Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque

No maior parque de floresta tropical do mundo, é possível ter contato direto com a cultura e o modo de vida das populações ribeirinhas, além, é claro de apreciar os ecossistemas naturais de grande relevância ecológica e beleza cênica.

Mais uma das belas Unidades de Conservação do Estado, o Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque reserva aos visitantes belos horizontes proporcionados pelo escudo das Guianas.

Mesmo que ocorram pesquisas intensivas durante 30 anos na reserva de Tumucumaque, não se conhecerá tudo sobre a reserva!” – Christoph Jaster ( Eng Florestal com mestrado na Alemanha, doutorado e chefe do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque).

Para visitar o parque, é necessário ter autorização o ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). E o melhor é ir em grupo para que as despesas possam ser divididas!

Rua do Campo, 711 – Centro – Serra do Navio, AP – CEP: 68.948-000
Email: [email protected]

Fonte: Amapá no Mapa

Definida a programação do Equinócio de Primavera

A Secretaria de Estado do Turismo (Setur) definiu a programação do projeto Equinócio de Primavera, que acontecerá de 19 a 22 de setembro, no Monumento Marco Zero, em Macapá. O momento marca o início da primavera, em que a terra se inclina fazendo com que a Linha do Equador fique mais próxima da direção do sol, fenômeno chamado de Equinócio.

Neste ano, a novidade será o projeto EducaTur, que terá ações de boas práticas de educação para o turismo. O objetivo é qualificar capital humano para o setor turístico, além de melhorar a qualidade dos serviços ofertados, dotando o trade turístico (conjunto de equipamentos da superestrutura constituintes do produto turístico), de profissionais capacitados, dando sustentabilidade para o desenvolvimento da área, com apelo para a economia local. E, ainda, trabalhar fundamentos básicos do turismo nas escolas públicas e privadas de Macapá, como ferramenta de integração e inclusão social.

Dentro deste projeto, o Estado desenvolverá a ação “Setur vai à Escola”, com a finalidade de realizar palestras educativas nas escolas da capital, com ênfase para o Equinócio de Primavera.

Programação

O evento inicia no dia 19 de setembro, com a apresentação da Orquestra Filarmônica Equinócio das Águas, que terá a participação especial do coral “Vozes do Setentrião”. Durante três dias, acontecerão exposição de experimentos, palestra e oficinas, sob os temas “As Fases da Lua e os Eclipses” e “As Estações do Ano”, destinadas a alunos das redes pública e privada de ensino e para a comunidade local.

A programação encerra no dia 22 de setembro com um MixTur no Meio do Mundo. Haverá apresentação de cantores regionais e bandas de rock do Amapá, que promoverão o show Rock no Meio do Mundo. Às 22h53min será a celebração do fenômeno com show pirotécnico, apresentação de grupos de marabaixo e show cultural.

Equinócio

Os equinócios acontecem duas vezes por ano, em março e em setembro, e determinam a entrada do outono e da primavera. O sol passa exatamente no meio da terra e os dois hemisférios do planeta – norte e sul – recebem a mesma quantidade de luz, o que resulta em dias simétricos.

O fenômeno do Equinócio consiste no alinhamento do sol com a linha imaginária do Equador. São aproximadamente 12 horas de período claro e outras 12 horas para a escuridão. Assim, a partir deste momento, a estação do ano muda.

Assessoria de comunicação

Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque

No maior parque de floresta tropical do mundo, é possível ter contato direto com a cultura e o modo de vida das populações ribeirinhas, além, é claro de apreciar os ecossistemas naturais de grande relevância ecológica e beleza cênica.

Mais uma das belas Unidades de Conservação do Estado, o Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque reserva aos visitantes belos horizontes proporcionados pelo escudo das Guianas.

Mesmo que ocorram pesquisas intensivas durante 30 anos na reserva de Tumucumaque, não se conhecerá tudo sobre o local!” – Christoph Jaster ( Eng Florestal com mestrado na Alemanha, doutorado e chefe do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque).

Para visitar o parque, é necessário ter autorização o ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). E o melhor é ir em grupo para que as despesas possam ser divididas!

Rua do Campo, 711 – Centro – Serra do Navio, AP – CEP: 68.948-000
E-mail: [email protected]

Fonte: Amapá no Mapa

Alunos e monitores do Programa Conexão Mundo visitam a Fortaleza de São José de Macapá

Em mais uma atividade que compõe a etapa presencial do Programa Conexão Mundo, alunos do Serviço Social da Indústria (SESI) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) Amapá e os monitores americanos realizaram aula-passeio. Na ocasião, eles visitaram a Fortaleza de São José de Macapá com o objetivo de promover uma troca de experiências culturais.

Durante o passeio, os estudantes foram os guias e explicaram aos monitores, por meio da língua inglesa, sobre a cultura, turismo local e fatores históricos, como por exemplo, o motivo da localização estratégica da Fortaleza, como os escravos viviam e a utilização dos canhões. Além disso, conversaram e compartilharam conhecimentos referentes às peculiaridades do local.

A coordenadora do Conexão Mundo, Evelline Uchoa, ressalta a importância de ensinar de forma interativa e com atividades diferenciadas. “O passeio faz parte da programação do programa e é uma oportunidade dos nossos alunos apresentarem aos monitores, os valores, riquezas e aspectos gerais do nosso estado. O objetivo é aprimorar o aprendizado da língua inglesa adquirido nas etapas a distância e presencial”, concluiu.

Etapa presencial

O encerramento das aulas presenciais do Conexão Mundo ocorrerá nesta sexta-feira, 20. A etapa seguinte inicia em agosto, a distância. Ao término desta fase os estudantes serão avaliados para mensurar os conhecimentos de fala, leitura, audição e escrita no idioma.

Assessoria de comunicação do SESI/SENAI – AP
Contato: (96) 3084-8944
E-mail: [email protected]

“A adolescência é o melhor momento para fazer turismo educacional’, diz representante da NR no Amapá

Onze entre a cada dez jovens têm o sonho em ganhar o mundo, conhecer lugares, gente e culturas diversas, estudar fora do Brasil. Quem Nunca? “E a adolescência é o melhor momento para fazer turismo educacional educacional”, é o que afirma a consultora de viagem Kiara Guedes, representante da NR Intercâmbio aqui no Amapá.

Essa experiência de conhecer outros países, outras culturas, contribui muito para a formação dos jovens, em especial os adolescentes. Isso os ajuda a olhar o mundo sob outra perspectiva, pois quando viajam, trazem na bagagem conhecimento e culturas diferentes da sua, que enriquece o processo de formação e maturidade dos jovens”, define Kiara.

Fazer um intercâmbio cultural hoje em dia ficou mais fácil se compararmos a algumas décadas atrás. Apesar da crise, o setor cresce consideravelmente e se adequa às condições econômicas das famílias, seja facilitando o pagamento, oferecendo destinos mais em conta ou apostando em públicos segmentados. Embora tenha pacotes para todas as idades, a NR, por exemplo, se especializou no público jovem e adolescente.

Em janeiro deste ano, o macapaense Bruno Dias, 15 anos, retornou de um intercâmbio que fez para a África do Sul, pela NR. Ele classificou o destino como sensacional, e conta que a atenção que recebeu dos monitores especializados da NR – treinados, justamente, para lidar com o público jovem,com o foco na identificação de valores fundamentais tais como comunicação, planejamento, organização, liderança circular, entre outros.– fez a grande diferença na viagem.

Tudo é muito lindo, paisagens de cair o queixo. O curso é com professores nativos, que fazem você praticar bastante. A acomodação e a alimentação, além de boas, tudo já estava incluso no pacote. Achei barato por tanta coisa incluída. Foi um passeio melhor que o outro, e ficávamos tão cansados que, às vezes, até agradecíamos pelo ‘toque de recolher’, sempre às dez da noite. Os monitores fizeram a viagem ficar três vezes melhor do que já é. São muito atenciosos, gente como a gente; as melhores pessoas do rolê”, conta.

Ficou agora a fim de programar uma viagem para ganhar o mundo como o Bruno? A NR Intercâmbio tem pacotes especial para inúmeros destinos tão sensacionais quanto aprazíveis, principalmente para o bolso dos pais. Para o ano que vem, por exemplo, a NR já definiu que, em 2019, os preços dos programas de férias para adolescentes continuarão os mesmos de 2018. É o mercado se ajustando à crise econômica porque passa o país.

Kiara destaca que a NR não comercializa viagens em si, mas uma experiência única em turismo educacional, tendo como princípio básico, segurança e monitoramento constante com profissionais qualificados,

Nós garantimos uma experiência das mais fantásticas para jovens, com total segurança, e para os pais, muita tranquilidade, para que não se preocupem com absolutamente nada durante toda a viagem, sabendo que seus filhos estão tendo 24h de acompanhamento e o melhor de cada programa, indicados de acordo com o perfil de cada adolescente e escolas parceiras”, garante a representante da NR em Macapá.

Ela ressalta que as escolas e universidades internacionais que são parceiras da NR Intercâmbio são consideradas de alto nível, prontas para receber jovens e adolescentes sob os cuidados de monitores NR e do próprio destino, assim como pedagogos. “Todos esses monitores passam por treinamento rigoroso da NR, capacitados para transformar a vida desses jovens a partir da melhor viagem de suas vidas”, garante Kiara.

SERVIÇO:

Os contatos com a agência regional da NR Intercâmbio podem ser feitos no local, à Av. Padre Júlio Maria Lombaerd, 2545, sala H, no Santa Rita; por e-mail: [email protected] ou telefone e Whatsapp (99120-1780).  Para saber mais, acesse: www.nrintercambio.com.br e boa viagem!

Júnior Nery
D1 COMUNICAÇÃO

Projeto criará infraestrutura em trilhas para atividade do ecoturismo em Macapá


Com a iniciativa do Instituto Socioambiental do Amapá (Cumaú), formado por moradores da região e voluntários da Área de Proteção Ambiental (APA) da Fazendinha, a Prefeitura de Macapá, em parceria com a Associação Brasileira de Turismólogos e Profissionais do Turismo (ABBTUR) e Sindicatos de Guia de Turismo, elaborou um Projeto de Ecoturismo que visa criar infraestrutura sustentável e facilitar a prática do ecoturismo na APA. A finalidade é possibilitar proteção para a natureza e renda às populações que vivem na unidade de conservação.

O primeiro momento foi a identificação do potencial. Agora, está acontecendo as visitas para identificar onde serão feitas as intervenções arquitetônicas sustentáveis, que vão desde pórtico de entrada da “trilha cutias”, base para comercialização de artesanato, acessibilidade por meio de escadas e pequenas pontes, placas de orientação dos atrativos naturais dentro da APA, até o fim da trilha, onde ocorre o encontro com o rio Amazonas e as pequenas praias de bolso.

“Esse trabalho está sendo fomentado pela prefeitura. A comunidade entrará com a mão de obra nas pequenas intervenções, um escritório de arquitetura e designer especialista nessas intervenções sustentáveis. A iniciativa privada do turismo irá financiar parte dessas intervenções. Iniciativas como essa, onde a parceria prevalece, as ações são concluídas em curto prazo”, conclui o diretor-presidente do Instituto Municipal de Turismo, Sandro Belo.

Edem Jardim
Assessor de comunicação/Macapatur
Contato: 98413-5238

Centro de Atendimento ao Turismo será inaugurado em Macapá

Por meio do Programa de Orçamento Participativo (POP) da Fecomércio AP, que viabiliza recursos para os Sindicatos Patronais investirem em seus segmentos, o Sindicato das Empresas de Turismo do Estado do Amapá (SINDETUR) vai realizar no dia 13 de abril, na Praça Beira Rio, o lançamento do projeto “Centro de Atendimento ao Turismo (CAT)”.

Com a instalação de contêineres reformados em praças da cidade e em pontos estratégicos, a iniciativa tem como objetivo dar suporte ao trade turístico no Estado do Amapá.

Com orçamento inicial de R$ 44 mil, o primeiro contêiner já está instalado no orla de Macapá, em frente ao Rio Amazonas, um dos locais mais visitados por turistas na cidade.

No CAT os visitantes poderão buscar informações sobre: hotéis, restaurantes, pontos turísticos, transportes, entre outros. No local também irá funcionar uma pequena loja para a venda de lembranças do Estado, tudo com a ajuda de atendentes fluentes em idiomas como inglês, francês e espanhol.

Serviço:

Inauguração do CAT
Data: 13/04/2018
Hora: 18h
Local: Praça Beira Rio, em frente ao Hotel Macapá.

Assessoria de comunicação

Macapá se destaca no maior evento internacional de investimentos na França

A Prefeitura de Macapá, representada pela diretora-presidente do Instituto Municipal de Turismo, Juliane Pereira, esteve no período de 13 a 16 de março, na Marché Internacional des Professionnnels de L’immobilier – MIPIM, em Cannes, na França. A participação se deu por meio do convite do secretário nacional de Estruturação do Turismo, Totó Parente, que deu todo apoio e destaque à participação de Macapá.

Na ocasião, foi apresentado o projeto de ecoturismo, intitulado “Boat Hotel” (Barco Hotel), que pretende levar turistas do mundo todo até a pororoca do Bailique, distrito de Macapá. Uma importante rede de contatos foi estabelecida, com bancos e fundos de investimentos, que se interessaram pelo projeto e intermediarão a identificação dos investidores com perfis apropriados para o ecoturismo sustentável.

Outra promissora parceria construída foi com a embaixada do Brasil na França, por meio do embaixador Paulo Cesar Campos e do conselheiro Comercial Caio Renault, que demonstraram interesse em fortalecer as relações comerciais com Macapá, pela estratégica fronteira com a Guiana Francesa. A perspectiva é que investidores internacionais, que estão se programando para investirem na Guiana, estabeleçam uma relação também com o Amapá, para a criação de um cluste comercial entre Caiena e Macapá.

“Somente três estados e três municípios do Brasil estavam presentes no evento. Além disso, participamos como expositor e palestrante. Falar sobre histórias de sucesso no turismo sustentável, com avaliação ‘A’ no mapa do turismo brasileiro, especialmente sendo uma cidade amazônica, relatando nossos desafios e dificuldades com infraestrutura, tecnologia e recursos, foi uma oportunidade única. Falamos de Macapá para o mundo inteiro. Após o evento, já estamos recebendo e-mails com propostas e analisando futuros investimentos e parcerias para a nossa cidade”, finaliza a presidente.

Edem Jardim
Assessor de comunicação/Macapatur
Contato: 99121-5503

Macapá tem projeto de ecoturismo selecionado para ser apresentado em evento internacional de investimentos

A Prefeitura de Macapá teve um projeto de ecoturismo selecionado para ser apresentado no maior evento de investimento mundial, a convite do Ministério do Turismo. O Instituto Municipal de Turismo (Macapatur) apresentou o projeto intitulado “Boat Hotel” (Barco Hotel), que levará turistas do mundo todo até a pororoca do Bailique, fazendo um passeio pela foz do rio Amazonas, no arquipélago.

O projeto será apresentado e discutido no período de 13 a 16 de março, na Marché Internacional des Professionnnels de L’immobilier- MIPIM, em Cannes, na França, pela diretora-presidente do Macapatur, Juliane Pereira, que, além da apresentação, irá participar do painel de debates sobre cidades sul-americanas e amazônicas. O convite foi feito pelo secretário nacional de Estruturação do Turismo, Totó Parente, para fazer parte da comitiva oficial do Ministério do Turismo.

“Uma oportunidade única em que o Município terá de levar um projeto amazônico para atrair investidores internacionais para Macapá e o Amapá. A apresentação do projeto é um importante passo para que investidores internacionais venham conhecer nossa cidade e o potencial do rio Amazonas para o turismo, sobretudo, para o ecoturismo realizado de maneira sustentável, que cresce no Brasil como uma nova fonte de desenvolvimento econômico, geração de emprego e renda”, finaliza Juliane.

Só para ter uma ideia, atualmente, o ecoturismo é o ramo da indústria do turismo que mais cresce. Enquanto o turismo convencional cresce 7,5% ao ano, o ecoturismo cresce taxas de 15% a 25% por ano. Segundo a Organização Mundial de Turismo (OMT), 10% dos turistas em todo o mundo buscam o turismo ecológico. O faturamento anual do ecoturismo, a nível mundial, é estimado em US$ 260 bilhões, do qual o Brasil se apropriaria com cerca de US$ 70 milhões.

Edem Jardim
Assessor de comunicação/Macapatur
Contato: 99121-5503

Macapá tem classificação máxima no Mapa de Turismo e Eventos

Macapá foi a única a receber nota máxima no Mapa de Turismo e Eventos, dentre os 10 municípios do estado classificados na categoria que poderão apresentar e receber valores do Governo Federal. A capital se destaca com a classificação “A”. Esta categorização considera o número de empreendimentos e empregos formais no setor de hospedagem e no fluxo de visitantes.

Realizada a partir de variáveis de desempenho econômico – número de empregos, número de estabelecimentos formais no setor de hospedagem, estimativas de fluxo de turistas domésticos e internacionais – os municípios são divididos por letras, que vão de ‘A’ a ‘E’. A atualização do instrumento revelou uma melhoria considerável na gestão da atividade turística no município.

Macapá está na classificação máxima “A”, enquanto Oiapoque ficou na “C”. Os oito municípios restantes ficaram na categoria “D”. A delimitação define o valor financeiro que as prefeituras podem solicitar para eventos. Ao todo, o município poderá receber o aporte de até R$ 800 mil.

Em Brasília (DF), a diretora-presidente do Instituto Municipal de Turismo, Juliane Pereira, em audiência com o doutor Hercy Filho, representante da Secretaria Nacional de Promoção e Qualificação de Turismo, falou sobre o Mapa do Turismo Brasileiro e de Eventos, destacando Macapá como o destino indutor do turismo. “A evolução do turismo em Macapá é fruto dos investimentos e ações integradas junto ao trade turístico local, do fortalecimento dos empreendedores e do fomento ao turismo de eventos na capital. Buscamos efetivar ações integradas com os segmentos do turismo com o objetivo de desenvolver o setor como um todo, do transporte a hospedagem”, ressaltou Juliane.

Edem Jardim
Assessor de comunicação/Macapatur
Contato: 99121-5503

AP tem 10 cidades no Mapa do Turismo e eventos podem captar até R$ 2,4 milhões

Por John Pacheco

Cachoeira de Santo Antônio é um dos pontos turísticos em Laranjal do Jari (Foto: Reprodução/Rede Amazônica)

A nova atualização do Mapa do Turismo Brasileiro, produzido pelo Governo Federal, incluiu 10 municípios do Amapá distribuídos nas categorias de “A” a “D”, e com essa classificação, as cidades podem solicitar recursos da União para eventos e estruturas que possam atrair turistas.

A quantidade de cidades é o dobro da última atualização, onde cinco cidades estavam na lista. Para figurar no Mapa, o Ministério do Turismo avaliou critérios como fluxo de visitantes, dotação orçamentária para eventos, além de políticas públicas estabelecidas para o setor.

Apenas a capital está na classificação máxima “A”, enquanto Oiapoque ficou na “C”. Os oito municípios restantes ficaram na categoria “D”. A delimitação define o valor financeiro a que as prefeituras podem solicitar para eventos. Ao todo, o estado pode receber R$ 2,4 milhões.

Cidades do Amapá no Mapa do Turismo:

Categoria A (aporte de até R$ 800 mil): Macapá.
Categoria C (aporte de até R$ 400 mil): Oiapoque.
Categoria D (aporte de até R$ 150 mil): Amapá, Calçoene, Ferreira Gomes, Laranjal do Jari, Mazagão, Porto Grande, Serra do Navio e Tartarugalzinho.

Macapá é a cidade do estado com maior classificação no Mapa (Foto: Floriano Lima/VC no G1)

O turismólogo Sandro Bello, da Associação Brasileira de Profissionais do Turismo (ABBTur), explicou que as cidades amapaenses são caracterizadas por eventos tradicionais anuais, como o Festival do Abacaxi em Porto Grande, o Festival da Banana em Tartarugalzinho, e o Festival Brasil Sabor em Macapá.

“As cidades têm eventos consolidados e precisam justamente desse aporte financeiro. A categorização vem nortear os municípios que se adequam ao planejamento nacional e criam mecanismos de gestão para não só acessar, mas também executar o recurso de forma efetiva”, diz.

