Gostem ou não, eu sou gay

por Darth J. Vader
Semana corrida, muito trabalho, pouco lazer… até aí, tudo normal… Você tira um tempo para dar uma olhada no Twitter e dar um oi pros cumpadres e vê, assustado, que existe uma mensagem estranha pra você.

Percebe que se trata do endereço de um blog, então resolve verificar. A surpresa é velha: O blog “pertence à Igreja Católica e oferece apoio espiritual àqueles que sentem atrações pelo mesmo sexo, ajudando-os a enfrentar sua condição junto de Cristo e transmitindo-lhes o ensinamento da Santa Igreja a respeito da sexualidade humana. Coragem não é um programa de reorientação sexual, mas foca-se no chamado à santidade, pela vivência da castidade cristã”. Tá pra ti?

Quer me dizer que ‘coragem’ não é uma ‘reorientação’? Isso não existe! Eu nasci assim e nem por isso faço mal a alguém.

E o cara ainda ficou me enchendo no Twitter: você tem que aceitar Cristo e sair dessa vida… Mas gente, eu num tenho como sair dessa vida! Eu sou feliz assim, trabalho pra burro e ainda sou mãe, esposa, filha, empresária, dona de casa, amiga e blogueira! Como assim??

Eu respondi que não preciso deixar meu sentimento gay para ser aceita por Cristo, já que foi o Pai dele quem me fez. Aí, a coisa piorou: ‘meu pai tem uma tentação com a bebida. Se ele for alcóolatra e argumentar que Deus o fez assim e ele nada fizer a respeito? Seu argumento não é válido’. A loka! Por acaso eu gasto horrores com bebida, prejudico a todos da minha família por que sou gay?

Já chateada com o cidadão, perguntei se ele tinha procuração de Jesus para ficar me julgando e me dizendo o que devo fazer – o que, sinceramente, é o que parece quando os ortodoxos chegam com esse troll. Ele me perguntou se acredito na Bíblia. Eita! Essa foi demais! O cara num tem argumento e aí me passa pra outra história?

Sinceramente, eu num aguento mais isso não. Já estou tirando dos meus contatos aqueles que insistem em querer me ‘salvar’ porque sou homossexual… Já não tenho mais paciência para gente bitolada, que faz da Bíblia sua procuração para julgar a tudo e a todos.

Também não entendo o que minha sexualidade vai impactar na vida do outro. Eu não saio perguntando por aí com quem você se deita e muito menos deixo de dormir por conta da resposta. Aliás, se você perguntar isso para um machão, é mais fácil levar uma surra que uma resposta decente.

Tudo isso para dizer que eu sou feliz assim. E ponto final.
Compartilhe isso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*