Discos que formaram meu caráter – Que pais (Legião Urbana) – Por Marcelo Guido

Por Marcelo Guido

Salve terráqueos espertos, a nave dos bons discos aporta mais uma vez para vocês. Com anos luz de atraso, no qual seu piloto encontrava se em um esquema NAU A DERIVA, mas resgatado das profundezas insanas, vem de muito longe para falar de:

Legião Urbana Que pais e esse (de 1987. Rufem os tambores).

Corria o ano de 1987 , a coisa não andava boa para as bandas daqui. Inflação galopante, Tancredo dançou antes de chegar e o Sarney com seus planos furados caindo no desgosto da população.

Na trupe musical da nossa capital federal, o soneto não estava saindo como o esperado e o compasso estava prestes a desandar. Renato Russo, afogava se em litros de álcool e em seus problemas particulares. Renato Rocha, o Negretti, não conseguia se colocar dentro da banda como membro permanente. A relação entre os caras e a gravadora andava bastante estremecida por conta da negativa do projeto Mitologia e intuição (disco duplo, que foi abortado).

Em um cenário em suma bastante escroto e sob contrato, como fazer algo pelo menos semelhante a os seminais discos anteriores??

A solução só poderia vir da Cabeça pensante e extraordinária de Russo, o cara recorreu a seus arquivos e mostrou ao mundo e para historia canções esquecidas ou deixadas de lado, sobras eu disse SOBRAS , do que seria o projeto duplo.

São sete canções da época de Aborto Elétrico e da fase Trovador Solitário, e duas compostas para este disco ( Angra dos Reis e Mais do Mesmo). Um puta disco foda.

Dissecando a Bolacha:

O projetil musical começa com a faixa titulo Que Pais e Esse, uma ode soberba e vulcana sobre a ordem politica nacional, não foi gravada antes pela esperança de mudanças . Vai para Conexão Amazônica, nos alerta sobre nossos desejos, gostos e afins , melhor ensina que alimento pra cabeça não mata fome. Chegamos Tedio (com T bem brande pra você( , uma homenagem a vida tediosa para juventude de Brasília. Depois do Começo, da fase trovador solitário, um ska , bastante bem trabalhado. Química, esta já tinha sido apresentada pelos Paralamas do Sucesso ( Padrinhos dos caras(, a pressão inerente exercida sobre jovens cabeças pensantes. Eu sei, balada soft, com letra forte um relato quase pessoal , encaixa com perfeição quase profana em alguma fase da vida de muitos de nos. Chegamos em Faroeste Caboclo, a saga de Joao de Santo Cristo, com seus quase 10 minutos , colocou os caras na tela da Globo, ocupando espaço jamais sonhado por alguma banda de rock nacional na programação da Vênus, virou filme. Angra dos Reis, a melancolia operante , aquele gosto de domingo a tarde. Finaliza com Mais do Mesmo, um rock pesado , que não deixa a dever nada para o bom punk.

Resultado, sem o mesmo capricho de Dois , acabou sendo um disco singular, que foi o terceiro mais vendido da banda e laureado com disco de diamante.

Um disco que começa com que pais é esse ??, e termina com invés de luz tem tiroteio no fim do túnel tem que levar a Medalha de ouro da coluna.

Tem que ser celebrado, como grande que é, em suas orações agradeça a Titio Russo por ter compartilhado essas belas canções com vocês.

Esse foi o ultimo registro de Renato Rocha com os caras.

Marcelo Guido e punk, jornalista, professor, pai da Lanna e do Bento e marido da Bia. Ainda se pergunta: que pais é esse?

Discos que formaram meu caráter :“As quatro estações”- Legião Urbana (1989) – Por Marcelo Guido

 

Por Marcelo Guido
 
Saudações, terráqueos! Falaremos de um disco que com certeza para muitos, e inclusive para mim, é considerado uma “Obra Prima”.“As quatro estações”, de 1989, é um álbum clássico, que você pode ouvir hoje e continuará atual. Não que nossas humildes vidas tenham parado no tempo ou coisa parecida, e que se trata de uma obra seminal, na vanguarda de muitos acontecimentos. 
Olha, não sou um cara “Xiita”, daqueles que entram em comparações esdrúxulas com a figura do Renato Russo ou coisa parecida. Não costumo dizer que ele é um Guru, grande pensador ou algo parecido. O vejo como uma pessoa comum que como muitos de nós, passou por fases difíceis em sua existência. Resumindo não o vejo como “Porta-voz” de geração nenhuma (titulo que o próprio odiava). 
 
Falando do disco, foi o primeiro trabalho da banda como trio, também o maior sucesso comercial que os caras tiveram. Eles já vinham de bons trabalhos como “Legião Urbana “, de 85, o magistral “Dois”, de 86 e “E que país e esse”, de 87 (um disco de sobras).
 
Foram 16 meses entre concepção, gravação mixagem e lançamento do disco, ou seja, um hiato relativamente grande na indústria fonográfica, se o disco não fosse bom, com certeza seria o começo do fim para os Legionários. Mas como poderia dar certo? Se pararmos para pensar o quanto é difícil o disco.

Dissecando a bolacha, vemos que começa com “Parece cocaína, mas é só tristeza” (Há tempos), vai para “… Ela se jogou da janela do quinto andar, nada é fácil de entender” (Pais e filhos), canção para alguém especial que esta prestes a morrer (Feedback song for a dyng friend, que alguns acreditam ser para o Cazuza), “ …A Humanidade e desumana” (Quando o sol bater na janela do teu quarto), “…Ontem faltou água , anteontem faltou luz” (Eu era um lobisomem juvenil), mesmo assim “ …O Brasil é o país do futuro” (1965- Duas tribos), cita Camões “..Ainda que eu falasse a língua dos homens” (Monte Castelo), amor não correspondido “…Me sinto tão só, e dizem que a solidão é que me cai bem” (Mauricio), Homo sexualidade assumida “…Eu gosto de meninos e meninas” (Meninos e Meninas), a incapacidade de se entender “… Meu coração é tão tosco e tão pobre..” (Sete Cidades) e termina tudo isso com algo extremamente religioso “…Cordeiro de Deus, que tirai os pecados do mundo, dai nos a paz” (Se fiquei esperando meu amor passar).Um verdadeiro “Caldo de emoções” (odeio essa expressão, “Caldo”, geralmente intelectuais bundões há utilizam caldo cultural, caldo de emoções etc..), não tinha como esperar que tudo isso, convergido em um único aparato desse certo. Mas deu.

 

Nove, das 11 musicas, tocaram no rádio (Amiguinhos, já existiu um tempo que a abreviação “FM” tinha relevância) até torrarem a paciência, talvez algo parecido só tenha rolado com “Nós vamos invadir a sua praia”,“Radio Pirata”. Sucesso estrondoso. A fúria dos trabalhos anteriores deu lugar a uma sutileza marcante, realmente a Legião tinha se tornado algo mais parecido com o “Pop”, mas não aquela escrotice descartável e sim algo marcante para muitos.
“As quatro estações” marca a melhor fase letrista de Renato, e de certo o disco obteve êxito em falar intimamente de maneira popular, poucos discos conseguem. 
 
Enfim o trabalho é cheio de características que marcaram para sempre a carreira e a personalidade da banda, acredito eu que depois desse LP começa o terrível processo de mitificação. Deixo uma pergunta pra vocês: Quem não chorou, sorriu, viveu ou apenas se pegou cantando algum verso presente nesse disco??
 
A partir desse momento a Legião Urbana passa ser conhecida apenas como Dado, Renato e Bonfá.
 
URBANA LEGIO OMNIA VINCIT (Legião Urbana Vence Tudo).
 
Marcelo Guido é Punk, Pai, Jornalista, Professor e Marido. Acredita que mesmo que de vez enquanto faltem água e luz “o Brasil ainda é o País do Futuro”. 

Passeio pela nossa Rua Almirante Barroso – Alcinéa Cavalcante

Vamos, eu e tu, andar por esta rua que se estende preguiçosa como uma tarde de domingo.

Te mostrarei as marcas da infância deixadas pelos meus pés descalços quando havia um pote de ouro no fim daquele arco-íris que atravessava a mata onde a matinta-perera morava.

Conheço cada pedacinho dessa rua, suas pedras, flores, janelas e personagens.

Vê! Ali morava Mané Pedro e sua bicicleta azul. Já não existe a casa. Nem a bicicleta. Desconfio que Mané Pedro foi pedalando para o céu e deixou uma saudade estacionada na rua.

Ah, a casa da Maria Banha. Era bem ali, do lado do Mané Pedro. Não tinha pátio nem varanda. Era coberta de palha e era tão singela.

Mais aqui morava “Vó” Etelvina. A casa era verde, de venezianas. Essa tinha pátio com duas cadeiras de vime. À tardinha, ‘Vó Etelvina”, sempre de vestido estampadinho, sentava no pátio e nos contava histórias sob os olhares atentos das flores que emolduravam a entrada.

Vó Etelvina era linda e doce, cheirosa e sorridente. Tinha os cabelos da cor do luar. Dela a criançada tomava bênção. Mas também morria de medo e chorava, mas só quando estava com a garganta inflamada. É que Vó Etelvina era “curadeira” de garganta. Encharcava um algodão com copaíba, andiroba e limão, enrolava no dedo e enfiava na garganta do doente fazendo movimentos circulares. Juro que me dava vontade de morder a mão dela para que nunca mais fizesse isso. Mas era um santo remédio.

Aliás, nessa rua havia também uma benzedeira, que tirava quebranto e costurava rasgadura. Mas isso te conto no próximo passeio e te falo também dos demais vizinhos, como o campeão brasileiro de natação Anselmo Guedes e a professora Odete (que ainda moram no mesmo endereço), o jogador de futebol Tamundo, o professor Pardal, dona Carmina, dona Lourdes (que fazia o melhor mingau de mucajá do mundo), dona Ermínia e os japoneses da esquina.

Alcinéa Cavalcante

O trajeto da A Banda através do tempo e antigos pontos de referência (croniqueta saudosista)

A Banda, maior bloco de sujos do Norte do Brasil, tem o mesmo trajeto nestes 54 anos de existência, mas o que ficou pelo caminho do tempo nestas mesmas ruas de Macapá? Fiz uma espécie de resgate (um tanto desordenado) de vários locais que povoam a memória afetiva do macapaense. Deixa suas lembranças agirem e vamos lá:

O ponto de partida do bloco, o mais popular dos festejos de Momo no Amapá, é na esquina da lanchonete Gato Azul e a loja Clark. Os foliões seguirão pela frente da loja A Pernambucana, dobrarão na esquina do Banco Bamerindus (pois “o tempo passa, o tempo voa…); Farmácia São Benedito; Moderninha e da Banca do Dorimar. As pessoas se trombam ao redor dos trios e carros de som. Todos molhados de suor, ou chuva.

A folia desce a Rua Cândido Mendes e o trajeto passa em frente também da Irmãos Zagury – Concessionária da Ford; Farmácia Modelo; do Banap; lojas São Paulo Saldo; Esplanada; Cruzeiro; Hotel Mercúrio; Casa Estrela; Casa Marcelo; Setalar; Tecidos do povo; Tecidos do Sul; A Acreditar; Casa Estrela; Beirute na America, ponte do Canal; Banco Econômico e Farmácia Serrano. Pelo caminho, muitos se juntarão a multidão.

Os foliões passarão em frente a Fortaleza de São José de Macapá, dobrarão na esquina da Yamada, subindo pela lateral da Feira do Caranguejo, em frente a boate Freedom e subirão a ladeira até o supermercado Romana. Sempre com os ritmos levantam nosso astral.

A marcha alegre seguirá pela Feliciano Coelho, onde a maioria já estará possuído pela cerveja, passará pelo Urca Bar; Leão das Peças; Cine Veneza e Farmatrem. A Banda chegará à Esquina do Barrigudo, na Leopoldo Machado. Continuará a passar em frente a Acredilar, lanchonete Chaparral, Casa Nabil, Hotel Glória e Baby Doll. Na brincadeira terá folião de toda idade, a maioria na maior curtição, sempre driblando os poucos que querem confusão.

A Banda é sempre cheia de colombinas faceiras, pierrôs malucos, palhaços embriagados, piratas sorridentes, enfermeiras enxeridas, bailarinas cambaleantes, diabos bonzinhos, anjos não tão angelicais, etc. O importante é alegria de quem vive a emoção de estar lá ou somente ver a banda passar.

A Banda dobrará na Avenida Fab, no canto do CCA (o couro continuará comendo); passa pela Prefeitura de Macapá; Palácio do Governo; Esporte Club Macapá; Praça da Bandeira; lanchonete Táxi Lanches; Bar do Abreu e novamente a Cândido Mendes até a Praça do Barão, onde as bandas Placa Luminosa e Brind’s farão um som até mais tarde.

Nunca saberemos quantos fantasmas carnavalescos seguem conosco na Banda, mas se assim for, que venham e sigam pela luz e brilho do encanto deste sublime momento (entre o ontem e o hoje).

O dia só começou e mais tarde é hora de cair na folia ou ver a Banda passar. É o fim do Carnaval, mas o real começo do ano. É por aí.

Elton Tavares

Calças de Linho Flutuantes e os Nomes dos Blocos- Crônica porreta de Fernando Canto

Crônica de Fernando Canto

Na constelação de brilho intermitente do carnaval você pode se tornar uma estrela. Basta querer. Quem não se identificar com o samba tem a opção de sair no meio de um bloco carnavalesco, onde os brincantes se esbaldam no frevo rasgado ou ao som das tradicionais marchinhas que trazem temas diversos na competição anual entre eles.

Dada a sugestão está feito o convite. Um pouco tardio, creio, mas feito com o carinho de quem quer ver o carnaval macapaense brilhar mais do que do que brilhou no passado. “Um passado de glórias”, como diz um antigo samba dos Boêmios do Laguinho. Um passado feito de desfiles e batalhas de confetes que encantavam as crianças nos domingos de fevereiro em diversos pontos da cidade e faziam a alegria da juventude.

É inesquecível para mim a figura da porta-bandeira Telma e do mestre-sala Sucuriju rodopiando no asfalto da avenida FAB sob o calor dos holofotes e do aplauso do povo laguinhense. O povo aplaudia e gritava quando o grande passista, o Mestre Falconeri dançava, balançando as largas calças de linho que pareciam fazê-lo flutuar sobre o chão.

Mas o povo delirava mesmo era cantando o samba aprendido às pressas nos últimos dias que antecediam ao desfile, uma prática usual de todas as escolas. Era a partir do samba que se faziam os enredos. Então ele era guardado a sete chaves até próximo do dia do desfile oficial para que as escolas concorrentes não o plagiassem e nem ao enredo. Francisco Lino, o Menestrel, que o diga.

As escolas da déuntitledcada de 60 e parte da de 70 eram parecidas com os blocos de hoje que almejam serem escolas de samba: traziam apenas um carro alegórico e um pequeno contingente de brincantes. A diferença é que a maioria dos instrumentos musicais era fabricada por aqui mesmo. Os próprios brincantes faziam seus querequexés e agogôs, frigideiras e tamborins. Minutos antes de entrarem na passarela acendiam fogueiras para esticar o couro dos tambores a fim de evitar que murchassem devido ao tempo ou a uma chuva inesperada. De acordo com o Pedro Ramos, o maior repiquinista dos Estilizados, o instrumentista tinha que levar uma folha de jornal no bolso para esquentar os tamborins feitos de couro de cobra pelo seu Joaquim Suçuarana. Sambistas e passistas mirins, como o Neck e o Kipilino, se revelavam novos talentos e se tornaram o orgulho de sua escola.

1781_abanda26fotomarciadocarmo
Antigo Carnaval na Avenida Fab. A multidão amanhecia e ia atrás da última escola a desfilar

Enquanto Luís do Apito (pai do Bababá, atual mestre de Bateria dos Boêmios) organizava a batucada, R. Peixe se preparava para trazer a sua recém-criada Embaixada do Samba, uma dissidência da Piratas da Batucada. Esta, por sua vez, trazia em suas hostes os incansáveis e pouco reconhecidos compositores Jeconias Araújo e Juriel Monteiro. Lá atrás Pelé e Fifita, Neusona e Escurinho aguardavam sua vez de desfilar ao som dos sambas de Izar Leão ou de Nonato Leal e Alcy Araújo, apaixonados que eram pela verde-rosOLYMPUS DIGITAL CAMERAa macapaense.

Nos anos 80 surgiram as escolas de samba de 2º grupo, como a Piratas Estilizados (que foi bloco por muitos anos) a Unidos da Coaracy Nunes, a Quilombo dos Palmares, Emissários da Cegonha e a Solidariedade. Daí, então, o carnaval amapaense teve outra formatação até o advento do sambódromo, que foi o território do Piratão por um longo reinado. De 1997 para cá, o brilho do carnaval foi mais intenso.kubalanca_2005_thumb[2]

Mas uma coisa marcante, hoje, é o desfile dos blocos. Eles estão em todos os bairros e todo ano se multiplicam levando suas temáticas e irreverências pelas ruas da cidade até se encontrarem no desfile da terça-feira na Banda. Creio que são a cara do nosso carnaval, ainda que queiram embotar-lhe o brilho com falso moralismo, em função dos nomes de dupla conotação que carregam. Carnaval em São Paulo no início do século XXOra, o carnaval amapaense é muito brasileiro. É irreverente e feliz. Traz como características a eliminação da repressão e da censura e a liberdade de atitudes críticas e eróticas. Realça o sorriso das crianças e não descarta nem esconde a sensualidade das mulheres tão sensualmente amapaenses, tão lindas e alegres, que optaram por brilhar no carnaval.

As praças dos velhos tempos – Crônica porreta de Fernando Canto

 

Crônica de Fernando Canto

Creio que todos nós nos lembramos de algum logradouro público da cidade como um espaço que marcou determinado momento de nossas vidas. E, claro, nada como um passeio nas praças de Macapá para fazer vir à tona os clipes nos quais fomos felizes protagonistas ou solitários incompreendidos frente às decepções e vicissitudes que a vida traz, inexoravelmente.

Quando Macapá era menor um passeio à praça significava um caminho para a conquista. Depois da missa ou depois da matinê do cinema, um toque na mão da namoradinha, um ousado “tocha” na despedida era “a glória” dos enamorados, era o sonho realizado sob o embalo da canção romântica interpretada por Ronnie Von que tanto sutumblr_mdlmayxg841re4txro1_500_largecesso fez na década de setenta. Alheios aos acontecimentos políticos, nem dávamos conta das transformações que se operavam no país naqueles tempos. O importante era a afirmação como homem e a curtição daquilo que chegava a nós de forma inócua, como os modismos americanos: a calça Lee, os cabelos longos e o som do Credence Revival de do Jonnhy Rivers, que o Agostinho e o Velton esnobavam em danças supostamente de moda para agitar a juventude nos salões dos clubes da cidade. A versão tupiniquim do calhambeque do Roberto Carlos e das roupas e sapatos da novela “Cavalo de PraçadaBandeira-fotos-antigas-de-macapá-433Aço”, também faziam sucesso, mesmo que a ainda não tivesse televisão funcionando em Macapá.

Nessa época todas as atividades cívicas se concentravam na Praça da Bandeira, bem como a do Barão (área em frente aos Correios) era usada para educação física dos alunos dos colégios próximos e a Veiga Cabral (área onde está hoje o Teatro das Bacabeiras) servia para a instalação de circos e arraiais de festas de santos. A da Bandeira fora a Praça da SPraça-Veiga-Cabral-2audade, onde havia três velas enormes em homenagem ao deputado Coaracy Nunes, ao promotor e suplente de deputado Hildemar Maia, e ao piloto Hamilton Silva, mortos em acidente no Macacoary, no final dos anos cinqüenta. A do Barão era a antiga Praça São José, onde ficava o pelourinho na planta desenhada pelo engenheiro João Gaspar de Gronfelds, em 1761. Depois virou Largo de São João e finalmente Barão do Rio Branco, no início do Território Federal do Amapá. A que hoje chamamos Veiga Cabral já foi a Praça de São Sebastião, onde foi fSem títuloundada a Vila de Macapá pelo governador Mendonça Furtado. Situada em frente à Igreja de São José, entre as ruas Formosa (hoje Cândido Mendes) e São José (a única que não mudou de nome desde a fundação de Macapá), já foi palco do Marabaixo, de comícios e de muitos concertos musicais realizados no coreto pelas bandas dos alunos do Padre Julio Lombaerd e do Mestre Oscar.

Vale ressaltar que nessa planta de Gronfelds, só havia então duas praças, e Macapá começava a ser planejada espacialmente por ele, cujas concepções nós estamos usufruindo até hoje. Segundo o urbanista e professor Alberto TostesOs Mocambos (1972), os grandes quarteirões e as ruas largas foram idealizados por Gronfelds porque o nosso clima quente e úmido é de massa equatorial, então toda a força para suprir essa diversidade vinha exatamente do rio Amazonas, daí a sua preocupação, antes mesmo da construção da fortaleza de São José, em planejar ruas largas e imensos quarteirões, em contraste com as ruas estreitas das cidades européias e coloniais. Ao resto, o engenheiro militar idealizou um grande sombreamento a partir do plantio de árvores para fazer a cobertura climática, o que suscita uma visão sustentável de cidade concebida há quase 250 anos.

SONY DSC
SONY DSC

“A Praça é do povo”, recitava impetuosamente Castro Alves, é nela que se cruzam diariamente sonhos e textos, interesses e esperas, risos e lágrimas e tudo o mais que os seres humanos deixam escapar pelas janelas da alma. Suas aparências, sem dúvida, como dizem os pára-choques de caminhão, refletem o estado administrativo da cidade: são os espelhos das intenções e dos gestos políticos. Por isso, então, merecem os mais profundos cuidados no corte da grama, na poda de árvores e no conserto dos passeios e bancos, usados freqüentemente poempinando pipa (25)r quem tem pouca mobilidade. Não podem ficar à míngua, tomadas pelo mato, como a que existe na descida em frente à residência governamental, um velho e rasgado cartão postal, destruída por vândalos e esquecida pelo poder público, sob o testemunho triste dos velhos coqueiros balançantes na contraluz da nascente.

*Fotos encontradas nos blogs da Alcinéa, Alcilene e Porta Retrato.

28 anos do Estádio Zerão

1990-023-macapa-inauguracao-do-estadio-zerao-pelo-presidente-collor-j

Hoje (17), o Estádio Milton de Sousa Corrêa, o popular “Zerão”, completa 26 anos. A inauguração do Zerão, contou com as presenças do craque Zico e o então presidente Fernando Collor (sim, aquele que nos fez pintar a cara pouco depois). Isso na gestão do governador Gilton Garcia. O público naquele dia foi de 10 mil pessoas.

No Zerão, vi meu Ypiranga ser campeão amapaense de futebol do primeiro campeonato no novo campo, com direito a golaço do Miranda, agora comandante do Corpo de Bombeiros do Amapá (CBM/AP), como “Gol do Fantástico”.

É, vivi algumas fortes emoções no Zerão. Tanto como torcedor, quanto jornalista. Uma pena que o estádio ficou em ruínas por um período e fechado por sete (7) anos. Reinaugurado em 15 de fevereiro de 2014.

O Estádio do meio do mundo ainda está longe de ser uma grande arena de futebol, assim como este esporte está anos luz de ter um grande campeonato no Amapá. Mas seguimos na torcida para que um dia isso ocorra, de fato. E lá se vão 28 anos.

Elton Tavares

Boas lembranças de nossos pais – Por Allison Veríssimo

11050132_1669728629917620_5573146687310420730_n-300x300
Allison Veríssimo

Meu pai, Zé Penha e minha mais que maravilhosa mãe, Lúcia Vale, foram muito amigos do casal Aílson e Vera Lobato. Desde meados dos anos 80, quando papai e tio Aílson foram funcionários do Banco da Amazônia (Basa) e mamãe e tia Vera trabalharam juntas na Escola Zolito Nunes (na época, ambas professoras).

Consequepapaietioailsonntemente, fomos (eu e meu irmão Emerson) criados como primos dos filhos do casal amigo, os queridos Alice, Allison e Andrew.

Há pouco mais de um ano, o Allison lembrou de um lance bacana de nossa infância. Me emocionei com o relato. Leiam:

“Esses dias me vieram à mente, um fato muito agradável de minha infância. Estávamos no BASA Clube, o ano era 1990, nossa família e mais a família do saudoso tio Penha. Era um domingo. Daqueles super quentes, típico de nossa capital. Meu pai e tio Penha estavam tomando cerveja – eram grandes amigos.

Pelo meio da tarde, começou o famoso bingo que rolava por lá, já tradicional e um dos prêmios era um vídeo game. Fiquei enlouquecido com a idéia de poder ganhar aquele aparelho, era a realização de um possível sonho.

Pois no final bateram juntos, meu pai e o tio Penha e foram então pra disputa da pedra maior. Nessa, o tio Penha levou a melhor e ganhou o vídeo game para meus primos Elton Tavares e Emerson Tavares (sim, primos, pois foi como tal que crescemos). Chorei muito, pois não acreditava que tinha chegado tão perto e havia perdido aquele prêmio.

Mas o Tio Penha me disse que a noite eu teria uma surpresa. Fomos pra casa e quando eu esperava, ele chegou com um Atari. Eu não acreditava naquilo! Aquele vídeo game alegrou muito a nós por muitos anos, mas o que mais me marcou foi a amizade entre nossos pais, além da generosidade do saudoso Tio Penha… imagino que deve estar com meu velho lá em cima de boa, olhando por nós… velhos, vocês fazem muita falta, mas estamos aqui tentando nosso melhor para honrar vocês sempre da melhor forma.

tumblr_lkykr5NGt51qbw2q1o1_1280-300x200

Lembrei muito do Tio Penha esses dias e resolvi relembrar esse dia bacana para ilustrar sua marcante passagem nesse mundo! Só Saudades!”

Allison Veríssimo

Papai morreu em março de 1998 e tio Aílson partiu em julho de 2013. Ambos foram caras porretas. É como eu e Allisson tentamos sermos. Seguimos com nossas nostalgias, com a esperança de um dia encontramos os dois do outro lado ou na próxima vida, sei lá. Mas na tentativa de fazer valer cada dia por aqui. É isso!

Elton Tavares

*Republicado por conta do Dia dos Pais. 

O carroceiro (relato porreta sobre a antiga Macapá) – Por Floriano Lima

Os mais antigos como eu, lembram o apogeu desses veículos em nossa Macapá. Transportando a madeira, o cimento e até mesmo fazendo “mudança”…ficavam em seus pontos de frete, na feira central, no Buritizal e outros locais. Mas nunca um carroceiro foi tão folclórico como o “Mucura”, que o conheci e conversei pessoalmente com ele.

Era um “galego magro dos olhos claros” com voz rouca e “metido” a galanteador, que sempre que as moças passavam, ele “jogava” todo o seu charme. Até que aconteceu o fato que entrou no imaginário popular. Ele “deu” a sua tradicional “cantada”, sendo que a mesma era casada e participou ao “digníssimo”, que tomando as “dores” da amada partiu ao seu encontro.

Chegando entre os carroceiros perguntou: Quem é o “Mucura” aqui? Ele, pensando que era um “gordo” frete, respondeu: Quantas carradas patrão ? O sujeito respondeu: só duas e desceu o braço no Mucura. Desde esse dia, quando se aproximavam dele, diziam…quantas carradas patrão ? São histórias de uma Macapá que não existe mais…

Floriano Lima

“Por aí a fora” (em homenagem ao comandante Barcellos, que se vivo, faria 100 anos hoje) – Por Pedro Aurélio Penha Tavares

O ex-governador do Amapá, Annibal Barcellos, se estivesse vivo, completaria 100 anos nesta terça-feira (10). Ele morreu no dia 14 de agosto de 2011, aos 93 anos, de causas naturais. O “comandante”, como era chamado por ser oficial da Marinha, era carioca e veio para as bandas de cá no final dos anos 70, nomeado pelo Regime Militar, no período de 1979-1985. E deputado federal constituinte (1987-1991).

Barcellos errou e acertou muito em sua vida política. Ele foi criticado e combatido, como todo gestor público, mas adorado pela maioria da população amapaense, que mesmo depois da abertura política, o elegeu governador 1991-1995 (primeiro eleito) e prefeito de Macapá, de 1997-2001. Em 2004 foi eleito vereador em Macapá. Ao fim do mandato em 2008, encerrou sua carreira política. O homem era carismático e estrategista.

Annibal Barcellos foi sepultado no Cemitério Nossa Senhora da Conceição, em Macapá. Centenas de pessoas compareceram ao seu velório, realizado na Assembleia Legislativa do Estado (ALE/AP). O cortejo, com direito a homenagens em frente ao Palácio do Setentrião, foi acompanhado por políticos, empresários e centenas de populares.

O ex-governador foi demonizado e endeusado, mas a verdade é que ele preparou o então Território-Federal do Amapá para virar Estado. Em homenagem ao seu centenário, republico o texto “Por aí a fora”, escrito por meu tio, Pedro Aurélio Penha Tavares, escrito para homenageá-lo na época de seu falecimento.

Por aí a fora

Além de todas as obras realizadas pelo comandante Barcellos, visando a estruturação do futuro Estado do Amapá, quando esta terra ainda era Território Federal, o então governador valorizou e capacitou jovens técnicos amapaenses.

Barcellos se preocupou em preparar homens, como constatamos hoje, para comandarem o Amapá. Ele deu condições para muitos cursarem o Nível Superior fora do Amapá, dando bolsas de estudo aos mais carentes e liberando funcionários públicos para se deslocarem a outros estados, em busca do sonhado 3º grau.

Essas pessoas foram prestigiadas quando retornaram ao Amapá, pois muitas delas foram nomeadas para ocuparem cargos na estrutura do Governo de Annibal Barcellos. Essa preocupação com a formação teve continuidade, vários destes amapaenses fizeram especializações e assumiram postos relevantes na gestão do comandante.

Dentre os jovens técnicos que tiveram oportunidade no Governo de Barcellos podemos citar: o delegado Antônio Cardoso, que foi secretário de Segurança Pública; o professor Antonei Lima, que foi secretário de Educação; o engenheiro agrônomo Iraçu Colares, secretário de Agricultura; o administrador Pedro Aurélio Penha Tavares, secretário de Administração; o médico Papaléo Paes, secretário de Saúde; o economista Regildo Salomão, também secretário de Administração, entre tantos outros.

O comandante também deu oportunidade a jovens que não cursaram o nível superior, mas por demonstrarem competência, ocuparam cargos chaves e contribuíram para o desenvolvimento do Amapá. Esse fato mostrou que a preocupação do comandante Barcellos, “efetivamente”, era com o Amapá como um todo.

O visionário

Barcellos chegou a ser questionado pela Justiça, por meio de Ação Popular, quando resolveu construir a Assembleia Legislativa do Amapá, quando ainda não havia deputados. Outro caso similar foi quando o comandante decidiu erguer o prédio do Banco do Estado do Amapá, quando não existia banco e muito menos Estado.

Valorização do amapaense

Vale salientar que, como já foi dito, o comandante sempre deu prioridade aos jovens, entre eles, vale salientar um caso. Quando Barcellos precisou nomear os desembargadores para o Tribunal de Justiça do Amapá (Tjap), na cota destinada ao Judiciário, o então governador procurou saber ser tinha algum amapaense juiz de Direito.

O comandante foi informado que tinha um sim, mas o juiz atuava no estado do Pará. Barcellos mandou chamá-lo e o nomeou desembargador do Tjap, seu nome é Gilberto Pinheiro.

Trocando em miúdos, o comandante Barcellos deixou seu legado, uma história de amor pelo Amapá e pelos amapaenses.

Pedro Aurélio e o “comandante”.

Pedro Aurélio Penha Tavares – Auditor do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que foi chefe de Gabinete e secretário de Estado da Administração do velho comandante.

*Fotos encontradas nos blogs Porta Retrato, Repiquete no Meio do Mundo, do professor Nilson Montoril e da jornalista Alcinéa Cavalcante.

Em 1971, time de futebol do Ypiranga Clube, no Estádio Municipal Glycério de Souza Marques, em Macapá. Meu pai era o goleiro

Em pé: Lourival Lima (treinador); Penha, Emanuel, Manga, Bandeirante, Célio Nobre, Evandro, Rodolfo, Chiquinho, Pitel Vavá (Presidente). Agachados: Assis, Jurandir, Jackson, Canhotinho, Almeida, Leorimir e Rato.

Meu pai, Penha, era o goleiro Saudades, Zé. Te amo, sempre!

Fonte: Porta Retrato.

Papo Casal: fui o primeiro a comprar o livro.

Há exatos 10 anos, em 11 de março de 2008, visitei o Ronaldo Rodrigues, que também é Rony. Era noite. Ele morava na casa da Floriano Peixoto (a galera sabe onde) e estava feliz. Tinha chegado os exemplares de seu livro ‘Papo Casal’.

Tenho orgulho de ter sido o primeiro comprador da obra. Nela, RR ironiza o cotidiano e situações comuns dos casais de forma inteligente e divertida. Tenho o livro até hoje, pois a publicação é atemporal.

Elton Tavares

Os 35 anos de história e música da Banda Placa

A banda Placa completa 35 anos de carreira hoje. E de muita história e música. O grupo musical surgiu em fevereiro de 1983, com o fim da da banda “Os Setentrionais”. Sua criação aconteceu em nove de março do mesmo ano, na antiga Praça Zagury, centro de Macapá, com o nome Placa Luminosa. Da formação original da banda, continuam apenas Carlitão e Álvaro de Jesus Gomes, seu irmão.Outros renomados músicos passaram pela Banda, como Joaquim França, Joãozinho Batera, Osmar Júnior, Pintinho, Raimundão, entre outros. Com certeza, eles abriram caminho para que outras bandas passassem.

Desde que surgiu, a Banda Placa tem a inovação como uma de suas principais características. Ao longo de sua história, o grupo desenvolveu vários projetos com o intuito de valorizar a cultura e a música amapaense. o grupo lotou praças, quadras de escolas e clubes e é responsável pela trilha sonora da memória afetiva da então juventude amapaense dos anos 80 e 90.

Carlitão e demais componentes da Banda Placa realizaram projetos culturais, sociais e educacionais importantes fomentadores do legado da produção cultural amapaense e da história de sua gente. Aguns deles foram: A Vida e Obra de Paulo Diniz; Rock Luz; Carnaval do Povo; Música na Escola; Mazagão Velho dois séculos de Cultura; Ponto de Encontro; Placa Esporte Clube; Alé; Frutos e Sementes; Tambores; Nossos Ídolos e Aiô Folia.

A formação atual da Banda Placa possui 12 integrantes, são eles: Carlitão e Batan (vocalistas), Alan Gomes (baixo), Álvaro Gomes (guitarra), Macarrão (bateria), Diego Gomes (percussão), Grilo (percussão), Sinei Sabóia (trompete), Amilson (teclado), Nel (sax e flauta), Valério (percussão) e Xuxu (trombone).

A contribuição da banda Placa para a música amapaense e cultura do Amapá é imensa. Quando o grupo se apresentava em uma festa, a diversão era garantida. Lembro bem dos bons tempos do Carnaval do Povo na Praça da Bandeira. O Carlitão era amigo do meu saudoso pai, Zé Penha e eu nem sei dizer desde quando conheço o Alanzinho. Até hoje os caras seguem pisando forte e fazendo a alegria da população de Macapá. A todos os envolvidos nessa linda história, nossos aplausos e agradecimentos. Parabéns!

Elton Tavares, com informações das jornalistas Rita Torrinha e Flávia Fontes