Para 2018, as cidades devem estar atentas para solicitar as verbas para programações até o fim do 1º semestre em função do início do período eleitoral. Qualquer evento que pleiteie aporte do Governo Federal deverá ter, no mínimo, já ter realizado três edições em anos anteriores.

O Amapá ainda teve as cidades de Cutias e Pracuúba citadas no Mapa, mas elas ficaram na categoria “E”, que não recebem recursos do Governo Federal para eventos.

Porém, todas as cidades do levantamento podem captar valores para obras de infraestrutura para construção de rodovias, portos e reformas de terminais com viés turístico.

Fonte: G1 Amapá

Marcelo Sá, um apaixonado pelo Amapá – Via “Amapá No Mapá”

O site “Amapá No Mapá” bateu um papo com um dos principais guias de turismo do Amapá, Marcelo Sá. Confira!

ANM: Há quanto tempo você trabalha com turismo? Como essa vontade se manifestou?

Marcelo: Eu trabalho com turismo desde quando me formei, em 2004, foi meu primeiro trabalho como guia levando uma turma de mulheres estudantes de hotelaria e hospitalidade até a Ilha de Santana. Me interessei pelo turismo porque sempre andava no mato aqui. Nasci em Macapá e sempre transitava onde é o Muca, Buritizal, Jardim Marco Zero, toda aquela região. Quando eu ficava chateado ia olhar os bichos na beira do lago, aquela região do Buritizal era cheia de lagos, por isso que é Buritizal.

ANM: Os turistas que procuram você são em maioria de algum local específico ou é diverso?

Marcelo: É muito diverso, ainda é muito diverso. Americanos, holandeses, suíços, de vários países e do sul, nordeste, centro-oeste do país também. Meu último trabalho em dezembro foi com um grupo do Rio de Janeiro e agora em janeiro atendi do Paraná, vai variando, duas, quatro, seis, dez pessoas e individualmente também.

ANM: Existe alguma época do ano ideal para os passeios?

Marcelo: Pra mim não existe esse negócio de chuva ou sol. Depende do turista. Vamos de acordo com o turista.

ANM: Quais são os principais pontos nos passeios? Quais as rotas mais desejadas?

Marcelo: Eles querem ver a floresta amazônica, o Rio Amazonas, ver os botos, fauna e flora. Levamos bastante na Apa da Fazendinha, na Apa do Curiaú e na Ilha de Santana. Bem pouco city tour, preferem o interior. Parque do Tumucumaque, Cabo Orange, unidades de conservação.

ANM: Você já recebeu ou recebe moradores locais para passeios?

Marcelo: Sim, inclusive domingo faremos um passeio na Apa da Fazendinha. A procura é boa mas falta tempo pras pessoas fazerem isso.

ANM: No trabalho você deve passar por um mesmo local diversas vezes, mesmo assim tem algum que sempre o surpreende?

Marcelo: Todos os lugares vão mudar porque cada período do ano vai ter algo diferente lá. A fauna vai estar diferente, a floresta vai estar diferente, tudo vai mudar, depende muito da época do ano. Vimos uma cobra gigantesca com o último grupo em visitação ao Tumucumaque, tinha 7 metros ou mais.

ANM: Mas todo mundo vai preparado para eventuais acidentes, certo?

Marcelo: Sim, vou com os guarda-parques que são os guias locais, regionais, com autorização das unidades de conservação, do ICMBio, quando é unidade de conservação da SEMA vamos com autorização deles também e claro, quando tem comunidade, autorização das comunidades que até acompanham e fornecem serviços de embarcação, alimentação, guiamento dentro das trilhas, trabalho que eles podem fazer também. O guia de turismo circula em todo o Estado, eu trabalho numa agência, a Guia Norte Turismo e consigo fazer o guiamento e agenciamento e trabalho pra outras agências também.

ANM: Então você atua dentro e fora da nossa capital com o turismo?

Marcelo: Exatamente. Eu visitei 13 municípios do estado esse ano (2017), fora que às vezes vamos no Marajó, nas ilhas do Afuá e também trânsito Dentro do Parque Nacional Amazônico da Guiana Francesa, desde a foz do rio Oiapoque, San Jorge e Camopi. Vamos com todas as autorizações, dos parques e com os vistos para entrar na Guiana Francesa. Transito lá desde 2011 como guia de turismo divulgando os roteiros do Amapá e, ao mesmo tempo, hotéis e restaurantes.

ANM: E projetos em escolas e outras instituições, vocês fazem parte de algum?

Marcelo: Vários projetos. Eu tinha um projeto no parque ecológico de Calçoene, o Mais Cultura na Escola. Eu fazia educação patrimonial e a valorização da cultura local, em torno da escola e um dia visitamos uns arqueólogos na época no Parque Arqueológico de Calçoene, que chamam de Stonehenge da Amazônia. E também direto na Apa da Fazendinha com educação ambiental. E no tempo do equinócio, levamos crianças no marco zero do equador. São várias iniciativas. Sempre estamos fazendo, por isso fizemos um curso de turismo pedagógico, pra coordenar a visitação de instituições que precisam ter um turismólogo, um guia, pois a contratação sem as competências técnicas exigidas é considerada exercício ilegal da profissão.

ANM: Sobre situações inusitadas durante o trabalho, alguma te marcou?

Marcelo: Essa de visualizar a cobra gigantesca no Tumucumaque e, anos atrás, quando levei duas moças para visitar o Igarapé da Fortaleza para ver os botos, o filhote e a mãe pularam na frente da lancha, então isso foi interessante. Há também muita crendice mas, às vezes, não devemos duvidar. Já aconteceu de muita gente por aí ser salva por golfinhos e botos. E as pessoas quando desejam ver, conseguem visualizar legal.

ANM: Pra você, qual o potencial turístico do estado?

Marcelo: Todo ele, tudo é potencial. Ninguém aproveita o Rio Amazonas, ninguém aproveita os pontos turísticos como deveriam aproveitar.

Todo mundo deveria pagar se fosse entrar num ponto turístico, pagar para entrar. Não paga no cinema? Então. Tem que pagar por conta da manutenção e as pessoas não valorizam isso e ficam quebrando, destruindo o patrimônio público, arqueológico e histórico do lugar.

ANM: De que forma esse turismo pode ser mais explorado?

Marcelo: Agindo com vontade política e com os técnicos, universidades. Porque as universidades tem muita coisa pra oferecer e ajudar as comunidades a desenvolver. Eu sou estudante de pesca em Santana e quero levar pra lá, pra gente ajudar, um acordo de pesca do rio Araguari na Floresta Nacional do Amapá (Flona) e Floresta Estadual do Amapá (Flota), entre Porto Grande e Ferreira Gomes, é lindíssimo, tenho um roteiro pra lá também.

O antigo matadouro de Fazendinha, estamos com a ideia de montar um museu do rio e do mar, fazer um museu vivo, com pesca de camarão, de peixinhos, com embarcações antigas, réplicas, artesanato, mel, passeios turísticos lá. Futuramente no Igarapé da Fortaleza vai ter um porto e um CAT (Centro de Atendimento ao Turista), um projeto do Igarapé Sustentável.

Como as pessoas podem contratar o seu trabalho como guia turístico?

Marcelo: Então, eu uso atendimento pelo telefone, faço minhas divulgações nos salões de turismo da Guiana, vou em São Paulo também fazer divulgação, Belém. Eu atendo várias pessoas que vem do estado e também que vem de outros países e do resto do Brasil, e as pessoas que eu atendo também indicam meu trabalho pra outras pessoas que querem visitar aqui. Também é o boca a boca, o Facebook e também atendo pelo Whatsapp (96) 98136-8882 e e-mail.

Meu comentário: Marcelo é um velho e querido amigo. Sou conhecedor do seu amor pelo Amapá, por sua riqueza natural, tradições e cultura. Sempre que posso, divulgo seus projetos e informes. Sucesso, Sá. Continue pisando forte por esses campos, mano velho!

Fonte: Amapá No Mapá

Prefeitura e ABBTUR avaliam condições do uso sustentável dos equipamentos turísticos na APA da Fazendinha

A Prefeitura de Macapá, em parceria com a Associação Brasileira de Turismólogos e Profissionais do Turismo (ABBTUR), fez na quarta-feira, 17, uma visita técnica à trilha Cutias, localizada na Área de Proteção Ambiental da Fazendinha, do grupo de uso sustentável das unidades de conservação. A vistoria foi uma solicitação da comunidade, por meio do Instituto Socioambiental do Amapá (Cumaú), formado por moradores e voluntário, juntamente com o Sindicato dos Guias de Turismo (Singtur).

O objetivo da ação foi vistoriar e avaliar as condições do uso sustentável dos equipamentos turísticos locais, mais precisamente das áreas de trilha da região, a fim de promover as melhorias necessárias para o desenvolvimento seguro das atividades turísticas. Essa é a segunda visita feita pela equipe nesta semana. A primeira ocorreu na segunda-feira, 15, com a vistoria da trilha Paxicu.

O local será contemplado com ações integradas, com equipes técnicas de diversas secretarias do Município, onde farão serviços de sinalização turística, capacitação e melhor envolvimento das comunidades, limpeza, acessibilidade e promoção turística.

Segundo a diretora-presidente do Macapatur, Juliane Pereira, o turismo ecológico requer uma atenção especial. “Garantir a proteção ambiental e, ao mesmo tempo, o desenvolvimento social dos agentes locais envolvidos requer a participação popular e o envolvimento de profissionais com exímia capacidade, para garantir a boa aplicação do investimento público e os objetivos de desenvolvimento”, ressaltou.

Karla Marques
Assessora de comunicação/PMM
Contatos: 99119-2467/ 98132-5053

Turismo: número de hóspedes cresce 56% em Macapá e movimenta cerca de R$ 30 milhões

A Prefeitura de Macapá divulgou o resultado do Censo Hoteleiro do ano passado. A pesquisa aponta crescimento de 56% no número de hóspedes em 2017, se comparado ao ano de 2016, quando o setor hoteleiro recebeu 34.867 hóspedes. No ano passado, foram 54.151, 19.284 hóspedes a mais e um movimento de cerca de R$ 30 milhões na economia do setor. Os dados foram apresentados durante reunião com o segmento hoteleiro da capital.

O estudo foi feito pelo Instituto Municipal de Turismo (Macapatur), com o apoio da Associação Brasileira de Turismólogos e Profissionais de Turismo (ABBTUR), durante a segunda quinzena de dezembro. O levantamento apontou também que a capital tem capacidade para acomodar diariamente 1.217 pessoas de forma simultânea nos 45 meios de hospedagem, como hotéis, pousadas, hostels, aparts e balneários com hospedagem, espalhados pelas regiões urbana e rural de Macapá.

Diretora-presidente do Instituto Municipal de Turismo, Juliane Pereira.

Para a diretora-presidente do Instituto Municipal de Turismo, Juliane Pereira, o Censo Hoteleiro 2017 traz novas expectativas para o setor, que nos dois últimos anos vinha sofrendo queda. “Este resultado é animador para todos nós, tanto para o setor hoteleiro quanto para a Prefeitura de Macapá, que, por meio do Macapatur, vem investindo cada vez mais nos segmentos do turismo [gastronomia, turismo ecológico, turismo de eventos, turismo náutico etc.] e contribuindo para o fortalecimento da cadeia produtiva do setor como um todo, que movimenta 52 segmentos econômicos, dentre eles o hoteleiro, que nos últimos anos vinha sofrendo constantes quedas e, finalmente, voltou a crescer”, reforça.

Os estudos para a realização do Censo Hoteleiro 2017 foram feitos nos diversos hotéis do município, como forma de avaliar os resultados das ações de gestão, levantando informações para as políticas públicas de incentivo ao setor de turismo em Macapá, com foco no setor hoteleiro, levantando dados sobre os empreendimentos, como a capacidade dos hotéis, média de ocupação, serviços oferecidos, entre outros. “O Censo Hoteleiro é fundamental para as diversas pastas de gestão pública, para planejarem as políticas de turismo para os próximos anos. O mercado também tem importantes dados nesta pesquisa para ajudar os empreendedores a tomarem decisões acertadas”, explica Juliane Pereira.

Karla Marques
Assessora de comunicação/PMM
Contato: 99119-2467
Fotos: Nayana Magalhães