Depois dizem que a gente é instável…

                                                                                      Por Darth J. Vader

Nobres leitores, peço-lhes desculpas enormes pela ausência. Estive adoecida este mês mais do que o de costume (apesar de, ao que me parece, nunca nos acostumarmos com a dor) e por isso fui impedida psciologicamente de escrever algo para este excelente espaço. Como ainda estou sob efeitos de medicamentos nada psicotrópicos (é uma pena…), The Boss Elton Tavares permitiu-me a graça de escrever ao menos um post por semana. Pois bem, o post de hoje é sobre um assunto muito sério. Be prepare!

Em recente pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o Censo 2010 apontou que há 811 casais homossexuais vivendo em união estável no Amazonas. Neste número, porém, devem ser acrescidos pelo menos mais dois: meu e de um outro casal, inclusive com um deles fazendo aniversário hoje (taurino power!).

Trata-se de um momento histórico, senhoras, senhores e etc. “Pela primeira vez, a pesquisa incluiu uma amostra referente à relação de pessoas do mesmo sexo no país. Segundo o Censo, o número de relacionamentos gays representa 0,16% da população brasileira se for comparado aos 37.487.115 casamentos entre os heterossexuais”, nos conta a reportagem do http://www.d24am.com.br/.

Sim, trata-se de um número muito pequeno, pra não dizer ínfimo. E é daí que vem a pergunta:

– No que afeta sua vida o fato de eu ser gay?

Você vai parar de trabalhar? Vai ter uma diarréia eterna? Nunca mais vai conseguir transar com uma mulher? As mulheres vão parar de ter filhos? Os héteros vão deixar de abandonar as crianças nas lixeiras? Ou o mundo vai acabar no próximo domingo?

Tenha dó! Quantas pessoas você conhece que batem no peito e dizem: “eu não gosto de viado, mas aquele meu amigo é gay mas é considerado!”? Ah, você conhece ao menos um assim…

Não sei se isso chama-se hipocrisia, preconceito ou instabilidade. Podíamos fazer uma palavra só, né? Ficava mais fácil até para revidar na hora que somos atacados… Que tal… enrustida? É sabido que a maioria dos homofóbicos são loucos para pegar gay, ou são gays e não se assumem, ou tem horror a gays porque são ignorantes.

“Essa pesquisa revela apenas a ponta de um iceberg que diz respeito à presença homossexual no País. Certamente, um grande número de casais do mesmo sexo não se assumem perante à sociedade. Os números são bem maiores. Mas, por outro lado, os dados destroem o estereótipo do gay promíscuo, instável sexualmente, o que mostra uma realidade muito semelhante à união entre os heterossexuais”, afirma o antropólogo Luiz Motti, fundador do Grupo Gay da Bahia – continua a matéria.

Não sei se os dados serão positivos em nossa vida cotidiana, porque há sempre duas possibilidades: ou mais grupos radicais serão criados e agirão, ou o governo fará algo para nos ajudar nas 300 milhões de coisas que nos são ceifadas diariamente.

O certo, meus amores, é que agora não dá mais para negar: nós existimos, pagamos impostos, sofremos perseguições e temos medo, muito medo, do mundo lá fora.

Mas é sempre bom saber que você não está sozinho…

E você? Acha que os gays vão se ferrar mais ainda ou trata-se de um avanço para a sociedade? Comentaí!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *