Grupo colombiano traz à Macapá espetáculo premiado pela Funarte “Odissi, no Caminho das Águas”


O Grupo Locômbia Teatro de Andanzas apresenta em Macapá o Recital de Dança Clássica Indiana “Odissi, no Caminho das Águas”, Prêmio Funarte Petrobras de Dança Klaus Vianna 2012. O espetáculo ocorre na sexta-feira, 12, no Teatro Porão do Sesc Araxá, às 20h, com entrada gratuita. No sábado, 13, acontece a oficina de Dança Clássica Indiana, no valor de R$ 10,00, na sala de dança do Sesi. Em Macapá, a produção é de Graham Cia. de Dança.
O espetáculo será apresentado por quatro cidades da Região Norte do país: Manaus, Santarém, Belém e Macapá, no período de 8 a 22 de Julho. O projeto visa articular uma rede de intercambio entre povos das cidades ribeirinhas amazônicas, através da linguagem universal da dança. No ano 1995 os integrantes se estabeleceram na Índia em busca de novas fontes nas Artes Cênicas. Aprenderam a dança e a música na prestigiosa escola Orissa Dance Academy, localizada em Bhubaneswar, Orissa.
Locômbia Teatro de Andanzas
Nascido em 1981, em Barranquilla, Colômbia, o grupo Locômbia Teatro de Andanzas tem estado, ao longo destes anos, na busca de novos caminhos na arte da mímica, no teatro em espaços não convencionais e na dança teatral. Nessa busca, adotou a viagem pelas diferentes culturas do mundo como filosofia de vida.
Participam de festivais nacionais e internacionais em muitos países: Colômbia, Equador, Peru, Chile, Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai, Venezuela, Costa Rica, México, Canadá, Holanda, Alemanha, Bélgica, Itália, Suíça, Eslovênia, Hungria, Suécia, Dinamarca, Índia, Nepal, Tibet e Moçambique, tendo vivido cinco anos na Índia, aprendendo a Música e a Dança Clássica Odissi, da Região de Orissa. Atualmente residindo no Brasil, em Roraima, Locômbia Teatro de Andanzas é integrado por Beatriz Brooks, Orlando Moreno e Shanti Sai.
O Recital Indiano
A Dança Odissi é originária da região de Orissa, situada ao nordeste da Índia. Faz parte do Culto ao Deus negro Jagannath, sendo uma representação de Vishnu, Deus que preserva. As bailarinas do Templo, chamadas de “Maharis” ou “Devadasis”, eram jovens que consagravam suas vidas ao Deus e ao rito cerimonial, sendo treinadas pelo Guru ou Mestre do templo na tradição sagrada de contar histórias da Mitologia Hindu através da expressão corporal e um rico vocabulário de gestos.

Odissi tem um caráter espiritual e estético, relembrando a simbologia da Yoga e a Meditação em que se busca a união entre a mente e o corpo para liberar o espírito. A característica principal da dança é o Tribangui, correspondente a três dobras do corpo (na cabeça, no tronco e nos joelhos), formando sempre um triângulo com o corpo do bailarino, relembrando a linha sinuosa da estatuária em pedra dos templos hinduístas. Combina-se a expressão dramática com uma refinada e sensual estilização de movimentos corporais suaves e fortes, busca despertar emoções no espectador.

A Música e a Dança estão intimamente ligadas de tal maneira que a percussão feita pelo Mardala (tambor melódico próprio da dança) acompanha cada um dos movimentos da Dançarina, marcando o ritmo. Na apresentação, o grupo faz um ritual de oferecimento, conservando as tradições da região de Orissa. São mostradas cinco danças do repertório clássico, algumas delas executadas com música gravada original e outras acompanhadas do tambor ao vivo.
Recital de Dança Clássica Indiana – intimista e encantador
Dia: 12 de julho de 2013
Local: Teatro Porão do SESC
Horário: 20h
Entrada Franca
Produção: Graham Cia de Dança
Contatos: 9129-4090/ 8121-5253
Oficina de Dança Clássica Indiana
Dia: 13 de julho de 2013
Local: Sala de Dança do SESI
Horário: 09h às 13h
Investimento: R$ 10,00
Duração: 04 horas.
Público: homens e mulheres com alguma experiência em trabalho físico.
A dança trabalha elementos fortes e masculinos (com a parte inferior do corpo) e suaves e femininos (com a parte superior do corpo). Cada movimento é realizado em três velocidades, e a música não se divide: é o dançarino quem divide a música no tempo necessário para realizar o movimento; os pés da dançarina calçam 100 chocalhos de bronze marcando assim o ritmo. Durante a oficina serão repassadas as técnicas e princípios da dança.
Assessoria de Imprensa – Rita Torrinha

Sesc Araxá abre inscrições para oficinas artisticas

Essas oficinas fazem parte de um pacote dentro do projeto ALDEIA DE ARTES SESC que agrega espetáculos de teatro, dança, literatura, música e artes visuais.
OFICINAS – VIII ALDEIA DE ARTES SESC
OFicina Teatro de Rua/Palco Giratório
O grupo vem desenvolvendo esta oficina ha 10 anos. Muda-se o centro da gravidade e as formas de reequilíbrio, atenção lúdica e constante. Possibilidade de experimentar a entrega, confiança em si, busca do eixo, novos ritmos e contato visual. É uma vivência prazerosa e desafiante, além do aprendizado de uma técnica circense.
Público-alvo: adolescente, atores, artistas circenses
Carga horária: 5h
Ministrante: Grupo Cirquinho do Revirado-SC
Número máximo de participantes: 20
Local – Bambuzal/Sesc Araxá
Inscrição – Central de Atendimentos
Valor R$ 5,00
Data – 29/5/13
Hora: 14 as 19 h
Limite de idade: a partir dos 14 anoS
OFICINA: Do chão ao Voo, da Palavra ao Corpo/Palco Giratório
Utilizando o treinamento corporal que gerou o espetáculo Insone, mas tendo como foco a utilização do mesmo para a criação, trabalharemos com as peculiaridades de cada corpo – pois não nos interessam corpos uniformes –, com as possibilidade expressivas e criativas de cada um, realizando exercícios de criação a partir de textos curtos, dramatúrgicos ou não.
Público-alvo: atores e dançarinos
Carga horária: 5h
Ministrante: Grupo Z de Teatro/ES
Número máximo de participantes: 20
Local – Sala de dança/Sesc Araxá
Inscrição – Central de Atendimentos
Valor R$ 5,00
Data – 30/5/13
Hora: 9 as 14 h
Faixa etária: a partir dos 14 anos

OFICINA VIDEO DE ARTISTA
Ministante – Claudio Rilton da Costa Machado
A oficina “vídeo de artista” será de grande importância haja vista que a mudança do foco da materialidade da arte para o foco conceitual, fez da arte contemporânea uma arte do “aqui agora” ou seja, uma arte que não está presa no objeto de arte que atravessava o tempo enquanto materialidade de arte, o que acontecia ate ao período moderno. Porém, a partir dai começaram a surgir e se intensificar cada vez mais os registros de performance, registro de happing, etc. através de fotografias e principalmente de vídeo.
Objetivo:
Produzir  vídeos de artistas  (editar trabalhos de artistas em vídeo) enquanto arte e enquanto registro de obras de arte.
Clientela – artistas, alunos de artes visuais, educadores de artes visuais,
Carga horaria – 10 horas
Data: 30 e 31de maio
Vagas – 10
Horarios:  8 as 13h
Local –laboratório de informática Escola Sesc
Valor/Inscrição – R$ 5,00
Faixa etária – a partir de 18 anos
OFICINA: BRINQUEDOS & ADEREÇOS DE SUCATA
Com Vanea Avlis
A oficina contará a importância da separação do lixo inorgânico através do reaproveitamento do lixo caseiro para serem transformados em brinquedos de sucata, adereços e outros artefatos a partir de material sucateado, tais como: máscaras para jogos teatrais, bonecos mamulengos e fantoches  de caixa. A descoberta da simplicidade e o despertar da sensibilidade para as questões do lixo que reproduzimos será de principal importância para o desenvolvimento desta oficina, obedecendo a temática, que nos dias atuais se tornou tema perspicaz no estado do Amapá.
Objetivo:
Reaproveitar objetos obsoletos em obras de artes
Clientela: crianças e adolescentes de escolas públicas ou privadas
Carga horaria – 10 horas
Datas: 29/30/31 de Maio
Vagas – 20
Horarios – 8 as 11h
LOCAL – SALA DE ARTES VISUAIS/SESC
Valor/Inscrição – R$ 5,00
Faixa etária – a partir de 8 anos
Vania Avlis
Atriz, diretora de teatro, contadora de historias, fazedora de bonecos e atualmente acadêmica do curso de Artes Visuais da UNIFAP.

OFICINA – “AQUARELANDO COM COMIDA.”
Gostenys Melo
Com a proposta de experimentar materiais e descobrir novas técnicas, busca o uso de materiais alternativos, utilitários alimentícios da nossa culinária, para criar texturas e relevos ilusórios no efeito da pintura com aquarela. Trata-se de uma busca de possibilidades que a pintura pode nos proporcionar, quando utilizamos outros tipos de materiais, a exemplo de líquidos utilizados na culinária. Nesses experimentos  utilizaremos molho Shoyo, café, suco de beterraba, suco de cenoura, sumo de folhas verdes, entre outros.
Trata-se em descobrir possibilidades de se misturar técnicas acadêmicas com produtos de origem culinária (molhos, verduras, frutas), com o objetivo de proporcionar ao observador, questionamentos sobre a real função do produto culinário e levá-lo a perceber como a arte contemporânea pode nos possibilitar formas diferentes de se produzir arte.
Técnica utilizada:
*Pintura em Aquarela (utilizando a tinta diluída em água) e também com líquidos extraídos de verduras, frutas, folhas, molhos e café.
Público alvo:  Adolescentes e adultos que tenham aptidão para o desenho e pintura e ou interessados na área de artes plásticas, bem como acadêmicos da área).
Vagas: 15 alunos
Carga Horária: 5 horas
Local: Sala Artes Visuais/Sesc Araxá
Dia: 27/5/13
Hora: das 8 as 13h
Faixa etária – a partir dos 12 anos
Geostenys Melo – é ator de teatro, artista plástico, cenógrafo, aderecista, educador e dançarino em danças folclóricas.

Projeto Juventude em Cena abre vagas para montagem de espetáculos teatrais


A Secretaria Extraordinária de Políticas para a Juventude (Sejuv), em parceria com a Companhia Experimental de Teatro Piracuca, da Faculdade Estácio Seama, abre novas vagas para aulas de teatro, tudo para realizar o aprendizado e o desenvolvimento pessoal por meio do teatro e, assim, aproximar a juventude amapaense das técnicas de produção e expressão teatral.

“As oficinas abrem 20 novas vagas para a população a partir de 15 anos e as aulas irão ocorrer às segundas, quartas e sextas-feiras, das 16h às 18h, no Teatro das Bacabeiras”, informa a coordenadora Janisse Carvalho.

O projeto Juventude em Cena consiste no aprendizado teatral através de aulas temáticas como aprimoramento a autoexpressão, formação por meio da leitura e reflexão às práticas culturais, estímulo à integração e o respeito à diversidade entre jovens, além do fortalecimento à participação juvenil por meio da arte cênica.

Os interessados podem procurar o prédio da Secretaria Extraordinária de Políticas para a Juventude, que fica localizado na Avenida Beira Rio, 210, bairro Santa Inês, no horário das 14h às 17h, para realizarem suas inscrições com a xerox da Carteira de Identidade.

“A meta do projeto é apresentar no dia 16 de maio, no Salão de Atos da Faculdade Estácio Seama, a leitura dramática de Micrômegas, texto de 1752, de Voltaire, onde os alunos serão os principais atores do espetáculo”, enfatiza o secretário da Juvenude, Alex Nazaré.

Petton Laurindo/Sejuv

Espetáculo Paixão e Reflexão de Cristo no Teatro Porão/Sesc Amapá


Paixão e Reflexão de Cristo é um trabalho encenado pela Cia. Teatro do Riso desde 2007 e tem como objetivo fazer o público refletir sobre as questões inerentes ao processo mundial de Cristo. A companhia se apropria da temática para explorar as interpretações dos atores, onde é criando uma encenação cuidadosa para fazer refletir sobre o que foi a paixão de Cristo, quais as influências do mal na sociedade até então (demônios); os questionamentos e filosofias acerca dos anjos ; o significado da condenação e crucificação, onde mostra-se o equívoco total do processo vivido na época e suas trapaças para o desfecho final e a comunhão, onde apropriando-se do pão e do vinho, o espetáculo reverencia a simbologia usual e antiga dessa prática nos templos e na vida cotidiana. Na edição 2013, o espetáculo ganha reforço com as interpretações brilhantes dos atores experientes como Maronilton Henrique, Junior Stork ,Gugú Patrick e Rafinha Nunes, além de convidados. 

A pesquisa na dramaturgia e a concepção cênica é assinada por Genário Dunas, ator e diretor de teatro há quase trinta anos, com uma longa estrada de produções e intercâmbio pelo país inteiro. Segundo Genário, o espetáculo é inédito e atemporal por se tratar de grandes inovações na encenação, abdicando-se dos já conhecidos figurinos, cenários e textos habitualmente utilizados por outras produções. Queremos provocar o público com reflexões. A palavra é o elemento mais importante no teatro. Continuo acreditando no ator como elemento preponderante de uma encenação. Em nossa montagem os questionamentos serão respondidos ou silenciados pela plateia. Vivemos ainda hoje sob a hegemonia do medo. Não dar pra lembrar os textos bíblicos apenas porque são bonitos. Queremos lembrar o hoje, e se possível, numa visão de perspectivas para o futuro. Também acreditamos num outro Deus, não apenas o decorativo, mas, sobretudo o figurativo. Assim queremos comemorar os 10 anos de existência da Cia. Teatro do Riso, proporcionando ao público amapaense a encenação do espetáculo no Teatro Porão/Sesc Araxá nos dias 17 e 18 de Abril às 20h.  O espetáculo tem o patrocínio da Secult/AP, incentivo cultural da Fundação Municipal de cultura de Macapá e Sesc Amapá. A entrada é franca e aconselhável para maiores de 14 anos.

A Cia. Teatro do Riso, nasceu em 10 de janeiro de 2003, com a preocupação em fomentar, estudar e executar trabalhos artísticos com foco na comédia e suas vertentes. É uma companhia de olho na questão formativa, valorizando sobretudo, os estudos teóricos e metodológicos do teatro universal. Ao longo dos seus dez anos de existência, produziu os espetáculos: Paixão e Reflexão de Cristo (2007 a 2013); Jogo da Máscara (2009) As encalhadas (2010), Damas de Paus (2011) e As Domésticas (2011/12), além de participações em eventos como Expofeira, Feiras de Livros, e demais eventos.

SERVIÇO:

Espetáculo: Paixão e Reflexão de Cristo
Realização: Cia. Teatro do Riso
Local: Teatro Porão – Sesc Araxá
Dias: 17 e 18 de Abril
Hora: 20h
Entrada Franca

Asscom Sesc/AP

Hoje estréia “Musical Pintinho Piu”, no Teatro das Bacabeiras


Nesta quarta-feira, 3,  estreia no Teatro das Bacabeiras o musical infantil “O pintinho PIU”.

Um quintal no meio da cidade. Uma galinha com a ninhada de um pintinho só. Um galo (pai) grosseiro e decepcionado. Uma perua pra lá de perua. Um gato bandido. Um pintinho surdo. Uma velhinha que desapareceu. Quem vai cuidar desse quintal? Quem vai cuidar desses bichos? O que eles vão comer? Como ensinar o pintinho surdo a cantar para galo se tornar? E quem vai defender o pintinho do gato bandido?

A importância do Projeto “O Pintinho Piu”, consiste em sensibilizar o público para as questões relacionadas à inclusão social, neste caso particularmente os surdos dando ênfase a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS.


Este Projeto é desenvolvido por meio de um espetáculo musical  de classificação livre, cujo objetivo principal é chamar a atenção para temáticas como a LIBRAS; formas de tratamento aos animais e cuidados com os idosos.

Ficha Técnica:


Diretor: Hugo Araújo

Texto e Produção: Joca Monteiro
Direção de arte: Paulo Rocha
Iluminação: Marina Beckman
Cordenação Pedagógica: Edilene Dias e Gabriel Lélis
Elenco: Belisa Cardoso, Gleicy Oliveira, Jones Barsou, Netho Pereira e Paula Suélen
Classificação: Livre
Duração: 50 min.
Ingressos: R$ 15 (meia) R$ 30 (inteira)

Hoje é o Dia Mundial do Teatro


Hoje, 27 de março, é o Dia Mundial do Teatro. A palavra teatro vem do grego theaomai, que significa contemplar. A data foi criada em 1961, pelo Instituto Internacional do Teatro (ITI), por conta da inauguração do Teatro das Nações, em Paris (PA).Raza a lenda que a prática da nobre arte cênica de interpretar começou em 80.000 anos a.C., com rituais primitivos, danças e muitas histórias, em uma reunião de pessoas em uma pedreira, ao redor de uma fogueira para se aquecerem.

A fogueira fazia refletir a imagem das pessoas na parede, o que levou um rapaz a se levantar e fazer gestos engraçados que se refletiam em sombras. Um texto improvisado acompanhava as imagens, trazendo a ideia de personagens fracos, fortes, oprimidos, opressores e até de Deus e do diabo, segundo conta Margarida Saraiva, da Escola Superior de Teatro e Cinema, de Portugal (POR).


A representação existe desde os tempos primitivos, quando os homens imitavam os animais para contar aos outros como eles eram e o que faziam, se eram bravos, se atacavam, ou seja, era a necessidade de comunicação entre os homens. As homenagens aos deuses também favoreceram o aparecimento do teatro. Na época das colheitas da uva, as pessoas faziam encenações em agradecimento ao deus Dionísio (deus do vinho), pela boa safra de uvas colhidas, assim, sacrificavam um bode, trazendo para a comemoração os primeiros indícios da tragédia.

Os povos da Grécia (GRE) antiga transformaram essas encenações em arte, criando os primeiros espaços próprios, para que fossem divulgadas suas ideias, as mitologias, agradecimentos aos vários deuses, dentre outros assuntos.

O gênero trágico foi o primeiro a aparecer, retratava o sofrimento do homem, sua luta contra a fatalidade, as causas da nobreza, numa linguagem bem rica e diversificada. Os maiores escritores da tragédia foram Sófocles e Eurípedes.Nessa época, somente os homens podiam representar, assim, diante da necessidade de simular os papéis femininos, as primeiras máscaras foram criadas e mais tarde transformadas nas faces que representam a tragédia e a comédia; máscaras que simbolizam o teatro.

O gênero cômico surgiu para satirizar os excessos, as falsidades, as mesquinharias. Um dos principais autores de comédia foi Aristófanes, que escreveu mais de quarenta peças teatrais. Nas primeiras representações, a comédia não foi bem vista, pois os homens da época valorizavam muito mais a tragédia, considerando-a mais rica e bonita. Somente com o surgimento da democracia, no século V a.C, a comédia passou a ser mais aceita, como forma de ridicularizar os principais fatos políticos da época.

Meu comentário: há tempos, não vou ao Teatro, pois quando não estou no trampo, estou nos bares. Pior pra mim. Mas divulgo os espetáculos e admiro quem produz e atua. Nesta curiosa data, parabenizo as atrizes amapaense Bárbara Castro, que atua em palcos cariocas há anos e a paraense Janisse Carvalho, que além de interpretar, também é professora de Teatro. Ambas são artistas talentosas e são amigas queridas deste blogueiro. 

Elton Tavares

Sesc Amapá Promove Oficinão de Teatro para Iniciantes


O ator, para representar um personagem numa peça teatral, necessita de alguns recursos apropriados para realizar essa ação. E a ação é para a construção de um papel, a locomotiva que faz existir e desenvolver a trajetória de cada personagem na história a ser contada.  A pessoa que pretende dizer algo através da arte de representar precisa antes de qualquer passo na direção do palco, conhecer sua ferramenta natural (o corpo). O corpo do ator será a “casa” de muitos personagens, e como uma casa, tem compartimentos que precisam ser observados e cuidados constantemente. E para que isso aconteça com eficiência, ele terá que se dedicar nessa busca constante e ininterrupta. Alguns atores dedicam toda a sua vida nessa tarefa.

Algumas pessoas procuram no ato de representar, apenas uma ocupação para aliviar o estresse depois de um dia cansativo de trabalho. O teatro tem sido utilizado para diversos fins. Isso é bom que aconteça porque dessas experiências podemos comprovar o quanto contribui o exercício das técnicas teatrais para o nosso bem estar. Podemos utilizar o teatro como lazer, para educar e o teatro com objetivo puramente artístico.

Nós nascemos com ânsia de comunicar.  Precisamos todos os dias nos comunicar com quem está ao nosso redor. Fazemos isso o tempo inteiro, nosso corpo reage a estímulos exteriores e interiores. Quem se dedica a essa arte (ao teatro), passa bom tempo de seus dias, a catalogar essas sensações e o que as provocam. A curiosidade e paciência do ator, devem se unir à disciplina, para que o mesmo alcance um bom resultado através dos exercícios e jogos propostos nas oficinas de teatro.

Elementos que serão trabalhados: A ação e suas características, A atenção cênica, O palco, Respiração, Exercícios de articulação/ pronúncia e Leituras de textos.

Programação:

Inicio = 11/3/13 – (segunda-feira)
Período = 11/3 a 29/5/13
Dias: segundas e quartas-feiras
Horário: das 19 às 21 horas
Carga horária = 45 horas
Taxa única = R$ 20,00
Público alvo = comerciário, dependente, usuários, estudantes e adolescentes.
Idade mínima = a partir de 15 anos  
Local = Teatro Porão/Sesc AP
Ministrante = Maronilton Henrique (instrutor de teatro)
Vagas= 20
Inscrições: Central de Atendimentos Sesc Araxá
Horário Comercial
Informações: 
3241-4440 Ramal 257 – Setor de Cultura e Ramal 204 – Central de Atendimentos.

Asscom Sesc/AP

Ói Nóiz Akí promove oficinas gratuitas para descoberta e formação de novos valores


No período de 18 a 28 de fevereiro do corrente ano estão abertas as inscrições para o projeto ÓI NÓIZ AKÍ/ DESCOBERTA E FORMAÇÃO DE NOVOS VALORES. Trata – se de uma iniciativa da Cia. Ói Nóiz Akí, umas das mais importantes e premiadas companhias de artes do Extremo Norte do Brasil, que teve o referido projeto selecionado pela UNESCO, através do projeto CRIANÇA ESPERANÇA para recebimento de apoio financeiro para o exercício de 2013.

Em 12 meses de atividades, o grupo visa promover reflexões acerca da cultura e das artes enquanto direito cidadão, e conseqüentemente, sua socialização com as camadas menos favorecidas da sociedade, através de oficinas artísticas nas linguagens de circo, dança, teatro e música, e ações cineclubistas visando a promoção da produção audiovisual brasileira.

Ao longo de sua trajetória, fruto de seus projetos e ações compromissados com a cidadania cultural e com a evolução do conceito de arte publica, o Ói Nóiz Akí vem arrebatando prêmios nacionais, como: Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz, Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna, Prêmio Funarte de Arte na Rua, Prêmio Agente Jovem de Cultura, dentre outros, que o colocaram no hall dos grupos artísticos mais importantes deste estado.

As oficinas são gratuitas, e serão ministradas por técnicos da companhia e grupos parceiros, nos turnos da manhã e tarde no Centro de Cultura Negra do Amapá – CCNA, beneficiando diretamente 120 (cento e vinte) jovens e adolescentes, regularmente matriculados na rede publica de ensino e indiretamente 7000 (sete mil) cidadãos com exibições de obras audiovisuais nacionais de curta, média e longa metragem.

Mais do que grandes artistas, o projeto visa descobrir grandes cidadãos, não somente para as artes, mas para a vida, pois a ficção de nossa arte, neste projeto é apresentada enquanto ensaios para a realidade na tentativa de muda – lo em detrimento de um futuro onde a sensibilidade que lhe é peculiar possa dar o pontapé inicial na construção da sociedade que almejamos.

No Amapá o projeto conta com parceiros importantes como: Coletivo de Artistas, Produtores e Técnicos em Teatro do Estado do Amapá – CAPTTA, Cia. Cangapé,Conselho Estadual de Cultura do Amapá – CONSEC,  Rede Brasileira de Teatro de Rua – RBTR, Rede Nacional de Teatro Infantil – RENATIN, Palco Fora do Eixo – PFdE, Cooperativa Brasileira de Circo – CIRCOOP, Papelaria Raízes, Gráfica Cromoset, Sumano Discos, Imperial Music, União dos Negros do Amapá – UNA e Supermercados Fortaleza, nos entanto, as dificuldades ainda são muitas para garantir que um projeto desta envergadura torne – se real e viável, por isso, o grupo está aberto a parcerias diversas afim de estender tais ações ao maior número de beneficiários possível.
Mais informações:
0xx(96) 8114-9655 Tim
0xx(96) 9155-1036 Vivo

Fumcult e Semed planejam retorno às aulas com teatro para receber alunos da rede municipal


Alunos das 80 escolas e de 16 anexos do município serão recebidos com apresentações de teatro infantil e muita diversão no início do ano letivo 2013. A iniciativa é da Fundação Municipal de Cultura (Fumcult) e da Secretaria Municipal de Educação (Semed) que dão início a uma nova postura diante da formação de cidadãos, através de um modelo de gestão transversal, integrando cultura e educação.
O planejamento foi decidido na tarde desta quinta-feira, 14, em reunião entre a presidente da Fumcult, Márcia Corrêa, a secretária Municipal de Educação adjunta Antônia Andrade e técnicos da Semed e o assessor especial do prefeito, Marcos Mendonça. A ação, chamada de “Dia do Acolhimento” inicia no dia 11 de março, começo do ano letivo municipal 2013.
Carol Pessoa – Asscom Fumcult
Contato: 9112-2751 / 8131-5566
Asscom Prefeitura Municipal de Macapá
Contato: (96) 9154 8850

Espetáculo teatral “Um Batuque Para Macapá”, no Museu Sacaca

O Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (Iepa) promove o espetáculo teatral “Um Batuque para Macapá”. O evento acontecerá neste sábado, 26, a partir das 17h, no auditório Waldemiro Gomes/Museu Sacaca. A entrada é franca.

O espetáculo tem como base o poema Macapá Cinderela, da professora Aracy Mont’ Alverne e de outros poetas de Macapá, e tem enfoque na dança do Marabaixo, o tambor e o teatro da fisicalidade. Os atores recitadores fazem uma adoração da Amazônia instigando o público à valorização da mesma, isso se dá por meio de poemas amazônidas que são recitados durante as apresentações. A performance tem duração de 30 minutos.

A composição de texto e direção é dirigida pela Companhia Super Nova, tendo a Produção de Mariana Beckman. Os participantes do elenco são Mariana Beckman, Géssica Palmerim, Jesiane Viana, José Feiches, Celleny Amoras e Anderson Pantoja.

Angela Andrade/Iepa