Férias em casa – Crônica de Ronaldo Rodrigues

Crônica de Ronaldo Rodrigues

Não sou de planejar muito as coisas da minha vida, mas saí um pouco desse método (ou não método) e passei a me imaginar de férias em Belém, com a família daqui indo ao encontro da família e amigos de lá. Julho foi o mês acertado e tava tudo OK. Até chegar esse vírus e acabar com a porra toda (imagine aqui um emoji desconsolado…).

Agora tanto faz. Hoje ou em julho, não vou poder viajar mesmo por um bom tempo. Precisamos aguardar até termos segurança para viagens. Mas já que as férias foram antecipadas, num período em que até ir à esquina é arriscado, vou aproveitar para fazer um tour pela minha casa. Já li em algum lugar – estou com preguiça de procurar onde – que a poeta Cecília Meireles fazia isso. Ela e as filhas se vestiam para passear… pela própria casa. Claro que a casa dela era bem maior que a minha e o passeio devia durar algumas horas. Para visitar minha casa, creio que dez minutos bastam.

Por onde começar? Poderia ser pelo terraço, mas não há. Atar uma rede na varanda para ler ou simplesmente ficar à toa? Até que rede tem, livros também, assim como a vontade de ficar largado. O que falta é a varanda. Um mergulho na piscina seria bom, não fosse o inconveniente de que não existe piscina. O lance é curtir o que tem. Dei uma volta pela sala e, com cinco passos, já estava na cozinha. Abri a porta e andei pelo quintal (um chagão de poucos metros e com piso de lajota, nada de grama ou areia). Parei para admirar a beleza arquitetônica de uma teia de aranha e prossegui. Fui até o quarto à procura de um recanto não explorado e descobri que todos os recantos já foram explorados, assim como toda a casa.

Terminei meu passeio e organizei minha rotina de férias em casa, onde estão livros e filmes a serem devorados. Com parcimônia, pois falta de tempo não é problema neste momento. Vou desenvolver textos e desenhos, rever alguns projetos engavetados e fazer algo essencial para a manutenção da saúde mental: me desviar do excesso de notícias ruins, sem me desligar do que é realmente importante saber nos noticiários. Eu já estava sem beber e fumar antes mesmo da quarentena e vou continuar assim. Também estou mantendo a barba curta e parei de roer as unhas. Eu sempre brinco comigo mesmo que sairei outra pessoa deste período.

No mais, alguns exercícios físicos leves, continuar me alimentado de forma regulada e curtir a minha casa, que é pequena, mas a imaginação e o coração são imensos. O carinho, o amor e a amizade não tiram férias. Sigamos em frente que vai ficar tudo bem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *