Discos que formaram meu caráter- Legião Urbana- Dois (1986)

 

 
Muito bem amigos, estamos aqui mais uma vez para falar de discos, musicas e afins. A diferença é que agora temos um Papa argentino para torrar nossa paciência, ainda bem que o argentino é ele, não eu.
 
O disco em questão trata-se do segundo (obvio) trabalho da Legião Urbana e leva o simplório nome de “Dois”, gravado no ano de 1986. Foi o álbum que mais vendeu copias e o que trouxe o verdadeiro “respeito” a trupe da capital federal.
 
O sucesso do disco anterior, o homônimo “Legião Urbana”, de 1985 (grande disco falaremos ainda dele), não deu a confiança necessária para a gravadora dos caras apostarem em um dos desejos de Renato Russo. O líder da banda acreditava que o segundo projeto legionário deveria ser um trabalho mais singular, mais trabalhado um disco duplo. Chegou ate cogitar nome que seria algo como “Mitologia e Intuição”, mas como já disse os patrões não gostaram da ideia do cara e resolveram lançar em formato simples mesmo e assim em julho de 1986 as lojas recebem “Dois”. 
 
Convenhamos que é um nome muito simples para estar na capa de um dos melhores discos da geração perdida, que naqueles tempos respiravam um ar de liberdade que não se via já há algum tempo dentro de nosso país.
 
Diferente do caminho que as bandas estavam seguindo naquela época, o Titãs quebravam tudo com “Cabeça Dinossauro”, a Plebe Rude entrava em estúdio para dizer “Nunca fomos tão Brasileiros”, Capital Inicial reciclava o restante do “Aborto elétrico” no seu primeiro “Capital Inicial”, os dois Renatos (Russo e Rocha), Bonfá e Dado apostaram em outra pegada, sim a efervescência punk do primeiro disco e deixada de lado. Eles vieram com algo mais folk (os cults vão ao delírio com esse termo), pra resumir “Dois” é algo mais Beatles e menos Sid Vicious.

É um ótimo disco, porque pega o melhor de todos. Russo como compositor começa a mostrar um talento descomunal para escrever as letras, poucos como ele conseguem refletir tanta emoção em versos. A banda estava realmente afiada e passou bem pelo desafio do segundo disco. 
 
Então vamos dissecar o “Artefato”:
 
O disco começa a todo vapor com “Daniel na cova dos leões”, bíblico com certeza, mas longe disso, nos fala que “…Insegurança não  me ataca quando erro”. Vai para  “Quase sem querer”, baladinha com ar de festinha, que fala das angustias, dúvidas  da juventude “…provar pra todo mundo, que eu não precisava provar nada pra ninguém”. 

“Acrilic on Canvas”, linda, a forma dos versos nos permitem recitar a canção em forma de poema, dispensando a melodia. Já “Eduardo e Mônica”, linguagem simples, história de amor, mas lembrando que “…ela era de leão e ele tinha dezesseis”.  “Central do Brasil”, instrumental, pausa. “Tempo Perdido”, uma das musicas, acredito eu, mais exploradas no radio de todos os tempos, o clipe mostra a banda perto de ícones como Lennon, Hendrix etc…Ainda muito jovens.
 
Em “Metrópole”, uma das mais pesadas do disco, fala de violência assistia em nossa sociedade e como isso fica comum. Chegamos em “Plantas debaixo do aquário”, pesadíssima também, clama por paz “…não deixem a guerra começar”. “Musica Urbana 2”, resgate do repertorio do “Aborto Elétrico”, “Andrea Dória”, canção de amor, algo triste acredito que muitos já tomaram um famoso “pé” (os fodas vão entender). 
“Fabrica”, foi usada por muitos anos como abertura dos shows dos caras, prova maior de força não existe. E “Índios”, uma das músicas mais reflexivas já compostas.
 
A revista “Rolling Stones” coloca o álbum entre os 100 mais importantes da música brasileira de todos os tempos, a evolução musical da banda é algo gritante, dos três acordes do primeiro trabalho para “Dois” ocorreu em apenas um ano. Resultado, não outro que não seja “Clássico”.
 
Não posso deixar de dizer que “Dois” é um disco pop, mas sem negar que é inteligente. 33 anos depois, continua atraente e, detalhe, é o disco da Legião que teve a maioria de músicas boas que não tocaram no rádio.
 
URBANA LEGIO OMNIA VINCIT!
 
Marcelo Guido é Punk, Pai, Marido, Jornalista e Professor. “Ainda não sabemos quem guarda os portões da fábrica….”
   

Há dois anos, Lollapalooza 2017: uma lindona experiência de vida

Foto: Elton Tavares

Há dois anos, estávamos  no Festival Lollapalooza 2017. Eu, meu irmão Emerson e nossos queridos amigos Anderson. O evento, muito porreta, aconteceu nos dias 25 e 26 de março, no Autódromo de Interlagos, em São Paulo (SP). Por lá curtimos sons legais, provamos fortes e saborosos venenos (como vodcas islandesas) e assistimos bandas que amamos como The XX, Metallica, Duran Duran e The Strokes. Isso sem falar nas excelentes apresentações de Rancid, Jimmy Eat World e Criolo.

No primeiro dia do Festival, teve o The XX, grupo britânico com som “intimista”. A apresentação dos ingleses foi perfeita. O show teve uma carga de energia positiva, num clima friozinho do início da noite. Muita gente foi às lágrimas. Realmente foi um lance muito legal de ter assistido, sentido e vivido.

“Rodas punks” e falta de ângulo impediram a aproximação para boas fotos do Metallica, mas foi um showzaço

Nono show de uma das maiores bandas do mundo no Brasil e a primeira de metal em seis anos de Festival Lollapalooza, o Metallica chegou de voadora e fechou a primeira noite como um furacão: arrebentando! Não pude fazer fotos legais, mas o grupo fez um show tão porrada que tá valendo!

E o Duran Duran? Porra, com roupas coloridas e dancinhas oitentistas, a banda inglesa nos fez viajar no tempo. Com setlist recheado de clássicos, os britânicos fizeram a alegria de quem foi vê-los no Palco Onix, na tarde do segundo dia do Lolla. A memória afetiva aflorou com as canções “Hungry Like the Wolf” e “Ordinary World”.

Haja nostalgia!

Para muitos, The Strokes não fez o show que esperavam. Para mim foi um showzaço. Os americanos fecharam a segunda noite debaixo de chuva, que não diminuiu a empolgação do público. Com um setlist repleto de clássicos, o que não falta na carreira dos caras, o grupo botou pra quebrar.

Engataram logo as canções “Someday”, “12:51”, “Reptilla” e “Is This it” . A presentação também contou com as músicas “New York City Cops” e a icônica “Last Night”. Enfim, foi muito paid’égua!

Fiz algumas fotos legais, cantei com meu sofrível inglês (a gente enrola) e nos emocionamos em vários momentos desse incrível evento.

Ah, li alguns comentários debochados e invejosos sobre o Lolla nas redes. Só digo uma coisa: se você tinha condições de ir e não foi, perdeu de otário(a), pois foi muito legal.

Resumo da ópera (rock), o sexto Lollapalooza no Brasil, evento que tive a felicidade de ir em quatro edições (antes desse, estive lá em 2014, 2015 e 2018) foi mais uma emocionante e lindona experiência de vida, pois é isso que faz tudo valer a pena. Valeu pra caralho!

Elton Tavares

*Mais algumas fotos minhas do Lolla aqui: 

Há dez anos, vi o Radiohead em São Paulo e foi muito firme!

 

radiohead (1)
Foto: Elton Tavares

Existem experiências na vida que não esquecemos jamais. Em 22 de março de 2009, há exatamente dez anos, assisti ao show da banda inglesa Radiohead, em São Paulo (SP).

3377559735_2023c67917_b

Naquele dia, após comer uma picanha argentina no Mercado Municipal de Sampa, nos dirigimos para a Chácara do Jóquei, local do Festival “Just a Fest”, que contou com as bandas Los Hermanos (parte escrota daquele 22 de março), Kraft Werk, lendária banda alemã que detonou nos recursos visuais e eletrônicos, justamente como esperávamos. e, é claro, a Radiohead.

radiohead_sao_paulo_2009_02_pedro_carrilho

Não sei como descrever o show do Radiohead, o ápice da viagem, o termo incrível é pequeno para a magnitude do espetáculo que eles proporcionaram, valeu cada centavo, as 6h de avião, a distância do local do evento (quase não conseguimos sair de lá, uma procissão a zero por hora, risos).

ingresso (1)

Essa é uma das excelentes lembranças destes mais de 30 anos escutando e vivendo o Rock and Roll. Foi o primeiro grande show de uma banda gringa que assisti. De lá pra cá, rolou rock na história da minha vida. Graças a Deus!

Setlist do Show do Radiohead:

01. 15 Step
02. There There
03. The National Anthem
04. All I Need
05. Pyramid Song
06. Karma Police
07. Nude
08. Weird Fishes/Arpeggi
09. The Gloaming
10. Talk Show Host
11. Optimistic
12. Faust Arp
13. Jigsaw Falling Into Place
14. Idioteque
15. Climbing Up The Walls
16. Exit Music (For A Film)
17. Bodysnatchers
18. Videotape
19. Paranoid Android
20. Fake Plastic Trees
21. Lucky
22. Reckoner
23. House of Cards
24. You and Whose Army
25. Everything In Its Right Place
26. Creep

Eton Tavares

Viver o Rock!

Guitar Hero – Texto sensacional de Régis Sanches

Régis, o “Beck” ou “Anjo Galahell”, um dos melhores guitarristas que vi tocar – Fotos: Elton Tavares

Por Por Régis Sanches

Hoje me preparei para escrever sobre a vida errante dos guitarristas. Pensei nos menestréis, com seus alaúdes, levando alguma alegria para o festim dos lúgubres burgos ao redor dos castelos medievais. E não poderia deixar de reverenciar a memória de Django Reinhardt, o cigano belga que criou o naipe de duas guitarras, tendo seu irmão Joseph empunhando a base e ele próprio no solo. Reinhardt vestia-se a caráter. Em plena segunda guerra mundial, enquanto os foguetes alemães V-1 e V-2 explodiam nos céus de Paris, sua banda animava os sobreviventes do conflito no Clube de France.

Certa noite, a cidade-luz às escuras, Django retornou para casa, exaurido, após mais um show. Ele deitou-se em sua cama, os fumos do sono o absorveram por completo. Sua mulher havia esquecido uma vela acesa, a tênue chama tremulou e alcançou os lençóis. O guitarrista cigano sobreviveu, mas teve sua mão direita lesionada pelo fogo. Nas raras imagens desse precursor das modernas bandas de rock, podemos vê-lo com as cicatrizes do incêndio. Ele nunca desistiu de retirar das seis cordas o lamento necessário para cicatrizar as feridas da vida.

No início desta manhã, eu estava eletrizado pelo som metálico da minha guitarra. Lembrei de uma frase de Eric Clapton, chamado de Deus em pichações nas paredes do metrô de Londres, no final da década de 1960. “Ninguém consegue tocar blues honestamente de barriga cheia”. Mister Clapton é a alma dos guitarristas, uma espécie de Fênix que sobreviveu a todas as tragédias. Como mestre de George Harrison, roubou a mulher do melhor amigo. Transtornado, mergulhou e emergiu do mundo negro das drogas. Certa ocasião, seu filho caiu da janela do apartamento. Seu coração ficou dilacerado. Mas a resposta veio na forma da sublime “Tears in Heaven”.

O melhor de Eric Clapton pode ser sorvido, ouvindo-o executar a belíssima “White room”, de Robert Johnson. A poesia que descreve a solidão – “um lugar onde o sol nunca brilha/onde as sombras fogem de si mesmas” – só encontra dueto à altura no lirismo poético dos riffs arrancados pela slowhand do velho bluesman.

Poderia citar uma legião de guitarristas: Chuck Berry, B. B. King, Jimi Hendrix, Jimmy Page, Jeff Beck… Seria em vão. Os verdadeiros guitarristas, nós podemos contá-los nos dedos de apenas uma das mãos. Os homens de verdade sabem que há duas coisas no mundo que não se vende, nem se empresta: a mulher e o carro. Incluo no rol a minha guitarra. Pois aqueles que tiveram a sorte de nascer com a alma de guitarrista hão de concordar. Na essência de todo guitarrista, além da sensibilidade, da disciplina e de uma dose exagerada de humildade, existe uma tragédia iminente rondando o destino desses modernos menestréis. Vida longa a Eric Clapton! 

Meu comentário: Régis Sanches é o jornalista com um dos melhores textos que conheci na vida e um dos maiores guitarristas que vi tocar (Elton). 

Há seis anos, rolou o melancólico adeus de Chorão

R11b1

Chorão, vocalista da banda Charlie Brown Jr, foi encontrado morto na madrugada do dia 6 de março de 2013, no apartamento onde morava em Pinheiros, na Zona Oeste de São Paulo. Há exatos seis anos. O músico, batizado com o nome Alexandre Magno Abrão, completaria 43 anos em abril daquele ano.

Em 1997, quando escutei o CD “Transpiração Contínua Prolongada” e os caras do Charlie Brown jr. invadiram a cidade, nós nos achávamos peritos em anatomia e acreditávamos que manjávamos um pouco de inglês. E o couro comeu naqueles tempos. Aliás, bons tempos!

Este primeiro disco de Chorão, junto com Champignon (Luiz Carlos Leão Duarte Junior, baixista da banda que se suicidou em 9 de setembro de 2013), Thiago Castanho, Marcão e Bruno Graveto foi uma obra prima. Os caras misturaram cultura urbana, skate punk, ska, rap metal, rock alternativo e reggae. Gostei de poucas canções depois deste álbum, como “Vícios e Virtudes” e “Só Por Uma Noite”.

Confesso que meu lado brutamontes vibrou quando Chorão deu um murro na cara do Marcelo Camelo, o poeta barbudo da dor de cotovelo, dos Los Hermanos.

Chorão foi um poeta urbano, não era nada politicamente correto, mas era talentoso. Além de rockstar, era esportista e levantava a bandeira da prática de skate no Brasil.

Assim como ele, “às vezes faço o que quero e às vezes faço o que tenho que fazer”. É uma pena que o artista tenha partido daquela forma melancólica (“parecia inofensiva, mas te dominou”). Mas quem sou eu para julgá-lo?

Não fui um grande fã do roqueiro que partiu em 2013, teve vezes que o achei um babaca, confesso. Mas tenho respeito pela atitude e talento que ele tinha. Não sei se Chorão encontrou “Aquela Paz”, mas entrou pra história do Rock nacional.

Elton Tavares

E lá se foi o ” Pescador de Ilusões” (sobre a morte de Marcelo Yuka) – Por Marcelo Guido

Foto: Diário da Paraíba

E lá se foi o ” Pescador de Ilusões”

Hoje perdemos mais um. Ele foi para o descanso eterno. Marcelo Yuka, mais um brasileiro que como muitos de nós ainda sonham com um mundo melhor.

Sempre com opiniões contundentes, com palavras que viravam versos únicos, ordens de protesto de primeira linha contra as mazelas da nossa sociedade . O combate contra todo tipo de injustiça era seu tema, seu lema e sua vida.

Vi o Yuka pela primeira vez em um show, na antiga churrascaria do lago em Brasília, isso em 2000 poucos meses antes do acidente ( como o mesmo gostava de frisar). O cara de pé, trajando uma camisa onde lia- se ” Procura se ” sobre uma foto do Juiz Nicolau dos Santos o ” Lalau”. Deu uma verdadeira palestra sobre o que acontecia no Brasil, momento político e como nós poderíamos ser a força motriz da mudança. Lembro que entre uma cerveja e outra eu e o João Moraes conversamos sobre o que ele estava falando, talvez esse fosse o objetivo. Mandar uma mensagem.

Foto: Blog do Jair

Longe de ser um artista “pop”, o músico sempre caminhou pelo lado que achou correto. Isso é admirável.

Quando as setas da maldade atingiram e debilitaram seu corpo, sua voz não calou e ele continuou na missão.

Marcelo Yuka acreditava no ser humano, acreditava que com educação, arte , música e honestidade poderíamos mudar a sociedade.

Talvez seus joelhos não doam mais, ou você tenha ido ficar de bobeira. Nas esquinas, nas favelas e nas redes não se fala de outro assunto. Na muvuca e na encrenca, tem inocente e tem culpado.

Faltou luz, mas era dia. O tumulto está formado, a alma armada vai ficar apontada para cara do sossego.

Charge de Gilmar

Em momentos difíceis como esse que vivemos, eu te agradeço por me dizer que todo camburão tem um pouco de navio negreiro e que ninguém regula a América.

Você mesmo disse ” não se preocupem comigo” e eu te digo que ” valeu a pena”.

Esse vai fazer falta demais. Que todos os coiotes uivem por Yuca esta noite. Muito Obrigado!

Marcelo Guido – Jornalista.

Parabéns, Keith Richards! (75 anos de uma lenda do Rock and Roll)

O guitarrista, compositor, membro fundador e alma dos Rolling Stones,Keith Richards, após uma vida de excessos e desencontros com o também septuagenário Mick Jagger, completa 75 anos hoje.

Keith Richards nasceu em Datford, Inglaterra, em 18 de dezembro de 1943. Foi vizinho e estudou com vocalista da banda, Mick Jagger, mas só depois perceberiam seu interesse em comum por música boa.

Poucas pessoas no mundo podem dizer que sobreviveram à tríade “sexo, drogas e rock and roll” e estão entre nós para contar esta história. Keith Richards é uma delas. E o guitarrista, que completa 75 anos nesta terça-feira, 18, faz aniversário em plena atividade com os Rolling Stones, banda seminal que completou cinco décadas de estrada, acordes blueseiros e a uma relação volátil entre Keith e o vocalista Mick Jagger.

Uma das mais emblemáticas duplas da música de todos os tempos vive um (raro?) momento de paz neste reencontro dos Stones, com turnê mundial e tudo. Não foi fácil, principalmente porque Keith Richards quis contar todas as suas histórias com a biografia Vida, em 2010. Nela, Jagger apanhou por nocaute. Irritado e ofendido, o vocalista não quis saber do companheiro, muito menos de estar ao lado dele, novamente, no palco. O guitarrista pediu desculpas e os Stones, enfim, voltaram à estrada e aos estúdios – a banda soltou duas músicas inéditas “Doom and Gloom” e “One More Shot”, para engrossar uma nova coletânea.

Este é apenas o mais recente capítulo da história, agora setentona, de Keith Richards. Cinco meses mais novo do que Jagger, o músico viveu os excessos do álcool e das drogas (maconha, cocaína e heroína), tornou-se um dos grandes guitarristas e todos os tempos e uma figura icônica para o rock e para a música mundial.

O sujeito que ficou diante de um juiz em cinco ocasiões por posse de drogas, ou algo relacionado a substâncias ilícitas, nas décadas de 60 e 70 (nos anos 1967, 1973, 1977 e 1978), chegou a dizer, em uma famosa entrevista ao semanário britânico NME, em 2007, que inalou as cinzas do próprio pai. Ainda que, depois, o empresário tenha dito que tudo não passava de uma brincadeira, quem duvidaria de algo assim? Afinal, estamos falando de Keith Richards.

Com a guitarra, o garoto inglês Keith foi abalado pelas influências do blues norte-americano, principalmente de Chicago, que se enraizaram profundamente no estilo dele ao instrumento. Chuck Berry é a o nome mais citado entre as referências que o moldaram. Mas Keith parece ter trazido a neblina londrina ao rhythm and blues, criando assim riffs vorazes como os de “Honky Tonk Women”, “Brown Sugar”, “Start Me Up”, “Paint It, Black” e “Gimme Shelter”.

Em pleno ano de 2018, quem, neste universo roqueiro, não quer dançar ao ouvir as primeiras notas de Keith em “(I Can’t Get No) Satisfaction”, lançada há quase cinquenta anos? É preciso voltar no tempo, para aquele ano de 1965, para perceber que o rock ainda se descobria como gênero quando os Stones chegaram com toda aquela sujeira e indignação – algo que parece permanecer impregnado nas guitarras assim que qualquer garoto a empunha.

Keith também tem um lado vocalista interessante, que parece ter se azeitando com o tempo. Desde “Something Happened to Me Yesterday”, na qual ele alternava nos vocais com Jagger, em Between the Buttons (1967), até o último disco de inéditas dos Stones, lançado no longínquo ano de 2005, A Bigger Bang. Neste álbum, o guitarrista vai ao microfone para cantar “Infamy” e a belíssima “This Place Is Empty”, uma sofrida balada que ganha ainda mais peso emocional com a interpretação blueseira de Keith.

O garoto de 17 anos que, na manhã da terça-feira, 17 de outubro de 1961, encontrou Mick Jagger na estação de Dartford, quando estava a caminho da escola de artes de Sindcup, e decidiu falar com ele por ver, debaixo do braço do futuro “irmão de banda”, LPs de Chuck Berry e Muddy Waters, chegou aos 75. E, para a nossa sorte, ainda no palco, com a guitarra nas mãos.

Enfim, uma lenda viva. Obrigado e parabéns, Keith!

Fontes: Ideia Fixa

New Order cumpre promessa e bota pra quebrar no showzaço em Curitiba

Há 38 anos, em maio de 1980, Ian Curtis, líder da banda Joy Division, colocou uma corda no pescoço do Rock e se matou. O New Order, banda formada pelos remanescentes do JD, prometeu uma apresentação inesquecível em Curitiba. E cumpriu. Eles tocaram ontem (2) na casa de shows Live Curitiba. Eu e meu irmão, Emerson, estávamos lá, no meio das cinco mil pessoas que lotaram o local.

O New Order é uma das mais influentes do mundo nos anos 80 e 90. A banda integra o Hall da Fama Musical do Reino Unido e já vendeu mais de 20 milhões de álbuns em 38 anos.

O New Order arrebentou e embalou muitas festinhas pelo mundo, inclusive em Macapá. O grupo é uma das bandas que escuto há mais de 30 anos. Em 2014, também acompanhado do meu irmão, Emerson Tavares, assisti ao primeiro show da banda, em São Paulo. A apresentação de ontem foi infinitamente melhor.

A banda inglesa tocou, além de seus próprios sucessos, cinco clássicos do Joy Division. Além de excelentes canções, a mística que envolve a banda oitentista faz do New Order especial.

O repertório contou com as canções ‘Singularity’, seguida por ‘Regret’. O setlist ainda previa ‘Age Of Consent’, ‘Ultraviolence’, ‘Academic’, ‘Decades’, ‘Superheated’, ‘Tutti Frutti’, ‘Subculture’, ‘Bizarre Love Triangle’, ‘Vanishing Point’, ‘Waiting for the Sirens’ Call’, ‘Plastic’, ‘The Perfect Kiss’, ‘True Faith’, ‘Blue Monday’ e ‘Temptation’.

Após um suposto fim de show, a banda voltou e tocou os sucessos do Joy Division, como ‘Atmosphere’ e ‘Love Will Tear Us Apart’.

Mesmo com a ausência do carismático baixista Peter Hook, o New Order (com Phil Cunningham, Gillian Gilbert, Stephen Morris, Tom Chapman e Bernard Sumner) fez uma apresentação fantástica e emocionante. Sensacional mesmo! Ficamos felizes por ter vivido mais esse momento marcante em nossas vidas, pois são experiências como essa que fazem tudo valer a pena.

A vida sem a música é simplesmente um erro, uma tarefa cansativa, um exílio.” – Friedrich Nietzsche, em “Cartas a Peter Gast”, Nice, 15.1. 1888.

Elton Tavares

Há três anos, assisti ao show de Morrissey, em Brasília

morrisseyfotoeltontavares2456

Steven Patrick Morrissey, tido para muitos como o maior inglês vivo, fez um show dia 29 de novembro de 2015, em Brasília (DF). A apresentação rolou na casa de espetáculos NET Live. Eu e um grupo de amigos, irmão e cunhada, estávamos lá. Foi um daqueles momentos únicos na vida. Há exatos três anos.

morrisseyfotoeltontavares2

Com sua inconfundível voz, topete, dancinhas e jeito marrento, Morrissey fez uma apresentação para fãs de sua carreira solo. Mas também levou três canções dos Smiths, sua antiga banda.

Nós ficamos na Pista Premium, pertinho da lenda viva do rock alternativo britânico. Foi um lance quase inacreditável, pois passamos a vida cultuando o artista e ele tava ali, a metros de nós. Muito doido!

morrisseyfotoeltontavares22

O show iniciou às 21h30. O cantor, ex-integrante da banda Smiths, abriu logo com Suedehead, um de seus maiores sucessos.

Para os fãs somente dos Smiths, o repertório talvez tenha decepcionado, mas Morrissey já fez o mesmo em outros shows dessa turnê, denominada “World Peace Is None of Your Business”, aliás é o mesmo nome de uma das canções executadas no show.

Mas Morrissey possui uma carreira solo sólida e de muito sucesso. Não à toa a casa de shows estava lotada com um público ávido por escutar suas canções. E teve de tudo, desde o cara tirar a camisa e jogar para a plateia a ativismo contra o consumo de carne (o cantor inglês é vegetariano e acredita que matar animais para consumo é assassinato).

morrissey456

Suedehead, Everyday Is Like Sunday, First of the Gang to Die e This Charming Man levantaram o público e matou a sede até dos que queriam escutar Smiths.

Com 30 anos de carreira e 56 de idade, Morrissey se recuperava de vários problemas de saúde, o mais grave é um câncer no esôfago, mas apesar disso, o cara mandou muito bem, pois foi um show de 2h10 de duração, cheio de energia, atitude e talento, muito talento. Mas dizer isso deste ilustre britânico é uma redundância tremenda.

amigosdepoisdoshow
Da esquerda pra direita: Adê Belém, Anderson Miranda, Cid Nunes, Emerson Tavares, Andresa Ferreira, eu e Patrick Bitencourt. Foto de uma adorável desconhecida de prá nome Cassiana. Valeu, amigos!

Estou muito feliz por ter vivido aquilo, principalmente com o Emerson (meu irmão), Andresa (cunhada), Anderson, Adê, Cid e Patrick, todos companheiros de aventura, viagem e grandes amigos nessa doideira que é a vida. É, trabalhamos muito, mas fazemos o que amamos. Com toda a certeza, um domingo inesquecível.

morrisseyfotoeltontavaresdf2

Ah, outra coisa muito legal é que fotografei um dos maiores mitos da história do rock e constatei que, definitivamente a Rainha Não está Morta. Vida longa ao Moz!

Elton Tavares – Texto e fotos

27 anos sem Freddie Mercury (o melhor vocalista da história do Rock)

Foi em 1991, no dia 24 de novembro.

Há duas décadas e sete anos, morreu Farrokh Bulsara, o “Freddie Mercury” (nome artístico do cantor). Sim, faz 27 verões que o mundo perdeu o maior vocalista de Rock and Roll da história e um dos maiores cantores de todos os tempos. Eu tinha 15 anos e lembro bem que, na época, sua morte causou repercussão e tristeza em todo o mundo.

Após ficar muito doente, surgiam rumores de que estaria com AIDS, o que se confirmou afinal, através de uma declaração feita por ele mesmo em 23 de novembro, um dia antes de morrer.

O inglês foi vocalista e líder da banda britânica Queen. Também lançou dois discos-solo, aclamados pela crítica e pelo público. Ele foi um dos maiores cantores do Rock and Roll. Além de melhor frontman que já pisou na terra, o cara dominava a plateia com sua performance e vozeirão.

O cara era foda cantando Rock, Pop, Ópera ou o que se propusesse. Não à toa, é um ícone do Rock and Roll e virou um mito na história da música mundial.

freddie-mercury-of-queen-1982-tour-2_142557

Freddie, como muitos outros seres incríveis que passaram por aqui nesta existência, foi um cara com um talento espantoso. Pessoas assim se eternizam na memória e no coração dos fãs, como eu e outros milhões de apreciadores do Rock and Roll. Sua história foi retrata este ano, no filme Bohemian Rhapsody. aliás, filmaço que rendeu essa resenha CLIQUE AQUI. 

Valeu, Fred!

14256353_1300285886691106_1079409514_n

Não quero mudar o mundo. O que mais me importa é a felicidade. Quando estou feliz, meu trabalho reflete. No final, os erros e as desculpas são minhas. Gosto de sentir que estou sendo honesto. No que me compete, quero aproveitar a vida, a alegria, a diversão, o máximo que puder nos anos que ainda me restam” – Freddie Mercury.

Elton Tavares

Três anos do show do Pearl Jam em Sampa

dsc_0080

Há exatamente três anos, assisti ao show do Pearl Jam, realizado no Estádio do Morumbi, em São Paulo. Foi “sensacional”. A quarta apresentação da banda americana no Brasil entrou para a lista dos dias mais felizes da minha vida. Certa vez, li que uma grande obra de arte ou acontecimento não vem atrás de você, é preciso ir atrás desse tipo de vivência. Foi o que fizemos. Sim, graças a Deus, eu estava lá, naquela noite de calor infernal em Sampa.

dsc_0204

O Pearl Jam fez um show mítico, misturou canções famosas com músicas lado B, conhecidas e cantadas somente por fãs aficionados. O estádio estava lotado e Eddie Vedder foi extremamente simpático. O público, é claro, interagiu com o frontman de forma recíproca. Durante 3h10 de show, milhares de pessoas cantaram, pularam e se emocionaram ao som de uma das maiores bandas do mundo.

A banda também homenageou, de uma só vez, os mortos nos atentados terroristas em Paris (FRA), ocorridos na noite anterior ao show, e John Lennon (o falecido beatle completaria 75 anos em 2015). O Pearl Jam tocou “Imagine” e todos no estádio do Morumbi acenderam seus celulares, pois a luz da esperança nunca apaga. Foi emocionante e lindo!

dsc_0146

Caiu um pé d’água torrencial na capital paulista, junto com uma ventania apocalíptica que fez o show parar por 10 minutos. Nada que tenha tirado o brilho da apresentação magnífica do Pearl Jam. Com exceção de Soldier of Love e Last Kiss, PJ tocou todos os hits e clássicos que nós queríamos ouvir. Sobretudo, os do disco “Ten”. Rolou “Even Flow”, “Jeremy”, “Alive” e quando rolou “Black”, o coração bateu mais forte e causou até um suor masculino nos meus olhos.

São esses momentos de felizes loucuras que alimentam nossas almas e corações. Só sabe quem vive tais momentos fantásticos. Estar presente num grande show nos dá uma sensação porreta de sermos indestrutíveis. Sei lá, um lance emocionante de ser jovem para sempre. Essas coisas que somente o Rock and Roll proporciona.

12246831_909188255800873_2091120819711742545_n

Definitivamente, aquele 14 de novembro ficará na memória e no coração de todos que ali estavam. Eu agradeço a Deus por ter visto tudo aquilo: meu irmão Emerson, nossos amigos Anderson, Adê e Adriana. Há três anos, mais um capítulo fantástico de um vida feliz. Só sei que foi assim.

*Em 2018, assisti outro show da banda, na mesma cidade. Foda igual ao primeiro. A gente vive o Rock and Roll!

Elton Tavares

Se vivo, Chuck Berry (o talentoso e louco Guitar Hero), faria 92 anos hoje

chuck_alta_3

Hoje, Chuck Berry, nome artístico de Charles Edward Anderson Berry, completaria 92 anos de vida. E que vida! Nascido em Saint Louis (EUA), em 18 de outubro de 1926, o compositor, cantor e guitarrista é uma lenda da música. O artista está entre os pioneiros que misturaram, Jazz, country music, Blues e R&B, ritmos afro-americanos e transformaram no melhor estilo musical entre as trilhas sonoras da vida, o Rock and Roll. Ele morreu em 18 de março de 2017

1456443753

Não á toa, a revista Rolling Stone o escolheu como o 5º maior artista da música de todos os tempos e sétimo melhor guitarrista do mundo.

O precursor do rock ‘n’ roll támbém teve um talento incrível para se meter em confusão. Em 1959, no auge do seu sucesso, pegou quatro anos de prisão por ter levado uma índia apache de 14 anos do México para seu clube noturno em Saint Louis.

chuck

Também teve problemas com o Departamento do Tesouro dos EUA por receber seus shows em dinheiro e não declará-los. Foi acusado de evasão de divisas e pegou 100 dias de prisão. E, em 1988, pagou uma multa para dar fim a um processo de US$ 5 milhões que Marilyn O’Brien Boteler moveu contra ele.

download-5

Assim como Mark Knopfler, Kurt Cobain, Tom Morello, John Frusciante, Joe Satriani, Keith Richards, Jimi Hendrix, Jimmy Page, Neil Young, David Gilmour, Eddie Van Halen, B.B. King, John Fogerty, Brian May, Eric Clapton, entre outros iluminados, Chuck Berry é um herói da guitarra, um menestrel!

images-1

Por tudo que fez e representa para a cultura mundial, rendo homenagens ao lendário músico. Ele foi com certeza um Guitar Hero e um dos maiores do Rock and Roll. Valeu, Chuck. Berry!

