Empresa responsável pelo manejo do Meliponário do Bioparque apresenta Relatório de Resultados da atração

Nesta terça-feira (9), a empresa Nectar Consultoria na Amazônia, responsável pelo manejo e consultoria técnica especializada das colmeias no Meliponário localizado no Bioparque da Amazônia, reuniu-se com o corpo técnico do parque para apresentar os resultados dos trabalhos realizados em 2019 e 2020 e, além disso, apresentar o plano de ação para os próximos dois anos.

A reunião com a empresa busca estreitar a relação da gestão do parque com os colaboradores. “Nós recebemos os resultados da meliponicultura desenvolvida no parque para realizar o planejamento estratégico e de manejo das colmeias”, explicou o biológo do Bioparque, Bruno Breno Nery.

De acordo com o biólogo e responsável técnico pela empresa Nectar Consultoria na Amazônia, Richardson Frazão, a apresentação dos resultados tem o objetivo de prestar contas com a gestão.

“Este alinhamento permite avaliar o potencial das abelhas para o Bioparque e também mostrar as inovações no processo iniciado, de maneira que o mesmo possa ser consolidado e tenha maior impacto no consumo de mel puro pelos visitantes do Parque”, disse Frazão.

Segundo o responsável técnico, o Bioparque tem excelente capacidade produtiva do mel das abelhas da espécie Melipona, que não possuem ferrão. “Aqui no Parque temos a área de mata nativa, que favorece a produção do mel das abelhas da Amazônia que por não possuírem ferrão, a produção tem um custo inferior em relação as abelhas africanas”, destacou o responsável.

Resultados

Atualmente o Bioparque da Amazônia tem 130 colmeias e a meta é de que pelo espaço tenha pelo menos 350 colmeias instaladas para consolidar o espaço ecoatrativo.

Nos dois anos de atividade junto ao Bioparque, foram distribuídas mais de 2000 mil doses de mel para as crianças e, além disso, a empresa promoveu oficinas ao ar livre para apresentar a arte da meliponicultura na Amazônia.

O projeto trabalha com três espécies de abelhas – Tiúba (Melipona compressipes), Jurupará (Melipona fulva) e Uruçu laranjada/Jandaíra do Marajó (Melipona paraenses), todas nativas da região amazônica.

Lucas Costa
Fundação Bioparque da Amazônia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *