Feliz aniversário, Fernando Canto! – @fernando__canto

Toda vez é isso, como já escrevi noutra crônica de felicitações, quando é hora de escrever sobre o meu herói, quando o assunto é a arte da escrita. Não gosto de tempero artificial em textos de parabéns, tem que ter verdade. E é por isso que este texto é sobre admiração, muito respeito e amor.

Hoje, neste vigésimo nono dia de maio, Fernando Canto gira a roda da vida pela 66ª vez (bela marca). Ele é um dos mestres jedis da literatura e poesia da Amazônia. E, para mim, o maior escritor vivo do Amapá.

Fernando Pimentel Canto é compositor, cantor, músico, jornalista, sociólogo, professor Doutor, poeta, contador de histórias, causos e estórias, contista e cronista brilhante, apreciador e incentivador de arte, sociólogo, imortal da Academia Amapaense de Letras, ícone da cultura amapaense, escritor “imparável”, boemista, marido da Sônia, amante do carnaval, biriteiro considerado, embaixador do Laguinho, mocambo, membro fundador do Grupo Pilão, flamenguista e ex-atacante do Flamenguinho (time do Laguinho dos anos 60, onde segundo ele, o “Bira Burro” foi seu reserva), militante cultural e servidor da Universidade Federal do Amapá.

Com 17 livros publicados (de crônicas, poesia e contos) ; composições suas e outras com grandes nomes da música amapaense; ensaios teatrais, entre outras incontáveis contribuições para a cultura e resgate histórico do Amapá, além de cargos importantes ao longo de sua carreira, Canto é um ardoroso partidário da causa cultural tucuju. O “Cidadão Amapaense” mais amapaense que a maioria dos que aqui nasceram. Quem não o conhece ainda, ou não é do Amapá ou ‘bom sujeito não é’ – com a devida licença poética.

O cara é divulgador, incentivador e memória das artes tucujus. Ele é um acervo vivo de nossa identidade cultural. Uma espécie de Forrest Gump e Big Fish (grandes contadores de histórias do cinema) do Laguinho e de Macapá. Poucos atingem essa idade com a marca da genialidade, principalmente acompanhada de simplicidade e paideguice. Assim é o F.C.

Além de tudo isso, é um homem de bem e um cara muito porreta!. Sou fã dessa figuraça e muito me orgulha ser seu amigo.

Tenho cá minhas ambições como escritor. Comecei há pouco tempo e tenho um livro (prefaciado pelo Fernando), só esperando a pandemia passar, para ser lançado. Mas se fizer 10% do que esse cara fez, já ficarei feliz demais.

Apesar de ser um cara Phoda, Fernando Canto é humilde, tranquilo, gente fina. Desprovido da arrogância e boçalidade de muitos, que não possuem nem metade do talento e da bagagem cultural dele.

Existem uns poucos que falam bobagens do amigo. Ser uma pessoa de tanto talento e repertório, como Fernando, é realmente – às vezes- incomodar. Desconfio de gente assim e todos que conhecem o Fernando também, pois o grande artista das letras e palavras é um baita caboclo gente fina! Tenho muito orgulho de ser amigo dele.

Fernando Canto faz parte da lista de grandes amigos que fiz na vida. Eu o admiro e respeito. Apesar destes tempos tristes de pandemia, hoje é dia de ficarmos felizes pela vida do “papai smurf”, como o chamamos no grupo “Fuleiragem com Cerveja”.

Macapá possui pessoas especiais, seres que, em alguns casos, mesmo não nascidos aqui, para cá vieram e, como diz FC, ‘pegaram de galho’. Graças à passagem tridimensional que existe nessa cidade no meio do mundo, também conhecida como Linha do Equador.

Mestre Canto, que Deus, Morgan Freeman (ou seja lá o nome do “síndico”) te dê sempre saúde, tardes felizes no Abreu, Loro, Maria ou qualquer outro bar, onde tu és sempre bem-quisto e bem-vindo! Que curtas seus lindos netos e recebas sempre o amor da Sônia. Que sejas sempre feliz, como os periquitos que comem mangas na avenida, com a benção de São José e do Chefe dele. Que recebas mais visitas da Júlia. Que tu sejas esse pai, avô e amigo porreta, além desse artista e escritor incrível, por no mínimo mais 66 maios, “abenetando” ou não.

A gente, tua família e amigos, te ama. Meus parabéns pelo teu dia, mano velho. Feliz aniversário, querido Fernando!

Elton Tavares

  • Avatar

    Grande Fernando…essa Crônica do Elton diz tudo, e a essas palavras, a todas eu aprovo aplaudindo de pé, enquanto canto um afinadissimo..Parabéns para você!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *