Serviços de “Saúde e Cidadania” serão ofertados à população durante a Corrida do MP-AP

No dia 17 de dezembro, o Ministério Público do Amapá (MP-AP), a Associação de Membros do Ministério Público do Amapá (AMPAP) e a Associação dos Servidores do Ministério Público do Amapá (ASSEMP) realizam a VI Corrida do MP-AP com o tema: “Saúde e Cidadania”, com largada e chegada em frente à Procuradoria-Geral de Justiça, no Araxá. A ação faz parte do “Programa de Gestão de Pessoas e Qualidade de Vida” da instituição e visa, além do incentivo à prática esportiva, a oferta de serviços para a população.

A secretária-geral do MP-AP, promotora de Justiça Ivana Cei, falou que a iniciativa vai de encontro às orientações do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) para fomentar ações de qualidade de vida no trabalho e no relacionamento com a sociedade. “O projeto “Saúde e Cidadania para todos” tem como objetivo a promoção da saúde e bem-estar para membros, servidores e a comunidade, de forma integrada”, ressaltou.

“A instituição, para desenvolver esse projeto que prevê uma grande ação onde está inserida a tradicional Corrida do MP-AP e atendimentos ao cidadão, formalizou parcerias com o Serviço Social da Indústria (SESI) e o Sistema Integrado de Atendimento ao Cidadão (SIAC) Super Fácil. Na última semana, fechamos com mais duas empresas que apostam no sucesso do evento e na associação de suas marcas à da nossa instituição que são a Domestilar e NorteLog”, comemorou a chefe de gabinete da PGJ, promotora de Justiça, Andréa Guedes, coordenadora do projeto.

No domingo (17), concomitante à Corrida, o SESI estará realizando exames de audiometria e orientação sobre higiene bucal, com apoio da Prefeitura de Macapá (PMM), que doou 600 kits para escovação dentária. Haverá ainda o circuito saúde, com verificação de pressão arterial; glicose; IMC – Índice de Massa Corporal; RCQ – Relação Cintura Quadril; educador físico; e o projeto Cozinha Brasil, com orientação para o preparo e distribuição de suco verde.

O Super Fácil irá disponibilizar as emissões de Carteira de Identidade, Cartão do SUS, carteira de identificação jovem (ID JOVEM) e segunda via de CPF. Ainda, com apoio do Serviço Social do Comércio (SESC) será disponibilizado o estacionamento interno, com entrada pela av. Beira Rio, para os participantes do evento que inicia à 6h.

A VI Corrida do MP-AP conta com o patrocínio do Supermercado Santa Lúcia, Domestilar, NorteLog, Clínica Enchanté – Dra. Gleicy Pires, Companhia de Água e Esgoto do Amapá (CAESA), Clínica Silla Souto e Realiza Eventos.

Serviço:

Gilvana Santos
Assessoria de Comunicação do MP-AP
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: asscom@mpap.mp.br

Inscrições da Corrida do Ministério Público abertas até 11 de dezembro

 

Os amantes de corrida de rua já podem se inscrever para mais uma competição em Macapá. A 6ª edição da Corrida do Ministério Público do Amapá acontecerá no dia 17 de dezembro com largada e chegada em frente ao prédio da Procuradoria Geral de Justiça, no bairro do Araxá.

Este ano, o evento traz como tema “Saúde e Cidadania”.

As inscrições estão abertas até o dia 11 de dezembro e podem ser feitas de forma on-line, no valor de R$ 50.

Os corredores com mais de 60 anos, com deficiência (cadeirantes ou com deficiência visual), estagiários e terceirizados do MP-AP pagarão apenas a metade do valor da inscrição.

A largada acontecerá às 6h30 para as categorias gerais e 10 minutos depois para os cadeirantes e deficientes visuais. Nesta 6ª edição, a Corrida do Ministério Público do Amapá terá um percurso de 6,7 quilômetros, passando por ruas e avenidas da capital.

Além de medalhas e troféus, os competidores mais rápidos da prova irão receber uma premiação em dinheiro que variam de R$ 900 a R$ 100, dependendo da categoria.

Fonte: Diário do Amapá

36 anos do soco de Anselmo Vingador – Um texto para flamenguistas

anselmo1
Como bom flamenguista, sempre leio, assisto e ouço tudo sobre o Flamengo. Entre os títulos conquistados pela máquina rubro-negra dos anos 80, comandada por Zico, um fato marcou a Libertadores de 1981, conquistada no dia 23 de novembro daquele ano: um soco. Sim, uma porrada desferida por Anselmo, atacante do Flamengo no zagueiro Mario Soto, do clube chileno Cobreloa.

lico-flamengo-cobreloa-santiago-1981
Vamos por partes. Depois de passar invicto até a final, o Mengão, campeão brasileiro de 1980, decidiu com o torneio com o Cobreloa. No primeiro jogo das finais, realizada no Maraca, o time da casa venceu por 2×1, com dois gols de Zico. Na partida de volta, no Chile, o time do Flamengo apanhou muito dos donos da casa (agressões mesmo), liderados pelo zagueiro Mario Soto (o brabão) e acabaram ganhando o jogo por 1×0.

hqdefault-1

Nessa partida, o Mengo ficou desfalcado dos jogadores Lico, com um corte na orelha e Adílio, ferido no olho. Ambos abatidos pelo defensor chileno. Li em algum lugar que ele agredia os jogadores brasileiros com uma pedra no punho fechado, se é fato, não sei dizer. Relatam jornais da época que o próprio Pinochet (um dos enviados de Satanás à Terra), nas tribunas, virou-se para um adepto e disse chocado: “Não está exagerando, o nosso Mario Soto?” Imagine como o cara estava “virado no cavalo do cão”…

anselmo-soco

Então rolou a “negra”, uma terceira partida, em campo neutro, realizado há exatos 34 anos, no Estádio Centenário, em Montevidéu, no Uruguai. O Mengão, que tinha infinitamente mais bola, venceu pelo placar de 2×0, com dois gols do Galinho.

Mario Soto, do Cobreloa do Chile, após levar um soco de Anselmo, do Flamengo, na finalíssima da Taça Libertadores da América de futebol. Montevidéu, Uruguai. Publicada na revista Placar, edição 1206, em 1223/11/2001, página 37.

Mas ainda faltava a forra contra Soto, foi aí que, no finalzinho do jogo, o técnico do Mengo, Paulo César Carpeggiani, chamou Anselmo, um jovem atacante de 22 anos, e disse: “ vai lá e dá um soco na cara do Mario Soto”. Anselmo entrou na partida, se aproximou do zagueiro chileno e, na primeira jogada, deu um pau na cara do chileno, que foi a nocaute. O lance causou um porradal, o jogador do Flamengo foi expulso junto com Mario Soto. A decisão logo acabou e o Flamengo virou campeão da América.

1981_fla-x-cobreloa-volta-olimpica

Depois foi só festa. No desembarque do time no Galeão, a delegação se deparou com uma imensa faixa escrito: “Anselmo vingador!” Pronto, Anselmo era tão herói quanto Zico. Mesmo suspenso, o “Vingador” viajou com o time para o Japão, onde o Mengão derrotou o Liverpool e sagrou-se Campeão Mundial Interclube, em 1981.

fea14-zico
Li várias reportagens sobre este fato, mas as duas melhores declarações foram:

Este episódio exprime uma contradição insolúvel do futebol e da vida. Todos nós temos discursos humanistas e politicamente corretos em favor do espírito esportivo e do sentimento cristão. Mas quem sofre uma agressão covarde não esquece. Futebol é arte, balé, xadrez, mas é um jogo viril e abrutalhado em que façanhas como a de Anselmo refletem o alto grau de testosterona e de agressividade primitiva que nos leva a correr atrás da bola. Nosso lado civilizado homenageia aqueles que descartam a vingança física e se contentam com dar o troco na bola e no placar. Mas dentro de cada fã do futebol existe um brutamontes-mirim que não resiste à poesia de um murro bem dado” – Jornalista Braulio Tavares – Jornal da Paraíba.

1981_fla-x-cobreloa-trofeu
Tenho sobre essa porrada uma tese irrefutável – ali, graças a Anselmo, as ditaduras latino-americanas que assombraram o continente durante a Guerra Fria começaram a desabar. O destino do próprio Pinochet foi selado naquele momento. Não é a toa que, em recente pesquisa publicada na Inglaterra, acadêmicos de renome consideraram que as três quedas mais impactantes da história foram a do Império Romano, a do Muro de Berlim e a de Mario Soto na final da Libertadores.” – Luiz Antonio Simas, professor carioca.

07f670c766ea34a696e9bf2364d37eee
Anselmo Vingador!

Bom, acredito que em certos momentos, extremos claro, um murro vale mais do que mil palavras (risos). Aquele soco dado que lavou o peito de milhões de rubro-negros. Viva o Mengão e o Anselmo Vingador! Há 36 anos, direto do túnel do tempo…

Elton Tavares – Jornalista, flamenguista em tempo integral e bom de porrada. 

Abertas as inscrições para a VI Corrida do MP-AP

As inscrições para a VI Corrida do Ministério Público do Amapá (MP-AP) estão disponíveis, desde o último dia 17, com vagas limitadas no site da ChipTiming (clique aqui). A competição realizada em conjunto com a Associação dos Membros do Ministério Público do Amapá (AMPAP) e a Associação dos Servidores do Ministério Público do Amapá (ASSEMP) integra o Programa de Gestão de Pessoas e Qualidade de Vida executado pelo MP-AP, e traz como tema nesta edição: “Saúde e Cidadania”.

A VI Corrida do MP-AP será realizada no dia 17 de dezembro, e como novidade o percurso pela orla do Rio Amazonas, com saída e chegada em frente à sede da Procuradoria-Geral de Justiça – Promotor Haroldo Franco, no Araxá.

O MP-AP, AMPAP e ASSEMP realizam a competição desde 2011, tendo sido a primeira no Estado a utilizar chip para auxiliar na cronometragem do tempo dos competidores e dar transparência ao resultado final. O objetivo é estimular a prática de atividade física e promover a inclusão social através do esporte, assim como a integração de membros e servidores da instituição com a sociedade.

SERVIÇO:

Gilvana Santos
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: asscom@mpap.mp.br

FLAMENGUINHO ESPORTE CLUBE E AS CANELAS TUÍRAS – Crônica de Fernando Canto

Crônica de Fernando Canto

Claro que um clube que não forma base não pode se desenvolver. Não era bem esse o caso do Flamenguinho que nem filiado era à matriz lá no Rio de Janeiro. Nascido no bairro do Laguinho sob a coordenação do empresário José Lima, um maranhense que no fim da década de 60 organizou o time, o Flamenguinho era formado por garotos bons de bola na sua maioria oriundos do Morro do Sapo, ali da Rua São José e arredores.

Um time apaixonado pelo Mengão que realizou dezenas de partidas sem perder para qualquer rival da cidade ou do interior. Um plantel – grupo de atletas selecionados – como diziam os locutores esportivos, feito por uma seleção de moleques que só queria mesmo era “bater bola” fosse aonde fosse: na piçarra solta, no campo de terra dura, na grama ou na lama. Em qualquer lugar lá íamos nós jogar com a camiseta hering branca, onde o escudo do time estava cuidadosamente pintado no peito em serigrafia, calção preto e… descalços.

Da minha parte lembro que joguei no time titular na posição meia-direita. Tinha um futebol razoável, mas ao ponto de barrar uns e outros que depois viriam se tornar grandes jogadores aqui em outros estados. O primeiro time do Flamenguinho realizou invicto, 56 partidas, graças ao talento de atletas como Zé Wilson Jucá, Bolinha e Vevé, de uma zaga em que estavam João Cabral, Careca, Jonas e Chico. No gol o titular era o Quincas Semblano e o Lulu era o reserva. Havia o Valdenor, o Marinho Louro, O Nardo Tupinambá, o Carlos e o Nazaré. Mais o Eugênio, o Raimundo “Barriga Mole” e o Agostinho (Mimim) Tupinambá. O Jorge Cabral era o assistente técnico e o Jorge “Gainete” era o treinador. Ah, o nosso mascote era o Iran, filho do treinador.

Ainda hoje há quem conteste bravamente os resultados da performance do time. Inclusive o Norberto Tavares, meu amigo, que estudou comigo no GM e depois jogou em clubes semi-profissionais como o Amapá e o São José. Mas isso é coisa do passado. Não vou discutir uma ou duas partidas que possivelmente o time perdeu. Na verdade joguei só essas partidas e venci, acho eu.

Agora vejo essas fotografias com a cara séria desses moleques atrevidos do Morro do Sapo. Meninos que tiveram trajetórias bem diferentes, mas que nunca deixaram de ser craques apesar da tragédia pessoal de alguns.

Não pertenci ao segundo time do Flamenguinho. Nessa altura tinha trocado a bola pelo violão e tocava no Grêmio Jesus de Nazaré e nas missas da juventude da igreja de São Benedito. Zé Wilson e Bolinha jogaram em grandes times locais; Everaldino, o Vevé, virou o “Índio”, atuando pelo Rio Negro de Manaus e Jonas foi um cracão do Esporte Clube Macapá. Eugênio, Chico, Marinho, Lulu, Quincas, Mimim, Nardo, Barriga Mole, Careca e Nazaré viraram funcionários públicos do mesmo jeito que o Gainete, os irmãos Jucá e eu. Carlos voltou para o interior e o Vevé sumiu de vez. Valdenor também. Ah sim, o mascote virou militar.

Decorridos cerca de quarenta anos chegam esparsas e não muito boas notícias sobre aqueles adolescentes de 13, 15, 16 anos. Dizem que Bolinha, com excesso de peso, se recusa a fazer cirurgia de redução de estômago, um e outro têm doença degenerativa, coisas assim.

O fundador e mantenedor do time, seu Lima faleceu ainda jovem, não tanto quanto o zagueiro Cabral que morreu de tiro num acampamento, aos 18 anos, justamente quando servia o Exército em plena zona de conflito armado no Araguaia, sul do Pará.

Na foto que tenho ninguém sorri. Calculo que é por causa do sol do meio do dia derramado sobre o capim seco do velho campo do América, onde um dia tivemos nossas vitórias e cansamos nossos pés em busca de um futuro cheio de glórias que se avistavam além da poeira do campo. E certamente multiplicamos nossos sonhos para mais longe ainda da pose estática da fotografia. Uma foto que “historiadores oficiais” esquecerão, mas que nós nos lembraremos rindo na nossa solidão, quando a voz materna nos mandava tomar banho, á tardinha, para lavarmos bem nossas canelas “tuíras” e cheias de cicatrizes.

* Fotos surrupiadas do magnífico blog Porta Retrato, do jornalista João Lázaro.

Vinte e oito equipes já estão classificadas para etapa final do 41º Torneio Interdistrital

Já estão classificadas para etapa final do 41º Torneio Interdistrital de Futebol vinte e oito equipes. A competição encerrará em dezembro, em Macapá. De acordo com o regulamento, podem se classificar quatro representantes de cada comunidade, sendo os primeiros e segundos colocados masculino e feminino. Das 10 comunidades que participam do certame, 7 já definiram os seus representantes (Tracajatuba, Maruanum, Matapi, Carapanatuba, Santo Antônio da Pedreira, Santa Luzia e São Joaquim do Pacuí).

De acordo com o coordenador municipal de Esporte e Lazer, Léo Sávio Almeida, os competidores têm demonstrado um bom comportamento durante os jogos. “As equipes estão conseguindo fazer grandes jogos. As comunidades estão participando de maneira ordeira, organizada e o nível da competição está cada vez mais forte. No próximo mês, na etapa final, com certeza, farão uma grande festa no Estádio Glicério Marques”.

O representante de Santo Antônio da Pedreira, Danilo Neves da Silva, manifesta a satisfação em participar do torneio e está confiante na conquista do título. “Essa competição é bastante disputada e conseguimos a classificação para disputar nas etapas finais, em Macapá, e se Deus quiser conquistaremos o título de campeão”.

Este ano, a competição reuniu aproximadamente 4.800 atletas, nas categorias masculina e feminina, divididos em 192 equipes, com 25 participantes cada. Ainda este mês acontecerão mais duas seletivas. Neste sábado, 11, e domingo, 12, serão definidos os representantes do distrito do Coração, na comunidade Lagoa de Fora, a partir das 8h; e nos dias 18, 19 e 20 a seletiva acontecerá no arquipélago do Bailique, Vila Progresso, no mesmo horário.

Premiações:
1º colocado: R$ 5 mil + troféu (masculino/feminino);
2º colocado: R$ 3 mil + troféu (masculino/feminino);
3 colocado: R$ 2 mil + troféu (masculino/feminino).

Cliver Campos
Assessor de comunicação/Comel
Contatos: 98126-0880 / 99175-8550
Fotos: Rui Brandão

Avap premia os melhores kitesurfistas da Travessia em Defesa do Rio Amazonas

Já são conhecidos os campeões da quarta edição da Travessia em Defesa do Rio Amazonas. A competição foi encerrada domingo, 5, na orla do bairro Cidade Nova I, na zona leste de Macapá. A disputa contou com participação de 40 kitesurfistas entre atletas do Amapá, Pará, Minas Gerais e Guiana Francesa.

Na categoria open masculino, o vencedor foi Lídio Douglas, de 44 anos, que completou o circuito com 40min 55s. Já no open feminino, a kitesurfista mineira, Felicia Ferreira, de 32 anos, foi a mais rápida e concluiu o trajeto em 53min 49s. Além dos opens masculino e feminino, a quarta edição da Travessia em Defesa do Rio Amazonas também contou com as categorias free rider e iniciante. Os vencedores receberam troféus e premiações em dinheiro.

A largada aconteceu no complexo do Jandiá em direção à ilha dos Porcos, no estado do Pará. A prova durou em média 40 minutos com um percurso de mais de 30 quilômetros. A competição foi realizada pela Associação de Velejadores do Amapá (Avap).

Os vencedores

Iniciantes

• Renato Gonçalves – AP – 53min 37s
• Henrique Hermínio – AP – 57min 26s
• Rafael Garcês – AP – 1h
Free Rider
• Francimar Mendonça – AP – 44min 45s
• Darlei Crispin – AP – 45min 01s
• Lídio Junior – AP – 47min 07s

Open Masculino
• Lídio Douglas – AP – 40min 55s
• Eliton Franco – AP – 40min 58s
• Charles Jânio – AP – 42min 48s

Open Feminino
• Felicia Ferreira – MG – 53min 49s
• Ana Paula Araújo – PA – 57min 10s
• Alvelina Lameira – PA – 1h03

Fonte: Diário do Amapá

Sesc Amapá realiza primeira ParaCopa Sesc em Macapá

De 09 a 11 de novembro, o Sistema Fecomércio por meio do Sesc Amapá, realiza em Macapá a 1ª ParaCopa Sesc – Festival de Desporto Adaptado, que tem como objetivo popularizar as atividades esportivas para pessoas com deficiência (PcDs) e de debater sobre atividades de inclusão, interação e inclusão social, além de fomentar a prática paradesportiva, capacitando os recursos humanos para o desenvolvimento desse trabalho.

O evento também contará com a participação do nadador e medalhista paraolímpico mundial, Clodoaldo Silva, além de apresentações de dança, roda de capoeira e festival esportivo.

Com entrada franca, as atividades serão realizadas nas dependências do Sesc Araxá e do Senac. Confira a programação completa:

09/11/2017
Local: Auditório Senac
14h – Abertura
15h- Palestra Clodoaldo Silva
18h – Encerramento

10/11/2017
Local: Sesc Araxá
16 as 18h – Aula prática com Clodoaldo Silva

11/11/2017
Local: Quadra Senac
8h as 11h30 – Festival Esportivo

Assessoria de comunicação do Sesc Amapá

Travessia de kitesurfe no Rio Amazonas terá atletas do Brasil e França

Por André Silva

Acontece neste fim de semana, a 4ª Travessia em Defesa do Rio Amazonas, entre Pará e Amapá. A competição vai contar com 41 atletas de kitesurfe do Brasil e da França. A largada será no Canal do Jandiá, na orla do Perpétuo Socorro, zona leste de Macapá.

O evento é promovido pela Associação de Velejadores do Amapá, e o objetivo é conscientizar para a preservação do rio Amazonas.

Antes da primeira largada, que será neste sábado (4), os competidores vão fazer uma limpeza na orla da cidade.

“Essa travessia toma uma dimensão muito grande porque o foco maior, é ambiental, voltado para a limpeza e proteção do rio”, falou o presidente da associação, Charles Jânio Monteiro.

Vão participar desta etapa competidores de São Paulo, Brasília e Guiana francesa.

Esta é a terceira das sete etapas do circuito que ainda vão acontecer este ano. A abertura do evento aconteceu na manhã de sexta-feira (3), em um shopping de Macapá. A programação segue neste sábado e domingo.

Fonte: SelesNafes.Com

Com apoio da prefeitura, paratleta conquista 3º lugar em competição nacional de atletismo

A paratleta Elisângela Silva foi a 3ª colocada na última etapa do Circuito Caixa de Atletismo, que aconteceu no período de 27 a 29 de outubro, no Centro Paraolímpico Brasileiro, em São Paulo (SP). Na prova de arremesso de dardo, Elisângela conseguiu arremessar a 15 metros, conquistou a medalha de bronze e passou a ocupar a quarta colocação no ranking nacional da modalidade, que anteriormente ocupava o quinto lugar.

De acordo com o coordenador de Mobilidade e Acessibilidade Urbana, Jodoval Farias da Costa, o paradesporto é uma proposta de inclusão e socialização, e visa melhorar a autonomia e a autoestima da pessoa com deficiência. “É fundamental esse tipo de apoio, já que na medida em que você consegue superar essas limitações, pontuar, classificar e competir, mesmo considerando a deficiência de igual para igual das modalidades, essas pessoas passam a incentivar outras para a prática esportiva. Por esse motivo, o paradesporto vem crescendo no Brasil e no mundo, por ser um exercício inclusivo e é uma política pública viável”, disse.

A paratleta destacou a relevância do feito e do apoio da gestão municipal. “O apoio do Município foi mais do que necessário, porque se não fosse a ajuda, não participaria da competição e nem teria conseguido ficar entre as três melhores do Brasil. Além dessa conquista, melhorou muito a minha autoestima, pelo fato de eu estar junto com as melhores competidoras do país e isso me estimula a continuar no esporte”, ressaltou.

Até o fim do primeiro semestre de 2018, será executado o Programa Segundo Tempo Paradesporto, juntamente com o Governo Federal. A iniciativa funcionará em três polos: Escola Municipal Wilson Malcher (zona sul), Escola Municipal José Duarte de Azevedo (Central) e CEU das Artes (zona norte). Poderão participar das atividades, prioritariamente, pessoas com deficiência a partir dos 6 anos de idade.

Cliver Campos
Assessor de comunicação/CMMAU
Contatos: 98126-0880

Luau da Samaúma: inspirados nos anos 20 a 80, ciclistas farão passeio retrô em Macapá

Será através da bicicleta que os amapaenses poderão “voltar no tempo”, quer dizer, mais ou menos, pois no dia 1º de novembro será realizada mais uma edição do Bike Chic Retrô. Os ciclistas usarão roupas e bicicletas antigas para fazer uma passeio bem diferente pela orla de Macapá.

A concentração acontecerá às 17h30 no estacionamento da Fortaleza de São José. Para participar do passeio retrô, é preciso estar a caráter, com roupas que eram moda nas décadas de 20 a 80.

O passeio será realizado pela Federação Amapaense de Ciclismo (FAC) e faz parte da programação do Luau na Samaúma que acontecerá no complexo do Araxá, em frente ao prédio do Ministério Público do estado (MP) no dia 1º de novembro.

– Essa vai ser uma edição especial do Bike Chic Retrô. O Ministério Público convidou a federação para que a gente convocasse o pessoal para realizar esse passeio dentro do Luau da Samaúma. A concentração será na Fortaleza de São José e de lá sairemos pedalando até o Araxá para ser uma das atrações do luau – contou Jair Borges, presidente da FAC.

Fonte: GloboEsporte.Com

*Fotos: Divulgação/FAC

Velejadores participam da quarta edição Do Fast Race

As águas do rio Amazonas ficarão agitadas neste fim de semana em Macapá com a quarta edição do Fast Race de kitesurfe. O evento vai iniciou na sexta-feira (13) e encerrar no domingo (15), na orla do bairro Cidade Nova, na Zona Leste da capital amapaense.

A competição é realizada pela Associação de Velejadores do Amapá (Avap). Hoje (14) e amanhã (15), os kitesurfistas caem na água disputando o primeiro lugar no Fast Race.

Mais de 30 velejadores participam da competição para a categoria geral, Race Freeride, master e feminino. Além do troféu, o vencedor geral receberá R$ 800, o segundo colocado ficará com R$ 500, o terceiro com R$ 300 e o quarto com R$ 200.

Fonte: Diário do Amapá

Bacana => Amapaense conquista medalha de ouro em evento de beach boxing no RJ

Por Rafael Moreira

O lutador amapaense Juscelino Bonifácio Pantoja conquistou a medalha de ouro após vencer Dyllan Nascimento na 11ª Edição do Beachboxing Brasil que aconteceu no domingo (1º), na praia de Ipanema, no Rio de Janeiro. Esta foi a primeira vez que o pugilista disputou uma luta na areia.

Juscelino Pantoja representou a academia Nova União e sobe olhares do lutador do UFC, José Aldo, o amapaense teve calma e tranquilidade para controlar o adversário e vencer por unanimidade.

Nascido em Macapá, Juscelino deu seus primeiros passos no boxe no projeto social da Academia Nelson dos Anjos, mas sem muitos recursos para treinar e participar de competições nacionais, o amapaense teve que sair do estado para continuar lutando. Por meio das redes sociais, o pugilista não esqueceu as raízes e dedicou essa vitória para os familiares e a antiga escola onde começou no esporte.

– É tudo nosso Macapá. Essa vitória é para o meu bairro [Congós], minha família, meus amigos e todos que torceram por mim – disse o amapaense.

A 11ª Edição do Beachboxing Brasil contou com um card de 16 lutas, sendo que quatro foram no naipe feminino. Nesta modalidade, os atletas lutam descalços, o ringue é menor do que o tradicional (5mx5m) e tem três rounds de 1,5 minuto por um de descanso. Além disso, as luvas são mais acolchoadas e reduzem os danos físicos.

Fonte: GloboEsporte.ComAP