Embrapa e Unifap consolidam cooperação que já resultou em 42 estudos de mestrado

embrapa2

A assinatura de um convênio entre a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Universidade Federal do Amapá (Unifap), visando fortalecer os cursos de pós-graduação, dá seguimento à cooperação técnico-científica consolidada entre as duas instituições. Na ocasião, a reitora Eliane Superti destacou a participação expressiva de pesquisadores da Embrapa credenciados nos programas de pós-graduação da universidade, com ênfase no Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade Tropical (PPGBIO). Ela acrescentou que o “documento assinado agora amplia essa relação para todos os programas, isso é importante porque as duas instituições produzem ciência e tecnologia e juntas são mais fortes para fazerem com que esse conhecimento chegue até à sociedade com mais qualidade”. O ato de assinatura ocorreu na Reitoria da Unifap, na manhã desta sexta-feira, 28/6, reunindo pela instituição de ensino a reitora Eliane Superti, a pró-reitora de pesquisa e pós-graduação, Helena Cristina Simões, o coordenador do Programa de
Pós-Graduação em Biodiversidade Tropical (PPGBIO), Caio Pinho Fernandes, e o vice-coordenador do PPGBIO, José Júlio Toledo; e pela empresa de pesquisa o chefe-geral da Embrapa Amapá, Jorge Yared, e os pesquisadores Rogério Alves e Ricardo Adaime.

A equipe da Embrapa entregou à reitora da Unifap um relatório detalhado com números referentes aos resultados da parceria entre as duas instituições, intitulado “Cooperação Técnica – Embrapa Amapá e Universidade Federal do Amapá para fortalecimento de programas de pós-graduação”. O documento trata das atividades de cooperação executadas entre os anos de 2006 a 2015, com ênfase nos cursos de pós-graduação ofertados nos programas PPGBIO, Mestrado em Desenvolvimento Regional (MDR) e programa Biodiversidade e Biotecnologia da Amazônia Legal (Bionorte). A Embrapa Amapá já atuou, por meio dos seus pesquisadores orientadores, em 9 dissertações do MDR e em 33 do PPGBIO. Também atuou na orientação de 3 teses de doutorado no âmbito do PPGBIO. Durante a elaboração do documento, foram registrados trabalhos acadêmicos em andamento cuja finalização está agendada para 2016 ou a partir deste ano. Nesse caso, a participação de pesquisadores da Embrapa Amapá ocorre em orientação ou co-orientação no andamento de uma dissertação
no MDR e em 11 dissertações do PPGBIO; além de 6 teses de doutorado no PPGBIO e 5 teses no Bionorte.

embrapa1

Entre os trabalhos acadêmicos orientados por pesquisadores da Embrapa estão temas que fazem parte de grandes desafios da agropecuária e desenvolvimento regional, como a ecologia das moscas-das-frutas, coleta intensiva e agricultura itinerante em castanhais da Reserva Extrativista do Rio Cajari, estrutura populacional e produção de andiroba em terra firme e várzea no Sul do Amapá, comercialização e uso da diversidade de flora do Módulo 4 da Floresta Estadual do Amapá pela comunidade do Carnot (Calçoene/AP), manejo de açaizais, riqueza florística e uso tradicional de espécies de várzeas do estuário amazônico, entre vários outros.

Elaborado pelos pesquisadores Eliane Tie Oba Yoshioka, Wardsson Lustrino Borges, e pelo analista Daniel Marcos de Freitas Araújo, o relatório faz também uma descrição do conceito de pós-graduação, traz dados e informações sobre a formação de recursos humanos para a pesquisa científica no Amapá, um breve histórico do surgimento de programas de pós-graduação da Unifap, e tabelas mostrando os títulos de dissertações e teses que contam com a participação da Embrapa Amapá no âmbito dos programas de pós-graduação. Em um trecho, os autores destacam que “essa interação potencializa os esforços dos processos de pesquisa, desenvolvimento e inovação, e fortalece a imagem institucional”.

embrapa23

No início do ano de 2016, estavam credenciados 17 orientadores no PPGBIO, 25 no MDR e 25 no Bionorte. Desses, no PPGBIO, cinco são pesquisadores da Embrapa Amapá, correspondendo a 29%; com relação ao MDR, quatro são pesquisadores da Embrapa Amapá, correspondendo a 16%; e, com relação ao Bionorte, cinco são pesquisadores da Embrapa Amapá, correspondendo ao percentual de 16% de participação da Embrapa Amapá nesse programa de pós-graduação. Os pesquisadores da Embrapa Amapá estão distribuídos em Núcleos Temáticos (NT), de acordo com sua linha de pesquisa: Aquicultura e Pesca, Conservação e Uso dos Recursos da Biodiversidade, Proteção de Plantas, Recursos Florestais e Sistemas Sustentáveis de Produção Agropecuária. Atualmente, estão credenciados os pesquisadores Eleneide Doff Sotta, Eliane Tie Oba Yoshioka, Gilberto Ken-Iti Yokomizo, Jô de Farias Lima, Marcelino Carneiro Guedes, Ricardo Adaime da Silva, Silas Mochiutti e Wardsson Lustrino Borges.


Dulcivânia Freitas, Jornalista DRT/PB 1063-96
Embrapa Amapá
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Macapá/AP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *