Cinco anos sem Jork

Há cinco anos uma notícia triste, via telefonema do amigo Anderson Miranda: Jork Dean, funcionário da Caixa Econômica e músico, morreu. O brother que me avisou da tragédia era gerente do banco onde Jork trabalhava. A lembrança da rede social Facebook me recordou dessa perda. Pessoas bacanas ficam sempre vivas no coração da gente.

Jork tinha 37 anos. Ele foi vitima de uma briga de trânsito que resultou no seu assassinato. A comoção tomou conta dos malucos de Macapá, pois Jork era um cara querido e considerado. Conheci o Jork em 1991, quando cursamos juntos a 7º série, na Escola Alexandre Vaz Tavares (AVT).

O cara era um gozador, um sacana gente boa. Ele nunca andou comigo pra cima e pra baixo, mas quando nos encontrávamos era festa, principalmente nos eventos de rock. Também fizemos algumas malucagens juntos (risos).

Não tive coragem de ir ao seu velório e enterro, mas me disseram que foi diferente, ao estilo Jork de ser. A gente não tinha contato no cotidiano, mas existia brodagem entre mim e aquele sacana.

Jork era uma figura pouco (ou nada) ortodoxa, tocava porradas do Metal, mas também era apaixonado por Beatles e Raul Seixas. O cara fazia miséria no baixo, foi um dos melhores músicos amapenses de sua geração, embalou piseiros memoráveis nas noites quentes de Macapá, quando fazia parte da banda Sloth.

Sua morte foi transformada em alerta para crimes como o do que ele foi vítima e em arte, pois familiares e amigos do músico criaram o Festival “Jork and Roll, realizado anualmente na Praça da Bandeira, no centro de Macapá, no período do que seria seu aniversário.

Jorkdean era um figura alegre, sempre com um sorriso no rosto e direto, não fazia rodeios. Tinha personalidade e possuía uma sarcástica malacagem sutil peculiar.

Não é nenhum exagero afirmar que o Jork ajudou a puxar a fila e firmar no Rock no Amapá, sobretudo o Heavy Metal.

Hoje em dia, os roqueiros de Macapá fizeram de Jork uma referência, uma espécie de ícone do maluco gente boa. Ele nunca quis holofotes sobre si, mas sua memória merece ser tratada como tal. Além de extraordinário músico e atitude foda, ele era gente fina demais. Todos sentimos saudades. Valeu, Jork!

Elton Tavares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *