GEA denúncia tentativa de extorsão à PF/AP

                                     Secretária Mirian Corrêa – Foto:Márcia do Carmo.
A secretária de Estado da Educação, Mirian Corrêa, juntamente com o procurador geral do Estado, Márcio Figueira, denunciaram, nesta sexta-feira, 03, à Polícia Federal, uma tentativa de chantagem, por parte de um funcionário, que se identificou como “Leite”, da LMS Vigilância e Segurança Privada.
De acordo com a titular da Secretaria de Estado da Educação (Seed), a abordagem foi feita, nesta quinta-feira, 02, ao Gerente de Núcleo da Seed, Sávio Flexa visava a prorrogação do contrato da firma, no valor de R$ 43 milhões, com o Governo do Amapá, que encerrará em setembro de 2011.
“Desde o início de nossa gestão na Seed, procuramos, através de estudo técnico, sanear as contas da Secretaria. Entre os contratos vigentes, está o da prestação de serviços de vigilância por parte da LMS.Com o esforço da nossa equipe, teremos como economizar neste campo, onde estamos optando entre realizar licitação ou ainda transferir os vigilantes para a Unidade Descentralizada de Execução (UDE) da Seed, que administra as merendeiras e serventes, com recursos do Caixa Escolar, com um custo de R$ 28 milhões”, explicou a secretária.
Conforme a secretária, o representante da empresa abordou o gerente da Secretaria e disse que o contrato da firma com Seed, seria prolongado a qualquer custo. Foi então que Leite teria mostrado, em um computador portátil, ao servidor da Seed, um vídeo com imagens do marido de Mirian Corrêa recendo dinheiro, supostamente propina no valor de R$ 115 mil.
“Há três meses, a LMS tenta conversar comigo, mas nunca os recebi por causa da agenda de viagens ao interior. Então a abordagem foi ao meu gerente e em tom ameaçador, servidor disse ao Sávio que não perderiam o contrato com a Seed por nada, mesmo que fosse preciso usar as armas que eles possuem. Foi quando o tal Leite mostrou partes de um vídeo e mostrou ícones de vários arquivos, que segundo ele, comprometem várias pessoas do Governo”, disse a titular da Seed.
Segundo a titular da Seed, seu marido, Edilberto Silva, é gerente empresarial da Caixa Econômica Federal (CEF/AP), um funcionário de carreira da instituição bancária há 23 anos. Para a gestora da Educação, a empresa abriu uma conta de pessoa jurídica no banco somente para tratar com seu esposo.   
“A LMS abriu uma conta na CEF, banco que a empresa não usava antes, no intuito de se aproximar do meu marido. Eles tentaram uma aproximação através do meu marido, mas entendo que não é papel de secretário de Estado receber empresários, isso é atribuição da Coordenadoria de Administração e Finanças. Estou tranqüila quanto minha gestão e acredito que este vídeo é montado”, esclareceu a secretária.
Suposta extorsão pela imprensa
Outro fato lamentável deste caso é a suposta tentativa de extorsão, por parte de um jornalista local, que teria enviado uma mensagem de texto, via celular, à secretária Mirian Corrêa. A titular da Seed desconfia de chantagem e o fato também foi protocolado no inquérito da Polícia Federal.
A mensagem diz: “Tenho um vídeo que compromete seu marido Beto com empresa de vigilância. Gostaria de ouvi-la antes de colocar no ar”.
“Quando li a mensagem, entendi que estou sendo chantageada. Não só pela LMS, mas também pelo jornalista em questão. Presumi que seria algum tipo de negociação, não pensei duas vezes. Imediatamente comuniquei ao governador Camilo Capiberibe e denunciei os fatos à Polícia Federal”, pontuou Mirian Corea.
Governo toma as providências legais
De acordo com o procurador Geral do Estado, Márcio Figueira, além de protocolar a denúncia, o Estado tomará as medidas legais para, após a apuração dos fatos por parte da PF, entrar com representação contra a LMS por tentativa de extorsão e coação da gestora da Seed.
Apresentamos a notícia crime junto à PF pedimos a abertura de inquérito policial Federal. A LMS já está sob investigação da Federal e parece que a empresa pratica, de maneira corriqueira, a chantagem e extorsão. Por conta deste histórico da firma, resolvemos denunciar e pedimos a apuração cabal destes fatos, pois o governador Camilo Capiberibe não concorda com atividades ilícitas, seja  de agentes públicos ou de empresas contratadas para prestar serviço ao Estado”, comentou o procurador geral.
Marcio Figueira disse ainda que acionará a Polícia Civil do Estado, para que investigue paralelamente à Polícia Federal, a tentativa de extorsão.
“Não admitiremos nenhum tipo de pressão ou chantagem para prorrogar este contrato. Além da investigação Federal, acionaremos a Polícia Civil para investigar este caso paralelamente à PF e  tomaremos as medidas judiciais cabíveis contra a LMS, porque essa tentativa de chantagem não pode ficar impune”, finalizou Márcio Figueira.
Elton Tavares
Assessor de Comunicação
Secretaria de Estado da Comunicação Social
Compartilhe isso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*