Existem vários “Piquets” na vida da gente – Crônica de Marcelo Guido

Crônica de Marcelo Guido

Em mais de uma semana tenho acompanhado na TV, sites e por que não até nas conversas os desdobramentos sobre o caso “Nelson Piquet”.

Piquet foi um excepcional piloto de Formula 1, tri campeão mundial da categoria , correu também a fórmula Indy, dentre outras competições que envolvem carros, motores, etc. Também é o inventor daquela malha que aquece os pneus antes das provas, coisa que além de muita grana rendeu muito respeito para o mesmo, nesse meio.

Piquet, também sempre foi um cara controverso, diziam ser antissocial, não chegado a imprensa, uma espécie de anti-herói, ao contrario de Senna. Sabe aquilo do falar o que pensa, sem medir consequências, dar um singular “foda-se” para opinião e dizer assim: sou assim mesmo.

Então, ao se referir a um outro grande Piloto, Lewis Hamilton, sete vezes campeão mundial da F1, condecorado “SIR”, pela Coroa Britânica, e antes de tudo o primeiro PRETO a ter sucesso então excludente esporte com um famigerado termo “neguinho”, não pegou nada bem para o velho Nelson.

Antes tivesse proferido tal despautério , no conforto de seu lar, junto dos seus que merecem compartilhar e talvez concordem com tal sandice saída de sua boca, mas Nelson não fez assim, tal comentário foi público para que todos soubessem como ele pensava. Infelizmente.

Bom, deixemos essa parte para outra hora, mas e os “Piquets”, que encontramos no dia a dia, não que cruzamos na rua todos os dias com um tri campeão mundial, ou alguém que tenha inventado algo que tenha lhe dado respeito e fortuna para a vida toda etc.

Eu pelo menos conheço um motorista de Ônibus, aliás dois, e vários “empreendedores”, Ubers, 99s e um Taxista. Mas conheço vários “Nelsons Piquets” da mediocridade.

Explico, conheço muita gente que já foi muito querida inclusive e uns me esforço muito para que continuem sendo (a dita distância saudável, me ajuda e muito nesses casos), que assim como o candango Nelson também a muito tempo perdeu a vergonha, ou nunca teve, de ser o que é um escroto.

Aquele que com a desculpa de “ah, esse é meu jeito”, “geração mimimi” ou “tenho o direito de ser assim”, continua destilando todo seu preconceito e escrotidão a os quatro ventos nos dias de hoje.

Não enxergam que a sociedade mudou e que gente com um pensamento retrogrado, precisa sim tomar cuidado com o que diz e pensa.

Sobe o aspecto que “tudo e bulling” continuam diminuindo quem se é diferente, opa que é diferente deles, quem não cabe dentro de seu pensamento pequeno de normalidade, é aquele amigo ou amiga que por exemplo é contra o casamento gay, que acha as cotas raciais desnecessárias ou que diz que “o bolsa família criou uma geração de vagabundos”, fora que não respeita a opção religiosa, esnoba os menos favorecidos e acha qualquer tipo de militância algo “desnecessário”.

Sim esses são os MEUS e talvez os seus “Nelsons Piquets” diários, faz ai um exercício, quantas pessoas assim tu conhece?

Aposto que muita gente vai ver que tem também.

Continuemos na torcida, para que essas pessoas aprendam de uma vez por todas que a evolução é constante, que menosprezar alguém com tamanha falta de sensibilidade é realmente tacanho e só prova a própria pequenez.

O termo utilizado pelo Piquet ( ex piloto) “neguinho”, para um cara que dentro do circo da F1 já levou tudo aquilo de troféus, honrarias e blábláblás, e tudo aquilo que ele representa, caras realmente foi algo muito RACISTA.

O ex piloto, já tá vendo que fez merda, deve pagar alguma multa (tem como), vai sofrer sanções e tal e com certeza, não vai mudar, fazer o que ? , bom mas pelo menos eu não tenho que conviver com ele. Mas para os meus “Nelsons”, eu espero que o mundo ao redor os mude, que as sanções da vida os tornem melhores e que uma hora ou outra vocês se toquem que não cabe mais isso no mundo, eu realmente torço muito para que isso aconteça.

Bom, isso eu faço com os meus, e vocês ?

Sobre o verdadeiro Nelson Piquet, o piloto, ele voltou atrás no pedido de desculpas ao Hamilton, e tratou a situação toda como mero “papo furado”, sim ele realmente parece muito com os meus.

A diferença é que o Piquet ao menos foi excelente nas pistas, não só na mediocridade.

*Marcelo Guido é Jornalista, pai da Lanna e do Bento e maridão da Bia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.