Entrega de instrumentos musicais e materiais esportivos para projetos sociais nas Comarcas do interior

materiais_8

A Coordenadoria Estadual da Infância e Juventude do Tribunal de Justiça do Amapá, representada pela Desembargadora Stella Ramos, fez a entrega de instrumentos musicais e materiais esportivos para serem usados em projetos sociais das Comarcas de Porto Grande e Oiapoque.

A ação recebe apoio do FAJIJ (Fundo de Apoio ao Juizado da Infância e da Juventude) por meio dos projetos “Os Futuros de Porto Grande”, executado pela Vara Única da Comarca de Porto Grande e “Música na Fronteira”, realizado pela 2ª Vara da Comarca de Oiapoque, em parceria com o Corpo de Bombeiros Militar do Amapá- 7º grupamento do Oiapoque.

Entre os materiais, foram entregues saxofones, trompetes, flautas; além de coletes, shorts, camisas, bolas, luvas troféus.

O Juiz Diego Moura de Araújo, da 2ª Vara da Comarca de Oiapoque, ressalta que o promateriais_6jeto “Música na Fronteira” tem a finalidade de contribuir na formação musical de crianças e adolescentes de baixa renda e em situação de risco social.

“Por meio de oficinas musicais, o projeto pretende atender 100 crianças e adolescentes, de 09 a 17 anos de idade, matriculados regularmente em escolas públicas, com baixa renda familiar e que estejam em situação de risco social”.

De acordo com o Juiz titular da Comarca de Porto Grande, João Teixeira de Matos Junior, o projeto “Os Futuros de Porto Grande” tem o objetivo de desenvolver atividades relacionadas ao esporte e a educação ambiental e pretende atender 50 crianças e adolescentes, na faixa etária de 10 a 15 anos.

“O resultado que nós buscamos com o projeto “Os Futuros de Porto Grande” é dar um apoio educacional e esportivo para as crianças e adolescentes. Essa é uma forma de educar a criança, desde pequena, a não ter um envolvimento com a violência, e de certa forma, manter essas crianças na prática do esporte e da educação”.materiais_11

O magistrado ainda ressalta que todo recurso recebido do FAJIJ é para o incentivo de projetos que tratam do resgate de crianças e adolescentes, e que por meio dessa ação, a Justiça quer dar visibilidade, para que os outros órgãos privados ou públicos, possam também contribuir, de certa forma, com projetos sociais para a juventude.

A Desembargadora Stella Ramos destacou que a Coordenadoria da Infância e Juventude tem dado total atenção aos projetos que os juízes de todas as Comarcas do Estado apresentam para desenvolver ações voltadas para crianças e adolescentes.

Texto: Adrielle Lopes
Fotos: Adson Rodrigues

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *