você merece. Parabéns pelo seu dia. Feliz aniversário!

Elton Tavares

Continuo em frente e com a força de sempre! – Crônica de Elton Tavares (com ilustrações de Ronaldo Rony)

Eu continuo trabalhando muito, pois adoro minha profissão. Continuo sincero, contudo áspero. Eu continuo diferenciando puxa-sacos de profissionais, apesar de muitos não terem tal discernimento. Eu continuo honesto, apesar das propostas indecorosas. Continuo pobre, contudo sem telhado de vidro ou rabo de palha. Como sempre, não acompanho a moda convencional, mas fico ligado na underground.

Vivo a celebrar minha existência com a família e os amigos. Permaneço bebendo mais que o permitido, mas nunca fui ou sou um bêbado enjoado. Sigo boêmio inveterado, só que muito menos que antigamente. Continuo apaixonado pela boa música, mas extremista com alguns gêneros musicais. Sigo com meu amor pelo Rock and Roll, MPB e Samba. Continuo apaixonado pelo Carnaval, mas só na época mesmo.

Eu continuo exigente, mas sempre à procura da facilidade. Continuo antipático para alguns e paid’égua para a maioria. Continuo assumindo meus erros e brigando pelos meus direitos, custe o que custar. Continuo sem intenção de agradar a todos, mas acertando mais que errando. Ainda sou Flamengo, mas não brigo mais quando o time perde, até dou risada da encheção de saco dos adversários.

Eu continuo tirando barato de erros grotescos, mas aguento as consequências quando falho. Continuo escrevendo, mas com a consciência de nem sempre agradar. Continuo a me irritar com a necessidade de tanta gente de aparecer ou ser admirada, mas não sou totalmente desprovido dessa soberba.

Continuo convivendo com figurões e anônimos, sem deslumbre ou desdém, pois é assim que deve ser. Ainda faço mais amigos que inimigos, apesar dessa segunda lista aumentar consideravelmente a cada ano. Permaneço gordo, feio e arrogante, entretanto, respeitoso, justo, bom de papo e sortudo. Sigo “Eu Futebol Clube”, sem falso altruísmo e sempre aviso: se resolver encarar, é bom se garantir.

Continuo insuportavelmente ranzinza, mas incrivelmente querido pelos meus familiares e verdadeiros amigos. Prossigo acreditando nas pessoas, apesar de elas me decepcionarem sistematicamente. Continuo amando, odiando, ignorando, provocando, aplaudindo e vaiando. E sempre fazendo o que precisa ser feito pra manutenção da minha felicidade e do bem das pessoas que amo, mesmo que seja algo egoísta. Resumindo, continuo correndo atrás e com cada vez mais motivos pra permanecer sorrindo.

Elton Tavares

*Do livro “Crônicas de Rocha – Sobre Bênçãos e Canalhices Diárias”, de minha autoria, lançado em setembro de 2020.