5ª Primavera de Museus: hoje Museu de Arqueologia e Etnologia do Amapá apresenta uma Live e um documentário sobre o projeto “10 Anos de Museu na Escola: Inventando e Reinventando o MAE/AP”

Nesta terça-feira (21), a partir das 19h, com transmissão pelas redes sociais Facebook do Museu de Arqueologia e Etnologia do Amapá (MAE/AP),apresentará a live: “Museus: desafios durante e pós pandemia”, e posteriormente apresentará o documentário “10 Anos de Museu na Escola: Inventando e Reinventando o MAE/AP”. O DOC integra a 15ª Primavera de Museus, coordenada pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM). O MAE é vinculado à Secretaria de Estado da Cultura (Secult/AP), que apoia o evento on-line.

A live terá como convidados a professora Doutora Maria do Socorro Oliveira e o arqueólogo Kleber de Oliveira Souza. A programação contará ainda com mediação da professora Mestra, Lucyvânia D’arc Duarte Ribeiro, o objetivo é relatar as ações educativas fazendo uma retrospectiva dos 10 anos do Projeto Museu na Escola.

Foto: Trip Amapá

Sobre o MAE

O Museu de Arqueologia e Etnologia do Amapá tem a missão de salvaguardar e comunicar as coleções relacionadas às diversas etnias e manifestações culturais do Estado do Amapá, voltadas para o estudo antropológico e social das diferentes culturas, e quanto à arqueologia, às coleções de bens culturais portadores de valor histórico ou artístico, procedente de pesquisas, escavações, prospecções e achados arqueológicos.

O MAE/AP foi criado através da Lei 1.073, de 02 de Abril de 2007, na gestão do Governador Antônio Waldez Góes da Silva, que instituiu a Secretaria de Cultura do Estado do Amapá e toda a sua estrutura organizacional básica. A Instituição Museal está vinculada à Secult/AP e é coordenada pela Coordenadoria de Preservação da Memória Material e Imaterial. O museu está situado na Rua São José N° 1.500-A, em frente à Praça do Barão do Rio Branco, no Centro de Macapá.

Assessoria de comunicação

Secult/AP segue com inscrições até 30 de setembro: edital para apresentações culturais no Amapá oferta cachê de até R$ 6,5 mil a artistas

Por Núbia Pacheco

O Amapá abriu inscrições para apresentações em atividades culturais com cachê de até R$ 6,5 mil. Podem participar artistas de diversos segmentos que estão devidamente cadastrados no Sistema de Informações e Indicadores Culturais (Seiic). As inscrições seguem até 30 de setembro pela internet.

CONFIRA O EDITAL

Todas as fichas de inscrição estão disponíveis nesta plataforma digital. Para confirmar a solicitação é necessário preenchê-las e enviá-las até o fim do prazo para o e-mail: [email protected] Os documentos não podem exceder o tamanho de 10MB.

Espetáculos como os teatrais, podem se inscrever — Foto: Comunidade católica Shalom

São 26 categorias de 11 segmentos artísticos, entre eles música, artes visuais, literatura, circo, capoeira, artes plásticas, capoeira, cultura popular tradicional e indenitária, cultura gospel e outros.

O cachê varia de R$ 1 mil a R$ 6,5 mil por apresentação. Os valores para cada categoria estão detalhados no edital.

O regulamento permite a inscrição de grupos ou apresentação individual. Podem participar tanto microempreendedores individuais (MEI), quanto artistas representados por pessoa jurídica.

Foto: Maksuel Martins / Secom

A seleção é promovida pela Secretaria de Estado da Cultura (Secult/AP) e objetiva o preenchimento de atrações para o calendário anual de eventos promovidos pela pasta.

O edital foi publicado no Diário Oficial em 30 de agosto e tem duração de 12 meses, podendo ser prorrogado pela Secult.

Fonte: G1 Amapá.

Articulação em prol de Tartarugalzinho: prefeito Bruno Mineiro participa de seminário “Sudam nos Estados – Diálogos com quem promove o desenvolvimento regional na Amazônia”

O  prefeito de Tartarugalzinho, Bruno Mineiro, participou, nesta segunda-feira (20), no Palácio do Setentrião, do seminário “Sudam nos Estados – Diálogos com quem promove o desenvolvimento regional na Amazônia”, promovida pela Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), órgão ligado ao Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR). O objetivo da Sudam é  ouvir gestores e técnicos das cidades amapaenses  sobre demandas e com isso, trabalhar  instrumentos de desenvolvimento regional.

A abertura do evento foi feita pelo governador do Estado, Waldez Góes, que ressaltou a importância do encontro, que garantiu total apoio à iniciativa da Sudam.

A superintendente da Sudam, Louise Caroline Campos Löw, e técnicos da autarquia participam  hoje e amanhã de rodas de conversas com prefeitos, secretários de estado, assessores e  demais setores produtivos regionais. Segundo a superintendência, os dados vão subsidiar a elaboração das diretrizes e prioridades do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO), do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia (FDA) e outras ferramentas da Sudam para fomentar o desenvolvimento regional.

O prefeito enfatizou que o seminário é uma oportunidade de alinhamento com a Sudam para captar recursos para Tartarugalzinho. Bruno Mineiro destacou ainda que sua gestão é pautada no trabalho e diálogo com todos.

A população é muito carente e essa é uma oportunidade para que a Superintendência possa entender melhor essa nossa realidade.  Esse diálogo com a Sudam e técnicos do Estado com toda nossa equipe técnica, ajudará a estreitar nossa relação com a Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia e isso resultará em desenvolvimento para nosso município. Temos convênio com a Sudam e vamos colocar em prática agora para ajudar a desenvolver o agronegócio e demais áreas que forem possíveis em nossa cidade“, comentou o prefeito Bruno Mineiro.

Estamos empenhados em fortalecer parcerias, dialogar e trabalhar articulando recursos para nosso município e promover seu desenvolvimento. É assim também com o Executivo Estadual e mandatos dos senadores Randolfe Rodrigues e Davi Alcolumbre. Seguiremos com o propósito de gerar renda e promover uma vida melhor para os cidadãos que moram na nossa cidade“, finalizou o prefeito.

Assessoria de comunicação da Prefeitura de Tartarugalzinho

Poesia de agora: Cenário – Lara Utzig (@cantigadeninar)

Cenário

quero a Companhia das Letras
quero letras sem companhia

quero ausência de hierarquia
quero legitimação

quero blog
quero livro

quero virtual
quero físico

quero o marginal
deixando de ser periférico

quero zine
se tornando cânone

quero fanfic
na FLIP

quero sarau
quero bienal

quero autonomia
quero edital

quero independência
quero prêmio

quero o underground
ocupando o mainstream

quero slam
mobilizando multidões

quero um infinito leque
de batalhas de rap

quero escritora
ditando regras à editora

quero troca
quero mercado

quero saída
para essa aporia

utopia
sem degrau
múltiplos passos
em patamar igual
nos diversos espaços
do horizonte plural
que é a literatura

Lara Utzig

Mês de conscientização e prevenção ao câncer infantil: MP-AP participa da 1ª Ação Educativa do Setembro Dourado

O Ministério Público do Amapá (MP-AP), por meio da Promotoria de Defesa da Saúde, participou, no sábado (18), no Parque do Forte, centro de Macapá, da 1ª Ação Educativa do Setembro Dourado, que objetiva conscientizar a população, principalmente pais e profissionais de saúde, educadores e a sociedade em geral sobre a importância de se atentar aos sinais e sintomas sugestivos do câncer infantojuvenil, contribuindo com a sua detecção e tratamento precoces.

O evento foi idealizado e organizado pela Ong Carlos Daniel, em parceria com o MP-AP, Tribunal de Justiça do Amapá, Governo do Amapá e Poder Legislativo Federal, Estadual e Municipal. A campanha consiste em ações educativas nas redes sociais e palestras para profissionais da área. A ideia é evidenciar e mostrar para a população que esses pacientes “valem ouro”, por isso o dourado foi a cor escolhida.

O MP-AP foi representado pelo promotor de Justiça da Saúde, Wueber Penafort, que elogiou a iniciativa. Ele ressaltou que a ação é louvável, já que a campanha chama a atenção sobre a importância do acompanhamento pediátrico de rotina e o diagnóstico precoce da doença nas crianças.

“O MP-AP se associa a esse evento, que possui impacto significativo na sociedade. Pois trabalhar a conscientização e prevenção do câncer em crianças é essencial. O impacto dessa ação é significativo na sociedade, pois faz com que você se antecipe ao problema, antes da enfermidade agravar. A Saúde Pública se fortalece com mobilizações como essa. Desta forma, possibilita um olhar diferenciado sobre essa doença, pois não temos um hospital especializado para crianças com câncer. Portanto, parabéns a ONG Carlos Daniel e parceiros envolvidos na nobre iniciativa”, frisou o promotor de Justiça.

Câncer infantil

O câncer infantil é aquele que se manifesta do nascimento até os 14 anos de idade. Já a faixa etária do juvenil é considerada a partir dos 15 anos, com variações do limite superior entre estudos e instituições de tratamento, geralmente oscilando entre 19 e 21 anos. Os tipos mais comuns de câncer entre crianças e adolescentes são leucemia, linfomas e retinoblastomas (câncer ocular).

Sintomas

Os principais sintomas que os pais ou responsáveis devem ficar alerta são: perda de peso contínua e inexplicável; dores de cabeça com vômito pela manhã; aumento do inchaço ou dor persistente nos ossos ou articulações; protuberância ou massa no abdômen, pescoço ou qualquer outro local; desenvolvimento de uma aparência esbranquiçada na pupila do olho ou mudanças repentinas na visão; febres recorrentes não causadas por infecções; hematomas excessivos ou sangramento, geralmente repentinos; e palidez perceptível ou cansaço prolongado.

Sobre a ONG Carlos Daniel

A ONG Carlos Daniel, que ajuda crianças e adolescentes na luta contra o câncer, tem como objetivo estimular ações solidárias, destacando a importância dessas atitudes para a construção de uma sociedade melhor, menos desigual e mais justa.

A ONG possui seis anos de atuação e foi fundada após seu fundador e presidente, Agenilson Pereira, perder seu filho, Carlos Daniel, de 7 anos, em decorrência de um câncer. A organização pertence à Confederação Nacional de Instituições de Apoio e Assistência à Criança e ao Adolescente com Câncer (CONIACC), conhecida mundialmente.

Serviço:

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá
Gerente de Comunicação – Tanha Silva
Núcleo de Imprensa
Texto: Elton Tavares
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: [email protected]

UNDERGROUND GANHA FORÇA COM MAIS UM PROJETO SONORO

Por Clarice Ventura

O underground tucuju ganha força com mais um projeto sonoro conduzido por Leal Cajari e Carlos Haussler. Trata-se da formação de parcerias para produção de música autoral.

Para esta primeira empreitada foram convidadas figuras insignes do underground amapaense, entre elas, Ruan Patrick (guitarrista e vocalista da Stereovitrola), Herleson Freitas (baixista da Resistência Pública) e Carlos Haussler (baterista da Rancor HC).

A primeira música produzida por meio dessas parcerias parte das provocações geopolíticas de Leal Cajari e Ruan Patrick, mesclando a diversidade linguística a elementos sonoros de vanguarda, inspirados pelo pós-punk e pela variedade da música percussiva regional. A letra da música conta, de forma fragmentada, uma saga que envolve muitas comunidades amazônicas, capturadas pelo sonho de prosperidade que se desmancha com o passar do tempo.

Esta música deu origem também ao nome do projeto – fértil quintal. Foi gravada e produzida por Ppeu Ramos na Casa Poliphonic. Ela faz, de maneira sagaz, uma crítica ao megaempreendimento de exploração mineral iniciado no Amapá nos idos de 1957.

“seremos uma linda Company Town / seremos um imenso fértil quintal”

Para promover este trabalho autoral, o projeto sonoro fértil quintal está produzindo um videoclipe tendo, como uma de suas locações, as ruínas dos trilhos que faziam o transporte de minérios de Serra do Navio a Santana. Na captação de imagens, o projeto fértil quintal conta com a participação de Fábio Fernandes (imagens), Carlos Haussler (roteiro, imagens, fotografia, produção e direção) e Ronaldo Rony (roteiro e produção). Para compor o videoclipe, alguns convidados muito especiais para atuar como personagens: Davi Borralho e Ronaldo Rony, além do próprio Leal Cajari. Como ainda estão captando imagens para o clipe, haverá outras participações, tanto na atuação em cena quanto na edição final do trabalho.

Para quem curte o bom e velho Rock and Roll, fértil quintal entrará para a história do underground amapaense, por sua originalidade e identificação com a vanguarda da música tucuju.

Escute aqui a música:

Rita Freire muda de idade hoje. Feliz aniversário, irmã!

Sempre me gabo aqui, neste site, pelo fato de ter  amigos longevos. Sim, gente que me abriga em seus corações há décadas e é recíproco. São caras e meninas com quem dividi momentos felizes de minha existência. Uma entre estes afetos gira a roda da vida hoje, a Rita Freire.

A filha da dona Maria José, irmã da Simone, Lourdes e Patrícia, a aniversariante é uma pessoa linda, de grande coração e caráter e fé inabaláveis. Conheci a Rita em 1995 ou 1996, não consigo precisar. Mas isso, somente nesta jornada, pois com toda a certeza, a gente se ama de outras vindas aqui.

Falando em outras vidas, a Rita é uma dessas pessoas iluminadas. Além de boa filha (para a mãe e para o pai, pois cuidou sozinha dele, que nos deixou há poucos meses, por muito tempo), ela coordena grupos de trabalho na União Espírita do Pará, ajuda uma porrada de gente.

Arquiteta apaixonada por gatos, boa gastronomia e Rock and Roll, ela é também minha confidente, conselheira e parceira. Pois mesmo ela morando há mais de 20 anos em Belém do Pará, “…Longe, longe, longe, aqui ao lado, nada nos separa”. Sim, eu  a amo e sou correspondido. Sempre foi assim e sempre será.

A Rita sempre me apoiou em tudo, mesmo distante. Com ela, vivi coisas totalmente impublicáveis, dos tempos que éramos doideira. A broda já segurou algumas de minhas barras mais pesadas. Enfim, trata-se de uma amiga de quem sempre sinto saudades do convívio e que está o tempo todo na minha memória afetiva e no meu coração.

Em 2019, Rita passou alguns dias em Macapá. Deu pra matar um pouquinho das saudades. A pandemia não permitiu que nos víssemos de uns meses para cá. Mas logo que eu pisar em Belém, vou matar essa falta que ela me faz e que a gente ameniza via internet.

Rita, querida amiga, tu és muito importante, perto ou longe. Agradeço sempre o fato da tua existência orbitar a minha e vice-versa. Estás sempre em meu coração, mana.

Neste teu dia,  o dezoito de setembro seja especial. Que sejas mais feliz hoje e sempre. Que tenhas sempre saúde, sucesso e sabedoria junto aos teus amores. Que tudo que caiba no teu conceito de felicidade se realize. Te amo (gosto de dizer isso muitas vezes para as pessoas que amo, de fato)., minha irmã!

Parabéns pelo teu dia e feliz aniversário!!

Elton Tavares

É 18 de setembro e Márcia do Carmo gira a roda da vida. Feliz aniversário, Marcinha! – @carmomarcia

Ser jornalista fez com que eu conhecesse pessoas realmente fantásticas ao longo destes anos de trajetória. E tive a sorte de trabalhar com vários dos melhores profissionais do Amapá. Além de competentes, alguns se mostraram ser pessoas extremamente porretas. É o caso da fotógrafa Márcia do Carmo, que gira a roda da vida hoje.

Marcinha é uma filha zelosa, tia amorosa, amiga prestativa, melhor fotógrafa com quem já trabalhei, fotojornalista de olhar aguçado, cineasta, publicitária, empresária, trabalhadora e batalhadora, além de muito querida amiga deste editor.

Super competente, braba e intrépida, Marcinha é uma pessoa pequena, mas de um talento imenso e um coração gigante. Uma mulher honesta e de caráter, coisa que não podemos dizer de muitos. Ela é uma figura do bem e uma das grandes amigas que fiz nessa profissão.

Minha amizade com Márcia do Carmo foi forjada debaixo de sol e chuva, durante anos de trampo. Já contei aqui e repito que: com ela já fiz viagens malucas em que cobrimos diversos tipos de pautas e em condições adversas. Nós caminhamos na lama, dividimos comida e cervejas pelas estradas e bares do Amapá. Dormimos em carros, barcos e hotéis de qualidade duvidosa. E acreditem, isso são lembranças lindas.

A gente se respeita, se gosta e se ajuda. Sei que posso contar a Marcinha, pois ela já deu provas disso diversas vezes. Essa “retrateira” boçal mora no coração deste gordo e acredito ser recíproco.

Do Carmo, tu sabes o quanto te admiro e respeito. Que tu sigas com saúde sempre e congelando momentos com esse teu feitiço fotográfico. Que a gente ria e beba muito juntos nessa vida, por pelo menos mais uns 51 anos. Tu és foda, considerada e amada.

Obrigado por tudo.  Parabéns pelo teu dia e feliz aniversário!

Elton Tavares

Atuação pela Vida: MP-AP e Ambacs realizam Escuta Psicológica Itinerante no bairro Zerão

O Ministério Público do Amapá (MP-AP), por meio do Projeto Atuação pela Vida,  executado em parceria pela Promotoria de Justiça da Saúde de Macapá e Ambulatório de Atenção à Crise Suicida da Universidade Federal do Amapá (Ambacs/Unifap), realizou neste sábado (18), na Unidade Básica de Saúde (UBS) do bairro Zerão, zona Sul da capital amapaense, a Escuta Psicológica Itinerante. O objetivo da ação é fortalecer ainda mais os espaços para atendimento, levando apoio emocional e acolhimento à população, com o propósito de conscientizar sobre o problema e propagar suporte às pessoas que estão passando pela situação de idealização suicida.

A promotora de Justiça da Saúde, Fábia Nilci, e o coordenador do Ambacs, psicólogo Dr. Washington Brandão, foram recebidos pela diretora da UBS, Andréa Costa, que colocou o espaço à disposição para que o trabalho fosse realizado em seis consultórios da Unidade.

“Recebemos o Projeto Atuação pela Vida de braços abertos, pois é um serviço essencial para a sociedade. A saúde mental é a base para tudo na vida e com a pandemia, muitas pessoas passaram por dificuldades que marcaram suas vidas. Portanto, essa ação é fundamental. Parabéns ao MP-AP e Ambacs pelo trabalho”, frisou diretora da UBS, que aprovou a iniciativa.

Dezenas de pessoas foram atendidas pelas seis psicólogas voluntárias da Ambacs, que conta com 25 profissionais da área revezando-se a casa ação. A Escuta Itinerante possibilita a identificação de casos e sintomas que possam levar à ideação suicida ou à automutilação, para que seja feito um pré-diagnóstico e, caso necessário, o devido encaminhamento à rede de apoio.

Os profissionais acolheram, escutaram e puderam dar orientações. Os atendimentos realizados deram a oportunidade que muitos aguardavam para tirar dúvidas, fazer questionamentos e falar de suas emoções.

A servidora pública Iziana Santos, mãe de uma adolescente de 12 anos que recebeu atendimento, reforçou a importância da Escuta. “Esse atendimento é importantíssimo, pois no meu caso, mãe de uma adolescente, entendo que os jovens precisam falar sobre situações que eles passam e não conseguem desabar com os pais. Para tal, nada melhor do que um psicólogo, já que é um profissional especializado”, destacou.

De acordo com o coordenador da Ambacs, além do seu objetivo principal, com o advento da pandemia e o necessário isolamento social, as pessoas sofreram psiquicamente com todo este processo e precisam de atendimento psicológico.

“As escutas feitas nestes plantões são a porta de entrada para identificarmos, após essas primeiras avaliações, as pessoas que precisam ser encaminhadas para a rede de apoio.  A parceria interinstitucional com o MP-AP e com as UBS’s,  são fundamentais para o sucesso deste propósito”, frisou Washington Brandão

Segundo a promotora de Justiça da Saúde, o projeto continua acontecendo por necessidade desse cuidado permanente com a saúde mental.

“Em 2018, nós percebemos que ouve um acréscimo de número de casos de suicídio no estado e entendemos a necessidade de reunir toda a rede que faz esse atendimento na área da saúde mental. Reunimos associações que fazem esse tipo de atendimento para esclarecer a população que a saúde mental é importante. E, também, desmistificar o preconceito que existe e trabalhar na rede estadual e municipal o fortalecimento para que esses locais possam receber as pessoas e ofertar ajuda especializada”, pontuou a promotora de Justiça Fábia Nilci.

Sobre o AtuAção pela Vida

O AtuAção pela Vida, iniciado em 2019, tem a campanha de conscientização que reforça a mensagem “Viver é sempre a melhor opção”, com o objetivo maior da prevenção ao suicídio. O projeto é executado por meio de três eixos: capacitações, escutas itinerantes e campanhas de sensibilização.

As escutas psicológicas reforçam as ações do projeto “Atuação pela Vida” no período da campanha do “Setembro Amarelo”. Todos os cuidados de prevenção da Covid-19 foram adotados, seguindo os protocolos recomendados pelas autoridades de saúde pública, como uso obrigatório de máscara, distanciamento social e dispondo de álcool em gel para higienização das mãos.

A programação iniciou no último dia 11, na UBS no bairro Marabaixo II, na Zona Norte da cidade e segue no dia 25 de setembro, na na Unidade Básica de Saúde Álvaro Corrêa, na Zona Norte de Macapá, visando dar consciência sobre o problema e levar suporte às pessoas que estão passando pela situação de ideação suicida.

Serviço:

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá
Gerente de Comunicação – Tanha Silva
Núcleo de Imprensa
Texto: Elton Tavares e Addan Vieira
E-mail: [email protected]
Contato: (96) 3198-1616

A volta do Jazz na Calçada e os preparativos para o maior evento de música instrumental do Amapá

A volta gradual de eventos culturais em Macapá movimenta produtores, artistas e público, e nas tardes de sábado quem curte música instrumental pode prestigiar o Jazz na Calçada, que transforma um espaço aberto em palco cultural, no centro de Macapá. Finéias Nelluty está a frente desta movimentação que reúne músicos que desafiam os instrumentos com seus talentos e mostram que a afinidade entre eles é a fórmula do sucesso. Estes artistas se juntam no final da tarde, na calçada da casa da família do Professor Tiago, pioneiro no ensino musical no Amapá, e patriarca da família de Finéias. Neste sábado, 18, a convidada é a cantora Ariel Moura.

Jazz na Calçada nasceu em 2017, sem ousadias, era mais uma iniciativa para popularizar o jazz e suas variantes, e hoje é um aquecimento para o maior evento de música instrumental, o Amapá Jazz Festival, ápice de todo esse movimento artístico de acordes, sopros e percussão, pequenos ensaios semanais que criam uma atmosfera musical na cidade entre os meses de julho a outubro.

Não tem segredo, os músicos afinam os instrumentos na famosa calçada, enquanto o público chega e procura um lugar para sentar e apreciar a apresentação, que inicia ao entardecer e encanta quem passa pela rua e não incomoda os vizinhos, já acostumados com acordes vindos da casa 787, da avenida Clodóvil Coelho, no bairro do Trem. Paulinho Queiroga, Hian Moreira, Vinícius Bastos, Isaque Reis, Juninho Romano, Israel Cardoso, Fabinho Costa e Rogério Alsan, junto com Finéias Nelluty, fazem a recepção para a plateia e músicos convidados ou que chegam para dar uma qualificada e luxuosa canja.

A volta do jazz gratuito em espaço aberto é celebrado como uma vitória após meses de reclusão e isolamento. Em 2020, a pandemia da Covid-19 silenciou as ruas e locais de eventos, deixando o público isolado e sem estas e outras importantes vitrines musicais. O Jazz na Calçada calou e o Festival foi realizado online, uma adaptação necessária. Por isso, o retorno de produções responsáveis de entretenimento cultural, chega como uma brisa em pleno calor amazônico.

É uma excelente oportunidade para curtir o sábado a tarde em boa companhia, segurança e ouvindo um som de qualidade, e preparar os ouvidos para o Amapá Jazz Festival, que atualmente é o maior evento de música instrumental do Amapá e está no calendário nacional  e internacional  de eventos do estilo. O festival se consagrou pelo modelo popular, ao ar livre, na beira do rio Amazonas e por oferecer para o público um cardápio inquestionável de músicos, convidados brasileiros e estrangeiros de prestígio, que formam com o cenário um palco de cultura e natureza.

