Boletim oficial 21/05, às 16h30: Amapá tem 5.188 casos confirmados de coronavírus; em Macapá são 3.257 casos e 151 óbitos em decorrência do Covid-19 #FicaEmCasa

O Centro de Operações de Emergência em Saúde Pública (COESP) traz novo relatório com dados sobre o Covid-19 no Amapá com 639 novos casos confirmados sendo 345 em Macapá, 149 em Santana, 95 em Laranjal do Jari, 08 em Oiapoque, 02 em Porto Grande, 14 em Serra do Navio, 10 em Vitória do Jari, 01 em Amapá, 12 em Cutias e 03 em Calçoene.

Também há o registro de 09 óbitos ocorridos entre os dias 06 e 20 de maio, em quatro municípios. Em Macapá, uma mulher de 70 anos (sem comorbidade declarada) e quatro homens, sendo um de 72 anos (com doença renal crônica), um de 73 anos (hipertenso), um de 75 anos (diabético) e outro com mesma idade, mas com hipertensão como comorbidade. Em Santana, dois óbitos, um homem de 27 anos (com comorbidade relacionada à obesidade) e uma mulher de 75 anos (doença imunossupressora). Em Vitória do Jari, uma mulher, 56 anos (comorbidade relacionada à obesidade). E em Serra do Navio, um homem, 71 anos, hipertenso e diabético.

Painel geral de casos pelo COVID-19:

Casos confirmados: 5.188 (sendo 3.257 em Macapá, 768 em Santana, 13 Calçoene, 52 em Cutias do Araguari, 40 em Ferreira Gomes, 18 em Itaubal, 445 em Laranjal do Jari, 94 em Mazagão, 102 em Oiapoque, 96 em Pedra Branca, 97 em Porto Grande, 05 em Pracuúba, 97 em Serra do Navio, 12 em Tartarugalzinho, 71 em Vitória do Jari e 21 no município de Amapá).

Recuperados: 1.435
Óbitos: 151

Casos confirmados hospitalizados: 178 total
Sistema público: 137 (59 em leito de UTI / 78 em leito clínico)
Sistema privado: 41 (30 em leito de UTI / 11 em leito clínico)

Isolamento domiciliar: 3.424
Em análise laboratorial: 8.005
Descartados: 4.848

Informações sobre casos suspeitos declarados pelos municípios:

Macapá: 3.570
Santana: 1.293
Laranjal do Jari: 500
Mazagão: 449
Oiapoque: 241
Pedra Branca do Amapari: 83
Porto Grande: 222
Serra do Navio: 131
Vitória do Jari: 248
Itaubal: 20
Tartarugalzinho: 83
Amapá: 108
Ferreira Gomes: 60
Cutias do Araguari: 144
Calçoene: 67
Pracuúba: 12

Total: 7.231

Casos suspeitos hospitalizados: 209

Assessoria de comunicação do GEA

Macapá registra 2.912 casos confirmados de Covid-19 e 82 óbitos

O Município de Macapá tem 2.912 casos positivos de Covid-19 e 82 óbitos confirmados. Os dados foram atualizados nesta quarta-feira, 20 de maio. O Município tem agora 3.664 casos descartados, 825 pessoas recuperadas, 3.975 exames que aguardam análise laboratorial de pacientes suspeitos e 26 pacientes em UBS’s aguardam transferências para leitos estaduais.

A Vigilância Epidemiológica de Macapá concluiu a investigação de mais três óbitos. Um de uma mulher de 66 anos, que faleceu dia 15 de maio na UPA Zona Sul. Ela já tinha exame positivo para a doença desde o dia 6 de maio. Outro óbito foi de um homem de 82 anos, que faleceu dia 14 de maio no HE e também já tinha exame positivo para a Covid-19. O outro óbito é de uma mulher de 106 anos, que faleceu dia 7 de maio, com exame reagente para Covid-19 sem histórico de comorbidades.

Quando devo procurar uma UBS

A população pode buscar os serviços nas UBS’s Lélio Silva, Álvaro Corrêa e Marabaixo quando apresentar os sintomas iniciais do vírus, como febre, tosse, dor de garganta e coriza e dificuldade respiratória para receber uma avaliação. Se após o procedimento o profissional entender que o quadro se encaixa em uma suspeita, ele realizará os procedimentos previstos no fluxograma de atendimento adotado pela Saúde municipal.

Secretaria de Comunicação de Macapá
Jamile Moreira
Assessora de comunicação/Saúde
Contato: 99135-6508

Prefeitura de Macapá prorroga distanciamento social até 2 de junho para casas de shows, eventos e similares

A Prefeitura de Macapá publicou nesta segunda-feira, 18 de maio, o decreto que prorroga o prazo de vigência do distanciamento social para o dia 2 de junho. A decisão segue o dispositivo da Lei Federal sobre as medidas para o enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional, decorrente do novo Coronavírus.

As medidas do Decreto n° 2.075/2020 passam a vigorar a partir desta terça-feira, 19 de maio. Os estabelecimentos comerciais continuam com horários e modalidades diferentes de atendimento. Já as atividades sociais, como eventos em cinemas, clubes de recreação, bares, restaurantes, casas de espetáculos e de shows, continuam suspensas considerando não se tratar de produtos de primeira necessidade.

De acordo com o prefeito Clécio, o aumento do número de casos exige medidas para resguardar a vida da população. “Primeiramente, queremos tranquilizar a população informando que os serviços essenciais continuarão funcionando. Pedimos que evitem correria durante esse período, porque isso aumenta o risco de contaminação. Para essas medidas adotadas darem certo, precisaremos de todo o apoio da população”, disse.

Secretaria de Comunicação de Macapá
Kelly Pantoja
Assessora de comunicação

Feiras continuam em funcionamento com Decreto Municipal 2.069/2020 de isolamento social mais rígido

Com o isolamento social mais rígido para o enfrentamento da pandemia causada pelo Coronavírus, medida que começou a partir desta terça-feira, 19 de maio, e terá validade de 10 dias, as feiras municipais da Avenida 13 de Setembro, Feira Maluca e Feira do Novo Horizonte, coordenadas pela Secretaria de Trabalho, Desenvolvimento Econômico e Inovação, continuarão funcionando. Elas estão dentro dos serviços essenciais, de acordo com o Decreto Municipal 2.069/2020-PMM, dos estabelecimentos comerciais, com horários e modalidades diferentes de atendimento.

“Como se trata de produtos de primeira necessidade, as feiras continuam abertas, obedecendo a rigor o que está estabelecido no decreto. Também a necessidade de atender o empreendedor que estava com muitos produtos armazenados. Isso visa disponibilizar para a população os produtos que só podem ser encontrados nesses espaços. São importantes para que os empreendedores não percam sua produção e mantenham sua fonte de renda”, disse Richard Madureira, um dos representantes do Comitê Municipal de Enfrentamento da Covid-19.

“É um grande desafio neste momento. A prefeitura está fazendo o acompanhamento e tomando todos os cuidados necessários. Máscaras estão sendo distribuídas para os feirantes e a todos que chegam ao local sem o devido equipamento de proteção. Também espalhamos faixas com frases de conscientização em alguns pontos dessas feiras, pois o mais importante agora é a prevenção de todos”, acrescentou Richard Madureira.

As feiras fechadas estão funcionando das 6h às 18h com revezamento, com 50% de ocupação dos boxes e controle de acesso. As feiras livres poderão funcionar com a liberação de 30% dos feirantes, devendo haver escalonamento dos boxes, com autorização para abrir diariamente, espaçamento entre boxes, sendo um ocupado intercalado com dois livres.

A população pode denunciar locais com aglomeração de pessoas ou estabelecimentos funcionando em desacordo às medidas restritivas pelo 0800 031 9606, ramal 3 (das 8h à 1h).

Secretaria de Comunicação de Macapá
Cliver Campos
Assessor de comunicação
Contatos: 98126 0880 / 99175 8550

Prefeitura de Macapá renova decreto de isolamento para estabelecimentos comerciais até 2 de junho

A Prefeitura de Macapá renovou nesta segunda-feira, 18 de maio, o Decreto 1.833/2020, que estabelece regras de quarentena para atividades comerciais na capital amapaense por mais 15 dias. O novo decreto, de n° 2.069/2020, traz três mudanças nas normas já estabelecidas. Entre elas está a mudança no horário de atendimento de clínicas médicas e laboratórios, a inclusão de seguradoras dos planos de saúde entre atividades essenciais, e também a inclusão de multas/interdição e fechamento dos empreendimentos em caso de descumprimento.

De acordo com o prefeito Clécio Luís, todas as normas dos decretos anteriores continuarão valendo em Macapá. “Precisamos que a população compreenda e nos ajude a combater essa doença. Não é fácil, mas é preciso tomar medidas mais rígidas. Estamos falando de vidas de pessoas que lotam as Unidades Básicas de Saúde todos os dias, enquanto tem outras que ainda não entenderam. Estamos fazendo tudo o que é possível para combater a Covid-19. Mas precisamos do mais essencial, que é a compreensão da população amapaense. Por isso, reforço o apelo para que, se puder, fique em casa”, enfatizou.

Todas as regras sanitárias, normas de atendimento e orientações para atividades em supermercados, atacados, varejos, atacarejos, mercados, miniboxes e similares, assim como feiras livres e fechadas, podem ser observadas na página http://macapa.ap.gov.br/coronavirus/.

Regras

Clínicas médicas e laboratórios poderão funcionar das 6h às 18h, por agendamento, obedecendo as normas de não aglomerações. Os estabelecimentos que descumprirem o decreto poderão ser advertidos ou multados. As multas diárias variam entre R$ 150,00, para Microempresa (ME), além de Empresa de Pequeno Porte (EPP), e R$ 50 mil, para pessoas jurídicas, podendo ser duplicadas nos casos de reincidência.

No caso de insistência, os empreendimentos poderão sofrer embargo ou interdição, e seus proprietários poderão responder ação criminal. O novo decreto passa a valer a partir desta terça-feira, 19 de maio de 2020.

Secretaria de Comunicação de Macapá
Amelline Borges
Assessora de comunicação

Boletim oficial 19/05, às 15h30: Amapá tem 4.310 casos confirmados de coronavírus; em Macapá são 2.890 casos e 136 óbitos em decorrência do Covid-19 #FicaEmCasa

O Centro de Operações de Emergência em Saúde Pública (COESP) traz novo relatório com dados sobre o Covid-19 no Amapá com 287 novos casos confirmados, sendo 198 em Macapá, 10 em Santana, 30 em Laranjal do Jari, 2 em Mazagão, 6 em Oiapoque, 13 em Pedra Branca, 16 em Porto Grande, 3 em Vitória do Jari, 5 em Itaubal, 2 em Amapá, 1 em Cutias e 1 em Calçoene.

Também há o registro de 09 óbitos ocorridos ocorridos entre os dias 16 e 19 de maio, em seis municípios. Em Macapá, uma mulher, 68 anos (com Fibrose Pulmonar) e dois homens, ambos sem comorbidade declarada, um de 39 anos anos e outro de 73 anos. Em Santana, dois homens, um de 43 anos (sem comorbidade declarada) e um de 45 anos (hipertenso e com insuficiência cardíaca). Em Laranjal do Jari, um homem, de 58 anos (sem comorbidade declarada). Em Mazagão, um homem, 69 anos (sem comorbidade declarada). Em Pedra Branca, um homem, de 53 anos (diabético e com esteatose hepática). E no município de Calçoene, a primeira notificação de morte pelo novo coronavírus,um homem de 31 anos, sem comorbidade declarada.

Painel geral de casos pelo COVID-19:

Casos confirmados: 4.310 (sendo 2.890 em Macapá, 589 em Santana, 08 Calçoene, 31 em Cutias do Araguari, 18 em Ferreira Gomes, 16 em Itaubal, 301 em Laranjal do Jari, 80 em Mazagão, 83 em Oiapoque, 76 em Pedra Branca, 95 em Porto Grande, 05 em Pracuúba, 43 em Serra do Navio, 12 em Tartarugalzinho, 51 em Vitória do Jari e 12 no município de Amapá).

Recuperados: 1.231
Óbitos: 136

Casos confirmados hospitalizados: 164 total
Sistema público: 122 (43 em leito de UTI / 79 em leito clínico)
Sistema privado: 42 (37 em leito de UTI / 5 em leito clínico)

Isolamento domiciliar: 2.779
Em análise laboratorial: 7.446
Descartados: 4.592

Informações sobre casos suspeitos declarados pelos municípios:

Macapá: 3.848
Santana: 1.338
Laranjal do Jari: 336
Mazagão: 416
Oiapoque: 236
Pedra Branca do Amapari: 74
Porto Grande: 202
Serra do Navio: 102
Vitória do Jari: 244
Itaubal: 20
Tartarugalzinho: 83
Amapá: 113
Ferreira Gomes: 43
Cutias do Araguari: 121
Calçoene: 57
Pracuúba: 11
Total: 7.244

Casos suspeitos hospitalizados: 198

Assessoria de comunicação do GEA

Macapá registra 2.890 casos confirmados de Covid-19 e 78 óbitos

O Município de Macapá tem 2.890 casos positivos de Covid-19, 78 óbitos confirmados e 109 óbitos em investigação epidemiológica. Os dados foram atualizados nesta terça-feira, 19 de maio. O Município tem agora 3.606 casos descartados, 757 pessoas recuperadas, 3.848 exames que aguardam análise laboratorial de pacientes suspeitos e 16 pacientes em UBS’s aguardam transferências para leitos.

A Vigilância Epidemiológica de Macapá concluiu a investigação de dois óbitos. Um de uma mulher de 68 anos, que faleceu dia 16 de maio no Hospital de Emergência. Ela já tinha exame positivo para a doença desde o dia 14 de maio. Outro óbito foi de um homem de 73 anos, que faleceu dia 17 de maio no HE e já tinha exame positivo para a Covid-19.

Quando devo procurar uma UBS

A população pode buscar os serviços nas UBS’s Lélio Silva, Álvaro Corrêa e Marabaixo quando apresentar os sintomas iniciais do vírus, como febre, tosse, dor de garganta e coriza e dificuldade respiratória para receber uma avaliação. Se após o procedimento o profissional entender que o quadro se encaixa em uma suspeita, ele realizará os procedimentos previstos no fluxograma de atendimento adotado pela Saúde municipal.

Secretaria de Comunicação de Macapá
Cássia Lima
Assessora de comunicação

MP-AP participa da mobilização virtual de combate à violência sexual infanto-juvenil

Em razão da pandemia, será um 18 de maio diferente. O “Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes” não terá as atividades costumeiramente realizadas pelo Centro de Apoio da Infância e Juventude e Promotorias de Justiça com atuação na área especializada. Hoje, a mobilização é virtual e muitas lives estão ocorrendo pelo Brasil para tratar da questão que se impõe, que é bastante concreta: como garantir a proteção de crianças e adolescentes em tempos de pandemia e isolamento social?

Em tese, a casa é um lugar seguro e a família responsável pela proteção. Infelizmente nem sempre é assim. Os dados indicam que grande parte das situações de violência contra crianças e adolescentes são intrafamiliares e praticadas por quem deveria cuidar e proteger. Portanto, em meio à pandemia do novo coronavírus e das medidas de isolamento social, muitas crianças e adolescentes correm o risco de estar mais expostos a situações de violência física, sexual e psicológica, alerta o Ministério Público do Amapá (MP-AP).

Os especialistas alertam que nesse contexto é imprescindível tornar públicos os canais de denúncia, além de fortalecer e manter articulados (mesmo virtualmente) o Sistema de Garantia de Direitos, de forma a dar continuidade aos serviços de proteção. Conselhos Tutelares e Delegacias, como principais portas de entrada de denúncias, precisam contar com o apoio do executivo para garantir a logística de atendimento diante das restrições de mobilidade, sem descuidar da segurança dos profissionais.

É urgente e imprescindível, também, a atuação do Sistema de Justiça: Ministério Público, Defensoria Pública e Judiciário, no exercício de suas funções específicas e ao mesmo tempo complementares que podem garantir a efetivação dos direitos de crianças e adolescentes, previstos na Constituição Federal e no ECA, de forma a reduzir os impactos da epidemia na população, em especial, na mais vulnerável, alerta o coordenador do CAO-IJ, Miguel Angel Ferreira.

Para denunciar: Disque 100 ou para os Conselhos Tutelares mais próximos

Serviço:

Centro de Apoio Operacional da Infância e Juventude
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá
Gerente de Comunicação – Tanha Silva
Núcleo de Imprensa
Coordenação: Gilvana Santos
Contato: [email protected]

Boletim oficial 18/05, às 16h: Amapá tem 4.023 casos confirmados de coronavírus; em Macapá são 2.692 casos e 127 óbitos em decorrência do Covid-19 #FicaEmCasa

O Centro de Operações de Emergência em Saúde Pública (COESP) traz novo relatório com dados sobre o Covid-19 no Amapá com 189 novos casos confirmados sendo 53 em Macapá, 73 em Santana, 25 em Laranjal do Jari, 14 em Mazagão, 09 em Oiapoque, 07 em Pedra Branca e 07 em Porto Grande e 01 em Itaubal.

Também há o registro de 8 óbitos ocorridos, entre os dias 16 e 18 de maio, em três municípios.

Em Macapá, três homens, um de 73 anos (hipertenso), um de 48 anos (comorbidade relacionada à obesidade) e um de 75 anos (sem comorbidades). Em Laranjal do Jari, três homens, todos sem comorbidade declarada. Dois deles ocorreram no centro Covid-19, um de 54 e outro 72 anos; o outro óbito ocorreu no Hospital Estadual do município, um homem de 45 anos. E em Oiapoque, dois óbitos, um homem de 72 anos (hipertenso e diabético) e um de 57 anos (sem comorbidade declarada).

Painel geral de casos pelo COVID-19:

Casos confirmados: 4.023 (sendo 2.692 em Macapá, 579 em Santana, 07 Calçoene, 30 em Cutias do Araguari, 18 em Ferreira Gomes, 11 em Itaubal, 271 em Laranjal do Jari, 78 em Mazagão, 77 em Oiapoque, 63 em Pedra Branca, 79 em Porto Grande, 05 em Pracuúba, 43 em Serra do Navio, 12 em Tartarugalzinho, 48 em Vitória do Jari e 10 no município de Amapá).

Recuperados: 1.168
Óbitos: 127

Casos confirmados hospitalizados: 167 total
Sistema público: 120 (38 em leito de UTI / 82 em leito clínico)
Sistema privado: 47 (38 em leito de UTI / 9 em leito clínico)

Isolamento domiciliar: 2.561
Em análise laboratorial: 7.309
Descartados: 4.404

Informações sobre casos suspeitos declarados pelos municípios:

Macapá: 3.781
Santana: 1.312
Laranjal do Jari: 335
Mazagão: 390
Oiapoque: 213
Pedra Branca do Amapari: 74
Porto Grande: 184
Serra do Navio: 102
Vitória do Jari: 223
Itaubal: 19
Tartarugalzinho: 79
Amapá: 95
Ferreira Gomes: 43
Cutias do Araguari: 118
Calçoene: 47
Pracuúba: 11
Total: 7.026

Casos suspeitos hospitalizados: 219

Assessoria de comunicação do GEA

Prefeitura de Macapá divulga atualização de casos de óbitos suspeitos e confirmados por Covid-19 na capital

A Prefeitura de Macapá divulgou nesta segunda-feira, 18 de maio, a primeira atualização de casos suspeitos e confirmados de óbitos por Covid-19 na capital. Os dados contabilizados pela investigação da Vigilância Epidemiológica – até o momento – somam 74 óbitos confirmados e 108 casos de óbitos em investigação.

A fila de testes para a Covid-19 no Brasil e a consequente demora na entrega dos resultados desses exames têm provocado um cenário de muitos óbitos em investigação em todos os estados brasileiros, o que pode refletir, em muitos casos, até em uma percepção distorcida da realidade, apesar do quadro atual já ser, infelizmente, bastante grave.

Esse aumento súbito do contágio em Macapá só não foi maior graças ao cumprimento das regras de isolamento social, seguidas com responsabilidade por parte importante da nossa população. Ainda assim, atingimos a maior taxa de contágio do país e o sistema de saúde está colapsando.

Divulgar um único óbito é sempre muito difícil para o Município de Macapá, que tem multiplicado os esforços para garantir os atendimentos iniciais. Lamentamos e sentimos todas as perdas, mas seguimos o nosso dever de comunicar a sociedade com o máximo de transparência.

Neste fim de semana, ultrapassamos os 100 óbitos por Covid-19 no Amapá. Em Macapá, chegamos a 74 vidas perdidas para a pandemia. Mas esse número expressivo e impactante pode ser ainda maior na medida que formos atualizando os casos de óbitos em investigação, o que passará a constar em nossos boletins epidemiológicos.

Os óbitos divulgados no boletim do município são de casos concluídos, como recomenda o protocolo do Ministério da Saúde. Já os casos investigados, aguardam resultados de exames do Lacen e do Instituto Evandro Chagas, além da análise de informações feitas pela Vigilância junto aos familiares e médicos.

“A investigação epidemiológica segue o protocolo do Ministério da Saúde, que preconiza as seguintes condições para a declaração de óbito: exame positivo para a doença, dados pessoais com a sintomatologia do paciente e endereço do mesmo”, explica Ingrid Martins, coordenadora da Vigilância Epidemiológica de Macapá.

Os óbitos suspeitos apresentaram sintomas da Covid-19, como febre, tosse e grave dificuldade respiratória. Por isso, o Município cruza as informações dos prontuários médicos registrados nas UBS’s, Hospital de Emergência, Centros de Covid 1 e 2, mortes em casa e casos registrados pela Vigilância Epidemiológica com os resultados dos exames, declarações de óbito e listas de pessoas sepultadas nos três cemitérios da capital.

Secretaria de Comunicação de Macapá

O papel da Defensoria Pública na reinvenção do acesso à justiça em tempos de coronavírus – Por @giovannaburgosr

Por Giovanna Burgos

No mês de maio é comemorado o mês do Defensor e da Defensora Pública. Maio verde, assim chamamos, para lembrar que a nossa cor é a da esperança. Em tempos de pandemia do coronavírus, não há muito o que celebrar. Talvez, nem seja muito justo falar de esperança. Mas talvez haja espaço, no entanto, para fazer o que melhor sabemos: refletir a sociedade sob o olhar dos marginalizados e como são costumeiramente excluídos, por meio de vários mecanismos, dos processos de decisão que os afetam.

O vírus espalhou angústia e foi expondo, de maneira crua e sem pudor, as desigualdades que assolam, principalmente, o nosso país. Acabou, involuntariamente, reforçando o quanto as políticas públicas e as medidas tomadas nos centros de poder, aí incluído o Sistema de Justiça, são majoritariamente pensadas para os visíveis.

E o que a pandemia vem nos ensinando sobre acesso à justiça? Essa reflexão toca especialmente à Defensoria Pública, porque a nossa realidade é permeada de histórias invisíveis que, muitas vezes, não saem dos nossos pedidos e das nossas demandas, pois sequer são apreciadas. O que vem sendo identificado é que o acesso à justiça, que já era algo longe de se tornar uma realidade ansiada, talvez esteja agora ainda mais distante.

Em razão da necessidade de obedecer às normas sanitárias de isolamento social, temos enfrentado desafios para chegar até as comunidades para nos fazer presentes. Mal firmamos a nossa identidade, principalmente no Estado do Amapá, tendo em vista a realização muito recente do primeiro concurso público para a carreira, já temos a inquietante responsabilidade de reformular a nossa atuação, mesmo sem condições estruturais adequadas e o aparato tecnológico necessário. Assim, foi nos cobrada uma criatividade para além da ideia saudável da criação, mas porque era realmente a única saída disponível para não sermos mais um obstáculo para o acesso à justiça.

Uma prática exitosa, que vem reformulando as relações sociais no Estado, idealizada por Defensores e Defensoras Públicas que estão atuando em um grupo de trabalho voltado especificamente para o combate à COVID-19, é a realização de audiências públicas digitais com as comunidades mais atingidas pelos efeitos da pandemia, como é o caso da do Mucajá e Macapaba. O espaço é destinado à educação em direitos, à conscientização sobre a importância das medidas de isolamento social e à consultas jurídicas sobre demandas comuns, em um processo emancipatório de empoderamento inédito no Brasil.

O trabalho, aqui, não para. Os atendimentos seguem por meios remotos, por telefone e aplicativos virtuais. Constantemente, há relatos de que o acolhimento dos Defensores e Defensoras, ainda que à distância, tem sido bem-vindo na falta do contato humano, nossa principal forma de nos fazer presentes. Mas também preocupa a redução constatada na procura pela instituição.

Já cuidávamos de inúmeras vulnerabilidades (econômicas, sociais, informacionais e de gênero, por exemplo), ou mesmo hipervulnerabilidades, quando há a dura convivência de mais de uma delas. Agora, o nosso desafio é cuidar também, já que não houve o desaparecimento das outras, ao contrário, da vulnerabilidade digital ou tecnológica.

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – Tecnologia da Informação e Comunicação, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que uma a cada quatro pessoas não tem acesso à internet no Brasil e quase a metade das pessoas não têm acesso à rede. Na Região Norte, quase quinze por cento daqueles que não acessam a internet não têm acesso ao serviço nos locais que frequentam (Fonte: Agência Brasil). Já se falava, inclusive, em desigualdade digital (“internet inequality”), que passa pelo direito humano fundamental ao acesso à conexões modernas e velozes.

Fato é que, com novos tempos, mudanças são exigidas. Mas é preciso reinventar o acesso à justiça sob o olhar de quem já conhecia com propriedade as suas barreiras. É preciso reinventar o acesso à justiça sob o olhar da Defensoria.

Mudanças que relativizam direitos e flexibilizam prerrogativas não podem vir travestidas de futuro. O perigo mora no retrocesso. Claro, não se discute a necessidade de seguir em frente, com as adaptações necessárias, mas temos que cuidar para não normalizar uma vigilância sombria sobre o privado e não dispor de direitos que não nos pertencem.

Nunca foi tão urgente ouvir, no processo de tomada de importantes decisões, aqueles e aquelas que não existem na realidade virtual. Se não é para eles e elas, grande maioria da população brasileira, que padece com as agruras das desigualdades, para quem, de fato, estáse garantindo a justiça? Podemos, agora, falar, igualmente, da necessidade de se garantir a cidadania digital.

A Defensoria Pública tem, por lei e pela Constituição, o papel de promoção de direitos humanos e da cidadania e redução de desigualdades sociais. O nosso papel, portanto, na reinvenção do acesso à justiça, é resistir a uma suposta evolução, que só beneficia quem dele não precisa. É tensionar as esferas de poder, para permitir que os que mal tinham cidadania agora tenham, além dela, existência digital.

O esforço é, portanto, agora, em dobro. Por isso, é fundamental, para neutralizar os incontáveis danos que virão, contar com uma Defensoria forte e autônoma. Para que a justiça chegue efetivamente não só nos celulares e dispositivos, mas, principalmente, nas pessoas.

* Giovanna Burgos – Presidente da Associação das Defensoras e Defensores Públicos do Estado do Amapá

EduqBrinq distribui gratuitamente o livro “Crianças Unidas Contra o Coronavírus”. Excelente para os pequenos entenderem e aprenderam como se prevenir – Via @alcinea

Muito interessante o livro digital infanto-juvenil “Crianças Unidas Contra o Coronavírus”, editado pela EduqBrinq para as crianças aprenderem como se prevenir do novo Coronavírus. O livro está sendo doado para famílias, escolas, entidades e governos e pode ser baixado no endereço www.eduqbrinq.com.br/livrocorona . É gratuito. Aproveita e baixa logo para dar para os seus filhos, netos, sobrinhos…

O livro aborda de forma lúdica e pedagógica esse assunto tão importante e atual, com foco nas crianças de 6 a 13 anos, apresentando de forma divertida, como uma aventura, o coronavírus, a covid-19 e como se prevenir.

Sabe-se que criança quando tem informação torna-se um agente multiplicador, pois começa a tratar do assunto com os adultos com quem convive e fazer cobranças no sentido de que eles, os adultos, cumpram as “regrinhas” que elas, as crianças, aprenderam e passam a impor. Né não?

Autores

Os autores são amapaenses. Roseane Lopes é professora aposentada, arte educadora e escritora de reconhecido talento. Ela mora em Belém.

Elder Márcio é conceituado odontólogo, além de poeta e pianista muito talentoso Ele reside em Macapá.

Fonte: Blog da Alcinéa

Professores e adultos de 55 a 59 anos começam a receber vacina da gripe nesta segunda-feira, 18

A Secretaria Municipal de Saúde inicia nesta segunda-feira, 18, e segue até sexta, 22 de maio, mais uma fase da terceira e última etapa de vacinação contra a gripe. Desta vez, serão imunizados professores das redes pública e privada em sala de aula, e adultos de 55 a 59 anos. Para esses públicos, a secretaria disponibilizará a vacina por meio de drive-thru, em seis pontos da capital, e cada ponto atenderá um público específico.

Os drives funcionarão das 8h às 18h, nas praças Nossa Senhora da Conceição, Barão, Beira Rio e do 34º BIS, bem como na entrada da rodovia do Curiaú e no estacionamento do Estádio Zerão. “Diferente das crianças, que são mais agitadas para tomar vacina, os adultos podem ser vacinados fora do ambiente da unidade e a estratégia do drive-thru tem dado certo, evitando assim a aglomeração de pessoas”, comenta a coordenadora de Imunização de Macapá, Jorsette Cantuária.

Para receber a vacina, são necessárias as carteiras de identificação profissional para os professores e de identidade para a comprovação de idade dos adultos. Já a vacinação das crianças segue por ordem alfabética, exclusivamente nas unidades de saúde e escolas, bem como para as gestantes, puérperas e pessoas com necessidades especiais. Para eles, a campanha segue até 27 de maio.

A escolha dos grupos prioritários para a vacinação contra a gripe segue a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS). Essa definição também é respaldada por estudos epidemiológicos e pela observação do comportamento das infecções respiratórias, que têm como principal agente os vírus da gripe, onde são priorizados os grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias.

Serviço:

Vacinação para professores e adultos de 55 a 59 anos (18 a 22 de maio)

Modalidade drive-thru nos seguintes pontos (8h às 18h):

Estacionamento do Estádio Zerão – vacinação de professores

Praça Nossa Senhora da Conceição – vacinação de professores

Praça do Barão – vacinação de professores

Praça Beira Rio – vacinação de adultos de 55 a 59 anos

Praça do 34º BIS – vacinação de adultos de 55 a 59 anos

Entrada da rodovia do Curiaú – vacinação de adultos de 55 a 59 anos

Secretaria de Comunicação de Macapá
Jamile Moreira
Assessora de comunicação/Saúde
Contato: 99135-6508
Fotos: Arquivo/Saúde 2020

Boletim oficial 17/05, às 17h: Amapá tem 3.952 casos confirmados de coronavírus; em Macapá são 2.674 casos e 119 óbitos em decorrência do Covid-19 #FicaEmCasa

O Centro de Operações de Emergência em Saúde Pública (COESP) traz novo relatório com dados sobre o Covid-19 no Amapá com 118 novos casos confirmados, sendo 35 em Macapá, 60 em Santana, 03 em Laranjal do Jari, 07 em Mazagão, 05 em Oiapoque, 04 em Pedra Branca e 04 em Porto Grande.

Também há a notificação de mais 11 óbitos ocorridos entre os dias 30 de abril e 17 de maio, em seis municípios. Em Macapá, foram 06 vítimas, sendo uma mulher de 63 anos (sem comorbidade) e cinco homens. Um de 46 anos (sem comorbidade), um de 55 anos (diabético e com neoplasia colon), um de 56 anos (hipertenso e diabético), um de 58 anos (diabético) e um de 63 anos (diabético e hipertenso). Cutias do Araguari registrou a primeira morte, uma mulher de 27 anos. Em Santana, um homem de 45 anos (comorbidade relacionada à insuficiência cardíaca e hipertensão). Em Laranjal do Jari, um homem de 77 anos, sem comorbidades. Em Porto Grande, um homem de 69 anos (cardíaco, diabético e com doença pulmonar crônica). E em Pedra Branca, um homem de 89 anos (hipertenso e diabético).

Painel geral de casos pelo COVID-19:

Casos confirmados: 3.952 (sendo 2.674 em Macapá, 566 em Santana, 07 Calçoene, 30 em Cutias do Araguari, 18 em Ferreira Gomes, 10 em Itaubal, 249 em Laranjal do Jari, 71 em Mazagão, 73 em Oiapoque, 60 em Pedra Branca, 76 em Porto Grande, 05 em Pracuúba, 43 em Serra do Navio, 12 em Tartarugalzinho, 48 em Vitória do Jari e 10 no município de Amapá).

Recuperados: 1.124
Óbitos: 119

Casos confirmados hospitalizados: 173 total
Sistema público: 136 (34 em leito de UTI / 102 em leito clínico)
Sistema privado: 37 (32 em leito de UTI / 5 em leito clínico)

Isolamento domiciliar: 2.536
Em análise laboratorial: 6.909
Descartados: 4.140

Informações sobre casos suspeitos declarados pelos municípios:

Macapá: 3.623
Santana: 1.215
Laranjal do Jari: 315
Mazagão: 356
Oiapoque: 198
Pedra Branca do Amapari: 74
Porto Grande: 180
Serra do Navio: 102
Vitória do Jari: 203
Itaubal: 18
Tartarugalzinho: 75
Amapá: 95
Ferreira Gomes: 43
Cutias do Araguari: 118
Calçoene: 51
Pracuúba: 12

Total: 6.678

Assessorias de comunicação do GEA