Elton Tavares, com informações de sites, revistas e mais de 30 anos escutando e lendo sobre Rock and Roll. 

O Rock nos Anos 60: A invasão britânica dos Beatles e Rolling Stones

Por Adnoel Pinheiro
 
Enquanto notava-se um intenso processo de politização da juventude universitária norte-americana e a ascensão da música de protesto com Bob Dylan e na Inglaterra o rock ‘n’ roll ressurgiu com um ímpeto inesperado que a partir de então se tornou um dos maiores polos de divulgação da cultura jovem mundial. Podemos compreender com mais clareza se levarmos em consideração que desde 1947, com a criação do Plano Marshall os Estados Unidos já vinham com o objetivo de impulsionar e concretizar seu domínio sobre a economia capitalista europeia, despejando dinheiro na Europa capitalista através de empréstimos, créditos para compra de alimentos e matéria prima e recuperando a capacidade de produção e o poder de compra dos ingleses. Devido a essa aproximação e influência americana, os britânicos, principalmente os jovens de classes trabalhadoras escolheram o rock como porta de entrada para a cultura ocidental.


No momento em que o rock ‘n’ roll americano atingiu com maior intensidade o mercado britânico, no início da década de 1960, já refletia a mistura de rhythm and blues, o country, o rockabilly, o calipso, a música negra da Motown, recebendo uma nova roupagem por parte dos artistas ingleses.
 
Entre os mais variados grupos musicais de Londres e Liverpool surgidos no início dessa década, dois alcançaram em pouco tempo um sucesso internacional avassalador, modificando de modo profundo não só a música popular mundial, mas todo o estilo de vida da juventude. Os Beatles e o Rolling Stones foram as duas bandas de rock que encabeçaram toda essa convulsão cultural dos anos 60.
 
No decorrer da carreira os Beatles foram um grupo que teve a competência de reunir uma vasta gama de influências e pesquisas que iam da música eletrônica à música folk, da música oriental às mensagens existenciais de suas letras, as quais transmitiam uma visão filosófica do cotidiano existencial. Foi o grupo britânico que mais vezes alcançou o primeiro lugar nas paradas britânicas.
 

O Rolling Stones, menos sutis e mais intensos, se caracterizando pelo balanço de sua batida musical de forma mais crua, bem próxima das tonalidades negras, quer nos temas de suas músicas, quer em suas apresentações ao vivo que contavam com a ótima presença de palco de seu frontman (Mick Jagger). Os Beatles, portanto, foram se tornando mais detalhistas, requintados e experimentais; os Stones mais básicos e intuitivos aprimoravam suas técnicas de estúdio mais também sempre foram ótimos nas apresentações ao vivo.
 
Por trás de todo esse sucesso das bandas inglesas existia uma revolução cultural em que implodia a moral vitoriana. A Inglaterra não era mais o centro do capitalismo mundial desde a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) e logo após as dificuldades de reconstrução as novas gerações inglesas sofreram grande influência do american way of life e despertaram para o prazer individual e para o consumismo, eram jovens que vestiam terninhos de lapela e primavam por um visual bem comportado, mas ao contrário dos americanos e de sua rebeldia transviada, os britânicos conseguiram desenvolver uma consciência crítica de sua geração.


A explosão e ascensão do rock inglês acabaram despertando e influenciando a música norte-americana que estava em baixa desde os fins dos anos 50 e início dos anos 60. Essa influência tornou-se acentuada quando os Beatles fizeram sua primeira turnê pelos Estados Unidos abrindo mercado para outros grupos britânicos e influenciando na formação de novos músicos e bandas norte- americanas como: The Doors, Velvet Underground, Frank Zappa entre outros.
 
Podemos afirmar que a década de 60 se dividiu em dois períodos. O primeiro de 1960 a 1965 foi marcado pelo sabor de inocência transcendental nas manifestações sócio-culturais, e na política predominou o idealismo e o entusiasmo no espírito de luta do povo. O segundo de 1966 a 1969 possui um tom mais ácido, rebelde, avassalador e revelam as experiências com drogas, a perda da inocência, os protestos juvenis contra o endurecimento dos governos e a revolução sexual. É esse período que preconizaria o surgimento do inesquecível   movimento punk.
 

 

46 anos do The Concert For Bangladesh

No dia 01º de agosto de 1971, 46 anos atrás, acontecia o The Concert For Bangladesh.

Um pedido especial do amigo Ravi Shankar animou George Harrison a voltar aos palcos para duas apresentações no Madison Square Garden, em Nova York, em 1971.

A ideia era ajudar as vítimas da guerra e da fome no país asiático.

Além do ex-Beatle, Eric Clapton, Bob Dylan, Billy Preston, Leon Russell, Ringo Starr e o próprio Shankar compareceram.

A bola fora: a grana arrecadada com a venda do disco ficou retida pelo governo britânico, que não abriu mão do pagamento do imposto.

George Harrison tirou a diferença do próprio bolso.