Os dois eventos são gratuitos. O Jazz na Calçada acontece todo sábado, a partir das 17h, na avenida Clodóvil Coelho, 787, no Trem. O Amapá Jazz Festival será nos dias 22  e 23 de outubro e a programação está em fase de fechamento de atrações.

Assessoria de Comunicação

MP-AP participa de inauguração do novo prédio da Fecomércio Amapá

Autoridades locais e de outros estados participaram na sexta-feira (18), da inauguração do novo prédio da Federação do Comércio, Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio) do Amapá, no Centro de Macapá. A promotora de Justiça Neuza Barbosa representou o Ministério Público do Amapá (MP-AP) no evento que contou com a participação do governador Waldez Góes, do presidente da Confederação Nacional do Comércio, Bens, Serviços e Turismo (CNC), José Roberto Tadros, dentre outros convidados.

O presidente da Federação, Eliezir Viterbino, acompanhado de sua diretoria e dos presidentes dos 12 sindicatos ligados à Fecomércio-AP, fez a entrega do empreendimento e agradeceu pelo momento. “Agradeço primeiramente a Deus, à CNC, na pessoa do Presidente Tadros, a toda a diretoria da Federação por acreditar nesse projeto, à comissão de obras que lutou bravamente e a minha equipe que sempre esteve ao meu lado”.

O novo edifício  é um marco na arquitetura amapaense, pois foi equipado com vários elementos e procedimentos tecnológicos e ambientais certificados que agregaram valor ambiental à obra, seja pela captação e reuso da água, estação própria de tratamento de esgoto, até o sistema de climatização que trará uma economia prevista de até 40% de energia.

“Parabenizo o presidente da Fecomércio/AP pelo  espaço, realmente, bastante funcional e bem localizado, onde estava desempenhando minhas funções na Promotoria Criminal aqui instalada. Sei que não é fácil, em meio a uma pandemia, mas o resultado do investimento está digno da nossa cidade. Esse prédio não é feito somente de cimento e tijolos, mas sim o sonho e o amor pelos idealizadores do projeto. E com a presença do MP-AP no edifício, com certeza o novo espaço estará de portas abertas para todos”, destacou Neuza Barbosa.

O MP-AP ocupa uma ala no prédio, onde funcionam as Promotorias Criminais e de Família, Órfãos Sucessões e Incapazes, sendo o espaço denominado: “Complexo – Promotor Eraldo Afonso Zampa” (em homenagem póstuma ao membro da instituição, vítima de complicações da Covid-19, 19, em 2020).

Especificação dos ambientes

O novo empreendimento da capital é um dos mais modernos e funcionais. A Fecomércio formalizou contrato, além das instituições MP-AP e Tribunal de Justiça do Amapá (Tjap), para melhor comodidade dos usuários, com o Restaurante João do Camarão para atendimento no terraço do prédio, oferecendo refeições de qualidade e com reconhecido cardápio regional.

O prédio possui acessibilidade total; elevadores; subestação própria de energia e eficiência energética com uso de energia solar; sistema automatizado de climatização para todo prédio, que trará uma economia prevista de 30 a 40% de energia; captação de águas pluviais reutilizáveis; bicicletário moderno; estacionamento em subsolo; banheiros com vestiários; auditórios reversíveis com capacidade para até 200 pessoas sentadas; e terraço panorâmico com restaurante e lanchonete.

Serviço:

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá
Gerente de Comunicação – Tanha Silva
Núcleo de Imprensa
Texto: Elton Tavares e Gilvana Santos
Contato: (96)3198-1616
E-mail: [email protected]
Fotos: Kitt Nascimento

Poesia de agora: Sobre o pêndulo que caiu no poço – Lara Utzig (@cantigadeninar)

Sobre o pêndulo que caiu no poço.

Todas as suas razões eu já sei de cor.
De estrela, enfim, tornei-me pó
quando o corvo solenemente crocitou
o trágico destino que não vingou.
And at my chamber door,
assim como Poe escutou,
o anúncio inevitável soou:
Nevermore.

A distância
é uma criança
que cresce, às vezes, em menos de um mês.
Um gesto incontido, algo que você nem fez.
Quando se vê, já é muito tarde,
e a despedida se dá sem qualquer alarde.

Um gato preto cruzou o caminho
mas não o responsabilizo por esse azar.
E agora, persisto, andarilho sozinho
já sem esperanças de recomeçar.
Plantei, num jardim, ilusões com carinho
e de uma semente de amor
brotou uma flor…
Do(f)lorida:
Murchou em 5 dias.

Qual foi meu erro?
Um passo para a liberdade:
Conceito tão vago, um ritual, um enterro?
O nunca dura uma eternidade.

(O poema faz referência a três obras de Edgar Allan Poe: os contos “The Black Cat” e “The Pit and the Pendulum” e o poema “The Raven”).

Lara Utzig

Juvenal Salgado .Canto, maçom decano, lança livro “A Ferra na Marreca”, nesta sexta (17), na Biblioteca Pública Elcy Lacerda

A Academia Amapaense Maçônica de Letras (AAML) promoverá, nesta sexta-feira (17), a partir 19h, na Biblioteca Pública Elcy Lacerda, o lançamento do livro a “A Ferra na Marreca”, de autoria do decano da Loja Maçônica Duque de Caxias, Juvenal Salgado Canto.

Sobre o livro “A Ferra na Marreca”

Na obra que será lançada, o autor convida para uma viagem rumo ao desconhecido, com personagens marcantes, cheios de peculiaridades. “A Ferra na Marreca” é uma obra que mistura fatos e ficção, entre narrativas e descrições, com belas estórias e possibilita conhecer um pouco mais sobre a chegada do autor ao Amapá, tudo narrado sem cortes e com uma linguagem ínsita do próprio Juvenal.

Sobre o autor

Juvenal Salgado Canto nasceu no município de Juruti (PA), em 22 de abril de 1930. No final dos anos 40, migrou para Macapá, capital do então Território Federal do Amapá, criado recentemente e que, na época, oferecia oportunidade para trabalhadores vindos de todos os rincões brasileiros. Começou a trabalhar como funcionário do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e depois por conta própria, tornando-se um dos primeiros chauffeures (motoristas de táxi) da cidade.

Em 1950 casou-se com a professora Sol Elarrat Canto, com quem viria a ter quatro filhos homens e uma filha, adotiva. Fundou e foi o primeiro presidente da União dos Motoristas do Amapá, tendo lançado a pedra fundamental e construído a sede própria da categoria.

Com o decorrer do tempo tornou-se um empresário muito bem-sucedido nas áreas do comércio, comunicação, autoescola, olaria, criação de gado, serviços, etc.

Juvenal entrou na carreira política e foi vereador atuante na Câmara de Vereadores de Macapá por dez anos (uma legislatura de quatro anos e outra de seis, no período de mudança das datas de eleição, 1978-1988).

Pertence à Loja Maçônica Duque de Caxias Nº 01 – Macapá-AP, filiada à Grande Loja do Amapá, onde foi iniciado em 30 de julho de 1955, fez sua elevação em 11 de março de 1956 e foi exaltado como M.: M.: em 30 de junho de 1956.

Em 2014, foi eleito para a cadeira nº 33 da Academia Amapaense Maçônica de Letras, cujo patrono no Silogeu é Hermes da Fonseca.

Juvenal Canto publicou diversos artigos e crônicas em jornais de Macapá. Em 2019, lançou o livro “Do filete d’água ao mar – Viagens Memoriais e Imaginárias de um Ribeirinho Amazônico”, obra que conta suas memórias pessoais e familiares.

Hoje, continua na ativa como empresário e está sempre rodeado de amigos e parentes exercitando o seu talento como cantor e tocador de violão, em rodadas onde não faltam a alegria, uma boa cachaça e a famosa farofa de piracuí preparada por ele.

Serviço:

Lançamento do “A Ferra na Marreca”, de Juvenal Canto
Data: 17 de setembro de 2021 – Sexta-feira.
Horário: 19h
Local: Biblioteca Elcy Lacerda, que fica na Rua São José, 1800, centro de Macapá.
Entrada: franca.
Realização: Academia Amapaense Maçônica de Letras (AAML)

Elton Tavares, com informações de Pedro Velleda, Ulysses dos Santos e Fernando Canto.